Música Na Corte Brasileira Vol. 2 – Na Corte De D. João VI (1965)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Custei, mas cheguei! Hoje vamos com o segundo volume desta série rara, que, com toda certeza, desde o seu lançamento nunca mais foi ouvida. Vejam vocês, o que seria de discos como esses, de compositores, músicos e outros artistas do passado, se não houvessem aqueles, como eu, que resolveram fazer o que quem deveria não fez, ou não quer fazer? Quando, alguns dos amigos aqui, teriam a oportunidade de ouvir um disco como este? Sinceramente, não fosse essa ‘anarquia organizada’, muito do que já  passou continuaria enterrado e esquecido. Putz, aqui estou eu batendo nas mesmas teclas, repetindo oque vocês já estão cansados de saber. Melhor é nós nos preocuparmos com o que temos aqui.
Neste segundo volume da “Música na Corte Brasileira”, encontraremos peças do Padre José Maurício, Marcos Portugal, Antonio José do Rêgo e Antonio Leite da Silva, nomes dos mais expressivos no cenário músical do Brasil Coroa. Como no volume anterior, temos a Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio MEC, sob a regência do Maestro Alceo Bocchino.

zemira (abertura) – josé maurício
te deum – josé maurício
abertura nº 16 – marcos portugal
ora adeus senhora ulina – antonio josé do rêgo e caldas barbosa
beijo a mão que me condena – josé maurício
hino para a aclamação de d. joão VI – marcos portugal
  

A Volta De Beto Rockfeller – Trilha Original Da Novela (1973)

Oooopa! Ainda cheguei a tempo para o nosso disquinho do dia. Mais uma trilha de novela com algumas faixas bem interessantes. Temos aqui a trilha mista da novela da antiga TV Tupi, “A volta de Beto Rockfeller” (a saga continua..) Nesta época, ainda não havia essa preocupação, pelo menos por parte de algumas novelas, em apresentar uma trilha original. Em muitos casos os temas explorados eram sucessos do momento, ou viravam, com certeza.
Nesta trilha encontramos um prato misto, com músicas nacionais e internacionais. Uma trilha, realmente muito boa, que ainda hoje chama atenção. Dos temas nacionais tem duas músicas que eu particularmente adoro, “Caroço de manga” do (e com o) Raul Seixas e o sambão “Depois que o tá ruim chegou nunca mais melhorou”, com o MPB-4. Acho que só por essas duas já vale o disco e a postagem. Mas tem também o Jorge Ben, o Bee Gees e o James Brown. Pode chegar, que hoje a festa é liberada 😉

jazz potatoes – jorge ben
my life has been a song – bee gees
this guy – this gilr’s in love – james brown e lyn collins
moonlight serenade – syd lawrence e oquestra
caroço de manga – raul seixas
how love hurts – the sylvers
monkberry moon delight – exuma
depois que o tá ruim chegou nunca mais melhorou – mpb-4
while we’re still young – paul anka
that’s my girl – the osmonds
method to my madness – bee gees
from toys to toys – the emotions

Cyro Monteiro E Dilermando Pinheiro – Telecoteco, Opus Nº 1 (1966)

Boa tarde, prezados amigos cultos e ocultos! O disco de hoje nasceu de um contra ataque. Estava eu tranquilamente curtido a paz matinal do domingo, quando as ‘trombetas de jericocó” começaram a soar, seguindo pelo dia adentro. Haja domingo! Explico. É que está acontecendo aqui perto uma festa, promovida pela igreja católica local. Fico impressionado de ver como os católicos estão ficando iguais aos protestantes em matéria de barulho. Fervorosos de dar no saco. Será que eles acham que Deus é surdo?
Pois é, de contra ataque, não deu outra, puxei logo meu arsenal e mandei de samba no volume máximo. Foi Cartola, Nelson Cavaquinho, Candeia e até o “Batucada Fantástica” do Luciano Perrone. Entre esses e outros, rolou também “Telecoteco Opus Nº 1”, disco bacana do Cyro Monteiro com o Dilermando Pinheiro. Acho que nem preciso entrar muito em detalhes (que naturalmente já vem no pacote), pois este disco já foi bem divulgado em outras praças.
“Este disco é uma síntese do show Teleco-teco Opus nº 1, com Cyro  Monteiro e Dilermando Pinheiro, apresentado pelo Grupo Opinião em seu teatro no Shopping Center de Copacabana. O disco reúne os melhores momentos do espetáculo, cheio de humor e ternura, durante o qual a antiga ‘dupla onze’ interpreta seus antigos sucessos e lança outros.
Telecoteco, opus nº 1, insere-se  na mesma linha de ‘Opinião’, que o Grupo Opinião lançou nos palcos do Brasil com êxito integral e que também foik editado em disco: valorizaçãoo da música popular brasileira em suas  expressões mais significativas, vendo-a como um todo que evolui, absorve influências e as incorpora. Isto, sem  trair o fundamental: o espírito do povo que se exprime através de seus artistas e cantores.”
Por se tratar de um show, no disco não há separação por faixas. Ou melhor dizendo, não há faixas separadas para cada música. A gente escuta é numa sentada só. O que, aliás, a gente nem percebe, de tão envolvidos que ficamos ao ouvirmos esses dois grandes mestres bambas do samba.

minha palhoça
alô, joão
para me livrar do mal
a mulher que eu gosto
volta pra casa, emilia
deus me perdoe
levava jurado
lulu de madame
se acaso você chegasse
escurinho
a lalá e a lelé
madalena
amei tanto
eu queria
ai, que saudades da amélia
emília
dora
marina
maria rosa
florisbela
conceição
clelia
aurora
eva querida
isabel
julieta
odete
isaura 
rosa morena
menina fricote
nos braços de isabel
formosa
até amanhã

Elas Cantam Ao Vivo – Coletânea Toque Musical (2011)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Aqui estamos nós para mais um encontro com as coletâneas. Hoje eu tive mais tempo e pude preparar uma seleção musical bem interessante. A coletânea de hoje é dedicada às apresentações ao vivo, feitas por algumas de nossas grandes cantoras. A minha seleção de músicas não obedecesse a nenhuma regra além de serem gravações feitas ao vivo, extraídas de discos e outros registros não oficiais. Encontraremos aqui cantoras de épocas distintas, tanto das antigas, quanto das mais recentes. Por certo, as doze cantoras escolhidas não são as únicas ou preferidas por mim. Se pudesse, faria um selecionado maior, porém, para o começo está de bom tamanho. Vamos conferir?

gosto do que é bom – shirley e o tuca trio
samba da benção – bebel gilberto
se todos fossem iguais a você – maysa
o dinheiro que eu lhe dei – elis regina
falsa baiana – gal costa
risque – marita luisi
meditação – castigo – a banca do distinto – isaura garcia
vingança – isaura garcia
feitio de oração – helena de lima
vem ver – shirley e o tuca trio
saudade de itapoã – marita luisi
é luxo só – elizeth cardoso
hotel maravilhoso – marina machado
moça flor – leny andrade
a bela da chuva – marina machado
álibi – maria bethania
influência do jazz – leny andrade
bananeira – bebel gilberto
deixa que anoiteça – helena de lima
cai dentro – elis regina
demais – meu mundo caiu – eu preciso aprender a ser só – maysa
coração vagabundo – gal costa
mulata assanhada – elizeth cardoso
molambo – maria bethania

Blecaute – Ao Vivo Na Radio Bandeirantes (2011)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje é sexta feira, dia do disco/artista independente. Decidi, independente de qualquer coisa, fazer diferente, trazer uma produção da casa. Na verdade, apenas na embalagem. Mas, de qualquer forma, assegurando uma identidade para um registro musical dos mais interessantes. Temos aqui um programa de rádio. A gravação de um programa da Rádio Bandeirantes, onde o cantor Blecaute é o convidado especial. Aqui ele canta e nos conta fatos interessantes de sua carreira. Um registro histórico que merecia ter virado disco, ou nos dias de hoje, uma postagem como a do Toque Musical.
Esta gravação eu não me lembro mais quem foi que me enviou. Ficou guardada aqui, como tantos outros áudios, no fundo da minha gaveta 🙂 Hoje, agora a pouco, eu estava animado e folgado, daí montei o disquinho exclusivo para o deleite de vocês.
PS. Me faltou infomações sobre essa gravação. Não sei nem a data. Alguém aí assistiu ao programa?

general da banda
tristeza do jeca
gosto que me enrosco
arrasta a sandália
oh, seu oscar
leva meu samba
acertei no milhar
pedreiro waldemar
chegou a bonitona
tô aí nessa boca (samba bom)
falando de joão da baiana e heitor dos prazeres
mulher de malandro
falando sobre chico alves
eu agora sou casado
carioca bonita
relembrando nomes
o meu guarda chuva
oito mulheres
joãozinho boa pinta
dia dos namorados
natal das crianças
blecaute relembrando
maria candelária
maria escandalosa
papai adão
dona cegonha
rei zulú
quero morrer no rio
romeu e julieta

Adelino Moreira – Encontro com Adelino (1967)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Só para que ninguém fique na dúvida, as reposições de antigas postagens estão sendo feitas aos poucos. Algumas, que parecem demorar mais, são de títulos que pretendo recompor os arquivos totalmente. Por isso peço paciência. Tudo, aos poucos, vai sendo resolvido 😉
Hoje não é sábado, dia de coletâneas, mas mesmo assim vamos ter uma (e oficial). Trago aqui para vocês outro ‘álbum de gaveta’. Estou sendo obrigado a lançar mão do que já estava na reserva e preparado para ganhar tempo, pois ainda nesta semana continuo muito atarefado.
Vamos com esta coletânea da RCA, dedicada à música do compositor Adelino Moreira. Temos aqui cinco dos seus mais frequentes intérpretes, obviamente todos da mesma gravadora, em 14 faixas. São músicas que provavelmente, quase todas, devem constar em outros álbuns já postados aqui no Toque Musical. Mesmo assim, eu acredito, irá agradar à turma da velha guarda.
Apesar de toda a minha pressa, hoje, eu bem que gostaria de postar mais um disco. Se sobrar um tempinho a noite, eu volto, nem que seja com apenas um compacto. 🙂 Vamos ver…

noite da saudade – nelson gonçalves
meu ex amor – angela maria
ciclone – carlos nobre
solidão – núbia lafayette
duelo – cauby peixoto
eu te amo – angela maria
negue – nelson gonçalves
borrasca – nelson gonçalves
devolvi – núbia lafayette
regresso – carlos nobre
não me perguntes – angela maria
fim de estrada – carlos galhardo
seria tão diferente – núbia lafayette
vitrine – nelson gonçalves

Carlos Lyra – 25 Anos De Bossa Nova (1987)

Olás! Hoje iremos de Bossa Nova. Trago aqui para vocês mais um ‘álbum de gaveta’. Este foi para a reserva, esperando chegar uma nova oportunidade. Como, pelo visto, ninguém mais o postou, aqui vou eu fazendo o serviço. Bem porque, este foi o primeiro que me veio à mão, nessa pressa de quem não tem muito tempo.
Segue aqui este álbum acústico e ao vivo, gravado pelo Carlos Lyra em um show no Jazzmania, em 1987. Antecedendo às comemorações de 25 anos de Bossa Nova, o moço foi esperto, foi logo lançando show e disco dois anos antes.
Pessoalmente, adoro o trabalho do Carlos Lyra, porém este disco me soa fraco, apesar de haver nele quase todos os seus clássicos. O intimismo do show, que com certeza foi melhor que o disco, parece ter mais emoção no momento. Além do quê, celebrar 25 anos de Bossa Nova merecia mais que uma voz e um simples banquinho e o violão. Que me perdoem os outros artistas, mas banquinho e violão eu só aceito o João Gilberto, este sim, não precisa de acompanhamento. Contudo, todavia ou mesmo assim, não posso negar o talento do Carlinhos que é, sem dúvida, um dos grandes pilares da Bossa Nova.
O roteiro do show, que acaba sendo também o do disco, se divide numa tentativa cronológica, onde o artista repassa, as vezes quase num ‘pot pourri’, suas composições e parcerias famosas.
Apesar das minhas críticas, não deixa de ser um disco interessante. É Bossa Nova…

minha namorada
quando chegares
maria ninguém
lobo bobo
saudade fez um samba
canção que morre no ar
se é tarde me perdoa
feio não é bonito
você e eu 
coisa mais linda
samba do carioca
sabe você
pau de arara (comedor de gilete)
maria moita
primavera
influência do jazz
o négocio é amar
marcha da quarta feira de cinzas

PS.: VAI LÁ EM CASA OUVIR ESTE DISCO, EU FAÇO UMA CÓPIA PARA VOCÊ 😉

Música Na Corte Brasileira Vol. 1 – Rio De Janeiro – O Vice-Reinado (1965)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Finalmente vamos à postagem do dia. E hoje é dia de música erudita. Tenho alguns ‘discos de gaveta’, mas mesmo sem muito tempo, optei por algo que fosse especial. Me lembrei desta coleção raríssima que havia digitalizado há algum tempo atrás. Eis aqui um trabalho excepcional lançado pela Odeon, através de seu selo Angel. Trata-se da coleção “Música na Corte Brasileira”, um apanhado riquíssimo de obras que mesmo na época em que foram gravadas já eram raras. São cinco volumes ao todo. Penso em ir postando os próximos na sequência, todas as terças, dentro da programação semanal.
Neste primeiro volume encontramos peças musicais buscadas em arquivos da Europa e do Brasil. São obras de Joaquim Manuel, Marcos Portugal e José Maurício, nomes que só mesmo quem entende de música clássica e erudita sabe dar valor. Há também outras peças profanas e anônimas. A música que se ouvia no Rio de Janeiro do Vice-Reinado.
Olga Maria Schroeter, soprano e o Collegium Musicum da Rádio MEC, sob a direção do Maestro George Kiszely, executam o primeiro lado do disco. No segundo temos Associação de Canto Coral ao lado da Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio MEC, sob a regência do Maestro Alceo Bocchino.
Música erudita não é bem a minha praia, mas mesmo assim eu sei sentar na areia e apreciar o mar. Convido vocês para fazerem o mesmo 😉

uma mulata bonita – anônimo da bahia
no regaço da ventura – anônimo do século 18
se me desses um suspiro – joaquim manuel
se queres saber a causa – joaquim manuel
foi o momento de ver-te – joaquim manuel
triste salgueiro – joaquim manuel
desde o dia em que nasci – joaquim manuel
você trata o amor em brinco – marcos portugal 
canidê-loune – música carioca do século 16
crux fidelis – josé maurício
judas mercator pessimus – josé maurício
sinfonia fúnebre – josé maurício

As Divinas E Maravilhosas – Trilha Sonora Original Da Novela (1973)

Boa noite! Aqui vou eu aproveitando a brecha para trazer aos amigos cultos e ocultos mais uma trilha sonora original. Temos para hoje os temas da novela “As Divinas …E Maravilhosas”, que foi ao ar no início dos anos 70. Uma produção da extinta Rede Tupi de Televisão. Nesta época era comum o uso de músicas estrangeiras mescladas a outros temas nacionais. No caso aqui temos até clássicos como “Smoke gets in your eyes”, original com The Platters. Outra internacional que me chamou a atenção foi “Hey girl”, com o Paul Anka. Jamais imaginaria que fosse ele cantando. “Love’s theme”, do Barry White também é ótima, mas estamos aqui para falar e principalmente ouvir os nacionais. Temos nesta trilha alguns momentos raros e exclusivos. Coisas como “Tema de Cathy”, um belíssimo instrumental de César Camargo Mariano. Jorge Ben na primeira versão para “My lady”, que pelo que parece só veio a ser relançada na coletânea “Salve Jorge”. Outra também rara é “Donzela”, de Naire e Paulinho Tapajós, na interpretação magristral de Nara Leão. Essa foi mais uma que eu esqueci de incluir na coletânea “Nara Rara“. Tem também “Divina cinquentona”, uma música do Juca Chaves que eu não me lembro de já tê-la ouvido em algum de seus discos. E não faltou o Tim Maia 🙂 Taí, uma trilha de novela que não se vê facilmente pelas fontes da blogosfera musical. Pronto, olha a torneirinha aberta aqui… hehehe…

love’s theme – john barry-moore
my lady – jorge ben
never for me – millionaires
donzela – nara leão
smoke gets in your eyes – the platters
tema de cathy – cesar camargo mariano
hey girl – paul anka
divina cinquentona – juca chaves
daydream – david cassidy
let me in – the osmonds
sweet cathy – mr. charlie
música no ar – tim maia

Eu, Bahia – Edinho Marundelê E Onias Comenda (1972)

Bom dia, amigos cultos e ocultos. Como tenho andado numa correria danada, acabo muitas vezes dando a parecer que não estou atento aos comentários, e-mails e outras mensagens. Mas podem ter certeza, estou de olhos e ouvidos abertos. Como já disse, na medida do possível, vamos resolvendo tudo. É só uma questão de paciência.
Segue neste domingo um disco que agrada muito ao pessoal da Caopeira e também da Umbanda. Aliás, agrada a todo aquele que, na música, valoriza o ritmo e percussão. Eis aqui um lp raro, gravado no início dos anos 70, prestigiando dois dos principais instrumentos musicais que mais caracterizam a Bahia. Não é atoa que o nome do disco é “Eu, Bahia”. Um título que expressa bem a proposta musical de Onias Comenda e Edinho Marundelê, dois importantes nomes da Umbanda e da Capoeira.
“Eu, Bahia” é um álbum para dois. De um lado temos Edinho Marundelê, que canta e toca no atabaque vários pontos de Umbanda. Do outro lado temos Onias Comenda, mostrando no berimbau diversos toques de capoeira. É interessante observar deste lado do disco a presença da viola, que numa das faixas é tocada ao lado do berimbau, numa autêntica peleja, no “Desafio da viola com o berimbau”.
Não deixem de conferir, pois vale mesmo a pena ouvir oquê que a Bahia tinha…

Edinho Marundelê:
sêquecê (oração aos orixás, ritual angola)
ouiumba ouiumba é de mê (pergunta, ritual angola)
ereum malê (saudação à oxum, ritual gegy)
yêyê ô (saudação à oxum, ritual gegy)
yada baô – saudação à oxum, ritual gegy)
minha oraê (saída de caboclo)
têtêtê da cabocla kissanga (ritual caboclo)
oridê deô (saudação à oxum, ritual kêtu)
cambinda queuaraquara (pedido de licença para entrar no terreiro de angola, ritual angola)
dilanumatambangola (despedida de nanã, ritual angola)
Onias Comenda:
toques tradicionais (angola, são bento grande, santa maria e idalina)
cantigos da capoeira
trio de berimbaus (gunga, viola e viola centro)
desafio da viola com o berimbau
berimbau (improvisação)
ê tava lá em casa

Elas Cantam Samba Vol. 2 – Seleção Toque Musical (2011)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Neste mês de agosto eu tenho andado meio apertado, cheio de tarefas, como você já sabem. Mas, na medida do possível, venho tentando manter as postagens e também atender ao pedidos para reativação de alguns toques. Segura aí que chega a sua vez 😉
Hoje, dia de coletânea, estou trazendo para vocês uma seleção que denominei “Elas Cantam Samba, Vol. 2”. Uma sequência bem selecionada de cantoras interpretando sambas. Desta vez, procurei focar nas novas intérpretes, cantoras atuais e que eu gosto muito. Também inclui dois sambas com a saudosa Miriam Batucada, um nome das antigas, mas que cai bem neste grupo. É claro que muitas outras cantoras atuais, injustamente, ficaram de fora, mas haverá oporutnidades para volumes 3, 4, 5… é só esperar 😉
Confiram e comentem se está ao gosto 😉
*Para quem não viu e nem ouviu, o Volume 1 também é ótimo!

cabrochinha – mônica salmaso
alagoas – ana caram
me deixa que eu quero sambar – aline calixto
apanhei um refriado – miriam batucada
canto em qualquer canto – ná ozzetti
meu – ana paula lopes
sempre amor – julia ribas
ponto de vista – amélia rabello
labareda – mônica salmaso
jogo fora – júlia ribas
amor errado – fernanda porto
sócrates brasileiro – ná ozzetti
vai trabalhar vagabundo – bárbara casini
samba e amor – bebel gilberto
samba do avião – camila benson
aquarela do brasil – bábara casini
o morro não tem vez – ana paula lopes
reza forte – aline calixto
declaração de amor à mangueira – amélia rabello
august day song – bebel gilberto
retrato em branco e preto – camila benson
samba torto – ana caram 
 sambassim – fernanda porto
vou mandar em você – júlia ribas 
eu quero é botar meu blog na rua – miriam batucada

Bob Tostes, Marcelo Gaz & Convidados – Show De Lnaçamento Do CD “Horizonte” (2011)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Ontem eu cheguei tarde, já no fim do dia (ou noite?), mas ainda assim marquei o ponto, fiz lá a postagem. Só me esqueci de publicá-la, hehehe… Agora cedo foi que eu percebi isso, quando me preparava para a de hoje. Como o tempo é curto, vou novamente investir nos ‘discos de gaveta’. A bem da verdade, o que tenho aqui não é exatamente um disco, mas vai encaixar bem nesta sexta feira independente e como sempre, tem tudo a ver com as postagens do Toque Musical.
Em maio deste ano aconteceu em Belo Horizonte o lançamento do novo trabalho de Bob Tostes em parceria com o cantor e compositor Marcelo Gaz, “Horizonte”, um cd nota 10! Quem ainda não o ouviu, eu aconselho. É um disco dos melhores. Atrevo até a dizer que, neste ano, este foi um dos lançamentos musicais mais bonito que eu ouvi. Para abrilhantar ainda mais a qualidade e a sensibilidade desses dois, o disco traz uma constelação de músicos e artistas de primeiríssima linha. Figuras como Affonsinho, Roberto Menescal, Fernanda Takai, Jane Duboc, Carlos Malta, Juarez Moreira, Renato Motha, BossaCucaNova, além da irmã, a cantora Suzana Tostes. Quem estiver interessado em adquirir o disco (cd), basta entrar no blog Horizonte, criado especialmente para este lançamento. Tenho certeza de que vocês não irão se arrepender 😉
Como aqui no Toque Musical ouvir é mais importante que falar, eu não poderia deixar nesta postagem a música de fora. Daí eu estou trazendo para vocês, não o disco, mas sim alguns trechos do show de lançamento, que ocorreu no Museu de Arte da Pampulha. Aqui encontramos quatro momentos interessantes do show, com participações de Jane Duboc e o saxofonista (fera) Carlos Malta, o nosso querido Célio Balona e Mister Roberto Menescal. Por certo, algumas das músicas interpretadas aqui não fazem parte do disco lançado, mas deram ainda mais força ao show. Eu tive a sorte de poder assistir e também de fotografar e gravar parte do espetáculo. A qualidade da minha gravação não é lá essas coisas, foi feita a partir da minha própria câmera fotográfica, um sonzinho médio, que não chega nem a ser estéreo. Mas de qualquer forma, vale essa produção ‘made in TM’, feita com o consentimento dos artistas e autores. Vale uma conferida…
Ah, já ia me esquecendo… no show participaram, além de alguns dos artistas convidados, os músicos da banda de apoio (todos feras!): Christiano Caldas no piano, Frederico Heliodoro no contrabaixo e Felipe Continentino.

bob tostes e jane duboc
célio balona e jane duboc
jane duboc e roberto menescal
jane duboc, marcelo gaz e bob tostes

Maranhão E Renato Teixeira (1969)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Mais um dia puxado tive eu. Só agora, nos últimos minutos desta quinta feira é que estou tendo como trazer para vocês a postagem do dia. Mais uma vez lanço mão dos meus já famosos “discos de gaveta”. Aliás, não só os discos, mas também a expressão que eu criei, já está sendo até adotada por outras pessoas. Porém, necessariamente, ‘os discos de gaveta’ não são exatamente discos do fundo do baú. São sim aqueles que ficam sempre na reserva ou prontidão para momentos como este em que eu não tenho tempo para ‘pegar o boi pelo chifre’. Algo parecido com as ‘manchetes de gaveta’ dos jornais e outras mídias semelhantes, aquelas que entram quando faltam notícias do dia.
Este álbum é mais um daqueles já bem expostos na blogosfera musical. Percebo que diversos blogs já o postaram, mas todos eles foram originados da versão em cd, que por sinal traz até mais oito músicas de bônus. O que eu tenho aqui é o disco original, em sua versão com apenas as doze músicas. Este lp do selo Jogral, como todos já devem saber, foi também um embrião do que viria a ser o selo Marcus Pereira. Não vou entrar em detalhes, porque além do mais eu já estou morrendo de sono. Mas este raro álbum nos apresenta os primeiros passos (fonográficos) de Renato Teixeira e também do Chico Maranhão. Do lado A temos Chico Maranhão em um registro informal, quase caseiro, acompanhado por Benedito Costa no cavaquinho e Manoel Gomes na flauta, onde ele interpreta composições suas e parcerias, com a cantora Mércia (em “Cabocla”) e Renato Teixeira (em “Mulata bem suada, abençoada”). Este, por sua vez, do lado B, canta e toca as suas primeiras e belas composições, também acompanhado pelo flautista Manoel Gomes e  participação da cantora Cristina em “Meu amor, meu namorado”. A qualidade da gravação, originalmente, não é muito boa, mas ao ouvir cada uma das músicas, pela sua beleza, a gente acaba nem dando tanta importância a isso. Confiram aí quem quiser, porque eu já vou é dormir. Zzzzz….

cabocla – chico maranhão (com mércia)
verdureiro – chico maranhão
cirano – chico maranhão
a capital – chico maranhão
morena – chico maranhão
mulata bem suada, abençoada – chico maranhão (com renato teixeira)
álbum de família – renato teixeira
igreja da matriz – renato teixeira
feriado nacional – renato teixeira
era azul – renato teixeira
maria dirce – renato teixeira
meu amor, meu namorado – renato teixeira (com cristina)

Sexteto Prestige – Música E Festa Nº 3 (1960)

Correndo, correndo… aqui vai a postagem do dia. Temos para hoje mais um disco da série “Música e Festa”, do Sexteto Prestige. Já postei aqui o número 1 e 2. Quem sabe, mais para frente os outros também podem ir chegando 🙂 Vão chegando que eu vou saíndo e já bem atrasado. Até mais!

tu solamente tu
sete notas de amor
sonho sonhado
minha prece
não digo o nome
balada triste
se você não tem amor
menino de braçanã
sereno
manhattan
sonny boy
you were meant for me
my blue heaven
chega de saudade
dia de festa
vou devagar
saudade que mata
eu não quero você

Alberto Nepomuceno – Quarteto De Cordas Da Rádio MEC – Ducumentos Da Música Brasileira Vol. 7 (1979)

Olá! Hoje, terça feira, é dia de música erudita. Felizmente, ontem, eu tive um tempinho e consegui preparar algumas coisas para hoje e para a semana.
Seguindo ao que foi proposto, estou trazendo para a postagem do dia este exemplar da série “Documentos da Música Brasileira – Música de Câmara do Brasil”, mais especificamente o Volume 7, dedicado à obra do compositor Alberto Nepomuceno (1864-1920). Como se pode ver pela capa, temos aqui suas obras, “Quarteto nº 1, em si menor” e Quarteto nº 3, em ré menor”, executado pelo Quarteto de Cordas da Rádio MEC.
Embora esta série tenha sido lançada nos anos 70, as gravações foram feitas originalmente entre os anos de 1958 e 1972. São, de uma certa forma, registros raros, assim como os próprios discos desta coleção. Provavelmente, discos como este só poderão ser encontrados em discotecas especializadas de Escolas, Universidades e verdadeiros amantes da música erudita.
Pessoalmente, a música clássica ou erudita não é o meu forte. Confesso que tenho pouco, ou quase nenhum conhecimento sobre ela. Acredito que isso se deva ao fato do tamanho da riqueza musical popular brasileira, que por si só já me sacia. Mas, inegavelmente, não há como não se apaixonar por uma música criativa, original e de qualidade, seja ela erudita ou popular. Como sempre digo e já virou refrão no Toque Musical, ‘música para se ouvir com outros olhos’.
Para a minha facilidade e funcionalidade, no álbum temos todas as informações complementares incluidas, no encarte e contracapa. Assim sendo, os amigos cultos e ocultos podem ficar tranquilos ao baixarem. E eu posso chegar mais cedo no trabalho, hehehe…

Quarteto Nº 1, em si menor:
alegro agitado
andante
scherzo
allegro spirituoso
Quarteto Nº 3, em ré menor (Brasileiro):
allegro moderato
andante
intermezzo
allegretto

Noites Do Sertão (Tavinho Moura) – Trilha Sonora Original (1984)

Bom dia a todos! Esta vai ser uma semana meio complicada para mim. Para variar, tô atarefado nos três turnos, envolvido em outras paixões… Não sei nem se vou dar conta das minhas obrigações. Por isso, serei ainda mais breve em nossos encontros diários.
Na pressa, estou hoje postando um ‘disco de gaveta’, aqueles que ficam na reserva para situações como esta. Não o postei antes porque pelo que andei vendo já era um disco bem comentado em outros blogs. Por essa mesma razão, não vou nem entrar em detalhes sobre ele, além do óbvio… Trata-se da trilha sonora original do premiado filme de Carlos Alberto Prates Correia, “Noites do Sertão”, de 1984. A música do filme ficou a cargo de Tavinho Moura, que com seu talento, produziu um belíssimo trabalho, também premiado (melhor trilha sonora) e em diversos festivais…
Vejo que minha hora já está passando. Paro por aqui… Hoje estou cheio de reticências…

glória
buriti
claro do poções
rozeozins de nuvens
saudades do peixe amnso
a boca
boi
maravilha vilhamaral
noites do sertão
horas almas
noturnos
fox trote
espampã fogueira
beira mar
aboios
jipe
sonho
fazendeiro rico
gente de fora vem
amormeuzinho

Este É Do Papai (1959)

Bom dia a todos os amigos cultos e ocultos, em especial aos papais que hoje comemoram a sua data.
Todo ano eu ensaio de postar este disco, mas acabo sempre me esquecendo dele na hora ‘h’. Desta vez eu procurei ficar atento e hoje ele está aqui. Taí um álbum muito bacana criado pela RCA Victor, nos tempos em que Dia dos Pais era mais que uma simples jogada comercial. Vejam vocês como é interessante… como a indústria fonográfica se preocupava em pautar essas datas, criando discos bem produzidos e música de qualidade.
Em “Este é do papai” a gravadora recrutou um belo elenco de intérpretes e músicos de seu ‘cast’ para criar um disco em homenagem ao “Dia dos Pais”. Todas as doze músicas do lp fazem referência direta ao papai, sempre enaltecendo a figura daquele bom homem, que era chamado de ‘chefe da família’. Os papais continuam existindo, muitos, inclusive, se mantém na típica caracterização, como nos inspira a foto da capa. Porém, vivemos hoje numa outra época, onde alguns valores e hábitos foram se modificando ou se perdendo. Para mim, o principal deles foi a emoção. Eis aí uma palavra (nesse sentido) que vem, como os velhos artistas e seus discos, se transformando ao longo dos tempos. Talvez, por isso mesmo, é que a gente fica procurando fazer esses ‘playbacks’ da vida. Independente de qualquer coisa, hoje é o Dia do Papai. Viva eu, viva você, viva todos nós que somos pais!

papai do meu coração – carlos galhardo
a cara do pai – ivon curi
meu grande pai – verinha lúcia
papai – zaccarias e seu quarteto excelsior
dia dos pais – luiz gonzaga
se… (poema) – rodolfo mayer
eu sou mais o papai – neusa maria
salve o papai – carlos gonzaga
papai me disse – luzia de castro e gerson filho
viva o nosso papai – zaccarias e seu quarteto excelsior
papai do céu – verinha lúcia
a surpresa do papai – verinha lúcia e mario zan

Há Sempre Um Nome De Mulher (1987)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Mantendo o nosso show de variedades fonomusicais, hoje, sexta feira, é dia de disco independente. Tenho aqui este álbum que há muito eu venho ensaiando em postá-lo, desde que criei e postei aquela coletânea, chamada “Elas Cantam Samba – Vol. 1“. Aliás, ela foi inspirada neste álbum. Logo depois eu vim a postar outro disco, que provavelmente também serviu de inspiração para este, gravado por Lúcio Alves, cantando músicas com nomes de mulheres.
Finalmente chegou então a vez deste que é um álbum duplo. Um super projeto independente realizado pelo Banco do Brasil em 1987. Uma iniciativa de apoio ao Programa de Aleitamento Materno, como diz na contracapa do álbum. Aliás, as informações completas sobre o disco estão no encarte e incluido no pacote. Quero aqui apenas dar uma prévia, dizendo que se trata de um belíssimo disco, onde participam 33 intérpretes e 80 músicos. Um encontro que só mesmo uma instituição financeira do porte do BB poderia arregimentar, pois temos aqui artistas de diferentes gravadoras. E o detalhe mais importante, este disco não traz compilações e sim regravações. São novas interpretações e exclusivas. Um grande feito! A criação do projeto é de Ricardo Cravo Albin, que também cuidou dos textos e direção geral. Os arranjos e regências foram do Maestro Orlando Silveira. O conjunto Época de Ouro participa em quase todos os momentos fazendo as bases.
“Há sempre um nome de mulher” é um disco dividido em blocos, apresentando os diferentes tipos de mulheres cantadas e eternizadas na Música Popular Brasileira. Temos aqui uma série de clássicos onde a mulher é o ponto principal.
O disco tem um sequência em que mal se percebe as mudança de faixas. As músicas e artistas se revezam a cada instante, lembrando bem um ‘pot pourri’. Procurei, de qualquer forma, desmembrá-las, no sentido de facilitar a audição uma a uma. Assim fica mais fácil para se ouvir…

Disco 1
abertura (mulher) – cauby peixoto
maria – tito madi
lígia – lúcio alves
marina – nana caymmi
maria betânia – maria bethânia
nancy – cauby peixoto
rosa morena – nana caymmi
dora (citação orquestral)
laura- carlos josé
jou-jou e balangandãns – bebel e miúcha
luiza – tom jobim
ana maria – emilio santiago
etelvina – joão nogueira
clementina câde você – paulinho da viola
guerreira (clara nunes) – joão nogueira
voz unida (dalva e elis – sônia santos
enamorada do sambão (beth carvalho) – martinho da vila e beth carvalho
maria helena – tito madi
yolanda – sônia santos
ana maria – premê
rosinha – tom da bahia
xandusinha – fagner
juliana – marisa gata mansa
Disco 2
luciana – pery ribeiro
helena – lúcio alves
carolina – chico buarque
teresinha – marisa gata mansa
emília – pery ribeiro
a mulher que é mulher – angela maria
amélia – pery ribeiro
mulher de malandro – angela maria e cauby peixoto
doralice – danilo caymmi
rita – emilio santiago
conceição – cauby peixoto
dolores sierra – nelson gonçalves
maria rosa – elizeth cardoso
dama do cabaré – martinho da vila
chica da silva – dona ivone lara
carmem miranda (alô, alô e taí) – dona ivone lara
luzia – braguinha
florisbela – gilberto milfont
aurora – violeta cavalcante
chiquita bacana – emilinha borba
eva – emilinha e marlene
maria escandalosa – emilinha e marlene
maria candelária – emilinha e marlene
rosa maria – roberto silva
dolores – violeta cavalcante
odete – gilberto milfont
helena, helena – roberto silva
madalena – elba ramalho
izaura – elba ramalho

Antenógenes Silva – Valsas E Saudades (1955)

Bom dia! Vamos logo liberando a postagem, mas com atenção para não fazer como ontem. A pressa continua…
Hoje nós iremos relembrar Antenógenes Silva, um dos maiores acordeonistas brasileiros. Considerado, no auge de sua época, o melhor acordeonista de oito baixos do mundo. Mineiro, de Uberaba, começou cedo sua trajetória musical. Gravou seu primeiro disco ainda na década de 20! Trabalhou inicialmente em São Paulo, na Rádio Educadora Paulista. Porém, sua carreira deslanchou a partir da sua transferência para o Rio de Janeiro, onde trabalhou com os mais diversos artistas. Foi aluno do Maestro Guerra Peixe com quem aprendeu harmonia e orquestração. Foi também professor, inclusive de Luiz Gonzaga. Chegou a ter no Rio de Janeiro uma escola onde ensinava música e a arte de seu instrumento. Ao longo de sua carreira compôs muitas músicas e também gravou muito, principalmente acompanhado outros artistas. Muitos deles, como Gilberto Alves, Dilú Melo, Jamelão, entre outros, tiveram suas carreiras impulsionadas por Antenógenes. Ele também acompanhou e gravou com artistas internacionais como Carlos Gardel, Libertad Lamarque, Lucienne Boyer e por aí a fora… Gravou também na Europa. Na Alemanha ganhou o primeiro lugar no concurso promovido pela fábrica Honner. Era chamado de o ‘Mago do Acordeon’. Atuou até à década de 60. Sua composição mais conhecida (pelo menos para mim) é a valsa “Saudades de Ouro Preto”. Mas há também outras de suas saudades bem conhecidas 🙂
Neste álbum, um lp de 10 polegadas, lançado em 1955 pela Odeon, encontramos oito temas do seu repertório. São valsas e choros, o ‘choro mineiro’, quase todas as faixas de sua autoria.
Não deixem de conferir mais esse raro exemplar 😉

saudades de ouro preto
pisando corações
rapaziada do braz
uma grande dor não se esquece
saudade de iguapé
serenata em ribeirão preto
dirce
saudade dos teus beijos

Rodger e Teti, Do Pessoal Do Ceará – Chão Sagrado (1975)

Boa noite, amigos cultos e ocultos. Eu, realmente não aprendo. Por conta da pressa acabo sempre escrevendo a postagem diretamente na página de edição e nem sempre tenho tempo de reler de imediato o que escrevi. Daí,  vem os erros (de toda espécie). Me falta mais atenção, eu sei. Tento mudar, mas acabo fazendo como agora, aproveitando a folguinha.
Hoje, pela manhã, havia feito a postagem, trazendo o disco da dupla Rodger e Teti, mas devido à alguns erros, muito bem apontados pelo amigo Geraldo Barbosa, procurei de imediato fazer as correções. Acontece que eu estava longe da ‘base’ e tive que recorrer a um computadorzinho muito capenga. Por descuido, acabei deletando todo o texto da postagem.
Mesmo assim, me lembro que iniciei comentando que estava admirado por ter encontrado este disco que eu não ouvia há mais de 20 anos e da  surpresa ao perceber que logo após ter digitalizado e dado ‘um trato’ no lp, percebi que ele já estava rolando nas fontes da blogsfera musical não era de hoje.
Estou vendo aqui agora que felizmente tenho uma cópia da postagem de hoje cedo. Pensei que tivesse perdido, mas veio uma cópia para o meu e-mail, assim como deve ter ido uma para todos que são seguidores do Toque Musical. Vamos a ela, com as devidas correções, evidentemente…
Então, temos aqui o casal Rodger e Teti, dupla que também fez parte daquele ‘Pessoal do Ceará’, um grupo de artistas que no início dos anos 70 veio para São Paulo e Rio tentar a sorte, mostrando sua música. Os primeiros a chegarem foi Belchior e Fagner. Depois veio o Ednardo e no vácuo vieram também Rodger e Teti. Todos os cinco e mais um número de outros artistas e intelectuais, que nem me lembrava o nome (Petrúcio Salvino Mesquita Maia, Iracema Melo, Olga Paiva, Nonato Freire, Renato Serra, Wilson Cirino, Cláudio Roberto de Abreu Pereira, Francisco Augusto Pontes, Sergio Costa, Mércia Pinto, Ângela e Chica, Antonio José Soares Brandão, Delberg Ponce de Leon, Fausto Nilo Costa Jr., João Braga de Lima, Aderbal Freire Filho – então assinando “Aderbal Jr.”, João Ramos, Augusto Borges, Neyde Maia, Dedé Evangelista, Gonzaga Vasconcelos, Paulo e Narcélio Lima Verde, Wilson Ibiapina, Mauro Coutinho, Audifax Rios, Polion Lemos, Amélia Colares e Ricardo Bezerra), faziam parte do coletivo “Pessoal do Ceará”, que foi uma espécie de movimento cultural da região. Após o Ednardo lançar pela RCA o seu “Pavão Misterioso”, considerado um dos melhores discos de 1974, a gravadora resolveu investir também em Rodger Rogério e sua companheira, a Teti. Daí nasceu “Chão Sagrado”, um disco com a mesma qualidade dos demais artistas cearenses que despontavam naquele momento. Com direção artística de Mário Zan, arranjos e regências do maestro Hareton Salvanini, participações como a de Manassés, a dupla nos traz doze composições, entre músicas próprias, parcerias e duas outras, “Siá Mariquiha”, de Luiz Assunção e Evanor Pontes e “Risada do Diabo”, de Petrúcio Maia
Se alguns de vocês estão como eu, perdidos num ‘tsunami’ de discos e ainda (também não haviam notado este lp ‘dando sopa’ na blogsfera, não deixem essa onda passar 😉

bye bye baião
chão sagrado
risada do diabo
beco da noite
rodoviária
fino fio
fox-lore
siá mariquinha
coroação
retrato marron
o lago
amália




Rodger E Teti, Do Pessoal Do Ceará – Chão Sagrado (1975)

Putz! Que vacilo o meu… Dois na verdade. Primeiro, havia um erro grave no texto da postagem. Por consequência, ao tentar corrigir, acabei apagando tudo 🙁  Bela merda… só eu mesmo. Desculpem…
Agora não tenho mais uma cópia da postagem, o que me obriga a fazer uma nova. Será que alguns dos amigos, cultos ou ocultos, sabe com eu poderia resgar a outra postagem? Pelo menos o texto?
Agora estou fora e sem condições de refazer isso.
Vamos ver ao longo do dia.
Desculpem 🙂

Madrigal Renascentista (1959)

Bom dia a todos! Inicialmente eu quero avisar aos amigos cultos e ocultos, que solicitaram reativação de ‘toques’ antigos, para que aguardem com paciência, pois alguns arquivos eu estou refazendo e incluindo, em alguns casos, os complementos como contracapa, encartes e selos, que não constavam na primeira edição. Sei que as vezes demora. Me falta tempo e além do mais são muitos. Paciência…
Seguimos hoje, na ‘terça clássica’, com o Coral Madrigal Renascentista, em seu segundo álbum, lançado pela Chantecler em 1959, ainda sob a regência do Maestro Isaac Karabtchevsky e a contralto Maria Lúcia Godoy. Temos neste lp, que creio eu, nunca mais chegou a ser relançado, um repertório misto, bem variado, contemplando músicas renascentistas espanholas, inglesas, francesas e italianas; músicas do folclore português, israelita, americano, brasileiro e até Villa-Lobos.
O coral Madrigal Renascentista, reconhecidamente um dos mais importantes grupo brasileiro, continua sempre ativo. Atualmente, como nos conta o próprio site do coral, eles  mantém uma parceria com duas grandes instituições no Estado, o Instituto Inhotim e o SesiMinas, além do apoio de leis culturais.

ave maria – renascença espanhola
mas vale trocar – renascença espanhola
my bonny lass – renascença inglesa
riu, riu chiu – anônimo do cancioneiro de upsala
il est bel et bon – renascença francesa
laila, laila – folclore israelita
canção da vindima – folclore português
sinhá moça massurinha – folclore brasileiro
pega no balão – folclore brasileiro
estrela do céu é lua nova – villa-lobos
exultante deo
ay luna que reluces – renascença espanhola
margot, labourés les vignes – renascença francesa
contrapunto bestialle – renascença italiana
roll jordan roll – folclore americano
meninas, vamos ao vira – folclore português
rosa amarela – villa-lobos
ai! xodó – folclore brasileiro
boiadeiro do sertão – folclore brasileiro
é a ti flor do céu – folclore brasileiro
dona janaína – folclore brasileiro

A Próxima Atração – Trilha Original Da Novela (1970)

Bom dia, meus prezados amigos cultos e ocultos! Eis que aqui chegamos na segunda feira das trilhas para a próxima atração. É isso mesmo, A Próxima Atração, trilha sonora da novela da Rede Globo, de 1970. Taí uma trilha dos bons tempos, quando quem fazia a seleção musical para as novelas era gente que realmente entendia de música e prezava pela qualidade. Uma época em que na música brasileria haviam grandes nomes, grandes compositores, orquestra… Hoje também tem, mas já não é mais a mesma coisa. Melhor que falar é comparar um disco como este com uma trilha de uma novela atual. É nessa hora que a gente tem vontade de entrar no túnel do tempo e voltar atrás. Não vou nem entrar em detalhes sobre este disco, lembrando apenas que dos relançamentos em cd de trilhas de novelas da Globo, este é um dos que eu acredito não ter sido relançado. Já vi por aí, no Mercado Livre, o cd importado sendo vendido a preço de ouro. Será que vale tanto assim? Eu sou mais o vinil.
Mas independente de qualquer coisa, temos aqui uma seleção muito boa, com ótimos artistas e aquelas músicas que a gente não escutava há muito tempo. Um trabalho bem produzido, dirigido pelo Nelson Motta. Os arranjos ficam por conta de um time de primeira: Francisco de Moraes, Rogério Duprat, Arthur Verocai, Roberto Menescal e Paulo Machado. Confiram…

ciça cecília – erasmo carlos
a próxima atração – ivan lins
regina – ronnie von
zip – briamonte orquestra
panorama, segundo rodrigo – marcus pitter
quem vem lá – mpb-4
madalena – elis regina
dia do grilo – a charanga
sucesso, aqui vou eu – rita lee
sol nascente – conjunto de roberto menescal
verdes campos da américa – antonio claudio
atmosfera – briamonte orquestra

The Pop’s – Estas São Joinhas… Joinhas… Tá Falado (1971)

Boa tarde a todos, amigos cultos e ocultos! Parece mentira, mas mesmo no fim de semana eu estou conseguindo  tempo para as nossas postagens. O jeito é ir na brecha. Relaxa que encaixa…
Antes de tudo, quero aqui me retratar. Acho que fui um pouco injusto com o Nilo Sergio Jr. na postagem de sexta feira. Eu, no fundo, fiquei foi um pouco chateado, como quando a gente leva um fora da menina. Uma espécie de desilusão passageira. Eu creio que falei demais e sem saber. O cara é uma pessoa bastante esclarecida, extremamente educado (como não podia deixar de ser um filho do Nilo Sérgio) e me contou um pouco das dificuldades da família em manter uma gravadora do porte da Musidisc. Pelo pouco e resumido e-mail deu para se ter uma ideia de como é difícil manter uma empresa brasileira, tendo como concorrentes diretos e indiretos grandes multinacionais, gravadoras que eu nem preciso citar nomes. Tentar manter uma gravadora pequena e sem grandes pretensões é difícil, mas ainda assim se mantinham, mas quando se trata de uma que queira ser até melhor que as estrangeiras, daí o bicho pega. E pegou para o Nilo Sergio, a ponto dele acabar tendo que ceder à pressões, abdicando de novos sonhos. Coisa muito chata… Mas essa história, eu espero, o Nilo Jr, ou um outro alguém, precisa contar. Merece realmente um livro. Uma história de vida que vale a pena ser sempre lembrada. Como eu previa, o Nilo Jr. me permitiu manter as postagens, obviamente sem os links, o que eu de imediato já fiz. E ainda se colocou à disposição para qualquer esclarcimento ou dúvida a respeito de alguma passagem dessa belíssima história. Eu peço aqui, em público, as minhas desculpas ao Nilo Sergio e sua família.
Bom, falando agora da postagem do domingo, tenho aqui para vocês este disco do The Pop’s que eu comprei ontem lá na Feira do Vinil. Taí um disco que eu não conhecia. Coisa curiosa, nunca tinha visto este disco antes na minha vida. O álbum é de 71, produzido por Oswaldo Cadaxo e seu selo Equipe. O The Pop’s gravou grande parte dos seus discos por essa etiqueta. Na contra capa dessa joinha e mesmo no selo, não há muitas informações além da relação de músicas, por sinal um repertório bem interessante. Não sei e nem vou ter tempo para localizar quem eram os integrantes do grupo neste disco. Deixo essa para assunto no Comentários. Tá falado? 😉

oh me oh my
mujdei de ideia
de tanto amor
ovo de codorna
amada amante
você não entende nada
if
impossivel acreditar que perdi você
love story
você também é responsável

Bresil En Rose – Coletânea BossaNovaBrasil (2011)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Cheguei no último momento do dia, que aliás foi bem puxadão. Passei o sábado inteiro na Feria do Vinil, que acontece agora todo mês na galeria de um prédio, na esquina de Rua Pernambuco com Inconfidentes, aqui em Belo Horizonte. Acabei tendo ainda outras pendências que me roubaram o resto do dia, por isso só agora, já babando de sono é que conseguir chegar em frente do computador.
A postagem de hoje eu queria iniciar falando a respeito dos últimos acontecimentos, em relação ao pedido de retirada de links nas postagens dos discos da Musidisc. Gostaria de me retratar, frente a coisas que a gente fala e escreve e depois se arrepende. Mas esse é um assunto que para o meu momento de agora fica impossível. Estou muito cansado e preciso dormir. Por isso , deixo esse papo para a postagem de amanhã.
Por hora, quero apenas deixar aqui o toque do dia (ou noite?). Nos últimos segundos do sábado aqui vai a coletânea do dia. Estou trazendo para vocês mais uma seleção musical, muito interessante, enviada pelo amigo Thierry, do blog Bossa Nova Brasil. Ele, mais uma vez selecionou uma dúzia de canções, música popular brasileira, interpretada e cantada em francês. Temos aqui uma série de artistas famosos não só na França, em versões bastante curiosas e interessantes para o público brasileiro. Pessoalmente, acho um charme a música brasileira cantada em francês. Esta coletânea chegou bem na hora e me salvou o sábadão de  variedades. Espero que vocês gostem. A capinha, feita às pressas, não ficou lá grandes coisas, mas está digna para complementar ‘cette sélection musicale’. Vérifiez…
la chupeta – maurice chevalier
si tu vás à rio – dario moreno
brigitte bardot – dario moreno
oh mon dieu, qu’elle est mignonne – sheila
avec des je avec des ja – christiane legrand
corcovado – sasha distel
qui c’est celui-la – pierre vassiliu
tais-toi – pierre vassiliu
a quoi tu joues – marcel zanini
la bébête – annie cordy
pars – jean-louis murat
bidonville – claude nougaro

Francisco Mário – Revolta Dos Palhaços (1980)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Bom dia mesmo, tem que ser! Pois, pelo jeito o bicho tá pegando… Eu enviei ontem para uma parte dos amigos cultos que estão na minha lista de e-mail uma mensagem da ONG AVAAZ. Na verdade, um alerta e uma mensagem de oposição ao já conhecido Projeto de Lei do político Eduardo Azeredo, o PL 84/99. Todo aquele que não concorda com essa jogada política, que só serve para restringir o nosso já pouco direito, não deve ficar de fora. Entre no site da Avaaz e envie o seu protesto. Liberdade, liberdade e liberdade!
Quando digo que o bicho está pegando, não me referi apenas ao Azeredo. Há também por aqui outra situação azereda, que dizer, azeda. Ontem eu recebi um e-mail do filho do Nilo Sérgio, o Nilo Jr., no qual ele solicita que eu retire todos os ‘toques’ relacionados aos discos da Musidisc. Segundo ele, o catálogo da gravadora continua sendo relançado a cada dois anos. Eu, sinceramente, nunca soube disso. Sei que alguns títulos chegaram a ser relançado pela Som Livre nos anos 80, por sinal de uma maneira tão pobre e porca que deve ter feito o velho Nilo se remexer no caixão. Afinal, os discos da Musidisc e Nilser eram de padrão internacional, um primor para os padrões comerciais da época. Coincidentemente, quando eu já preparava uma série de títulos dos mais raros da Nilser e Musidisc para trazer até vocês, o detentor dos direitos veio solicitar a retirada do que já foi postado. É mesmo uma pena, tanto pelos que á foram postados quando para os que viriam em seguida. São discos que com certeza nem o próprio herdeiro deve ter ou saber de sua existência. O que dizer de uma nova e possível reedição? Vão esperando… Neste final de semana eu estarei retirando todos os links deixado nas postagens relacionadas aos discos da Musidisc e Nilser. Eu fiquei meio chateado e cheguei mesmo a pensar em retirar também as postagens. Mas agora, pensando melhor, acho que irei mantê-las, pelo menos para que todos saibam que um dia o Toque Musical tentou trazer à luz (e aos ouvidos) o que insistentemente querem manter no esquecimento. O que o TM não pode fazer, outros milhares de blog o farão. Como eu já disse outras vezes, essa é uma estrada sem volta. O pão que não foi comido na hora só se preserva por um tempo. Depois, ou vira farinha ou vira bolor. Depende de quem guarda, não é mesmo?
E assim tudo se perde e se transforma e só mesmo por força do destino algo ainda permanece. E permanece enquanto estiver oculto, escondido, esquecido ou limitado à poucos olhos e ouvidos. Essa é uma grande verdade e se aplica também à situação do blog Toque Musical, que, assim com foi o Loronix, hoje ocupa uma posição de destaque no cenário blog musical. Por conta de sua tamanha visibilidade e exposição se torna também vulnerável, alvo fácil de ações repressoras. É como diz o velho ditado, quanto mais alto, maior o tombo (que o diga o WTC). Melhor aqui é desacelerar…
Mas nós, os palhaços aqui, continuamos revoltados. Foi na analogia do meu pensamento que eu me lembrei deste disco do Francisco Mário para a postagem de hoje. Caiu como uma luva, principalmente porque se trata também de um disco independente, apropriado para a nossa sexta feira do TM.
“Revolta dos Palhaços” foi o segundo disco gravado por Francisco Mário que contou com a ajuda e participação de muita gente boa, a começar pelas primeiras duzentas pessoas que compraram o disco antes mesmo dele ficar pronto. Uma ideia interessante, principalmente se o artista for um nome de talento e ainda trazer na bagagem outros grandes nomes como, Ivan Lins, MPB-4, Boca Livre, Lucinha Lins, Mauro Senise, Danilo Caymmi, Gianfrancesco Guarnieri, o irmão Henfil, Aldir Blanc e outros…
Para acabar de vestir a luva eu incluo, muito apropriadamente, o que dizia o Chico Mário a respeito deste disco: “Com este disco eu denuncio a ilusão montada para ver a nossa realidade subdesenvolvida de país de terceiro mundo e que até poderia chocar as pessoas que estavam sonhando e não queriam acordar, preferindo acreditar na falsa realidade criada a cada dia.”

revolta dos palhaços
bailarina
o andaime
o homem mais forte do mundo
valsa do mata-cachorro
o mágico
malabarista da inflação
chora palhaço
se cobrir é circo, se cercar é hospício
pão e circo
clareira aberta

Quarteto Teorema – Mengo 70 (1969)

Olha aí, como disse, aqui está o outro disco do Quarteto Teorema. Este compacto duplo foi lançado em 1969. Uma produção exclusiva criada pelo Clube de Regatas Flamengo. Uma boa jogada, só que de ‘marketing’, que consitia na venda deste compacto premiado. Ou seja, cada disco podia trazer dentro de sua capa (lacrada), além do disquinho, um prêmio em dinheiro. A ideia foi lançada no intuito de arrecadar fundos para o time do Flamengo comprar novos jogadores e fazer bonito nos campeonatos de 1970. Não deve ter sido por outro acaso que o time neste ano conquistou a sua primeira Taça Guanabara.
Bom, quanto ao compacto e o Quarteto Teorema, tudo de bom. Compacto duplo com quatro faixas, tendo como carro chefe a música “Mengo 70”, composição de Fernando Lona e Vidal França. De contra peso e endossando a mensagem temos também “Aquele abraço”, de Gilberto Gil, já ouviu? (putz, até rimou)

mengo 70
mudança
tudo certo em seu lugar
aquele abraço

Quarteto Teorema (1973)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! A semana está passando tão rápido que eu nem notei que hoje já é quinta feira. E antes que os dias livres da semana se acabem, lá vou eu com mais uma escolha não premeditada. Trago para vocês o Quarteto Teorema, um grupo vocal aos moldes do MPB-4, que esteve muito atuante no final dos anos 60 e início dos 70. Encontrar informações na rede sobre esse grupo é tão difícil como procurar o Wally. Sites que se colocam como verdadeiras enciclopédias de música brasileira, também não informam nada. E olha que não se trata apenas de discos ou artistas sem expressão. Eu, muitas vezes já me dei conta disso, discos/artistas importantes, mas sem referências. É por essas e por outras que nós que amamos verdadeiramente a música brasileira estamos aí na anarquia (?) fonomusical.
O Quarteto Teorema, até onde eu sei era um grupo liderado pelo ator, cantor e compositor baiano Fernando Lona, parceiro de Geraldo Vandré em “Porta estandarte”. Participava também do grupo (creio eu) outro baiano, o cantor e compositor Vidal França. Formando o quarteto, temos ainda mais dois nomes, os quais (suponho eu) foram Nazareno Vieira e Pena Branca, dupla a qual eu já postei um disco aqui. Embora essas informações não sejam precisas, foram montadas por mim, tomando como base as diversas peças de um quebra cabeças que se encaixam com perfeição. Aqueles que por ventura tiverem infomações complementares, não deixem de fora dos nossos comentários. É assim que vamos desembassando nossa história musical.
Me lembrei agora de um outro disco deste quarteto, um compacto lançado no final dos anos 60 para o time do Flamengo. Vou ver se o encontro e se possível, ainda hoje coloco aqui para você, ok? Confiram o Teorema…

baile da vida
travessia
samba assim assim
corissom
pot pourri de sambas
das rosas
formosa
adeus batucada
levanta mangueira
mundo encantado de monteiro lobato
alegria
nosso frevo
minha menina
não tenho bronca de você
sem despedida
pout pourri de baião
asa branca
assum preto
último pau de arara
pau de arara
fogo pagô
chegança
trindade de amor

Cátia De França – 20 Palavras Ao Redor do Sol (1979)

Muito bom dia ao cultos e ocultos! Para manter o cardápio bem variado, atendendo a todos e inclusive a mim, estou hoje trazendo um disco que eu gosto muito e que sempre pensei em postá-lo aqui no Toque Musical, Cátia de França e seu excelente “20 palavras ao redor do sol”. Este álbum, lançado nos anos 70, foi o primeiro disco solo gravado por esta artista paraibana, cantora, compositora e escritora. Nascida em João Pessoa, Cátia de França tem a sua trajetória musical que começa nos anos 60, quando já participava de festivais e grupos folclóricos. Neste álbum de estréia a cantora nos apresenta doze composições próprias e parcerias, músicas essas (algumas) compostas, tendo como base a poesia de João Cabral de Melo Neto.
As músicas deste disco são ótimas e ela ainda conta com participações importantes como as de Sivuca, Zé Ramalho, Chico Batera, Paulo Machado, Amelinha, Elba Ramalho e muitos outros. Se tem alguém aqui que ainda não conhece este disco, tá na hora… bão demais!

o bonde
quem vai, quem vem
vinte palavras ao redor do sol
djaniras
kukukaia
itabaiana
porto de cabedelo
ensacado
coito das araras
os galos
sustenta a pisada
vou pegar o metrô