Pierre Kolmann – Seleção De Sucessos N. 1 (1962)

O TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um álbum do enigmático pianista Pierre Kolmann, lançado em 1962 pela Musidisc de Nilo Sérgio. Cronologicamente, este é o quarto LP de Pierre aqui postado. Como vocês bem se recordam, Pierre Kolmann é um dos muitos pseudônimos  do compositor, pianista e “bandleader” João Adelino Leal Brito, que ficou conhecido como Britinho (Pelotas, RS, 5/5/1917-?, 1964 ou 65). Por mais de três décadas, ele desenvolveu grande e importante atuação em nossa música popular, tendo suas músicas gravadas por inúmeros artistas de prestígio a seu tempo. Como pianista e maestro, gravou inúmeros discos com sua orquestra, e acompanhou cantores diversos. Foi um instrumentista super-requisitado , daí ter adotado o esquema de pseudônimos, usado por outros músicos de sua época, pois assim poderia gravar discos em outras companhias, sem enfrentar problemas de ordem contratual. Curiosamente, os álbuns gravados por Britinho como Pierre Kolmann não estão relacionados  em sua discografia, pois não eram considerados de carreira. Este “Seleção de sucessos”, como já bem explica o título, é uma compilação de faixas que já haviam saído nos LPs anteriores de Pierre Kolmann/Britinho para a Musidisc. Trata-se de um apanhado exclusivamente de músicas brasileiras, de compositores consagrados. A maior parte das dez faixas é assinada pelo mestre baiano Dorival Caymmi: “Marina”, “Rosa morena”, “Acontece que eu sou baiano”, “Saudade da Bahia”, “Maracangalha” e “João Valentão”. Completando o disco, temos “Boneca cobiçada” (Biá e Bolinha), “Conceição” (maior sucesso de Cauby Peixoto, assinado por Dunga eJair Amorim) e duas composições de Fernando César sem parceria, “Vício” e “Dó-ré-mi”.  Enfim, sucessos inesquecíveis que compõem o repertório de mais este interessante álbum na linha “dançante”, daqueles que animavam qualquer festinha caseira, que o TM oferece com a satisfação de sempre. O curioso é que não há registro de lançamento do segundo volume de “Seleção de sucessos”… Mesmo assim, bom divertimento!
marina
rosa morena
boneca cobiçada
acontece que eu sou baiano
conceição
saudades da bahia
maracangalha
vício
joão valentão
do re mi

*Texto de Samuel Machado Filho

Pierre Kolmann – Para Dançar Vol. 3 (1958)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Gostaria inicialmente de informar que, dentro do possível, estou atendendo aos pedidos e mensagens enviados por e-mail ou via Comentários. Infelizmente, como já deve ser do conhecimento de vocês, estou passando uma fase meio complicada, com problemas de saúde na família e alguns outros para pesar a minha cruz. Sentar aqui por alguns dez minutos e me distrair nas postagens é coisa que eu adoro. Por mim, ficaria até mais tempo, porém a realidade não é assim tão musical e divertida. Mesmo assim, não percam a paciência comigo. Eu tardo, mas não faltou. Eu falho, mas procuro corrigir 🙂
Vamos hoje com mais um disco daquele que foi sem nunca ter sido, ou seja Pierre Kolmann, um pseudônimo artista, encarnado pelo pianista gaúcho Britinho e provavelmente Waldir Calmon e outros, na série de discos dançantes lançados pela Musidisc, de 1957 a 63. Com este álbum completamos a trilogia para dançar de Pierre Kolmann, que era o concorrente direto dos discos do selo Rádio com Waldir Calmon. Esta é uma história polêmica que demonstra bem como eram os bastidores e recursos comerciais da indústria fonográfica brasileira. Pierre Kolmann foi, por certo, em toda a discografia encarnado por pelo menos três famosos pianista.
Neste terceiro volume, temos também um repertório misto, interpretando temas nacionais e internacionais que eram sucesso da época. Nisso tudo, o que eu mais gostei foi a capa. Ótima, não? Confiram o álbum…

saudades da bahia
anáguas de portugal
vício
mi ultimo fracaso
love me tender
tudo foi ilusão
tra-lá-lá
prece de amor
noite chuvosa
corde dela mia chitarra
confiança

Pierre Kolmann E Seu Conjunto – Para Dançar (1957)

Olá! Hoje resolvi mudar radicalmente o ritmo em que estávamos (prometo que ainda volto nele) em função de um comentário que reativa por aqui o enigmático Pierre Kolmann. Alimentando assim a polêmica, aqui vai mais um de seus discos, o de estréia “Para dançar”, que foi o álbum que gerou toda a confusão. Transcrevo abaixo o último comentário, que mesmo apesar de anônimo, me pareceu o mais esclarecedor e complementar. Se alguém tiver algo a acrescentar ou corrigir, faça-me o favor…

Os muitos nomes de Rubens Leal Brito.
Alguns artistas mudam seu nome durante a carreira (casos de Jorge Benjor e Sandra de Sá). Outros usam um ao cantar e outro ao compor (como Jamelão, que assina as composições com seu nome de batismo, José Bispo). Mas o pianista gaúcho Rubens Leal Brito é um sério candidato a recordista de nomes artísticos simultâneos. Assinava com seu próprio nome suas composições, feitas entre 1938 e 1951, sozinho ou em parceria com Jorge Faraj.
Como Britinho, além de gravar seus próprios discos com solo de piano – na Continental em 1956 e em LPs da Sinter em 1956 e 1957 -, acompanhava cantores, como na estréia em disco de João Gilberto (Copacabana, 1952). Também foi com este nome que gravou uma série de discos com outro pianista, Fats Elpídio (RCA, 1952-53). Assinou desta maneira algumas músicas, feitas entre 1952 e 1963 com os parceiros Fats Elpídio, Mesquita e Fernando César. Já era chamado Britinho em 1943, quando tocou na Rádio Farroupilha (Porto Alegre). Após alguns recitais, foi contratado para integrar a Orquestra Panfar, da emissora. Dirigiu por um período o Jazz da PRH-2, enquanto seguia atuando como pianista.
Algumas das músicas gravadas pelo pianista Britinho em discos Todamérica de 1951 eram de autoria de… João Leal Brito. Este também era o parceiro de Fernando César em “Noite Chuvosa” (1960). Seria um irmão de Rubens? Talvez, embora em 1953, o crédito do choro “Vê se te Agrada”, gravado por Gentil Guedes e sua Orquestra na Sinter, era para João Leal Brito “Britinho”. Assinando Leal Brito, gravou LPs na Musidisc (1955) e na Sinter (1956-57). Também teve músicas gravadas em 1955.
Teria havido outros nomes? É possível. Em abril de 1957, o radialista Almirante era convocado pela Justiça carioca para dar seu parecer como perito a respeito da ação da gravadora Rádio, que mantinha o pianista Waldir Calmon sob contrato e acusava a Musidisc de procurar iludir o consumidor, ao lançar o LP Para Dançar, gravado por Leal Brito com o pseudônimo de Pierre Kolman. Outra alegação se referia ao título do disco – Calmon tinha uma série de LPs com o nome de Feito para Dançar. Almirante concordou com a acusação. Talvez outro disco de “Kolman” tenha saído, pois o site do Dicionário Cravo Albim registra este pseudônimo, ao lado de outro – Franca Vila. Curiosamente, ali o nome de batismo de Britinho acabou sendo mencionado como “João Adelino Leal Brito”…

maracangalha
summertime in venice
que será será
conceição
inamorata
anema e core
night and day
canadian sunset
dolores
domani
none but a lonely heart
pensando em ti

PS.: Passados quase três anos, eis que aparece o autor verdadeiro do texto (definitivo) sobre a polêmica Leal Brito no Comentários. O cometarista, na época, apenas havia copiado o texto, de maneira anônima. Seu autor é o jornalista Fábio Gomes. Este texto foi publicado originalmente em seu site, Mistura e Manda.

Pierre Kolmann – Dance Com Musidisc Vol. 1 (1957)

Olá meus caríssimos amigos cultos e ocultos, vamos nós com a postagem do dia. No embalo das raridades, vamos hoje dançar. Tenho aqui um legítimo representante da onda dance no final dos anos 50. Como já falei em outra ocasião, nos anos 50 era muito comum os lp’s com músicas dançantes onde não haviam separação por faixas. As músicas tocavam sem interrupção durante todo um lado do disco. Quem tinha muitos discos nessa linha era o Waldir Calmon e suas séries feitas para dançar. Neste disco temos exatamente isso, porém entre uma música e outra há uma discreta pausa que permitiu separarmos este quase pout-porri dançante.
Bom, agora resta saber quem é esse tal de Pierre Kolmann. Para os que não sabem, este é um dos pseudônimos do compositor, pianista e ‘bandleard’ Britinho (João Adelino Leal Brito). Foi um artista bastante atuante na música por mais de três décadas. Gravou vários discos com sua orquestra, acompanhou outros tantos, tendo também suas composições interpretadas por diversos artistas. Como instrumentista super-requisitado, adotou o esquema, usado por outros músicos na época, de pseudônimos. Assim podia gravar em outros selos sem problemas contratuais. Este disco, por exemplo, não aparece na discografia de Britinho. Eles não eram considerados como álbuns de carreira.

deixa a nega gingar
depois do carnaval
olhos verdes
a flor do amor
nós e o mar
little white lies
destinos
samba toff
don’t blame me
vem pro samba