Walter Wanderley E Seu Conjunto – Sucessos Dançantes Em Ritmo De Romance (1960)

Olá amigos cultos e ocultos! Falta pouco para fecharmos o ano de 2012. Ainda nesses últimos momentos o Toque Musical vem marcar a sua presença, completando o ciclo diário de postagens. Apesar dos pesares, a gente continua mandando ver e ouvir, claro!

Segue aqui neste penúltimo dia um disco do Walter Wanderley,n álbum lançado pela Odeon em 1960. Neste lp iremos encontrar uma seleção de sucessos da época em ritmo dançantes (a dois). Uma mistura das boas, como muito samba, bolero, chachacha e até o rock. Destaco em especial as três últimas faixas, Dolores Duran no pedaço 😉

e daí? (proibição inútil e ilegal)

o apito no samba

gimba

io

baby rock

quem é

oh carol

perfume de gardênia

quero beijar- te as mãos

a noite do meu bem

fim de caso

castigo

Péricles Cavalcanti – Sobre As Ondas (1995)

Antes que este ano acabe, que o blog acabe… Eu não poderia deixar de postar aqui um dos meus discos preferidos de todos os tempos, “Sobre as ondas”, do genial Péricles Cavalcanti. Este álbum eu venho há tempos ensaiando em postá-lo, mas só não o fiz antes porque não encontrava o bendito lp. O tempo passou e eu acabei esquecendo. Hoje, procurando o disco do dia, me lembrei. Lembrei que tenho apenas a versão em cd. Quer saber? Vai ser essa mesmo! Taí um disco que a gente precisa ouvir sempre, seja em cd, vinil ou mp3.

“Sobre as ondas” foi o segundo ou terceiro trabalho gravado por Péricles. Como em “Canções”, seu primeiro álbum, postando também aqui no TM, este é também impecável, praticamente todo autoral, tendo apenas duas músicas em parceria: “Poesseu, poessua (pérnalas)”, sobre poema de Décio Pignatari e “Imagem”, sobre poema de Arnaldo Antunes. Este disco foi lançado em 1995 de maneira quase independente. Composto, produzido e arranjando por Péricles. Muito bom! Eu garanto!

por todas as veias

minha vanguarda

doris monteiro

deuses e homens

imagem

a noite em que vicente celestino morreu

vídeo chorinho

número um nº 2

poesseu, poessua (pérnalas)

intimidade

aula de matemática nº 2

odeio música

com amor, com você

cara de mãe

mapa mundi

Carlos Galhardo – Evocação (1961)

Olá amigos cultos e ocultos! O ano está acabando e apesar dos atropelos, o Toque Musical cumpriu bem sua tarefa. Estivemos aqui diariamente trazendo sempre um disco ou uma gravação rara e especial. Infelizmente, nem tudo foi flores. Mesmo no Paraíso há sempre um infeliz capaz de transformar tudo num inferno. Perdemos praticamente todos os nossos links por conta de denúncias de um espírito de porco. Com tantas manobras para manter vivo o blog Toque Musical, acabei ficando um pouco desgastado. Sinceramente, estou meio cansado de ficar repetindo coisas, repostando links, refazendo o blog. A partir do ano que vem vou ser mais atencioso comigo mesmo. Tocarei as postagens sem ter mais o compromisso diário. Os links, como já disse anteriormente, não serão mais reativados. Pelo menos da maneira como temos feito. A prioridade é sempre da postagem do dia. Como tudo, os arquivos e links também caducam.

Hoje eu trago para vocês o álbum “Evocação”, de Carlos Galhardo, acompanhado de orquestra. Este disco foi lançado em 1961 pela RCA Victor e traz em seu repertório uma seleção musical muito boa, com composições que são verdadeiros clássicos populares. Vamos encontrar aqui  sambas, canções, valsas e boleros na voz de um dos mais importantes intérpretes dos gêneros…

guacyra

quanta tristeza

esmagando rosas

casa de caboclo

favela

professora

valsa dos namorados

arrependimento

mágoas de caboclo

palavras amigas

menos eu

boa noite

Cauby Peixoto – Superstar (1972)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Diante a perda de todos os nossos links pelo Mediafire, nossa lista de reposição triplicou. Se torna ‘augutamente’ impossível repor tudo aquilo que perdemos e sinceramente eu não ando muito motivado a começar tudo de novo. Assim, declarei que de agora em diante, nossos links terão prazo ainda mais limitado. Quem não estiver acompanhando o diário de postagens e o GTM vai comer mosca. A partir de janeiro, novas solicitações de links serão pessoais. Não haverá mais reposição no GTM. Os interessados em qualquer dos discos postados deverão encaminhar um pedido por e-mail. Passo também a cobrar uma ajuda de custo por esse serviço exclusivo. Observem que essa cobrança se faz necessária no sentido da manutenção e sobrevivência do blog. Não tenho interesse algum em ganhar dinheiro com isso. Porém, como todos sabem, manter um blog como o Toque Musical não é fácil. E como dizem, quem trabalha de graça é relógio. Meu tempo tem um valor e anda cada vez mais curto. Meu prazer em compartilhar se faz na medida da participação e interesse de vocês. A partir de janeiro estarei também vendendo os meus discos (os originais, claro). Quem tiver interesse em adquirir vinil e cd, basta enviar um e-mail, ok?

Para a postagem de hoje, eu estou trazendo aqui mais um disco (dos raros) do Cauby Peixoto. Vamos dessa vez com “Superstar”, álbum lançado pela Odeon em 1972. Taí uma boa safra do Cauby, um disco fino, com produção de Milton Miranda, arranjos e direção musical de Lindolfo Gaya que também é o orquestrador e regente ao lado de outro maestro, Orlando Silveira. No repertório temos uma gama variada de sucessos, contemplando músicas de compositores como Chico Buarque e Vinícius de Moraes, Caetano Veloso, Silvio César, Sylvio Caldas e Orestes Barbosa, Roberto e Erasmo Carlos, Tom Jobim, Menescal e Bôscoli e outros… Não demorem para conferir. Depois de um mês eu já não garanto nada… 🙂

os argonautas

foi a vida

maria, maria

mulher

se todos fossem iguais a você

por quem morreu de amor

valsinha

meu filho

detalhes

pra você

chão de estrelas

Suzy King – A História E As Histórias De Georgina Pires Sampaio

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Espero que todos tenha tido um ótimo natal. Agora é nos prepararmos para as festas do fim de ano.

Retomando as nossas postagens, eu hoje abro o espaço para o pesquisador Alberto Oliveira, que vem colhendo informações sobre Suzy King, uma curiosa artista dos anos 50 e 60. Conforme Alberto, esta artista chegou a gravar discos, o que atiçou ainda mais o meu interesse em ajuda-lo. Segue aqui uma marchinha carnavalesca gravada por ela em 1960. “Me leva prá lua” E logo a baixo a nota do pesquisador:

Georgina Pires Sampaio… Uma mulher bela e exótica que, depois de mais de vinte anos dedicados à vida artística, desapareceu misteriosamente dos palcos. Suzy King era o seu nome de guerra. Dançarina, cantora, atriz e faquiresa.
Ousada e solitária, Suzy morava num apartamento em Copacabana com várias cobras de estimação e lutava contra uma sociedade que se esforçava em marginalizar a mulher independente. O que terá acontecido a Suzy King? Em busca de encontrar resposta a essa pergunta, criei o blog http://suzyking.blogspot.com.br com tudo o que encontrei sobre ela até o momento.
Gostaria de pedir a quem tenha qualquer informação ou lembrança sobre Suzy King que entre em contato comigo pelo e-mail
betodec30@yahoo.com.br  –  
Alberto Oliveira

 

Coral Céu Da Boca – Canções De Cordialidade E Canto De Natal (1979)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje é segunda feira, dia de postagem da série GRB (Grand Record Brazil), mas é também véspera de natal. Eu bem que podia ter procurado alguns temas natalinos lançados na época do 78 rpm, mas nem preciso confessar, me faltou tempo. Por outro lado, ficou mais fácil repostar os links no GTM de diversos outros títulos de anos anteriores, inclusive o volume 4, especial de natal do GRB. Vamos hoje dar um descanso ao amigo Samuca e em seu lugar vai este compacto promocional da Adonis, lançado no natal de 1979. Este disquinho veio bem a calhar, pois traz exatamente na medida a minha mensagem de fim de ano. Temos aqui o Coral Céu da Boca interpretando seis peças de Villa-Lobos com letras do poeta Manuel Bandeira.

Desejo a todos um feliz natal. Que seja um momento de paz, amor e reflexão. Um momento para repensarmos nossas atitudes. Perdoar e pedir perdão. Um momento para lavar a alma e nos preparar para um novo ano. Desejo a todos (e sem exceção) muito amor, compartilhado como fazemos aqui com a música. Afinal, tudo que é bom a gente precisa saber dividir. Não temos palavras para lhes desejar boas festas, só temos música. Feliz Natal!

feliz natal

boas vindas

feliz aniversário

boas festas

canto de natal

feliz ano novo

Os Velhinhos Transviados – O Natal Dos Velhinhos Transviados (1966)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! No embalo natalino aqui vamos nós com mais uma postagem. Como nesta semana eu não postei nenhum compacto, resolvi escolher para o dia de hoje um compacto duplo, lançado pelOs Velhinhos Transviados para o natal de 1966. Como eu não tive condições de achar o disquinho hoje, tomei emprestado um arquivo semelhante, que foi postado no saudoso Loronix. É natal, um feliz natal…

jingle bells

white christmas

boas festas

noite silenciosa

Rádio Nacional – Boas Festas (2012)

Boa noite a todos! Como estamos encima do Natal, eu vou logo buscando algo condizente com a data. Mas como vocês sabem, estou meio sem tempo para procurar e preparar alguma coisa que me tome mais de cinco minutos. Assim, recorro ao que está mais fácil.

Encontrei este arquivo, que me foi enviado por um de nossos amigos há algum tempo atrás. Trata-se de um compacto de jingles da Rádio Nacional, utilizado em suas saudações de fim de ano. Não sei precisar a data, mas creio que seja da década de 60. Uma curiosidade para não deixarmos o dia de hoje passar em branco. Vamos fazer isso na passagem do ano 🙂

hino da rádio nacional

jingle bells

noite feliz

natal alegre

natal religioso

ano novo luar do sertão

Ribamar – Noites Cariocas (1975)

Olá amigos! Mais uma vez estou eu aqui ‘apertado de costura’, ‘costura natalina’, vamos dizer assim. Totalmente sem tempo para manter a dinâmica do Toque Musical. Daí, só me resta lançar mão dos providenciais ‘discos de gaveta’.

Trago para vocês o pianista Ribamar em um álbum lançado pela EMI-Odeon em 1975. Este álbum comemora os 25 anos de atuação profissional do artista. Uma retrospectiva onde Ribamar nos traz algumas das músicas mais importantes em sua carreira, composições de outros grandes artistas executadas por ele ao longo desse tempo. Aqui, em novas gravações e arranjos, com um grupo de excelentes instrumentistas, como é o caso de Hélio Delmiro, Chiquinho do Acordeom e outros.

castigo – fim de caso – a noite do meu bem – solidão

gauchinha bem querer

duas vidas

meu sonho é você

delicado

pra você – nossos momentos

pedacinho do céu

mulher – tudo cabe num beijo

apanhei-te cavaquinho

esmagando rosas

de tanto amor

dizem por aí

Gereba – Bendengó (1973)

Boa (última) noite, amigos cultos e ocultos! Se tudo correr conforme as previsões de um bando de malucos, amanhã será o fim do mundo. Por certo vai ser mesmo para um determinado grupo de pessoas que irão morrer amanhã. E o mais irônico disso tudo é que os escolhidos podem ser qualquer um, inclusive eu ou algum de vocês. Como faço toda noite, deito a cabeça no travesseiro e espero, sem pressa e sem preocupação. Seja o que Deus quiser 🙂

Por não acreditar que o mundo acaba amanhã foi que eu não me preocupei em escolher aquela que seria a postagem final e derradeira. Teria que ser algo muito especial. Infelizmente eu não estou tendo tempo nem para morrer de maneira orgulhosa. Mesmo assim, escolhi para o dia de hoje um disco da melhor qualidade, que na pior das hipóteses irá representar bem o fim do mundo, aqui no Toque Musical. Temos então, o baiano Geraldo Barrero, mais conhecido como Gereba, em seu primeiro disco, gravado em 1973, pelo selo Fontana. Como podemos ver na capa, o álbum se chama “Bendengó”, possivelmente uma alusão ao meteorito encontrado na Bahia, próximo da cidade de Monte Santo, onde nasceu Gereba. Com este disco ele dava início a formação do grupo que viria a ser conhecido como Bendegó. Em sua formação inicial Gereba contava com Capenga, Zeca, Raimundinho e o mineiro baiano Djalma Corrêa. As músicas deste disco são todas de Gereba e Patinhas. Muita gente confunde, achando que Gereba é que é o nome do disco, ou mesmo que este tenha sido o primeiro disco do grupo. É interessante também observar que neste álbum se fala ‘Bendengó’, com o ‘N’ entre o E e o G. O Bendegó nasceu aí…

chorada

desaguou

princesa sertaneja

bendengó

abrolhos

o gole

algazarra de padre

bala de ouro

rio doloso

bonde

zesse feche zesse

caratacá

Silvio Brito E Os Apaches – Por Um Amor Maior (1973)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Diante à minha falta de tempo para selecionar novos álbuns, o jeito é recorrer aos ‘discos de gaveta’, aqueles que estão sempre prontos para eventualidades como essas. Como estamos próximos do fim do mundo, me lembrei do Silvio Brito e aquela sua velha canção, “pare o mundo que eu quero descer…” Não achei o tal disco, mas tenho outro ainda mais curioso. Aliás, um disco bem raro que nem o próprio artista possui. Temos aqui o Silvio Brito e seu primeiro conjunto, Os Apaches. A primeira vez que vi este disco, achei que fosse algo mais próximo da natural rebeldia juvenil dos anos 70, algo mais ‘rock’n’roll, principalmente pela estampas dos músicos na capa. Mas, longe de qualquer ideia ‘hippie’, Os Apaches de Silvio Brito estavam mais interessados em louvar o Senhor. As músicas deste disco são todas de cunho religioso católico. A banda durou uns oito anos e chegaram a gravar dois lps por um selo das Edições Paulinas. Pelo pouco que eu sei, Silvio Brito ainda hoje continua muito ligado à Igreja Católica. Chego a pensar que o artista é, no fundo, um padre à paisana. Hehehe…

o senhor é meu pastor

prelúdio da paz

vale a pena perdoar

aleluia

obrigado senhor

por um amor maior

mensagem de amor

perdão senhor

eu caminhei

pobres e nobres

a fonte do amor

meditação

Gerson Conrad & Zezé Motta (1975)

Boa noite a todos! Vai chegando essa época de fim de ano, natal, etc… meu tempo fica ainda mais curto. Mas vamos lá…

Hoje temos um disco muito interessante. Álbum lançado em 1975 pela Som Livre, “Gerson Conrad & Zezé Motta”. Todos devem se lembrar, Gerson fez parte dos Secos & Molhados, ao lado de Ney Matogrosso e João Ricardo. Em 74, após o fim do grupo, juntou-se com o letrista Paulo Mendonça para compor uma série de canções, das quais resultariam este lp, que tem ainda como peça principal a interpretação da atriz cantora, Zezé Motta. Bacana 🙂

a dança do besouro

favor dos ventos

sonho agitado

trem noturno

estranho sorriso

bons tempos

o legado da terra

sempre em mim

pop star

um resto de sol

lírios mortos

a medida

novo porto

1974

Jacob Do Bandolim 1 – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 48 (2012)

Em sua edição de número 49, o Grand Record Brazil inicia uma retrospectiva dedicada àquele que, certamente, foi um dos maiores bandolinistas brasileiros, senão o maior: o carioca Jacob Pick Bittencourt, que ganhou a imortalidade como Jacob do Bandolim.

Nascido no Rio de Janeiro em 14 de fevereiro de 1918, de pai capixaba e mãe polonesa, Jacob estudou no Colégio Anglo-Americano e serviu no CPOR. Quando já “arranhava” o bandolim, trabalhou no arquivo do Ministério da Guerra, e depois fez carreira como serventuário da Justiça do Rio, onde chegou até mesmo a ser escrivão de vara criminal. Sua casa no bairro de Jacarepaguá, avarandada e com jardim, era palco de memoráveis rodas de choro (os “saraus”), e nelas Jacob recebia seus grandes amigos chorões. Entre seus ídolos estavam Almirante, Noel Rosa, o pianista Nonô, Luiz Vieira, Pixinguinha e Ernesto Nazareth. Mesmo não sendo lá grande entusiasta do carnaval, gostava bastante de frevo. Foi “guru” de Sérgio Cabral (pesquisador e produtor musical, pai do governador do Rio, Sérgio Cabral Filho), Hermíno Bello de Carvalho e Ricardo Carvo Albim. Autor de clássicos do choro (“Vale tudo”, “Noites cariocas”, “Assanhado”, “Doce de coco” e muitos mais), Jacob formou, nos anos 1960, o conjunto Época de Ouro, que mesmo após sua morte, em 13 de agosto de 1969, permaneceu na ativa, e existe até hoje. Seu último espetáculo público aconteceu em 1968, no Teatro João Caetano do Rio de Janeiro, onde se apresentou ao lado de Elizeth Cardoso e do Zimbo Trio, além, é claro, do Época de Ouro. Teve dois filhos: Sérgio Bittencourt (jornalista e também compositor, sendo inclusive autor do clássico “Naquela mesa”, em homenagem ao pai) e Elena Bittencourt, que tornou-se depois presidente do Instituto Jacob do Bandolim.

As gravações de Jacob do Bandolim que compõem esta retrospectiva são do acervo do pesquisador Sérgio Prata, e abrangem o período de 1947 a 1959. Nesta primeira parte, composta de doze fonogramas, apresentamos as músicas de seus quatro primeiros discos, gravados na Continental. Jacob estreou com o 78 de número 15825, gravado em 9 de julho de 1947 e lançado entre agosto e outubro desse ano. Abrindo-o, matriz 1693, um choro dele mesmo, “Treme-treme” (a faixa 11 da nossa sequência), e no verso, matriz 1686, a bela valsa “Glória”, de Bomfiglio de Oliveira (faixa 12), lançada originalmente em 1931 por Gastão Formenti, com letra de Branca Coelho. O segundo disco de Jacob levou o número 15872, sendo lançado em março de 1948. No lado A, gravado em 23 de junho de 47, matriz 1687, a bela valsa, dele próprio, “Salões imperiais” (que abre a sequência). No lado B, gravado em 9 de julho de 47, matriz 1694, outra composição do trompetista Bomfiglio de Oliveira, o conhecido choro “Flamengo” (a faixa 2), originalmente gravado pelo autor em 1931, sendo este registro de Jacob também muitíssimo apreciado. Curioso é que, nessas quatro primeiras gravações, Jacob é acompanhado pelo conjunto do violonista César de Faria, pai do grande Paulinho da Viola. Em seguida, do terceiro disco, número 15957, gravado em 18 de setembro de 1948 e lançado entre outubro e dezembro seguintes, outras duas composições do próprio Jacob: o choro “Remelexo” (faixa 4), matriz 1943, e a valsa “Feia” (faixa 3), matriz 1944 (vocês vão perceber que a música não faz nenhuma jus ao título, sendo de fato primorosa). Do quarto e último disco de Jacob na Continental, número 16011, lançado em março-abril de 1949, o choro “Cabuloso”, de sua autoria (faixa 5), matriz 1942, e a conhecida “Flor amorosa”, matriz 1945, de Joaquim Antônio da Silva Callado, originalmente polca e aqui choro, cujos primeiros registros, no início do século passado (fase mecânica de gravação) foram apenas instrumentais, apesar de Catulo da Paixão Cearense ter lhe posto versos em 1880, mesmo ano da morte de Callado.

As outras quatro faixas foram gravadas por Jacob do Bandolim já na RCA Victor, onde o mestre passa a registrar praticamente toda a sua discografia. Sua primeira sessão de estúdio na “marca do cachorrinho” dá-se em 12 de maio de 1949, com o disco 80-0602, lançado em julho daquele ano, e do qual apresentamos a faixa de abertura: o famoso tango “O despertar da montanha”, de Eduardo Souto, matriz S-078881. Temos depois “Sorrir dormindo”, ou “Por que sorris”, valsa de Juca Kalut lançada ainda nos tempos do disco mecânico, levada a disco por Jacob em 9 de janeiro de 1950 com lançamento em junho do mesmo ano (80-0653-B, matriz S-092605), uma valsa do próprio Jacob, “Encantamento”, por ele gravada na mesma sessão e lançada em julho de 1950 (80-0667-B, matriz S-092607), e uma deliciosa polca também de autoria do próprio mestre Jacob, “Mexidinha”, gravação de 30 d ejunho de 1950 e lançada em setembro seguinte com o número 80-0688-A, matriz S-092699. Está muito bom para começar, não é mesmo? Então aguardem que vem mais por aí, tá combinado? Então até lá…

Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.

Turibio Santos – Violão Brasileiro (1980)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso domingo é dedicado à música instrumental, à música erudita e também popular e principalmente ao violão. Trago para vocês um dos maiores violonistas brasileiros, o admirável Turíbio Santos, em um disco delicioso, lançado pelo extinto selo Kuarup em 1980. “Violão Brasil” é um álbum que contempla a música erudita e popular brasileira, através das composições de grandes mestres como podemos ver na capa: Villa-Lobos, Hernesto Nazareth, Dilermando Reis e Henrique Alves de Mesquita. Vamos encontrar aqui os famosos Cinco Prelúdios para violão, de Villa-Lobos, obra composta em 1940. Do outro lado do disco vamos encontrar uma espécie de pot-pourri de canções infantis brasileiras, harmonizadas pelo próprio Turíbio Santos. Seguem as outras faixas trazendo Ernesto Nazareth, Henrique Alves de Mesquita e Dilermando Reis. Esses três últimos tiveram suas composições transcritas por outro violonista, João Pedro Borges, que também participa nessas faixas fazendo o segundo violão. Taí, um disco muito bom de se ouvir nesta noite de domingo. Basta entrar no GTM e buscar, ok?

cinco prelúdios (de villa-lobos)

canções infantis brasileiras:

sozinho eu não fico

nesta rua mora um anjo

boi da cara preta

carneirinho, carneirão

floraux (de ernesto nazareth)

batuque (de ernesto nazareth)

batuque (de henrique alves de mesquita)

tempo de criança (de dilermando reis)

Henry Nirenberg E Sua Orquestra – Percussão Espetacular (196…)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Hoje eu passei o sábado colocando em dia o meu prazer de ouvir, sem pressa, alguns discos que adquiri ultimamente. São coisas variadas, que vão do rock ao jazz, ritmos latinos e até de poesia. Só não rolou MPB, pois essa é arroz com feijão, prato de todo dia e eu queria mesmo era variar. Nossa, como é bom ficar atoa, por conta do ócio, apenas curtindo as coisas que a gente gosta. Valeu demais! Acabei com isso não preparando nada para a postagem de hoje. Mas sabia que poderia contar com os meus velhos e bons ‘discos de gaveta’. Foi escutando Perez Prado, Les Baxter, Dick Schory, Martin Denny e Arthur Lyman que eu me lembrei desse disquinho aqui que tem tudo a ver, enviado há poucos dias, como colaboração, pelo amigo Mauro. Henry Nirenberg e Sua Orquestra. Pelo nome muitos de vocês irão pensar que se trata de algum disco de orquestra internacional. Mas a verdade é que Henry Nirenberg foi apenas um pseudônimo criado para o maestro Leo Peracchi, possivelmente por Nilo Sérgio, quando então este lançou pela sua Musidisc alguns discos utilizando esse nome. O Maestro incorpora assim o personagem Henry Nirenberg e nos apresenta uma seleção musical curiosa, com arranjos bem ao estilo ‘exótico’ adotado por artistas como os que eu citei logo de início. Este álbum, como se pode ver pela capa, é daqueles discos que fazem parte de coleções, vendidas através dos Correios, ou algo assim. Lançando, certamente, nos anos 60, pelo selo Stereo Hi Fi Club (deve ser mais uma produção da Musidisc/Nilo Sergio). Apesar da digitalização do disco trazer inúmeros estalos, a qualidade da gravação é excepcional, valorizando o sistema estereofônico, que naquela época, aqui, era novidade. Ouvi pouco as músicas deste lp, que tem uma seleção bem dosada, com composições interessantes e algumas bem conhecidas, nacionais e internacionais. Olha só…

percussão espetacular

bahia

fetiçaria

funeral de um rei nagô

that old black magic

banzo

tabu

jungle drums

the banana boat song

PS.: Segue aqui o reclame e informação deste cidadão que se apresenta como advogado. Segundo ele, Henry Nirenberg não era um pseudônimo e toda a informação levantada sobre o artista é falsa. Deixo aqui então publicado o que ele nos escreveu. Esperamos agora que também nos dê boas provas, mais informações sobre este músico e sua orquestra, pois além do Toque Musical, onde mais alguém irá encontrar um site preservando ou resgatando o nome de Henry Nirenberg?

Na qualidade de advogado da Família Nirenberg, venho notificar o blog Toque Musical e seu representante legal, das inverídicas alegaçōes contidas na apresentação do disco “HENRY NIRENBERG E SUA ORQUESTRA – PERCUSSÄO ESPETACULAR”, lançado pela Musidisc, feita neste blog.

Informo que o pseudônimo HENRY NIRENBERG era do ínsigne Maestro HENRIQUE NIRENBERG e não do excelente arranjador Leo Peracchi.

O Maestro HENRIQUE NIRENBERG, ou HENRY NIRENBERG, foi o regente de todos os discos das séries Henry Nirenberg e sua Orquestra, Romänticos de Cuba e Violinos Mágicos, lançados pela MUSIDISC sob a direção de Nilo Sérgio. Informo ainda que a orquestra era formada por renomados professores entre os quais Sanntino Parpinelli, Jaques Nirenberg e Eugen Ranevsky, membros do Quarteto de Cordas Brasileiro da UFRJ.

Portanto, notifico o representante legal do Blog TOQUE MUSICAL para retirar de imediato as falsas informaçōes contidas no referido blog, e informar aos seus leitores a informação correta, conforme aqui exposto, no prazo de 10 (dez) dias a contar desta data, sob pena de medidas legais serem tomadas para reparar os graves danos causados ao Maestro Henrique Nirenberg.

A Deusa Vencida – Trilha Original Da Novela (1965)

Olás! Boa noite a todos! Chegamos a mais um fim de semana e eu só agora me lembrei que não postei nenhum compacto nos últimos dias. Assim sendo, aqui vai um no capricho, pronto para degustar 😉 Tenho aqui este compacto lançado pela Odeon , trazendo a trilha sonora da novela “A Deusa Vecida”,  que foi exibida pela TV Excelsior em 1965. Escrita por Ivani Ribeiro, dirigida por Walter Avancini e tendo como protagonistas atores como Tarcísio Meira, Gloria Menezes, Edson França, Regina Duarte e muitos outros que ainda hoje atuam na telinha. Segundo contam, foi a primeira telenovela a ter uma trilha original. As músicas são de autoria de Zaê Junior e Theotônio Pavão (pai da Meire Pavão). Quem as interpreta é o cantor Hugo Santana, que também participa como ator na novela. Manda vê aí…

balada para uma deusa menina

pequena paisagem de amor

Luiz Gonzaga – 100 Anos!

Boa noite, prezados! O dia foi puxado, mas ainda assim eu precisava achar um tempo para a postagem de hoje. Na presente data, o grande Luiz Gonzaga estaria completando 100 anos. Seria até um pecado o Toque Musical não prestar esta homenagem. Mas aqui estamos… Pensei em postar mais um disco do Lua, porém percebi que não tenho nada de especial que já não tenha sido postado aqui. Achei então, mais interessante, repostar no GTM os links de algumas dos melhores momentos: o box “Luiz Gonzaga – 50 Anos de Chão” e a coletânea exclusiva Toque Musical, “Luiz Gonzaga Instrumental – Gravações Na Década de 40 – Volumes 1 e 2”. Duas ótimas coletâneas que traçam bem a trajetória do artista. Como os nossos ‘toques’ via Mediafire foram todos deletados, o REPOST dessas postagens vem bem a calhar. Aqui tem mais, tem tudo que foi postado dele no Toque Musical. Salve Luiz Gonzaga, o Rei do Baião!

 

Noel Rosa E Sua Turma Da Vila (1968)

Olá meus prezados amigos cultos e ocultos! Antecedendo ao aniversário de Noel Rosa, postamos aqui, na segunda feira, uma bela coletânea do compositor cantando suas próprias músicas. Ontem, em homenagem ao dia de seu nascimento tivemos um super álbum duplo, um disco raro e especial. Hoje, mais uma vez, vamos com Noel. É sempre bom um antes, um durante e um depois. Não dá para enjoar de Noel Rosa. Neste lp, lançado pela Odeon/Imperial, temos uma seleção de fonogramas raros. De um lado, abrindo o disco, temos seis faixas com Noel Rosa cantando. Algumas, inclusive, são repetidas, apresentadas nas duas últimas postagens. Do outro lado temos músicas de Ary Barroso e Noel & Vadico, interpretadas por João Petra de Barros. O cantor e compositor Luiz Barbosa também comparece em outras três faixas encerrando assim este delicioso ‘long play’. Não deixem de conferir!

conversa de botequim – noel rosa

joão ninguém – noel rosa

arranjei um fraseado – noel rosa

onde está a honestidade – noel rosa

provei – noel rosa e marilia batista

você vai se quiser – noel rosa e marília batista

sentinela alerta – joão petra de barros

duro com duro – joão petra de barros

feitiço da vila – joão petra de barros

sou jogador – luiz barbosa

bumba no caneco – luiz barbosa

um sorriso igual ao teu – luiz Barbosa

Noel Rosa (1982)

Boa noite amigos cultos e ocultos! Aos trancos e barrancos, aqui vamos nós. Com alguns atrasos, algumas falhas… mas saibam que se dependesse só de mim, isso aqui estaria uma maravilha.

Hoje eu estou trazendo um disco especial, em homenagem a uma figura também especial, o nosso inigualável Noel Rosa. Se estivesse vivo, estaria fazendo hoje 102. Mais novo que o Niemayer, heim!? Mas o Noel, como aquela vida boêmia que levava não ia mesmo muito longe. Não foi, realmente. Mas teve tempo suficiente para se tornar eterno. O presente lp foi produzido pela FENAB (Federação Nacional de Associações Atléticas Banco do Brasil), um disco duplo e independente, de tiragem limitada, lançado no ano de 1982. O álbum se divide em dois momentos, o primeiro no disco 1, iremos encontrar uma seleção de fonogramas antigos com alguns de seus primeiros sucessos interpretados por Araci de Almeida, João Petra de Barros, Mário Reis, Francisco Alves, Mário Reis, Marília Batista e também pelo próprio Noel. No disco 2 iremos encontrar, de um lado, outras músicas de Noel em gravações mais recentes, a partir dos anos 60. Do outro lado, uma seleção de seis músicas gravadas especialmente para este disco. Foram reunidos aqui artistas como Roberto Paiva, Zezé Gonzaga e Roberto Silva, acompanhados pelo Conjunto Época de Ouro. As músicas contaram com arranjo e regência do maestro Orlando Silveira. Para completar o álbum traz um livreto de dez páginas contando um pouco a trajetória de Nole Rosa. Muito legal 🙂

festa no céu – noel rosa

eu vou pra vila – almirante e o bando de tangarás

nuvem que passou – francisco alves

prazer em conhece-lo – mário reis

cem mil réis – noel roda e marília batista

joão niguém –  araci de Almeida

feitiço da vila – joão petra de barros

capricho de rapaz solteiro – mario reis

pra me livrar do mal – francisco Alves

provei – noel e marilia batista

conversa de botequim – noel rosa

pela décima vez – araci de almeida

depoimento de joão de barro sobre ‘linda pequena’ e ‘pastorinhas’

linda pequena – joão petra de barros

pra que mentir – paulinho da viola

filosofia – mario reis

pra esquecer – clara nunes

não tem tradução – joão nogueira

mulato bamba – mario reis

tarzam (o filho do alfaiate) – roberto paiva e conjunto época de ouro

dama do cabaré – roberto silva e conjunto época de ouro

só pode ser você – zezé gonzaga e conjunto época de ouro

cor de cinza – zezé gonzaga e conjunto época de ouro

uma jura que fiz – roberto silva e conjunto época de ouro

mais um samba popular – roberto paiva e conjunto época de ouro

último desejo – roberto e conjunto época de ouro

 

 

Noel Rosa – Seleção 78 RPM Do Toque Musical Vol. 47 (2012)

Nascido a 11 de dezembro de 1910, em um chalé da Rua Teodoro da Silva, no bairro carioca de Vila Isabel (onde atualmente está erguido um edifício residencial que leva seu nome), Noel de Medeiros Rosa viveu pouco, apenas 26 anos e quase cinco meses (morreu em 4 de maio de 1937, vitimado pela tuberculose), mas deixou uma obra musical extensa (quase 260 composições!), criativa e cheia de sucessos. E o impressionante é que as composições do Poeta da Vila são sempre atualíssimas, nunca passam de época. Um legado que tem atravessado os anos, com muita justiça, e faz a gente se sentir grato por ele ter existido, ainda que por pouco tempo, e deixado coisas tão eternas, tão permanentes.

Pois nesta sua quadragésima-sétima edição, o Grand Record Brazil reverencia o talento de Noel Rosa como autor e também intérprete, através de 14 preciosos fonogramas. E ele só levou a disco música sua, com e/ou sem parceria (aqui todas as músicas são dele sozinho). Quem mais gravou músicas de Noel, por sinal, acabou sendo ele próprio: 33 ao todo.

Noel deixou gravações nos selos Parlophon, Odeon, Columbia (futura Continental) e Victor. Sua primeira gravação como intérprete, aqui incluída, foi a toada “Festa no céu”, lançada pela Parlophon em agosto de 1930, disco 13185-A, matriz 3320. No verso, matriz 3654, a embolada “Minha viola”, a faixa seguinte. Depois temos um autêntico clássico noelino: o samba “Com que roupa?”, um eufemismo da época para “Com que dinheiro?”, traduzindo a crise econômica causada pelo “crack” da Bolsa de Nova York, em 1929. Outro registro Parlophon, datado de 30 de setembro de 1930 e lançado em novembro seguinte sob n.o 13245-A, matriz 4007. Um autêntico estouro no carnaval de 1931! Quase ao final do registro, o maestro e compositor Eduardo Souto diz de improviso: “Vai de roupa velha e tutu, seu trouxa!” (Noel depois fez nova gravação de “Com que roupa?”, com outra letra e em dueto com Inácio Guimarães de Loyola, o Ximbuca). No verso, matriz 4008, outro samba interessante, “Malandro medroso”. “Gago apaixonado” é um samba muito apreciado principalmente por sua originalidade, e o próprio Noel declarou ser esta sua melhor composição, pois além de original, não conseguia ser cantada por seus vizinhos e respectivos papagaios de estimação… A gravação, lançada pela Columbia em março de 1931 (disco 22023-B, matriz 381007), tem um atrativo à parte: o solo de lápis nos dentes do cantor Luiz Barbosa, abrindo e fechando a boca para alterar o timbre! “Cordiais saudações” é um “samba epistolar”, que surgiu na revista “Mar de rosas”, e nela foi interpretado por Sílvio Caldas. Noel gravou a música duas vezes na Parlophon, e esta é a primeira versão, com acompanhamento da Orquestra Copacabana, do palestino Simon Bountman, matriz 131170, não lançada comercialmente, uma vez que foi desaprovada pelo próprio compositor, que fez outro registro dias depois, com o Bando de Tangarás, sendo esse último o que foi para as lojas, em julho de 1931, com o número 13327-A. E é do lado B, matriz 131185, um outro bom samba do mestre Noel por ele próprio cantado, “Mulata fuzarqueira” (ser “da fuzarca” era o mesmo que farrear). O “samba fonético” “Picilone”, subintitulado “Yvone”, é uma alusão à reforma ortográfica que aboliu do alfabeto brasileiro a letra “y”, agora reconduzida ao mesmo. “Dizer um picilone” era a mesma coisa que elogiar. Noel canta junto com João “Braguinha” de Barro, seu colega no Bando de Tangarás, nesta gravação lançada pela Parlophon em setembro de 1931, com o n.o 13344-B, matriz 131208. Há também referência à Kananga do Japão, uma “sociedade familiar dançante e carnavalesca” então existente no Rio. “O pulo da hora” saiu pela mesma gravadora um mês mais tarde, em outubro de 31, disco 13350-A, matriz 131241, tendo no verso, matriz 131242, “Vou te ripar”, que também apresentamos aqui. Foram incluídas, igualmente, as duas músicas do único disco-solo de Noel na Victor, o de n.o 33488, gravado em 10 de outubro de 1931 e lançado em novembro seguinte. Abrindo-o, matriz 65252, “Por causa da hora”, referência ao horário de verão, adotado pela primeira vez naquele ano para economizar luz elétrica e que voltaria em outros anos, sendo adotado ininterruptamente no Brasil a partir de 1985. Mais atual impossível… No verso, matriz 65251, saiu “Nunca… jamais”. Em “Mentiras de mulher”, Noel canta junto com Artur Costa, ator do teatro de revista. Gravação lançada pela Columbia em fevereiro de 1932, sob n.o 22083-A, matriz 381158. Para encerrar, apresentamos “Espera mais um ano”, também cantado em dueto por Noel e Arthur em registro Columbia, de novembro de 1931, mas, ao que parece, não lançado comercialmente na época, sendo o disco de prova encontrado nos arquivos do pesquisador Eduardo Corrêa de Azevedo. Em 1983, “Espera mais um ano” foi registrado na Eldorado pelo Conjunto Coisas Nossas para o LP “Noel Rosa inédito e desconhecido”, aproveitando no início parte deste registro original. Enfim, uma pequena amostra da genialidade do grande Noel Rosa, que, mesmo tendo voz pequena, agradava bastante como intérprete, pois tinha muita bossa e talento!

Texto de SAMUEL MACHADO FILHO.