Os Carbonos – Meu Amor Por Você (1969)

Para calejar bem os ouvidos, dentro do pacote de férias, aqui vai mais um disquinho da onda! Pode torcer o nariz quem quiser. Colocar em dúvida a credibilidade e qualidade musical deste que vos escreve, tudo bem… eu faria o mesmo a alguns anos atrás. Os Carbonos, entre outros do gênero, foi um grupo do qual eu ouvi falar durante toda minha vida, mas nunca me dei o trabalho de ouvir. Por certo, muitas vezes devo ter ouvido eles tocarem, mas nunca liguei uma coisa a outra. A Jovem Guarda tem muitas faces. Agora, mais recentemente, passei a ouvir por curiosidade e alguns eu achei bem interessante. É o caso dOs Carbonos, um grupo instumental, que tocava cover de tudo que rolava. Vale conferir este álbum que reúne seus melhores momentos. É até simpático de ouvir 😉
geronimo
my love for you
only you
look for a star
what a wonderful wolrd
themes for young lovers
the millionaire
smoke gets in your eyes
midnight
theme for young lovers (de novo?)
the end
blue star

Bossa 4 – Repeteco (1968)

Confesso que a primeira vez que vi este disco, achei que se tratava de um quarteto de Bossa Nova. Tudo a ver… Uma nome sugestivo, uma capa bacaninha, bem aos moldes dos álbuns de Bossa Nova. Deixei o bichinho lá na estante, por mais de um ano, esperando na fila sua vez. Mas foi ao ouvir que tudo ficou claro. Aliás já estava claro ao constar no verso a relação das faixas. Longe de bossa, a turma aqui estava mais prá Jovem Guarda. Um típico conjunto instrumental de beira de piscina, para animar tardes de sábado com horas dançantes. Um disquinho curioso, mas que vale mais pela capa.

vem quente que eu estou fervendo
coração de papel
uni-duni-tê
caravan
black is black
pout-pourri
bus stop
eu só quero ver
pout pourri 2
você fala demais

Raul Seixas – Eu Raul Seixas – Show Ao Vivo Na Praia Do Gonzaga 1982 (1991)

Embora eu não tenha completado ainda um ano de casa, os patrões aqui, sempre amáveis e generosos, resolveram me liberar para uma quinzena de férias. Eles já haviam percebido como eu andava meio esgotado e desanimado. Assim, resolveram me emprestar a casa de campo, com direito ao carro para ir até lá e a promessa de uma geladeira cheia de coisas (espero que eles não tenha esquecido daquelas duas garrafas de bourbon e a outra de vinho do porto como eu havia pedido). Maravilha, não é mesmo? Bom, mas antes disso tenho que deixar a casa em ordem e finalizar com pelo menos mais uma postagem ‘de responsa’. Para tanto, resolvi continuar nas ‘curiosidades sonoras’ da juventude.
Vamos com este disco do Raul Seixas, um álbum raro, lançado em 1991 pela Philips à pedido dos fans do artista. Na verdade foi uma encomenda, vários fan-clubes do Raul se juntaram para bancarem uma tiragem limitada (e oficial) em vinil de um registro em show realizado na praia do Gonzaga, em 82. A gravação é conhecida do público, muito antes do lançamento deste disco. Já corria de mão em mão através das antigas fitas cassetes. Em 91, finalmente os fans conseguiram realizar o sonho de transformar aquele show em um disco ao vivo do Raul Seixas. A Philips aceitou tran$formar aquela precária gravação em um disco de capa dupla (em edição limitada). Até onde sei, o disco podia ser pedido através de caixa postal. Não foi vendido em lojas. Apesar da qualidade sofrível do som, vale a pena ouvir a chapação do maluco beleza. O cara era muito bom, mas nessa altura ele tinha chegado num estado lastimável, esquecendo a letra, cantando errado, doido demais… Prá que lado tá o mar? Este é um disco em que seu valor está no objeto, a raridade é o próprio álbum. Eu, felizmente tenho o meu! Mas como eu dizia, prá que lado está o mar?

rock do diabo
aluga-se
como vovó já dizia
abre-te sésamo
trem das sete
metamorfose ambulante
maluco beleza
as aventuras de raul seixas na cidade de thor
prelúdio
al capone
sociedade alternativa

Bobby De Carlo com Os Megatons (1968)

Mais uma curiosidade… No rastro de Roberto Carlos e sua Jovem Guarda surgiu muita coisa, nos anos 60 e na década seguinte também. Seguindo o modelinho, novos astros pop foram aparecendo. Aqui temos um bom exemplo: Bobby De Carlo, uma mistura no nome que nos faz lembrar Roberto Carlos e Pepino Di Capri. Tudo a ver com a proposta musical da época. Confesso que, para mim, o que salva neste disco é a presença dOs Megatons. Apesar da minha rabugice o disco fez sucesso e Bobby De Carlo fez a vez com o hit “Tijolinho”. Tem também outras que engrossaram o caldo como “Bonequinha”, uma versão de “Oh, Pretty Woman” de Roy Orbison. De quebra, vem ainda mais três faixas bonus de início de carreira. Vamos conferir?

01. Cuidado Pra Não Derreter (Getúlio Cortes)
02. O Pesadelo (Henrique Sarafian)
03. Brotinho Sem Ninguém (A Boy Without a Girl) (Marcucci – De Angelis)
04. Tijolinho (Wagner Tadeu Benatti)
05. Você é Bonitinha (Anita – Fernanda Margareth)
06. Bonequinha (Oh, Pretty Woman) (Roy Orbison)
07. Não Vou Me Entregar (Marcos Roberto – Dori Edson)
08. O Ermitão (Getúlio Cortes)
09. Ao Perder Você (All I Have to Do is Dream) (Bryant)
10. A Boneca Que Diz Não (La Poupée Qui Fait Non) (Michel Polnareff)
11. Emoção (Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
12. Soluçando (Ic Ic) (Wagner Bitão – Antonio Sodinha)
13. Oh Eliana (De De Dinah) (Marcucci – De Angelis) – 1960
14. Broto Feliz (Shy Guy) (Marcucci – De Angelis) – 1961
15. Gatinha Lili (Don’t Gild The Lilly, Lilly) (Marcucci – De Angelis) – 1961

The Jet Black – The Jet Black’s Again Twist (1963)

Depois de ter levantado poeira com os discos de ontem, achei que seria uma boa continuarmos no embalo. Segue assim mais uma pérola rara para o deleite de fans e curiosos. The Jet Black era a nossa versão de grupos como The Ventures e The Shadows que no inicio dos anos 60 fez muito sucesso com um rock instrumental dançante, o twist. Olha, não é por nada não, mas a turminha brasileira não ficava atrás. Apesar de tocarem num estilo formatado, os rapazes (Gato – guitarra e teclado, Orestes – guitarra, José Paulo – baixo, Jurandi – bateria e Ernéstico: saxofone) davam um show de profissionalismo e qualidade. Não era atoa que os caras estavam em todos os bons bailes, shows e gravações de intérpretes como Celly Campelo, Ronnie Cord, Roberto Carlos, Sérgio Reis e outros astros da Jovem Guarda. Este foi o segundo lp do grupo e na minha modesta opinião o melhor. Por isso merece o toque…

bulldog
ten green bottles
the phantomas
fire ball mail
raw hide
lucille
hawaian war chant
twisting time
whatd say
apache
smokey
wildwood

Os Populares – Pipoca (1967)


Aqui estou eu de volta com mais um disco dOs Populares – o primeiro, lançado em 1967 – também conhecido como o disco da pipoca. Este post, com certeza vai dar ‘ibope’.
Os Populares surgiram em 1967 no Rio de Janeiro, de uma dissidência do The Pop’s. O guitarrista Julio Cesar, por sinal um dos melhores do Brasil, resolveu criar o grupo em paralelo com os Pop’s que ainda continuavam a existir.Eles se lançaram em um compacto com músicas de Natal, hoje muito raro. O grupo se apresentou em diversos programas de rádio e TV, gravaram este que foi seu primeiro lp. Depois vieram outros discos, atuaram até por volta de 1978, conseguindo (ironicamente) alguma popularidade. Seu estilo era a princípio e basicamente instrumental, bem na linha ‘conjunto de beira de piscina e bailes’. Neste lp, destacam-se as músicas “Índia” e os medleys “Maravilhas da Itália” e “Maravilhas de Portugal”. J. César e seus Populares chegaram a gravar 26 lps, mas apenas quatro constam com o nome do grupo, nos outros, por questão de contrato, foram lançados com pseudônimos ou nem isto.

maravilhas da italia (pout-pourri)
escal
flor menina
ginga
eu não sabia que você existia
cinderela – fica comigo esta noite
monday, monday
índia
maravilhas de portugal (pout-pourri)
thinf
valsas brasileiras de ontem
mexericos da candinha

Bolão & Seus Rockettes – Viva A Brotolândia (1990)

Eu estava meio na dúvida se deveria ou não postar este disco agora, por ser um álbum que até então eu tinha pouquíssima informação. Até a algum tempo atrás cheguei a fazer uma rápida pesquisa na rede, mas encontrei muita coisa. Hoje, por coincidência, acabei caindo em um blog que trazia um texto sobre Bolão & Seus Rockettes. Embora sem os créditos, descobri que o texto foi extraído do site Senhor F (como não pensei nisso antes, claro). Curiosamente, o disco também passou a pipocar por aí, em outros blogs. Olha, não quero me gabar, mas o prato daqui tá mais saboroso, pode acreditar. Tudo temperado a base de Shure, Techinics e no maior zelo 😉
Como não há outra informação além desta, do excelente Senhor F, prefiro transcrevê-la na integra, como os demais:
Um dos principais representantes das orquestras de jazz, ou dos “conjuntos melódicos”, como eram chamadas no Sul do Brasil, que fizeram sucesso cobrindo o espaço ainda não ocupado pelos músicos jovens. Liderado pelo saxofonista Bolão, o grupo destacou-se gravando covers de clássicos da música instrumental americana. Entre 1958 e 1964, especialmente, lançou vários 78rpm, compactos e lps, contendo sucessos como a clássica “Buzz Buzz Buzz”, “Short Shorts” – seu primeiro grande hit, e “Tarantella Rock”, regravada pelo grupo gaúcho Aristóteles de Ananias Jr. nos anos noventa.
Este álbum é uma coletânea, sem data em seus registros, possívelmente lançado em 1990 (cod.)pela CBS sob encomenda para a Acervos Discos (selo, editora?)

Boo – Da – Ba
Buzz Buzz Buzz
El Rancho Rock
C’ Amon, Kiss Me
Roc – A – Chicka
Big Guitar
Midnighter
Dede Dinah
The Swingin Shepherd Blues
Walkin With Mr
Short Shorts
Tarrentela Rock

Ao Mestre Ataulpho com Carinho – Vários (1969)

Já deu para perceber como sou fan do Ataulpho Alves, né? Realmente, aprendi a gostar deste compositor muito cedo. Suas composições estão presentes no decorrer dos meus ‘300 anos’ e em família. Não é atoa que herdei muitos discos dele. Há uma certa atração ou coincidência, em todo lugar esbarro com Ataulpho. É curioso isso…
Bom, daí temos então mais um disco bacana, cheio de estrelas da “velha guarda”, interpretando numa coletânea da RCA o mestre Ataulpho Alves. Desnecessário entrar em detalhes, tá tudo na capa, mas este lp foi lançado logo após a morte do compositor. Um álbum que reúne alguns de seus sucessos nas vozes desses célebres interpretes de uns ‘700 anos’ atrás. Muito bom!

Angela Maria – Não Tenho Você (1970)

Diante à falta de acesso ao Rapidshare, ficamos um pouco restritos, sem condições de trazer alguns vinhos raros da adega. O jeito foi recorrer ao depósito alternativo, esperando que do lado de vocês as coisas estejam normais. Desde de ontem eu não consigo ter como acessar arquivos pelo Rapidshare. Cheguei a pensar que fosse apenas uma manutenção, mas pelo que tenho visto em outros blogs e outros que utilizam desse serviço, a falha se concentra em quem está usando o Velox (que é o meu caso). Se alguém tiver alguma informação complementar, por favor, coloque no comentários. Me vejo obrigado a usar o Mediafire (que também começa a dar sinais negativos) até que a coisa se resolva. Deixei de lado o Mediafire devido aos constantes arquivos deletados, embora a interface e alguns serviços fossem mais interessantes que o Rapidshare. Este, por sua vez, apesar de limitado para quem está no “free”, ainda era a melhor opção. Agora acontece isso… fazer o quê? Voltamos aos alternativos, com direito também ao Gigasize. Sinto muito por aqueles que nesses encontram dificuldades para baixar arquivos, devido a lentidão. Enquanto a chuva não pára, vamos ficar debaixo da lona… literalmente na lona.

Vamos abrir o sábado então com a Angela Maria. Pessoalmente, gosto bem da voz dela. Porém considero sua carreira meio irregular. Quer dizer, em alguns momentos, principalmente nas últimas duas décadas, suas escolhas e repertório ficaram excessivamente popular e duvidosas. “Não tenho você” é um disco que ainda me atraí, porque seu romantismo ainda não leva aquela pegada ‘brega’. A presença de um time de arranjadores de primeira, nada menos que cinco – Severino Araújo, Severino Filho, Renato de Oliveira, Astor e Carioca – garantem a qualidade. Este disco foi relançado pela Warner em cd e encontra-se em catálogo. Quem tiver interesse em comprá-lo é relativamente fácil. Só mudou a capa.

1. A Noiva
2. Os Teus Cabelos
3. Poema do Coração
4. Se Tu Voltasses
5. Não Tenho Você
6. Mais do que Sonhar
7. Distância
8. Lama
9. Meu Amor é Um Pão
10. Serenata
11. Só Vives Prá Lua
12. Um Dia Virá

Grupo De Seresta João Chaves – Ouro Preto & Serenata Vol. 2 (197…)

Novamente temos aqui o Grupo de Serestas João Chaves, em dose dupla, para os amantes das serestas, serenatas e noitadas de música em Ouro Preto. O repertório é praticamente uma seleção do cancioneiro popular de Minas Gerais, bastante conhecido em todo o país. Músicas que estiveram presentes nas subidas ou descidas, não apenas de Ouro Preto, mas em outras cidades de Minas também.
*infelizmente não há citação de data da realização dos dois discos. Também não achei nada na rede, quem souber, por favor…

chuá chuá
saudade
elvira escuta
ave ferida
sonho
luar do sertão
lua branca
só tu não pensas em mim
alma cabocla
stela

Waldir Silva – Um Cavaquinho Diferente (1965)

Já que começamos com chorinho, vou na sequência trazendo outro álbum raro, “Um cavaquinho diferente”, do Waldir Silva. Diferente mesmo, pelo menos é isso que ele procura nos mostrar neste lp, fugindo talvez de comparações ou semelhanças. Ele passeia com desenvoltura por diversos ritmos e gêneros (samba, bossa, choro, valsa, marcha…)
A carreira de Waldir Silva é coroada de sucessos. Passou pelas mais famosas gravadoras do país e tocou ao lado de grandes nomes. Gravou composições próprias e registrou em disco trabalhos de outros compositores. Ele é hoje um dos mais consagrados artistas do país. Com seu cavaquinho de ouro, já gravou vinte e nove long plays, nove CD’s e mais de uma centena de sucessos. Waldir e seu conjunto instrumental está entre os grupos que possui o maior número de trabalhos gravados no Brasil. Para os que apreciam a música desse mineiro de Pitangui, em seu site, ele disponibiliza uma série de músicas em mp3. Confiram…
sos
samba do ba-da-tu-blim
um mambo em renascença
palomita blanca
o sapo
seja lá o que deus quiser
aos heróis do fogo
buraco do tatu
noite de saudade
bigurrilho
make haste my love
fita meus olhos

Luizinho – Chorando Baixinho (1972)

Uma das características do Toque Musical – além de apresentar boas dicas sonoras – é revelar álbuns obscuros e raros. Esse negócio de ficar só postando ‘medalhões’ a gente deixa para os outros. Aqui entram os famosos, mas também (e principalmente) entram aqueles que foram esquecidos no fundo do baú, os empoeirados lá no canto da estante de despejo, aqueles que quase ninguém sabia que existia e por aí a fora… Mas calma lá, sem apelação… Por trás de tudo aqui tem o controle de qualidade, que apesar de questionável, procura se manter fiel a alguns princípios. É dentro desse espírito que o TM funciona. Estou escrevendo isto, não para justificar exatamente esta postagem, mas para aplacar àqueles que me perguntam: “de onde você tirou essas coisas?” O que faz o diferencial é exatamente isso. Imagine se não fosse este toque, quantos se lembrariam ou teriam conhecido este disco/músico? Por certo, se não tivesse lá suas qualidades eu não o teria postado. Por essas e outras é que convido você, amigo-culto-oculto-visitante, a escutar o Luizinho e seu obscuro “Chorando baixinho”. Um disco raro e muito bonito. Se você gosta de chorinho, de Abel Silva e música boa, com certeza irá gostar de ouvir este disco aqui também.

pinicadinho
piraporinha
tá ficando bom
selma do choro
saudades de ouro preto
canguru
até o sol raiar
bole-bole
chorando baixinho
isso é bom
luizinho na confusão
rosa

10 Anos De Bossa Nova (1972)

Mais uma coletânea de muito boa qualidade. Comemorando 10 anos de Bossa Nova, a Philips/Phonogram lançou em 1972 (?) este álbum com doze faixas escolhidas e produzidas por Roberto Menescal. Não há novidades ou raridades, sendo essas, relativamente fáceis de achar em seus respectivos álbuns (nos blogs musicais, claro!).

1- de conversa em conversa – joão gilberto
2- o astronauta – baden powell
3- sabe você – os cariocas
4- agua de beber – os gatos
5- só tinha de ser com você – tamba trio
6- prá dizer adeus – edu lobo e maria bethania
7- coração vagabundo – caetano veloso e gal costa
8- amor em paz – antonio carlos jobim
9- só em teus olhos, esse teu olhar – sylvia telles e lucio alves
10- aruanda – conjunto roberto menescal
11- eu e a brisa – marcia
12- a morte de um deus de sal – luiz eça cordas

Antonio Carlos Jobim – Música Popular Brasileira – Grandes Autores (1973)

Aqui temos uma coletânea de Tom Jobim interpretada por grandes nomes da nossa música, artistas do cash da RCA Victor. Normalmente discos assim tendem a ser irregulares, com uma ou outra faixa ‘fora de sintonia’ – discos que só servem de mostruário da gravadora. Mas não é bem o caso deste lp, que prima pela qualidade de seus artistas. Como se pode ver, logo a baixo, temos uma seleção bem produzida com algumas faixas até raras. Vale conferir…
1- samba de uma nota só – leny andrade
2- garota de ipanema – dick farney
3- amor em paz – myrzo barroso
4- corcovado – delora bueno
5- canção da eterna despedida – orlando silva
6- agua de beber – erlon chaves
7- eu sei que vou te amar – nelson gonçalves
8- dindin – alaide costa
9- só danço samba – os cariocas
10- amor sem adeus – luiz claudio
11- meditação – neusa maria
12- samba do avião – cauby peixoto

Ruy Maurity – Nem Ouro, Nem Prata (1976)

Outro pedido especial que eu não esqueci de atender, Ruy Maurity. Aqui em um outro disco prá lá de bacana, que com certeza vai alegrar muita gente…
Neste exato instante, quando por telefone eu avisava ao meu amigo da postagem especial, ele de lá me informou que já o havia conseguido em um outro blog. Numa rápida pesquisa, percebo que ele estava certo, o lp já virou banana e tá em cachos por aí. Mesmo assim, depois de tanto trabalho, não vou deixar minhas bananas atrás do balcão. É ouro e prata, podem levar sem susto! Disco como este merece estar em todos os blogs. Um álbum clássico da discografia brasileira nos anos 70. Básico!

quizumba de rei
nem ouro nem prata
segunda-feira das almas
xangô o vencedor
raça nascente
serafim e seus filhos
menina do mato
fazendeiro do ar
bebemorando
matuta véia
continente perdido
vamos mujer

Dominguinhos – Quem Me Levará Sou Eu (1980)

As postagens de hoje são pedidos feitos por alguns amigos, que embora eu tenham demorado, não deixei de postar. Ao Marquinhos, aqui vai o tal Dominguinhos… este disco é um dos que mais aprecio, principalmente pela música (maravilhosa!) que dá nome ao disco, uma composição de Dominguinhos e o saudoso Manduka. Além disso tem participação especial do Rei do Baião, Luiz Gonzaga e do Gilberto Gil.

01. Abri a porta (Gilberto Gil – Dominguinhos)
02. Forró em Rolândia (Dominguinhos)
03. Fulô de Aracá (Dominguinhos – Guadalupe)
04. Te cuida jacaré (Dominguinhos)
05. Sete meninas (Toinho – Dominguinhos)
06. Tudo é São João (Dominguinhos – Guadalupe)
07. Quando chega o verão (Dominguinhos – Abel Silva)
08. Chorinho pra Guadalupe (Dominguinhos)
09. Quem me levará sou eu (Manduka – Dominguinhos)
10. Homenagem a Mestre Chicão (Dominguinhos)
11. O cortador de cana (Dominguinhos – Tarcisio Acioli)
12. Cabaré de bandido (Dominguinhos)

Dilermando Reis / Waldir Azevedo – Os Grandes Solistas (1981)

No embalo do violão do Dilermando, me lembrei deste outro disco, um ‘meio-a-meio’ com Waldir Azevedo o ‘bam-bam-bam’ do cavaquinho. Uma pequena amostra de dois grandes instrumentistas das cordas. Infelizmente não se trata de uma gravação em conjunto, um lado é do Dilermando o outro do Waldir. Pela capa também se pode perceber isso através da relação das músicas que cada um executa. Por esta mesma razão, não vou me dar ao trabalho de indicá-las a baixo como de costume. Gostaram do toque do dia? Que tal um comentário? Tá valendo em qualquer idioma, dialetos – mesmo os mais arcáicos e improváveis! Acho que estou merecendo, não?

Dilermando Reis – Homenagem A Hernesto Narazeth (1973)

Aqui é assim, pediu eu corro atrás, se achar tá no Toque Musical. Assim, atendendo ao pedido aqui está o tão procurado Dilermando Reis. Realmente, este disco é fabuloso. As composições de Hernesto Nazareth são obras primas da música brasileira e se tornam ainda mais belas ao violão deste grande instrumentista. Dilermando é considerando um dos maiores violonista brasileiros e reconhecido mundialmente. Ele também foi um grande compositor, tendo deixado uma obra imensa e bem variada em estilos, mas principalmente de valsas e choros.

odeon
favorito
tenebroso
brejeiro
floreaux
escorregando
apanhei-te cavaquinho
escovado
ouro sobre prata
bambino
espalhafatoso
chiclete club

Ella Fitzgerald – Ella Abraça Jobim (1981)

Bom, como começei com uma diva da música americana cantado a música brasileira, termino na segunda postagem do dia com outra diva, a genial Ella Fitzgerald. Vai cantar assim lá nas americas! Esta cantora é tudo de bom e pra melhorar mais a coisa, ela vem com um repertório (óbvio) do nosso grande Antonio Carlos Jobim. Precisa falar mais alguma coisa? Não, não precisa… precisamos é ouvir! Toque este toque.

dreamer (vivo sonhado)
this love that i’ve found (só tinha queser com você)
the girl from ipanema (garota de ipanema)
somewhere in the hills (favela)
photograph (fotografia)
wave
triste
quiet nights of quiet stars (corcovado)
water to drink (agua de beber)
bonita
off key (desafinado)
he’s a carioca (ela é carioca)
dindi
how insensitive (insensatez)
one note samba (samba de um nota só)
felicidade
useless landscape (inútil paisagem)