Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim (1967)

Olá, bom dia a todos! Hoje, domingão, estou trazendo aqui um álbum clássico e histórico. O célebre primeiro encontro de Tom Jobim e Frank Sinatra. Eu estava meio na dúvida se devia ou não postar este lp, afinal, lá fora ele continua sendo produzido. Aliás, há poucos anos atrás, foi lançado um cd com todas as gravações feitas pela dupla para o selo Reprise. A história deste encontro, acho que todos já sabem. Por isso, eu não vou ficar aqui ocupando o meu domingo para chover no molhado. Neste disco vamos encontrar dez músicas, sendo oito de Tom Jobim e por garantia, Sinatra escolheu dois ‘standard’ da música americana, “I concentrate on you”, de Cole Porter e “Baubles, bangles and beads”, de Wright e Forrest. Os arranjos e regência são de Claus Orgerman (acho esse cara fera!). O disco foi lançado logo após as gravações, inclusive aqui no Brasil.

the girl from ipanema

dindi

change partners

quiet nights of quiet stars

meditation

if you never come to me

how insensitive

concentrate on you

baubles, bangles and beads

once i loved

Orquestra E Coral De Severino Filho – Onde Nos Leva O Ritmo (1961)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados de plantão! Hoje, por certo, muitos esperavam aqui uma homenagem à cantora e apresentadora de televisão, Hebe Camargo, que veio a falecer na madrugada deste sábado. Eu, infelizmente, fui pego de surpresa, não tinha nenhum disco dela à mão. Aliás situações como essas sempre acontecem quando menos esperamos. De qualquer forma, enviei ao GTM um novo link para o único disco dela que temos postado aqui, o álbum “Sou Eu”, de 1960.

Nosso disco de hoje, que eu já havia preparado com antecedência é “Onde nos leva o ritmo”, álbum raríssimo de Severino Filho, com seu coral e orquestra, lançado pela gravadora Continental, em 1961. Temos aqui uma seleção dos mais variados ritmos, representados em sucessos nacionais e internacionais da época. O grande pecado aqui é o estado do disco. Em algumas faixas não há programa de som que dê jeito, infelizmente. Mesmo assim, vale a pena (e muito) dar uma conferida no ‘carioca’.

pepe

um beijo, nada mais

shimy shimy ko ko bop

je te tendrai les bras

desespero de causa

tenderly

la pachanga

chopin em ritmo de samba

my favorite things

laura

amapola

barração

Cícero Mota – Maculê (1993)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Putz, que friozinho safado está lá fora. Ta bom é para esquentar o peito com um conhaque e é isso que eu vou fazer daqui a pouco. Afinal, hoje é sexta-feira! Antes, porém, deixo aqui o disco do dia. Para não perdermos o costume, vamos com um álbum independente.

Apresento, o mineiro de Uberlândia, o compositor, cantor e violonista Cícero Mota. Descobri este artista não faz muito tempo, embora ele já esteja na estrada há um bom tempo. Fiquei realmente impressionado com a qualidade do seu trabalho. Sem querer fazer comparações, o que aliás não tem nada a ver, mas o seu jeito de cantar e sua musicalidade me fez lembrar o Edu Lobo. Já gostei de cara. Mas o talento de Cícero e suas músicas seguem um caminho próprio. Vamos perceber isso neste “Macule”, que foi o seu primeiro disco, lançado em 1993. Ao que tudo indica, ele continua em Uberlândia trabalhando como professor de violão. Para saber mais sobre o artista, sugiro que vocês conheçam o seu site. Vale a pena conhecer este artista. Eu recomendo 😉

maculê

mundo de estrelas

no meio do mar

blues de viés

cafuné

zig-zag

alvorada

voz de negro

 

Homengem Póstuma À Francisco Alves (REPOST)

Como sei que temos aqui muitos fãs do “Chico Viola”, vou trazendo aqui de novo uma postagem que fiz em 27 de setembro de 2009, como forma de homenagear e lembrar a memória de um dos grandes ídolos brasileiros.

Este disco de 78 rotações foi lançado imediatamente após a morte do cantor, pela Odeon, tendo Dalva de Oliveira como intérprete da marcha rancho “Meu rouxinol”, composta por Pereira Mattos e Mário Rossi. O interessante de notar é o quanto realmente Francisco Alves era querido e prestigiado, a ponto de merecer tal homenagem. O disco tem apenas um lado gravado, no outro a agulha corre silenciosa num sulco sem registro, representando um minuto de silêncio. Podemos dizer que este é um dos discos mais raros postados aqui no Toque Musical. Uma ‘relíquia’ histórica que muitos colecionadores pagariam caro para te-la. Que viva na nossa memória o grande Francisco Alves!

* esta música encontra-se também em um dos volumes da Coleção Grand Record Brazil do Toque Musical e pode ser baixada no GTM.

Ciro Pereira E Sua Orquestra – Música Dos Astros (1962)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Hoje vamos de orquestra que é sempre uma boa pedida e eu sinceramente acho que precisamos estar aqui sempre lembrando o quanto elas foram importantes na história da música popular brasileira. Obviamente essas estão associadas diretamente aos grandes mestres regentes da época de ouro do rádio, televisão e disco – como é o caso aqui do nosso maestro, arranjador Ciro Pereira (ou Cyro, com Y). Ele foi diretor de orquestra nos antigos festivais da TV Record. Atuou como regente em diversos programas musicais da tv, entre eles “O Fino da Bossa”, apresentado por Elis Regina e Jair Rodrigues. Começou no rádio como tantos outros mestres, acompanhado cantores, fazendo trilhas, etc… Foi também professor de orquestração na Unicamp e regente da Orquestra Jazz Sinfônica, de São Paulo.

“Música dos Astros” foi o primeiro disco exclusivamente seu, onde ele teve total liberdade para escolher as músicas, arranjar, orquestrar e dirigir sua orquestra. Vamos encontrar aqui uma seleção bem apurada feita pelo maestro, com temas nacionais e internacionais, incluindo também uma faixa autoral, “Minuano”, música que manifesta as suas origens. Lançado pelo selo Continental, em 1962. Querem conhecer? Dá o toque, ok?

sunrise serenade

dueto de saudade

é fácil dizer adeus

tu si, malincunia

sol

monalisa

minuano

sofisticated lady

madureira chorou

my blue heaven

poema

how in the world

Ary Barroso – Meu Brasil Brasileiro (1958)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! Hoje, para ‘abrilhantar’ ainda mais nossa semana aqui no Toque Musical, eu estou trazendo um de nossos mais brilhantes compositores da Música Popular Brasileira, o grande Ary Barroso. Acho que até hoje eu ainda não havia postado um disco original dele. Assim, para compensar, vamos com este “Meu Brasil Brasileiro…”, disco lançado pelo selo Odeon em 1958. Este álbum, assim como quase todos os discos gravados por Ary já foram bem divulgados em outros blogs. Eu, inclusive, sempre fiquei incomodado com o fato de que em todo o lugar onde vi este disco postado, as músicas não correspondiam à lista na contracapa. Foi movido também por esse detalhe que eu pensei um dia em posta-lo. Vamos fazer a coisa certa! Mas para a minha surpresa, percebo que o disco que tenho também apresenta a mesma lista comum a todos. Por um momento pensei que tivesse trocado o disco de capa. Mas a verdade é uma só, a lista de músicas, assim como o próprio texto de Lúcio Rangel na contracapa foram colocados erroneamente na ‘embalagem sanduíche’. Uma falha da produção gráfica. Acho que quando perceberam isso, os milhares de discos já estavam nas lojas e provavelmente nem chegaram a corrigir o erro. Creio que este lp veio a ser relançado posteriormente, com outra capa e talvez até com as outras músicas. O certo é que está tudo errado e eu até tentei compor em paralelo a lista da contracapa, mas infelizmente me faltaram alguns fonogramas originais. Se acaso algum dos amigos tiver as músicas que faltam, por favor, envie para mim. Eu monto a ‘versão contracapa’ e coloco aqui para todos. Enquanto isso, vamos curtindo esta beleza. Um disco com mais de 50 anos, mas que está impecável, perfeito para a digitalização. Querem conferir? Dá um toque.

na baixa do sapateiro

o correio chegou

sonho de amor

faceira

foi ela

falta de consciência

aquarela do brasil

perdão

quando a noite é serena

é mentira, oi

folha morta

malandro sofredor

 

Waleska – Canto Livre (1980)

Boa dia todos! Hoje temos em nossa companhia e mais uma vez, a cantora Waleska. Sei que ela tem muitos fãs por aqui, por isso, resolvi emplacar mais um em nosso Toque Musical. Ao contrário de outros discos de Waleska, “Canto Livre” é um álbum que me pareceu mais alegre e solto, tanto pela escolha do repertório como também do produtor, diretor musical e regente, que foi o Sivuca. Aliás, ele também toca em várias faixas! E a Waleska, oras… como sempre, dando um show de interpretação. Grande cantora! Confiram o toque…

a festa

o amor da justiça

a quem possa interessar

choro livre

meu bar

capixaba do mato

acorda Alice

mulher de forno e fogão

bêbados e boêmios

choro cantado

mesmas ilusões

alessandra

 

 

Francisco Alves E Pixinguinha – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 36 (2012)

Neste mês de setembro, mais exatamente no dia 27, estamos comemorando os 60 anos da trágica morte do cantor Francisco Alves, em acidente automobilístico na Rodovia Presidente Dutra, na cidade paulista de Pindamonhangaba, divisa com Taubaté, no Vale do Paraíba, quando um caminhão que estava na contramão colidiu com seu automóvel, um Buick azul. O cantor tinha 54 anos, e a tragédia enlutou todo o país. Seu corpo, carbonizado, foi enterrado no Cemitério São João Batista, em seu Rio de Janeiro natal, para o qual estava regressando quando houve o acidente fatal, no dia seguinte à sua última apresentação pública, acontecida em São Paulo, no Largo da Concórdia, no Brás. A tumba de Chico, até hoje, atrai inúmeros visitantes e fãs do cantor, mesmo depois de tanto tempo passado de sua morte.
O Grand Record Brazil, evidentemente, não poderia deixar a data passar em branco. Em sua edição de número 35, presta uma homenagem à memória do eterno Francisco Alves, apresentando doze fonogramas por ele registrados na Victor (ou RCA Victor, como queiram), gravadora da qual foi contratado entre 1934 e 1937, lá deixando 49 discos com 96 músicas. Em todos eles, os arranjos e regências são do mestre Pixinguinha, em mais uma contribuição fabulosa que deixou para nossa música popular. Em quase todas as faixas, Pixinguinha acompanha Francisco Alves com sua orquestra Diabos do Céu, considerada uma autêntica “jazz band” de sua época. Vamos às faixas, pela ordem:
Para começar, apresentamos um samba da parceria Bide-Marçal: “Durmo sonhando”, que Chico gravou em 20 de abril de 1934 com lançamento em agosto seguinte sob n.o 33812-A, matriz 79610. Damos depois um salto para o carnaval de 1935, apresentando uma marchinha de Lamartine Babo e Hervê Cordovil: “Moreninha sweepstake”, gravação de 21 de dezembro de 1934 lançada um mês antes da folia, janeiro, sob n.o 33894-A, matriz 79803. A marchinha cita o slogan de propaganda do achocolatado em pó Toddy: “Não tem nem pode ter similares”. O sweepstake do título era um prêmio especial, uma espécie de loteria do turfe, cujo resultado era vinculado a cavalos vencedores, instituído pelo Jockey Clube Brasileiro em 1933, nos moldes europeus. Naquele ano, o bilhete vencedor foi o do cavalo Mossoró, que abiscoitou 500 contos de réis. A terceira faixa é o samba “Reclamando a sorte”, de Nilo Almeida Fonseca, o lado B de “Durmo sonhando”, matriz 79611. Mais um samba vem em seguida: “Você chorou”, subintitulado “Me admiro é você”, de autoria de Sylvio Fernandes, o Brancura, gravado por Chico em 8 de julho de 1935 e lançado em agosto seguinte com o n.o 33959-A, matriz 79968, sendo incluído na burleta “Da Favela ao Catete”, de Freire Júnior, encenada no Teatro Recreio carioca, incluindo músicas de vários autores e da qual Francisco Alves também participou. Malandro histórico, temido por sua valentia, Brancura morreu ainda em 1935, com apenas 27 anos de idade. Temos em seguida a marchinha “Olha pra lua”, de autoria de Nássara e Cristóvão de Alencar, o “amigo velho” (aqui assinando com seu nome verdadeiro, Armando Reis), gravação de 13 de abril de 1934, lançada em julho seguinte com o n.o 33801-A, matriz 79602. Depois tem o samba “Me queimei”, também de Nássara, agora em parceria com Walfrido Silva, gravação de 28 de janeiro de 1936 lançada para o carnaval desse ano, em fevereiro, disco 34038-A, matriz 80100. E tem mais samba: “Linda mulher”, de Erlúcio Godoy, Orlando Machado e Orestes Barbosa (este último sem crédito no selo), que Francisco Alves gravou em 17 de abril de 1934, mas a Victor só lançou em dezembro desse ano, com o n.o 33857-B, matriz 79608. Em seguida, a marcha “aux flambeaux” “A melhor das três”, de Lamartine Babo e Alcyr Pires Vermelho, do carnaval de 1935, correspondente ao lado B de “Moreninha sweepstake”, matriz 79804. A letra faz referência ao processo movido pelos irmãos Raul e João Vítor Valença contra a omissão do nome deles, como parceiros de Lamartine, no disco original da marchinha “Teu cabelo não nega”. Lalá participa deste registro como cantor, não creditado no selo original. Do carnaval seguinte, 1936, é outra marchinha, “Marido da Eva”, de Nássara e Sylvio da Fonseca, gravada por Chico Alves em 7 de janeiro desse ano e lançada bem em cima da folia, em fevereiro, com o n.o 34033-A, matriz 80077. Foi uma das dez músicas que o Rei da Voz lançou para aquele carnaval, todas bem cantadas. Da folia de 1937 é a marchinha “Parei com elas”, do prolífico Nássara agora junto com Alberto Ribeiro, gravação de 18 de novembro de 1936, lançada ainda em dezembro sob n.o 34131-A, matriz 80260. Depois, desse mesmo carnaval, a lírica marchinha, do mestre Ary Barroso, “Uma furtiva lágrima”, que aproveita algo da ária de mesmo nome, da ópera “L’elisir d’amore”, de Caetano Donizetti, publicada em 1832. Chico gravou a marchinha em 17 de novembro de 1936, com lançamento ainda em dezembro com o n.o 34113-A, matriz 80244. E, para encerrar com chave de ouro, um clássico do samba: “É bom parar”, de Rubens Soares e Noel Rosa, sendo que este último aceitou ficar de fora dos créditos na edição e no disco. É a única das faixas desta seleção em que Francisco Alves é acompanhado não pelos Diabos do Céu, mas pelo Conjunto Regional RCA Victor. Sucesso estrondoso do carnaval de 1936, corresponde ao lado B de “Me queimei”, matriz 80101, e cita dois versos da valsa-canção “A mulher que ficou na taça”, de Chico Alves e Orestes Barbosa (“Mais cresce a mulher no sonho/ na taça e no coração”). “É bom parar” seria, inclusive, regravado por Francisco Alves na RCA Victor apenas três dias antes de seu trágico falecimento, em 1952, juntamente com ‘A mulher que ficou na taça”, mais “Serra da Boa Esperança” e “Foi ela”, devidamente autorizado pela Odeon, onde então trabalhava. Enfim, estas doze faixas com o eterno Francisco Alves acompanhado por Pixinguinha são o preito de saudade do GRB à memória do Rei da Voz, que, passados 60 anos de seu trágico passamento, ainda é uma importante referência na história de nossa música popular.
Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.

Milton Banana Trio (1965)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! Domingão cheio de atividades! Já estou indo para rua. Antes porém, aqui vai o toque do dia: Milton Banana Trio. Um super disco! Escolhi a dedo, pois sei que nem preciso ficar me estendendo. Além do mais, tô pagando uma dívida, com direito ao link imediato, já postado no GTM. No que depender da trilha, o dia vai ser ótimo!

garota i

primitivo

samba de verão

primavera

nanã

samba do avião

minha saudade

ela é carioca

sambou, sambou

noa… noa

inútil paisagem

samblues

 

 

Gaya E Sua Orquestra – Um Brasileiro Em Paris (1959)

Boa noite, meus caros! Continuo devendo novos links, sempre, mas logo e aos poucos todos vão sendo atendidos. O que não pode faltar é a postagem diária, que acabou se transformando na ‘música do dia seguinte’, afinal o link só aparece no outro dia (e se alguém pedir).

Na postagem de hoje eu estou trazendo um disco para quem gosta de música francesa, mas também não abre mão dos ritmos brasileiros. Eis aqui um álbum bacana do maestro Lindolpho Gaya e sua orquestra, lançado, aparentemente, em 1959 ou 60. Não consegui localizar a data precisa. Seguindo a trajetória de vida artística de Gaya, deduzi que o álbum seja lá de 59. Temos neste lp, de selo Odeon, um apanhado de músicas francesas. Uma seleção do maestro, relembrando os bons tempos que viveu em Paris. Temos aqui doze clássicos da música popular francesa em arranjos que só mesmo um brasileiro como o Gaya poderia fazer. Ele transforma a ‘Chanson de France’ em samba, baião, marchinhas e toadas. Não fosse pela melodia, qualquer um entenderia como sendo música brasileira. Aliás, é interessante notar que qualquer tipo de música se adapta muito bem no samba. Ta tudo dominado!

valentine

vous que passez sans me vois

la vie en rose

la mer

un peu d’amour

douce france

la goualante du pauvre jean

pigalle

parlez-moi d’amour

c’est si bon

j’attendrai

paris je t’aime

Maria Rita Stumpf – Brasileira (1988)

Muito bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! Hoje é sexta feira dia em que geralmente sempre adoto para postar artistas e suas produções independentes. De uns tempos para cá isso deixou de ser regra, mas continua valendo nas eventualidades, já que poucos são os artistas independentes que vem nos procurando atualmente. Assim sendo, vamos na sequência com um disco independente, raro e dos mais interessantes. Temos aqui a cantora e compositora gaúcha Maria Rita Stumpf, um nome talvez pouco conhecido, mas que na década de 80 chegou a ser cotada como uma das grandes revelações, concorrendo ao III Prêmio Sharp, ao lado de Marisa Monte, que foi quem levou a melhor. Certamente, Maria Rita só não faturou o prêmio devido ao apelo comercial por trás da outra cantora. Maria Rita é mais que uma simples cantora. Ela é também uma compositora, tendo lá um talento que vai além do popular. Sua musicalidade e sua arte expressam qualidade e refinamento, coisa, obviamente, para poucos. Talvez por isso mesmo é que ela acabou ficando meio esquecida, ou melhor dizendo, limitada a um público muito específico. Gravou também um outro disco raro de achar, chamado “Mapa das Nuvens”, mas depois sumiu da cena fonográfica. Pelo que sei, ela acabou se enveredando para o trabalho de produção cultural, criou uma produtora chamada Antares e passou a promover eventos com artistas renomados, trazendo ao Brasil espetáculos como “Zorba, O Grego”, “Lês Ballets Jazz de Montreal”, Orquestra de Câmara da Hungria, o flautista Jean Pierre Rampal e muitas outras atrações cênicomusicais.

“Brasileira” é o nome deste seu primeiro álbum, gravado no Rio de Janeiro e Belo Horizonte, em 1987, sendo lançado no ano seguinte. Neste trabalho de estréia Maria Rita contou com a ajuda e participação de Luiz Eça, que havia sido seu professor e chegou inclusive a se apresentar com ela em show. Estão presentes também no disco o músico e maestro gaúcho Ricardo Bordini e outro, o mineiro Marco Antonio Guimarães com o seu até então pouco conhecido grupo Uakti. Todas as músicas são de autoria de Maria Rita, exceto “Felicidade”, de Lupicínio Rodrigues e “Lamento Africano”, um canto tradicional angolano. Como já dizia o Caetano Veloso em seu “Araçá Azul”: um disco para entendidos!

cântico brasileiro nº 3 (kamaiurá)

felicidade

cântico brasileiro nº 6 (temporã)

canção da garoa (poesia de Mario Quintana)

lamento africano / rictus

a cidade

relhaços

trilhas

melodia de veludo

canção de barco e de olvido (poesia de Mario Quintana)

o amor

 

Bob Fleming (1961)

Bom dia amigos cultos, ocultos e associados! Hoje eu estou trazendo um disco que eu considero nota 10. Um dos primeiros álbuns do selo Musidisc, lançado em 1961 e apresentando o saxofonista criado por Nilo Sérgio, Bob Fleming. Quem acompanha o blog sabe que aqui temos outros discos desse artista e em vários outros momentos falamos sobre a real identidade do mesmo. Muitos falam que Bob Fleming era o saxofonista Moacyr Silva, depois passou a ser o Zito Righi… São tantas histórias e lendas que eu já nem sei mais qual é a verdade. Hoje, ao iniciar essa postagem, ainda agora, li no site “Agenda do Samba Choro” (uma lista de discussão sobre MPB) um texto que me deixou ainda mais confuso. Trata-se de um e-mail enviado ao site, em junho de 2004, pelo saxofonista Moacyr Marques da Silva onde ele tenta esclarecer a verdade sobre o assunto. Segue logo a baixo uma cópia do texto, que pode também ser conferido na própria lista do Samba Choro:

Rio de Janeiro 06 de junho de 2004. 

Prezados Senhores. 

Como testemunha viva dos fatos descritos sobre “BOB FLEMING”, gostaria de
esclarecer que eu, Moacyr Marques da Silva, músico, saxofonista, citado em
seu site: 

“Caro internauta. Quero aqui informar-lhe que muito há que reparar neste seu
release sobre Bob Fleming. Não sei que fontes vc consultou, mas são muito
imprecisas. Conheci, pessoalmente, por intermédio de membros de minha
família o verdadeiro Bob Fleming, pseudônimo usado por um grande músico
brasileiro do Rio de Janeiro, cujo nome correto é Moacir Marques, que
apesaqr de não ser americano era branco, nada tendo a ver com o Moacir
Silva, outro grande músico brasileiro, este sim negro. Moacir Marques, tocou
em diversas orquestras ( inclusive da Rádio Nacional ) e formou um conjunto
que tinmha seu nome e tocava em diversos bailes do Rio de Janeiro e
adjacencias.Tive o privilégio de receber de suas mãos aquerle LP onde na
capa aparecia algém vestido numa armadura tocando sax. Procure pesquisar
mais em cima destas minhas informações e refeça ou retire do ar seu artigo,
para que evitar que com o passar do tempo essa incorreção venha a se tornar
uma verdade que nenhum dos dois Moacir merecem”.

Não fui e jamais gravei com este pseudônimo, criado por Nilo Sérgio, dono da 
gravadora Musidisc, à época, para Moacyr Silva (Negro) e posteriormente para
 
Zito Rig (branco), outro saxofonista. Como músico profissional exerci a
 
função em diversas gravadoras (Copacabana Disco e Odeon, funcionário
 
efetivo) e rádios ( Tupi, Nacional e outras). Fui integrante e fundador da
 
Orquestra da Rede Globo de Televisão, enquanto existiu (23 ANOS).Tive meu
 
próprio conjunto musical, com o qual gravei 6 LP’s, entre os anos 60 a 66.
 
Integrei a Orquestra de Ary Barroso e do Maestro Copinha. Me apresentei com
 
grandes artistas Internacionais.
 
Em meados de 1966, com a Orquestra do Maestro Copinha, me apresentei no baile
 
beneficente da Cruz Vermelha Internacional oferecidos pelo Príncipe de
 
Mônaco em seu palácio; gravei com todos os grandes cantores da música
 
popular brasileira (ver ficha técnica nos LP´s – Simone, Gilberto Gil,
 
Bethanea, Gal Costa, Elizete Cardoso, e muitos outros). E, ainda, sou
 
funcionário público estatutário, aposentado na categoria de músico –
 
clarinetista baixo – da Orquestra Sinfônica Nacional do Ministério da
 
Educação, lotada na Universidade Federal Fluminense. Apesar da semelhança
 
dos nomes, Moacyr Marques da Silva, ou melhor, Moacyr Marques, “BIJOU”, como
 
sou conhecido no meio musical, jamais poderia ser confundido com o grande e
 
respeitado amigo Moacyr Silva, cuja a carreira abrilhantou a música
 
brasileira. Para maiores esclarecimentos, entre em contato:
 
Tels: 21-2447-1446 ou 21-2447-0139 horário da manhã.
 
Aproveito pra parabenizar o autor dos artigos sobre Moacyr Silva, e solicito
 
que desconsiderem as observações do Sr. Reginaldo Gomes de Souza. Grato pela
 
atenção.
 
Moacyr Marques – BIJOU.
 

Sinceramente, eu já não estou entendendo mais nada sobre essa história. Porém, como um dos muitos divulgadores do ‘sax’ criado por Nilo Sérgio, me vejo na obrigação de apresentar todos os fatos e versões. Qual é a verdade? Taí uma questão cheia de polêmica, que vale novamente vir à tona. Vamos comentar?

nosso amor

fechei a porta

é luxo só

teleco-teco nº 2

meditação

cheiro de saudade

a noite do meu bem

fim de caso

ideias erradas

e daí?

mundo mau

ho-ba-la-la

rio de janeiro (isto é meu brasil)

cidade maravilhosa

dizem por aí

o amor e a rosa

se acaso você chegasse

agora é cinza

chora tua tristeza

ri

carinho e amor

menina moça

o nosso olhar

exemplo

Sivuca – Sivuca At The Village Gate (1975)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados de plantão! Puxando da ‘gaveta’, aqui vai o disco do dia, “Sivuca, Live At The Village Gate”. Este, na verdade, não é bem um ‘disco de gaveta’, como eu digo para aqueles que ficam sempre na reserva, para as horas de emergência. Acontece que é um álbum que eu estive ouvindo no fim de semana e mesmo já bem divulgado em outras fontes blogueiras, achei por bem posta-lo no Toque Musical. Com certeza, os amigos irão gostar, pois se trata do Sivuca e dele não há nada que se possa reprovar (e nem de mim por cair na ‘redundância sivucana musical’)

“Live at the Village Gate” foi um disco lançado por Sivuca em 1972 através do selo americano Vanguard. Gravado em Nova York, ao vivo, no tradicional ‘nightclub’ Village Gate. Neste show, Sivuca vem acompanhado por músicos estrangeiros e traz um repertório fino, mesclado de música popular brasileira e o jazz, feito mesmo com cuidado para surpreender e agradar o público americano. O Show foi tão bom que mereceu este registro em disco, que por sinal é considerado um dos melhores álbuns da carreira do grande Sivuca. Em 1975 o lp foi também lançado aqui no Brasil, através da gravadora Copacabana. Sem dúvida, um grande disco!

adeus maria fulo

berimbau

it might have been

rancho fundo

ain’t no sunshine

marina

coisa nº 10

batucada

Orquestra Chantecler – Cumbia E Outros Ritmos Latino Americanos (196…)

Boa noite a todos! Hoje eu estou trazendo um disco que é bem a cara das postagens do Toque Musical. Adoro discos que trazem alguma coisa de curiosa e interessante. No caso aqui, trata-se de um disco lançado originalmente na Bolívia (vejam vocês), sob o título de “Discoteca Del Dia”. Segundo nos informa o texto da contracapa, foi um tremendo sucesso tanto lá quanto em outros países sul americanos. O que levou o seu lançamento também no Brasil. O curioso disso tudo é que o disco foi gravado aqui e por uma orquestra e regente brasileiros. Acredito que a indústria fonográfica brasileira também abastecia os países vizinhos e, obviamente, tocando o que eles gostavam de escutar. A cumbia é mais um desses ritmos latinos de origem afroamericana, tradicional da Colômbia e Panamá, mas que se popularizou por toda a América Latina, principalmente nos anos 50.

Neste álbum, podemos encontrar 14 faixas com duas músicas em cada uma, o que nos dá um rico mostruário num repertório bem adaptado para a cumbia e outros ritmos latino americanos. Um disco orquestral sob a regência do maestro Francisco Moraes.

Por mais que eu tenha procurando, não encontrei a data de seu lançamento, mas creio que este álbum saiu aqui no início dos anos 60. Se algum dos amigos cultos tiver aí mais alguma informação, por favor, não se faça de rogado… o comentário está aí é para isso mesmo.

Desta vez, não vou tomar o trabalho de repetir aqui a relação de músicas (são tantas que me dá até preguiça). Tá na capa!

 

Instrumental – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 35 (2012)

Chegamos à trigésima-quinta edição do meu, do seu, do nosso Grand Record Brazil. Nesta semana, apresentamos mais uma seleção do melhor do “easy listening” tupiniquim, ou seja, a nossa música instrumental.

Para começar, apresentamos raridades executadas por um violonista que deixou sua marca na história de nossa música popular: Américo Jacomino, o Canhoto (São Paulo, 1889-idem, 1928). Filho de imigrantes napolitanos, ele foi um dos responsáveis pelo “enobrecimento” do violão, antes considerado um instrumento de menor importância, dizia-se até que só marginais faziam uso do mesmo. Tocava com a mão esquerda, daí o apelido de Canhoto. Sua peça mais conhecida, a valsa “Abismo de rosas”, foi por ele gravada pela primeira vez em 1916, com o nome “Acordes do violão”, recebendo o nome que a consagrou em 1925, numa execução bem mais lenta e elaborada. Canhoto morreu prematuramente, aos 39 anos de idade, por problemas cardíacos. Aqui, duas autênticas preciosidades da fase mecânica de gravação, ambas valsas, gravadas entre os dias 16 e 26 de junho de 1913 pela lendária Casa Edison, selo Odeon, e de autor desconhecido: “Adeus, Helena”, com o grupo do violonista, número 120600, e “Lágrimas de amor”, com Canhoto integrando o Grupo dos Chorosos, disco 120624, matriz SP.36. Esses dois registros fizeram parte da primeira série de gravações paulistas da Casa Edison, que teve um total de 82 matrizes!

Instrumentista, cantor, compositor e maestro, o carioca João Thomaz de Oliveira, aliás J. Thomaz (c.1900-ant.1964) costumava reger suas orquestras de luvas brancas, isso porque, quando ele era baterista, queimou as mãos ao soltar um foguete numa festa de São João. E nada sabia de música! Dele apresentamos o disco Victor 33460, gravado em 28 de julho de 1931 e lançado em setembro do mesmo ano, com dois maxixes. Abrindo-o, a matriz 65203 apresenta  “Levanta, meu nêgo”, de autoria do mestre Pixinguinha. No verso, matriz 65202, uma composição do próprio J. Thomaz em parceria com Sátiro de Melo, “Vê se pode”.

A carioca Carolina Cardoso de Menezes (1916-1999) fazia parte de um clã de ilustres pianeiros, sendo filha de Oswaldo Cardoso de Menezes e da dona Sinhá, que também tocavam, é claro. Carolina começou a estudar piano aos 13 anos, e chegou a ter aulas até mesmo com Chiquinha Gonzaga. Mesmo com idade avançada e problemas de saúde, apresentou-se em recitais até falecer, em 31 de dezembro de 1999. Aqui, Carolina, acompanhada de grupo rítmico, nos brinda com sua arte tão pianística e brasileira com as faixas do disco Odeon 13611, gravado em 20 de outubro de 1953 e lançado em março de 54. No lado A, matriz 9938, o choro “Uma farra em Campo Grande”, de autoria de outro pianista de renome, Romualdo Peixoto, o Nonô, tio dos cantores Cauby Peixoto e Ciro Monteiro, e por ele próprio lançado em 1932. No verso, matriz 9939, um baião de autoria dela própria, “Vem cá, meu amor”.

O paraguaio Luiz Bordón (1926-2006) recebeu incentivo de seus pais desde a infância para dedicar-se à música. Com sua harpa, fez apresentações no Paraguai e no Brasil (onde residiu por vários anos), e seu álbum mais famoso é “A harpa e a cristandade”, com músicas de Natal, editado em 1960 e que mereceu um segundo volume cinco anos depois. Residiu por três anos nos EUA e voltou ao Paraguai, onde morreu aos 80 anos. Aqui, apresentamos o disco Chantecler 78-0238, lançado em março de 1960, que abre com o clássico “Baião de dois” (o arroz com feijão no Ceará), de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, matriz C8P-475, originalmente lançado por Emilinha Borba em 1950. No lado B, matriz C8P-476: uma versão, em ritmo de tango, da marchinha “Me dá um dinheiro aí”, dos irmãos, Homero, Ivan e Glauco Ferreira, hit do carnaval daquele ano na voz de Moacyr Franco, e inspirada no mendigo por ele interpretado na “Praça da Alegria”, na TV. Ambas as gravações também chegaram ao LP, afinal era uma época de transição de formatos: “Baião de dois” saiu em “Harpa paraguaia em hi-fi – volume 3”, e “Me dá um dinheiro aí” em “Recordando carnavais”.

Um dos maiores ‘bandleaders’ brasileiros, o paulistano Sylvio Mazzuca (1919-2003) também foi pianista e exímio executante de vibrafone. Sua orquestra, nos anos 1950/60, era a mais solicitada para animar bailes e festas em São Paulo, além de também se exibir em bailes de formatura no Rio de Janeiro. Continuou atuando até meados dos anos 1990, viajando pelo país a bordo de um ônibus especialmente adaptado. De Mazzuca e sua prestigiadíssima orquestra apresentamos o disco Copacabana 5145, lançado em agosto-setembro de 1953. De um lado, o fox-slow “Limelight”, matriz M-554, composição de Charles Chaplin incluída em seu filme de mesmo nome, o famoso “Luzes da ribalta” no Brasil (só foi lançado nos EUA em 1972, pois Chaplin estava incluído na lista negra do macartismo). No verso, matriz M-555, um choro do próprio Mazzuca, “Travesso”.

Para terminar, apresentamos dois clássicos do mestre Zequinha de Abreu (Santa Rita do Passa Quatro, SP, 1880-São Paulo, 1935), executados pela Orquestra Colbaz, com piano e regência do maestro Gaó (Odmar Amaral Gurgel, 1909-1994), paulista de Salto. Os demais integrantes eram Jonas Aragão (clarineta), Zé Carioca (violino), Petit (violão), José Rielli (acordeão) e Atílio Grany (flauta).  Colbaz era o endereço telegráfico da gravadora Columbia do Brasil, que lançou esse disco em junho-julho de 1931 com o número 22029. Abrindo-o, matriz 381027, a bela valsa “Branca”, que Zequinha compôs em homenagem à filha do chefe da estação ferroviária de Santa Rita, então com 13 anos de idade, e a quem muito admirava, “a gentil senhorita Branca Barreto”, nome dado inclusive a pedido do chefe da estação, muito amigo do compositor. O verso, matriz 381028, é o famoso “choro sapeca” “Tico-tico no fubá”, mundialmente conhecido e gravado inúmeras vezes. Foi composto em 1917 como “Tico-tico no farelo”, e lançado por Zequinha durante um baile animado por sua orquestra. Mas já havia outra música com esse nome, daí o farelo ter sido trocado pelo fubá. Esse disco permaneceria em catálogo por vários anos, e teve outras edições: pela mesma Columbia, com o número 55038, e pela Continental, com o número 15004. E encerra a edição desta semana do GRB, que certamente proporcionará momentos muito agradáveis de recordação e enlevo. Aproveite!

TEXTO DE SAMUEL MACHADO FILHO.

Leny Eversong – A Internacional (1959)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Quanto mais links de REPOST eu envio para o GTM, mais pedidos me aparecem. Peço aos que ainda não foram atendidos que tenha paciência. Milagres, eu só faço de vez em quando!

Para fechar bem o domingo, eu trago para vocês a super cantora, Leny Eversong. Acho curioso como a mídia esqueceu-se dela. Pelo menos eu nunca vejo as rádios, tvs, revistas e jornais falarem mais dela. Se fosse apenas uma cantora mediana, ainda vá lá. Mas estamos falando aqui é da ‘internacional’. Uma grande cantora brasileira que fez sucesso aqui e lá fora – Europa, Estados Unidos e América do Sul. Pode parecer bobagem minha, mas eu a apontaria como o Cauby Peixoto de saias (ou vice versa). Interpretações magistrais, cantando em vários idiomas e cantando bem, diga-se ainda de passagem. Neste álbum, lançado pela RGE em 1959, iremos encontrar gravações da cantora feitas na França para o selo Vogue. Nesta seleção ela canta em até quatro idiomas, num repertório de sucessos internacionais, acompanhada pela orquestra de Pierre Dorsey. Um bom disco, eu recomendo 😉

au bleu du ciel bleu

i want to be happy

gitano (olivia y cristal)

carmelita

fascination

ça c’est lamour

granada

esmagando rosas

veronique

stormy weather

swing low, sweet chariot

solitude

Miltinho – Miltinho E A Seresta (1970)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Embora não seja o disco de hoje um ‘álbum de gaveta’, ele acabou ficando por conta de uma espera de postagem que nunca chegou. Esqueci dele completamente e agora, procurando o que postar, eis que trombo com o dito cujo, hehehe…

Hoje, então, vamos com o Miltinho em um lp Odeon, lançado em 1970. O título, direto e simples, já diz tudo. Temos o nosso cantor interpretando em seresta doze clássicos da MPB. Na linha do mais tradicional, Miltinho vem acompanhado pelo Regional do Canhoto, o que dá ao trabalho um caráter ainda mais autêntico. Um belíssimo lp que não precisa de hora para se ouvir. Basta pedir… 😉

no rancho fundo

malandrinha

queixumes

três apitos

deusa da minha rua

se tu soubesses

última inspiração

foi ela

modinha

arranha céu

boneca

quem há de dizer

The Lovers – Lovers Vol. 2 (1961)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados de plantão. Estou vendo que em breve precisarei fazer novas mudanças neste blog. Me refiro à questão do acesso ao Toque Musical tendo de contrapeso o GTM. Tenho a impressão de que o envio de links por e-mails tem deixado muita gente acomodada, quietinha, esperando eu levar de bandeja. Por essa e por outras, estou pensando em configurar o Grupo apenas para acesso, sem envio de links por e-mail. Talvez até eu venha a colocar novamente os links como antigamente, na seção de comentários da postagem. Fiquem atentos, pois essas mudanças poderão ocorrer sem um novo aviso prévio. Eu não vou ficar repetindo, ok? Sei que aqueles que me acompanham de verdade, não terão muitas dúvidas. O GTM continua, mas será apenas para concentrar informações, um canal alternativo e de emergência para que a gente não se perca no caminho, ok?

O calor continua e a dança também. Segue no clima um belo e interessante álbum lançado no início dos anos 60 pelo selo Nilser. Para quem não sabe, embora eu já tenha comentado isso em outra postagem, Nilser é a junção das duas primeira sílabas do nome Nilo Sérgio. Este foi outro selo criado por ele, um projeto paralelo à Musidisc, onde o músico empresário primava por uma alta qualidade de som, com gravações modernas e estéreo. Um luxo da época, que contava ainda com encartes muito bem produzidos, de capas duplas e diferenciadas. Pelo selo Nilser saíram poucos discos, sendo os primeiros lançamentos a série “Lover”, que pela capa nos dava a entender que fosse um disco internacional cujo o conjunto se chamaria “The Lovers”. Mal sabia o público e poucos ainda saberão que por traz desses “The Lovers” (três volumes) estava o Ed Lincoln e seu conjunto. Aliás, o Ed Lincoln foi um dos artistas que mais gravou usando pseudônimos!

Eu deveria começar esta mostra pelo volume 1. Acontece que, no momento, eu só tenho esse. Mas para frente a gente volta trazendo os outros dois. Aqui, como se pode ver logo a baixo, vamos encontrar um repertório totalmente internacional com características que ressaltam as qualidades da gravação. Se gostaram do volume 2, com certeza vão gostar do 1 e 3. Mas esses ficam para uma próxima oportunidade, ok?

 

it had to be you

i love you

i’ll see youi in my dreams

bye bye blackbird

tender is the night

amado mio

ebb tide

bolero

dans mon ile

tu, mi delírio

autumn love song

el manisero

the dream of olwen

 

Chiquinho E Seu Conjunto – Dançando No Rio (1958)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Com o calor que anda fazendo por aqui, eu hoje não estou nem um pouco animado a fazer postagem. Por mim, passaria o dia numa rede, só no suco 🙂 Ia mesmo deixar o 13 de setembro passar em branco, mas como não é lá nenhuma data especial, vamos em frente, tentando manter o ritmo…

Não foi por acaso que eu hoje escolhi este raro lp do Chiquinho do Acordeon. Para dar uma refrescada, acho que ele vai cair bem. Traz uma sonoridade bem particular, com seu conjunto formado apenas de piano, contrabaixo, guitarra elétrica, bateria e o acordeon, claro! Não consegui identificar ao certo a data de lançamento deste álbum, mas creio, pelo repertório, que deve ser de 1958 ou 59. Apesar do estado um tanto lastimável do disco, eu fiz questão de digitaliza-lo, pois se trata de um trabalho que vale ser conferido. Como convinha à época, feito para dançar, em seis faixas recheadas com ‘hits’ nacionais e internacionais. Destaque para “Se todos fossem iguais a você”, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes.

pois é

recado de olinda

o apito no samba

if you can dream

if i loved you

c’est magnifique

quero te assim

quem foi que prometeu

calypso (high society)

não me diga adeus

esquina da saudade

vem meu amor

invitation

i love paris

an affair to remember

se todo fossem iguais a você

nereidas

pé de chumbo