Cabine C (1987)

Olá amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós neste sábado frio… acho que hoje eu nem vou sair de casa. Desânimo total! Tomar uma sopa ou talvez um mingau (putz, até rimou!)
Seguimos com mais uma curiosidade do rock tupiniquim, desta vez lá dos anos 80, Cabine C, alguém aí se lembra? Formada em Sampa por Ciro Pessoa (ex Titãs), Marinella 7, Wania Forghieri e Anna Ruth. Foi mais uma das muitas bandas surgidas naquela década, buscando seu lugar ao sol. Ficou só neste lp, disco este, por sinal, produzindo pelo Luiz Schiavon do RPM. Álbum independente, com onze faixas, também conhecido como “Fósforos de Oxford”, nome de uma de suas músicas. O Cabine C traz um ‘rock’ bem aos moldes do que rolava naquela época do pós punk. Suas músicas trazem elementos do gótico, industrial, dark… muito influenciada pelas bandas inglesas de ramificação mais ‘cult’ da onda ‘New Wave’. O Cabine C teve seu segundo momento ao ser incluído em uma copilação lançada há alguns anos atrás na Inglaterra, ao lado de outras bandas brasileiras, o cd “The Sexual Life of The Savages”.

pânico e solidão
lapso de tempo
anos
jardim das gueixas
a queda do solar de usher
lágrimas
opus 2
tão perto
soldadas
neste deserto
fósforos de oxford
.

Blues Etílicos – Água Mineral (1989)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Estou aqui preparando as postagens de hoje e do fim de semana. Como todos já deve ter percebido, a onda da vez é o rock pop nacional, que provavelmente deve se estender pela outra semana também. Mas como eu gosto de ter por perto todos vocês, os velhos e os moços, trazendo sempre seus comentários, vou procurar mesclar mais os gêneros e sair dessa de ‘semana temática’. Nada como uma surpresa todos os dias. Se hoje é rock, amanhã poderá ser qualquer outro estilo, samba, jazz, bossa, erudito e por aí… Por enquanto, para fechar a semana, vamos num embalo da eterna música jovem, o gênero rock’n’roll (ou algo assim).
Para a sexta feira vou postando aqui este que foi o segundo álbum do Blues Etílicos, uma das mais importantes e cultuadas bandas de blues rock nacional. O Blues Etílicos nasceu no Rio de Janeiro, formado inicialmente por Flávio Guimarães, Otávio Rocha, Claudio Bedran, Greg Wilson e Gil Eduardo (esse último, filho do Tremendão Erasmo Carlos), que veio a sair do grupo depois do álbum “Salamandra”, de 1994, entrando em seu lugar o baterista Pedro Strasser. Ao longo de quase trinta anos de estrada a banda gravou vários discos, assim como alguns de seus componentes o fez isoladamente. O BE cresceu pra valer, se tornando mais que uma simples banda de blues, hoje é uma marca, literalmente. Já estão até produzindo cerveja, vejam vocês! Uma ideia ótima, cerveja, blues e rock combinam muito bem. E para que o novo empreendimento decole de vez (já decolou) eles até lançaram um CD cujo o título é “Puro Malte”, também nome de uma da músicas, que canta de forma bem divertida o universo da cerveja artesanal. Depois dessa postagem, mesmo sendo tão cedo, me deu uma baita vontade de tomar uma ‘puro malte’, mas tem que ser puro malte mesmo! Será que a cerveja deles a gente só encontra nos seus shows? Eu quero!

funky blues (homenagem a charlie mccoy)
driftin’blues
frank zappa vai pra martinica
it’s not easy
cross roads
mona’s blues
vou pegá ma beibe
kansas city
maracujina
.

Câmbio Negro HC – O Espelho Dos Deuses (1990)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje eu amanheci nervoso e vou culpar o meu Galo, que ontem fez a besteira de empatar com o Botafogo e agora está fora do campeonato. Por conta disso eu hoje estou bem ‘hardcore’, chutando a lata… E como já entramos no embalo do rock, aqui vai um que eu gosto muito, o Câmbio Negro HC, esquecido entre tantas outras edições e semanas dedicas ao gênero aqui no Toque Musical. Desta vez ele saí, com força total, mostrando o quanto ainda está atualíssimo, tanto no estilo quanto nos temas abordados em suas músicas. O Câmbio Negro HC é uma banda de origem pernambucana. Acredito até que seja uma das pioneiras do gênero no cenário recifense do rock. Formada no início dos anos 80, foi uma das bandas de maior destaque, participando ativamente dos maiores festivais, chegando a dividir palco com outros grandes nomes, inclusive internacionais. “O Espelho dos Deuses” foi seu primeiro disco, lançado em 1990, em produção independente. Em 92 eles gravaram um outro disco, também independente, “Terror nas ruas”, mantendo a mesma linha pesada e reafirmando sua importância na cena rock do Recife e porque não dizer do Brasil.
.
programados pra morre
meu filho
evolução
fantoches
psicopatas de deus
a ordem
agonia de 64
ao filho do homem
vaticano
reatores
farsa
emergência
o espelho dos deuses
consciência inválida
descontrole
o ecologista morto
ecos de horror
.

Hanoi Hanoi (1986)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Como anunciei, a semana seria para outros sons, na verdade para postarmos mais alguns discos de pop e rock nacional. Mais uma vez eu me armei de um variado leque de títulos prontos para darem entrada diariamente. Agora só depende de eu achar tempo para não deixar vocês muito ansiosos esperando aquele toque no GTM. Hoje, por exemplo, não tive tempo para nada. Estou escolhendo agora o disco  do dia. Puxando do ‘gavetão’ aqui vai um bem escolhido, Hanoi Hanoi, do Arnaldo Brandão. Este foi o primeiro álbum do grupo liderado pelo contrabaixista Arnaldo Brandão, que antes toca no Brylho (A noite do prazer) ao lado de Claudio Zoli. O Hanoi Hanoi surgiu na década de 80 juntamente com tantas outras bandas que efervesceram a cena pop/rock nacional. Teve, como todos devem se lembrar, emplacado vários hits de sucesso, que deram a banda e ao seu líder um lugar de destaque dentro do rock brazuca. Vamos encontrar neste álbum, entre outros, dois grandes sucessos, “Totalmente demais” e “Blá blá blá… Eu te amo”. Confiram aí…

partido verde alemão
blá blá blá eu te amo
bom sucesso 68
prazer e ciúme
caprichos da loucura
totalmente demais
nem sansão nem dalila
spartana
baton
testemunha
.

Kris Kringle – Sodom (1971)

Olá, amigos cultos e ocultos! Para fazer jus ao ‘ecletismo musical’ e à ‘tripolaridade’ fonográfica deste blog, eu hoje tomo um outro rumo, abrindo a semana para outros sons. Abro esta leva com um disquinho que merece o toque musical. Um álbum que virou clássico sem nunca ter sido (pelo menos por intenção ou pretensão). Como já comentamos aqui no Toque Musical, no início dos anos 70 houve um produtor italiano em São Paulo chamado Cesare Benvenuti. Foi ele o responsável pela criação de cantores e grupos de música pop com nomes estrangeiros. Através de Benvenuti surgiram artistas que naquela época todos acreditavam serem internacionais. O cara tinha mesmo uma visão de mercado, oferecendo ao público o que fazia sucesso no Brasil, música ‘pop’. Criou diversos nomes, muitas vezes com os mesmo músicos e artistas.  Grupos como o Light Reflection, Connection Eyes, Edu Leslie, Lee Jackson, Sunday e muitos outros, foram ideia do italiano. Kris Kringle foi também um desses conjuntos ‘fabricados’ e recebeu uma atenção especial devido ao seu estilo diferenciado, apresentando versões desconsertante (e as vezes até melhores) para hits internacionais. O trabalho ficou tão bem feito que muitos acreditavam mesmo ser um conjunto internacional. Apresentado em capa dupla, bem ao estilo das artes gringas, o álbum saiu pela Beverly, através de um selo especial, Kool, dando assim a impressão de ser mesmo um material importado. Ao longo do tempo o disco foi ganhado novos admiradores e por conta até da pouca informação sobre ele, tornou um álbum ‘cult’, procurado por colecionadores. Cultuado como pérola escondida do rock nacional.
Pessoalmente acho o disco muito legal e bem convincente. Contudo, trata-se apenas de um projeto que demonstrou ser possível fazer bonito que nem os gringos. Memorável por conta de Cesare Benvenuti que foi capaz de criar nossos próprios artistas internacionais sem a necessidade de importá-los 🙂

louisiana
help
that’s my love for you
the resurrection shuffle
janie slow down
susie
the monkey song
sarabande
mr. universe
what you want
.

Cyro Monteiro (parte 1) – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 66 (2013)

Esta semana, em sua sexagésima-sexta edição, o Grand Record Brasil apresenta a primeira de duas partes de uma retrospectiva dedicada a um dos maiores cantores que o Brasil já teve, e cujo centenário de nascimento comemoramos neste 2013: Cyro Monteiro, o “Formigão” (apelido que lhe foi dado pelo compositor Eratóstenes Frazão), também conhecido como “o cantor das mil e uma fãs”.
Sobrinho do pianista Nonô (Romualdo Peixoto), o “Paderevsky do samba” e, por  tabela, primo de Cauby Peixoto, Cyro Monteiro era carioca da gema, nascido no subúrbio do Rocha em  28 de maio de 1913, em uma família de nove irmãos, todos com nomes começados com a letra C! O pai de Cyro era dentista, capitão do Exército e funcionário público. O futuro astro passou a infância e a juventude em Niterói, litoral fluminense, para onde se mudou com a família quando tinha só dois anos de idade. Fez seus estudos no Grupo Escolar Alberto Brandão, na Escola Profissional Washington Luiz e no Instituto de Humanidades. Costumava cantar informalmente para os amigos, no conforto de seu sacrossanto lar, doce lar, e em festas, acompanhado do irmão Careno, até que um dia, em 1933, Sílvio Caldas, que frequentava sua casa, chamou-o para substituir Luiz Barbosa, com quem cantava em dupla, em um programa da Rádio Educadora. Um ano depois, Cyro foi contratado pela Rádio Mayrink Veiga, escalado de início para um programa diurno mas logo subindo para os noturnos, marcando o ritmo com sua indefectível caixa de fósforos, assim como Luiz Barbosa fazia com o chapéu de palha.
 Grava seu primeiro disco na Odeon, para o carnaval de 1936, com dois sambas que na tiveram muito sucesso, até porque o ano  foi concorridíssimo: “Vê se desguia” e “Perdoa”. Um ano depois, grava dois discos particulares na RCA Victor, por encomenda, a fim de promover a tradicional Festa da Uva de Jundiaí, SP.  E finalmente, em 1938, vem o primeiro grande sucesso, com um clássico do samba: “Se acaso você chegasse”, de Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins, seu primeiro disco comercial na marca do cachorrinho Nipper. E esse foi o pontapé inicial para inúmeros outros hits inesquecíveis:” Os quindins de Iaiá”, “Falsa baiana”, “Deus me perdoe”, “Oh! Seu Oscar”, “Botões de laranjeira”, “Beija-me”, “A mulher que eu gosto”, “O bonde São Januário”, “Boogie-woogie na favela”, “O que se leva dessa vida”, “Escurinho”, “Quatro loucos num samba”, “Tem que rebolar” (dueto com Mariúza), e muitos, muitos mais.
Cyro foi casado com a cantora Odete Amaral (“a voz tropical do Brasil”), com quem teve um filho, dela separando-se em 1949. Além da voz, do ritmo e da  capacidade de modular e improvisar, ele também sabia fazer amigos, com seu calor humano e bondade infinitos. Em 1956, participou, como ator, da peça “Orfeu da Conceição”, de Vinícius de Moraes com música de Tom Jobim, interpretando o personagem Apolo. Na fase áurea da TV Record de São Paulo, era cadeira cativa no programa “Bossaudade”, apresentado por Elizeth Cardoso.  Gravou também vários LPs, o último deles ao lado de Jorge Veiga,  em 1971, “De leve”. Torcedor convicto do Flamengo, de quem torcedores de outros clubes também gostavam, certa vez mandou de presente para a recém-nascida filha de Chico Buarque e Marieta Severo, Sílvia (hoje atriz), então residentes na Itália, uma camisa do Flamengo. Chico, que sempre torceu para o Fluminense, respondeu de forma bem-humorada com a música “Ilmo. Sr. Cyro Monteiro ou Receita para virar casaca de neném”.
Cyro Monteiro faleceu no dia 13 de julho de 1973, em seu Rio de Janeiro natal, aos 60 anos de idade. Seu corpo foi sepultado no Cemitério São João Batista, ao som do hino do Flamengo, cantado pela torcida jovem do clube, com o caixão coberto com a bandeira do mesmo e também com a de sua escola de samba de coração,  a Mangueira.
Começamos, então, a relembrar o grande “Formigão”, apresentando  treze joias de seu repertório, todas em gravações RCA Victor.  A presente seleção inclui os primeiros sambas gravados do mestre Nélson Cavaquinho (1911-1986), lançados justamente por Cyro, a saber:  “Apresenta-me aquela mulher” (faixa 12), parceria com Augusto Garcez e G. de Oliveira, gravação de 25 de maio de 1943, lançada em setembro seguinte com o n.o 80-0107-B, matriz S-052779, “Não te dói a consciência” (faixa 11), parceria de Nélson e Augusto Garcez com Ari Monteiro, também de 1943, gravada a 6 de julho com lançamento em outubro sob n.o 80-0119-B, matriz S-052799, “Aquele bilhetinho’ (faixa 6), também de Nélson e Garcez mais Arnô Canegal, gravado em 13 de abril de 1945 e lançado em maio seguinte com o n.o  80-0282-A, matriz S-078154, e, por fim, o clássico “Rugas” (faixa 3), outra parceria do poeta Nélson com Augusto Garcez e Ari Monteiro, gravação de 21 de março de 1946 lançada em maio seguinte com o n.o 80-0406-A, matriz S-078450. De Alvaiade (Oswaldo dos Santos, 1913-1981) Cyro nos apresenta quatro sambas: “A saudade me devora” (faixa de abertura desta seleção), parceria com Djalma Mafra, gravado em 25 de janeiro de 1945 e lançado em abril do mesmo ano com o n.o 80-0264-B, matriz S-078121, “Meu trabalho” (faixa 7), parceria com Alberto Maia, gravado em 17 de abril de 1947 e lançado em agosto seguinte com o n.o 80-0529-B, matriz S-078746, “Pensando no futuro” (faixa 8), outra parceria de Alvaiade com Djalma Mafra, gravação de 10 de maio de 1944 lançada em julho do mesmo ano com o n.o 80-0193-B, matriz S-052961, e “Aliança de casada” (faixa 10), outra parceria de Alvaiade com Alberto Maia, gravação de 17 de julho de 1946 lançada em outubro seguinte, disco 80-0456-A, matriz S-078563. Geraldo Pereira (1918-1955), que deu a Cyro Monteiro o clássico “Falsa baiana”,  aqui comparece com outros dois sambas, ambos em parceria com Augusto Garcez:  “Acabou a sopa” (faixa 2), gravação de 11 de setembro de 1940 lançada em novembro do mesmo ano, disco 34671-B, matriz 33499, e “Ela não teve paciência” (faixa 4), gravado em 24 de junho de 1941 e lançado em setembro do mesmo ano sob n.o 34800-A, matriz S-052251. Djalma Mafra (c.1900-1974) também assina outras três composições nesta seleção:  o samba “Domine a sua paixão”  (faixa 5), parceria com João Bastos Filho, que o “Formigão” grava na marca do cachorrinho Nipper em 10 de maio de 1943 com lançamento em  julho seguinte sob n.o 80-0098-A, matriz S-052770, a batucada “Tire a mão do meu bolso” (com Nicola Bruni, faixa 9), gravação de Cyro a 13 de dezembro de 1943 lançada bem em cima do carnaval de 44, em fevereiro, disco 80-0163-A, matriz S-052906, e a faixa de encerramento desta primeira parte, a marchinha “Op op op”, do carnaval de 1947, parceria com Ari Monteiro, gravação de 26 de outubro de 46 que a Victor lançará ainda em dezembro, sob n.o 80-0480-B, matriz S-078612. É o que o GRB oferece com muito prazer e alegria para comemorar o centenário de nascimento do eterno “Formigão”, com o compromisso de retornar com mais Cyro Monteiro na próxima semana. Encontro marcado!
. * Texto de SAMUEL MACHADO FILHO

Carlos Lyra – Eu & Elas… (1972)

Amigos cultos e ocultos, aqui vou eu entrando no finalzinho do segundo tempo. O domingo vai acabando e eu aqui já estou chegando para marcar o ponto diário 🙂 Vamos com mais um ‘disco de gaveta’, aqueles sempre prontos para as hora incertas. Mais uma vez, no sorteio, temos uma boa pedida, Carlos Lyra.
“Eu & Elas…” foi um álbum lançado em 1972, o segundo após seu retorno ao Brasil. O disco foi produzido por Paulinho Tapajós e traz um repertório particamente autoral com temas sempre românticos e letras poéticas.

entrudo
afrolatino
antes do tempo
só choro quando estou feliz
nothing night
os olhos da madrugada
solo una mujer
elas
isabel
o amor mais triste
lá vou eu
despedida
.

Agostinho Dos Santos – As Melhores Interpretações De Agostinho Dos Santos (196…)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje não foi por falta de tempo, mas por puro esquecimento que eu quase deixei de fazer a postagem do dia. Agora, justamente agora, quando estava para sair me lembrei da tarefa musical diária. Agora estou com falta de tempo, por isso, vamos recorrer a um ‘disco de gaveta’. E que sorte, o primeiro que puxei foi esse do Agostinho dos Santos. Estou vendo aqui que é uma coletânea, mas nem vou me dá ao trabalho de verificar se as músicas se repetem, afinal temos tantos discos do Agostinho postado que eu nem sei mais. Vão conferindo aí, se interessar, basta dar o toque. Logo ele cai no GTM. 🙂

até o nome é maria
meu castigo
a noite do meu bem
céu e mar
dindi
mulher passarinho
eu sei que vou te amar
fim de caso
canção da volta
leva-me contigo
chora tua tristeza
nossos momentos
.

Ivan Roskov – Casatschok (1969)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Para uma manhã fria como está agora, para dar aquela esquentadinha, que tal cairmos no embalo do ‘casatschok’? É isso aí… Casatschok foi mais uma ‘onda’, um modismo dançante. Segundo o texto na contracapa, trata-se de ‘uma dança vigorosa e sensual’ que veio da Rússia (vigorosa eu concordo, sensual, só se for pela moça dançando de mini-saia). Trata-se de uma dança típica russa que tentaram revitalizar naquela época como sendo uma nova ‘onda dançante’. Em busca de novidades comerciais, a indústria fonográfica inventava de tudo, inclusive os nomes, como ‘Ivan Roskov”, aqui encarnado no maestro Rogério Duprat. Creio, ao contrário do que muitos pensam, que esses pseudônimos não eram desejo daqueles que os usavam, mas faziam parte do jogo de cena. Se a gravadora queria lançar um determinado tipo de disco, criava um nome apropriado e catava um de seus maestros para dar conta do recado. O Duprat esteve por trás de vários nomes e orquestras fantasmas, que só existiram naquele momento. Eventualmente, diante a um sucesso de vendas, se repetia a dose e novamente o artista ou orquestra ‘X’ voltava a cena, chegando mesmo a ganhar uma identidade quase física. Ivan Roskov, pelo que sei, nasceu e morreu neste disco. “Casatschok”, com tudo, graças ao seu repertório, não fica só naquela de mais um disquinho sem importancia. Ele é no mínimo curioso, graças ao seu repertório e ao seu maestro tropicalista oculto, que dá ao disco extamante a atmosfera tropical, que nada lembra o gelo, a vodka… No máximo uma cutucada na censura da época, que por certo, mesmo com um descomprometido e inocente repertório, que também é variado e internacional, deve ter chamado a atenção. Tá vermelho, tá russo!

casstschok
those were the days
toi toi toi
a banda
lichetensteiner polka
tema de lara
noites de moscou
ob-la-di-ob-la-da
otchichornia
planice
barqueiros do volga
nunca aos domingos
a dança de zorba
barril de chope
boublitchki
czardas
.

Elis Regina – Como & Porque (1969)

Muito bom dia, amigos cultos e ocultos! Para o dia de hoje eu já estava planejando continuar na base da orquestra e conjuntos dos anos 60, mas por alguma razão eu sonhei que estava postado este disco da Elis Regina. Pode parecer estranho, mas no sonho até a música em senti. Sonhei que estava ouvindo a Elis cantando a “Aquarela do Brasil”. Acordei com a música na cabeça e fui cantarolando pro banheiro. Continuei solfejando até encontrar o disco e agora ele está aqui 🙂 Não resisti a tentação… Maravilha este lp, o qual, creio, todos já conhecem, mas vale a pena ouvir de novo. Elis vem acompanhada por um time de feras: Antônio Adolfo no piano; Hermes na percussão; Zé Roberto no contrabaixo; Wilson (literalmente) da Neves e Roberto Menescal. Este último é o responsável pelos arranjos do conjunto e os arranjos de orquestra ficam por conta do maestro Erlon Chaves. Vamos ouvir? Dá-lhes GTM!

aquarela do brasil – nega do cabelo duro
o sonho
vera cruz
casa forte
canto de ossanha
giro
o barquinho
andança
les parapluies des cherbourg
samba da pergunta
memórias de marta saré
.

Pinduca – Sucesso É Pinduca (1965)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Chegando já na reta final do dia, aqui vamos nós com mais um toque musical raro e aparentemente exclusivo (até então), antes que eu desmonte de vez sobre o teclado, vou rapidinho passando a bola…
Tenho para vocês um álbum raro do percussionista, vibrafonista, organista, compositor, professor, maestro e arranjador sergipano, Luis D’almeida Assunção, mais conhecido como ‘Pinduca’. Eis aí um nome pouco lembrado, mas que esteve presente nos mais diversos momentos da nossa música popular e erudita. Traçar aqui a trajetória deste artista é coisa que demanda tempo e eu já caindo pelas tabelas não posso garantir muita coisa. Mas saibam que Pinduca foi um artista incomum, merecedor de toda a nossa atenção. Acredito que existam outras fontes de informação sobre ele, mas vou ‘linkando’ vocês para a coluna do jornalista e historiador Luiz Antonio Barreto. Lá ele explica bem quem foi o mestre Pinduca.
Para completar, vamos apenas fazer uma pequena apresentação deste disco. “Sucesso é Pinduca” explica bem qual é a proposta, um repertório variado contemplando em especial algumas música de verdadeiro suceso. Pessoalmente, acho o disco meio fraco, principalmente quando mesmo sem querer comparamos algumas de suas faixas com as versões originais. No fundo, o que pega mesmo são os arranjos… sei não, acho que poderiam ter feito coisa melhor. Mas independente dos meus comentários, ouvir este disco é algo que necessário. Nem que seja para me provar o quanto eu estou enganado.

una lacrima sul viso
lawrence of arabia
mar amar
beijo gelado
times square
amor de mentirinha
vai de vez
dandara
berimbau (capoeira)
cadê joão
tema de james bond
pantera cor de rosa
.

Quincas E Os Copacabana – Rítmos Sob Medida (1961)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Trago hoje para vocês o conjunto “Os Copacabana”, sob o comando do saxofonista Quincas, em disco lançado pela Companhia Brasileira de Discos, com o selo Philips, em 1961. Quincas é o responsável pela direção e arranjos deste conjunto/orquestra que aparece aqui sem a presença de dois outros condutores do grupo, o pianista Vadico e o trombonista Astor. Ao que tudo indica, este álbum foi lançado após o retorno do grupo em turnê de sucesso pela Europa. Trazem um repertório variado e dançante, inclusive a moderna “A Felicidade”, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, música composta em 1959 e que fez parte da trilha do filme “Orfeu Negro”. Cheia de bossa 🙂 Disco bacana…

chorinho na gafieira
trumpet mambo
greenfields
rosa morena
bájate de esa nube
tema para dois
trumpet talk
a felicidade
botijão
perfídia
gin-kana
angelique
.

Vários – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 65 (2013)

E aqui vamos “nóis” para mais uma edição caipira do Grand Record Brazil, a de número 65, oferecendo, como já aconteceu anteriormente, uma parcela do rico acervo da música regional brasileira, a chamada música caipira, que, como os ouvintes irão perceber, é bem diferente do sertanejo dito “universitário” , tão divulgado pelos meios de comunicação nos dias atuais. São, como sempre, 13 gravações preciosas, representativas de um gênero e daqueles tempinhos “bãos” em que se ouvia músicas como essas no radinho, tomando o café da manhã…  E começamos justamente com os eternos “reis do riso”, Alvarenga e Ranchinho.  São duas gravações Odeon com a formação original da dupla, Murilo Alvarenga (Itaúna, MG, 1991-São Paulo, 1978) e o primeiro dos três Ranchinhos, Diésis dos Anjos Gaia  (Jacareí, SP, 1911-São Paulo, 1991). Eles aqui nos apresentam a moda de viola “Você já viu o cruzeiro?”, do Capitão Furtado, seu descobridor, mais outra dupla, Palmeira e Piraci, gravada a 15 de setembro de 1943 e lançada em novembro do mesmo ano com o n.o 12376-B, matriz 7384. É uma alusão à então nova unidade monetária brasileira, instituída um ano antes e que, após passar por mudanças e ser substituída até mesmo pelo cruzado, deixaria de existir em 1994, com o início do Plano Real. Também tem a primeira gravação com letra do clássico choro “Tico-tico no fubá”, de Zequinha de Abreu (1880-1935), feita por Alvarenga, tendo  como subtítulo “Vamos dançar, comadre”, datada de 27 de julho de 1942 e lançada em  outubro do mesmo ano com o n.o 12202-A, matriz 7021. A 10 de agosto desse mesmo ano, em seu primeiro disco, Ademilde Fonseca incluiu este choro clássico em seu primeiro disco, com os versos assinados pelo dentista Eurico Barreiros, e sua gravação foi talvez a de maior sucesso. Focalizamos em seguida a acordeonista Carmela Bonano, mais conhecida como Zezinha, nascida  em São Paulo no dia 16 de janeiro de 1928 e que formou com Luizinho e Limeira (os irmãos, também paulistanos,  Luiz  e  Ivo Raimundo) um trio ainda hoje lembrado com muitas saudades por seus contemporâneos. Zezinha gravou seu primeiro disco como solista de acordeon em 1951, na Todamérica, com duas composições suas em parceria com Luizinho: a valsa  “Brejeira” e a mazurca “Alegria”. Para este volume do GRB foram escalados o arrasta-pé “Oito baixos”, dela mesma e de Messias Garcia, gravação Odeon de 11 de março de 1960 lançada em outubro seguinte com o n.o 14681-A, matriz 50478 (relançado com a marca Orion sob n.o R-079),  e o baião “Saudade que machuca”, de Vicente Lia e do radialista Nino Silva, lançado pela Todamérica em agosto de 1955 com o n.o TA-5563-B, matriz TA-1315, ambas com vocais de Luizinho e Limeira, sem crédito nos selos. Na faixa 6, ela, agora com Luizinho e Limeira devidamente creditados, acompanha-os no arrasta-pé “Casamento é uma gaiola”, do Compadre Generoso, gravado na Odeon em 2 de abril de 1959 e lançado em junho seguinte sob n.o 14463-B, matriz 50158, depois relançado com a marca Orion sob n.o R-058. Música que seria regravada com sucesso  por Sérgio Reis, anos mais tarde. Com o falecimento de Luizinho, em 1982, Zezinha abandonou de vez a carreira, por isso muitas biografias dizem ter ela falecido nesse ano, a  11 de maio, em Perdizes, São Paulo (outras dizem que a morte da acordeonista aconteceu em 2002, nesse mesmo dia). A maranhense (de Viana) Dilu Mello (Maria de Lourdes Argolo Oliver, 1913-2000) também deixou sua contribuição para a história de nossa música popular. Tocava diversos instrumentos: sanfona, piano, violão, harpa, violino e até serrote, causando o maior escândalo ao executar nele uma peça de Schumann! É co-autora e intérprete da clássica toada “Fiz a cama na varanda”, que já apresentamos em edição anterior do GRB, e apenas uma de suas mais de cem composições.  Para esta edição, foi escalado o xote “Qual o valor da sanfona?”, composição sua em parceria com J. Portela (o jota seria de Jeová), gravação Continental de 31 de julho de 1948, porém só lançada em março-abril de 49 sob n.o 16024-B, matriz 10916. A faixa 7 nos apresenta a gravação original de uma balada humorística que muitos conhecem na interpretação dos irmãos Sandy e Júnior: é nada mais nada menos que “Maria Chiquinha”, de autoria de Geysa Bôscoli e Guilherme Figueiredo. Ela saiu pela RGE em agosto de 1961, sob n.o 10336-B, matriz RGO-2218, num divertido dueto entre Evaldo Gouveia (compositor, cearense de Orós, autor de vários hits, sobretudo em parceria com Jair Amorim, e que integrou como cantor o Trio Nagô) e a comediante Sônia Mamede (1936-1990), “a garota do biquíni vermelho”. Bonita e de corpo escultural, Sônia foi estrela das chanchadas da Atlântida (“Garotas e samba”, “De vento em popa”), tendo feito outros 14 filmes nesse e em outros estúdios,  e ficou famosa na televisão como a Ofélia do programa humorístico “Balança mas não cai”, da Globo (seu bordão era “eu só abro a boca quando tenho certeza!”), ao lado de Lúcio Mauro, o Fernandinho. “Maria Chiquinha” foi um sucesso absoluto em 1961, e nesse ano também seria gravada por Marinês, em dueto com Luiz Cláudio, na RCA Victor. Os trios Melodia (Albertinho Fortuna, Paulo Tapajós e Nuno Roland) e Madrigal (Edda Cardoso, Magda Marialba e Lolita Koch Freire) interpretam aqui, em ritmo de baião, “Maricota, sai da chuva”,  motivo folclórico adaptado por Marcelo Tupinambá, em gravação Continental de 19 de março de 1952, lançada em julho desse ano com o n.o 16600-A, matriz C-2813. A primeira gravação, ainda na fase mecânica, foi do Grupo O Passos no Choro, em 1919, apenas instrumental.  Recordaremos em seguida outra dupla sertaneja famosa: Silveira (Nivaldo Pedro da Silveira, 1934-1999) e Barrinha (Abílio Barra, 1929-1984) ambos mineiros, Silveira, de Uberaba, e  Barrinha, de Conquista.  Aqui eles interpretam a moda campeira “Coração da pátria”, de Silveira, Lourival dos Santos e do também radialista Sebastião Victor, em gravação RCA Camden  de 25 de maio de 1962, disco CAM-1133-A, matriz N3CAB-1712, uma exaltação ao estado de Goiás, que já abrigava, desde 1960, nossa atual capital, Brasília (lembrando que o Distrito Federal é um município nêutro). Teve regravações por Nalva Aguiar e até mesmo por Beth Guzzo, filha do humorista Valentino Guzzo (a Vovó Mafalda do programa do Bozo, lembram-se?). Apresentamos logo depois as duas músicas do primeiro dos três únicos 78 rpm da dupla Biá e Biazinho no selo Sertanejo da Chantecler, o PTJ-10087, gravado junto com o acordeonista Alberto Calçada, e lançado em maio de 1960, apresentando duas canções rancheiras ao estilo mexicano:  “Nunca mais” de Fernando Dias, matriz S9-173, e “Só Deus castiga”, de Nízio e Teddy Vieira, matriz S9-174. E reservamos para o final a joia da coroa desta edição: o único disco gravado por Tonico e Tinoco (“a dupla coração do Brasil”) junto com Aracy de Almeida (“ o samba em pessoa”, “a dama da Central”, “a dama do Encantado”), todos três já relembrados pelo GRB. Uma autêntica preciosidade que chega a nossos amigos cultos, ocultos e associados por generosa cortesia do amigo  Indalêncio, grande e notório restaurador de rádios antigos.  É o Continental  17251, gravado em 28 de julho de 1955, mas só lançado em fevereiro-março de 56, com dois cateretês. Abrindo-o, matriz 11764, “Ingratidão”, de autoria de Mário Vieira, parceiro de Hervê Cordovil no clássico “Sabiá na gaiola” e mais tarde fundador e proprietário da gravadora e editora musical Califórnia, que existe até hoje, no bairro paulistano do Tatuapé, dirigida pela terceira geração da família. Mário assina também o lado B, matriz 11765, “Tô chegando agora”, desta vez em parceria com Juracy Rago, primo do violonista Antônio Rago. Uma preciosidade que o Indalêncio mui gentilmente nos cedeu e que encerra com chave de ouro esta edição regional do GRB., para alegria e deleite dos “cumpades” e cumades” de todas as idades e deste Brasilzão!

*Texto de Samuel Machado Filho

José Rastelli – Eu E Meu Amigo Violão (1960)

Olá amigos cultos e ocultos! Depois de postar recentemente o volume 3 da série “Eu e meu amigo violão”, vi o quanto este artista é admirado e o quanto ele é mal divulgado. Fiquei de repostar o volume 2 e aproveitando o ensejo, aqui vamos com o primeiro. Agradeço aos dois amigos cultos que prontamente me enviaram os arquivos dos discos. Felizmente eu já encontrei todos eles, como manda o figurino. Sem dúvida, esta série é muito boa e ouvindo hoje com mais atenção o primeiro, acho que entre eles é o melhor. O repertório é dos mais agradáveis e variado, o que demonstra a riqueza técnica e musical de José Rastelli.

aquarela do brasil
chuá chuá
tristesse
mentiroso
última inspiração
milongueiro de ayer
abismo de rosas
la cumparsita
malagueña
india
ave maria
valsa do adeus
.

Orquestra Jean Kelson – Berimbau & Bigorrilho (1964)

Olá amigos cultos e ocultos! Mais uma orquestra aqui para alegria geral. Para fechar o sábado, vou mandando para vocês a Orquestra de Jean Kelson, numa seleção musical das mais interessantes, doze temas que se dividem, de um lado o samba e do outro o ‘bigorrilho’, que neste disco virou quase um gênero musical, graças as composições que empregam a curiosa expressão, entre elas, a mais popular, a música de Sebastião Gomes, Paquito e Romeu Gentil, o “Bigorrilho”, revisitada até pelo Lulu Santos. Se me perguntassem o que é bigorrilho eu diria que é qualquer coisa e também aquele charmoso bairro de Curitiba. Taí uma expressão cheia de significados e que poucos saberão dizer o que realmente é. Como eu também não sei, vou me limitar às minhas ‘bigirrolhice’. De volta ao disco.
“Berimbau & Bigorrilho” é sem dúvida um disco curioso,  capaz de trazer informações técnicas detalhadas das gravações, gráficos e até propaganda da antiga linha aérea Cruzeiro do Sul. Mas no que diz respeito às informações artísticas, ficha técnica… isso, como sempre, fica a desejar. Atípico, este não é um lp de orquestra simplemente, ou seja, instrumental. Temos também um conjunto vocal que participa ativamente em várias faixas para o qual não há créditos. Quem seriam? A mesma pergunta muitos talvez também farão: quem era Jean Kelson? Um maestro estrangeiro em visita ao Brasil ou mais um pseudônimo? Esta última eu posso responder, Jean Kelson foi um nome adotado pelo maestro Guerra Peixe, que chegou a gravar outro disco usando o mesmo ‘apelido’. Acredito que ele usou este nome para afastar o Guerra Peixe do popular, preservando seu verdadeiro nome para o erudito.
E como dizia o Jorge Ben: “se malandro soubesse como é bom ser honesto, seria honesto só por malandragem…” (o que tem isso a ver? nada…, apenas lembrei da canção)

berimbau
samba de negro
catolé
munganga
agô agô
vou pra senzala\bigorrilho
saci pererê
vamos bigorrilhar
dança do bigorrilho
jogado fora
na base do bigorrilho
.

Zuleika Ruvian – Boemia (1981)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Na semana passada, na Feira do Vinil e CDs Independentes aqui em BH, achei este lp, o qual me chamou a atenção pela capa. Ah, o que seriam dos artistas se não fossem as capas. Ou por outra, a capa muitas vezes pode definir a sorte do artista. Se a capa tiver aquele apelo visual necessário, o freguês aqui cai matando. E foi mais ou menos isso que aconteceu, bati o olho e pensei, capa interessante… tem coisa aí…. Realmente não me desapontei, o que para muitos pode ter parecido um disco brega, para mim, foi um achado. Zuleika Ruvian, até então nunca tinha ouvido falar nessa artista. Mas depois de ouvi o lp tive certeza de ter investido bem os meus 5 reais. Fiquei realmente surpreso com o nível da cantora, dos arranjos e também do repertório. Zuleika nos apresenta uma seleção pontual de composições de Adelino Moreira e seu fiel representante e também parceiro, Nelson Gonçalves. Estão aqui reunidas algumas das mais importantes e clássicas composições que se eternizaram na voz do ‘Metralha’. Estranho pensar numa mulher cantando essas canções, não apenas por retratarem o sentimento e a visão masculina, mas por serem mesmo músicas fortes, que exigem uma boa interpretação. Mas, Zuleika Ruvian não deixa por menos, interpreta com afinco, poderosa e bem afinada, mostra suas qualidades com segurança. Canta muito bem. Segundo informações que colhi na rede, mais especificamente uma nota no Orkut, Zuleika foi uma cantora que atuou na década de 70 e encerrou a carreira em 1983. Pelo perfil no Orkut não se sabe se ela ainda está viva, ou onde mora. Estendendo a pesquisa, vi que ela gravou outros discos e contradizendo a nota no Orkut, parece que ela já havia gravado até um compacto de 45 rpm, possivelmente nos anos 60. Seja como for, aqui está o seu disco de maior sucesso, ou pelo menos, o mais divulgado na rede.
Outra curiosidade que me chamou a atenção. Na capa, no canto inferior direito, há um desenho de um pé de sapato 43. Alguém pode me explicar a natureza da coisa? 🙂

a volta do boêmio
fica comigo esta noite
deixe que ela se vá
escultura
pensando em ti
meu dilema
meu vício é você
cilcone
maria bethania
argumento
mariposa
queixas
extase
renúncia
.

Rio – Seja Benvindo Ao Rio (1970)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Como todos já deve ter percebido, eu sou apaixonado pelo Rio de Janeiro. Êta cidade maravilhosa! E digo isso não apenas pela paisagem, que é deslumbrante, mas também pela sua própria história, ou pelas diversas histórias que acontecem neste lugar. Gosto também do carioca, um tipo descolado, malandro e muito solto. O Rio é totalmente musical e tem também o samba, a bossa nova… O Rio é dez! Por essas e por outras que eu sempre que posso estou postando aqui alguma coisa ligada a essa cidade tão bacana. Na verdade isso é quase inevitável, afinal é no Rio que a maioria das coisas acontecem.
Temos aqui este lp, “Rio”, lançado pelo selo Itamaraty, supostamente no início dos anos 70. Um disco estranho, bem típico de outros lançamentos desse selo. Não há nele qualquer tipo de informação além da relação musical. Tenho quase certeza de que este lançamento não trazia encartes com ficha técnica ou coisa assim. Dessa forma, o que temos é um disco sem nome de artistas, grupo ou orquestra. Sem ficha técnica ou algo que mereça ser informado. E olha que pelo repertório e excussão musical, este álbum bem que merecia uma ficha completa. Excelente, da primeira à última faixa! Taí um disco que eu gostaria de saber que é que está tocando. Alguém aí pode me informar?  🙂

ritmo do brasil
sinfonia carioca
saudades do rio antigo
rio de janeiro a janeiro
aquarela do brasil
dobrado dos quatrocentos janeiros
a voz do morro
ensaio da escola (batucada)
madureira chorou
cidade maravilhosa
.

Orquestra Cid Gray – Só Samba Sabendo Sambar (1961)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Na brecha do dia, ou melhor, da noite, aqui vou eu com mais um toque musical. Mais uma vez vamos de orquestra para mostrar a todos o quanto a música já foi grande. Hoje, orquestra é coisa rara de ver em discos, sejam sós ou acompanhando algum artista.
Vamos hoje com a Orquestra Cid Gray, muito requisitada em bailes e clubes de dança naquele final dos anos 50 e início dos 60. O álbum que apresento a vocês foi lançado pela Continental em 1961. Antes deste a orquestra já havia gravado outros discos. Foi, porém, neste lp que o público veio a saber que Cid Gray era na verdade um nome adotado pelo maestro Renato de Oliveira, quando este abandona o trabalho em estúdio, indo para São Paulo formar uma orquestra de dança e consequentemente discos de sucesso. Segundo Fernando Cesar, em seu texto na contracapa, “este não é apenas mais um e sim o melhor de todos”. Realmente o álbum traz um repertório muito bom, recheado de ótimos sambas e uma qualidade instrumental de arrepiar. Além, é claro dos ‘arranjos vibrantes’, tipo exportação, hehehe…

palhaçada
boato
eu não sei me repetir
o que faltou
mumúrio
água de beber
deixe de sofrer
que fazer
louca
chorou, chorou
rosa do mato
não sei mais fingir
.

Al Newman E Orquestra – Meu Amor … Você (1960)

Boa noite a todos os amigos cultos e ocultos! Neste domingo que passou o papai aqui resolveu tirar uma folga. Eu normalmente, nessas datas costumo postar algum disco relacionado ao tema da data. Sobre o ‘Dia dos Pais’ eu certamente devo ter algum disco, mas vai ficar para uma próxima…
Ontem eu anunciei no Facebook uma nova postagem do Grand Record Brazil, dedicada à Aracy de Almeida. Para tanto, fiz uma brincadeira, postando uma foto de um show do Prince. Das duas, uma… Ou ninguém entendeu, ou ninguém da minha lista de amigos está querendo ver as minhas publicações. A piada é boa… Vi essa foto do Prince, com um novo visual afro e aquele óculos escuro, ficou a cara da Aracy de Almeida. E para reforçar a ideia, coloquei o Silvio Santos tocando bateria. Acho que ninguém ‘curtiu’, que pena…
Mas voltando às orquestras, temos mais uma que merece a nossa atenção, “Al Newman e Orquestra” Eis aqui outra incógnita que vale comentários. Será que alguém aí sabe quem foi Al Newman? Conheço dois discos dele, ambos pela etiqueta “Som”. Lançados, inclusive, numa mesma época e em estilosas capas forradas em tecido de saco de linhagem. Porém, a figura do misterioso ‘maestro’, que nos sugere ser um artista internacional, creio que não existe. Ou por outra, este deve ser mais um pseudônimo criado pela gravadora, coisa comum naqueles tempos. O certo é que o disco é bem interessante. Um repertório predominantemente de sambas, mas tem lugar para alguns boleros e fox. Pessoalmente, gosto mais do lado do, onde o samba é quem dá a cadência. Não deixem de conferir.

a volta
maldito
capricho
tender is the nigth
para que me enganar
meu amor… você
areia branca
samba da madrugada
piada
leilão
cravo vermelho
é a tua vez de sorrir
houvesse um coração
.

Aracy De Almeida – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 64 (2013)

Muita gente se lembra de Aracy de Almeida apenas como a jurada ranzinza, implacável e exigente dos programas de calouros da televisão  (Chacrinha, Sílvio Santos, etc.), sempre imperdoável. Mas era um tipo que forçava mais para estimular a plateia a dar sonoras vaias, e o público, no fundo, a amava. Além disso, como cantora, a “Araca” escreveu um importantíssimo capítulo da história de nossa música popular. O próprio Noel Rosa (1910-1937) a considerava a melhor intérprete de suas composições, e foi quem primeiro a incentivou na carreira.
É justamente a Aracy-cantora que focalizamos nesta sexagésima-quarta edição do Grand Record Brazil. Aracy Teles de Almeida (ou d’Almeida, como aparecia sem seus primeiros discos)nasceu no Rio de Janeiro, em 19 de agosto de 1914, no subúrbio do Encantado, no seio de uma família evangélica (era de confissão Batista).  Tanto que começou sua carreira cantando no coro de sua igreja, e para ser também fiel ao samba, também se apresentava em festinhas, escola de samba e até terreiro de candomblé!
Em 1932, levada por um amigo lá mesmo do Encantado, Aracy apresentou-se pela primeira vez numa estação radiofônica, a Rádio Educadora do Brasil, interpretando a marchinha “Bom dia, meu amor”, de Joubert de Carvalho, do repertório de Cármen Miranda. Sua estreia em disco dá-se na Columbia, que, em janeiro de 1934, lança para o carnaval duas marchinhas por ela interpretadas: “Em plena folia”, de Julieta de Oliveira, e “Golpe errado”, de Jaci, uma em cada disco. No terceiro e último disco de Aracy nessa marca, já aparece um samba de seu amigo Noel, “Riso de criança”.  Em 1935, vai para a RCA Victor, passando a lançar sucessos sobre sucessos, tanto de Noel (“Palpite infeliz”, “Triste cuíca”, “Cansei de pedir”, “Último desejo”, “Século do progresso”) quanto de outros autores (Wilson Batista, Cyro de Souza, Ary Barroso etc). Grava também na Odeon, na Continental, na Polydor, na Sinter (e sua sucessora, a Philips), na Elenco, enfim, em vários selos, lançando também LPs e compactos. Outros de seus hits são “Não me diga adeus” (Paquito, Luiz Soberano e João Corrêa da Silva), “Fez bobagem’ (Assis Valente), “Louco, ela é seu mundo’ (Wilson Batista e Henrique de Almeida), e mais os presentes nesta edição do GRB, que comentaremos a seguir. Embora fosse mestra da gíria e gostasse de frequentar a noite, Aracy não comentava sua vida sentimental. Teve um romance com o goleiro Rey, do Vasco da Gama, seu time de coração, e foi casada com um médico, do qual se separou amistosamente, sem filhos. Chamada de “O samba em pessoa” , receberia do estilista de moda Dener Pamplona de Abreu, seu grande amigo, um outro apelido, “Dama da Central”, pois ela só viajava de trem, por medo de acidente de avião.  “Araca” lia os melhores autores e gostava de um bate-papo inteligente.
Nos anos 1950, Aracy praticamente fez sua base em São Paulo, mas sem abandonar seu querido Encantado (tanto que era também “A dama do Encantado”, título de um álbum que Olívia Byington dedicou a ela).  Sempre muito querida e reverenciada, apresentava-se nas melhores casas noturnas paulistanas e cariocas, e tornou-se uma espécie de musa de círculos artísticos e sociais. Em 1954, por exemplo, foi-lhe oferecido um jantar comemorativo de seus 23 anos de carreira, do qual compareceu até mesmo o então governador paulista Lucas Nogueira Garcez.
Com o passar do tempo, a Aracy-cantora daria lugar à Aracy-jurada. Sempre foi muito grata a Sílvio Santos: “Bom patrão, é gente que sabe tratar. Esse é em cima. Tudo que a gente quer, ele dá”. Em 1988, Aracy tem um edema pulmonar e se interna em São Paulo, sendo transferida para o hospital do SEMEG, no bairro da Tijuca, em seu Rio de Janeiro natal. Após dois meses em coma, recuperou a lucidez, mas, após dois dias, a 20 de junho, tem um súbito aumento de pressão e vem a falecer,  deixando infelizmente para as novas gerações apenas a imagem da jurada de TV.
Pois nesta edição do GRB, apresentamos dezesseis dos melhores momentos  da Aracy cantora, que não pode nem deve ser esquecida,  sendo ontem, hoje e sempre, “o samba em pessoa”.  Começando a seleção com o pé direito, “Tenha penha de mim”, de Cyro de Souza e Babaú, gravação Victor de 17 de agosto de 1937 lançada em novembro desse ano com o número 34229-A, matriz 80596, e um dos maiores hits do carnaval de 38. Também da Victor e de um ano antes, é a faixa seguinte, “Contentamento”, de Bucy Moreira e Raul Marques, que ela gravou em  9 de setembro de 1936 com lançamento em novembro seguinte, disco 34106-A, matriz 80215. A faixa seguinte, o samba-rumba ou sambatuque “Nasci para bailar, nasci para sambar”, ostenta uma curiosidade: foi composta e gravada por Joel de Almeida na época em que ele morava na Argentina, período esse que ele próprio considerava o melhor de sua vida. Com letra em espanhol do próprio Joel e de Tasiro, recebeu versão por Fernando Lobo, que Aracy grava na Odeon em 19 de julho de 1948, com lançamento em setembro desse ano sob número  12876-A, matriz 8390. Um ano depois, Fernando Lobo escreveu novos versos para a música, e essa outra letra seria gravada por Marlene com o título reduzido para “Nasci para bailar”, e sem o nome de Tasiro no selo.  Retornando à Victor, temos uma dupla “braba”, Ataulfo Alves e Wilson Batista, assinando “Eu não sou daqui”, gravação de 3 de abril de 1941, lançada em julho do mesmo ano com o n.o 34757-A, matriz 52170. Wilson assina a faixa seguinte com Cyro de Souza, “Ganha-se pouco mas é divertido”, gravação de 2 de junho de 1941 lançada em agosto seguinte com o n.o 34780-A, matriz S-052232. Wilson Batista também fez com Rubens Soares “Gênio mau”, que Aracy imortaliza na marca do cachorrinho Nipper na mesma sessão de “Ganha-se pouco…” e é lançado em  setembro do mesmo ano no disco 34787-A, matriz S-052230. Não para por aí: também em 2 de junho de 1941 a “Araca” imortaliza “Falta de sorte”, de Geraldo Pereira e Marino Pinto, matriz S-052233, e será o lado B de “Ganha-se pouco mas é divertido”. Em janeiro de 1953, Aracy lança na Continental, para o carnaval desse ano, outro samba, “Por que é que você chora?”, de Bucy Moreira  e do cantor Ary Cordovil, com o número 16695-B, matriz C-3017. Retornando à Victor, temos “Oh! Dona Inês”, da dupla Wilson Batista-Marino Pinto, gravação de 27 de março de 1940 que vai para as lojas em junho com o n.o 34609-A, matriz 33364, disco do qual também foi escalado o verso, da mesma dupla, matriz 33365, “Brigamos outra vez”.  “Mal agradecida”, também de Wilson Batista, aqui com Bucy Moreira, por sinal neto da lendária Tia Ciata, é gravado na Odeon pela “Araca” em 9 de junho de 1948, com lançamento em julho sob n.o  12867-B, matriz 8378. Outro nome lendário do samba, João da Baiana, assina com o ex-pugilista Kid Pepe “Pra que tanto orgulho?”, batucada que Aracy grava na Victor em 2 de outubro de 1939 e lança em novembro sob n.o 34518-B, matriz 33169, visando o carnaval de 40. A faixa seguinte é um autêntico clássico do mestre Ary Barroso: “Camisa amarela”, imortalizado pela “Araca” na mesma Victor em 31 de março de 1939 com lançamento em junho seguinte sob n.o  34445-A, matriz 33047, e que o próprio Ary considerava a melhor gravação deste seu samba. Temos depois a sensível e comovente interpretação de Aracy para a “canção regional” “Mamãe baiana”, de Xerém e do teatrólogo Joracy Camargo, autor da famosa peça “Deus lhe pague”, imortalizada em 14 de fevereiro de 1940 com lançamento em abril do mesmo ano com o n.o 34586-A, matriz 33322. Foi também escalada outra canção, constante do verso desse disco e gravada na mesma sessão, matriz 33325: “Minha saudade”, concebida pelo violonista Laurindo de Almeida (1920-1995), que mais tarde passaria a residir nos EUA, onde desenvolveu uma carreira repleta de prestígio e prêmios. Encerrando esta seleção, um samba de Haroldo Barbosa, também jornalista, roteirista e produtor de programas de rádio e televisão, inclusive de cunho humorístico: “Quando esse nêgo chega”, gravação Odeon de 19 de julho de 1948, lançada em setembro desse ano com o n.o  12876-B, matriz 8389, o outro lado de ‘Nasci para bailar, nasci para sambar”. Uma seleção assinada, como se vê, por grandes autores, e que comprova a observação feita pelo pesquisador Abel Cardoso Júnior: “Se Aracy de Almeida não perdoava falsos valores, é porque ela mesma  jamais deu ao público nada menos que o melhor”. Ouçam e comprovem!
* Texto de SAMUEL MACHADO FILHO
 .