Guilherme De Brito (1980)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Acabei de chegar cansado e sem a menor condição de fazer qualquer coisa que não seja dormir. Estou um bagaço! Esta postagem vai por honra da firma. E que honra! Trago para vocês um disco do grande poeta do samba, Guilherme de Brito. Este, creio eu, dispensa comentários. Parceiro de outro grande, Nelson Cavaquinho. Autor de pérolas que são sempre relembradas e neste lp, nós iremos comprovar isso. Se não me engano, este foi o primeiro disco gravado por ele! Guilherme sempre apareceu por trás das cortinas, mais como compositor do que como intérprete. Aliás, é bom lembrar, intérpretes para as suas músicas é que nunca faltou. Desculpem, mas Morfeu me chama… Zzzz…

me esquece

minha paz

a flor e o espinho

minha solidão

meu dilema

pranto de poeta

quando eu me chamar saudade

rosa do mato

mulher sem alma

traço de união

folhas secas

o bem querer

Guerra Peixe E Seus Músicos – Sambas Clássicos (1962)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! E o calor continua pegando por aqui. Por isso vou ser breve. Breve e generoso. Aqui vai um disco bem aos moldes do Toque Musical e bem ao gosto do Augusto 🙂 Trago hoje para vocês este excelente lp lançado pelo selo Chantecler, em 1962. Um belíssimo álbum esquecido na poeira do tempo e até onde eu sei, nunca postado em qualquer outro blog. Certamente, muita gente aqui vai querer conhecer. Temos o maestro e compositor Guerra Peixe em um de seus momentos de aventura pela música popular e desta vez sem usar pseudônimos! Não sei se os amigos sabem, mas Guerra Peixe costumava usar outros nomes quando não estava atuando como músico erudito. O mais conhecido era Jean Kelson, ou Orquestra Jean Kelson. Eu, inclusive, acho que tenho um disco dele. Vou procurar… Mas aqui neste “Sambas Clássicos” a coisa é ainda melhor. É música essencialmente brasileira. É samba! Guerra Peixe nos apresenta uma seleção de doze sambas nota 10, realmente clássicos indiscutíveis, em arranjos espetaculares. Um disco para se ouvir várias vezes. Imperdível! Vamos ver quem vai ser o primeiro a solicitar a jóia 🙂

ai que saudade da amélia

agora é cinza

não tenho lágrimas

implorar

foi ela

pelo telefone

helena helena

o orvalho vem caindo

não me diga adeus

adeus

até amanhã

cadê vira mundo

 

 

Vários Cantores – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 41 (2012)

E chegamos à quadragésima-primeira edição do meu, do seu, do nosso Grand Record Brazil. Desta vez, apresentamos uma seleção de sambas, do acervo do blog Coisa da Antiga (http://coisadaantiga.blogspot.com.br), pertencente ao grande Ary do Baralho, dono de um autêntico tesouro do gênero, cheio de raridades absolutas. A você, Ary, os nossos mais sinceros agradecimentos.
Esta seleção, com doze preciosas gravações, dá bem uma ideia do que o Ary tem no Coisa da Antiga, autênticas joias do samba. E começamos com o carioca Moreira da Silva (1902-2000), o eterno rei do samba de breque, de vida (98 anos) e carreira lôngevas. O eterno Kid Morenguera se faz presente através do disco Columbia 22165, lançado em dezembro de 1932, com vistas ao carnaval de 33. A faixa de abertura, matriz 381362, apresenta este que foi o primeiro grande sucesso do Moreira: “Arrasta a sandália”, de Aurélio Gomes e Osvaldo Vasques, este último conhecido como Baiaco (Rio de Janeiro, c.1913-idem, c.1935), ritmista e um dos fundadores da primeira escola de samba, a Deixa Falar, no bairro carioca do Estácio. Entoado num esquema pergunta-resposta típico do partido alto, caiu no agrado popular e tornou-se um clássico. No verso, matriz 381363, outra composição do Baiaco, agora em parceria com Ventura: “Vejo lágrimas”.O acompanhmento neste disco é do grupo Gente do Morro, liderado por Benedito Lacerda, com sua flauta inconfundível.
Patrício Teixeira (1893-1972) era também carioca, da Rua Senador Eusébio, no coração da lendária Praça Onze, autêntico reduto de sambistas e boêmios, e onde aconteciam os desfiles da escolas de samba cariocas até sua demolição, para dar lugar à Avenida Presidente Vargas. Cantor e violonista, também foi professor de violão, e entre suas alunas mais famosas estão Linda Batista, Aurora Miranda e as irmãs Danusa e Nara Leão. Dele apresentamos, inicialmente, outra composição de Osvaldo “Baiaco” Vasques, em parceria com o grande flautista Benedito Lacerda: “Tenho uma nêga”, gravação Victor de 14 de novembro de 1932, lançada em dezembro seguinte com o número 33600-B, matriz 65535, também para a folia de 1933. Em seguida, de Max Bulhões e Mílton de Oliveira, outro samba bastante conhecido: “Sabiá-laranjeira” (“ouvi teu cantar bem perto”…), de Max Bulhões e Mílton de Oliveira, gravação Victor de 13 de maio de 1937, lançada em agosto seguinte com o número 34137-B, matriz 80404. Apesar de ser o outro lado do clássico “Não tenho lágrimas”, dos mesmos autores, este “Sabiá” também fez sucesso, e ambas as músicas seriam bastante cantadas no carnaval de 1938.
No disco seguinte, o Columbia 22238, de 1933, mais uma vez Osvaldo Vasques, o Baiaco, se faz presente, com dois sambas interpretados em dueto por Léo Vilar (futuro líder do conjunto vocal Anjos do Inferno) e Arnaldo Amaral (que também foi galã de cinema): de um lado, matriz 381527, “Rindo e chorando”, parceria de Baiaco com Bucy Moreira (1909-1982), neto da Tia Ciata, em cuja residência aconteciam rodas de samba na qual se reuniam autênticos bambas da MPB no início do século XX, como Pixinguinha, Donga e João da Baiana. Bucy também fundou uma escola de samba de nome pitoresco: Vê se Pode! No verso, matriz 381526, “Se passar da hora”, em que Baiaco tem a parceria de Boaventura dos Santos.
Relembramos depois o grande Ciro Monteiro (1913-1973), o “cantor das mil e uma fãs”, também conhecido como “Formigão”, sem dúvida um dos maiores expoentes de nosso samba, com uma carreira repleta de sucessos. Ele comparece aqui com dois sambas de Djalma Mafra (Rio de Janeiro, c.1900-idem, 1974), gravados na Victor: “Obrigação”, parceria de Djalma com Alcides Rosa, registrado em 3 de maio de 1945 e lançado em julho seguinte sob n.o 80-0294-B, matriz S-078163, e “Oh seu Djalma”, parceria de Mafra com Raul Marques (1913-1991), gravado em 13 de outubro de 1943 e lançado em dezembro seguinte com o n.o 80-0138-A, matriz S-052856.
Apresentamos em seguida duas composições de Geraldo Pereira (Juiz de Fora, MG, 1918-Rio de Janeiro, 1955), responsável por clássicos como “Falsa baiana”, “Sem compromisso”, “Escurinha” e “Escurinho”, interpretadas por Roberto Paiva (pseudônimo de Helim Silveira Neves). Primeiro, “Se você sair chorando”, de Geraldo com Nélson Teixeira, gravação Odeon de 26 de setembro de 1939, lançada em novembro seguinte com o n.o 11788-B, matriz 6206, visando ao carnaval de 1940. Depois Roberto canta “Tenha santa paciência”, parceria de Geraldo com Augusto Garcez, em gravação Victor de 6 de março de 1942, lançada em maio seguinte, disco 34923-A, matriz S-052489.
Para encerrar, o notável Otávio Henrique de Oliveira, aliás, Blecaute (Espírito Santo do Pinhal, SP, 1919-Rio de Janeiro, 1963), detentor de inúmeros êxitos no meio de ano e no carnaval (quem nunca cantou “Maria Candelária”, “General da banda”, “Papai Adão”, “Pedreiro Valdemar” e tantas outras?), e que recebeu esse apelido do Capitão Furtado (Ariowaldo Pires), por causa dos blecautes (apagões) que havia em toda a orla marítima do Brasil na época da Segunda Guerra Mundial durante a noite, a fim de evitar ataques inimigos. Blecaute aqui comparece com dois clássicos de Geraldo Pereira, gravados na Continental: Primeiro o delicioso “Chegou a bonitona”, de Geraldo com José Batista, gravado em 11 de agosto de 1948, com lançamento entre outubro e dezembro do mesmo ano, disco 15954-A, matriz 1922. Depois outro clássico do Geraldo Pereira, agora em parceria com Arnaldo Passos, o famoso “Que samba bom”, lançado em janeiro de 1949 para o carnaval daquele ano com o número 15981-B, matriz 2002. Um fecho realmente de ouro para esta sambística seleção do GRB, para enriquecer os acervos de muitos amigos cultos, ocultos e associados. E olha: pretendemos aproveitar muito mais coisas do blog Coisa da Antiga, pois o Ary do Baralho tem bastante coisa boa nele. Aguardem!
Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.

Candeia – Seguinte…: Raiz Candeia (1971)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Não sei como anda a temperatura aí para o lado de vocês, mas por aqui tá bravo! Só gosto dessa temperatura quando estou de férias e preferencialmente na praia, tomando uma gelada.

Hoje o nosso toque musical é de samba. Samba de raiz. Samba de Candeia. Mais uma vez temos o prazer de ter em nosso blog o grande sambista Antonio Candeia. Trago para vocês um disco até já bem rodado em outros blogs. Mesmo assim, faço questão de tê-lo também em nossa lista de toques musicais. O presente lp foi lançado em 1971. Uma das excelentes produções de Oswaldo Cadaxo e seu selo Equipe. Este álbum voltaria a ser relançado em 1976 com o nome de “Filosofia do Samba”, tendo inclusive alterada a ordem original das faixas. Saiu pelo selo Padrão com algumas alterações também na capa. Foi lançado também em cd, caso alguém aqui esteja interessado. Trata-se de um disco clássico de samba. Sua audição é obrigatória! Vão daí que eu de cá vou também… tomar mais uma Becker da série 3 Lobos. Bão demais!

vem é lua

filosofia do samba

silencia tamborim

saudade

hora e a vez do samba

saudação a tôco preto

vai pro lado de lá

regresso

de qualquer maneira

imaginação

minhas madrugadas

quarto escuro

João Dias – Mais Moderno & Mais Romântico (1968)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! O calor por aqui está pegando. Não consigo ficar muito tempo na frente do computador, parece que o calor aumenta. Estou doido para sair e tomar uma cerveja. Hoje tá valendo 🙂

Antes, porém, deixo aqui mais um disquinho para quem escuta música com outros olhos. Este eu escolhi no acaso. Vamos com o cantor João Dias. Lembram-se dele? Com certeza muitos aqui devem lembrar. Foi descoberto por Francisco Alves no final dos anos 40 e o levou para gravar no Rio de Janeiro. A década seguinte foi seu período de maior atuação. Gravou diversos discos em 78 rpm e emplacou outros tantos sucessos. Na década de 60 passou a gravar em dueto com a Dalva de Oliveira. Esteve também nessa época envolvido com em associações de proteção ao direito dos compositores e intérpretes. Ao que parece, deixou de gravar na década seguinte. “Mais romântico e mais moderno”, acho que foi um de seus últimos trabalhos. Na verdade eu até já postei dele aqui um outro disco, de 1979, interpretando canções de Adelino Moreira e Lupicínio Rodrigues. Neste, lançado em 68 pela Odeon, temos o cantor interpretando uma leva de versões da música romântica internacional. Vamos conferir?

la la la

o meu lugar

meu mundo

leila

a cerca

novamente livre

perdido pela noite

a fonte

tem que ser ela

longe do mundo

tonto

uma casa sobre o mundo

Ted Moreno – Sambas Que A Vida Escreveu (1960)

Olás! Noite encalorada. Sexta feira boa para se tomar uma cervejinha. Vamos nessa?

Então, vou mandar brasa aqui para não demorar.

Nosso encontro hoje é com o cantor, compositor e maestro Ted Moreno. Este artista esteve atuante durante os anos 50 e 60. Começou como cantor romântico, depois tornou-se maestro, trabalhando com orquestras da Rede Globo. Não há muita informação sobre ele na Rede, além de anúncios de venda de discos. Inclusive nos ‘sites enciclopédias’ de música brasileira, seu nome é apenas citado.

Bom, mas falando aqui do disco, que beleza é este álbum. Lançado em 1960 pela gravadora Continental, temos nele um repertório de sambas canção da melhor qualidade, alguns inclusive de autoria do próprio Ted Moreno. Vale a pena conferir 🙂

samba que a vida escreveu

carinho e amor

onde estava eu

enquanto houver amor

mestre vicente

mulher, simples mulher

um nome de mulher

lamento no morro

o amor e a rosa

mundo mau

mudemos de assunto

a banca do distinto

céu e mar

Rádio JB – A História De 67 Em Música E Informação (1969)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Desculpem, mas hoje eu estou excessivamente irritado. Não fosse por honra da firma, eu já teria chutado o balde, deixando o nosso diário fonomusical em falta. Acho que estou assim meio que por conta desse maldito horário de verão. Parece que não dar tempo de fazer nada. Merda!

Vou assim puxando na sorte um ‘disco de gaveta’ e por acaso mesmo o sorteio acabou trazendo um disco curioso. Como todos podem ver, trata-se de um disco especial. Um lançamento promocional da Rádio Jornal do Brasil, fazendo uma retrospectiva do ano de 1967 em música e informação. Podemos observar também que este é o volume 5, o que nos leva a crer que desde 1962 a Rádio JB vem fazendo esses discos. Eu só conheço esse de 1967. Aliás, deve ter sido lançado em 1968, ou quem sabe até alguns anos depois, reunindo gravações de momentos históricos pelo mundo. Vou deixar vocês aqui pedindo para recordar 67. Quem for saudosista, dê o toque. Amanhã mesmo eu subo o link para o GTM.

Deixa eu agora ir dormir, ou tentar, nesse calor infernal. Continuo suando em bicas…

Orquestra Serenata Tropical – Beguine Solamente Beguine

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Que calor está por aqui! De suar em bicas. Para piorar, tem também o tal de horário de verão. Olha aí, o tempo passou e já está quase na hora de dormir e eu ainda não fiz a metade das coisas que precisava fazer…

Para dar uma relaxada, eu estou trazendo aqui mais um disco da Orquestra Serenata Tropical. No álbum apresentado anteriormente, eu até então pouco soube informar sobre quem era a orquestra, parti até para suposições. Mas creio que nesta segunda apresentação iremos esclarecer os pontos obscuros. Descobri que a Orquestra Serenata Tropical era comandada por Henrique Gandelman, pai do saxofonista Leo Gandelman. Henrique Gandelman era advogado, maestro, violonista e diretor artístico da gravadora CBS. Foi também o idealizador e diretor do selo Plaza Discos, onde lançou outros dois discos de sua orquestra: “Boleros Solamente Boleros” e “Rumbas Solamente Rumbas”. Completando a trilogia a OST vem na sequência com o “Beguine Solamente Beguine”. Um álbum muito bom. Gostoso mesmo de ouvir e até dançar, porque não? Um repertório internacional, dentro de uma roupagem rítmica muito bem definida e apreciada naquela época. Ao que parece, houve até um segundo volume, mas eu não o conheço.Sem data localizada, volto à suposição, creio que este lp foi lançado no início dos anos 60. Quer conhecer? Dá um toque. Pelo jeito, vão pedir também um novo link para o disco anterior. Vou ficar aguardando alguma manifestação 😉

never on sunday

la novia

béguin the beguine

sonho de amor

lês feuilles mortes

amapola

la violetera

exodus

solamente una vez

concerto nº 1

estrellita

tua

Evinha (1970)

Olá amigos cultos e ocultos! Vou deixar de lado o ‘associados’, pois na verdade, tanto o culto quanto o oculto são geralmente associados. Aliás, essa nossa ‘associação’ está mais para tipos ocultos que cultos. Mas tudo bem. Enquanto eu estiver recebendo um ‘feed back’ as coisas seguem num ritmo. Dando uma limpeza no blog, descobri uma infinidade de ‘spam’ e outra mensagens que eu nunca cheguei a receber. O filtro deste blog é poderoso. Fiquei surpreso ao ver centenas de mensagens de propagandas que foram enviadas nos últimos tempos. Haviam até coisas interessantes e comentários de solicitantes. Mas se caíram na pasta de spam, eu nem cheguei a ver. Já vou até avisando, se enviarem mensagens nos Comentários onde tenham palavras chaves, tipo ‘http://’, ‘casino’, ‘sex’, ‘viagra’ e outros da mesma natureza – estarão perdendo tempo, pois será entendido como ‘spam’.
Hoje nós iremos com a Evinha. Lembram dela? Claro que sim. Todos lembram, exceto eu que ao ouvi-la durante a digitalização deste disco ainda não havia percebido a grande cantora que ela é. Realmente, não foi por sorte ou acaso que ela foi recrutada por Paul Mauriat, se tornando uma espécie de ‘crooner’ de sua orquestra. Tá sumida. Há tempos não escuto falar dela, mas tenho certeza que se fizer uma busca no Google vou encontrar respostas rápidas. Mesmo assim, prefiro deixar a pergunta em aberto, na expectativa de que os amigos participem mais nos comentários.
O presente álbum da Evinha é talvez um dos seus melhores trabalhos. Um disco recheado de boas músicas que marcaram uma época. Gostaria também de destacar a interpretação da cantora na música “Something”, de George Harrison, onde ela nos mostra o tamanho de sua versatilidade vocal. Lançado em 1970, este foi o seu segundo disco solo. Como todos devem saber, Evinha fazia parte do Trio Esperança. Iremos encontrar aqui as seguintes canções:
tema de eva
something
agora
até outro dia
cavaleiro de papel crepon
pense duas vezes
abrace paul mccartney por mim
setembro
em transito
pela cidade
meu rumo

Várias Cantoras – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 40 (2012)

As vozes femininas sempre têm lugar reservado no Grand Record Brazil. E nesta quadragésima edição não poderia ser diferente, posto que temos mais uma compilação dedicada às cantoras, com 14 faixas.

Relembramos, mais uma vez, para começar, Aracy Cortes (Zilda de Carvalho Espíndola), nascida (31/3/1904) e falecida (8/1/1985) no Rio de Janeiro, filha de um “chorão”, Carlos Espíndola, e que morou até os 12 anos no bairro do Catumbi, onde teve um ilustre vizinho: nada mais menos que Pixinguinha. Foi Luiz Peixoto quem a descobriu, quando ela se apresentava no Circo Democrata interpretando e dançando maxixes, e seu nome artístico lhe foi dado por Mário Magalhães, crítico teatral do jornal “A Noite”. Sua estreia em teatro deu-se em 1921, na revista “Nós, pelas costas”. Em disco, suas primeiras gravações saíram em 1925, ainda no processo mecânico. Entre os anos 1950/60 afastou-se do meio artístico, voltando em 1965 no histórico show “Rosa de ouro”, produzido por Hermínio Bello de Carvalho e Kleber Santos, onde também atuavam Paulinho da Viola e Elton Medeiros, entre outros. Aracy aqui comparece com três ótimas faixas: “Você não era assim”, samba de Ary Barroso e Aricles França, lançado pela Odeon em junho de 1930 (10619-A, matriz 3592), mais os clássicos “Jura”, samba de Sinhô que ela mesma lançou na revista “Microlândia” (Parlophon 12868-A, lançado em novembro de 1928, matriz 2071) e “Iaiá”, que ficou mais conhecido como “Ai, Ioiô”, e é considerado o primeiro samba-canção brasileiro (Parlophon 12926-A, lançado em março de 1929, matriz 2366). Com música de Henrique Vogeler, teve antes duas letras: por Cândido Costa (“Linda flor”) e Freire Júnior (“Meiga flor”), mas a que pegou mesmo foi esta, assinada pelo descobridor de Aracy, Luiz Peixoto, e Marques Porto, e que ela também cantou na revista “Miss Brasil”. Nas três faixas, a cantora é acompanhada pela orquestra do palestino Simon Bountman, que tinha diversos nomes: Pan American, Copacabana, Simão Nacional Orquestra,  Orquestra Parlophon, todas na verdade a mesmíssima orquestra. Quando gravava na Columbia, aparecia nos selos como “Simão e sua Orquestra Columbia”.

Elisa de Carvalho Coelho (Uruguaiana, RS, 1909-Volta Redonda, RJ, 2001) era filha de um tenente do Exército e da jornalista e escritora Acy Carvalho, que redigia a seção feminina de “O Jornal”, matutino carioca. Passou a infância e a adolescência em Florianópolis, considerando-se por isso catarinense. Ao voltar para o Rio, cantava acompanhando-se ao piano em reuniões familiares nas quais compareciam jornalistas e poetas, amigos de seu pai. Numa dessas reuniões, em 1929, foi convidada pelo diretor da Rádio Clube do Brasil, um coronel amigo de seu pai, para apresentar-se lá, e agradou logo de saída. Excursionou pela Bahia e pelo restante do Nordeste em 1930, ao lado do compositor Hekel Tavares, passando a interpretar composições suas. Em 1935-36 esteve por duas vezes na Argentina e no Uruguai, e atuou no rádio até o final dos anos 1940. Era mãe do jornalista e apresentador de TV Goulart de Andrade, aquele do bordão “Vem comigo”, e sua discografia, gravada entre 1930 e 1934, compreende 15 discos com 30 músicas. Desse repertório, o GRB apresenta duas gravações Victor: o samba-canção “Tenho saudade”, de Ary Barroso (disco 33480-A, gravado em 14 de julho de 1931 e lançado em novembro do mesmo ano, matriz 65195), e a toada “Ciúme de caboca” (no mais puro caipirês), de  Josué de Barros, descobridor de Cármen Miranda, e Domingos Mangarinos, gravação de 11 de junho de 1930, porém só lançada em agosto de 31 (disco 33444-A, matriz 50308).

Por falar na luso-brasileira Cármen Miranda (Maria do Carmo Miranda da Cunha, Marco de Canavezes, Portugal, 1909-Los Angeles, EUA, 1955, ela aqui comparece com outra composição de Ary Barroso, o samba “Nosso amô veio dum sonho”, gravação Victor de 10 de março de 1932 lançada a toque de caixa (disco 33537-A, matriz 65404). Na verdade, já tinha sido gravada como canção por Gastão Formenti, em 1930, como canção e o nome de “Teus óio”, tendo sido a primeira composição do mestre de Ubá, feita quando ele tinha seus quinze anos, com o título “De longe”. O estribilho e a melodia são iguais, mas a segunda parte é diferente.

Olga Praguer Coelho (Manaus, AM, 1909-Rio de Janeiro, 2008), pertencente à gloriosa dinastia das cantoras-folcloristas, e com vitoriosa carreira internacional, comparece aqui com três faixas gravadas na Victor: o ponto de macumba “Estrela do céu”, por ela própria adaptado (disco 34325-B, gravado em 30 de julho de 36 mas só lançado em junho de 38, matriz 80182), a modinha “Mulata”, também chamada de “Mucama” ou “Mestiça”, versos de Gonçalves Crespo e autor da melodia desconhecido (lado A desse mesmo disco, gravado em 22 de abril de 1936, matriz 80137) e a modinha “Róseas flores”, adaptação da própria Olga (disco 34042-A, gravado em 29 de novembro de 1935 e só lançado em abril de 36, matriz 80024).

Laís Marival, paulista de Taquaritinga (1911-?),  deixou uma discografia escassa: apenas 7 discos com 14 músicas, todos pela Columbia, futura Continental, entre 1936 e 1938. Dela, aqui está uma música de seu segundo disco, o de número 8210-B, matriz 3314, de 1936: é o samba “Cada um dá o que tem”, de autoria de Raul Torres, grande expoente da chamada música caipira ou sertaneja de raiz, mas que também era de samba.

Autêntica “garota de Ipanema” por sua origem (foi eleita miss desse bairro em 1929), a carioquíssima Laura Suárez (1909-c.1990), também atriz de teatro (no qual atuou por mais de meio século) e cinema, só gravou na Brunswick, selo americano que durou menos de dois anos no Brasil:13 discos com 26 músicas: em 1930/31, inclusive com músicas de autoria própria. E é dela mesma o samba que apresentamos aqui, “Você… você”, lançado em setembro de 1930 com o número 10103-A, matriz 500.

Outra cantora-folclorista de carreira internacional, a também carioca Elsie Houston, aqui se apresenta com o samba “Morena cor de canela”, motivo popular adaptado por Ary Kerner (autor também de “Na Serra da Mantiqueira” e “Trepa no coqueiro”, entre outras), em gravação lançada pela Columbia em junho de 1930 sob número 5217-A, matriz 380649. Um mês depois saiu pela Victor o registro de Helena Pinto de Carvalho, sendo o original do cantor Sílvio Salema, um ano antes. A morte prematura de Elsie Houston, aos 40 anos, ainda é um mistério: ela foi encontrada morta em seu apartamento em Nova York, EUA, no dia 20 de fevereiro de 1943, e ainda hoje existem dúvidas se foi suicídio ou assassinato.

A respeito da cantora Neide Martins, quase nada se sabe. Sua escassa discografia compreende seis discos com doze músicas, entre 1937 e 1939, nos selos Victor (dois), Odeon (três) e Columbia (o último). Aqui, um frevo-canção de seu disco de estreia, o Victor 34142-A, gravado em 10 de dezembro de 1936 e lançado em janeiro de 37, matriz 80293: “Que fim você levou?”, do mestre Nélson Ferreira.

Encerrando esta edição, apresentamos a carioca Zezé Fonseca (Maria José González). Nascida em 5 de agosto de 1915, começou sua carreira na “Hora da arte”, do Tijuca Tênis Clube. Em 1932, levada por Paulo Bevilacqua, foi contratada pela Rádio Philips, PRAX, onde apresentava o programa “Fox tarde demais”, depois atuando como produtora de programas femininos na Rádio Cruzeiro do Sul. Integrou a companhia teatral de Procópio Ferreira, atuando com sucesso na peça “Deus lhe pague”, de Joracy Camargo. Abandonou o rádio em 1935, nele reingressando em 1939, através da lendária Rádio Nacional, onde trabalhou por seis anos. Em 1945 foi para a Rádio El Mundo, de Buenos Aires (Argentina), transferindo-se um ano depois, ao voltar ao Rio, para a Globo, passando pela Mayrink Veiga e depois retornando à Nacional, sendo uma das pioneiras da radionovela no Brasil, e uma das melhores atrizes do gênero.. Ficou famosa, a partir de 1942, por manter um tórrido romance com Orlando Silva, cujos altos e baixos causaram sério desequilíbrio emocional no “cantor das multidões”, que se viciou em morfina e afastou-se do meio artístico por alguns anos. Deixou, como cantora, entre 1933 e 1940, sete discos com catorze musicas, os cinco primeiros pela Columbia e os dois últimos pela Victor. Aqui, de seu quarto disco, o Columbia 22224-B, matriz 381502, apresentamos a marchinha “Casar não é pra mim”, de Alberto Ribeiro, lançada para o carnaval de 1933. Zezé Fonseca morreu de forma trágica, em 16 de agosto de 1962, aos 47 anos, durante um incêndio em seu apartamento no Rio.

Enfim, mais uma edição do GRB que por certo ocupará lugar de destaque no acervo de nossos amigos cultos, ocultos e associados!

Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.

Aracy de Almeida, Ismael Silva, Partido Alto E Grupo Mensagem – Show “Samba Pede Passagem” (1966)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Aqui estamos nós neste fim de domingo. O que era para sair logo pela manhã, acabou ficando para agora. Muito bem, hoje temos um disco nota 10. Um álbum que merece constar na lista do Toque Musical.

“O Samba Pede Passagem” é um registro de alguns dos melhores momentos do espetáculo musical de Odulvaldo Vianna Filho e Armando Costa, montado pelo Grupo Opinião no Teatro de Arena, em 1965. Encontraremos aqui um desfile de grandes nomes, a começar por Aracy de Almeida, Ismael Silva e MPB-4 e mais, Carlos Poyares; Conjunto Samba Autêntico, formado por integrantes de escolas de samba; Grupo Mensagem, com Sidney Miller e Luiz Carlos Sá. Tem também o samba de partido alto com o grupo de Bidi (Cidadão Samba de 66) e de quebra, o Regional de Canhoto. Como podemos ver, um encontro memorável, que mereceu ser registrado em disco. O disco inicia com a polêmica Wilson Batista vs. Noel Rosa, sendo as músicas respectivamente interpretadas pelo MPB-4 e Aracy de Almeida. Na sequência vem o Isamel também com o MPB-4, cantado alguns de seus grandes sucessos. O samba pede passagem e vai novamente chamando Noel Rosa, com Aracy de Almeida. Segue o outro lado Carlos Poyares, MPB-4, Grupo Mensagem, Conjunto Samba Autêntico e os partideiros. Realmente, muito bom… Não vou nem ficar chovendo no molhado. Mesmo assim, vou esperar até que alguém peça o guarda chuva.

 

A polêmica Wilson Batista vs. Noel Rosa:

lenço no pescoço

deixa de arrastar

mocinho da vila

palpite infeliz

frankstein da vila

feitiço da vila

vem chegando ismael

eu agradeço – nem é bom falar

antonico

aurora

se eu precisar

adeus… adeus…

diga teu nome

pra me livrar do mal

se você jurar

a razão dá-se a quem tem

aracy contando sobre noel (monólogo)

três apitos

fita amarela

aracy conta a história de cecy (monólogo)

só pode ser você

sonho de carnaval

urubu malandro

samba do povo

homenagem a velha guarda

brincadeira de angola

arquitetura de pobre

missão

de babado

Quinteto Sinter – Alô Dançarinos (1959)

Pois é, meus prezados amigos cultos, ocultos e associados, a situação está crítica! Por alguma razão que eu desconheço, a maioria de vocês não tem conseguido baixar nada pelo Mediafire. Eu também. Só consigo fazer download se estiver logado. Não sei se isso vale para todos os meus links, se for, sinceramente, desisto do Mediafire. Por outro lado, entre os similares, o que melhor me atende é o Rapidgator. Todos os outros serviços que eu conheço são fracos e enchem minha tela de propaganda (isso para não dizer os vírus e coisas do gênero). Optei (temporariamente) por este, mas vejo também que muitos não estão conseguindo realizar o ‘download’. O que fazer? Sinceramente, acho que são vocês quem deve se adaptar ao meu modelo, ou então apresentem alguma alternativa bem fundamentada. Acredito que o problema com o novo servidor está relacionado ao tipo de navegador usado. Fiz um teste aqui e percebi que pelo Explorer do Windows a coisa fica mais lenta. Pelo Safari vai redondinho, tanto para ‘upload’ como para ‘download’. Por enquanto, irei apresentando no GTM duas alternativas, o Rapidgator e o Mediafire. Gostaria que vocês fossem me colocando a par da situação aí do outro lado. Vamos ver o que podemos fazer. Mas vamos fazer isso juntos. Conto, como sempre, com a ajuda de vocês. Quem tiver alguma boa ideia ou entender do assunto, por favor, não se faça de rogado (e se decidir ajudar, por favor, não se mate antes da hora). O acervo a ser apresentado no Toque Musical ainda nem chegou a 10%. Se quiserem conhecer os outros 90, façam por onde, aproximem um pouco mais aqui do velho Augusto TM. Aliás, entendam o Toque Musical como um clube. Façam a recreação, mas também o social, ajudem uns aos outros, pois é assim que nos manteremos firmes em nosso propósito comum. Conto com vocês!

Já que estamos dançando na brincadeira, vamos com um disco apropriado. Alô dançarinos! Alô vovó e vovô, alô titios… Olha aí mais um disco para festa! Vamos com o Quinteto Sinter em um álbum lançado no final dos anos 50. Feito para dançar como era o molde da época. Aqui encontraremos uma seleção de músicas bem conhecidas do público do Toque Musical. Muitas das músicas deste disco já foram apresentadas no TM em versões das mais variadas. Mesmo assim, não deixam de ter aqui uma qualidade musical irreparável. O Quinteto Sinter não deixa por menos. Apesar de não constar os nomes dos integrantes, eu acredito que seja o Zé Menezes e seu conjunto. Alguém aí para dar uma luz? Fala Samuca!

apesar dos pesares

teleco teço

cabuloso

onde estará meu amor

siboney

falemos nós

samba que eu quero ver

frenesi

minha palhoça

canção do mar

nova copacabana

pra esquecer

Expósito E Sua Orquestra – Expósito 67 (1966)

Olá amigos cultos, ocultos e associados! Como todos podem perceber, estamos tendo alguns problemas com os sites de hospedagens de arquivos. Parece que o Mediafire só libera alguns. Ainda não saquei qual é o esquema, mas por conta disso acionei o plano B, usando agora o Rapidgator. Para a minha conexão, este site está até melhor que o Mediafire e me permite enviar até 600 megas, inclusive em arquivos separados e simultâneos. Muito bom! Porém, vi que alguns reclamaram, ou não conseguiram baixar através do novo. Por enquanto, vamos manter esse mesmo. Também não gosto da ideia de ficar mudando, mas aqui a gente acaba aprendendo. É um eterno reciclar…

Deixo hoje para vocês outro disco do misterioso Expósito e sua orquestra. Misterioso talvez não seja o termo apropriado, afinal sua figura e sua história já nos foi revelada em outros discos postados aqui. O álbum da vez foi lançado em 1966, obviamente pensando no ano seguinte. Um repertório misto, cheio de sucessos da música pop internacional e também: “O carango”, de Nonato Buzar e Carlos Imperial, sucesso na voz do Simonal e “Disparada”, de Geraldo Vandré e Theo de Barros, clássico de festivais. O disco mantém a excelência musical, contudo, pessoalmente, prefiro os anteriores postados aqui.

the more i see you

love me, please love me

disparada

strangers in the night

california dreamin’

the shadow of your smile

o carango

fly me to the moon

here, there and everywhere

call me

merci cherie

guantanamera

 

Trio Irakitan – Outros Sambas Que Gostamos De Cantar (1958)

Bom dia, amigos cultos, ocultos e associados! Eu ontem cheguei em casa tão cansado, que ao fazer a postagem, acabei esquecendo de publicá-la. Mas antes que comecem a questionar, agora há pouco, fui logo corrigindo a falha.

Para compensar, vou trazendo um álbum bem bacana. Por certo, já bem divulgado em outros blogs, mas eu não resisti a tentação, afinal é um disco do Trio Irakitan e dos melhores! Além do mais, o disco está novinho, uma tentação para se ouvir e principalmente digitalizar. Ficamos então como o Trio Irakitan cantando uma seleção de sambas de primeira. Lançado em 1958, este lp foi a continuação de um sucesso, “Os sambas que gostamos de cantar”, disco do ano anterior. Realmente, não dava para ficar só no primeiro. Trio Irakitan cantando samba é o que há! Depois deste, acho até que vou também postar o outro também. Aguardem… 😉

praça onze

helena, helena

beija-me

meu consolo é você

fita amarela

arrasta a sandália

nega do cabelo duro

madalena

não tenho lágrimas

o que é que a baiana tem

sandália de prata

quando anoitece

 

Silvana E Rinaldo Calheiros – Ouvindo Te Com Amor (1962)

Boa noite, amigos culto, ocultos e associados! Finalmente em casa, apesar de cansado, com fome e com sono. Mas vamos lá… Enquanto tomo um café, vou também fazendo esta postagem. Pelo que parece, o Mediafire está limitando o acesso aos links. Na medida do possível, irei renovando.

O disco de hoje, foi escolhido meio que no escuro, meio que ‘de gaveta’. Mas, com certeza, vai encontrar aqui olhos e ouvidos interessados.Vamos com Silvana e Reinaldo Calheiros, uma dupla pra lá de romântica, que fez sucesso nas rádios dos anos 60. Ao que tudo indica, em 1962, foi lançado pela gravadora Copacabana um compacto duplo contendo quatro músicas. O lp, creio eu, saiu no mesmo ano. Voltou a ser relançado em 68 e posteriormente em 1975. No álbum temos alguns sucessos como “Amor”, de Antenógenes Silva e Ernani Campos; “Agora é tarde”, de Irany de Oliveira e Altamiro Carrilho, além de versões como, “Onde estás coração?”; “Jura-me” e até “Crying”, de Roy Orbison.

amor

teu casamento

amor, fonte da vida

cantando

jura-me

onde estás coração?

agora é tarde

chorando (crying)

romance

eternamente

Abel Ferreira – Jantar Dançante (1958)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Alguém aqui já sentiu raiva de si mesmo, de se auto esgoelar, puto da vida por alguma burrada? Pois eu, vez por outra me sinto assim. Hoje, então, nem se fala… Vesti uma calça com o bolso furado e já sabia. Coloquei por descuido as chaves do carro nesse bolso e adivinha o que aconteceu? Perdi a bendita da chave. Fui obrigado a deixar o carro na rua, longe de casa (uns 30 km) e voltar de ônibus. PQP! Que ódio isso me deu. Voltei para casa cuspindo marimbondo, puto comigo mesmo. Por estar tão longe, preferi deixar o carro dormir na rua. Agora só amanhã… Para me acalmar, só mesmo ouvindo música. Como ainda não fiz a postagem do dia, vou aqui matando dois coelhos… e diluindo essa raiva.

Vamos com o grande Abel Ferreira e seu conjunto, em um disco raro, lançado pelo selo Continental em 1958. Creio eu que este foi o primeiro lp de 12 polegadas gravado por ele. Aqui encontraremos um repertório bem aos moldes da época, recheado de sambas, choros e ritmos internacionais como a rumba, o fox e o bolero. Tudo seguindo a onda, música para dançar a dois. Mas, longe de ser apenas músicas dançantes, temos aqui um cardápio fino, incluindo também composições do próprio Abel, como “Bôbo alegre”; “Baião no deserto”; “Rmbaraque” e “Sempre você”. Abel Ferreira, além de ser um grande instrumentista foi também um excelente compositor.

Infelizmente, o estado físico deste vinil, cheio de riscos e mais de 50 anos de poeira, me obrigou a dar um trato radical com o Sound Forge, ficando o som um pouco abafado. Mas melhor do que ficar ouvindo algo semelhante a uma panela de frituras. Do jeito que estou hoje, isso me dá nos nervos!

É isso aí… vou anunciar, mas não vou dar o toque agora. Se segura malandro, pra ouvir só se for comentando 😉

i only have eyes for you

é bom parar

baião no deserto

bôbo alegre

rumbaraque

besame mucho

auf’wiedersehn

lamento

quisera

morena boca de ouro

sempre você

ai, que saudades da Amélia

Vários Cantores – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 39 (2012)

E chegamos à trigésima-nona edição do meu, do seu, do nosso Grand Record Brazil. Esta semana, estaremos apresentando seis cantores de prestígio popular, cada um comparecendo com duas gravações.

O primeiro deles é José Alcides Gerardi, nascido na cidade gaúcha de Rio Grande em 15 de maio de 1918. Ainda muito jovem, Alcides mudou-se para Porto Alegre, onde começou seus estudos, e logo depois para o Rio de Janeiro, onde concluiu a escola primária e começou a trabalhar com o pai, que era comerciante, o que faria até 1935, quando iniciou sua carreira de cantor numa orquestra de dancing. Sua primeira gravação comercial deu-se em 1945, interpretando a valsa “Lourdes”, de Mário Rossi e George Brass, que o acompanhou ao acordeão. Entre seus maiores sucessos estão “Pergunte a ela”, “Abaixo de Deus”, “Antonico”, “Seu nome não é Maria”, “Marise”e muitos outros. Alcides Gerardi morreu de acidente automobilístico, ao voltar de um show, em 3 de janeiro de 1978, no Rio de Janeiro. Dele o GRB apresenta o disco Columbia CB-10370, lançado no ano de 1957. Abrindo-o, matriz CBO-1093, o bolero “Não”, de Renê Bruxelas e Belony de Carli, e no verso, matriz CBO-1092, um rasqueado de Paulo Borges que até hoje todos conhecem: o famoso “Cabecinha no ombro” (‘Encosta tua cabecinha no meu ombro e chora”…), um sucesso de fato estrondoso, e que tem merecido inúmera regravações. As duas faixas também foram incluídas no LP de dez polegadas “Encantamento”, refletindo uma época de transição de formatos, da cera para o vinil.

O seguinte é João Dias Rodrigues Filho, ou simplesmente João Dias. Paulista de Campinas, onde nasceu em 12 de outubro de 1927, começou sua carreira em 1948 na PRA-5, Rádio São Paulo (“a voz amiga”), levado por Cardoso Silva. Um ano depois já estava na Bandeirantes (então “a mais popular emissora paulista”) e, em uma apresentação na boate Cairo, foi descoberto por Francisco Alves, que o levou para o Rio de Janeiro (e o apontou como seu sucessor, porque a voz era praticamente igual). Lá, João gravou seu primeiro disco, na Odeon, lançado em fevereiro de 1951, interpretando “Guacira” (Hekel Tavares e Joracy Camargo) e “Canta, Maria” (Ary Barroso). Entre seus maiores hits estão “Sinos de Belém” (versão de “Jingle bells”), “Fim de ano” (o famoso “Adeus, ano velho”), “O velhinho” (“Botei meu sapatinho na janela do quintal”…), “Mamãe” (clássico dueto com Ângela Maria), “Milagre da volta”, “Poema das mãos”, “É o pau”, etc. Faleceu em 27 de novembro de 1996, no Rio de Janeiro, época em que dirigia a Socimpro (Sociedade Brasileira de Intérpretes e Produtores Fonográficos). João Dias é aqui lembrado com o disco Odeon 13679, gravado em 17 de maio de 1954 e lançado em julho do mesmo ano. Abrindo-o, matriz 10130, a valsa “É o amore” (“That’s amore”), de Harry Warren e Jack Brooks, em versão de Haroldo Barbosa, e no verso, matriz 10131, o samba-canção “Falso amigo”, de Herivelto Martins (compositor cujo centenário de nascimento é relembrado neste ano de 2012) e Benedito Lacerda.

Francisco Rodrigues Filho, aliás, Francisco Carlos, nasceu no Rio de Janeiro em 5 de abril de 1928, mas foi criado no Recife, capital pernambucana, para onde sua família se transferiu, lá morando até 1939. De volta ao Rio natal, apresentou-se ainda estudante no programa de Ademar Casé (avô da Regina), na Rádio Mayrink Veiga, e diplomou-se em pintura pela Escola Nacional de Belas Artes. Ao longo de sua vida dedicou-se à música e à pintura (inclusive foi pintor premiado no Brasil e fora dele) e, em 1946, assinou seu primeiro contrato profissional, com a Rádio Tamoio. Seu primeiro disco saiu pela Star, em 1949, interpretando os sambas-canções “Abandono”, de César Formenti Neto”, e “Distância”, de Fernando Lobo. Mas seu primeiro grande sucesso aconteceu quando ele se transferiu para a RCA Victor: a marchinha “Meu brotinho”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira”, estrondoso sucesso na folia momesca de 1950 e por ele também interpretada no filme “Carnaval no fogo”, da Atlântida. Nesse lendário estúdio, participou de inúmeras chanchadas como ator e cantor, e também foi contratado da não menos lendária Rádio Nacional, onde foi campeão absoluto de correspondência durante anos. Entre seus sucessos destacamos “Rio de Janeiro (Isto é o meu Brasil)”, de Ary Barroso, “Vestido de noiva” (Francisco Alves e David Nasser), “Você não sabe amar” (Dorival Caymmi, Carlos Guinle e Hugo Lima), “Minha prece” (Haroldo Eiras e Ciro Cunha), o frevo-canção “Nos cabelos de Rosinha” (Capiba) e muitos mais. Faleceu em 19 de março de 2003, em seu Rio de Janeiro natal, de câncer. De Francisco Carlos apresentamos o disco RCA Victor 80-1967, gravado em 6 de maio de 1958 e lançado em agosto do mesmo ano. Abrindo-o, matriz 13-J2PB-0403, o clássico choro-canção (originalmente polca) “Flor amorosa”, de Joaquim Antônio da Silva Callado, com letra escrita por Catulo da Paixão Cearense no mesmo ano do falecimento de Callado, em 1880, e cuja primeira gravação cantada deu-se em 1913, por Aristarco Dias Brandão. Francisco Carlos também o interpretou no filme “Esse milhão é meu”, da já mencionada Atlântida, e sua inclusão deu-se por sugestão de Paulo Tapajós, cantor, compositor e radialista. No verso, matriz 13-J2PB-0402, o bolero “Cuando tu me quieras”, de Raul Shaw Moreno e Mario Barrios, em versão de Geraldo Serafim. Das  duas, só “Flor amorosa” chegou ao LP, em álbum sem título.

Em seguida, vem um dos mais queridos cantores populares que o Brasil já teve: José Adauto Michiles, aliás Orlando Dias, nascido no Recife em 1.o de agosto de 1923 e falecido no Rio de Janeiro em 11 de agosto de 2001. Ele tinha como marca registrada interpretações cheias de estilo, exageradas, acenando lenços, fazendo gestos teatrais, ajoelhando-se no palco, declamando versos emocionados, agradecendo às fãs, usando roupas espalhafatosas… Enfim, o mais polêmico cantor de sua época, mas ainda assim verdadeiro ídolo popular, com sucessos sem conta, principalmente no gênero romântico, interpretando boleros e sambas-canções. No disco que incluímos aqui, o Odeon 14538, gravado em 2 de outubro de 1959 e lançado a toque de caixa, vem dois boleraços de sucesso por ele interpretados: “Vem pra junto de mim”, de William Duba e Nahum Luiz, matriz 13837, e “Tu hás de pensar de mim”, de Waldir Machado, matriz 13838. Esta última seria faixa-título de um LP lançado por Orlando em 1960, no qual também saiu “Vem pra junto de mim”. Outros hits do cantor foram “Perdoa-me pelo bem que te quero”, “Minha serás eternamente”, “Tenho ciúme de tudo” e muitos e muitos mais…

Em seguida relembramos Roberto Vidal, nome artístico de Pedro Sidnei Grigoletto. Membro de uma tradicional família do bairro paulistano do Ipiranga, foi finalista de um concurso promovido pela TV Record para descobrir novos talentos, logo passando a se apresentar com frequência no programa “Astros do disco”. Porém, sua carreira artística foi curta e a discografia escassa: apenas oito discos de 78 rpm com 16 músicas (o primeiro deles, em 1959,  apresentando o samba-canção “Botequim da vida” e o samba”Violão amigo”), e um LP, todos pela RCA, selos Victor e Camden, o do LP. Dele apresentamos seu segundo 78, o RCA Victor 80-2159, gravado em 28 de outubro de 1959 e lançado em janeiro de 60. E ele abre, na matriz 13-K2PB-0805, com um verdadeiro clássico do samba-canção: nada mais nada menos que “Negue”, de Adelino Moreira em parceria com o radialista Enzo de Almeida Passos, que marcou época no rádio paulistano com os programas “Telefone pedindo bis” e “A grande parada Brasil”. “Negue” foi inúmeras vezes regravado, inclusive por Maria Bethânia, que o incluiu em seu LP “Álibi”, de 1978,  renovando-lhe o êxito, e seu criador foi justamente Roberto Vidal. No verso, matriz 13-K2PB-0806, o samba “Triste coração”, do carioca de Botafogo Aldacir Louro (Aldacir Evangelista de Mendonça, 1926-1996) em parceria com a cantora Linda Rodrigues, depois regravado por Anísio Silva no LP  “Alguém me disse”. Das duas, só “Negue” saiu no único LP de Roberto, sem título, lançado em 1961 com o selo RCA Camden.

Por fim, apresentamos Cláudio de Barros, nascido na cidade mineira de Itanhandu em 24 de outubro de 1932. Antes da fama, trabalhou como comissário de bordo e redator de jornal. Gravou sue primeiro disco na Columbia, em 1954, interpretando o samba-canção “Espiritualmente” (Antônio Bruno) e a toada “Amor, ilusão” (dele próprio com Fenando Lacerda). Mas foi na Chantecler, para onde foi levado pelo cantor e compositor sertanejo Diogo Mulero, o Palmeira, que Cláudio de Barros despontou para o estrelato, e justamente com o disco que o GRB apresenta aqui, de número 78-0132, lançado em junho de 1959. O lado A, matriz C8P-263, é um tango dele mesmo, “Cinzas do passado”, ainda hoje bastante conhecido. No verso, matriz C8P-264, outra composição sua, agora em parceria com Mário Zan (o acordeom que o acompanha nas duas faixas é certamente dele), o rasqueado “Meu primeiro beijo”, que um mês depois teve outro registro na mesma gravadora, selo Sertanejo, pelas Irmãs Celeste. “Cinzas do passado” também foi faixa-título e de abertura do primeiro LP de Cláudio de Barros, no qual também saiu “Meu primeiro beijo”, é claro. Outros sucessos do cantor: “Teu desprezo”, “Bonequinha da noite”, “Taça da amargura”, etc. Com 20 álbuns gravados, Cláudio de Barros também compôs para outros artistas e se apresentou com sucesso na América Latina e em Portugal, onde cantou inúmeras vezes no famoso Cassino Estoril. Segundo Robertinho do Acordeom, foi o primeiro cantor a migrar do gênero romântico para o sertanejo, bem antes de Sérgio Reis.  Faleceu em 22 de agosto de 2009, em Mairiporã, na Grande São Paulo, após sofrer o quarto infarto.

Enfim, mais uma edição do GRB que é entregue aos amigos cultos, ocultos e associados do TM, relembrando intérpretes e músicas que, se depender da gente, dificilmente serão esquecidos!

Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.

Clara Nunes – A Beleza Que Canta (1969)

Boa noite a todos! Hoje o nosso encontro é com a cantora Clara Nunes. Escolhi a artista para me facilitar a vida. Já estamos chegando ao final do domingo e eu inteiramente esgotado. Antes que eu despenque de vez, segue aqui “A beleza que canta”, segundo álbum gravado pela cantora, em 1969. Pessoalmente, gosto mais dessa primeira fase, ou melhor, dos três primeiros discos dela. Neste álbum, produzido por Milton Miranda e direção musical de Lyrio Panicalli, temos um repertório de excelentes sambas. Os arranjos e orquestração são todos do maestro Bruno Ferreira, exceto a faixa “De esquina em esquina”, que é do maestro Ivan Paulo, com participação especial do quarteto vocal 004. Um bom disco, com certeza. Se for do interesse, dá um toque que a gente sobe ele para o GTM, ok?

de esquina em esquina

espuma congelada

meus tempos de criança

gente boa

graças a deus

guerreiro de oxalá

a casinha pequenina

foi ele

até voltar

felicidade

hora de chegar

a estrela e o astronauta

 

Tribo De Jah – Regueiros Guerreiros (1992)

Boa noite a todos! O dia hoje está bom para um reggae. Reggae sua mente, solte seus espíritos… Vamos apresentando neste sábado, um álbum raro, acredito que o primeiro, do grupo de reggae Tribo de Jah. Lançado em 1992 de forma independente, “Regueiros Guerreiros” traz nove músicas, todas de autoria do vocalista Fausi Beydoun. A Tribo de Jah nasceu na Escola de Cegos do Maranhão, onde quatro de seus integrantes se conheceram. O grupo é formado por músicos cegos e tomou corpo e identidade a partir da entrada de Beydoun, um entusiasta da cultura reggae. Vão analisando aí que depois eu volto. Fazer postagem através de celular dá uma canseira!

babilonia em chamas

babylon system

reggae bumba-boi

2000 anos

regueiros guerreiros

why do you do it

neguinha

breve como um jogo

song of destruction

Verde Que Te Quero Ver (1985)

Boa noite, amigos cultos, ocultos e associados! Hoje eu estou sendo obrigado a usar um dos meus arquivos de gaveta. Estou fora de casa e sem condições de atende-los melhor. Dá um trabalho quando se tem que fazer tudo pelo celular, isso sem falar na conexão! Mas a gente chega lá… 🙂

Vou aproveitar o gancho do Dia das Crianças e postar aqui um disco super bacana. Uma verdadeira festa, cheia de artistas variados. Temos aqui um musical infantil criado por Paulinho Tapajós e Edmundo Souto: “Verde que te quero ver – A lenda de Luana”. Taí um trabalho muito interessante que vale uma conferida. Se quiserem, é só dar um toque, ok?

verde que te quero ver

canção do despertar

xote dos pássaros

aguapé

boto desbotado

canção do arco íris

conquista do cacique

dança dos brinquedos

doce doce

raio de luar

acalanto de luana

palhaço real

canção de fadas

quando eu ficar grandão