A Moreninha – Trilha Sonora Da Peça Teatral (1969)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Trago hoje para vocês este compacto bem raro da trilha musical da peça teatral “A Moreninha”, que conforme podemos ver na capa teve a sua estréia em 29 de dezembro de 1968 no Teatro Achieta de São Paulo, trazendo um grande elenco e tendo como protagonistas os atores Perry Sales e Marília Pêra. Essa peça foi uma comédia musical escrita por Miroel Silveira e Cláudio Petraglia adaptada a partir do romance escrito por Joaquim Manuel de Macedo. As músicas são de autoria de Cláudio Petraglia, também produtor da peça e os arranjos e orquestração de Sandino Hohagen. Confiram já este compacto no GTM 😉

paquetá, paquetá – o elenco
cafuné – zezé motta e gésio amadeu
balada ‘a moreninha’- marília pêra
marcarei o seu nome – marília pêra e perry salles
  • Produção original do blog Sintonia Musikal, do amigo Chico.

Cana-Verde/ Ceará – Documentário Sonoro Do Folclore Brasileiro N. 36 (1981)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Por enquanto, nossa mostra da série Documentário Sonoro do Folclore Brasileiro termina aqui. Como disse, infelizmente, eu não tenho essa coleção completa. Ficaremos aguardando os números que nos falta. Caso alguém tenha algum ou o que falta, por favor, compartilhe aqui com o Toque Musical. 🙂

a minha caninha verde (abetura)
sorri, quá quá
eu não vendo
galo galo
menina tu vai ao baile
caninha verde, adeus adeus (despedida)

.

Vox Populi – Spassomanguim (1969)

Olá amigos cultos e ocultos. Aproveitando a leva dos compactos, hoje eu trago  aqui algo especial e extremamente raro, o único registro da banda de rock mineira, Vox Populi. Trata-se de um compacto lançado pela gravadora mineira Bemol, provavelmente em 69 ou 70. Porém, algumas fontes informam que o grupo, de Belo Horizonte, nasceu em 1968 e este compacto pode ter sido lançado nesse período, quando surgiam também os primeiros lançamentos do selo Bemol (antes era o selo Paladium). O Vox Populi foi uma banda de rock formada por figuras importantes como Tavito, Fredera e Marco Antonio Araújo. Eu não tenho certeza, mas suponho que este Vox Populi é o mesmo que gravou pela Musidisc um lp em 67 ou 68, quando ainda eram um conjunto de MPB. Esse também é outro disco raro, disputado a tapas por colecionadores, relançado em cd só na Europa. Acredito que o compacto que temos aqui foi o período da transição do Vox Populi para Som Imaginário. E neste disquinho podemos sentir isso, os primeiros passos para o rock. Aliás, diga-se de passagem, um perfeito e autêntico disco de rock psicodélico, com vários nuances do que fez o Som Imaginário no primeiro lp.
Infelizmente, o compacto que eu tenho está em péssimas condições. Mesmo assim, procurei extrair o seu áudio da melhor forma possível. Como também não tinha capa e nem mesmo uma referência de como era, criei então essa exclusiva para a nossa postagem.

imagem dupla
fora de foco
.

Coco/Ceará – Documentario Sonoro Do Folclore Brasileiro N. 32 (1980)

ai, maria, volta pra trás donzela (coco de parcela)
eu vou. você num vai (coco de embolada)
ô aiá das alagoa (coco parcela)
ô gia (coco parcela)
que na barra entrou (coco parcela)
farol de ponta de pedra (coco parcela)
pisei, pisei (coco embolada)
mais adeus meu lugá (coco parcela – despedida)

.

Torém Ceará – Documentario Sonoro Do Folclore Brasileiro N. 30 (1979)

louvação (pedido de licença) – o veraniquatiá
agua de manim – o vidju – montegupe – canungadjá – caninana – saramussará
guirará tiju
agua de manim – gurái puran – brandim, brandim poti
irapui nerém nembui – mais o pipi – ereréquatiá
navura vai inché – vamu pros cuiabá
louvação (acompanhada ao maracá – imitação da fala de zé miguel

.

Cambinda Paraíba – Documentário Sonoro do Folclore Brasileiro N. 26 (1978)

quem nos guia esta luz – assuspendo nossa bandeira (cantos de invocação)
encruza lança, levanta bandeira (canto de rua)
oi viva nosso rei na corte (canto de realeza)
aruanda lele (canto de rua)
oi cambinda brilhante (canto de saída)
chego dona lepordina (canto da boneca)
amola o machado (canto do leão coroado)
o rei, rainha (canto do embaixador)
toque de percussão (zabumbas e maracás)

.

Radamés Gnatalli – Radamés E Sua Bossa Nova (1961)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Passado o Carnaval, vamos voltar a Bossa Nova, que como sempre dá muito ibope. Hoje eu trago para vocês um raro e quase obscuro disquinho de 7 polegadas, o famoso ‘compacto’. Um disco de 45 rpm (que o torna ainda mais raro) de bossa nova, do grande maestro e precursor do mais famoso gênero musical brasileiro. Esta pequena preciosidade me foi enviada pelo amigo Hélio Mauro, a quem eu muito agradeço a generosidade. Antes de postá-lo, procurei dar uma melhorada no som e no GTM vocês irão encontrar este compacto duplo com suas faixas replicadas, possibilitando assim a escolha entre duas versões de cada faixa.
Neste joinha, vamos encontrar, abrindo o lado A, “Cheiro de saudade”, de Djalma Ferreira e Luiz Antonio; “Chora tua tristeza”, de Oscar Castro Neves e Luvercy Fiorini; “Samba de uma nota só”, de Tom Jobim e Newton Mendonça e fechando, “Pior pra você”, samba de Evaldo Gouveia e Almeida Rego.
Como eu disse, este é um compacto bem obscuro, entre a produção fonográfica de Radamés. Procurei pelos quatro cantos da internet informações sobre ele e nada… Em nenhum dos mais importantes sites sobre o músico, sobre seus discos ou sobre a Bossa Nova… nenhuma referência, exceto as músicas que podem ser acessadas no Youtube. Faltou apenas perguntar para a minha fonte onde foi que ele conseguiu o compacto. Assim sendo, até mesmo a data de lançamento é uma dúvida. Considerando alguns diversos fatores, eu deduzi que o disco seja do início dos anos 60. Coloquei 1961 por ser uma data memorável (pelo menos para mim, foi quando eu nasci) e até que me provem o contrário. De resto, oque ainda nos falta são as informações artísticas, a ficha da gravação confirmando a presença do Chiquinho do Acordeon, Luciano Perrone… Confiram já no Grupo Toque Musical 😉

cheiro de saudade
chora tua tristeza
samba de uma nota só
pior pra você
.

I Festival Operário Da Música Popular Brasileira (1975)

Em sua retrospectiva “festivalesca”, o TM ofereceu anteriormente a seus amigos cultos, ocultos e associados um álbum documentando o festival interno de MPB promovido pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo em 1980. Pois bem: hoje apresentamos um precioso compacto duplo, com quatro concorrentes de um outro certame de que participaram trabalhadores. Batizado de I Festival Operário da Música Popular Brasileira, aconteceu em 1975, no estado do Rio Grande do Sul, iniciando-se em 2 de agosto e terminado em 21 de setembro, visando mostrar, conforme a chamada de capa, que “a boa música nasce nas fábricas”.  E foi bancado pelo próprio governo gaúcho,na gestão de Sinval Guazelli,  com a colaboração de empresas privadas (isso numa época em que os militares ainda governavam o Brasil, e os governadores de estado também eram eleitos indiretamente). Outro detalhe é que o compacto duplo com as músicas do festival foi lançado por uma “major” do setor fonográfico, a CBS, atual Sony Music, com a participação, nos arranjos, do então já veterano Alexandre Gnattali, irmão de Radamés. Duas faixas do disco são interpretadas por Waldir Mello, o samba-canção “Teu olhar” e o samba “Nossa guerra é diferente”, de cunho pacifista. O programa deste precioso disquinho se completa com o afro-samba “Cabo da Boa Esperança”, com o coral da CBS, e “Inquinação no samba” (pregando a volta do gênero às origens), com Vítor Ferreira e o grupo Som Kapela 6. Curioso também é o texto de apresentação do disco, escrito pelo então secretário do trabalho e ação social do governo riograndense, Carlos Alberto Gomes Chiarelli, afirmando que “ao lado do desenvolvimento econômico está o oferecimento  do bem-estar social para o trabalhador, incremento do lazer e da recreação”, além do objetivo de revelar novos talentos para nossa música popular. Ao que parece, os autores e intérpretes deste disco não foram lá muito longe, além do quê não há informação sobre qual foi a música vencedora. De qualquer forma, é um precioso documento que o TM nos revela, de um tempo em que nem sequer se imaginava que o Rio Grande do Sul iria enfrentar os graves problemas financeiros por que passa atualmente, e que por certo inviabilizariam iniciativas sócio-culturais como a do Festival Operário de MPB. Confiram…

teu olhar – valdir mello
nossa guerra é diferente – valdir mello
cabo da boa esperança – coral cbs
inquinação no samba – vitor ferreira

*Texto de Samuel Machado Filho