Tatiana Monteiro – Tati Canta (2010)

Olá! Hoje está sendo mais um desses dias difíceis para mim. Embora seja sexta feira, estou me sentindo como se fosse uma segunda brava. Aproveito o tempinho do café da tarde para fazer a postagem do dia. Se não for agora, hoje não tem mais… Com é sexta feira, dia do artista/disco independente, não posso dar o bolo. Reservei para o dia de hoje o nosso encontro com a cantora pernambucana Tatiana Monteiro. Ela ainda é pouco conhecida aqui para as bandas do sul. Só recentemente é que vim conhecer o seu trabalho. Segundo as informações que eu recebi, Tati, que também e compositora, estreou em disco (cd) em 2001, numa coletânea de músicas carnavalescas classificadas num concurso promovido pela Prefeitura do Recife. De lá para cá ela fez muitas outras coisas, não apenas se dedicou à música de carnaval, mas também abriu o leque cantando bossa nova, regional, jazz, músicas francesas e muito mais. Tatiana faz parte do “Bande Ciné”, um grupo dedicado a interpretar clássicos musicais do cinema americano. No disco, um cd lançado apenas para o amigos, temos reunidos todos esses momentos. São 16 músicas, sendo algumas de sua autoria. Poderemos ver e ouvir Tatiana Monteiro em diferentes fases. A cantora tem uma bela voz e um estilo bem prórpio. Ela canta e encanta. Podem conferir que eu garanto 😉

estrela colombina
encontro do blocos
de purpurina
let’s do it
summertime
fly me to the moon
temptation
night and day
dindi
só danço samba
wave
lua cheia
caminhos de vidro
paroles, paroles
tu veux ou tu veux pas
y’a du soleil à vendre

Dilermando Reis – Saudades De Ouro Preto (1968)

Olá amigos cultos e ocultos, bom dia! Hoje eu vou atender à um pedido que me foi feito a quase um ano atrás. Na época, realmente não foi possível, pois o disco que eu tinha estava em péssimo estado e em se tratando de música instrumental, solo de violão e principalmente sendo o Dilermando Reis, seria um pecado apresentá-lo nessas condições. Por outra, acho que não me preocupei mais porque acreditei que este lp, lançado em 1968 pela Continental, fosse uma coletânea. Ainda suspeito que sim, pois muitas das músicas contidas nele, Dilermando já havia gravado nos anos 50. Como não tive tempo para ouvir e comparar versões, deduzo que sejam as antigas gravações. Vou deixar essas questões para os comentários de vocês. Para variar, estou um pouco atrasado e como já dizia minha velha tia, ‘cheio de costuras’. Confiram e comentem…

saudade de ouro preto
se ela perguntar
amando sobre o mar
soluços
mágoas de um violão
saudade de matão
minha saudade
rapaziada do braz
dois destinos
flor de aguapé
uma valsa e dois amores
valsa da despedida

Sexteto Prestige – Música E Festa (1958)

Olá amigos cultos e ocultos! Estou um pouco atrasado na postagem, mas ainda estamos em dia. Vejam vocês como são as coisas… O tal advogado me retornou após a minha resposta. Dizia ele: Prezado Senhor, Respeitando os seus argumentos – os quais já escutamos por diversas vezes de outras pessoas – reiteramos que retire de imediato o audio de seu blog, sob pena do devido processo legal. Atenciosamente, Dr. Francisco Rezende (taí o nome do hômi). Resolvi entrar na brincadeira e respondi novamente (o que é uma verdade), não tenho nenhum arquivo de áudio no blog e muito menos link. Há sim, uma indicação no Comentários de um endereço, o qual o visitante poderá copiar e depois colar no seu navegador e assim ir ao site onde o arquivo de áudio esta disponível para baixar. Dizer que o que eu faço é pirataria é aplicar errado o termo, no sentido de ofender. Mas eu não ligo, porque sei que a esses falta a consciência e sempre nos próximos capítulos eles tropeçam em suas próprias armadilhas. Quando a gente faz alguma coisa nessa vida por bem, é impossível que ela acabe mal.
Bom, deixando de lado essas questões desagradáveis, vamos ao disco do dia. Trago hoje este álbum, o primeiro disco lançado pelo selo Prestige. “Chama-se assim, justamente porque não pretende ser apenas mais uma nova marca a fazer lançamentos comuns, mas cercar seu nome de uma auréola de prestígio permanente, graças a uma série de discos da mais alta qualidade técnica e artística” Dessa maneira dizia o texto da contracapa, apresentando o primeiro disco e o conjunto da casa, o Sexteto Prestige, formado por músicos que alguns dizem ser integrantes, o pianista Waldir Calmon e o saxofonista Moacyr Silva. De fato, não existe uma informação, pelo menos eu não achei, sobre quem fazia parte do grupo. Suponho que o Sexteto Prestige, ao longo dos diversos álbuns lançados, teve várias formações. Vamos percebendo isso à medida em que eu for postando aqui os outros discos da série.
Quanto ao disco em si, o conteúdo musical, é realmente de prestigiar. Temos aqui apenas quatro faixas, mas em cada uma delas vem uma sequência em ‘pot pourri’. São 16 sucessos nacionais e estrangeiros, entre os quais os de grandes nomes como Antonio Carlos Jobim, Billy Blanco, Ary Barroso e outros. Vejam a baixo…

le gondolier
cuando tu me quieras
sonhando contigo
mi oracion
eu quero um samba
faceira
sonho e fantasia
sal e pimenta
a saudade mata a gente
cabeçinha no ombro
a grande verdade
mocinho bonito
interesseira
apaixonada
por causa de você
perfídia

Rud Wharton Quarteto – Tempo De Dança Nº1

Bom, passado os desabafos, vamos ao disco do dia. Tenho para hoje este obscuro albinho de dez polegadas lançado pela Musidisc nos anos 50. Rud Whaton é um nome desconhecido para mim. Pesquisei exaustivamente na rede sobre esse artista, mas não tive muita sorte. Não encontrei quase nada, além do próprio disco sendo anunciado em diversos sebos para venda. Nesses anúncios, geralmente, também não há informações. Embora o lp nos apresente um repertório com temas nacionais, inclusive um autoral, um chorinho, chego a acreditar que Rud Wharton é um artista internacional ou um pseudônimo para algum instrumentista que por questões de contrato gravou com esse nome. Em algumas consultas e informações relacionadas, encontrei Rud Wharton com sendo um organista. Seria ele Ed Lincoln, Celso Murilo, Britinho, Waldir Calmon ou algum outro tecladista da época? Taí um mistério a ser revelado. Alguém saberia esclarecer? Ouçamos…

at last
linda flor
sous le ciel de paris
mais uma vez
rancho fundo
nola
nova ilusão
pretend

Um Desencontro No Au Bon Gourmet

Olá amigos cultos e ocultos! Começo a semana com uma postagem diferente, pelo menos inicialmente. Estou trazendo a público uma questão que eu gostaria de compartilhar com todos e por certo receber os comentários e opiniões.
Recebi neste fim de semana, para meu espanto (pois nunca passei por uma situação semelhante), um e-mail de um advogado (pelo menos é o que ele afirma ser), ‘informando’ que a gravação amadora do lendário show no restaurante Au Bon Gourmet, feito por Tom, Vinícius, João Gilberto e Os Cariocas é hoje de propriedade do Instituto Moreira Sales. Que esse registro fôra ‘vendido’ pelo radialista Pica Pau, segundo ele, detentor dos direitos autorais (embora a gravação tenha sido feita e era de propriedade de Jorge Karam). O advogado pede a retirada do arquivo imediatamente, sob pena de uma ação judicial. Como vocês todos devem saber, o Toque Musical não é uma loja virtual de discos. Aqui não há comércio ou ‘outros negocinhos’. Não estamos vendendo ou doando discos, fitas ou qualquer outro objeto do gênero. Aqui, apenas falamos desses e os indicamos. Será que encontraremos no site do IMS acesso à esses arquivos sonoros? Será que a história da Música Popular Brasileira só pode ser contada e ouvida através de grupos limitadores? Como é que é isso?
Publico a baixo a minha resposta, que foi enviada a este advogado. Para evitar possíveis ‘penas de talião’, estou retirando o link enviado. Caso alguém o procure, sabe-se que o mesmo eu poderei repassar por e-mail. Segue a baixo a minha resposta:
Sr Advogado,
a título de esclarecimento, gostaria de mais informações sobre o assunto. Pelo que eu sei, esta gravação, assim como tantas outras relacionadas à Bossa Nova estão disponíveis não apenas na Internet, em diversos sites para download, mas também (e principalmente) no Japão onde são comercializadas em cópias piratas. O mais curioso disso tudo é saber que os detentores de acervos dessa natureza, venderam (por um bom dinheiro) essas fitas (ou cópias) para colecionadores japoneses, os quais em seguida começaram a vender cópias (apenas no Japão) para interessados no mundo inteiro.
Se o senhor perceber bem, verá que no blog não há arquivos para serem baixados. O Toque Musical não disponibiliza produtos, apenas indica conteúdo. Por outro lado, gostaria também que o senhor me mostrasse esse contrato assinado. Como posso ter a certeza de que a gravação é a mesma e pertence ao IMS? Ela está acessível às pessoas, mesmo que para venda? Afinal, como é isso? Vocês tem o direito, estão usando esse material para alguma pesquisa? Estão disponibilizando à pesquisadores? Qual é o critério necessário para se ter direito a ouvir o conteúdo dessas gravações? Sinceramente, essas são questões que não apenas eu o faço, mas com toda a certeza muitos querem saber. Vivemos hoje um momento de revolução (e evolução). A lei do direito autoral ainda não foi mudada e nas condições atuais suas normas não se aplicam. Prova disso é que hoje qualquer conteúdo digital pode e está sendo compartilhado livremente. É bom lembrar que aqui, ninguém roubou nada de ninguém. Não há crime em falar publicamente sobre isso. A gravação que eu indico no meu blog está espalhada pela rede. Existem, que eu sei, pelo menos mais uns oito locais, sites ou blogs (isso para não falar em torrent, e-mule e tantos outros) compartilhando esses arquivos. Sugiro ao senhor fazer essa investigação, pois não será privando um blog respeitado como o Toque Musical que seu trabalho estará resolvido. Mesmo retirando a minha indicação de locais para se baixar os arquivos, eles continuarão existindo e com certeza estarão se multiplicando. Ao longo dos 3 anos de existência do blog, nunca tive problemas dessa natureza, isso porque não publico material que esteja em catálogo e nem os comercializo ou aceito doações em dinheiro em função do meu trabalho. Estou apenas preenchendo um espaço vazio, levando às pessoas interessadas um pouco de informação, história e cultura, a nossa cultura fonográfica e musical, que desde a muito tempo vem sendo sucateada, vendida ou entregue para estrangeiros, ou ainda capsuladas em museus que ninguém pode acessar.
Sugiro ainda que o senhor processe a Google, ao Rapidshare, Mediafire, Megaupload e tantos outros verdadeiros fomentadores, donos das ferramentas e responsáveis principais pelo que anda acontecendo no mundo, nesse sentido. São nesses que vocês devem focar. Não adianta aparar a grama, precisa mesmo é acabar com a praga. Resta saber o que é ou não é a praga. Eu, no meu entender, vejo que a praga é a ganância, o oportunismo vantajoso, a inveja e a ignorância…
Para finalizar, consultei o departamento jurídico do Instituto Moreira Sales sobre a sua pessoa e não encontrei o seu nome no quadro de funcionários ou de profissionais prestando serviços ao mesmo. Afinal, a quem mesmo o senhor está defendendo os direitos?
Cordialmente,
Augusto TM

Nazareno & Pena Banca – Um Sorriso E Tudo Bem (1975)

Êta dominguinho puxado! Pensei que não chegaria a tempo para a nossa postagem do dia. Hoje eu trabalhei o equivalente a uma semana. Estou exausto, mas vamos lá…
Hoje o nosso encontro é com a dupla Nazareno e Pena Branca. Alguém se lembra, já ouviu falar…? Pois é, antes que passe pela cabeça de vocês a ideia de uma dupla sertaneja, vou logo dizendo que não tem nada a ver. Aliás, o Pena Branca aqui é outro. Eles estão mais para Antonio Carlos e Jocafi ou Tom e Dito. Surgiram como duo justamente numa época onde duplas como essas faziam muito sucesso. E para fazer sucesso como elas, tinham de ser realmente boa. Os dois eram oriundos do Quarteto Teorema. Durante os anos 70 trabalharam em dupla, lançado este álbum, “Um sorriso e tudo bem”. Acredito que tenham gravado outros discos. Nazareno Vieira, o compositor principal, iniciou a carreira ainda nos anos 50. Sempre fez parte de trios, quartetos e duplas. Muitas de suas músicas foram gravadas por nomes como Wilson Simonal, Originais do Samba, Elizeth Cardoso, Emílio Santiago e outros…
Quanto ao disco, posso dizer que é um bom trabalho, bem acima da média. Músicas boas, arranjos melhores ainda. Tem “Desencontro”, música de Chico Buarque de Hollanda e “Cansei de ser você”, um chorinho de Pixinguinha. E tem mais… confira aí que eu aqui já estou babando de sono. Boa noite! Zzz…..

igual a você
um sorriso e tudo bem
mentira de viver em paz
não me acorde para dizer adeus
minha caminhada
amiga
pão de cada dia
desencontro
chegamos pra vadiar
cansei de ser você
dia a dia
não se avexe
vai doer

Sérgio Sá – Voa Vida (1982)

Olá amigos cultos e ocultos! Nosso encontro hoje é com o cearense paulista Sérgio Sá, um artista que tem andado sumido, pelo menos para mim. Já faz um tempo que não escuto falar dele, mas sei que continua muito atuante, inclusive como escritor. Sérgio veio para São Paulo ainda na adolescência. Cego de nascença, enfrentou diversos obstáculos, comuns a uma pessoa com deficiência visual, mas como tantos se tornou um vitorioso. Construiu sua carreira como músico, se tornando intérprete, compositor e arranjador. Já tocou com os mais diversos artistas, figuras do quilate de Hermeto Pascoal, Gilberto Gil e até Stevie Wonder. Tem em seu currículo um respeitável leque de canções gravadas por, também, outros diversos artistas famosos. Começou a carreira profissional nos anos 60, aos 16 anos. No início da década de 70 ele passou a compor para temas de novelas. Se tornou Paul Bryan, um pseudo artista internacional que emplacou uns quatro temas entre os dez mais vendidos no ano de 1974. Entre essas, a famosa “Don’t say good by”, que fez parte da novela da Globo “Cavalo de Aço”. Trabalhou também fazendo arranjos e como instrumentista (tecladista) para discos de artistas como Roberto Carlos, Simone, Jane Duboc e outros mais… Em 1982 ele gravou pela RCA este disco, intitulado “Voa vida”. Um álbum onde praticamente quase todas as faixas são autorais. Os destaques vão para a belíssima instrumental “Decolagem”, “Amigo desconhecido” e “Eu me rendo”. Essa última se tornou também sucesso na interpretação de Fábio Jr. Confiram…

amigo desconhecido
repartir a vida
ciência e natureza
decolagem
represa
menino de la mancha
tod menino
índios, crianças e bêbados
eu me rendo
saudações ao fim do mundo

Claudio Popó – Vendedor De Vidas (S/Data)

Ufa! Finalmente um tempinho para o descanso e também para a postagem do dia, que até agora não havia saído. Hoje, dia do artista/disco independente estava com duas outras opções de postagem já prometidas, mas devido a uns pequenos detalhes ficarão para as próximas semanas. Quem saiu ganhando com isso foi o cantor e compositor maranhense Cláudio Popó. O “Vendedor de Almas” já estava no jeito, esperando sua vez. Só não postei este disco antes porque não encontrei informações disponiveis na rede. Continuo na mesma, mas desta vez vou inverter o jogo, publico para que alguém se manifeste. A única coisa que sei sobre Cláudio Popó é que ele é um artista maranhence radicado no Rio de Janeiro. Era, ou é, proprietário de uma casa noturna, onde por lá se apresenta. O que desperta o interesse em conhecer melhor este artista é por certo a qualidade de suas músicas. O álbum, um lançamento independente, reúne 10 composições próprias, com belíssimos arranjos e participação de um grupo de instrumentistas muito bons. Será que o Cláudio Popó já pendurou a chuteira? Largou a vida incerta de artista e foi ser empresário. Alguém confirma?
Independente de qualquer coisa, este é um disco que vale a pena ser ouvido. Confira aí…

30/08/51
bagaço verde
epílogo
te aguenta
frevo de aço
a renda
vendedor de vida
alimentação das almas
boca do mundo
olho d’agua

Pacífico Mascarenhas – Conjunto Sambacana – Sambacana (1964) Repost

Olá amigos cultos e ocultos! O meu tempo anda curto e a cabeça ligada em outras coisas. Por isso, acabei sem querer fazendo uma repostagem. Há quase dois anos atrás eu postei aqui este Sambacana, só que com a capa da versão lançada em 1969, pelo selo Imperial. Nem me toquei para o fato e só agora percebo isso. Seja como for, num ‘repeteco’ que vale a pena ouvir de novo, temos o Conjunto Sambacana, do precursor bossa nova mineira, Pacífico Mascarenhas. Este disco foi lançado em 1964 e como já foi dito, o primeiro da série Sambacana, de um total de seis lps. O trabalho contou com os arranjos de Roberto Menescal e Hugo Marota. Foi um disco aclamado pela crítica da época e é hoje um símbolo do movimento bossanovista nas Geraes. Se você ainda não tinha visto (e ouvido) o Sambacana por aí, não vai perder agora a oportunidade. Confira já!

pouco duração
amor e ilusão
aconteceu
olhos feiticeiros
olhando estrelas no céu
ônibus colegial
foi assim
se eu tivesse coragem
começou a brincadeira
assim foi o nosso amor
quanto tempo
bolo
mandrake
amor em quatro estações

Airto Featuring Flora Purim & Special Friends – The Essential… (1976)

Olás! Neste feriado de 21 de abril eu pensei em postar aqui um disco que tivesse algo a ver com a data. Pensei no Tiradentes, no Trancredo Neves, nos policiais civis e militares, na cidade de Brasília e nos metalúrgicos. Todos merecedores de considerações no dia de hoje. Tenho até discos relacionados aos mesmos, mas para não dizerem que eu estou aproveitando da situação, querendo me promover (promover em quê?), decidi me focar em um outro assunto. Ou melhor, resolvi dedicar esta postagem ao amigo Chris Rousseau que está de viagem marcada para a França. Ele vai, mas volta logo, com certeza. Nesse meio tempo irei apresentando a vocês alguns trabalhos dele, que irão entrando ao longo das nossas ‘sextas feiras independentes’. Estou ainda em processo de confecção das artes das capinhas (e dependendo da aprovação do artista). Tem muita coisa legal, vocês irão gostar 🙂
Segue assim este disco nota 10 do percussionista brasileiro radicado nos Estados Unidos, Airto Moreira. “The Essential…” é um álbum duplo (merecia ser triplo ou mais) que o instrumentista divide com a esposa e parceira Flora Purim e os convidados prá lá de especiais, Sivuca, Hermeto Pascoal e Ron Carter. Posso dizer sem certeza, mas com convicção, que este disco foi o melhor lançamento (no estilo) daquele ano. O álbum, felizmente, saiu no Brasil no ano seguinte através da Tapecar. Foi lançado em edição controlada pela gravadora americana Buddah Records. Quem tem o disco da edição nacional sabe disso. Os selos trazem um número de série das cópias produzidas, o que dá ao disco um carácter ainda mais raro. Musicalmente eu não me atrevo nem a comentar, visto que se trata de uma jóia de extrema qualidade e beleza. As músicas, quase todas, são do bruxo Hermeto que também é o responsável pela direção musical e arranjos. Um belíssimo trabalho, ‘but, made in USA’. Confiram já antes que jazz… 🙂

andei (i walked)
o sonho (moon dreams)
uri (wind)
papo furado (live talking)
juntos (we love)
o galho da roseira (the branches of the rose tree)
aluê
xibaba
terror
bebe
andei
mixing
the tunnel
frevo
liamba

Viva Voz (1979)

E aqui vamos nós entre tapas e beijos… Eu correndo contra o relógio, sem muito tempo para render assunto. Nossas postagens seguem em frente, porque o toque não pode parar.
Temos para hoje o grupo Viva Voz, um sexteto vocal dos mais interessantes surgido no final dos anos 70. Começaram muito bem com este lp, lançado em 1979 pela EMI Odeon. Um trabalho produzido por Maurício Tapajós, com participação de grandes instrumentistas e também dos padrinhos Ivan Lins, Joyce e Djavan. As músicas escolhidas são quase todas inéditas e de autores de peso como os já citados e mais Milton Nascimento com Ferreira Gullar (ou Drummond), Sergio Ricardo, Novelli, Villa Lobos e Paulo Cesar Pinheiro que também assina o texto da contracapa apresentando a moçada do grupo.
Realmente um disco muito bom, talvez o melhor dos que eles gravaram. Bem produzido, bem arranjado e já com a firmeza de um conjunto experiente. Muito bom, muito bem… Viva a voz!

tô aqui te esperando
o trenzinho caipira
a voz do brasil
canção amiga
lado do avesso
conquistador
desesperar jamais
tomara
sabor impune
tarja cravada
bela bela

Roberto Carlos – Curiosas Raridades Dos Primeiros Anos Do Rei (1966)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje, dia 19 de abril, o Rei Roberto Carlos está completando 69 anos de vida. Vamos todos aplaudir e desejar juntos felicidades e muitos anos de vida. Que o Roberto possa ainda nos surpreender com suas criações. Pessoalmente, venho esperando isso há mais de 35 anos! Parabéns Roberto Carlos!
Para comemorar a data, improvisei rapidamente esta postagem, reunindo algumas gravações curiosas. São trechos gravados em estúdio, mostrando um jovem Roberto Carlos ainda no processo de criação de alguns de seus maiores sucessos. Tem também trechos de uma apresentação do artista no Estádio do Guarani, em 1966. Propagandas e televisão. Aliás, todo esse material me parece ter sido dessa época e não exatamente dos primeiros anos como indica a capa. Essas gravações me foram enviadas já faz tempo, nem me lembro mais quem foi. Contudo, esse material não é nada inédito e já esteve circulando pela rede há tempos atrás. Eu apenas organizei. Está incluído também um disquinho de papel, propaganda promocional das canetas Sheaffer, onde temos a versão de sucesso, “O calhambeque”. Faço dessa forma a minha homenagem a um dos artistas mais popular da música brasileira de todos os tempos. Salve Roberto Carlos!

comentário sobre a carreira
só vou gostar de quem gosta de mim
querem acabar comigo
negro gato
o gênio
você vai perder seu bem
namorada de um amigo meu
a garota do baile
comentário do loucutor da rádio brasil
festa de arromba
quero que vá tudo pro inferno
homenagem do lyons club
o calhambeque
comercial da shell
anúncio do primeiro aniversário da jovem guarda
propaganda da calça calhambeque
encontro nacional da jovem guarda
lançamento da música ‘esquema’
‘medley’ com erasmo e wanderléa
‘medley’ com vários artistas
é preciso saber viver
o calhambeque
parei na contra mão e calhambeque
que toquen la mariachi
roberto carlos apresenta a jovem guarda (abertura do programa)
o calhambeque (versão do disco de papel)
PS.: No momento em que eu preparei e publiquei esta postagem, ainda não sabia do ocorrido, do falecimento de Lady Laura, a mãe de Roberto Carlos.

Tibor E Sua Orquestra – Ray-O-Vac Apresenta (s/data)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! A sexta-feira, já se tornou um dia propício para postagem de álbuns e artistas independentes, fora do eixo das grande gravadoras. Acredito, todos já sabem disso, mas é sempre bom lembrar e esclarecer aos novos visitantes. O disco de hoje, talvez não seja exatamente um álbum independente. Lançado como promoção das pilhas Ray-O-Vac, através de um obscuro selo PAT Records, este lp nos traz um encontro exclusivo com o maestro e arranjador Tibor Reisner e sua orquestra. Por certo, a maioria das pessoas não fazem ideia de quem foi este músico. Húngaro naturalizado brasileiro, o maestro Tibor viveu e atuou em Joinville – SC por muitos anos. Foi regente da extinta Orquestra Filarmônica-Lyra e diretor da Escola de Música Villa Lobos, ambas nessa cidade. Nos últimos anos de vida mudou-se para São Paulo, depois de ter amargado o desgosto de não conseguir criar em sua cidade uma Orquestra Sinfônica. Segundo informações, ele vivia sozinho em São Paulo. Já doente, foi resgatado por amigos e levado de volta a Joinville. Seu único parente era uma irmã que veio da Alemanha para cuidar dele. Levou-o de volta para a capital paulista para tratamentos. Faleceu aos 73 anos, em 1999. Deixou uma obra volumosa, inédita e inacaba.
Neste álbum promocional, encontramos o arranjador, regente e instrumentista a frente de uma pequena orquestra formada por músicos estudantes, possivelmente da sua Escola de Música Villa Lobos. O repertório, dividido em sete faixas em ‘pot pourri’, apresenta uma série mista com temas nacionais e internacionais. Há também uma faixa autoral, “watakashi to anata”. Um trabalho feito exclusivamente para o disco promocional das populares pilhas ‘amarelinhas’, agradando a todo tipo de público da época.

now and forever
mexican market day
the happy trumpeter
escândalo em família
michael (aleluia)
alguém na multidão
garota moderna
tristeza
on the street where you live
around the world in 80 days
hello dolly
watakashi to anata
michelle
emoção

Orquestra Do Sindicato Dos Musicos Profissionais Do Rio De Janeiro – Pérolas da Música Brasileira (1955)

Olá amigos cultos e ocultos! No ritmo das orquestras, temos para hoje (e rapidinho) um encontro de músicos que atuavam em diversas orquestras do Rio de Janeiro na década de 50. São instrumentistas das rádios Nacional, Mayrink Veiga e Tupi. Componentes das orquestras de Severino Araújo, Peruzzi, Carioca e outras. A ideia de reunir os instrumentistas associados ao Sindicato dos Músicos do Rio de Janeiro partiu do Maestro Gustavo de Carvalho, mais conhecido como Maestro Guaraná. Ele também é o responsável pela direção da orquestra e todos os arranjos. O disco, um lp de dez polegadas, tem uma seleção musical muito boa, como se pode ver logo a baixo. Os arranjos do Maestro Guaraná são arrojados, primando pela qualidade, bom gosto e uma singularidade que se destaca de outras versões orquestrais para as mesmas músicas. Posso parecer meio ingênuo, mas esses arranjos me lembram coisas de Villa Lobos e Antonio Carlos Jobim. O que não deixa de ser uma feliz comparação. Vale mesmo a pena ouvir este raro disquinho. Confiram já este toque….

despertar da montanha
carinhoso
linda flor
feitiço da vila
do sorriso da mulher nasceram as flores
bentevi atrevido
na baixa do sapateiro
tico tico no fubá

Orquestra Brasileira De Danças – Uma Orquestra Em Ritmo De Samba (1959)

Olá a todos! Pelo andar da carruagem, acho que nossa semana vai ser assim, ao ritmo das orquestras, seus regentes e instrumentistas. Tenho aqui uma lista de espera com algumas raridades que precisamos escutar. É incrível a quantidade de títulos musicais produzidos em vinil nas décadas de 50 e 60. Isso para não falar do antes e do depois. Além dos Estados Unidos, acredito que o Brasil foi um dos maiores produtores de discos. Tem coisa demais! E pensar que hoje em dia temos apenas uma fábrica de vinil que só trabalha por encomenda. Não é por acaso que a indústria fonografica foi pro saco. Não foi apenas culpa das novas mídias, da tecnologia digital ou da Intenet. Foi mesmo uma falta de visão, de gerência e de competência. Agora só nos resta lembranças que podem ser guardadas num IPod. Quem ainda quiser manter o ‘fetiche’ tem mais é que correr nos sebos, nas feiras de discos ou pagar caro através da rede. Putz! Nem sei porque eu começei esse assunto. Esse papo rende e eu não tenho tempo…
Aqui vai mais um disquinho inédito, “Uma Orquestra Em Ritmo de Samba”. Este álbum foi gravado nos final de 1959 para o selo Philips, um de seus primeiros minigrooves de 12 polegadas. A Orquestra Brasileira de Dança foi um nome adotado pela gravadora para reunir em disco alguns dos melhores instrumentistas da época. Cada faixa contempla um solista e a regência e direção musical é do Maestro Carlos Monteiro de Souza. No lp encontramos um repertório calcado no samba, mas tendo como base uma curiosa mistura que vai do clássico ao popular. Tem Beethoven, Chopin e Tchaikovsky, passando por “Stranger In Paradise”, um ‘standard’ da música americana e como recheio principal vem composições de Ary Barroso, Dolores Duran, Antonio Carlos Jobim e outros… Confiram já antes que jaz…

exaltação à bahia
terra seca
valsa das flores
stranger in paradise
maria
este seu olhar
apenas um coração solitário
folhas mortas
a noite do meu bem
manhã de carnaval
noturno em mi bemol
sonata ao luar

Renato De Oliveira E Sua Orquestra – Este É O LP (1960)

Bom dia amigos cultos e ocultos! Não sei se vale a pena deixar um recado aqui para os desatentos, mesmo assim, vou repetir: os links válidos (ativos) são sempre os mais recente. Parece uma coisa muito óbvia, mas para algumas pessoas ainda é difícil entender como funciona o Toque Musical. Acredito até que alguns visitantes entram, não encontram o link e simplesmente vão embora. Uma pena (pra eles), prova que não estavam mesmo interessados.
Hoje, nossa postagem não é apenas um toque promocional. Quem viu essa imagem em uma edição anterior pode estar achando que eu continuo batendo na mesma tecla. Sou mesmo repetitivo, redundante e todo errado (seria mais chato se fosse todo certinho). Mas o que temos aqui, dessa vez, é o álbum de verdade. Estamos falando do maestro Renato de Oliveira e sua orquestra. Este disco pode até não ser, musicalmente, um destaque especial, porém essa capa traz algo de novo, um conceito de arte gráfica diferente para a época. Coisa que só viríamos com mais frequência nos anos 70. Pessoalmente acho essa capa um ‘sarro’ (putz! quanto tempo não uso essa gíria, será que vão entender?)
Renato de Oliveira foi um maestro, regente e arranjador muito atuante nos anos 50, 60 e 70. Trabalhou com os mais diversos artistas da música brasileira. Por ser um músico de estúdio, quase sempre esteve por trás das cortinas. Não me lembro de nenhum outro disco, especificamente dele, além deste álbum que agora eu tenho o prazer de apresentar a vocês. O repertório é composto de temas nacionais e internacionais muito em voga no final dos anos 50. São boleros, sambas, mambo e cha cha cha. Há também uma composição própria, “Sombras”, um bolerinho bem original. A qualidade do som está um pouco precária, aliás o disco é que estava. Fiz o pude na digitalização em 15 minutos, mas se alguém tiver mais tempo e condições tem como melhorar.

marina
e daí?
sott’er cielo de roma
catalania
me dá um dinheiro aí
fim de caso
o vagabundo
fechei a porta
chinchilla
rebel rouser
onde estava eu
sombras

Djalma Ferreira Com Orgão E Orquestra – Baile De Formatura (1963)

Olás! Depois de um sarau de poesias, vamos seguindo com outras curiosidades e raridades fonográficas. Daqui até o fim do mês não vou prometer nada, nem para mim mesmo. Estou com outras atividades importantes que irão me tomar todo o tempo e atenção. Não sei nem se vou conseguir manter o ritmo diário das publicações. Talvez eu apele para uma simples postagem a seco, na lata, como fazem a maior parte dos outros blogs. Peço a todos que tenham paciência quanto aos links vencidos. Depois que passar essa onda a gente volta a normalidade.
Para começar a semana, vamos com o Djalma Ferreira e seu “Baile de Formatura”. Este álbum é mais um dos diversos feitos pelo artista, através de seu selo Drink. Drink aliás, era também o nome de sua boate, que funcionou de 1954 a 1960. Por lá passaram diversos nomes, como Miltinho, Ed Lincoln, Silvio Cesar e Helena de Lima. Djalma, como Waldir Calmon, criou o seu próprio selo, lançando assim os seus discos e também os de artistas que se apresentavam em sua boate.
Em “Baile de Formatura”, um álbum de composições próprias e algumas parcerias, encontramos doze sambas ‘swingados’, maquiados ou com ‘gumex’ para um autêntico baile de formatura daqueles tempos. A orquestração fica por conta do Maestro Nelsinho. Disquinho bacana, podem conferir…

lamento
volta
samba no drink
fala amor
nosso samba
murmúrio
sambadin
recado
cheiro de saudade
foi a saudade
cansei
casa da loló

Paulo Autran – Melhores Momentos (1979)

Olá amigos cultos e ocultos! Dando a todos mais uma colher de chá de poesia, eu deixo para a postagem de hoje outra boa opção, Paulo Autran em alguns de seus melhores momentos. Neste disco ele recita Casimiro de Abreu, Castro Alves, Carlos Drummond, Vinicius de Moraes, Millor Fernandes, Mario Quintana, Sergio Porto, Luiz Fernando Veríssimo e Chico Buarque. Puxa, quanta gente boa! Não dá outra, sucesso total. Ótima a interpretação de Paulo, que incorpora como poucos os personagens de tantas histórias e autores. Confiram…

ela – luiz fernando veríssimo
televisão – chico buarque
poesia matemática – millôr fernandes
sonho impossível – chico buarque
‘discurso de marco antonio’ de júlio cesar – millôr fernandes
a valsa – casimiro de abreu
poema de gare de astapovo – mario quintana
poema enjoadinho – vinicius de moraes
divisão – sergo porto
debaixo da ponte – carlos drummond de andrade
final de ‘o navio negreiro’ – castro alves

Paulo Gracindo – Diz… (1975)

Ufa! Finalmente liberado! Cansado, esgotado, mas liberado. Hoje eu ralei demais. Muito trabalho e pouco dinheiro. Mas tudo bem, eu não sou muito ambicioso. Sou como aquele poema do Nhô Bento, “Prá mim, qualquer coisinha dá” 🙂
E por falar em poesia e também em música, que tal este disquinho aqui? Tenho hoje para vocês um grande e saudoso ator, o ‘bem amado’ Paulo Gracindo, recriando em forma de prosa e verso algumas das letras mais belas e conhecidas canções da nossa música popular brasileira. Não me parece muito difícil interpretar de forma recitada uma canção, principalmente quanto ela já nos é familiar. Quando já a temos decorada no canto. Porém, sempre acho que fica uma coisa meio forçada, descontextualizada ou incompleta, sei lá… O certo é que o Paulo Gracindo consegue atenuar isso, mesmo sendo o fundo musical que o acompanha, a música da letra que ele recita. Ele as interpreta sem exageros, sem ser piegas. A propósito, diga-se de passagem, o tal fundo musical não é um mero floreio. São temas instrumentais muito bem arranjados pelo Maestro Gaya, agregando ao disco um lado musical significativo. Com certeza, quem não conhece vai gostar 😉 Confiram…

meiga presença
chão de estrelas
com açucar, com afeto
prá você
por causa desta cabocla
o mais que perfeito
viagem
estrada branca
valsinha
preciso aprender a ser só
maria
suas mãos

Elomar – Fantasia Leiga Para Um Rio Seco (1981)

Olá amigos cultos e ocultos! Pelo jeito, pelo ‘ibope’, a poesia em disco faz mesmo muito sucesso. Aqui no Toque Musical temos uma quantidade e variedade bastante significativa. Para aqueles que ainda não se aventuraram nas buscas, sugiro ir direto ao índice lateral, procure por ‘Poesia’. Certamente e na medida do possível, eu não deixarei de postar outros discos do gênero. Contudo, vamos em doses homeopáticas, pois mesmo que eu quizesse, não tenho disponível tantos discos assim. Conto também com os meus colaboradores.
Na dobradinha da semana e já chegando ao fim, vamos hoje com o Elomar. Obviamente, sendo hoje uma sexta-feira, teremos um disco independente. Assim sendo, escolhi “Fantasia leiga para um rio seco”, um álbum poético, de capa dupla, com direito a encarte, lançado em 1981 de forma independente pela Fundação Cultural do Estado da Bahia. Conforme o próprio site do artista, este foi o primeiro registro sinfônico de uma de suas obras e executado pela Orquestra Sinfônica da Bahia, regida por Lindenbergue Cardoso. “Trata-se de um poema épico onde temos uma das passagens de ‘O menino’ em sua peregrinação centenal pelo mundo dos viventes, que se tem registro a partir do dias em que José, filho de Jacó, foi vendido por seus irmãos como escravo para o Egito.”
Este álbum, como tantos outros de Elomar, já está mais rodado na rede do que em um prato de um toca discos. Mesmo assim, vamos reforçar o caldo. O que é bom merece estar sempre presente, não é mesmo? 😉

1º canto: abertura – incelença pra terra que o sol matou
2º canto: tirana
3º canto: parcela
4º canto: contradança
5º canto: amarração