Zimbo Trio – Sonny Stitt In Brasil (1979)

O TM apresenta hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um álbum do sempre notável Zimbo Trio. Lançado em 1979 com o selo Clam, que pertencia ao grupo, o disco registra o encontro deles com o saxofonista norte-americano Edward “Sonny”  Stitt (Boston, Massachussets, 2/2/1924-Washington, DC, 22/7/1982). Ao contrário do que sugere o título, primeiro da trilogia “Zimbo Trio convida”, eles próprios foram convidados  a ser o grupo de apoio do já veterano músico norte-americano em uma turnê que ele fez pelo Brasil. O resultado é o que se pode esperar de uma reunião dessa ordem, repertório com base em standards do jazz, da bossa nova (“Corcovado”, “Samba de Orfeu”), do bebop (“Little suede shoes”, There you will never be another you”, “Autumn leaves”) e trabalhos originais do próprio Sonny Stitt (“Hope’s blues”, “Blues for Gaby”). Ele foi, talvez, o saxofonista com sonoridade e fraseado mais parecidos com os de Charlie Parker, ídolo do bebop. Stitt era alguns anos mais velho do que Parker, e iniciou-se como músico ainda na era do swing. Ele próprio declarou várias vezes que, quando ouviu Parker pela primeira vez, ainda com “Bird” tocando na orquestra de Jay McShan, levou um susto, tal a semelhança de estilos. Stitt tornou-se um dos nomes de peso do bebop, gravando alguns discos importantes com ninguém menos do que Dizzy Gilespie, o outro co-fundador desse estilo, ao lado de Charlie Parker. Dos integrantes do Zimbo Trio, o pianista Hamilton Godoy parece ser o que mais está á vontade, graças à influência de Oscar Peterson em seu estilo. O baixista Luiz Chaves e o baterista  Rubinho Barsotti, ao contrário, não demonstram lá muita intimidade com as acentuações rítmicas do bebop, especialmente no trabalho com o bumbo e a caixa, e as características do walking bass. Afora esses detalhes, percebidos apenas e tão-somente pelos ouvidos dos mais iniciados, este disco, para o público em geral, é uma agradável sessão de jazz com músicos de alto gabarito em suas respectivas estéticas. Um encontro histórico de grandes músicos brasileiros com um saxofonista que marcou época na história do jazz, agora oferecido pelo TM a todos aqueles que apreciam música de qualidade. Simplesmente o fino do fino…

hope’s blues

corcovado

there you’ll never be another you

little suede shoes

autumn leaves

samba de orfeu

blues for gaby

assim está certo

*Texto de Samuel Machado Filho

Zimbo Trio – Strings and Brass Plays the Hits (1971)

Olá, amigos cultos e ocultos! Espero que tenham gostado de nossa mostra voltada aos festivais. Tivemos aqui um leque bem variado, com festivais de três décadas diferentes e sempre bem apresentados pelo nosso amigo culto Samuca.
Fugindo do tradicional, este ano não tivemos postagens natalinas. Acho que já esgotamos os discos ligados ao tema. Por essa e muito mais por outras, nosso Natal vai ser ao som do grande Zimbo Trio. Acho que este disco cai como uma luva, não apenas pelo seu conteúdo musical, mas também pela capa vermelha, que bem simboliza o Papai Noel.
Temos aqui mais uma belíssima pérola do Zimbo Trio, acompanhado de cordas e metais, numa sessão de ‘hits’ nacionais e internacionais. Um repertório misto e bem peneirado que agrada em cheio, antes ou depois da ceia.
Feliz Natal a todos os amigos cultos e ocultos!

madalena
bridge ove troubled water
falei e disse
agora
i’ll be there
apesar de você
na tonga da mironga do kaburetê
primavera (vai chuva)
close to you
carimbó
pulo pulo
fechado para balanço
para lennon e mccartney

Zimbo Trio + Cordas – É Tempo De Samba (1967)

Olá, amigos cultos, ocultos e associados! O TM hoje oferece a vocês mais um álbum da extensa discografia do Zimbo Trio. Formado em março de 1964, em São Paulo, era originalmente formado por Luís Chaves Oliveira da Paz (contrabaixo) – que curiosamente iniciou sua carreira na Belém do Pará de origem, como violonista de um regional -, Rubens Alberto Barsotti, o Rubinho (bateria), e Amíton Godoy (piano). O nome do grupo vem do termo afro “zimbo”, que significa boa sorte, felicidade e sucesso, além de designar uma das tantas moedas que circulavam no Brasil colonial. Em 17 de março de 1964, o trio faz sua primeira aparição em público, na boate paulistana Oásis, em show produzido por Aloysio de Oliveira, acompanhando a cantora e atriz Norma Bengell. Ainda nesse ano, seriam intérpretes da trilha musical de Rogério Duprat para o filme “Noite vazia”, de Walter Hugo Khouri, que tinha Norma Bengell no elenco. Em 1965, passam a ser acompanhadores fixos do programa “O fino da bossa”, apresentado por Elis Regina e Jair Rodrigues na TV Record, e que marcou época na telinha brasileira. Em 1968, o Zimbo Trio participa de um histórico recital no Teatro João Caetano do Rio de Janeiro, ao lado de Elizeth Cardoso e Jacob do Bandolim, que resulta em dois LPs gravados ao vivo pelo Museu da Imagem e do Som (MIS) carioca. Em 1973, o trio fundou, em parceria com o baterista Chumbinho (João Rodrigues Ariza), o CLAM (Centro Livre de Aprendizagem Musical), voltado para a formação musical ampla, sem barreiras entre erudito e popular. A escola formou gerações de músicos. Com a morte do contrabaixista Luís Chaves, em 2007, este é substituído por Itamar Collaço, que introduziu o baixo elétrico no Zimbo Trio. Porém, em 2010, o contrabaixo acústico volta ao trio, com a substituição de Collaço por Mário Andreotti. Nos últimos tempos, o Zimbo Trio, às vezes atuando como um quarteto , com Pércio Sápia dividindo a bateria com Rubinho Barsotti, vem apresentando um repertório autoral baseado em composições do pianista Amílton Godoy. Com 51 discos gravados em mais de meio século de carreira, o Zimbo Trio conquistou reconhecimento mundial, excursionando por países dos cinco continentes, e assim divulgando nossa melhor música instrumental. Este “´É tempo de samba”, editado pela RGE em 1967 nas versões mono e estéreo, e hoje oferecido a vocês pelo TM, vem a ser o quarto álbum de estúdio do Zimbo Trio. Desta vez, é um trabalho que vem acrescido de uma orquestra de cordas, com arranjos cuidadosamente elaborados pelo contrabaixista Luiz Chaves. No repertório, composições de autores brasileiros então em evidência, tipo Chico Buarque (“Quem te viu, quem te vê”. “Tereza tristeza”, “Tem mais samba”), Baden Powell (“Cidade vazia”, com Lula Freire, e “Olô pandeiro”, com o Poetinha Vinícius), Tom Jobim (“O amor em paz”, também com Vinícius de Moraes), Geraldo Vandré (“Arueira” e o clássico “Disparada”, imortal produto de sua parceria com Théo de Barros) e Luiz Bonfá, este com duas composições de filmes norte-americanos (ele então residia nos EUA) que ainda não estavam sendo exibidos em nossos cinemas. E tudo isso apresentado na contracapa por um entusiasmadíssimo Sérgio Porto, esse mesmo que marcou época na imprensa brasileira com o pseudônimo de Stanislaw Ponte Preta, criando tipos inesquecíveis como 0707Tia Zulmira, Rosamundo e Primo Altamirando. A boa aceitação deste trabalho motivaria, em 1969, o lançamento de um segundo volume de “Zimbo Trio + cordas”. E este primeiro comprova a qualidade artística e a versatilidade do Zimbo Trio, que fizeram do grupo uma autêntica referência na música instrumental brasileira.

anoiteceu

disparada

non stop to brazil

arueira

é tempo de samba

quem te viu e quem te vê

cidade vazia

tereza tristeza

o amor em paz

olô pandeiro

tem mais samba

the gentle rain

* Texto de Samuel Machado Filho.

Zimbo Trio + Cordas Vol. 2 (1968)

Boa tarde, meus prezados amigos cultos e ocultos! Enfim, chegamos no mês de julho. Mês de aniversário do blog Toque Musical. Neste ano estamos completando 9 anos de atividades. Por conta disso e também por outras coisas, vou fazer o possível para neste mês termos postagens diárias, como sempre foi por aqui. Para a sorte de vocês, neste mês eu estou de férias e não pretendo viajar. Consequentemente, terei todo o tempo do mundo para incrementar nossas postagens. Vamos ver se rola tudo certo.
Começando as postagens de aniversário, eu trago hoje e mais uma vez, o excelente Zimbo Trio. Aliás, é bom dizer, acho que agora tenho todos os disco do Zimbo, graças ao bom amigo Fáres, que muito tem contribuído para a nossa sobrevivência. Ao longo do tempo irei postando todos os que faltam, ok? Segue aqui o Zimbo Trio + Cordas Vol. 2, disco que deu sequência ao sucesso do primeiro, onde o trio, fornado por Luiz Chaves, Amilton Godoy e Rubinho é acompanhado por violinos, violas e celos. Eu ainda não postei o primeiro volume, mas em breve ele também estará aqui. O repertório do disco que apresento aqui é dos mais interessantes, com um bocado de músicas do Chico Buarque e de quebra ainda tem a música de Milton Nascimento, Gilberto Gil e do Adylson Godoy, irmão do Amilton. Confiram…

roda viva
até segunda feira
amor de carnaval
manhã de primavera
travessia
domingo no parque
carolina
januária
até pensei
amanhã, ninguém sabe
.

Elebra – Memória 5 (1988)

O TM hoje oferece aos seus amigos cultos e ocultos e associados o quinto volume de uma série denominada “Memórias”, destinada à preservação de nossa memória musical, oferecida como brinde aos clientes da Elebra, uma empresa de informática que não existe mais, e que foi a maior do setor na época em que havia reserva de mercado para o mesmo no Brasil.

A série foi produzida pelo incansável pesquisador João Carlos Botezelli, o popular Pelão, que tem um respeitável currículo no setor fonográfico. Basta dizer, por exemplo,  que ele produziu, em 1974, o primeiro LP do mestre Cartola.  Trabalhos de Nélson Cavaquinho , Adoniran Barbosa, Théo de Barros, Inezita Barroso e Raphael Rabello também estão entre suas mais esmeradas produções discográficas.  E tudo na base da amizade…

Este quinto LP da série “Memórias”, editado em 1988, é dedicado a conjuntos vocais e/ou instrumentais brasileiros de várias épocas e estilos. Para a seleção de repertório, mestre Pelão contou com a colaboração, entre outros, do jornalista Arley Pereira e do autor de novelas Walther Negrão. Seleção esta muito bem feita, com masters cedidos por quatro gravadoras, em que desfilam conjuntos marcantes na história de nossa música popular, interpretando clássicos inesquecíveis. A seleção inclui “Trem das onze”, do mestre Adoniran, com os sempre notáveis Demônios da Garoa, “Gauchinha bem querer”, de Tito Madi, na interpretação impecável e plena de autenticidade do Conjunto Farroupilha, “Forró de Mané Vito”, de Gonzagão e Zé Dantas, com o Quinteto Violado, um raro registro de “Nêga do cabelo duro”, de Rubens Soares e David Nasser, com o Bando da Lua, “Estrada do sol”, de Tom Jobim e Dolores Duran, com o Trio Irakitan, o saltitante “Tico-tico no fubá”, de Zequinha de Abreu, com Os Três Morais, “É com esse que eu vou”, de Pedro Caetano, com seus criadores, os Quatro Ases e um Coringa… A bossa nova vem com o Zimbo Trio, executando “Balanço Zona Sul”, de Tito Madi, o Sambalanço Trio numa releitura de “Pra machucar meu coração”, de mestre Ary Barroso, e o Jongo Trio com “Menino das laranjas”, de Théo de Barros. Os Titulares do Ritmo aqui interpretam “Ponteio”, de Edu Lobo e Capinam. E, para finalizar, “A voz do morro’, de Zé Kéti, com o conjunto de mesmo nome, organizado pelo próprio autor, e no qual despontaram nomes importantes da MPB, como Paulinho da Viola e Élton Medeiros. Repertório de qualidade, conjuntos expressivos, ótimas performances… Que mais se pode querer?

pra machucar meu coração – sambalanço trio

tico tico no fubá – os três morais

balanço zona sul – zimbo trio

o menino das laranjeiras – jongo trio

forró do mané vito – quinteto violado

estrada do sol – trio irakitan

nega do cabelo duro – bando da lua

gauchinha bem querer – conjunto farroupilha

é com esse que eu vou – quatro azes e um coringa

ponteiro – titulares do ritmo

trêm das onze – demônios da garôa

a voz do morro – conjunto a voz do morro

.* Texto de Samuel Machado Filho

Zimbo Trio – Interpreta Milton Nascimento (1985)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Tenho recebido mensagens de alguns de vocês perguntando sobre a coleção Grand Record Brazil, de resgate dos fonogramas de 78 rpm. Me perguntam se terá continuação. Eu informo que sim, iremos continuar. A pausa longa é devido a minha falta de tempo para selecionar, digitalizar e compor a capinha. Eu diria, mais acertadamente, que meu problema maior, no momento, é reinstalar alguns programas básicos de edição e tratamento de imagens no meu computador. Meu Photoshop e meu Corel estão desatualizados e são versões antigas, free e limitados. Acho que chegaram no limite. Já não consigo trabalhar com esses programas. Daí, todo trabalho de restauro das capas ou de criação ficam comprometidos. Esse é o motivo pelo qual eu não tenho conseguido qualidade na apresentação das capas. Elas estão sendo apresentadas conforme o aspecto real do disco fotografado.
Bom, entrando no que interessa, vamos hoje com mais uma dose do Zimbo Trio, em apresentação e produção da casa de shows e restaurante, Inverno & Verão. Infelizmente esse espaço gourmet musical já não existe mais. Em seu lugar, hoje funciona um supermercado.
Mas voltando ao Zimbo Trio, temos aqui um registro do grupo ao vivo se apresentando na casa em agosto de 1985. O Zimbo Trio apresenta neste show um repertório exclusivo, com a música de Milton Nascimento. Uma releitura instrumental e jazzística de fazer inveja a qualquer músico estrangeiro. A qualidade da gravação é prefeita. O momento é único, por ser uma apresentação ao vivo. Vale muito a pena ouvir esse disco 😉

nada será como antes
teia de renda – coração de estudante
certas canções
menestrel das alagoas
travessia – viola violar – fé cega faca amolada
canção da américa
conversando no bar
outubro
.

Zimbo Trio – Trocando Em Miúdos A Tristeza do Jeca (1984)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Segue hoje, aqui, mais uma produção para o Inverno & Verão, um restaurante e casa de shows que fez história em São Paulo, na década de 80. Por lá passaram grandes nomes da MPB e desses, muitos dos seus shows foram registrado e posteriormente lançados em discos, em produções independentes, limitadas e não comerciais. Eram discos feitos para serem oferecidos como brindes, como é o caso deste do Zimbo Trio, oferecido como cortesia, em comemoração do terceiro aniversário do deste restaurante.
Zimbo Trio dispensa comentários. Aqui o grupo nos apresenta um repertório selecionadíssimo com dez músicas finas. Vale a pena ouvir de cabo a rabo.

lobo
serra da boa esperança
chovendo na roseira
luz
tristeza do jeca
natureza bela
aguas de março
trocando em miúdos
aquele um
atrás da porta
.

Zimbo Trio – Vol. 2 (1966)

Olá, amigos cultos e ocultos! Nesta semana nós acabamos por não publicar aqui o volume 123 da coleção exclusiva Grand Record Brazil. Sei que tem muita gente que nos acompanha e os e-mails não param de chegar. Calma, a coleção ainda não acabou. Só termina no dia em que não tivermos mais nada em 78 rpm para apresentar. Amanhã tem mais um volume, garantido!
Para a noite de domingo ficar ainda mais gostosa, eu trago para enriquecer nossa lista um disco que há muito já devia ter entrado: Zimbo Trio Vol. 2. Aliás, eu também já deveria ter postado o volume 1 e outros mais, afinal o que é bom a gente deve sempre manter. Mas o Zimbo Trio, embora acima da média, é figurinha fácil e repetida. Muitos outros blogs já postaram ele por aí e por certo, deste não há muito o que dizer além do que já foi dito. Um super trio que teve em seu elenco original Luiz Chaves, Rubens Barsotti e Hamilton de Godoy.
Este lp foi o terceiro gravado por eles. Lançado em 1966 pelo selo RGE, o álbum traz um repertório fino, com doze temas impecáveis e hoje clássicos, alguns autorais. Música instrumental de alto padrão, que agrada cultos e ocultos.

arrastão
balanço zona sul
zomba
insolação
zimba
reza
samba 40 graus
garota de charme
vai de vez
balada de um sonho meu
o rei triste
aleluia
.

Zimbo Trio – Tributo A Tom Jobim Vol. 1 (1988)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Iniciamos esta manhã de terça feira mantendo o alto nível musical. Pois não há nada melhor do que começar o dia ao embalo da boa música, não é mesmo? É certo que aqui, no Toque Musical, não existe música ruim, as vezes temos algo curioso, mas apenas para temperar nosso cardápio sofisticado, hehehe…
Vamos assim com o Zimbo Trio neste álbum lançado em 1988. Um disco que foi originalmente criado para o mercado japonês. Encomenda muito específica, com escolha de repertório e tudo mais que os japoneses podem comprar. O álbum acabou sendo também lançado no Brasil, de maneira meio que independente, por uma entidade chamada CLAM (Clube dos Amigos da Música). Este disco, que eu saiba tem pelo menos outras duas versões de capa e chegou a ser relançado em versão cd. Embora conste como sendo o volume 1, eu mesmo nunca vi o tal volume 2, daí penso que ele não chegou a ser lançado. Ou quem sabe, o pacote completo ficou só no Japão.

felicidade
chega de saudade
wave
garota de ipanema
só danço samba
desafinado
triste
samba de uma nota só

.

O Melhor Da Bossa (1965)

Olá meus prezados amigos cultos e ocultos! Custei, mas cheguei! Fui tomado pela preguiça e acabei deixado para a última hora esta postagem. Como aqui ninguém está com pressa, qualquer hora é hora…

Tenho aqui uma coletânea de bossa nova da melhor qualidade. Material da saudosa RGE, com alguns de seus mais expressivos artistas da linha jazz e bossa. Este álbum, “O Melhor da Bossa” é o autêntico, lançado em 1965! Muita gente confunde. Isto porque em 1989, comemorando os 30 anos de Bossa Nova, a RGE relançou o disco com outra lista de fonogramas e artistas. Manteve a capa e a mesma concepção da contracapa com cada artista com uma fonte texto diferenciada. Sinceramente, eu não entendi. Será que o pessoal da gravadora/selo não tinha mais as fitas masters, ou mesmo um exemplar em lp? Se tivessem me procurado, talvez eu pudesse ter ajudado. Olha o disco aqui…

garota de ipanema – zimbo trio

onde está você – paulinho nogueira

nós e o mar – maysa

evolução – manfredo fest

primavera – agostinho dos santos

berimbau – luiz chaves

sambão – ely arcoverde

balanço do mar – ana lucia

inútil paisagem – tenório jr

o menino das laranjas – os seis em ponto

também quem mandou – wanda

borandá – conjunto ok

Zimbo Trio – Fianca (1981)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Aqui estamos em mais uma sexta feira, dia do disco/artista independente. Como ando cada vez mais sem tempo, ainda não tive como preparar os discos de artistas independentes que me são enviados. Estou lançando mão do que já tenho pronto, na ponta da agulha. Hoje, por exemplo, iremos com este álbum do Zimbo Trio, criado especialmente como brinde de fim de ano pela Fiança, na época das ‘vacas gordas’, quando eles podiam se dar ao luxo de presentear seus clientes e parceiros com álbuns exclusivos. O que eu não sei ao certo é se essas gravações do Zimbo foram feitas com a mesma exclusividade. Normalmente, para discos promocionais e de brindes como este, o que temos são coletâneas, faixas extraídas de outros álbuns. Aqui, eu não saberia confirmar, embora no texto do encarte, como vocês poderão ler, nos passe essa ideia. Independente de qualquer coisa, temos aqui um disco de música instrumental da melhor qualidade. Estou vendo aqui agora que o mesmo disco já foi postado no Loronix. Se soubesse disso antes teria escolhido outro. Mas baixei e vi que o meu está mais completo. Duvidam? Então confiram… 😉

esse cara
na tonga da mironga do caburetê
cotidiano nº2
trem das onze
se é pecado sambar
apesar de você
que maravilha – chove chuva – mas que nada
falei e disse
tristez e pé no chão
folhas secas
retalho de cetim
orguho de um sambista
ana luiza
carinhoso

Zimbo Trio – Opus Pop Clássicos Em Bossa (1972)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o tempo foi corrido e curtíssimo, daí, só agora estou chegando na parada. Mesmo assim, não vou me prolongar. Tô merecendo um descanso. A vida fora daqui não tá mole não. Mas a gente vai levando…
Segue aqui um Zimbo Trio. Depois dos ‘clássicos’ no samba, em discos da década de 60, agora é a de 70 com o Zimbo Trio acompanhado de orquestra, interpretando a música clássica em ‘ritmo’ de bossanova. Acho que é só no Brasil que se vê tanta criatividade. Não me lembro de nenhum outro ritmo ou gênero musical estrangeiro se mesclando com o clássico, além do rock e algumas coisinhas pop. O disco é muito interessante e gostoso de ouvir. Um resultado que mereceu uma continuação. Numa próxima oportunidade eu poderei vir a postá-lo, quem sabe…
Putz, tô babando de sono. Se não parar aqui vou apagar sobre o teclado. Amanhã a gente continua…

scheherazade
9ª sinfonia
pavane pour une infante defunte
ária para corda sol
‘primavera’ das 4 estações
prelúdio nº 2
lago dos cisnes
bachianas brasileiras nº 5 ‘cantilena’
pavane
sinfonia nº 40 – K. 550

Elis Regina & Zimbo Trio – O Fino Do Fino (1965)

Eu sempre acabo me deixando levar pelas sequências e consequências. Ouvir o Tamba Trio acabou por despertar meu desejo de postar mais um disquinho que, para mim, é 10! Na mesma linha jazzística e bem suingado, temos agora o Zimbo Trio com a Elis Regina. Outro combinado que também foi show, literalmente show, gravado ao vivo no Teatro Record em 1965, Um disco perfeito em todas as suas dimensões, a começar pela capa. O álbum, já bem conhecido de todos foi relançado em discografias tanto da Elis Regina quanto do Zimbo Trio.
Se por acaso você ainda não o ouviu, confira aqui e corra logo atrás do CD original. O vinil você também pode encontrar, mas não sairá por menos de 50 pratas. Seja qual for sua escolha, está valendo, será uma boa, pois o fino do fino é ainda mais fino 😉

zambi
aruanda
canção do amanhecer
só eu sei o nome
esse mundo é meu
samba meu
expresso sete
tê o sol raiar
chuva
amor demais
samba nov
chegança

Elizeth Cardoso & Zimbo Trio – De Manhã (1975)

Escolhi este disco com o maior cuidado, esperando estar trazendo alguma velha novidade… qual nada! Só agora me dei conta de que o mesmo já havia sido postado no Loronix. Tenho que ficar atento a isso para não cair na repetição e nem parecer que ando puxando algumas de suas postagens. Coincidentemente temos algumas coisas em comum. Mas procurarei evitar novo ‘remaker’. Hoje, inevitavelmente, irei então reforçar e reafirmar as qualidades deste álbum.
Este lp foi gravado ao vivo na boate Sucata em 1969, em show dirigido por Hermínio Bello de Carvalho num período em que Elizeth e o Trio estiveram juntos participando de diversas turnês pelo Brasil e países da America Latina.
Se você foi desatendo como eu e só agora se tocou da presença deste disco, aproveita então para conferir aqui, com a mesma qualidade e atenção que você encontra por lá…
de manhã
exaltação à bahia
ilusão atoa
travessia
eu disse adeus
zazueira
o conde
de onde vens
casa forte
faixa de cetim
morro
sei lá mangueira

Apoteose – O Show Dos Shows (1991)

Hoje não vou prolongar… Além do mais, o sono já vem me pegando de jeito.
Sobre este disco não é preciso falar muito, tá na capa! Uma seleção de artistas de primeira linha que passaram pela RGE. É isso aí… a gravadora se mantém com nomes de peso. Nada como uma coletânea, reunindo o que de melhor o selo ofereceu ao longo dos tempos. Neste, lançado somente em vinil e cassete (lembra da fitinha?), temos apresentações ao vivo de shows e festivais, realizados em 1964 e 65. Faixas retiradas de outros álbuns da gravadora.
chove chuva – jorge ben
terra de ninguém – elis regina e marcos valle
maria moita – nara leão
sem deuz com a família – césar roldão vieira
primavera – toquinho
tem dó de mim – quarteto em cy
aleluia – edu lobo e yvette
pedro pedreiro – chico buarque
garota de ipanema – zimbo trio
nós e o mar – maysa
onde está você – alaíde costa
mulher sempre mulher – vinícius de morais