Leci Brandão – Essa Tal Criatura (1980)

Olá amigos cultos e ocultos! Finalmente achei um tempinho para a nossa postagem. O dia hoje tá puxado, mas eu chego lá… 😉 Não sei porque, mas a semana pede samba e eu vou mandando ver, e ouvir principalmente 🙂
Temos aqui uma jóia de disco, de uma outra jóia que é Leci Brandão. Taí uma cantora e compositora da melhor qualidade. Nascida e criada no samba, foi descoberta pelo jornalista Sérgio Cabral. Gravou seu primeiro disco em 1973, um compacto, pelo selo Discos Marcus Pereira. Nunca foi uma artista muito badalada, porém sempre teve o apoio da crítica e emplacou alguns sambas de sucesso. Dos diversos discos que ela gravou (e vem gravando, felizmente), “Essa tal criatura” é um dos seus álbuns mais bonitos e que eu mais gosto, claro! Um disco bem construído, com boas músicas e excelentes arranjos. No ano de lançamento deste disco, Leci foi uma das (merecidas) finalistas no Festival da Globo, concorrendo com a música que dá nome ao disco. Sem dúvida, esse samba é demais e ficou melhor ainda com esse arranjo de Ivan Paulo. Mas o lp não se resume em apenas uma canção de sucesso, afinal estamos falando de Leci Brandão. Temos aqui a apaixonada “Que será”, de Marino Pinto e Mário Rossi. Essa música tem a cara da Angela Maria. Tem também “Cantarerê” de Paulo Diniz. Outro destaque interessante é “Fim de festa”, uma parceria com Rosinha de Valença, aqui interpretada ao lado da cantora Alcione. Como vocês poderão ver e ouvir, essa tal criatura nota 10 não faz por menos, principalmente estando cercada por uma dezena de músico notáveis, gente como Antonio Adolfo, Dino Sete Cordas, Wilson das Neves, Cidinho, Paulo Moura e até Jackson do Pandeiro. Tem que ler a ficha técnica… tem outros mais. Confira o toque 😉

essa tal criatura
que será
cantarerê
lugar garantido
prece a seu joão
dobrando as cobertas
fim de festa
sem vingança
margot
nas águas do rio negro
chantagem
não cala o cantor

Alaide Costa Zezé Gonzaga E Zéluiz – Sidney Miller (1982)

Bom dia, amigos cultos e ocultos. Mais uma vez estamos sendo censurados a pedidos do Tio Sam. Desta vez foi um disco do Eumir Deodato, que pode ser encontrado às pencas na rede para ‘download’. Mas eles resolveram que seria o Toque Musical a bola da vez. Tudo bem, a gente segue a cartilha, voltamos com a postagem, sem indicação para o arquivo (pelo menos da minha parte). Repliquei numa postagem extra a tal notificação, a título de noticiar a todos o ocorrido e também com uma forma de desabafo. Contudo, não posso criticar a postura do Blogger, que agiu de maneira clara e educada. A indicação para baixarem o disco já foi retirada. Só espero que não insistam na exclusão da postagem, essa permanece.
Seguindo em nossas postagens, vamos hoje com um disco homenagem. Dois anos após a morte de Sidney Miller, Hermínio Bello de Carvalho e Antonio Adolfo produziram este disco, aproveitando a deixa do Projeto Almirante da Funart. No álbum temos reunidas algumas das melhores e mais conhecidas composições de Sidney Miller, interpretadas por três grandes cantores: Alaíde Costa, Zéluiz e Zezé Gonzaga. Os arranjos são de Antonio Adolfo que também toca no disco. Somando a esses, temos também o próprio autor em duas faixas, “O circo”, extraída de um de seus discos e a emblemática “A estrada e o violeiro” com Nara Leão. Não há como negar a importância desse artista, o que faltou foi mesmo um álbum duplo, o cara merecia. Mesmo assim, “Sidney Miller” é um disco encantador, tanto pelas composições, quanto pelos seus intérpretes e interpretações. Acompanha o disco um encarte com textos de Hermínio, Tárik de Souza e Nelson Motta.
Memória é isso… que seja curta, mas seja culta e nunca oculta 😉

maria joana / alô fevereiro – zéluiz e zezé gonzaga
nós os foliões – zéluiz
alma minha – zezé gonzaga
casinha do arraial – zéluiz
o circo – sidney miller
menina da agulha – zéluiz e alaíde costa
o bonde – zéluiz
pois é, prá quê? – zezé gonzaga, alaíde costa e zéluiz
a estrada e o violeiro – sidney miller e nara leão

Bamba Brasil (1986)

Olá amiguinhos cultos e ocultos! Putz, não há como esconder, estou feliz demais com a vitória do Brasil. Espero que a Seleção repita placares semelhantes nos próximos jogos. Viu só como eu sou confiante? (não confunda com pretensioso) Já estou falando como se a Holanda não fosse dar trabalho. Mas espero realmente que não dê mesmo. A gente vai chegar lá… 😉 se o Dunga quiser e a Globo deixar.
Em homenagem a todos nós brasileiros e em especial aos nossos jogadores, quero postar hoje um disco de samba. Afinal o Samba e o Futebol tem tudo a ver, são irmãos, filhos e paixão do nosso povo. Assim como no futebol, o samba também está presente em todos os cantos do Brasil. Por certo que o samba tem lá suas origens, mas num país como o nosso, sua essência já se impreguinou e se espalhou de norte a sul, de leste a oeste. Entre tantos ritmos e estilos musicais ele é, sem dúvida, o que mais se destacou e melhor soube nos representar para o resto do mundo. O samba é do morro carioca e das ladeiras baianas, mas também pode ser nortista, sulista, mineiro ou paulista. O batido tem sotaque, mas leva jeito e é verdadeiro. Quem duvida, pode conferir neste álbum lançado pela RGE nos anos 80. Nele encontramos seis diferentes artistas do samba, nomes talvez mais conhecidos em suas regiões. Temos reunidos Serginho BH de Minas Gerais; Maria Helena do Rio Grande do Sul; Bidubi do Rio de Janeiro; Tobias de São Paulo; Dona Lindaura da Bahia e Edu do Banjo do Amazonas. Este lp, embora se pareça mais com uma coletânea, tipo mostruário da gravadora, tem um carácter muito mais nobre que é o de apresentar ao público artistas regionais inéditos, que trazem em comum o gosto pelo samba.
Bidubi é um sambista carioca autor de sambas gravados por Almir Guineto e Zeca Pagodinho. Maria Helena foi porta bandeira e uma das fundadoras da Academia de Samba Praiana, uma das principais escolas de samba de Porto Alegre. Serginho BH é um dos sambistas mineiros de maior destaque, compositor de talento, tem sambas gravados por Agepê, Lecy Brandão, Demônios da Garoa, Dominguinhos do Estácio e muito outros. Tobias, de São Paulo, também conhecido como Comandante ou Tuba foi presidente da escola de samba Camisa Verde e Branco e fundador da Liga Independente das escolas de samba de São Paulo. Edu do Banjo é um músico amazonense, figura sempre presente em todos os eventos musicais da sua região. Não sei nada sobre ele e nem encontrei informações na rede. Faltou também Dona Lindaura, da Bahia. Essa é outra que eu vou deixar para o complemento de vocês. Às vezes, o próprio artista ou familiares se manifestam, nos dando as informações necessárias. Estamos aí… Comentem e complementem 😉

garimpão – bidubi
confissão – maria helena
gente malvada – tobias
magoa – serginho bh
falar de amor – edu do banjo
quizumba – dona lindaura
coisas do coração – serginho bh
força de expressão – bidubi
dor da ilusão – maria helena
verdureiro – tobias
prece – dona lindaura
vou correr chão – edu do banjo

Aniceto do Império – Partido Alto Nota 10 (1984)

Vou aproveitar o fim de semana para atender aos pedidos. Ontem foi a coletânea de compactos da RCA, hoje vamos com o Aniceto do Império e seus convidados. Depois de haver postado aqui o raro lp “O Partido Alto de Aniceto e Campolino“, alguns de nossos frequentadores pediram mais. Daí, vamos como este “Partido Alto Nota 10”, um álbum lançado pela CID em 1984, hoje tão raro quanto o primeiro e como o outro, um discaço! Temos aqui Aniceto muito bem acompanhado pela nata da música negra e do samba. Não precisa nem repetir nomes, tá na capa! Não devemos também esquecer da cozinha que traz José Menezes na viola, violão e cavaquinho, a turma do Conjunto Nosso Samba e o grupo vocal As Gatas.
Taí, um disco nota 10 para um domingo ensolarado (pelo menos para as bandas de cá). Agora é mandar descer a cerveja, os tira gostos e aumentar o volume do som. “Quem fugir dos preceitos vai ficar ‘enquizilado’ e ‘quizila’ de Aniceto não sai com engambelo”.

partido alto
desaforo
é fogo
chega devagar
difícil
ginga de yayá
quando louvar partideiro
enterevista
és partideiro?
quem é teu pai
mulher na presidência
dona maria luiza

Canto Aberto (1973)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje estou postando aqui um disco que há muito foi solicitado no Toque Musical. Eu só não o fiz antes porque algumas faixas estavam muito comprometidas, o som estava péssimo, com muito chiado. Felizmente a coisa foi mais fácil do que eu pensava, afinal, trata-se de uma coletânea e algumas das músicas eu precisei apenas substituir. Essa é uma coletânea da RCA reunindo alguns artistas que passaram pela casa nos anos 60 e início dos 70. Estão aqui reunidos, como se pode ver na capa, Gal Costa em seu primeiro disco, quando ainda se chamava Maria das Graças; Maria Bethania em seu tempo de guerra; Tom Zé, também em seus primeiros momentos; Geraldo Vandré ao vivo e acompanhado pelo Trio Marayá; o cantor e compositor Piti (do qual nada se encontra na rede) e Luis Carlos Sá, da dupla Sá & Guarabyra em seu raríssimo compacto lançado em 1966, com a música que participou do I Festival Internacional da Canção – Rio. Estrategicamente lançado em 1973, “Canto Livre” é uma coletânea de compactos (primeiros discos) de artistas do momento, que estavam se consagrando como os futuros grandes nomes da mpb. Como esses compactos são hoje coisas raras, certamente este álbum não fica por menos. Confiram aí…

eu vim da bahia – gal costa
são benedito – tom zé
despedida – piti
disparada – geraldo vandré e trio marayá
enredo – piti
sol negro – maria bethania e gal costa
eu vivo num tempo de guerra – maria bethania
sim, foi você – gal costa
maria do colégio da bahia – tom zé
inaiá – luis carlos sá
canto aberto – geraldo vandré
irene – tom zé

O Brasil Na Copa Do Mundo (1970)

Vai Brasil!!! Daqui a pouco começa o jogo de Brasil x Portugal. Já estamos todos prontos. Eu porém, estou fazendo já a minha postagem do dia, pois sei que depois, dificilmente terei condições para isso. Como hoje é dia de Copa e também é sexta feira, dia do disco independente, vou postar este lp promocional, oferecido pelo Laboratório Lepetit quando em 1970 o Brasil se sagrou tri campeão mundial de futebol. Como em outros discos do gênero, já postados aqui, ele faz uma retrospectiva de algumas Copas, culminando no tricampeonato no México. É interessante também ouvir este disco, pois o roteiro e locução são diferentes. Uma outra visão documental do Brasil na Copa do Mundo. Espero que este disco nos dê sorte e daqui a pouco a gente possa vibrar com a nossa Seleção. Salve Brasil!!!

Jacques Klein – Piano E Ritmo – A Música De Dorival Caymmi (1953)

Bom dia a todos! Para abrilhantar um pouco mais a nossa semana, eu hoje estou trazendo um outro disquinho raro e dos mais interessantes. Vamos fazer hoje um passeio à música de Dorival Caymmi, interpretada por um dos nossos maiores pianistas de todos os tempos, o cearense Jacques Klein. Há algum tempo atrás eu havia postado um álbum dele ao lado de outro grande pianista, Ezequiel Moreira, onde os dois interpretam Zequinha de Abreu. Desta vez vamos com outro disco, onde o instrumentista deixa um pouco de lado o erudito se dedica ao popular, tocando músicas de Dorival Caymmi, algumas até então inéditas. No disquinho de 10 polegadas temos o pianista acompanhado por contrabaixo e bateria. Contudo, prevalece e se destaca, obviamente, o seu piano, e de uma maneira quase erudita. Mesmo com todos os cuidados e tratamentos na hora da digitalização, não devemos esquecer que este disco já tem mais de 50 anos. Embora relativamente bem conservado, a qualidade do som é um tanto precária, o que tira em muito o sabor de ouvir Jacques Klein. Mesmo assim, vale ouvir este que foi considerado um dos maiores pianistas clássicos do mundo. Por garantia, inclui duas versões digitais dessa obra. Na contracapa do disco temos um texto que esclarece bem quem era este instrumentista. Um dos nossos maiores artistas, conhecido mais fora do que dentro do seu próprio país. “O Brasil desconhece o Brazil.”

dora
tão só
não tem solução
valerá a pena?
marina
nem eu
nesta rua tão deserta
joão valentão

The Playings (1958)

Olá! O dia de hoje está merecendo uma postagem especial. Algo condizente com o espírito deste blog, um disco raro, curioso e que com certeza ainda não foi visto na ‘blogosfera’. Eu o estava guardando para um momento apropriado, mas qual momento é o mais apropriado num blog cuja missão diária é trazer a tona o que tem ficado nas profundezas, esquecidos num velho baú? Este interessantíssimo lp é mais uma das boas colaborações do amigo Sergio Digital. Um disco realmente raro, que vai atrair e aguçar a curiosidade de muitos por aqui.
No final dos anos 50, o ritmo jovem do rock começava a ecoar também por aqui. Figuras como Neil Sedaka, Paul Anka, The Platters e outros, ditavam o estilo que tomava conta do mundo e no Brasil a coisa não podia ser diferente. Embora nosso país tenha música para exportação, também sabemos lidar com as importações, a ponto de muitas vezes recriarmos tão bem o que é produzido lá fora, só para provarmos a nós mesmos o quanto somos bons. Sem modestias…
É por aí que a RGE, em 1958, resolveu lançar, sob a batuta do maestro Simonetti este lp. Trata-se de uma seleção musical recheada de ritmos como o calipso, o mambo, a rumba e o chá chá chá, temperados ao estilo do rock, da música moderna americana daquele tempo. Temos doze temas de sucesso interpretados aqui pelo grupo ‘The Playings’, uma criação especial da gravadora, os quais também podem ser creditados aos Titulares do Ritmo, às cantoras Clélia Simone, Wilma Camargo, Nilza Miranda e às Irmãs Gradilone. São esses os verdadeiros astros deste álbum. Artistas que emprestam não apenas suas vozes, mas também um talento que pode ser conduzido em qualquer idioma. Confiram já antes que jazz 😉

calipso italiano
with all my heart
banana split
you send me
plaything
maybe
love me forever
lollipop
jo-ann
i do, i do
diana
tammy

Elis Regina & Toots Thielemans – Honeysuckle Rose Aquarela Do Brasil (1969)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso encontro é com Elis Regina, em um disco já bem divulgado na blogosfera, mas que sempre merece um novo toque musical. Temos aqui a cantora Elis Regina ao lado do lendário gaitista e guitarrista belga, Toots Thielemans. Este álbum é simplesmente delicioso. Gravado na Suécia em 1969, temos Elis e Toots acompanhados pelo conjunto de Roberto Menescal. O carro chefe é a Aquarela do Brasil de Ary Barroso, mas há no disco outras passagens impagáveis, como a faixa “Five for Elis”, uma composição instrumental que o belga faz à nossa cantora. Toots não apenas toca gaita, como também guitarra, assovia e canta, em outra na mesma linha, “Honeysuckle Rose”. Elis, não precisa nem dizer, como sempre uma grande cantora. O mais interessante deste disco é que ele ainda hoje não soa antigo. O som é super atual, não ficou como sua história, no passado. Quem ainda não conhece, tem a oportunidade de conferir aqui.

wave
aquarela do brasil
visão
corrida de jangada
wilsamba
você
barquinho
o sonho
five for elis
canto de ossanha
honeysuckle rose
volta

Sivuca – Forró e Frevo Vol. 3 (1983)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Antes que comecem a falar mal do Toque Musical, deixa eu elevar o nível das nossas postagens e também reforçar minha simpatia com São João. Para isso, nada melhor que um disco do Sivuca, que tem ação múltipla e imediata, além de ser um santo remédio para todo tipo de ouvido.
Segue então, “Forró e Frevo”, volume 3, mais um disco da série que ele começou em 1980. Neste álbum temos dez músicas, quase todas de autoria de Sivuca e sua companheira Glorinha Gadelha. Trata-se de um álbum totalmente instrumental, mesmo assim ótimo para animar qualquer tipo de festa, inclusive as de São João. A música de Sivuca ultrapassa limites. Ele consegue atender ao gosto do mais popular indo, talvez, ao mais erudito. Querendo ou não, foi através da internet, da troca e compartilhamento de músicas, dos blogs, que artistas como Sivuca se tornaram ainda mais conhecidos (e reconhecidos). Antes da ‘blogosfera’ a gente mal tinha acesso a uns dois ou três discos de artistas como ele. Hoje podemos visualizar toda a sua obra e reconhecer indubitavelmente o seu talento. Para aqueles que não viram, aqui no TM vocês poderão encontrar também o volume 1 de Forró e Frevo. Confiram o toque…

feira de são cristovão
eu gosto desse moço
forró chorado
mogeiro de cima, mogeira de baixo
sábado em jaboatão
caeté
estranho venerão
forró na gafieira
caboré molhado
luzia no frevo

Copa 94 (1994)

Beleza! A Seleção faturou mais uma. Vamos indo bem… Três a zero é bom demais! Para homenagear o dia nada melhor que um disquinho que poderá vir a acompanhar às próximas rodadas, com certeza!
Temos aqui uma outra seleção, essa de músicas feitas exclusivamente para explorar o tema de Copa do Mundo. Num ufanismo naturalmente exacerbado, vamos de samba, axé, marchas, frevos hinos… tudo em nome do amor à camisa verde e amarelo, ao futebol. Salve, salve Brasil!
(Não sei porque, aparentemente não tem nada a ver… mas me lembrei e me deu vontade de ouvir The Cramps, “Bad music for bad people”)

.
arrebenta brasil – seu boneco
brasil, foraça e raça (hino da seleção) – grupo nosso samba
haja coração – elson forrogode
brasil legal – luiz ayrão
raça brasileira – swing da cor
sorriso em verde e amarelo – garotas de outro de recife
coração verde amarelo (tema da tv globo) – aerobanda
vencer ou vencer – moraes moreira
sai fora – grupo pirraça
axé verde amarelo – banda lua
o brasil vai faturar – grupo galera
canarinho cowboy – dalmo medeiros e coro come
pra frente brasil – a taça do mundo é nossa – turma da seleção
i love tetra – turma da seleção

A Copa É Nossa 70 (1970)

Olá amiguinhos cultos e ocultos! A postagem de hoje é para os amantes do futebol, para os saudosistas e também para aqueles que não tiveram a oportunidade de conhecer as equipes que fizeram do time do Brasil tri campeão mundial de futebol. Para quem gosta de futebol, ouvir trechos das transmissões desses jogos é tão prazeroso como ouvir música. Este álbum, que é duplo, foi lançado pela RCA em 1970, logo após o Brasil se sagrar tri campeão. Nele encontramos o registro gravado de trechos das transmissões diretas de três Copas – 1958 na Suécia, 62 no Chile e 70 no México – feitas pela Rádio Bandeirantes de São Paulo. É nessa hora que a gente vê que aquele futebol com arte não existe mais. Cadê os craques???

Manoelito Sena – No Forró De Sicupira

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Chegamos enfim na sexta feira, ô beleza! Neste fim de semana eu quero mais é descansar. Só quero chocolate… bicicleta e Copa do Mundo.

Nossa postagem de hoje é dedicada ao artista independente. Como estamos na época das festas juninas e forrós, vou dar mais um toque musical e independente. Tenho aqui mais um disquinho para abrilhantar as noites de festas. Vamos com Manoel de Almeida Sena, mais conhecido como Manoelito Sena, cantor e compositor popular. Apesar de não encontrar na rede nenhuma informação sobre este artista, sei que ele já gravou vários discos, todos na linha do forró. Eu suponho, pelo pouco que encontrei, que ele seja baiano. Há um outro disco dele no excelente site/blog Forró em Vinil, quem gosta do gênero vai nadar de braçada. “No forró de Sicupira” é um álbum independente, provavelmente lançado nos anos 80. Nele encontraremos algumas músicas bem apropriadas para a festa na roça. A faixa de abertura, “Ai, seu Elói” é talvez a mais popular, já ouvi cantada em vários lugares e tocada até mesmo em uma rádio em Montreal, no Canadá, segundo me informou um amigo residente por aquelas bandas.
Aproveito o momento para avisar que eu já corrigi as postagens dos discos de Aroldo Santos e de Gilberto Canavarro. Agora está tudo certinho, podem conferir! 😉
ai, seu elói
chegou a hora de acender a fogueira
no côco de antonio miguel
boiadeiro menino de minas gerais
tempo do vovô
peneirou, peneirou
no forró de sicupira
o beliscão do velho joão
pega na peneira
pisa no milho
o periquito de mariazinha
primeiro do ano

As Maiorais do Ano (1959)

Para não ficarmos apenas orbitando sobre futebol e festa junina, aqui temos uma boa coletânea do selo Continental, disco este lançado no ano de 1959. Temos nesta seleção musical um leque variado do ‘cast’ da gravadora. Algumas músicas até já foram apresentadas aqui em seus álbuns originais, todavia há outras, raros momentos que irão despertar o interesse. São amostras do que foi produzido pela gravadora naquele ano. Vejam que boa coletânea…

baiano burro nasce morto – gordurinha
ela disse-me assim – jamelão
perfume de gardênia – lauro paiva
eu sei que vou te amar – albertinho fortuna
quero beijar-te as mãos – duo guarujá
fumaça nos teus olhos (smoke gets in your eyes) – tito madi
a felicidade – chiquinho e seu conjunto
luna de miel en puerto rico – titulares do ritmo
estúpido cupido – neide fraga
a filha da lavadeira – risadinha
você – marina barbosa
manhã de carnaval – bil farr

Mario Zan Com Bandinha E Coro – Festas Juninas (1988)

Olá amigos cultos e ocultos! Para não dizerem depois que eu deixei passar em branco as festividades juninas, estou postando aqui um disco ‘joinha’. São João não vai poder reclarmar do blog, disco para a festa tá aí… E se quiserem mais, basta localizar no índice outros títulos já postados aqui em anos anteriores. Tem muita coisa e bem variada.
Segue nesta postagem um disco do Mario Zan, figura que sempre prestigiou as festas populares, um artista que possui um vasto repertório para animar qualquer noite de São João. No álbum ele vem acompanhado de outra figura ilustre, a grande Inezita Barroso, que aqui vem cuidando da marcação da quadrilha. Já está tudo pronto, basta agora ajeitar o arraial, subir as bandeinhas, preparar a fogueira, quentão, milho cozido, pé de moleque e broa de fubá. Chame os amigos, crie os casais vestidos a carater e ponham a música para rodar. Vai ser uma festa e tanto, com certeza! 🙂

a verdadeira quadrilha nº 1
seleção de arrasta pé:
feijão queimado
festa na roça
festa sertaneja
assanhadinha
dona candinha (sanfoneiro folgado)
seleção de músicas juninas:
pula fogueira
chegou a hora da fogueira
isto é lá com santo antonio
sonho de papel
pedro antonio e joão
noite de junho
cai cai balão
capelinha de melão
seleção de arrasta pé:
essa é boa
caipirinha
estou na minha
sou gaúcho

Mexicoração – Copa 86 (1986)

Vamos que vamos, Brasil!!! Hoje tem a estréia da Seleção Brasileira e tá todo mundo ligado na mesma emoção, com diz a música. Eu, obviamente, não poderia deixar de dar um toque de celebração à festa que está apenas começando. Como brasileiro e torcedor, desejo boa sorte para esse time do Dunga. Vamos lá, vamos trazer a Copa de novo para o Brasil.
Para ajudar na comemoração e também para embalar as festas após o jogo, aqui vai este disco recheado com aquelas canções que todo mundo conhece, as trilhas e os temas de diversas Copas do Mundo. Uma seleção musical que é só alegria. Viva o Brasil!!!

mexe coração – turma da seleção
pra frente brasil – coral do caneco
povo feliz – junior
bola pra frente – santa cruz
eu acredito nesse time – gool 86
corrente 78 (o hino da copa) – coral de joab
70 neles – gal costa
a taça do mundo é nossa – coral do caneco
meu canarinho – luiz ayrão
gôôôô-ôôl! brasil! – os incríveis
sou tri campeão – golden boys
mexe coração – instrumental para karaokê

Aracy De Almeida – Sucessos De Aracy De Almeida (1956)


Bom dia, amigos cultos e ocultos! Com nossas atenções voltadas para a Copa do Mundo de Futebol, acabei por não lembrar que estamos também na época das festas juninas e São João não vai me perdoar se eu não fizer pelo menos uma postagem dedicada a ele. Já tem gente pedindo. Vou fazer todo o possível para publicar alguma coisa. Nem sei se tenho mais discos sobre o tema, considerando que nos anos anteriores, tudo que eu tinha disponível já está aqui. Quem ainda não viu e ouviu, dê uma checada nas postagens dos dois últimos anos. Tem muita coisa legal. De qualquer forma, para este ano, ainda darei o toque 😉
Hoje vamos com singular Aracy de Almeida, uma cantora que dispensa maiores apresentações, ainda mais aqui no Toque Musical, onde sempre que posso trago algum disco dela para levantar a moral e os bons costumes. O álbum que apresento reúne alguns de seus grandes sucessos entre os anos de, lançados anteriormente em 78 rpm. São sambas de Ary Barroso, Assis Valente, David Nasser com Newton Teixeira, Custódio Mesquita e outros… Um clássico de 10 polegadas que ninguém pode perder. Confiram aí que eu vou ver o jogo…

tenha pena de mim
camisa amarela
não me diga adeus
fez bobagem
mamãe baiana
desde ontem
até o amargo fim
saia do meu caminho

Casais Proibidos – Trilha Sonora (1981)

Aproveitando a onda romântica e indo mais a fundo, vou extrapolar de vez. Afinal o Toque Musical foi feito também para despertar a curiosidade e como lema, “um lugar para quem escuta música com outros olhos”, né não? Só que nesta postagem vamos inverter a ordem dos fatores, mas sem alterar o produto.

Na sequência, temos aqui a trilha do curioso (e pretensioso) filme de Ubiratan Gonçalves, “Casais Proibidos”. Nunca vi este filme, mas bem que gostaria. Acho ótimas essas pornochanchadas e hoje em dia virou até filme “cult”. Ubiratan começou na televisão, logo no seu início, nos anos 50. Foi ator, trabalhando como comediante na televisão por muitos anos. Depois se voltou para o cinema e produziu pérolas como, “Será que ela aguenta?”; “Eu compro essa virgem”; “Doador sexual”; “Nuas do asfalto” e “As panteras negras do sexo”. Tá ruim ou quer mais?
Em “Casais proibidos” temos uma trilha sonora feita sob medida e executada por um grupo de artistas provavelmente de São Paulo. Nessa hora eu volto ao nosso lema e recomendo, música para se ouvir com outros olhos. Vai nessa lôbo mau!
.
casais proibidos
contrastes
recordações
amante prá você
preciso lembrar de te esquecer
hey campeão
somos apenas humanos
de corpo e alma
quem somos nós
prece da carne

José Briamonte – Momentos Romanticos (1982)

Bom dia. Infelizmente o prometido para ontem acabou não rolando. Teve gente que entendeu a situação, porém houve aquele que brigou com a namorada e na falta do que fazer a noite veio descontar as mágoas aqui no Toque Musical. Ficou na mão ontem, mas hoje, se for mais educado e tiver jogo de cintura pode até conseguir uma outra namorada. Os shoppings e parques estão cheios de pretendentes. Corre atrás e depois leve o broto para casa e tenha um fim de tarde agradável com ela (ou ele, sei lá…), ao som dos “Momentos Românticos” do pianista e regente José Briamonte. Este disco é ótimo naqueles momentos de susurros e gemidos, beijos e abraços, hummm… Um fundo musical de primeira! Hehehe…
Pois é, temos então o maestro José Briamonte em seu único disco solo, apenas piano e teclados. Briamonte, apesar disso, é um artista com muitos anos de estrada e dono de uma ficha profissional invejável. Iniciou sua trajetória nos anos 50, atuando em orquestras famosas. Tocou com os mais diversos e respeitados artistas da música brasileira. Integrou o conjunto de bossa jazz Sansa Trio, com o qual gravou dois discos. Como arranjador trabalhou também com uma infinidade de artistas e em diferentes discos. Compôs temas para novelas da Globo e também fez direção artística de outros tantos espetáculos. A última notícia que tenho dele é que nos últimos tempos estava envolvido em shows de encomenda para grandes empresas.
Taí o primeiro disco do dia. Hoje, eu prometo, teremos mais um para agradar aos bem e aos mal amados. A coisa aqui é ‘feita nas coxas’ e também entre as coxas, quando necessário… 😉

romance
luiza
ronda
daquilo que eu sei
esses moços (pobres moços) – nunca
as rosas não falam
se eu quiser falar com deus
maria maria
grito de alerta – explode coração
tema de cristina
seu morresse amanhã de manhã
feitio de oração
eu sonhei que tu estavas tão linda
lua e estrela – lua de são jorge

Baden Powell – Nosso Baden (1980)

Hoje, cheio de compromissos e sem muito tempo, vou aproveitar para atender aos pedidos. Esta é a quinta vez que alguém me pede para postar ou localizar o “Nosso Baden”. Parece que no Loronix já era e se tem em outras fontes, não foi localizada. Como estou no corre corre, vamos unir o útil ao agradável, vamos então de Baden Powell. Não vou nem entrar nos detalhes, visto que o Zeca já deu o recado. Se hoje a noite ainda me sobrar um tempinho, farei mais uma postagem, para não ficarmos batendo na mesma tecla, ok? Manda vê aí….

mesa redonda
jongo
até eu
cai dentro
odeon
queixa
abismo de rosas
ingênuo
canção das flores