Dick Farney – Trio (1956)

Olás! Bom dia a todos! Hoje eu acordei no maior pique e disposto a fazer uma semana de postagens da melhor qualidade. Andei separando ontem algumas raridades que nossos gentis colaboradores vem sempre me enviando. Não é atoa que eu rezo sempre por essa turma celestial e agradeço igualmente aos amigos cultos e ocultos que também colaboram 🙂
Para abrir nossa semana de jóias raras, eu começo com um disquinho especial de 10 polegadas do grande Dick Farney, coisa ainda inédita no blogosfera, com certeza. Acredito que a discografia de Farney esteja quase todo disponibilizada, mas até hoje eu ainda não havia visto este álbum, lançado em 1956. Um boa safra, com certeza, principalmente porque ele vem acompanhado por Dinarte Rodrigues Filho na guitarra e Ed Lincoln no contra baixo. Para quem ainda nunca ouviu o Ed Lincoln, nos primeiros anos, tocando contra baixo, essa é uma oportunidade imperdível. Trata-se, sem dúvida, de um disco moderno para a época, essencialmente de jazz. Como informa o texto da contracapa, “é um lp que, além de servir para a dança, proporcionará excelente fundo musical para um ‘cocktail e emoldurará um romance à meia luz”, viu? Confiram aqui em primeira mão ou espere até que seu blog favorito o poste também 😉

valsa de uma cidade
tenderly
com você meu bem
contigo en la distancia
you stepped out of a dream
deep purple
nick bar
farney’s blues

A Música Das Estrelas – Um Programa Exclusivo De Castro Muniz S.A. (1956)

Prezados amigos cultos e ocultos, reservei para este domingo um programa especial. Uma daquelas postagens que só mesmo no Toque Musical vocês podem encontrar. Teremos hoje realmente um programa, o de númeo 73, gravado em 30 de novembro de 1956. Estou me referindo à “A música que vem das estrelas”, uma produção exclusiva para a Cassio Muniz S. A.
Temos aqui um raro exemplar de um vinil de 12 polegadas e 33 rpm gravado em 1956 para o grupo Cassio Muniz. Este nome compreende entre outras coisas uma antiga e bem conhecida loja de departamento que existia no centro de São Paulo. Era uma loja que vendia de tudo, de carro a roupa de cama. Tinha também o departamento de eletrodoméstico e de disco, o qual a Cassio Muniz era representante e distribuidora de diversos selos e gravadoras. O grupo empresarial paulista Cassio Muniz S. A. atuava em diversos segmentos, inclusive o fonográfico. Em 1957 criaram a Chantecler, um gravadora conhecida principalmente pela produção de discos de música sertaneja. Antes disso, porém eles já tinha uma boa visão comercial, produzindo em discos programas prontos para serem executados nas rádios. Um ideia genial, uma pausa para o locutor. Era botar o disco no prato e sentar a agulha.
Temos então de amostra um programa da série “A música das estrelas”. Durante quase um hora vocês terão o prazer de ouvir os temas do filme “Melodia Imortal” (The Eddy Duchin Story), estrelado por Kim Novak e Tyrone Power. O filme conta a história do compositor americano Eddy Duchin. A trilha, com músicas de Duchin e também uma versão de “Aquarela do Brasil”, são interpretadas pelo pianista Carmen Cavallaro. No disco tudo isso é apresentado como na deliciosa transmissão radiofônica. Porém, para salvar ainda mais o dia, incluí um recheio especial, que é para não deixar ninguém na vontade… Só falta agora alugar o filme para assistir 🙂

Sacha – No Balaio – Gravado Ao Vivo Vol. 2 (1969)

Olá amigos cultos e ocultos! Nossa postagem para este sábado foi motivada por um trecho de leitura no livro de memórias da Danuza Leão, que por acaso descobri ontem na rede. No livro, em versão digital, ela conta casos dos mais interessantes e possivelmente inéditos do grande público. Foi de lá que eu desenterrei o Sacha, uma figura pitoresca, personagem bem conhecida na noite carioca nos anos 50 e 60. Sacha Rubin foi um pianista trazido ao Brasil pelo Barão Max Stukart, empresário austríaco residente no país, ao criar a boate Vogue. A Vogue foi uma casa noturna muito badalada, se tornando um ponto de encontro de figuras das mais importantes da sociedade carioca da época. Foi ao final dos anos 40 que Sacha passou a se apresentar. Segundo contam, Sacha Rubin era de origem turca, mas se fazia passar por francês (que era mais chique, claro). Tocava piano, invariavelmente com um cigarro (americano) no canto da boca e um copo de uísque (escocês legítimo) do lado. Fazia um tipo meio Humphrey Bogart, no filme Casablanca. Gostava de saudar os frequentadores tocando ao piano suas músicas prediletas, logo que esses adentravam no recinto. Provavelmente inspirado no Rick’s Bar de Casablanca ele também criou a sua casa noturna, a Sacha´s, também famosa naqueles tempos. Sacha Rubin gravou alguns discos, entre eles temos os álbuns gravados ao vivo na boate Balaio, recriando toda aquele atmosfera ‘noir’. Se não me engano, foram gravados três volumes neste estilo e em anos diferentes. O lp que apresento é o volume dois. Nele temos um repertório misto, feito para agradar gregos, troianos e principalmente os frequentes da boate. Para os temas nacionais, Sacha conta com a participação o ‘crooner’ Mano Rodrigues. No disco, devido ao fato do pianista tocar sem parar, não há divisão das músicas por faixas. O sentido aqui é recriar todo o espírito da noite. Mais do que a música, o importante aqui é registrar o momento. (êta povo que falar, sô!)

le bruit des vagues
i love you samantha
people
again
my way of life
num sorriso teu
charminho
for once in my life
isn’t it romantic?
it had to be you
lonely is the name
you’ll never know
the impossible dream
embraceable you
laura
desencontro
bahia de todos os deuses
sei lá, mangueira
la maritza
on a clear day
boo boo baby i’m a spy
manhattan

Confraria (1980)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje é sexta feira independente e eu nem me lembrei disso. Na verdade nem me lembrei da postagem de hoje. O dia foi bem agitado e só agora eu me dei conta de que ainda faltava o nosso encontro diário. Não tive tempo de preparar um disco da lista dos independentes, daí, longe do QG, o jeito foi apelar para alguma reserva, um disco de gaveta 🙂
Tenho aqui este disco, gravado em 1980, por um grupo chamado Confraria. A razão pela qual eu havia deixado de lado (no fundo da gaveta) este álbum, foi porque não encontrei absolutamente nada sobre o grupo e seus integrantes. Também fiquei desmotivado pela qualidade do som, a digitalização não ficou muito boa. Mesmo assim, vou arriscar a apresentação, pois o conteúdo musical é dos melhores. A música é boa e a turma toca direitinho. Consta a participação de um tal Filó. Seria o Filó Machado?
Desta vez a postagem corre assim meio a solta. Quem tiver um complemento, inclua-o no comentários. Toda informação é sempre bem vinda. Vou nessa que o dia é longo… 😉
PS.: Não demorou muito e logo me enviaram informações sobre o grupo, cujo lider é o músico carioca Robson Santos. Segue a baixo o texto complementar enviado pela amiga Evangelina:
Filó Machado: Em 1980 produziu e dirigiu o LP “Confraria” de Robson Santos. Nascido no Rio de Janeiro, Robson Santos já residiu em várias cidades no Brasil (Campo Grande-MT, Santos, São Paulo, Belo Horizonte, Ribeirão Preto) e mesmo no exterior (Cleveland-OH). Isso talvez seja uma das explicações para a variedade de estilos de suas composições. Tem parcerias com Nonato Luiz, Henrique Anes, Filó Machado e Amaury Angelo (Aranha) , entre outros. Acabou de gravar seu quarto disco que contou com a participação de Filó Machado, Cibele Codonho e da cantora americana Holly Holmes com quem divide a autoria de uma das 16 musicas do CD Límbico Trem. Além de Filó Machado, outros músicos importantes participaram das gravações: Nenen (Esdras), Adriano Campagnani, Amaury Angelo e Daniel Silveira (teclados). Dividiram os arranjos Amaury Angelo, Adriano Campagnani, Filó Machado e Daniel Silveira, parceiro de Robson na música “Pra você”.No primeiro disco, LP Confraria gravado em 1980, Robson Santos contou com a participaçào de Celso Machado, Filó, Sizão Machado e da cantora Nilza Maria. Várias parcerias suas com Nonato Luiz foram incluidas nesse disco. Já no segundo disco, o CD Profissão de Menino, gravado em 1994, Robson Santos optou por incluir musicas essencialmente de sua autoria. Participaram desse CD o cantor Tadeu Franco, a cantora Cibele Codonho e Filó Machado, que também ficou responsável pelos arranjos. No terceiro CD Verniz de 1999, Robson contou com a participação de Beto Guedes e Filó Machado dentre outros. Amaury Angelo fez os arranjos. Além de compositor e interprete, Robson Santos é cientista atuando na área cardiovacular. Tem mais de cem trabalhos publicados mas a música não fica para tras. Já passam de cem suas composições que vão do rock ao baião, passando pelas baladas, samba e jazz e bossa nova.

saraivada
lei do sertão
marcha dos inocentes
como fosse antigamente
alucinação
era
primeira vez
meu pecado
prelúdio em si menor
a tua manhã
grades

Bob Nelson & Seus Rancheiros – Vaqueiro Alegre (1959)

Olá a todos! Hoje o nosso encontro é com o ‘cowboy’ Bob Nelson. Quem foi criança nos anos 50 não há de esquecer essa lendária figura que recriava aqui as proezas de um vaqueiro do velho oeste americano. Era um artista bastante popular nos anos 40 e 50, tanto no rádio como na televisão. Seu nome verdadeiro era Nelson Roberto Perez. Foi inspirado no filme “Idílio nos Alpes” que ele começou seu tirolês (yodel) e toda essa onda de vaqueiro, o cowboy americano. Adaptou para o português a tradicional canção americana “Oh, Suzana”, que se tornou também bastante popular no Brasil. Impulsionado por essa música, foi assim incorporando o personagem. Chegou, inclusive a cantar, na época da Segunda Guerra, para o comandante norte americano Gal. Douglas MacArthur, em homenagem feita por Assis Chateubriand, quando o militar esteve no país.
O álbum que apresentamos é um relançamento feito pelo selo Moto Discos, especializado em raridades produzidas nos anos 30, 40 e 50. Este disco, em especial, foi lançado originalmente em 1959 no formato de lp pela Polydor, reunindo gravações feitas para diversas bolachas de 78 rpm. Quem sempre foi fã, de carteirinha, do Bob Nelson era o Roberto e Erasmo Carlos. Chegaram até a gravar uma música em sua homenagem, “A lenda de Bob Nelson”, lançada em álbum de 1974. Confiram aí a cópia mais original brasileira do vaqueiro americano. Foi por aí que tudo começou…

oh suzana
sarita
um vaqueiro na cidade
um saba na suíça
bela gaúcha
cowboy do amor
cavalinho de estimação
catavento
vaqueiro alegre
quadrilha
pingo de raça
trolinho (upa upa)

Anjos Do Inferno – Brasil Pandeiro (1971)

Olá amigos cultos e ocultos, bom dia! Ainda na pressa, aqui vamos nós com a postagem de hoje. Não posso me prolongar. Entre um gole de café e uma fatia de pão, vou postando este álbum de um dos maiores conjuntos vocais brasileiros, Os Anjos do Inferno. O grupo nasceu no Rio de Janeiro, na década de 30 e tinha como lider o cantor Leo Vilar. Foi um dos grupos vocais mais populares nas décadas de 30 e 40. Tiveram várias formações, mas se destacaram com Leo Vilar, o vocalista principal, Roberto Medeiros e Nanai nos violões, Russinho e Miltinho nos pandeiros e Harry Vasco de Almeida no piston. Excursionaram pelos Estados Unidos com Carmem Miranda e também estiveram por um período longo, quase quatro anos, no México. Ao retornarem ao Brasil, se deram conta de que a onda havia mudado. O povo por aqui estava agora ligado era no samba canção e no baião. Haviam também outros e novos grupos vocais como os 4 Azes e 1 Coringa, Os Titulares do Ritmo e Os Cariocas. Dessa forma Os Anjos do Inferno, logo nos primeiros anos da década de 50, se dissolveram. Em 1963 Leo Vilar produziu um lp com reminiscências dos Anjos do Inferno, buscando reviver alguns de seus antigos sucessos. Para isso contou com o apoio de alguns membros dos Titulares do Ritmo. Em 1971 a RCA Candem relança o álbum com o nome Brasil Pandeiro. O álbum se divide em dois momentos. De um lado temos a música de Dorival Caymmi que foi sucesso na voz dos Anjos entre os anos de 1941 e 43. Do outro, desfilam diversos sambas que também marcaram a existência do grupo. Podemos dizer assim, que este disco não é apenas dos Anjos do Inferno, mas de Leo Vilar e Os Titulares do Ritmo. Muito bom, confiram…

rosa morena
acontece que eu sou bainao
vatapá
requebre que eu dou um doce
você já foi a bahia?
vestido de bolero
chô chô
nêga do cabelo duro
dolores
helena helena
brasil pandeiro
é ela

Silvio Cesar – A Minha Prece De Amor (1970)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje a pressa me pegou, por isso estou lançando mão de mais um dos já famosos ‘discos de gaveta’, aqueles que estão sempre prontos para as eventualidades 🙂
Vamos hoje com o cantor e compositor Silvio Cesar, um artista que começou sua carreira no início dos anos 60, gravando seus primeiro discos pelo selo Musidisc, ao lado de Orlan Divo e Ed Lincoln. Começou fazendo samba, indo aos poucos para um trabalho mais romântico. Sua música sempre teve um apelo bem popular, o que fez muita gente torcer o nariz. Mas isso se deve ao fato de não conhecerem um pouco mais o seu trabalho. Suas músicas fizeram sucesso não apenas por interpretação própria, que aliás, faz dele também um excelente cantor. Diversos e dos mais talentos artistas já gravaram suas músicas. O presente álbum é entre outros um de seus trabalhos mais conhecidos e de sua melhor fase. “A minha prece de amor” é um disco totalmente autoral, uma prova de seu talento. Além da música que dá nome ao disco, temos também como destaques o sucesso “Prá você” e “Eu quero que você morra”, uma bela e curiosa canção gravada também por outros intérpretes. A direção musical deste trabalho é do maestro Lyrio Panicali e a regência ficou à cargo de Waldemiro Lemke, Geraldo Vespar, Elcio Alvarez e José Briamonte. Confiram aí, porque eu já fui…

canção para ela
a minha prece de amor
falar é fácil
minha casa
esse mundo louco
pra você
nosso mundo particular
minha mulher
eles falam mas não sabem
um dia eu vou me libertar
maria
eu quero que você morra

Simonetti & Orquestra RGE – Brasil A Jato (1959)

Olá amigos cultos e ocultos. Passadas três semanas, dedicadas aos discos Paladium, já é hora de levantarmos vôo para outras paragens. Mesmo sem muito tempo para novas ‘aventuras fonográficas’, estou preparando um espaço especial para essa curiosa experiência musical que foi a Coleção Paladium da gravadora mineira Bemol. Em breve estarei anunciando aqui o novo blog, aguardem!
Vamos hoje decolar em direção a outras raridades musicais. E para tanto, nada melhor que um disco feito de encomenda e em edição limitada, promocional. Este álbum é mais uma colaboração do amigo Sérgio Digital, que gentilmente o preparou e nos enviou prontinho para o vôo.
“Brasil a jato” foi um disco encomendado à RGE pela Varig, em 1959, quando a empresa aérea comprou da França os dois aviões a jato “Caravelle” para a sua frota. Foram os primeiros aviões comerciais a jato no Brasil. A gravadora então recrutou seu maestro principal para preparar um disco comemorativo, o qual foi distribuído entre clientes e funcionários. Trata-se portanto de um álbum não comercial, o que, obviamente, não tira a possibilidade de também ter sido posteriormente comercializado, embora não tenhamos certeza. O disco apresenta um repertório muito bem preparado pelo Maestro Simonetti, com músicas referentes a cada escala do novo avião, passando por diversos estados do país. Muito bacana, podem conferir…

caravelle
são paulo quatrocentão
a voz do morro
vassourinha
baião
pastorinhas
rio de janeiro
saudades da bahia
tico tico no fubá
delicado
evocação
prenda minha

Sidney Jones E Sua Orquestra – Juventude Amor E Música (S/D)

Embora tenhamos muitos outro discos Paladium para serem mostrados, vamos dar uma pausa nessa ‘novela’, como disse alguém há alguns dias atrás. Novela pra uns, programa de variedades para outros… O Toque Musical é sempre bem sortido. Tem para todo gosto 😉
Finalizando, aqui vai “Sidney Jones e Sua Orquestra”, mais uma produção da Bemol para as coleções Paladium. Este volume é composto totalmente por músicos que tocavam na noite belorizontina. Me parece, inclusive, que dele participam Aécio Flávio, Célio Balona e outros nomes bem conhecidos atualmente da música mineira. O repertório, como podemos ver logo a baixo, traz sucessos daquela época, tanto nacionais quanto internacionais. Gostosinho de ouvir 😉

canzone per te
san francisco
the last waltz
o caderninho
i was kaiser’s bill batman
prima di domani
é tempo de amar
when summer is gone
soy loco por ti america
hello goodbye
a pupet on a string
serenade in blue

Típica Rosário – Fumando Espero (S/D)

Buenas noches! Hoje eu me atrasei ‘un poquito’, mas antes tarde do que nunca. A postagem de hoje é dedicada à Evangelina, uma nova amiga culta, argentina, pero ligadona nos lançamentos da Bemol. Retribuindo sua gentileza nas últimas semanas, aqui vai para ela e também para todos os amigos cultos e ocultos que nos visitam, um outro álbum Paladium. Desta vez temos a “Típica Rosário”, outro grupo inventado pela Bemol para o selo Paladium. Por muito tempo eu pensei que quem tocava neste disco fosse o argentino, radicado no Brasil, Rufo Herrera. Alguém uma vez me contou isso, mas nunca consegui confirmar. A única vez em que eu tive a oportunidade de conversar com o Rufo foi em uma festa na casa do meu cunhado e não faz muito tempo isso. Pena eu não ter lembrado dessa história e esclarecido tudo. Também, naqueles dias eu nem pensava em vir fazer esta postagem. Seja ele ou não, não importa agora. Vale mais aproveitar o resto do sábado e ouvir essa série, essencialmente dedicada ao tango. Vamos dançar? 🙂

sus ojos se cerraron
despertar da montanha
el choclo
en esta tarde gris
caminito
donde estas corazon
fumando espero
jalouise
mi buenos ayres querido
percal
el dia en que me queras
quiero verte una vez mas

Adilson Adriano – Eu Gosto Tanto De Você (S/D)

Olá amigos cultos e ocultos, bom dia! Hoje é sexta feira, mas independente de qualquer coisa, continuamos batendo na mesma tecla. Ainda neste resto de semana irão ecoar os discos Paladium. Por isso, não teremos aqui o álbum/artista independente. Semana que vem a gente volta à normalidade, ok?
Seguimos com mais um disco sob o selo Paladium. Desta vez temos o cantor revelação da Bemol, Adilson Adriano. Seu primeiro disco, “Nasce um novo ídolo”, saiu pelo selo Bemol. Embora eu nunca o tenha escutado, vejo pelo anúncio de venda do lp em vários sites, que se trata de um disco de Bossa Nova, mas eu duvido, considerando que este artista foi moldado para a Jovem Guarda. Além de cantor, o cara era também compositor. Existem músicas dele gravadas por artistas da Jovem Guarda. A Bemol também lançou ele em compacto, uma prova de que a gravadora tinha interesse em investir em sua carreira. Pelo que eu soube, ele começou a se destacar, fazendo páreo com figuras como Agnaldo Timóteo e aí, a Odeon resolveu contratá-lo, prometendo lhe um disco que nunca saiu. Ele foi colocado na geladeira. Uma estratégia típica das grandes empresas quando querem abafar o concorrente. Ele tentou voltar à Bemol, mas nessa altura a gravadora já não tinha mais interesse. Não sei que fim levou…
O presente álbum, parte de alguma caixa das coleções Paladium, reúne uma série de música de Evaldo Gouveia e Jair Amorim, Luiz Ayrão e também composições próprias. Tudo isso revestido por uma atmosfera de Jovem Guarda romântica e brega. Acredito, pelo estilo Paladium, que essas músicas são as que forma lançadas em seu lp e compacto anterior pelo selo Bemol.

canzone per ti
quem será
canta menina
pavana para um amor enfermo
à meu filho
quem vai chorar sou eu
quando o sol aparecer
não me deixe mais
o sol, a lua e eu
eu gosto tanto de você
aleluia
balada para qualquer natal

Adicionar imagem

The Terribles – Brasa (1966)

Na onda da Jovem Guarda, aqui vai mais um disquinho a la Paladium. Desta vez temos o conjunto The Terribles. Segundo o site Jovem Guarda Obscura, o grupo era mineiro. Atuaram entre os anos de 1966 a 1968, gravando ao longo desse tempo cinco discos, quatro deles por um desconhecido selo NCV (Super Brasa Vol. 2, Brasa Três, Brasa Quatro e o psicodélico Genial! Universal Sound) e este que foi o primeiro, lançado pelo selo Itamaraty. Eu até então acreditava que o álbum Brasa fosse de 1968. Agora já sabemos que é de 66, embora eu o tenha ‘tageado’ com a data errada.
Neste disco encontramos um repertório de sucessos da Jovem Guarda. São doze faixas com músicas bem conhecidas de todos. Trata-se de um disco de ‘covers’. Mesmo assim, é uma brasa, mora?!

a volta
pega ladrão
ternura
mexerico da candinha
você me acende
juanita banana
mamãe passou açucar em mim
o pica pau
preciso de você
lobo mau
chuá chuá – papo pro ár – maringá

The Rock Fingers – Hot Line (1981)

Olá amigos cultos e ocultos! Pela primeira vez ao longo de quase três anos de existência do blog recebi uma notificação do Blogger, à pedido do DMCA. O que mais me estranhou foi que eles censuraram dois discos que eu jamais pensei que o fizessem. O primeiro é “Simonetti, Mezzaroma e Wanderley – Música Para O Amor”, disco lançado em 1959! O segundo é um álbum da Ely Camargo, “Cantos da Minha Gente” de 1974. Fico aqui pensando, com tantos outros títulos mais sugestivos eles foram escolher justamente esses. Enfim…
Deixando de lado esse papo, vamos ao disco do dia. Hoje eu trago o grupo The Rock Fingers, mais uma cria da Paladium/Bemol, lançado ainda nos anos 60 e relançado pela Beverly/Copacabana nos anos 80. Segundo me contou o Dirceu Cheib, “The Rock Fingers” foi o nome dado a um grupo de ‘ie ie ie’, formado por jovens estudantes de Belo Horizonte. O nome do conjunto foi criado por ocasião da gravação. Embora fosse um grupo amador da época da Jovem Guarda, seus membros (ilustres desconhecidos), faziam um som bem ‘maneiro’. Vemos aqui um seleção totalmente internacional, com temas bem conhecidos dos anos 60. Disquinho bacana, podem conferir…

somethin’ stupid
kilimandjaro
strangers in paradise
there’s a kind of hush
temptation
on the clouds
wilds things
in the mood
the hight and the mighty
tonight
wonderful land
beyond the reef

Geraldo Tavares – Noites Que Não Voltam Mais (1981)

Olha aí… Ontem eu falava dos ‘troca trocas’ das gravadoras, do uso de fonogramas, matrizes e artistas com pseudônimos. Postei um disco do selo Paladium e agora vamos com outro bem parecido (pelo menos na capa), originalmente lançado por este selo nos anos 60 e relançado vinte anos depois pelo Beverly, um selo da gravadora Copacabana.
Reparem que a foto é a mesma. Não tiveram nem a preocupação de tirar a palavra “seresta”, que até parece uma logomarca. Vemos aqui que não só a Bemol com seu selo para coleções fazia dessas loucuras. Muda-se nomes, muda-se artistas, mas a capa é a mesma. Isso sim é que é economia e reciclagem, hehehe…
Nosso artista da vez é Geraldo Tavares, um nome de verdade. Um dos poucos que tiveram oportunidade de se mostrar através do selo mineiro. Geraldo foi um seresteiro, nascido na cidade de Juiz de Fora. Trabalhou por mais de quaretenta anos em estações de rádios, principalmente na Rádio Guarani e Inconfidência, onde também apresentava um programa dos mais tradicionais da rádio mineira, o saudoso “Noites que não voltam mais”. Não foi por acaso que o presente lp, seu primeiro disco, teve este nome. Segundo as informações colhidas no blog A Música Que Vem de Minas, ele aqui vem acompanhado pelo Regional de Waldir Silva. Geraldo gravou também um outro lp, “Na Casa Branca da Serra” (suponho que seja também pela Bemol). Foi um dos maiores incentivadores da seresta, trazendo em seus programas radiofônicos os mais diversos artista seresteiros. Promoveu e atuou em serestas inesquecíveis, por diferentes lugares dessa Minas Gerais.

elvira escuta
gondoleiro do amor
ave maria
mimi
chuá chuá
noites que não voltam mais
é a ti flor do céu
a pequenina cruz do teu rosário
chão de estrelas

Oswaldo Silva – Seresta (S/D)

Bom, já se passaram duas semanas com postagens diretas dedicadas à Paladium. Se formos continuar nessa linha, provavelmente teremos ainda muitas outras semanas. Por essa razão e por outras também, estou pensando em criar um blog exclusivo para os discos do selo. Já até criei uma nova conta no Blogger e no WordPress para isso. Só me falta agora achar tempo para administrar mais um blog (ou dois). Vamos ver…

Para não sairmos assim radicalmente de uma coisa e cairmos em outra, teremos ainda nesta semana alguns discos do selo Paladium ou relacionados à ele, (porque não?). Quem não estiver gostando depois me conta como é a experiência de não gostar e mesmo assim ficar rondando por aqui (nunca entendi isso).
Temos desta vez um artista verdadeiro, um violonista, que gravou pela Paladium. Oswaldo Silva não é um pseudônimo. Embora não seja lá um artista conhecido do grande público, entre seresteiros, principalmente em Minas Gerais, seu nome está presente. A Bemol/Paladium, além dos pseudônimos e até dos ‘fonogramas emprestado’, também apostou em alguns artistas, principalmente aqueles que se encontravam em Minas. Célio Balona, Waldir Silva, Adilson Adriano, Joe Smith, Geraldo Tavares e muitos outros. Todos foram também relançados em selos Bemol, Beverly, Copacabana e Coledisc.
Neste álbum encontramos uma seleção de clássicos da seresta, interpretados ao violão por Oswaldo Silva. Uma produção barata, sem dúvida, mas de excelente qualidade musical. Confiram mais um capítulo dessa novela. Quem não gostar é só mudar o canal, vá assistir a MTV ou qualquer coisa igual (putz, até rimou!)

sons de carrilhões
gotas de lágrimas
última inspiração
noite de lua
se ela perguntar
dança paraguaia
romance de amor
nda recol la culpa
milongue del ayer
soluços
rosita
la despedida

The Black Boys – I’m A Believer (S/D)

Olás! Eu pensei que teria mais tempo no fim de semana para me dedicar às postagens dos discos do selo Paladium. Fiquei de fazer aqui um relato sobre o meu encontro com o Sr. Dirceu Cheib, mas realmente não tive tempo. Além de problemas pessoais, estou também cheio de trabalhos que me roubam muitas horas e até a inspiração. Estou chegando a conclusão de que não adianta eu ficar planejando ou prevendo o que virá em seguida. Acabo me comprometendo e criando expectativas em vocês. Pelo jeito, ainda não vai ser hoje que irei relatar alguns fatos, os principais, sobre o selo mineiro e suas aventuras fonográficas.
Por hoje, vamos seguir com mais um exemplar das coleções. “The Black Boys” é outro daqueles discos sortidos e dirigidos ao público jovem da época. Uma série de ‘hits’ tanto da Jovem Guarda quanto internacionais, com direito até a uma versão de “Delicado” de Waldir Azevedo.
Dentro desse esquema de produção de discos, saber quem foram os “The Black Boys” é uma questão que nem mesmo o Dirceu Cheib saberia nos responder. Mas por certo, foi mais um grupo anônimo de músicos mineiros gravando na madrugada. Confiram aqui o repertório…

coração de papel
a whiter shade of pale
no milk today
delicado
o bom rapaz
i’m a believer
something stupid
l’important c’est la rose
te amo
there’s a kind of rush
garota do carnaval
tributo a martin luther king

Luiz Humberto – Temas Para Dançar (S/D)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Como eu havia comentado ontem, aqui vai mais um bom exemplo dessa história de discos relançados com nomes trocados pelo selo Paladium. Assim como o Rubens Bassini se tornou Raul Ferreira, o organista Celso Murilo se transformou em Luiz Humberto. E olha que pela selo mineiro ele saiu em dois disco, este e o “Dançando nas nuvens”, postado aqui em agosto do ano passado. “Temas para dançar” foi apresentado há tempos atrás pelo excelente blog Bossa Brasileira. Foi de lá que eu busquei mais este exemplo, o qual, como poderemos constatar era antes o “Ritmos na passarela”, lançado à uns três ou quatro anos antes, também pelo selo Pawal. Se formos pesquisar a fundo, veremos que talvez, muitos lançamentos da Pawal se tornaram novos discos nas versões da Paladium, Coledisc, Beverly e outros selos considerados obscuros ou de segunda linha. Ao contrário do que anunciou nosso amigo do blog Bossa Brasileira em sua postagem, “Luiz Humberto, Orgão & Ritmos – Temas para dançar (1962)”, o álbum foi lançado pela Paladium por volta de 64 ou 65. Foi nessa época que a Paladium começou a trabalhar com ‘as matrizes intercambiáveis’. Conforme me contou o Dirceu Cheib, o que era produzido de verdade na Bemol, muitas vezes era também relançado com outros nomes e em outras gravadoras. Este era um procedimento aparentemente normal entre as pequenas editoras (e nas grandes também!).
Bom, quanto ao conteúdo musical deste disco, não é preciso falar muito. Temos uma seleção com temas dos mais agradáveis e já bem conhecidos do público, principalmente através do Loronix, que foi quem o publicou a primeira vez. São sambas, boleros, bossa, cha cha cha e outros ritmos dançantes da época. Seja como Celso Murilo ou Luiz Humberto, o disco é ótimo! 🙂
.
poema do adeus
look for a star
fiz o bobão
carinito
falsa baiana
halen nocturne
chora tua tristeza
palhaçada
quem manda na minha vida
se meu apartamento falasse

Rubens Bassini E Os 11 Magníficos – Ritmo Fantástico (1961)

Excepcionalmente, estou abrindo espaço para mais uma postagem no dia, esclarecendo um pouco sobre este curioso fato do disco do Rubens Bassini que virou nas mãos da Paladium Raul Ferreira e Seus Ritmistas. É interessante perceber como um disco lançado em 1961, uns quatro anos depois, reaparece com outro nome e em outro selo como se antes nunca tivesse existido. Provavelmente deve ser o que pensaram os responsáveis pelo selo Pawal ao repa$$ar para outros os fonogramas. Tenho certeza que o pessoal da Paladium não se apropriou indevidamente dessas gravações. A coisa não chegava a esse ponto. Como eu havia dito anteriormente, a Bemol/Paladium fazia umas ‘transações fonográficas’ com uma turma do Rio de Janeiro que havia criado um selo, o Coledisc. Eles negociavam matrizes, relançando com outros nomes e capas. Ainda não havia no Brasil um controle de direitos autorais com os de hoje… quero dizer, no sentido técnico da coisa. Provavelmente o Rubens Bassini não ganhou muito com a gravação desse disco e com certeza não viu um centavo estando na pele de Raul Ferreira. Talvez ainda, nem tenha ficado sabendo dessa história (isso para não falar no álbum relançado lá fora, em cd, pela WhatMusic).
Por outro lado, a Bemol ao adquirir as gravações ou matrizes nem devia saber quem era o artista ou quanto este disco havia vendido. Certamente, embora seja um excelente trabalho musical, não deve ter despertado muito interesse na época. Tanto assim que poucos anos depois ele já tinha se transformado em outra coisa.
Amanhã postarei mais um caso, semelhante a este. Confiram também aqui as duas versões. Este disco é tão bom que vale a pena uma dose dupla 😉

Raul Ferreira E Seus Ritmistas – Céu E Mar (S/D)

Olá amigos cultos e ocultos! Gostei de ver… responderam prontamente à última postagem. Alguns tiveram até a gentileza de enviar a capa e contracapa original, o que mais uma vez eu agradeço. Embora agora já tenhamos o disco completo, não irei mexer em nada, deixarei a postagem como está. Só assim ela faz sentido, não é mesmo?
Para hoje vamos com “Raul Ferreira e Seus Ritmistas”. Este disco é um dos poucos da Paladium que já foi bem divulgado em blogs e sites. Atualmente pode ser encontrado também no Acervos Origens, e para a venda do vinil, em diversos sites e no Mercado Livre. Entre os discos da Paladium este é um dos poucos que nos parece ser um álbum de carreira, ou melhor dizendo, um disco de artista de verdade. Pelo nome, pela capa, temos quase a certeza de que Raul Ferreira existiu. Mas, segundo o criador da Paladium, Dirceu Cheib, trata-se de mais um pseudônimo. Ele não se lembra mais quem interpretou esse papel, mas afirmou ser este mais um nome fictício. Eu desconfio que este disco em especial foi gravado no Rio de Janeiro, com músicos locais. Digo isso porque na conversa que eu tive com o Dirceu ele me contou que fazia um certo ‘intercâmbio fonográfico’ com uma editora musical do Rio, a Coledisc, que seguia na mesma onda da Paladium, fazendo discos para coleções e vendas a domicílio. Pelo estilo e repertório do ‘Raul Ferreira e Seus Ritmistas” eu tenho quase a certeza de que foi assim. Quem ainda não viu e nem ouviu o disco, tem aqui o prazer de conferir. Muito bom!

céu e mar
côco seco
o barquinho
september song
canoinha
cuban mambo
mirage
maria conga
love for sale
mensagem
esto es el ritmo
quem quiser encontrar o amor

P. Trio – Embalo (S/D)

Olás! Diante a tantos discos e a toda oculta história da Paladium, eu acho que ainda iremos render mais uma semana postando seus títulos. Eu ontem estive no Estúdio Bemol recolhendo um depoimento com o Dirceu Cheib e ele me esclareceu muitas coisas sobre o selo. Sem dúvidas, muito do que eu já supunha e escrevi em postagens anteriores foi confirmado. Deixarei para fazer o relato de tudo no final de semana, quando terei mais tempo para escrevinhar a verdadeira história da Paladium e o meu encontro com este senhor, que foi o pioneiro e é um dos mais respeitados profissionais da gravação no Brasil.
Para compor o nosso dia, estou trazendo hoje um disco, o qual eu não tenho a capa. Descobri que se tratava de um exemplar com erro. O selo do lado B não corresponde às músicas das faixas. Consta como sendo do ‘conjunto’ The Black Boys, um grupo ao estilo da Jovem Guarda. Mas ao ouvir percebemos o engano. O selo foi colado no disco errado. O que temos na verdade não é ‘êi êi êi’ e sim um belo disco de bossa e jazz. O lado B é a sequência do disco do ‘grupo” P. Trio, pura Bossa Nova. Como eu não tenho a capa, não achei informações sobre o disco. Quanto ao “P. Trio”, não deve ser mineiro, possivelmente deve ter sido formado por músicos paulistas ou ainda cariocas. Havia um certo ‘intercâmbio fonográfico’ entre a Bemol/Paladium e um grupo de empresários cariocas responsáveis pelo obscuro selo Coledisc, que seguia a mesma onda do selo mineiro. Algumas das faixas do lado trocado, eu não soube imediatamente identificar. Estou deixando essa missão para os amigos cultos e ocultos do blog. Quem adivinhar ganha um doce 🙂 O concurso termina assim que todas as faixas forem nomeadas 😉
A capa original eu não consegui localizar, nem como exemplo. Daí, criei essa frontal que nada mais é que uma derivação da capa do disco dOs Abutres, já postado aqui. Notaram a semelhança? Confiram o disco. muito bom!

meu refrão
love letters
the shadows of your smile
a rita
carinhoso
roda
?
?
?
?
?
prá dizer adeus

Eternamente Te Amarei – Coletânea Paladium

Olá amigos cultos e ocultos! Continuando… segue aqui mais um volume de coleção. Mais um raro entre os mais raros. “Eternamente te amarei” faz parte da série que vinha em ‘box’, ou seja, em uma caixa com outros volumes, como foi também o “Bem Bolado – Gravado Ao Vivo Na Boate Uai”. Esses discos, como vocês poderão perceber, não traziam nenhuma informação sobre seu conteúdo além da relação das músicas. Ficha técnica, nem pensar. Talvez alguma outra informação na caixa ou mais certo ainda no selo. Aqui temos uma coletânea que, por sorte, nos traz pelo menos os nomes dos artistas. Embora eu não me lembre, acredito que os artistas aqui são nomes de verdade. Seriam músicos mineiros, paulistas? Não se sabe… Pelo título do álbum a gente logo pensa que se trata de um disco com músicas suaves, românticas e até orquestradas, mesmo sendo a capa um tanto quanto psicodélica. Na verdade, em se tratando da Paladium, não se pode prever nada. O que temos aqui é uma salada mista que reúne bandas de rock, jovem guarda, pop internacional e um cantor chamado Jomar, que à ouvidos leigos irão dizer que é o Nelson Gonçalves versão pão de queijo. Infelizmente duas das faixas apresentam problemas. Foram atacadas por cupins, juro! Quem pensa que cupim come só madeira se enganou. Bichinho voraz! Isso é o que se pode chamar literalmente de um ‘jantar musical’. Confiram aí antes que ele coma mais… 🙂

the ballad of bonnie clyde – os flintstones
peguei um ita no norte – alipio martins
lady madona – the hot base
eternamente te amarei – the wood face
voltaste – jomar
bandida demais – marcos sann
choo choo train – the hot base
amei alguém – jomar
eu bato em todos -alipio martins
o vagabundo – marcio josé
não brinque assim – marcos sann
isso é viver – the wood face

Conjunto Paladium – Parada De Sucessos (S/D)

Olá amigos cultos e ocultos! Como eu havia informado, continuaremos nesta semana apresentando mais alguns discos da série Paladium. Vamos assim, a cada dia, descobrindo um pouco mais sobre essa incrível aventura fonográfica nascida em Minas Gerais.
Ainda trabalhando com suposições, temos para hoje o Conjunto Paladium, nome dado ao grupo de instrumentistas (anônimos) que realizaram as gravações do volume “Parada de Sucessos”. Pensando um pouco melhor, ao conhecermos o exato sentido das Coleções Paladium e a maneira como tudo era feito, entendemos que realmente pouca importância faria na época os seus discos trazerem uma ficha técnica verdadeira, ou mais completa. Como já foi dito, a Bemol/Paladium não trabalhava exatamente com artistas renomados, não tinha em sua folha de pagamentos artistas contratados e exclusivos. Segundo as minhas investigações, os músicos eram recrutados para fazerem um ‘bico’, um trabalho musical sem grandes pretensões (para eles, claro!). Nos primeiros momentos da Paladium as gravações eram feitas em estúdios de São Paulo e com músicos paulistas. Depois, para reduzir as despesas, Dirceu Cheib e sua equipe, passaram a fazer as gravações em Belo Horizonte mesmo. Ele já estava planejando a criação de seu estúdio, que entrou em funcionamento a partir de 1967. Mas antes que o estúdio se tornasse uma realidade, ele adotou a capelinha de São Francisco de Assis, na Pampulha, criada por Oscar Niemayer, como o local ideal para suas gravações. Muitos desses discos do selo Paladium nasceram na igrejinha e foram concebidos de madrugada. Nessas aventuras pela noite a dentro participaram músicos que hoje são artistas mineiros famosos. Entre eles temos o maestro e arranjador Aecio Flávio de quem eu incluo parte de um texto onde ele descreve esse momento, leiam:
Havia um grupo de empresários mineiros liderados por Dirceu Cheib, que fabricava e distribuia de casa em casa, por todo o estado de M.G., Coleções de Discos LP como, por exemplo: “As melhores músicas romanticas italianas”,”Sucessos musicais do Cinema”, por aí a fora… Tinham um Selo próprio de nome Palladium; Aquilo devia vender mais que chuchú na feira. As gravações eram feitas em Estúdios de São Paulo, com arranjos e músicos de lá.
Com o surgimento de músicos da nossa geração, que “resolviam a parada”, esse pessoal resolveu gravar em Belo Horizonte mesmo, o que inclusive devia baratear a produção.
Um belo dia, fui chamado para participar da gravação de um desses LPs tocando acordeon, meu instrumento na época (anos 50). O mais curioso é que como ainda não existia Estúdio de gravação em Belô, O Dirceu Cheib teve a feliz ideia de experimentar a Acústica da famosa Igrejinha da Pampulha, projetada pelo Oscar Niemeyer, já famosa no Brasil e no exterior, não pela sua Acústica, mas pelo próprio Niemeyer e pelas pinturas de Portinari, que decoravam a Igreja, ao invez das tradicionais Imagens de Santos.
Pois bem, o pessoal da “Palladium” tinha lá um acordo com o padre responsável pela igreja, que a liberava para as gravações, desde que fossem realizadas depois da meia-noite e depois de verificar que as músicas do repertório não eram tão profanas assim. Se fosse nos dias de hoje seria todo mundo excomungado, por causa do repertório, com certeza, haja visto o que faz sucesso por aí! E lá fomos nós (violinos, metais, percussão violões, acordeon, etc) em várias Kombis, saindo do “Ponto dos músicos”, pra desembarcar na frente da Igrejinha da Pampulha, depois de meia-noite, que nem um bando de Saltimbancos (Eu disse “saltimbancos…). E não é que a acústica era boa mesmo? Principalmente para os violinos, violas e cellos. Tinha uma reverberação natural muito boa que, só era m pouco exagerada pra os instrumentos de rítmo (os santos deviam olhar desconfiados praqueles “instrumentos de Carnaval”) mas que com uma dinâmica caprichada de orquestra, não comprometia o resultado. Eu estava que nem “Pinto no lixo”né, gravando pela 1ª vez, com orquestra de cordas, na Igreja da Pampulha, era a glória! O repertório naquela noite era de músicas italianas de sucesso na época, tipo “Yo che no vivo sensa te” e outras do gênero. O Maestro que dirigia a gravação, responsavel pelos arranjos, era o falecido e engraçadíssimo pianista Zé Guimarães, que atuava tambem comigo na Orquestra do Delê, o dono dos bailes em B. Hte!
No final da gravação, percebendo que ainda faltavam algumas músicas pra completar o LP de italianas, eu me enchí de coragem e pedí pro Zé Guimarães:-“Oh Zé,deixa eu fazer um desses arranjos aí pra te ajudar?” (Na maior cara de pau, porque eununca tinha ousado fazer um arranjo pra ser gravado, só mesmo pro meu grupo de bailes, com 2 instrumentos de sopro e a cozinha) “Claro… disse o Zé, …ainda faltam esta e esta aquí, escolhe uma e manda brasa! E assim fiz e gravei , em outra sessão, o meu primeiro arranjo pra orquestra. Fiquei na maior emoção quando ouví o resultado. Algumas passagens soaram melhor do que eu esperava, mas outras, se eu pudesse mexia, melhorava… Mas, do “alto” dos meis 18 anos e em frente aqueles senhores, violinistas da Sinfônica, não tive coragem de parar a gravação e consertar alguma partitura. Mas mesmo assim, me orgulho mais daquele arranjo do que eu fiz anos mais tarde para a Grande Orquestra da Rede Globo, num dos extintos “Festivais Internacionais da Canção”, no Maracananzinho, já então como maestro-arranjador, contratado, onde tive a honra de conviver com os Maestros Radamés Gnatalli (grande figura), Kachimbinho, Leonardo Bruno Ferreira, Geraldo Vespar, Guto Graça Melo, Cipó, Mário Tavares e outros…
Pouco tempo depois das experiências na Igrejinha da Pampulha, Dirceu Cheib (não disse que vendia feito chuchú na feira?) construiu e inaugurou o primeiro estúdio de gravação de B Hte, o estúdio da “Gravadora Bemol”que existe até hoje e onde, convidado, trabalhei muitos anos como arranjador, aprendí muito, fazendo, experimentando; e levei o garôto Antônio Maurício Horta de Melo, pra fazer sua estreia como violonista em Estúdio de gravação… lembra, Toninho Horta ?*

Como podemos ver, a Bemol/Paladium tem muitas histórias para contar. Essa em especial, acho que tem a ver com o disco do dia. Seria o Aecio Flávio um dos músicos participantes desta “Parada de Sucessos”?

dio come ti amo
be my love
capri c’est fini
luar de nápoles
c’es si bon
to love again
creme batido
io ti daro di piu
aline
all the way
se non avessi piu te
la vie en rose

Paco Gonzalez – Harpa Sentimental (S/D)

Eu teria para hoje diferentes discos e bem apropriados para comemorarmos o Dia das Mães. Mas como estamos na semana dedicada aos discos do selo Paladium, achei melhor não quebrar o ritmo e procurar entre os álbuns da série algo condizente com a data.

Escolhi este álbum, o “Harpa Sentimental”, com Paco Gonzalez. Mais uma boa jogada armada pela Paladium para apresentar seus artistas ‘internacionais’. Me recordo que este disco, assim como a maioria dos outros, fazia parte de um estojo. Era uma seleção de gêneros musicais feita para agradar a toda família. Música para gente moça e também para os pais dessa gente moça.
Paco Gonzalez y Su Harpa é o artista da vez. Aqui encontramos diferentes temas interpretados com maestria pelo solista. Em algumas músicas eu fiquei até na dúvida, seria mesmo uma harpa? Mas independente de qualquer coisa, o disco num geral é bem interessante. Confiram…
io che non vivo senza ti
yo vendo unos ojos negros
nunca aos domingos
dime porqué
abraça-me forte
vengo junto a ti
se piangi, si ride
soñando
zorba o grego
anahí
cuando calienta el sol
lomitã turuñeé

Bem Bolado – Gravado Ao Vivo Na Boate Uai (S/D)

Olá amigos cultos e ocultos! Vez por outra nossos arquivos para ‘download’ tem apresentado problemas na hora da descompactação. Isso na verdade acontece no momento do ‘upload’. É como se houvesse uma ruptura nos dados quando os mesmos são enviados. O jeito é reenviar o arquivo compactado para o servidor. Como vocês já sabem, eu não tenho tempo para checar se o arquivo está certo ou não. Por isso, peço que continuem avisando quando isso acontecer. A correção é rápida, mas depende do clima lá do céu ;).
Reservei para hoje um dos discos mais raros da série Paladium. Um álbum do qual eu não me lembro de já tê-lo visto anteriormente, nem em sebos. Dos discos lançados pelo selo, este talvez seja um dos mais importantes, pois registra um show ao vivo, um momento interessante na história da música popular em Minas Gerais. Não se trata, obviamente, de algum artista de renome ou especial, bem porque, sendo um disco da Paladium, não temos nenhuma informação nem sobre os músicos participantes, ou mesmo sobre a gravação (data e local). Mas o que o torna um álbum singular é o fato de ter sido gravado ao vivo, talvez o primeiro em Minas Gerais. Pelas poucas informações, sei apenas que foi gravado numa boate de Belo Horizonte chamada Uai (também não me lembro dela). Nesta época, um dos principais músicos da Bemol era o Célio Balona. Ele gravou vários discos pelo selo Paladium, muitas dessas gravações inclusive nem constavam o seu nome. É de se supor que neste “Bem Bolado” tenha também os dedos dele.
No álbum temos um repertório mesclado por temas nacionais e internacionais, sucesso da época num clima de ‘night club’. São doze músicas, as quais não trazem separação por faixas. Porém, para esta edição, fizemos o favor de desmembrá-las, dando um ‘trato’ também no som do nosso ‘chiadofone’. Outra curiosidade no disco, diz respeito a sexta faixa/música, um ‘standard’ do jazz americano, bem ao estilo do Dick Farney, a qual não foi listada na capa e nem no selo. Segundo me informaram ela só não entrou na lista impressa porque no dia da produção do disco ninguém sabia o nome da música. Incrível, não? 🙂 Eu até que conheço a música, só não sei o seu nome e nem vou procurar saber. Deixo essa para vocês.
Taí, uma postagem merecedora de comentários que vão mais além do que apontar erros ortográficos do escriba aqui. Quem tiver algo a complementar, por favor, não se faça de rogado. Eu ainda não consegui maiores informações sobre a Era Paladium, mas antes que o nosso tempo acabe, espero esclarecer alguns pontos ainda obscuros. Vamos conferindo…

voltei
lapinha
tereza
the boogoo-lo dance
marina
?
dio come ti amo
with a little help from my friends
segura essa samba ogunhê
de como um garoto perdoou
quando m’inamoro

Turma Da Lenha – É Uma Brasa (S/D)

Olá amigos cultos e ocultos! Para que possamos dar sequência em nossa mostra de álbuns da série Paladium, nesta semana, não teremos o artista/disco independente. Agora que eu entrei no embalo, não dá para parar…
O disco de hoje ‘é uma brasa’, mora? Sim, uma seleção de ‘hits’ extraídos exclusivamente da Jovem Guarda. São doze músicas interpretadas pelo conjunto Turma da Lenha. Mais um grupo musical criado para complementar o disco (e vice versa). A respeito disso, soube que muitos dos (hoje famosos) músicos mineiros passaram pela Paladium e possivelmente até tocaram neste e outros discos do selo. Ao ouvir o lp percebemos que a turma mineira, embora batendo de ‘covers’, não deixa nada a desejar aos originais da Jovem Guarda. Confiram o toque…

wooly bully
alguém na multidão
que vida levo eu
é o tempo do amor
menina linda
quero que vá tudo pro inferno
festa de arromba
a pescaria
um grande amor
blue star
parei, olhei…
emoção

Roy Miller E Sua Orquestra – Música Espetacular (S/D)

Olá amigos cultos e ocultos, estão gostando da semana Paladium? Segurem a onda porque ainda tem mais. Só não sei se uma semana irá bastar. Existem muitos discos pelo selo, inclusive compactos. Um outro fato interessante sobre a Paladium é que quando ele nasceu, os primeiros discos (que eu não sei exatamente quais são) foram gravados em São Paulo, com músicos (anônimos) paulistas. Isto porque na terras das alterosas ainda não havia um estúdio profissional de gravação. Suponho inclusive que quem andou dando uma força musical nesses primeiros tempos foi o maestro paulista Edmundo Peruzzi. Foi ele quem deu a idéia à Dirceu Cheib de criar uma gravadora em Minas Gerais.
Nosso próximo título é “Roy Miller e Sua Orquestra”, conhecem o artista? Provavelmente não, ele nunca existiu, foi mais um no jogo dos pseudônimos. Como outros títulos do selo, temos aqui o mesmo formato de repertório misto, internacional e instrumental. Música ambiente, daquelas que tocavam em elevador. Hoje a chamamos de ‘lounge’. Chic, né? Para não ficarmos só nos internacionais eles resolveram incluir o então sucesso recente de Chico Buarque, a emblemática “Carolina”, uma música com cheiro de nostalgia, bem na estética das demais. Como sempre, a capa é a contradição do conteúdo, psicodelia na casa da vovó. Tem também uma outra versão para “You only live twice”. Tá valendo… 🙂

patricia
adieu a la nuit
carolina
free again
pleasant valley sunday
lonely
noturno
venezia no
a chi
can’t take my eyes off you
o cisne
you only live twice

Beagá Band’s – Em Cima Do Sucesso

Taí, mais um álbum da Paladium. Desta vez temos o grupo Beagá Band’s. Pelo nome já deu para perceber que se trata de um conjunto formado por artistas da capital mineira, Belo Horizonte. Infelizmente não temos o nome dos integrantes. Na verdade seria mesmo difícil, visto que a Beagá Band’s pode ter sido ‘montada’ com diversos artistas e sessões de gravações. Pelo que eu pude entender, o selo Paladium não estava buscando criar um ‘cast’, não tinha artistas contratados e nem investia na carreira dos mesmos. Seu foco era mais a produção em cima do que já era conhecido, ou seja, o negócio era vender música e estilos musicais conhecidos. Para isso, criavam grupos e orquestras fictícias, nomes que só existiam para dar uma certa identidade ao disco. Podemos dizer que o selo Paladium foi o maior produtor fonográfico de ‘covers’, ou pelo menos o único exclusivo.
No presente álbum, temos uma seleção musical das mais improváveis. Fica claro ao ouvirmos, que este disco foi gravado entre diferentes dedos, mãos e bocas. Um trabalho inteiramente instrumental num repertório todo ‘demodê’. A única música que faz jus à capa com tema psicodélico é “Satisfaction” dos Stones. As demais caberiam em algo parecido com “Beagá Orquestra’s” ou coisa assim. Disquinho curioso…

verdes campos de minha terra
dedicatória
alguém ao telefone
quando digo que te amo
meu grito
não me deixes
o mundo que conhecemos
a little bit me, a little bit you
cry me one river
satisfaction
you only live twice
ciúme

Os Abutres – Let Kiss (S/D)

Como vocês perceberão, os discos do selo Paladium não trazem data. Em algumas postagens anteriores de discos dessa série, aqui no TM, os álbuns foram datados por suposição. Ainda não consegui descobrir a época certa em que as coleções da Paladium começaram a sair. Sei apenas que foram a partir da segunda metade dos anos 60. Vou ver se consigo mais informações com o Dirceu Cheib. Vou ligar para ele. Esta é uma história que precisa ser contada!
Seguindo, temos para hoje, entre os mais raros, o álbum “Let Kiss” do grupo Os Abutres. Ao que tudo indica, esses Abutres não são os mesmo do álbum (Os Abutres Atacam) postado aqui há quase três anos atrás. Segundo as informações da contracapa (como se valesse alguma coisa), esta foi a primeira gravação do grupo. O conjunto era integrado por cinco jovens (sem nomes) e a seleção musical feita com preocupação para agradar ao público cativo do selo. Ainda, segundo o texto, “o certificado da qualidade do conjunto foi conquistado no ‘Festival da Música Trepidante’ (nunca ouvi falar), através do troféu entregue ao Abutres pela inequívoca vitória alcançada. Participaram do festival 14 conjuntos considerados os melhores…” A seleção musical é bem na linha do famoso grupo dos anos 60, o The Pop’s. Aliás, Os Abutres mineiros fazem bem o gênero. Tem que conferir…

let kiss
el relicario
swing safari
datemi un martelo
tremedeira
blue star
walking
vôo do abutre
bôlha assassina
the intruder
conquistador
django

The Hot Gang – Explosive Young Impact (S/D)

Olá amigos cultos e ocultos. Logo nos primeiros meses de existência do Toque Musical, eu comecei a levantar a lebre sobre o selo mineiro Paladium. Até então obscuro, não havia nada na rede falando sobre os discos lançados por essa etiqueta. O que víamos eram alguns desses discos sendo vendidos através do Mercado Livre e Ebays da vida. Eu já sabia que a Paladium era na verdade um produto da gravadora Bemol, ou antes disso, da MGL (Minas Gravações Limitada). Porém, na época, nem mesmo no site da Bemol havia informações a esse respeito. Foi meio que por acaso que eu encontrei uma entrevista com Dirceu Cheib, criador da lendária gravadora, feita pelo engenheiro de som Peron Rarez. Nessa entrevista, muito esclarecedora por sinal, Dirceu também fala sobre a criação da Paladium. Segundo ele: “Depois da fracassada tentativa de encarar as multinacionais e com grande quantidade de discos em estoque, meu irmão Afrânio Cheib, que também trabalhava comigo no estúdio, sugeriu a ideia de venda domiciliar. Criamos coleções de seis discos, montamos várias equipes de vendas e saímos pelo Brasil afora com as coleções Paladium, vendendo de porta em porta (loja em loja).” Não ficou muito claro se a Paladium foi criada naquele momento ou se já existia e não conseguia emplacar devido às grandes gravadoras. Segundo o maestro e arranjador Aecio Flávio, que no início de carreira também passou pela gravadora, os discos da Paladium vendiam mais que chuchu em feira. O fato é que a Paladium foi uma etiqueta mineira cujos os seus discos, hoje, são disputadíssimos por colecionadores (principalmente os estrangeiros). Uma das curiosidades da Paladium era a criação de títulos dos mais variados, buscando abranger os mais diversos gostos musicais. Assim, temos sambas, orquestras, músicas românticas internacionais, jovem guarda e até bossa nova. Nessa onda, eles criavam também nomes fictícios de artistas e orquestras, pseudo artistas internacionais com nomes realmente curiosos. Ao longo da semana vocês verão um pouco mais dessa fantástica iniciativa fonográfica. Eu pretendo apresentar aqui mais alguns discos dessas coleções. Digo mais, porque antes disso, já havíamos postado alguns outros, que podem também serem conferidos aqui.
Para começar, vamos como “The Hot Gang”. Gostaram do nome? Pois é, um disco jovem, feito para o gosto musical da rapaziada da época. Saber quem são os músicos verdadeiros é uma investigação trabalhosa e talvez impossível. Inicialmente a coisa era toda feita em estúdios e com músicos de São Paulo. Depois, para baratear as despesas, passaram a gravar em Belo Horizonte mesmo, mais precisamente utilizando a Igrejinha da Pampulha, construida por Niemayer. Mas essa história a gente continua nas outras postagens. Melhor agora é ouvirmos o “The Hot Gang” que traz em seu repertório uma verdadeira salada mista. Confiram…

pata-pata
eu daria minha vida
cordão da saideira
mr. lucky
fly me to the moon
é tempo de amar
benzinho
foi assim
se a gente grande soubesse
samba de rei
georgie girl
mar amar