Quarteto Em Cy – Antologia Do samba Canção – Vol. 2 (1976)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós para mais um toque musical. Hoje, atendendo a tantos pedidos que foram feitos, vou então postando o segundo volume da “Antologia do Samba Canção”. Realmente, essa produção foi um achado e daria para render mais uns dois ou três volumes com outros tantos autores e compositores de samba canção. Se no primeiro disco, de 1975 as baianinhas tiveram a participação de um monte de feras (Oscar Castro Neves, Pascoal Meirelles, Luiz Cláudio Ramos, Zé Menezes, MPB-4 e outros), em 76 elas voltam trazendo também convidados ilustres como Tom Jobim, Chiquinho do Acordeon e Abel Ferreira. Temos assim outros dez grandes compositores em um quase ‘pot-pourri’, com duas ou três músicas de cada. É  pouco, mas é ótimo! Só mesmo ouvindo…

Armando Cavalcanti

nesse mesmo lugar

Chocolate

vida de bailarina

canção de amor

Custódio Mesquita

saia do caminho

Marino Pinto

reverso

prece

Tom Jobim

dindi

se todo fosse iguais a você

eu sei que vou te amar

Noel Rosa

último desejo

Fernando Lobo

siga

chuvas de verão

Haroldo Barbosa

Meu nome é ninguém

bar da noite

Fernando César

dó ré mi

joga a rede no mar

Dorival Caymmi

nem eu

não tem solução

nunca mais

Altemar Dutra – Compacto (1964)

Boa tarde a todos! Eu havia dito que não mais enviaria e-mails via GTM, mas pelo que parece, por falha minha ao reconfigurar o grupo, acabei deixando uma boa parcela de fora,  a qual continuou recebendo os links em suas caixas de e-mails. Bom, agora acabou geral 🙂 Quem realmente quiser, vai ter que acessar o GTM, ok?

Na semana passada eu acabei não postando nenhum compacto. Desta vez, antes que a semana termine, vou logo fazendo valer o prometido. Vamos então com o Altemar Dutra. Vai cair bem com esse tempo chuvoso. Segue aqui um compacto lançado em 1964. Uma pequena degustação do lp “Serenata da Chuva” lançado também naquele ano. Segundo o Dicionário Cravo Albin de MPB, este foi o terceiro disco do cantor. No disquinho temos…

serenata da chuva

sigamos (sigamos pecando)

Waldir Calmon – Boleros (1955)

Olá amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós com mais um toque musical. Da gaveta eu estou tirando mais um Waldir Calmon. Juro que foi uma escolha alheatória, puxei o primeiro que peguei e sem ver! Vamos nesta noite chuvosa, com boleros. Uma coletânea lançada pela gravadora Copacabana em 1955 com oito expressivos sucessos da época. Ao que tudo indica, são gravações extraídas de bolachas de 78 rpm. Vamos conferir?

por quanto tempo?

por que ya no me quieres

embraceable you

golden earring

troppo tardi

como eras linda

j’ai deux amours

cerejeira rosa e macieira branca

It’s Rock 2 – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 45 (2012)

E chegamos esta semana à quadragésima-quinta edição do meu, do seu, do nosso Grand Record Brazil, apresentando a segunda parte de uma seleção dos primórdios do rock brasileiro, feita e digitalizada pelo amigo Chico, administrador do blog Sintonia Musikal, que gentilmente a liberou para os amigos cultos, ocultos e associados do nosso TM, e a quem mais uma vez agradecemos a cortesia.

Abrindo a seleção desta semana, que perfaz um total de 13 fonogramas, o mambo-rock (ou rumba-rock) “Cha-hua-hua”, de Joe Lubin e Irving J. Roth, na execução de Luizinho e seu Conjunto, gravação lançada pela Columbia em 1958 com o n.o CB-11044-A, matriz CBO-1630, e que também integrou o LP “Um baile com Luizinho”, reedição ampliada de um álbum de dez polegadas com o mesmo título, editado um ano antes. Guitarrista, o músico teve também a banda Luizinho e seus Dinamites, e faleceu na década de 1990. Em seguida outra faixa instrumental, lançada pela mesma gravadora e também em 58, um pouco antes: o rock “Short shorts”, de Tom Austin, Bob Gaudio, Billy Dalton e William Crandall, integrantes do grupo americano Royal Teens, aqui na interpretação de Bolão e seus Rockettes, disco CB-11035-A, matriz CBO-1556, sendo também faixa do LP “Rock sensacional” (ironicamente reeditado mais tarde como “Viva a brotolândia”, mesmo título do primeiro LP de Elis Regina!). Saxofonista, clarinetista e flautista, Isidoro Longano, o Bolão (1925-2005) profissionalizou-se como músico em 1944, integrando várias orquestras e, como roqueiro, também gravou discos com os pseudônimos de Edward Long e Bob Longano, além de ter também integrado os Jet Blacks.

O pianista Aldovrando de Castro, o popular Mestre Duda,  foi durante anos muito popular na noite paulistana, teve conjunto próprio e gravou diversos discos de cunho dançante. Ele aqui comparece  com “The Tennessee rock and roll”, de Larry Coleman e Irving Reid, lançado em janeiro-fevereiro de 1958 pela Continental com o n.o 17514-B,  matriz 12017,  faixa depois incluída em seu segundo LP,  “Vai começar o baile”.

A faixa 4 é “Ski rock, ski roll”, de autoria de “Louis Oliveira and friends”, interpretada pelo grupo Os Cometas, gravação Odeon de 29 de janeiro de 1957, lançada em abril seguinte com o n.o 14185-B, matriz 11520. Na faixa 5, “A zoo rock”, composição e interpretação de Luiz de França, um autêntico zoológico musical, com imitações de animais diversos. Foi o primeiro lançamento, em 1959, de uma gravadora que durou pouco tempo, a Discobrás (0001-A).

Cantor e compositor paulistano, Osvaldo Rodrigues (n.1920) era linotipista nas oficinas de impressão do “Diário Oficial” de São Paulo antes de seguir carreira musical, e os colegas de trabalho o incentivaram a cantar. Gravou seus primeiros discos no selo Carnaval, da Star (futura Copacabana) em 1951, com músicas para a folia de Momo. Sua discografia, também nos selos Continental, Odeon e Philips, é bastante extensa: algo em torno de 50 discos 78, além de um compacto duplo e participações em LPs-coletâneas. Aqui, Osvaldo interpreta “Personality”, grande sucesso de Lloyd Price, composto por ele e Harold Logan, em versão de Sérgio Galvão e Neide Garcia. A gravação saiu em outubro de 1959 pela Continental, com o n.o 17740-A, matriz 12359. A versão teve também registros de Regina Célia e dos Golden Boys, na mesma ocasião.

Paraibano de João Pessoa, Jayro Aguiar (n. 1937)  gravou seu primeiro disco em 1956, na Copacabana, interpretando o samba “Uma noite no Rio” e a valsa “Sussu”. Tem também nove Lps, vários 78 rpm e alguns compactos em sua discografia. Seu último trabalho em disco foi o CD independente “Ontem, hoje e sempre”, nos anos 1990. Jayro Aguiar aqui comparece com o calipso “O herói da lambreta”, dele próprio em parceria com o acordeonista Mário Mascarenhas, lançado pela Copacabana em novembro de 1959 com o n.o 6051-A, matriz M-2508.

Liderado por Renato Barros, o grupo Renato e seus Blue Caps foi um dos mais populares dos anos 1960/70, e também um dos ícones da Jovem Guarda. Eis aqui uma faixa rara, em que eles aparecem com o nome de Os Adolescentes, lançada em 1960 pela modesta gravadora Ciclone, com o número 12015-A: “Espante a tristeza (Shoo ya blues)”, de Luther Dixon e Smith, em versão de Pedro Leandro Nunes. Foi aliás a estreia do grupo em disco.

Humorista e entrevistador de televisão, tendo criado tipos inesquecíveis, o carioca Jô Soares (n. 1938) mostra aqui seu lado roqueiro com a divertida “Volks do Ronaldo”, que ele mesmo lançou no compacto simples de selo Farroupilha n.o FA-103-B, em 1963. Naquele tempo, é bom que se frise, o Volkswagen 1300 ainda não era chamado de Fusca. Logo em seguida vem outro comediante famoso, Tutuca, pseudônimo de Usliver João Baptista Linhares (n.1934), famoso pelo bordão “Xiiiiiiii…..”. Ele aqui interpreta, de sua autoria, “Playboy maluco”, gravação de 12 de maio de 1960, lançada em julho seguinte, que inaugurou o selo Camden, da RCA Victor, com o n.o CAM-1001-A, matriz 13-L3PB-0966. E olha só quem vem depois: José Messias. Sim, ele mesmo, aquele jurado do Raul Gil! Admirado por uns, detestado por outros, ele aqui interpreta, de sua autoria, o “Rock do Cauby”, satirizando a popularidade do grande Cauby Peixoto, em gravação lançada pela Philips em abril de 1961, sob n.o P-61088-H-A. Nascido em Bom Jardim de Minas, no ano de 1928, Messias tem mais de duzentas composições gravadas, nas vozes de inúmeros intérpretes, como Ângela Maria, Cauby Peixoto, Nélson Gonçalves, Roberto Carlos e José Ricardo, entre outros.

Outro comediante querido, este lembrado com saudade pelo público, Walter d’Ávila (Porto Alegre, RS, 1911-Rio de Janeiro, 1996) aqui comparece com o “Rock do vovô”, de Bruno Marnet e Ari Monteiro, que gravou na Odeon em 30 de junho de 1961, com lançamento em novembro seguinte sob n.o 14744-B, matriz 14802.

E encerramos esta seleção com chave de ouro, trazendo nada mais nada menos que o futuro “Rei”, Roberto Carlos! Ele aqui interpreta, de Hélio Justo e Erly Muniz, “Triste e abandonado”, lançada pela CBS em outubro de 1962 com o número 3239-B, matriz CBO-3495, e depois disponibilizada em compacto duplo. Não poderia haver encerramento melhor para esta seleção, vocês não acham? Pois então, divirtam-se!

*Texto de Samuel Machado Filho

Milton Banana Trio (1969)

Boa noite senhoras e senhores, amigos cultos e ocultos do Toque Musical! Aqui estou trazendo a pedra do dia. Por sinal, uma pedra das mais preciosas, a qual, com certeza irá despertar muito interesse de todos. Trata-se de mais um excelente disco do Milton Banana Trio, este de 1969. Outra maravilha da melhor fase de produção do baterista ao lado de seu conjunto. Gravado em um País Tropical, onde existe também a Bahia De Todos Os Deus. Mas Se Você Pensa Que Maravilha não tem preço, Custe O Que Custar, compre um Chivas 12. Receba aqui Aquele Abraço e me passe logo esse Casaco Marrom, que eu vou ler uma História Em Quadrinhos e cantar You’ve Got Your Troubles. Pra Dizer Adeus, Vou Me Pirulitar que o sono já bateu. Brincando, brincando, tá tudo aí e também lá no GTM, daqui a pouco…

 

Pedro Sorongo – Sorongando – Uma Coletânea Toque Musical (2012)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu atrasei, mas não vacilei. Ainda no último momento do dia, aqui estou trazendo sempre uma boa surpresa. Passei duas horas preparando esta coletânea especial e exclusiva em homenagem ao grande músico, o compositor e percussionista Pedro Santos, ou mais conhecido como Pedro ‘Sorongo’.

Ao ler uma mensagem postada hoje no blog pela Lys Araújo, filha de Pedro, acabei me empolgando e passando a tarde toda ouvindo diversos discos onde o artista deu lá a sua contribuição. Discos de diversos e diferentes artistas e também trabalhos seus. Não foi fácil selecionar apenas 35 gravações. Aliás, difícil foi reduzir a apenas esse número. O cara gravou muito e com muita gente. Separei aqui o que me pareceu mais interessante. Gosto pessoal, mas com toda certeza irá agradar a muita gente. Como são muitas músicas, podemos considerar este ‘webdisco’ um álbum duplo, ou triplo se fosse o caso de ser vinil. Para embrulhar o presente, fiz também a capa e contracapa. Como todos sabem, gosto de serviço completo. O bom de coletâneas como essa é que ela só seria possível nessas circunstâncias. Comercialmente isso nunca iria acontecer. Então, não percam tempo, vamos a mais “Uma Coletânea Toque Musical”. São tantas as músicas que eu fiquei com preguiça de lista-las como de costume. Mas vocês poderão checar na contracapa, ok? Vamos lá…

 

Quarteto Em Cy – Antologia Do Samba Canção (1975)

Olá amigos cultos e ocultos! Aproveitando a tarefa que recebi de digitalizar alguns discos, escolhi entre esses uma belezura de trabalho das baianinhas do Quarteto Em Cy, o álbum “Antologia do Samba Canção”, lançado em 1975. Aqui estão reunidos dez grandes compositores da nossa música, dez mestres do samba canção. Para cada um deles o quarteto presta uma homenagem em forma de ‘pot pourri’, apresentado algumas de suas mais expressivas composições. É, sem dúvida, um lp muito bacana que merece ser sempre lembrado. A ideia de produção deste lp foi tão boa que até gerou um segundo volume, o qual eu logo poderei postar, caso tenha interesse. Vamos conferir? 😉

Pot pourri Antonio Maria:

ninguém me ama

se eu morresse amanhã

Pot pourri de Ary Barroso:

rancho fundo

risque

folha morta

Pot pourri de Garoto:

duas contas

gente humilde

Pot pourri de Tito Madi:

não diga não

cansei de ilusões

fracassos de amor

Pot pourri de Jair Amorim:

ponto final

alguém como tu

Pot pourri de Lupicínio Rodrigues:

vingança

nunca

esses moços

Pot pourri de Herivelto Martins:

caminhemos

segredo

Pot pourri de Carlos Lyra:

primavera

minha namorada

Pot pourri de Johnny Alf:

eu e a brisa

ilusão à toa

Pot pourri de Dolores Duran:

por causa de você

ternura antiga

Orquestra Entré – Melodias Imortais (1965)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Ao que parece, estamos novamente com problemas no link do Baden Powell. Tenham paciência que tudo se resolve, ok?

Hoje eu tô meio corrido. Vou deixando aqui para vocês a Orquestra Entré, sob direção do maestro Renato de Oliveira.. Um belo disco orquestral com uma das melhores orquestras da época, presente em diversos lançamentos da CBS. Confiram aí que hoje o meu tempo não existe…

avant de mourir

a lenda do beijo

serenata

fascinação

leda

csardas

amoureuse

os milhões de arlequim

Baden Powell – A Vontade (1963)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Cá estou, um tanto atrasado, mas sempre presente. Talvez até atrasado para a apresentação deste lp de Baden Powell. Por certo, todos aqui já o conhecem bem, mesmo assim faço questão de postá-lo aqui no Toque Musical, afinal, não é em qualquer lugar que se acha um ‘arquivinho completo”, com capa, contracapa e selo, bem original 🙂 Eis então o nosso toque do dia. Bem à vontade, vai aqui o grande Baden com seu violão, cheio de samba e de bossa, em composições próprias, parcerias e mais uns tantos clássicos que fazem deste álbum também um clássico. Baden vem acompanhado apenas, e em algumas faixa, de Jorge Ferreira da Silva (na flauta), João Batista Stockler (na batera) e Pedro (Sorongo) Santos (no seu Sorongo). Com uma capa super bonita – desenho e criação de Cesar Villela, o homem das artes gráficas, responsável por tantas outras que deram uma identidade visual à Elenco – o álbum está perfeito! Podemos também apreciar a contracapa, com fotos onde aparecem ao lado de Baden as ilustres figuras de Nara Leão, Caymmi, Tom, Menecal e Odette Lara. Não sei bem qual foi o motivo dessas fotos, pois nenhum deles participam do disco. Talvez tenha sido mais como uma espécie de ‘aval’ para um músico em seu segundo disco. Maravilha total. Este é curtir e curtir… (putz, como estou repetitivo!)

garota de ipanema

berimbau

o astronauta

consoloção

sorongaio

samba do avião

saudades da bahia

candomblé

conversa de poeta

samba triste

 

Os Violinos Do Rio – Valsas Eternas (1961)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje não tem samba, não tem bossa, não tem jazz, rock ou mpb. Hoje todo mundo vai dançar… Dança mais quem não gostar. Vamos de valsa, pois afinal o Toque Musical é um espaço onde se escuta com outros olhos. E eu digo isso não é atoa, pois, pessoalmente não sou muito fã de valsa. Nem para dançar. Mas há sempre algumas, que de tanto que se houve, acaba se acostumando. São clássicas, são clássicos…

Eis aqui um disquinho bem escolhido. Valsas de Strauss, Lehar, Ivanovici, Tchaikovsky e tantas outras, sem esquecer uma bem brasileira, a única, de Gastão Lamounier e Mário Rossi, “E o destino desfolhou”. Encontrar esse disco na rede é coisa muito fácil, há vários a venda no Mercado Livre, porém o que é mesmo difícil é saber quem foi esse tal Maestro Petek. Sinceramente, eu não sei. Ao que tudo indica parece ser um nome fantasia para uma orquestra chamada “Violinos do Rio”. De verdadeiro aqui só sei do arranjador, o compositor e violinista Nelson Macedo, autor de inúmeras obras do repertório erudito brasileiro. Possivelmente foi o próprio Nelson o regente deste disco, feito para o selo Imperial em 1961. A orquestra Violinos do Rio, provavelmente, foi formada por músicos da Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. O disco tem sim um certo apelo comercial e busca nesse repertório agradar a um público além daquele erudito, que frequentava os concertos. Música ‘crássica’ para o povo!

dança húngara nº 5

viúva alegre

olhos negros

fascinação

pigalle

conto dos bosques vienenses

ouro e prata

mademoiselle de paris

la seine

cielito lindo

sobre ondas

tema do concerto para piano e orquestra

vida vienense

princesa das czardas

rosa do sul

eva

valsa do danúbio

conde de Luxemburgo

sonho de outono

os patinadores

valsa das flores

amor cigano

true love

torna a surriento

danúbio azul

ciribiribin

e o destino desfolhou

sous le ciel de paris

maria bonita

vozes da primavera

valsa do imperador

It’s Rock 1 – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 44 (2012)

Esta semana, em sua quadragésima-quarta edição, o Grand Record Brazil apresenta a primeira de duas partes de uma seleção de rock (ou coisa parecida) produzida e digitalizada pelo blog Sintonia Musikal, na pessoa de seu administrador Chico, um autêntico especialista em resgatar o passado de nossa música dita “jovem”, e seguidor de carteirinha do TM. Aquele abraço, Chico!

Permitam-me os amigos cultos, ocultos e associados começar minha resenha desta primeira parte pela faixa 5. Ela foi justamente o começo, o pontapé inicial do rock tupiniquim. Estou falando da gravação feita pela carioca Nora Ney (Iracema de Souza Ferreira, 1922-2003) de “Rock around the clock”, de Jimmy de Knight e Max C. Freedman. A música era sucesso com Bill Haley e seus Cometas, e fazia parte do filme “Sementes da violência (The blackboard jungle)”, da MGM. Em 24 de outubro de 1955, Nora compareceu ao estúdio da Continental, no Edifício Cineac-Trianon (Avenida Rio Branco, esquina com Rua Bittencourt da Silva, em frente ao lendário Café Nice) para gravar sua personalíssima versão deste rock pioneiro, lançada em novembro-dezembro do mesmo ano com o n.o 17217-A, matriz C-3730. Foi assim que o rock and roll começou a balançar a juventude brasileira!

No restante do programa que o Chico nos oferece, outras doze peças raras, curiosas e interessantes do início do rock brasileiro, a chamada “pré-Jovem Guarda”. Nem mesmo a pianista Carolina Cardoso de Menezes (Rio de Janeiro, 1916-idem, 1999) resistiu aos encantos do chamado “ritmo alucinante”, compondo e executando o seu “Brasil rock”, em gravação Odeon de 14 de março de 1957 (14191-B, matriz 11601), lançada em maio daquele ano. Em seguida vem a faixa mais antiga desta seleção do amigo Chico: uma versão em português de “Jambalaya (On the bayou)”, clássico country de Hank Williams, assinada pelo comediante Edair Badaró, então atuando nas Emissoras Unidas (Rádio e TV Record de São Paulo). Na  interpretação, Neyde Fraga (São Paulo, 1924-Rio de Janeiro, 1987), então também atuando na Record. Gravado pela Odeon em 4 de setembro de 1953 e lançado em novembro do mesmo ano (13527-A, matriz 9873), este é considerado o maior sucesso da cantora. Em seguida, a versão de Aloysio de Oliveira para “In the mood”, clássico da big band de Glenn Miller, de Joe Garland e Andy Razaf, interpretada pelo Bando da Lua, formado e dirigido por Aloysio, com o nome de “Edmundo”. Gravação de 8 de junho de 1954, feita nos EUA pela Decca (hoje Universal Music), mas só lançada no Brasil vinte anos mais tarde, no LP “Bando da Lua nos EUA”, produzido por João Luiz Ferrete para a Chantecler, então representante da Decca/MCA. Depois, o curioso “rock-baião-samba” “Eu sou a tal”, de Murilo Vieira, Edel Ney e O.Vargas, interpretado por Mara Silva (Isabel Gomes da Silva, Campos, RJ, n.1930), em gravação lançada pela RGE em dezembro de 1957 (10076-A, matriz RGO-335). A faixa 6 traz aquele que é considerado o primeiro rock cem por cento brasileiro, letra e música: “Rock and roll em Copacabana”, assinado por esse verdadeiro cronista que foi Miguel Gustavo, e gravado na RCA Victor por Cauby Peixoto em 30 de janeiro de 1957, com lançamento em maio seguinte (80-1774-A, matriz 13-H2PB-0043). Temos depois a versão feita pelo radialista Paulo Rogério para o conhecido mambo-rock “Tequila”, de Chuck Rio, originalmente instrumental. A gravação coube à carioca Araci Costa (1932-1976) e saiu pela Continental em setembro-outubro de 1958, com o número 17595-A, matriz C-4123. “Tequila” era um dos números mais apreciados da orquestra do “bandleader” e vibrafonista Sylvio Mazzucca (São Paulo, 1929-idem, 2003), que curiosamente vem aqui com o chá-chá-chá “Cerveza”, de Boots Brown, em gravação lançada pela Columbia no mesmo ano de 1958 (CB-11079-A, matriz CBO-1767). O cantor Mário Augusto, criador de hits como “O amor de Terezinha” e “Calcutá”, aqui comparece com a versão de Fred Jorge para “Claudette”, de Roy Orbison, extraída de seu segundo disco, o Odeon 14372-B, gravado em 26 de agosto de 1958 e lançado em setembro do mesmo ano, matriz 12848. “A minha, a sua, a nossa favorita” (como César de Alencar a anunciava em seu programa na Rádio Nacional) Emilinha Borba vem aqui com a versão do misterioso A.Bourget para o chá-chá-rock “Patrícia”, de Pérez Prado, lançada pela Columbia também em 1958 (CB-11070-B, matriz CBO-1766). Marita Luizi, um daqueles nomes atualmente relegados ao mais completo esquecimento, apesar de terem tido sua época, aqui comparece com o calipso “Sonho maluco”, de Elzo Augusto e Miranda, lançado pela Copacabana em dezembro de 1959 com o n.o 6086-B, matriz M-2590, o segundo de seus três discos nesse formato. Marita também deixou um LP intitulado “Os grandes momentos” (Alvorada/Chantecler, 1978), ao que parece coletânea, e participou do álbum “Cinco estrelas apresentam Inara” (Copacabana, 1958), reunindo músicas de Inara Simões de Irajá (suas faixas nesse disco são”E ele não vem” e “Boca da noite”). Outro nome da pré-história de nosso rock and roll, Regina Célia, comparece aqui com a divertida “Aula de inglês em rock”, de Canarinho e Kid Sax, gravada na Polydor em 9 de dezembro de 1959 e lançada em janeiro de 60 no 78 rpm n.o 342-B, matriz POL-3774. Encerrando esta primeira seleção do amigo Chico, Cizinha Moura, que deixou apenas dois discos 78 com quatro músicas, aqui interpretando, do segundo e último deles, o Chantecler 78-0134-B, lançado em junho de 1959, o fox “Brotinho Lili”, de Alberto Roy e Domingos Paulo, matriz C8P-268. Enfim, um interessante panorama dos primórdios do rock and roll no Brasil, que continuaremos na próxima semana, sempre agradecendo ao Chico do Sintonia Musikal pela gentileza de permitir o aproveitamento desta seleção no GRB. Até lá!

SAMUEL MACHADO FILHO.

Moacyr Franco – Compacto (1963)

E eu já ia deixar passar batido, sem o compacto da semana. Nem me lembrei. Como ainda é domingo, vou logo cumprindo o prometido, um compacto por semana.

Segue aqui este que é duplo, ou seja, com duas músicas em cada lado. Onde ele interpreta “Tender is the night” em versão de Nazerno de Brito; o sucesso “Ninguém chora por mim” da dupla Evaldo Gouveia e Jair Amorim e as humoradas “Toureiro suburbano”, de Haroldo Barbosa e Luis Reis e “Meu querido lindo”, música de sua autoria em parceria com Canarinho. Não tenho certeza, mas creio que o disquinho é de 1963. Uma produção de Nazareno de Brito, com arranjos de Pachequinho, Severino Araújo e Ted Moreno.

meu querido lindo

suave é a noite

ninguém chora por mim

toureiro suburbano

Geraldo Vespar – Eu E O Violão (1968)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Hoje eu acordei muito bem disposto. Nada como uma boa noite de sono. Melhor ainda com tantos e-mails e comentários. Percebo que por mais que eu quisesse, acho que nunca poderia fechar esse blog. O índice de popularidade e a quantos ele atinge é maior do que eu imaginava. A gente percebe isso até pelo amor invertido ao Toque Musical. Adoro isso… 😉 Dizem que eu sou polêmico, mas a verdade é que sem agitação as coisas não se transformam. Talvez seja por isso o Toque Musical tem passado por tantas mudanças e ao contrário da maioria dos outros blogs se renova em seu conceito. E nessas mudanças fica claro, só permanecem no ‘barco’ quem realmente gosta de navegar ao lado do comandante Augusto TM. O Toque Musical, vez por outra, pára em algum porto, mas logo volta ao mar. Quem desceu do barco e não seguiu as regras para retornar, ficou a ver navios ou está dando braçadas tentando nos alcançar. Mas não tem nada não, eu continuo jogando os botes salva-vidas. Aqui, ninguém fica de fora, até mesmo os ratos de porão. Afinal precisamos ter alguma coisa para alimentar os clandestinos.

Sei que muitos aqui não devem estar se perguntando, que discurso é esse? Não é nada, liga não, apenas uma introdução ao gosto de um certo Zé Ruela. 😉

Bom, mas vamos ao que interessa. Olha aí o disco que tenho hoje para vocês. Vamos com o violonista, compositor e arranjador Geraldo Vespar, fazendo a sua estréia solo aqui no TM. Vespar é um desses músicos imprescindíveis à música popular brasileira e também, porque não dizer à internacional, como integrande da Orquestra de Paul Mauriat. Sua tragetória começa nos anos 50. Tocou com os mais diversos artistas. Está presente em tantos outros discos importantes, assim como em trilhas para cinema e televisão. O cara é mesmo muito bom. Neste álbum, lançado em 1968 pela Odeon, através do selo Parlophone, vamos encontra-lo bem a vontade com seu violão, tocando músicas consagradas de diversos e ótimos compositores. Apenas uma das faixas é de sua autoria, aliás, uma faixa dupla, digamos assim, “Por que?”, em parceria com Mário Telles e “Bourré”. Taí um excelente disco para se ouvir neste domingão. Querem conferir? Vão lá no GTM 🙂

sá marina

eu e a brisa

desencontro

fetiço da vila

viola enluarada

por que? / bourré

corcovado

até segunda feira

no brilho da faca

mancada

olé olá

lapinha

Luiz Bonfá – Recado Novo (1963)

Passei o dia ensaiando a postagem, mas a preguiça foi tanta que acabei deixando para a última hora. Para não dizerem que esqueci do Luiz Bonfá, segue aqui um segundo disco no Toque Musical. Desta vez vamos com o álbum “Recado Novo”, gravado em 1963, com direção artística de Ribamar. Trata-se de um disco dos mais interessantes de Bonfá, onde ele além de executar seu violão, ainda canta. Traz também um repertório fino, onde quase toda as músicas são de sua autoria junto com a esposa, a cantora Maria Helena Toledo. Cabe ainda “Fio da canção” e “Chorou, chorou”, de Luiz Antônio. Um belíssimo trabalho que conta também com a participação de Dalva Andrade fazendo a vocalização na faixa “Canção do mar”. Muito bom. Eu recomendo 😉

menina flor

amor demais

mania de Maria

melancolia

saudade vem correndo

canção do mar

fio de canção

sem esse céu

cheiro de saudade

reverso do verso

indiferença

chorou, chorou

Leo Romano – Lua Azul (1960)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Com as novas alterações que fiz por aqui, já consigo perceber quem são realmente os interessados no Toque Musical. Creio que muita gente se associou porque queria baixar algum determinado disco, depois que conseguiu não deu mais bola, se acomodou e ficou esperando eu servir na bandeja. Digo isso porque já houve um ‘Zé Ruela’, metido a besta, que me veio com essa. Servir de bandeja eu sirvo sim, mas tem que ser boa a gorjeta 😉 O certo é que agora a coisa ficou mais justa. Acabo com esse negócio de só dar o link se alguém pedir. Agora não precisa mais. Postei um álbum, ele de imediato já vai estar lá, disponível no GTM.  Bom, assim espero…:)

Para esta sexta-feira com cara de sábado eu venho trazendo um disco que por certo irá agradar muita gente. Leo Romano em seu álbum “Lua Azul”. Confesso que eu mesmo pouco o conhecia. Hoje, assistindo alguns filminhos no Youtube, dei de encontro com um vídeo que me chamou a atenção. Ouvindo a música, me lembrei do disco, o qual, por sorte eu já havia digitalizado. Daí, foi só busca-lo na minha discoteca virtual. E agora eu o apresento aqui para vocês.

Segundo as informações no próprio Youtube, soube que Leo Romano fez muito sucesso com este disco, em especial com a música “Lua Azul”, a qual é a do vídeo. Contam lá que a música foi gravada em 1959. Leo Romano, conforme li no Dicionário Cravo Albin foi um cantor gaúcho. Estreou em gravações no início dos anos 50, contratado pela Sinter. Gravou por lá alguns discos de 78 rpm e logo se transferiu para a Odeon. Nesta gravadora lançou outras bolachas e fez muito sucesso. Essas músicas, juntamente com outras, foram então lançadas neste lp, em 1960, contando com a Orquestra e Coral de Luiz Arruda Paes.

No repertório vamos encontrar um misto de coisas: samba, bolero, tango, rancheira, fox, calipso e ecos de rock (em seus primórdios) aplicados à tarantela, música cigana. São músicas, em sua maioria, estrangeiras em versões adaptadas. Segundo informam nos comentários do clipe no Youtube, várias dessas versões foram feitas por Sidney Espírito Santo Moraes, um dos fundadores do Conjunto Farroupilha, também integrante do trio vocal Os Três Moraes. Leo Romano atuou até o início dos anos 70. Gravou mais de vinte discos e participou de tantos outros, coletâneas carnavalescas.

Querem ouvi-lo? Então corram lá no GTM. Ele está à espera de vocês 🙂

lua azul

olha nos meus olhos

sarita

boa sorte

louca

minha vida

alegria

mar negro

noites de moscou

calypso ginga

preciso amar

remember this gumbá

Toque Importante Aos Associados GTM

PREZADOS VISITANTES E ASSOCIADOS AO GTM,

INFORMO A TODOS QUE A PARTIR DESTA DATA VOCÊS NÃO MAIS ESTARÃO RECEBENDO, COMO DE COSTUME, OS ‘LINKS’ DE POSTAGENS DIÁRIAS OU ‘REPOST’ ATRAVÉS DE E-MAILS. ESTE ESTÁ SENDO O ÚLTIMO E-MAIL/MENSAGEM ENVIADO AO COLETIVO. DESTA DATA EM DIANTE, OS INTERESSADOS NOS ‘LINKS’ PARA ‘DOWNLOAD’ (O CONTEÚDO DAS NOSSAS POSTAGENS) DEVERÃO BUSCÁ-LOS DIRETAMENTE NO SITE DO GTM (https://groups.google.com/d/forum/toquelinkmusical).

A RAZÃO PARA A MUDANÇA É SIMPLES: DIRECIONAR OS ASSOCIADOS ÀS POSTAGENS DO BLOG E NÃO SÓ AOS ‘LINKS’.

PERCEBO QUE DOS QUASE DOIS MIL ASSOCIADOS, APENAS UMA PEQUENA PARCELA É ATIVA, PARTICIPA E SEGUE AS POSTAGENS DO TOQUE MUSICAL. ASSIM SENDO, LIMITO O COMPARTILHAMENTO, ELIMINANDO ASSOCIAÇÕES PASSIVAS. QUEM NÃO CORRE ATRÁS, NÃO VISITANDO O TOQUE MUSICAL, VAI FICAR NO ‘BARCO’ APENAS BOIANDO, SEM USUFRUIR CORRETAMENTE DO QUE NELE É OFERECIDO.

POR OUTRO LADO, ESSA AÇÃO TEM TAMBÉM O SENTIDO DE REDUZIR, OU ELIMINAR, UM COMPARTILHAMENTO QUE EU CHAMARIA DE ‘OBRIGATÓRIO’. DE AGORA EM DIANTE, CADA ASSOCIADO ACESSA APENAS AQUILO QUE LHE FOR DE INTERESSE.

– DÚVIDAS, SUGESTÕES E OUTROS ASSUNTOS DEVEM SEGUIR ATRAVÉS DESTE CANAL: toquelinkmusical@gmail.com

– SOLICITAÇÃO DE NOVOS ‘LINKS’ SEGUE COMO DE COSTUME, ENVIANDO A MENSAGEM ATRAVÉS DA SEÇÃO DE COMENTÁRIOS REFERENTE ÀS POSTAGENS. PEDIDOS FEITOS FORA DESSE PADRÃO NÃO SERÃO ATENDIDOS OU RESPONDIDOS.

QUEM NÃO SE DÁ AO TRABALHO DE LER AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NO BLOG/SITE, NÃO ESTÃO APTAS A FAZEREM PARTE DO GTM. ALÉM DO QUÊ, EU JÁ ESTOU CANSADO DE FICAR REPETIDO INDIVIDUALMENTE AQUILO QUE ESTÁ EXPLÍCITO, ESCRITO E SACRAMENTADO 🙂

FICOU CLARO?

Maringá – A Cidade Que Nasceu De Uma Canção (1972)

Olá amigos cultos e ocultos! Custei mais cheguei… cansado, esgotado e quase dormindo. Antes, porém, deixa eu fazer aqui a minha postagem diária para não sair do compasso.

Hoje eu trago para vocês um disco que há muito eu venho ensaiando postar. Aliás, era para ter sido postado logo nos primeiros dias do Toque Musical. Acabou ficando na ‘gaveta’. Vamos com este álbum lançado pelo selo Copacabana, em 1972. Um disco que canta e tem como título a cidade paranaense de Maringá. Nele vamos encontrar diferentes intérpretes e um único autor, o mineiro de Uberaba, Joubert de Carvalho. Como todos aqui devem saber, Joubert de Carvalho era médico e compositor. Autor de inúmeras pérolas, entre essa, “Maringá”, canção celebrada por muitos cantores ainda hoje. O disco foi lançado em comemoração ao Jubileu da cidade, como um presente, conforme está escrito no texto da contracapa. E pelo que eu pude entender, Joubert de Carvalho, foi até a cidade, a qual apadrinhou, para prestar essa homenagem. Vamos encontrar aqui, além desta canção, outras também famosas, nas vozes de cantores como Agnaldo Rayol, Ângela Maria, Cyro Monteiro, Ataíde Beck, Jairo Aguiar, Silvio Caldas e o Coral Sabiá. Um bom disco que por certo os amigos irão querer ouvir. Tá na ponta da agulha, é só dar o toque 🙂

maringá – ataíde beck

minha casa – silvio caldas

hora da despedida – ataíde beck

silêncio do cantor – ângela maria

pierrot – agnaldo rayol

flamboyant – ataíde beck

a cidade que nasceu de uma canção – ataíde beck

tahi – ângela maria e cyro monteiro

lembro-me ainda – ataíde beck

rosalinda – agnaldo rayol

de papo pro á – coral sabiá

zingara – jairo aguiar

Francisco Mário – Pijama De Seda (1985)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu trago para vocês um disco muito bonito do Chico Mário. Aliás, mais um, diga-se de passagem. Temos aqui no Toque Musical outros dois discos dele, na mesma linha, instrumental de primeiríssima. “Pijama de Seda” foi um disco de 1985, mais uma produção independente lançado com estréia em show na Sala Cecília Meireles, no dia 30 de setembro. Neste lp ele faz uma homenagem à Pixinguinha com a música que dá nome ao disco. Há também “Ressureição”, outra homenagem, desta vez ao irmão Henfil. Música esta onde ele toca com oito violões diferentes. De todas as músicas do disco, gosto em especial de “Violada”, me traz boas recordações, além de ser realmente linda. Todas as músicas são de autoria do próprio Francisco Mário. Este álbum foi também relançado em cd, mas com outra capa. Certamente ainda é possível encontra-lo em lojas.

ressureição

espanhola

terra queima

3ª guerra

lãs locas

pijama de seda

souza

venceremos

violada

faz que vai

coceirinha

saudade de mim

Nilo Sérgio, Dick Farney, Lúcio Alves, Tito Madi, Bill Farr, Johnny Alf – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 43 (2012)

E chegamos à quadragésima-terceira edição do meu, do seu, do nosso Grand Record Brazil. Esta semana, apresentamos gravações de alguns intérpretes considerados precursores da bossa nova, e feitas antes da eclosão oficial do movimento, em 1958, com o LP “Canção do amor demais”, de Elizeth Cardoso, e o 78 rpm “Chega de saudade”/”Bim bom”, com João Gilberto.
Começamos com Nilo Sérgio, pseudônimo de Nilo Santos Pinto. Também compositor, arranjador e maestro, iniciou sua carreira nos áureos tempos da lendária Rádio Nacional, e gravou seus primeiros discos em 1943/44, com músicas americanas. Após gravar na RCA Victor, onde se iniciou, na Continental e na Todamérica, fundou, em 1953, sua própria gravadora: a Musidisc, por sinal uma das pioneiras do LP no Brasil. Embora pequena, a gravadora tornou-se notável no período em que atuou, e por lá passaram nomes do quilate de Ed Lincoln, Orlandivo, Eliana Pittman e o também maestro Léo Peracchi. Teve também o selo Nilser (iniciais de seu nome artístico). A Musidisc notabilizou-se por álbuns temáticos tipo “Música para adormecer”, “Datas felizes”, etc., e lançou orquestras ditas “grandiosas”, como Violinos Mágicos e Românticos de Cuba (ambas, na verdade, eram a Tabajara de Severino Araújo), esta última a de maior êxito, que executava versões aboleradas de hits nacionais e internacionais, até mesmo de Roberto Carlos. Este último álbum, de 1979, foi a última produção de Nilo, que faleceria dois anos mais tarde. Para esta seleção, o GRB escalou seu primeiríssimo disco interpretado em português, o Continental 16085, lançado entre julho e setembro de 1949. No lado A, matriz 2122, a “Canção de aniversário” (“Hoje é o dia do teu aniversário, parabéns, parabéns”…), de José Maria de Abreu e Alberto Ribeiro. No verso, matriz 2123, o samba (que na verdade é samba-canção) “Falta-me alguém”, de Pedro Caetano e Claudionor Cruz. No acompanhamento, a mesma Tabajara de Severino Araújo que se converteria na Violinos Mágicos (também conhecida como “Orquestra Romântica de Severino Araújo”) e na Românticos de Cuba, anos mais tarde.
Farnésio Dutra e Silva, aliás Dick Farney (Rio de Janeiro, 1921-São Paulo, 1987) é outro que também começou em disco interpretando músicas americanas, tendo inclusive feito longas temporadas nos EUA. Foi o primeiro, inclusive, a gravar um clássico da música popular americana, o fox ‘Tenderly”. E o disco escalado para esta edição do GRB, também da Continental, é o primeiro no qual interpretou música brasileira, com o número 15663, gravado em 2 de junho de 1946 e lançado em agosto do mesmo ano, com dois sambas. A faixa de abertura, matriz 1509, é o clássico “Copacabana”, de João de Barro, o Braguinha, e Alberto Ribeiro, e justamente a que chamou mais atenção, principalmente pela maneira de interpretar, calcada em cantores americanos como Bing Crosby (inevitavelmente criticada por conservadores da época), e pelo acompanhamento de orquestra de cordas, no caso a de Eduardo Carmelo Patané (São Paulo, 1906-idem, 1969), que passaram, desde então, a constituir modelo de sofisticação para a MPB. O verso, matriz 1508, é “Barqueiro do São Francisco”, também de Alberto Ribeiro, agora em parceria com Alcyr Pires Vermelho, que também teve repercussão, ainda que um pouquinho menor que a de “Copacabana”. Ambas as músicas seriam regravadas por Dick Farney inúmeras vezes ao longo de sua carreira, assim como outras expressivas páginas de seu repertório: “Marina”, “Alguém como tu”, “Somos dois”, “Ponto final” etc.
Lúcio Ciribelli Alves (Cataguazes, MG, 1927-Rio de Janeiro, 1993), de longa e vitoriosa carreira como intérprete, começou a tocar seu violão na mais tenra idade, estimulado pelo pai, maestro da banda de música de sua cidade natal, mudando-se com a família para o Rio de Janeiro quando tinha sete anos. Foi ironicamente apelidado pelo compositor e humorista Silvino Neto de “cantor das multidinhas” (em comparação a Orlando Silva, “o cantor das multidões”). Aos 14 anos, fundou o conjunto Namorados da Lua, do qual era cantor, violonista e arranjador, que fez grande sucesso e desfez-se em 1947 (já sem Lúcio Alves, passaria a chamar-se Os Namorados). Como compositor, seu maior hit foi o samba “De conversa em conversa”, em parceria com Haroldo Barbosa, que gravou junto com os Namorados da Lua mais Isaura Garcia. Outras páginas expressivas de seu repertório são “Nunca mais” (Dorival Caymmi), “Reverso” (Gilberto Milfont e Marino Pinto), “Valsa de uma cidade” (Ismael Neto e Antônio Maria), “Tereza da praia” (dueto com Dick Farney, de Tom Jobim e Billy Blanco), etc. De Lúcio, eis aqui o disco Continental 16730, gravado em 25 de fevereiro de 1953 e lançado em maio-junho do mesmo ano. Abrindo-o, matriz C-3056, o beguine “Cedo para amar”, dos compositores americanos Sidney Lippman e Sylvia Dee, em versão de Bruno Gomes, no original intitulado ‘Too young”e sucesso dois anos antes com Nat King Cole. Esta mesma versão teve outro registro em seguida, com Dóris Monteiro, na Todamérica. Bruno também assina, em parceria com Fernando Lobo, a música do lado B, matriz C-3057, o samba “Procurando meu bem”. Ambas as faixas com acompanhamento dirigido pelo notável maestro gaúcho Radamés Gnattali, com o pseudônimo de Vero.
Radamés também acompanha Chaiki Madi, aliás Tito Madi, paulista de Pirajuí (n.1929), em outro disco Continental, o de número 17416, gravado em 4 de setembro de 1956, porém só lançado em março-abril de 57, apresentando dois clássicos do repertório de Tito. No lado A, matriz C-3917, a valsa “Chove lá fora”, que mereceria inúmeras outras gravações, inclusive do próprio compositor, tendo até uma versão em inglês com os Platters, “It’s raining outside”. No verso, matriz C-3916, o samba-canção, com tendência mais para toada, “Gauchinha bem querer”, composto por Tito quando participou de festejos promovidos pela Rádio Farroupilha de Porto Alegre. Tito Madi teve inúmeros outros sucessos como compositor e intérprete, destacando-se “Não diga não” (dele com Georges Henry), “Sonho e saudade”, “Carinho e amor”, “Balanço Zona Sul” e “Menina moça” (esta última de Luiz Antônio).
Em seguida temos Bill Farr, pseudônimo de Antônio Medeiros Francisco (Sapucaia, RJ, 1925-Rio de Janeiro, 2010). Passou a infância em Petrópolis, e organizou um grupo vocal quando ainda estudava no Colégio Werneck, ingressando na carreira artística ao terminar o curso científico. Começou como vocalista no Hotel Quitandinha, e depois passou a atuar na Rádio Nacional carioca, por intermédio de César de Alencar. Gravou seu primeiro disco na Sinter, em 1952, com o samba-canção “Abraça-me”, de Luiz Bittencourt, e o bolero “Depois do amor”, de José Maria de Abreu e Oswaldo Santiago. Nos anos 1960, deixou a carreira de cantor, mudando-se para Madri, capital da Espanha, onde trabalhou em um escritório de comércio exterior. De Bill Farr apresentamos o disco Continental 16941, lançado em abril de 1954. No lado A, matriz C-3334, aquele que foi certamente o maior sucesso de sua carreira: o fox “Oh!”, de Byron Gay e Arnold Johnson, em versão de Haroldo Barbosa. No verso, matriz C-3335, um samba-canção do então estreante Billy Blanco, “Maria Tereza”.
E para encerrar com chave de ouro, apresentamos Johnny Alf, pseudônimo de Alfredo José da Silva (Rio de Janeiro, 1929-Santo André, SP, 2010). Cantor, compositor, pianista, autor de inúmeras músicas de sucesso (quem não se lembra, por exemplo, de “O que é amar” e “Eu e a brisa”?), gravou seu primeiro disco, apenas instrumental, em 1953, na Sinter, exectando ao piano com seu trio o samba-canção “De cigarro em cigarro” (Luiz Bonfá) e o choro “Falseta”, dele mesmo. De Alf apresentamos o disco Copacabana 5568, de 1956, com duas composições próprias. Abrindo-o, a matriz M-1392 traz o samba “Rapaz de bem”, autêntico precursor da bossa nova, não só pela maneira de Alf interpretá-lo, como também pela letra, que traduzia bem o modo de vida da juventude da Zona Sul do Rio de Janeiro. A música daria título, em 1961, ao primeiro LP do compositor, lançado pela RCA Victor. No verso desse 78 da Copacabana, matriz M-1391, o samba-canção “O tempo e o vento”, que aproveita apenas o título da famosa trilogia de romances do escritor gaúcho Érico Veríssimo, na época com dois volumes já publicados (“O continente”, de 1949, e “O retrato”, de 1951, sendo o terceiro e último, “O arquipélago”, de 1961). Um fecho realmente de ouro para esta edição do GRB, focalizando intérpretes precursores da bossa nova, inovadores para a época em que surgiram. Bom divertimento!

Texto de SAMUEL MACHADO FILHO

Tito Madi Canção Dos Olhos Tristes (1961)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Em minha última ida ao Rio (de Janeiro), andei comprando alguns discos. Entre esses trouxe também este disco do Tito Madi. Um álbum realmente muito bonito, lançado pela CBS em 1961, safra onde muita coisa boa apareceu (inclusive eu, hehehe…). Havia esquecido de posta-lo e só lembrei agora por conta do amigo Chris Rousseau que foi quem deu ‘um trato’ no som. Observando rapidamente pela Rede, não vi ainda este disco postado em nenhum outro blog. Será? Bom, mas isso não importa. Seja como for, aqui vai a minha ‘versão dos fatos’. Segue assim “Canção dos olhos tristes”, álbum onde Tito é acompanhado pela orquestra do maestro Lyrio Panicali e traz além de suas belas composições, músicas de Luiz Antônio (Chorou, chorou); Hianto de Almeida e Meira Guimarães (Pra você); Fernando César e Lyrio Panicali (Presente do céu); Luiz Bonfá e Reinaldo Dias Leme (Tanto amor) e Esther Delamare (Eu queria sonhar) que também escreve o texto da contracapa. Querem conferir o toque? Então aguardem que logo ele estará no GTM. Quem ainda não se associou, faça-o já. Mas, por favor, antes de vir com dúvidas de como ‘baixar’, leiam antes as orientações contidas aqui, ok? Ta tudo muito bem ‘mastigadinho’, é só engolir… 😉

canção dos olhos tristes

chorou, chorou…

graças a deus você voltou

pra você

presente do céu

até quando

é fácil dizer adeus

tanto amor

canção de sorrir… de chorar

onde andará minha saudade

eu queria sonhar

nem um adeus