Moreira Da Silva – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 71 (2013)

Continuando sua vitoriosa trajetória, o Grand Record Brazil chega a sua edição número 71, desta vez homenageando o eterno e festejado rei do samba de breque: Moreira da Silva!
Batizado como Antônio Moreira da Silva, nosso biografado nasceu, e isso não é nenhuma mentira, no dia primeiro de abril de 1902, no bairro carioca da Tijuca, tendo sido criado no morro do Salgueiro. Era o filho mais velho de Bernardino de Sousa Paranhos, trombonista da Polícia Militar, e Pauladina de Assis Moreira (sim, o nome dela era Pauladina mesmo!). Moreira tinha 11 anos quando teve a infelicidade de perder seu pai, o que o obrigou a abandonar precocemente a escola para ingressar no mercado de trabalho. Foi empregado de fábricas de cigarros e tecelagens, e também motorista de praça (comprou um táxi aos 19 anos) e de ambulância, tendo-se casado em 1928. Ao mesmo tempo, freqüentava rodas de malandros e boêmios.
Em 1932, Moreira lança seu primeiro disco, na Odeon, interpretando dois pontos der macumba de Getúlio “Amor” Marinho: “Ererê” e “Rei de umbanda”. Mais tarde, obtém seu primeiro grande sucesso, na Columbia, com o samba “Arrasta a sandália”, uma das músicas mais cantadas no carnaval de 1933. Outros sucessos, além dos presentes nesta edição do GRB: “Implorar”, “Jogo proibido”, “Na subida do morro”, “Amigo urso”, “Doutor em futebol”, “É batucada”, “O rei do gatilho” (com o qual ganhou o apelido de Kid Morenguera), “O último dos moicanos”, “Os intocáveis” (inspirado no seriado americano de TV de mesmo nome), “Morenguera contra 007”, “O sequestro de Ringo”, “Supermorenguera” (que gravou em dupla com Cyro Aguiar), etc. Seu último trabalho em disco, lançado em 1995, foi o CD “Os três malandros in concert”, gravado juntamente com Bezerra da Silva e Dicró, uma brincadeira com os “três tenores”, Luciano Pavarotti, José Carreras e Plácido Domingo.
Segundo os que conheceram o grande Morenguera, sua imagem de malandro e boêmio não passava de um tipo, um personagem. Era um cidadão exemplar, de vida regrada, não bebia, não fumava, e sempre cumpriu à risca seus deveres, em uma trajetória de vida longa e repleta de acontecimentos surpreendentes. Primeiramente como seresteiro, depois como um autêntico mestre do samba de breque, tornou-se um verdadeiro mito, uma autêntica unanimidade na história da música popular brasileira. Moreira da Silva faleceu no dia 6 de junho de 2000, em seu Riode Janeiro natal, vítima de falência múltipla de órgãos.
Para esta edição do GRB, foram pinçadas treze faixas de excelente qualidade, uma seleção que agradará a todos aqueles que conhecem o trabalho do grande Morenguera e vai permitir os que não conhecem de desfrutar um pouco de seu trabalho. Para começar, temos “Esta noite eu tive um sonho”, que o próprio Moreira assina com Wilson Batista, gravação Victor lançada em junho de 1941, disco 34754-A. Mostra como um alemão é enganado no jogo de chapinha, no qual se usavam três tampinhas de cerveja, com um miolo de pão dentro de uma delas. “Antes porém” leva a assinatura de Djalma Mafra e Cyro Monteiro, e saiu pela Odeon em junho de 1943, com o número 12315-A. “Acertei no milhar” é um clássico indiscutível, assinado por Geraldo Pereira e Wilson Batista, tendo sido editado pela mesma Odeon em agosto de 1940 sob número 11883-B. Teve regravações pelo próprio Moreira e por Jorge Veiga, entre outros. “Olha a cara dela” é uma marchinha do Morenguera em parceria com Geraldo Pereira, e saiu pela Victor bem em cima do carnaval de 1941, em fevereiro, sob n.o 34717-A. Ismael Silva e José de Almeida assinam “Maestro, toque aquela”, editado pela Odeon em dezembro de 1943, visando evidentemente o carnaval de 44, sob n.o 12390-B. Desse disco também foi escalado o lado A, “Samba pro concurso” (faixa 10 de nossa seleção), outra parceria do Morenguera com Geraldo Pereira. “Com açúcar”, a faixa 6, é também do Moreira, em parceria com Darcy de Oliveira, e saiu pela Victor em dezembro de 1940 para o carnaval de 41, com o número 34686-B. “O que tem Iaiá”, de Getúlio “Amor” Marinho e Antonico do Samba, é de 1937, lançado pela Columbia sob n.o 8249-B. “Amor” também assina sozinho “Na Favela”, lançado pela Odeon em 1932 com o número 10896-A. Em seguida temos o lado B, “Eu sou é bamba”, do mesmíssimo autor. “Nicolau” é de João da Baiana e Ari Monteiro, e saiu pela Odeon bem em cima do carnaval de 1942, em fevereiro, com o n.o 12107-A. Para finalizar, dois sambas de Geraldo Pereira em parceria com o próprio Morenguera, gravados na Odeon: “Lembranças da Bahia”, parceria com o próprio Morenguera, editado em agosto de 1942 com o n.o 12186-A, e “Voz do morro”, lançado para o carnaval de 1943, em janeiro, sob n.o 12252-B. Uma homenagem à altura que o GRB presta ao eterno Moreira da Silva, que foi, é e sempre será “o tal”!
Texto de SAMEUL MACHADO FILHO

12 Toques Musicais Com Oscar Castro Neves (2013)

Boa noite, amigos cultos e ocultos. Aqui estamos em mais um domingo, hoje, inesperadamente chuvoso. Aproveito que tudo está calmo, para preparar minha homenagem a um dos grandes nomes da geração Bossa Nova, Oscar Castro Neves, falecido há dois dias atrás, Infelizmente, lá se foi mais um importante músico brasileiro. Este é um que eu não poderia deixar de lembrar em nosso toque musical. Criei assim esta pequena coletânea com músicas extraídas de alguns de seus discos. Podia ter sido mais extensa a coletânea, mas preferi me conter em apenas doze músicas, visto que seus discos se encontram a venda (no mercado internacional, claro). O importante é termos deixado aqui a nossa homenagem. Valeu, Oscar Castro Neves!

manhã de carnaval – prelude #3
zelão
caruso
por causa de você
chega de saudade
canto triste
feitico da vila
auda de matemática
coisa mais linda
groovin’ high-whispering
samba de uma nota só
feitio de oração
.

Copa-Leme Orquestra – Músicas Imortais Álbum Coleção De Ouro (1971)

Olá amigos cultos e ocultos! Como eu sei que por aqui há uma legião de fãs de orquestras, vou hoje caprichar na postagem para essa turma. Temos aqui um disco que só mesmo no Toque Musical vocês poderiam encontrar. Trata-se de um obscuro álbum duplo, lançado possivelmente em 1971, através de um selo chamado ‘Disc News’. Curiosamente, mesmo sendo um álbum duplo,não há nele qualquer tipo de informação que vá além da própria lista de músicas. Pesquisando pelo Google também não chega muito longe, vamos vê-lo apenas no Mercado Livre. Em resumo, temos aqui um álbum duplo de uma orquestra chamada Copa-Leme Orquestra, a qual nos apresenta um repertório clássico, com todas aquelas músicas que sempre fazem o sucesso. Por conta, inclusive, de alguns ‘pot-pourri’ eu achei melhor não nomear as faixas. De qualquer forma, através do selo é fácil fazer essa identificação.
Taí um bom disco para o sábado 😉

mi españa
siboney
la cucaracha
frenesi
samba do teleco teco
lobo bobo
a felicidade
saba de orfeu
petit fleur
suas mãos
tom thomb’s tune
estupido cupido
eu sei que vou te amar
tu
manhã de carnaval
my reverie
clair de luna
mon couer est um violin
over the rainbow
coimbra
story weather
le gondolier
cuando tu me quieras
sonhando contigo
mi oracion
que quero um samba
faceira
sal e pimenta
sonho e fantasia
.

Vestidos De Espaço – Pipi Popô (1988)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Ontem eu vi no Facebook que o Charles Gavin postou um antigo vídeo, um programa da MTV, onde ele é entrevistado pelo Fábio Massari em casa, mostrando sua coleção de discos. Entre tantos discos que foram mostrados por ele havia este EP, ou melhor dizendo, LP, com apenas duas faixas que poderiam ter sido impressas em um compacto. Acontece que em plena década de 80 o vinil estava em baixa, mais ainda os compactos que pareciam já terem sido extintos. Foi então a época dos discos de 12 polegas, mas com apenas uma música de cada lado, utilizados geralmente para os remix e demos. Creio que nessa época, já sucateada, a indústria brasileira do vinil, não devia ter mais as formas de compacto, daí eles lançavam o que antes viria em disco de 7 polegadas em um disco de formato long play. Este disco surgiu por acaso, do tempo livre e das pausas de gravação dos Titãs durante a realização do álbum “Õ Blésh Blom”. Segundo Gavin, durante as pausas e em um outro estúdio, diversos artistas da gravadora se reuniram para se descontrair, fazendo um som paralelo. Entre esses estavam também a Paula Toller, Jorge Mautner e outros. Criaram lá essas duas divertidas músicas, de autoria de Pepino Carnale, que receberam o aval do poderoso Antoine Midani para serem lançadas em disco numa pequena edição. Na época  do vídeo/programa da MTV Gavin já dizia ser este um disco raro. Imagina hoje então. Este que eu apresento pertecem ao amigo paulista/mineiro Carlos, que deixou comigo por empréstimo há mais de uns três anos. Prometi que um dia ainda eu lhe devolvo. E com certeza eu o farei. Por certo, estando comigo vai estar muito mais bem guardado do que se estivesse com ele. Sou o melhor banco de discos que existe 🙂 Seu rendimento é a certeza de que os discos estarão sempre muito bem cuidados. E a taxas… oras… essas são as menores do mercado. Só aviso que se o cliente não se manifestar anualmente, depois de cinco anos perde seus direitos, hehehe…
pipi popô
a marcha do demo
.

Anisio Silva (1970)

Puxando do fundo da gaveta e sem olhar, me saiu este álbum do cantor e compositor romântico, Anísio Silva. Este disco eu ensaiei várias vezes a postagem, mas sempre acaba ficando. Desta vez ele veio no acaso e por acaso, num momento bom. Pessoalmente, o que mais me chama atenção neste disco não são as músicas e sim a foto da capa. Bacana, não? Uma bela composição, que nos remete mais a algum disco de jazz. Contudo, o que temos aqui é a autêntica música popular, a música que o povo com seu ingrediente mais importante, o romantismo. Confiram…

meu tema é você
o home e a vida
botãozinho de flor
ficamos sós
tem pena de mim
meus desejos
se eu te perder
o que eu queria
o amor que não vivi
indiferente
você é saudade
você tem tudo para ser feliz
.

Régis Duprat E Rogério Duprat – A Bela Época Da Música Brasileira (1978)

Olá amigos cultos e ocultos! Sinceramente, às vezes tenho a impressão de que além do habitual há algo mais tramando contra mim. Ou melhor dizendo, contra o ritmo do nosso blog. Nesta semana eu tive que refazer por umas três vezes as postagens, tudo por conta do computador que trava e acaba me fazendo perder tudo. Aqui vou eu refazendo esta postagem… vamos lá…
Temos para hoje a música feita no Brasil no final do século XIX e início do século XX, num período da História conhecido como “Belle Époque”, expressão francesa que quer dizer bela época, um momento de muita agitação cultural na Europa, que veio a se refletir em outros cantos do mundo e principalmente o Brasil. Por aqui, a “Belle Époque Tropical” se estendeu até os anos 30.
Como parte integrante da série “Três Séculos de Música Brasileira”, criada e dirigida por Marcus Pereira, temos o exemplar, “A Bela Época da Música Brasileira”, fruto da pesquisa histórico-musical dos irmãos Régis e Rogério Duprat, responsáveis também pela direção musical deste disco. No álbum iremos encontrar uma variedade de gêneros e ritmos comuns da época, que vai de 1870 a 1920. São regravações revistas e reorquestradas pelos Duprat, de maneira mais fiel, nos oferecendo a atmosfera musical daquele momento. As faixas são todas instrumentais, exceto em “De que me serve esta vida” e “Eu adoro”, duas modinhas anônimas interpretadas aqui por Luis Carlos Sá (da dupla Sá & Guarabyra)
desafio
abigail
tetéia
voluptuosa
de que me serve esta vida
alerta rapaziada
ouverture n. 25
izaura magalhães de carvalho
cavatinha
eu adoro
maria
é só na ginga
.

Orquestra Victor Brasileira – Músicas De Zequinha De Abreu (1968)

Olá amigos cultos e ocultos! É, está ficando cada dia mais difícil eu manter esse ritmo de postagens (diárias) e ainda cuidar de reposição de links no GTM. Como disse outras vezes, são tantas as solicitações que eu até já me perdi. E a coisa vem se acumulando… Por essas e por outras é que a partir de outubro eu estarei reduzindo o número de postagem, em função da reposição de velhos links. Porém, devo deixar claro que novas solicitações de links, eu não mais estarei atendendo, pelo menos num curto prazo. Aqueles que por ventura estiverem com muita pressa, ou quiserem algo muito específico, devem entrar em contato direto por e-mail e aí a gente negocia pessoalmente, ok?
Seguindo em nossas postagens, tenho para hoje um pouco da obra do compositor paulista José Gomes de Abreu, mais conhecido como Zequinha de Abreu. Temos aqui uma seleção rara de algumas de suas composições. Este disco foi lançado em 1968, reunindo dez fonogramas da década de 30. Gravações feitas com a Orquestra Victor Brasileira, ou seja, a orquestra da gravadora RCA Victor. Realmente um disco interessante, pois nos apresenta gravações muito raras de velhas bolachas em 78 rpm, a música de um dos mais importantes compositores brasileiros e a performance de uma excelente orquestra.

primavera de beijos
lágrimas de amor
beijos divinais
saudoso adeus
minha valsa
ressurreição
morrer sem ter amado
só pelo amor vale a vida
último beijo
sururu na cidade
.

Geraldo Pereira – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 70 (2013)

Chegamos à edição de número 70 do meu, do seu, do nosso Grand Record Brazil. Desta vez focalizamos outro grande sambista que marcou época na história de nossa música popular: Geraldo Pereira.  Geraldo Teodoro Pereira (seu nome completo na pia batismal) nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais, no dia 23 de abril de 1918. Ainda criança, com 10 ou 12 anos, foi para o Rio de Janeiro, levado por seu irmão mais velho, Mané Araújo, filho do primeiro casamento de sua mãe. Mané era ferroviário e sanfoneiro, residente no lendário morro de Mangueira, onde Geraldo foi criado. Além disso, o Mané era dono de uma birosca e uma espécie de xerife de sua localidade. Ali, seu irmão Geraldo cresceu ouvindo samba e depois participando das rodas no meio dos bambas e valentes. Fez o curso primário (que não se sabe se chegou a concluir) em uma escola da Rua Oito de Dezembro, na Vila Isabel, de onde saía para entregar marmitas. Mais tarde, aos 14 anos, trabalha nas proximidades do morro, até que, por volta de 1936, consegue um emprego de motorista de caminhão da limpeza urbana. Nessa época, já arranhava seu violão – que aprendera a tocar com Aluízio Dias e com o mestre Cartola, moradores da Mangueira -, fazia acompanhamentos e começava a compor seus sambas, segundo depoimentos de contemporâneos.  Em 1939, o cantor Roberto Paiva é procurado por Nélson “Gravatinha” Teixeira, que queria apresentá-lo a um compositor novo, insistindo para que ouvisse a música que tinha composto com ele. Era o samba “Se você sair chorando”, que acabou sendo a primeira composição gravada de Geraldo Pereira, e foi hit no carnaval de 1940. Nesse meio tempo, conhece a grande paixão de sua vida: Isabel, inspiradora de alguns de seus antológicos sambas. De espírito boêmio e mulherengo, Geraldo foi um inovador do samba, e compôs sucessos inesquecíveis, com ou sem parceiros: “Acertei no milhar”, “Falsa baiana”, “Escurinho”, “Chegou a bonitona”, “Pisei num despacho”, “Quando ela samba”, “Escurinha”, “Sem compromisso”, “Você está sumindo”, etc. Geraldo Pereira faleceu em 8 de maio de 1955, em consequência de uma hemorragia, provocada por uma briga mal explicada com Madame Satã, lendário personagem da Lapa, quando teria batido com a cabeça no meio-fio, na porta do restaurante Capela.  Como intérprete, segundo José Ramos Tinhorão, Geraldo Pereira “tinha perfeita noção de ritmo, coerência da forma escolhida para traduzir o sentido dos versos, valorização da melodia e, acima de tudo, caráter e estilo próprio na forma de interpretar”. É o que iremos comprovar nesta edição do GRB, que focaliza o Geraldo cantor, apresentando 12 preciosas gravações de músicas, não apenas dele próprio, como também de outros autores, e todas sambas. Para começar, tem “Olha o pau peroba”, de Bucy Moreira e Albertina da Rocha, lançado pela Columbia em janeiro de 1954 para o carnaval desse ano, disco CB-10010-A, matriz CBO-147. Depois, temos “Domingo infeliz”, de Arnaldo Passos e Abelardo Barbosa (sim, o lendário Chacrinha!), lançado pela Sinter em agosto de 1951, disco 00-00.071-A, matriz S-136. No verso, matriz S-150, Geraldo Pereira mostra sua faceta de cronista do dia-a-dia, como parceiro do mesmo Arnaldo em “Ministério da Economia”, alusão à criação da pasta pelo então presidente Getúlio Vargas, na qual acreditava que com esse ministério tudo ficaria mais barato…  “Ela” é de Arnaldo Passos e Osvaldo Lobo, lançado pela mesma Sinter em dezembro de 1950, disco 00-00.021-B, matriz S-48. Foi em seguida escalado o lado A, matriz S-47, o samba-canção “Pedro do Pedregulho”, do próprio Geraldo sem parceiro. Embora seja considerado uma tentativa de adaptação ao gosto comercial vigente nessa época, é uma das melhores criações de Geraldo Pereira, inspirado em uma figura real, um valente da Mangueira chamado Pedro Veneno, conforme depoimento de Carlos Cachaça. Apresenta também um tema presente em outras obras de Geraldo, o do malandro regenerado. Esteve presente também no segundo LP lançado pela Sinter, o 10 polegadas “Parada de sucessos”, já oferecido aos amigos cultos, ocultos e associados do Toque Musical.  A faixa seguinte, “Fiz tudo”, é de Raimundo Olavo e Geraldo Queiroz, em gravação RCA Victor de 13 de agosto de 1952, lançada em outubro do mesmo ano, disco 80-1003-A, matriz SB-093398. Aqui também está presente o lado B, “Tombo no chapéu”, de Alberto Rego e Arnaldo Passos, matriz SB-093399. “Falso patriota” é de David Raw e Victor Simon (o autor dos clássicos “Vagabundo” e “Bom dia, café”), e foi gravado por Geraldo na RCA Victor em 26 de junho de 1953, indo para as lojas em setembro seguinte com o n.o 80-1192-A, matriz BE3VB-0185. O tema do falso nacionalista, consumidor exclusivamente de produtos importados, presente aqui, seria retomado em 1962 por Billy Blanco no samba “João da Silva”. Desse disco RCA Victor também foi escalado o verso, matriz BE3VB-0186: o divertido “Cabritada mal sucedida”, do próprio Geraldo com Wilton Wanderley. “Maior desacerto”, samba do próprio Geraldo mais Ary Garcia e A. J. C. Silva Jr., é o lado B de “Olha o pau peroba”, disco Columbia CB-10010, editado em janeiro de 1954 para o carnaval, matriz CBO-148. Para finalizar, as duas faixas do Columbia CB-10070, lançado em agosto de 1954: o samba-choro “Professor de natação”, de Avarese (Abimael Nascimento Álvares, pernambucano do Recife) e Maurílio Santos, matriz CBO-269, e  o samba “Juraci”, do próprio Geraldo sem parceiro, matriz CBO-270. É a homenagem do GRB e do TM ao grande sambista que foi Geraldo Pereira. E logo, logo a gente volta a focalizá-lo aqui, tá?
*Texto de  SAMUEL MACHADO FILHO.

Banda Dos Coroas – Em Todas… (1967)

Olá amigos cultos e ocultos! Embora o domingo já tenha praticamente acabado, ainda assim aqui vou eu trazendo um disco que é bem a cara deste dia: Banda dos Coroas, no álbum “Em todas…”. Lançado em 1967, parece ter feito lá o seu sucesso, pois nos anos seguintes novos discos foram lançados. Informações sobre quem eram os integrantes ou qualquer coisa que nos sirva de apresentação é praticamente impossível, pelo menos através do Google. Por certo era mais um desses discos feitos sem grandes pretensões, apenas a rotina comercial. Mesmo assim, trata-se de uma proposta bem legal. A Banda dos Coroas é uma autêntica banda ao estilo tradicional, como aquelas de coreto. Até os anos 60 esse tipo de banda era muito comum, bem apreciada por todos. Mas ao longo do tempo veio perdendo a força e hoje quase não se vê (e se ouve, claro!), principalmente em cidades grandes. Mas aqui, a Banda dos Coroas procura estar em todas… Apesar do nome, “Banda dos Coroas”, que nos remete a coisa velha, seu repertório para a época era de música jovem. Uma banda muito afinada tocando uma seleção bem popular. Confiram aí…

acorda maria bonita
seu eu soubesse
prova de fogo
i was kaiser bill`s batman
maria carnaval e cinzas
c’era un ragazzo che come me amava i beatles e i rolling stones
o ciúme
meu grito
pára pedro
súplica cearense
o caderninho
eu te amo mesmo assim
whiter shade of pale
.

André Christovam – Mandinga (1989)

Olá amigos! Hoje eu passei o dia numa feira de vinil que tem acontecido sempre no último do sábado de cada mês, lá no bar do Marilton (Borges), em Santa Tereza. Adorei a feira, que para a minha sorte, embora pequena, tinha de tudo e para todo gosto. Melhor ainda, tinha mais gente interessada na cerveja do que em discos, assim, pude garimpar a vontade e conseguir bons preços. Me senti como um pinto no lixo, todo a vontade 🙂 Lógico, comprei muitos discos. Entre eles este do André Christovam, que saiu pela bagatela de 5 reais! Resolvi então postá-lo para mostrar que o álbum vale muito mais que 5 reais. Não me refiro só ao vinil, mas principalmente ao artista, um dos mais conceituados guitarristas brasileiros, expoente do blues nacional. Aqui ele aparece em seu trabalho de estréia, primeiro disco, gravado em 1988 e lançado pelo Estúdio Eldorado. O disco é produzido pelo próprio artista e todas as músicas são de sua autoria. Tocam com ele Márcio Vitulli, no baixo e Alaor Neves na bateria. Conta ainda com a participação de Roberto de Carvalho (Rita Lee) e Flávio Guimarães (Blues Etílicos).

sebo nas canelas
confortável
duvidoso (mas tô tentando)
blind dog
mandinga
so long boemia
genuíno pedaço do cristo
dados chumbados
palhaço de gesso
.

Arrigo Barnabé – Suspeito (1987)

Olá, amigos cultos e ocultos! A sexta feira já está indo embora e eu ainda nem fiz a postagem do dia. Isso, para não falar que eu ainda tenho compromisso daqui a pouco com uma loira gelada no bar da esquina. Mas  antes, vou deixando aqui o nosso toque musical.
Vamos com o Arrigo Barnabé em seu álbum de 1987, lançado pelo selo 3M. “Suspeito”é um álbum suspeitamente romântico. Uma fase em que o artista devia estar vivendo altas paixões em sua vida. Ou seriam os seus parceiros? Eu imagino que em parcerias o Arrigo se dedica mais à música do que a letra. Mesmo assim, fica clara a sua intenção de fazer um disco em que o foco é o amor, as relações amorosas e coisa e tal… Pessoalmente, eu gosto tanto das músicas, quanto das letras. Porém esse uso de teclados sintentizados, muito comum nos anos 80, mata qualquer música. Já falei disso outras vezes. O jeitão da música nos anos 80 nunca me convenceu, só na época mesmo. Mas independente do meu gosto pessoal, o trabalho tem muita qualidade, como cabe a um artista do calibre do Arrigo. Quando se faz um disco como “Clara Crocodilo”, qualquer outro que não estiver no mesmo nível pode parecer suspeito.

êxtase
amor perverso
suspeito
a serpente
mr. walker e  garota fantasma
uga uga
diabo no corpo
dedo de deus
so cool
já deu pra sentir
tchau touxa
.

Claude Taylor E Sua Orquestra – Sax E Boleros (1964)

Boa noite a todos, amigos cultos e ocultos! Mais uma vez chegando na última hora. Infelizmente não tem jeito, é o tempo que me sobra. E a cada dia vai sobrando menos. Por isso é que a partir de outubro o Toque Musical deixa de ser diário. Ou melhor dizendo, sem compromisso com postagens diárias. Estarei a partir de então repondo os links de solicitações feitas até o final deste mês. Daí pra frente.. tudo vai ser diferente…
Seguimos aqui com “Claude Taylor e Orquestra”. Certamente, mais uma daquelas jogadas de artistas com nomes falsos. Quem olha apenas para a sequência de músicas apresentadas, sem muita atenção, há de pensar que ser trata de um artista estrangeiro. O repertório é formado por diferentes ‘standards’ da música internacional, em ritmo de bolero. Contudo, podemos notar que a equipe de produção deste lp é formada por figuras bem conhecidas no cenário fonográfico da época. Direção artística de  Milton Miranda, direção musical de Lyrio Panicalli e orquestração por conta de Severino Araújo. Bom, já deu pra saber que a orquestra é por conta do Severino Araújo. Agora resta saber quem é o sax que se faz passar por “Claude Taylor”. Alguém aí tem a resposta? (é nessas horas que a gente sente qual é o ‘feedback’)

smoke gets in your eyes
temptation
i’m in the mood for love
body and soul
stardust
dancing in the dark
as time goes by
i only have eyes for you
blue moon
deep purple
tenderly
these foolish things
.

Grupo Queluz De Minas (1981)

Boa noite, amigos cultos e ocultos. Hoje eu vou mandar aqui um compacto, produção independente aqui de Minas Gerais. Apresento aos que não conhecem o grupo Queluz de Minas. Um conjunto vocal nascido no final dos anos 70, na cidade de Conselheiro Lafaiete. Segundo eles contam, o grupo foi criado no intúito de fazer um show em homengem ao um músico da cidade, João Salgado que vem de uma das famílias de fabricantes da famosa ‘Viola de Queluz”. Queluz é uma região no município de Conselheiro Lafaiete onde, entre o final do século XIX e o início do século XX, eram fabricadas por duas famílias (Meirelles e Salgado) as violas de pinho, que hoje se tornaram raríssimas e cobiçadas por todo bom violeiro.
O Grupo Queluz de Minas, pelo que sei só gravou este compacto e (me parece) um lp (ou cd?). Não encontrei nada a esse respeito, mas é possível saber. Alguns de seus integrantes prosseguiram em carreira individual e com outros grupos. Ao que parece eles continuam na ativa, pelo menos no Facebook onde mantem uma página.

poeira
existindo
contra o canto nesta hora
alvorecer
.

Os Indios Tabajaras – Always In My Heart (1965)

Muito bom dia, amigos cultos e ocultos! Como eu sei que a maioria não costuma ler sempre os textos de postagens, acredito também que acabam sem saber dos toques e resoluções que tomo aqui Toque Musical. Daí, vez por outra, eu estou sempre voltando a repetir a mesma ladainha: Eu infelizmente não tenho como atender a todas as solicitações de imediato, principalmente quando se trata de reposição de links de postagens antigas. Já tenho aqui uma lista de uns quase 300 pedidos e que a cada dia cresce mais. Já expliquei várias vezes e continuo a repetir, os links, em seus provedores de acesso, tem prazos curtos e dependem muito do fluxo. As vezes caducam antes do tempo, por falta de procura. Ao contrário, outras vezes, costumam ser censurados ou apagados por conta de denúncias idiotas. Dessa forma, vivemos esse eterno faz-desfaz. E como a cada dia cresce mais o nosso acervo, fica cada vez mais difícil manter tudo ‘de bandeja’, como é o desejo de alguns por aqui. Diante disso e de tudo mais é que venho repetindo, a partir do mês de outubro teremos novas mudanças. Ou seja, as postagens deixam de ser necessariamente diárias, acontecendo agora na medida do meu possível. Quem não acompanha o TM perde a chance de encontrar no GTM o link que procura. Continuarei, claro, atendendo aos pedidos, mas tudo dentro do meu tempo. Quem tiver com pressa, eu também atendo, porém, vou cobrar por isso. Começarei a atender, por e-mail, as encomendas pessoais. Estarei cobrando uma pequena taxa, a título de uma compensação pelo serviço prestado. Isso, de uma certa forma, me incomoda um pouco, pois sugere que eu esteja realmente pirateando direitos autorais. Não, não é essa a minha intensão! Não estou vendendo fonogramas. Estarei sim cobrando pelo meu tempo extra, por uma solicitação pessoal e especial. Afinal, sempre tem aqueles que precisam de um determinado arquivo musical ‘prá ontem’. Para esses que tem pressa, estão aflitos atrás do álbum X ou da música Y, eu poderei atender sim, mas mediante a uma compensação. Afinal, nem relógio trabalha de graça, depende sempre de algum coisa, no mínimo dar corda… Vão se preparando…
Seguindo em nossas postagens, tenho para hoje e mais uma vez os internacionais Indios Tabajaras. Desta vez eu trago o álbum que marcou o retorno da dupla. Como todos já devem ter lido, ou já devem saber, Mussaperê (Antenor Moreira Lima) e Herundy (Natalício Moreira Lima), os Indios Tabajaras foram descobertos na década de 40. Fizeram fama internacional graças ao virtuosismo em contraste com o exótico de suas origens. Por conta de uma formação musical de influência internacional, onde predominava um repertório estrangeiro, a dupla passa meio que à margem da história musical brasileira, sendo por muitos até desconhecidos como artistas naturalmente brasileiros.
“Always In My Heart” foi o disco de retorno dos Tabajaras, o segundo gravado nos Estados Unidos, lançado pela RCA Victor. Seis anos após terem gravado o primeiro em Nova York, o qual na época de lançamento não fez sucesso. A faixa com a música “Maria Helena” viria a ser redescoberta por uma rádio americana que passou a utilizá-la na abertura de um de seus programas, o que despertou o interesse do público. A RCA Victor, percebendo o filão correu atrás dos artistas que nessa altura já haviam ‘pendurado as chuteiras’ e nem pensavam mais em mexer como música. Voltaram novamente para os Estados Unidos onde vieram a gravar não apenas este, mas dezenas de outros discos, consolidando assim como verdadeiros artistas internacionais. Neste segundo álbum vamos encontrar um repertório recheado de ‘standards’ da música latina e americana. Um disco muito bem gravado, como cabe a todos os lançamentos da RCA Victor naqueles tempos.

always in my heart
por que eres asi?
over the rainbow
more brandy – please
amapola
wide horizon
moonlight and shadows
you belong to my heart
central park
magic is the moonlight
new orleans
maria my own
.

A Música De Nelson Cavaquino – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 69 (2013)

Depois de Cartola, na semana passada, o Grand Record Brazil, em sua sexagésima-nona edição, homenageia mais um nome que faz parte da história da Mangueira, e, por tabela, do samba e da MPB: Nélson Cavaquinho.
Nélson Antônio da Silva, seu nome verdadeiro, nasceu no dia 29 de outubro de 1911, na Rua Mariz e Barros, no bairro carioca da Tijuca. Seu pai, o Sr. Brás Antônio da Silva,  era músico da Banda da Polícia Militar, tocava tuba, e seu tio Elvino era exímio violinista, e também organizava rodas de samba em sua casa. A mãe de Nélson,  a sra. Maria Paula da Silva, foi lavadeira do Convento de Santa Tereza. Por volta de 1919, a família, fugindo do aluguel, muda-se para a Lapa, ocasião em que Nélson  frequenta a escola primária Evaristo da Veiga, abandonando o curso para trabalhar como eletricista. Nesse bairro boêmio carioca, fez amizade com os “valentes” de então, Brancura, Edgar e Camisa Preta.  Na adolescência, transferiu-se para  o subúrbio de Ricardo de Albuquerque, para finalmente se estabelecer em uma vila operária na Gávea.  Ali, frequenta os bailes dos clubes Gravatá, Carioca Musical e Chuveiro de Ouro, conhecendo músicos decisivos em sua formação, alguns deles  empregados de uma fábrica de tecidos local, tais como Edgar Flauta da Gávea, Heitor dos Prazeres, Mazinho do Bandolim e o violonista Juquinha, de quem receberia lições de cavaquinho, .daí nascendo o pseudônimo com que ficaria para a posteridade: Nélson Cavaquinho. Já na maturidade, optaria pelo violão, desenvolvendo um estilo inimitável de tocá-lo, usando apenas dois dedos da mão direita.
Em 1931, com apenas 20 anos de idade, Nélson conhece  Alice Ferreira Neves, com quem se casa meses depois, da união resultando quatro filhos. Em seguida, graças a seu pai, consegue um emprego na Polícia Militar, fazendo rondas noturnas a cavalo. E é durante essas rondas, montado no seu querido “Vovô”, que conhece  e passa a frequentar o morro da Mangueira, travando contato com sambistas como Cartola e Carlos Cachaça. Isso lhe rendeu várias detenções, pois passava dias sem ir ao quartel, em decorrência da boemia. O ambiente da prisão era tranquilo, e ele ficava lá compondo… Em 1938, antes de ser expulso da polícia, consegue dar baixa  e, separado da mulher e afastado dos filhos, ingressa definitivamente na boemia e na música, mudando-se para o morro da Mangueira em 1952. Teve diversos outros relacionamentos até finalmente, no início dos anos 1960,  encontrar Durvalina, 30 anos mais nova que ele, com quem viveria pelo resto de sua existência.  Entre suas mais de 400 composições, várias  em parceria com Guilherme de Brito, destacam-se: “Rugas”, “Degraus da vida”,  “Luz negra”, “A flor e o espinho”, “Pranto de poeta”, “Quando eu me chamar saudade”, “Juízo final”, “Cuidado com a outra” e “Eu e as flores”.  Eram canções feitas com extrema simplicidade, e letras quase sempre remetendo a questões como o violão, botequins, mulheres e, principalmente, a morte. Que, inevitavelmente, aconteceria na madrugada de 18 de fevereiro de 1986, aos 74 anos, de enfisema pulmonar.  Como intérprete, estreou em disco no ano de 1966, gravando algumas faixas em um álbum que a cantora Thelma  Costa dedicou à sua obra. Depois, em 1970, viria seu primeiro LP-solo, “Depoimento do poeta”, pela Castelinho (que não passou desse disco!). O segundo viria dois anos mais tarde, pela RCA, primeiro volume da Série Documento, e o terceiro pela Odeon, em 1973.  Também participou, em 1977, do álbum da RCA ”Quatro grandes do samba”, ao lado de seu mais constante parceiro, Guilherme de Brito, mais Candeia e Elton Medeiros.
Nesta edição do GRB, apresentamos dez gravações originais em 78 rpm, com sambas de Nélson Cavaquinho interpretados por vários cantores e feitos com parceiros diversos. Abrindo a seleção, “Palavras malditas”, feita com seu mais constante parceiro, Guilherme de Brito, gravação de Ary Cordovil na Todamérica em 6 de setembro de 1957, disco TA-5724-B, matriz TA-100091, que seria regravada em 2011 por Beth Carvalho.  Ary também canta “Cheiro de vela”, de Nélson com  José Ribeiro (faixa 3), lançada no extinto selo Vila em 1958 (ou 61, não há certeza), disco 10003-B, matriz V-7801-B. Ruth Amaral, também compositora, interpreta outras duas faixas nesta seleção, ambas em gravações Columbia: “Cinzas”, de Nélson e Guilherme mais Renato Gaetani, lançada em novembro de 1955 sob n.o CB-10210-A, matriz CBO-584, e “Garça”, só de Nélson e Guilherme, lançada pouco antes, em maio desse ano, com o n.o CB-10192-A, matriz CBO-192 (faixa 5). A faixa  4 traz também a regravação de Nerino Silva para “Cinzas’, lançada pela Chantecler em janeiro de 1963, disco 78-0677-B, matriz C8P-1354. “Negaste um cigarro”, parceria de Nélson Cavaquinho com José Batista, foi gravada em fins de 1962 por Orlando Gil em outro selo extinto, o Albatroz, disco A-121-B. A “Divina” Elizeth Cardoso aqui comparece com um samba do carnaval de 1954, de Nélson, Roldão Lima e Gilberto Teixeira, gravação Todamérica de 12 de novembro de 53, lançada ainda em dezembro sob n.o TA-5380-B, matriz TA-591.  Francisco Ferraz Neto, o Risadinha, apresenta  “Minha fama”, de Nélson Cavaquinho com Magno de Oliveira, gravação Odeon de 4 de setembro de 1952, só lançada em junho de 53, disco 13455-B, matriz 9413. O grande Jorge Veiga interpreta “O fruto da maldade”, de Nélson com César Brasil, lançado pela Continental entre julho e setembro de 1951 com o n.o 16434-B, matriz 2632. Por fim, Vítor Bacelar interpreta outro samba de Nélson Cavaquinho em parceria com César Brasil: “Não brigo mais”, gravado na Todamérica em 23 de agosto de 1954 e lançado em setembro seguinte sob n.o TA-5471-B, matriz TA-723. Esta é a homenagem do GRB a mais este poeta da Mangueira e do samba carioca que foi Nélson Cavaquinho!
* Texto de SAMUEL MACHADO FILHO

Grande Orquestra Sob Regência De Renato De Oliveira – Fascinação (1957)

Olá amigos cultos e ocultos! Ontem eu acabei furando com vocês. Infelizmente não tive mesmo condições nem para postar um ‘disco de gaveta’. Trabalhei o dia todo. Hoje a situação foi a mesma, ralação em pleno domingo. Não fosse as contas para pagar, eu talvez estivesse em casa descansando e
selecionando discos para postar durante a semana.
Mas vamos ao que interessa. Vamos com a Grande Orquestra Columbia sob a regência do maestro Renato de Oliveira. “Fascinação” é um álbum lançado pela Gravadora Columbia no final dos anos 50. Este disco, de uma certa forma, buscava apresentar ao público o seu novo maestro, o então jovem Renato de Oliveira. O disco traz uma seleção musical, segundo o próprio texto de contracapa de Ary Vasconcelos, ‘de melodias  inesquecíveis do repertório denominado ‘semi-clássico’. Temas internacionais famosos que aqui neste disco ganham ainda mais brilho sob a batuta do maestro Renato de Oliveira. Confiram!

fascinação
serenata
amoureuse
a lenda do beijo
avant de mourir
os milhos de arlecrim
leda
csardas
.

Sylvio Mazzucca E Sua Orquestra – Baile De Aniversário (1958)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje é sexta feira 13, uma data que para muitos é considerado um dia de azar. Eu, ao contrário, penso diferente. Primeiro, é sexta feira, melhor dia da semana. E segundo, é 13 de setembro, data do aniversário do meu melhor amigo. E é para ele esta postagem especial. Para ele e para todos aqueles que hoje completam mais um ano de vida. Parabéns, amigão! Parabéns a todos vocês, privilegiados por terem nascido nesse maravilhos ciclo astral! Setembrinos, virginianos… são sempre gente boa, isso eu garanto! 🙂
Segue aqui este álbum de 1958 do maestro Sylvio Mazzucca, o rei dos bailes. Este é uma daqueles discos que dispensa maiores apresentações, principalmente porque traz em sua contracapa toda a informação necessária. E eu como estou me preparando para ‘o baile’, tenho pouco tempo para ficar aqui dando explicações. Como podemos ver, trata-se de um álbum feito por encomenda, um presente para uma data geralmente festiva e para a época, consequentemente dançante. O disco se divide em apenas seis faixas longas nas quais são apresentadas 18 músicas em forma de ‘pot pourri’. Os temas apresentados, claro, são voltados para uma autêntica festa de aniversário, na qual não poderiam faltar músicas como, “Parabéns prá você”, “Feliz aniversário” e “Anniversary Song”. As demais músicas que completam o disco cumprem o seu papel de entreter os convidados numa festa dançante. Feita a postagem, agora é correr para um abraço. Feliz aniversário e muitos e bons anos de vida!

parabéns a você
feliz aniversário
anniversary song
chá chanzinho
with all my heart
tequila
alone
convite ao samba
não tenho lágrimas
night club
pour elise
o que é que a baina tem
you turned tables on me
do, ré, mi
tv tema
love me forever
diana
moonglight fiesta
.

Sacha’s Piano And Orchestra – Smooth And Gay (1966)

Olá amigos cultos e o ocultos, boa noite! Cheguei já no final da festa, ou melhor do dia. Mas ainda sim, há tempo para um toque musical. Mais uma vez estou eu recorrendo aos meus ‘discos de gaveta’ e desta vez o que eu puxei aqui não foi no acaso. Diria estratégico para os trinta minutos que restam de hoje. Vou apenas copiar e colar como complemento o meu próprio texto em outra e antiga postagem que fiz sobre o mesmo artista. Estamos falando aqui do Sacha Rubin Sacha, uma figura pitoresca, personagem bem conhecida na noite carioca nos anos 50 e 60. Sacha Rubin foi um pianista trazido ao Brasil pelo Barão Max Stukart, empresário austríaco residente no país, ao criar a boate Vogue. A Vogue foi uma casa noturna muito badalada, se tornando um ponto de encontro de figuras das mais importantes da sociedade carioca da época. Foi ao final dos anos 40 que Sacha passou a se apresentar. Segundo contam, Sacha Rubin era de origem turca, mas se fazia passar por francês (que era mais chique, claro). Tocava piano, invariavelmente com um cigarro (americano) no canto da boca e um copo de uísque (escocês legítimo) do lado. Fazia um tipo meio Humphrey Bogart, no filme Casablanca. Gostava de saudar os frequentadores tocando ao piano suas músicas prediletas, logo que esses adentravam no recinto. Provavelmente inspirado no Rick’s Bar de Casablanca ele também criou a sua casa noturna, a Sacha´s, também famosa naqueles tempos.
“Smooth and gay” foi mais um de seus álbuns, lançado em 1966 pelo selo London, da Odeon. No disco iremos encontrar um repertório de sambas de primeiríssima, antigos e atuais da época, com arranjos modernos, a la bossa nova, como manda o figurino. Sacha, no meu entender, floreia muito ao piano, mas o disco ganha a dimensão exata com a presença de uma orquestra impecável. Disco muito legal. Tem que ouvir!

implorar
agora é cinza
aí que saudade da amélia
favela
se você jurar
se acaso você chegasse
chuva
minha namorada
inútil paisagem
samba do avião
primavera
garota moderna
.

Renato De Oliveira Em Tempo Quente – Made In Brazil (1968)

Boa noite a todos, amigos cultos e ocultos! A partir de outubro o Toque Musical vai mudar. Não mais teremos as costumeiras postagens diárias. Essas, acontecerão de acordo com o meu tempo disponível. Dessa forma também, espero estar mais disponível para atender às centenas de solicitações e pedidos para novo links. Estou planejando, também para breve, algumas mudanças radicais no GTM. Creio que já é hora do Augusto aqui ser remunerado pelo seu trabalho e pela manutenção de seu conteúdo. Em breve, pode ser que eu venha a alterar a forma de associação ao grupo. Penso em cobrar uma anuidade aos associados como forma de cobrir gastos e custos, bem como a manutenção e reposição mais eficiente dos links. A taxa (anual) será quase simbólica, o suficiente para não deixar o Toque Musical continuar me dando prejuízo 🙂 Observo que minhas intensões e propostas continuam sendo as mesmas, divulgar a esquecida produção fonográfica brasileira e seus mais diversos artistas.
Para a noite de hoje eu estou trazendo para vocês um álbum muito interessante, bem a cara dos anos 60, ou do final dele. Temos aqui o maestro, instrumentista e compositor Renato de Oliveira, em tempo quente, desfilando um repertório “made in Brazil”. Uma seleção bem variada que trás alguns temas clássicos da nossa música popular. Na época, músicas consagradas e novos sucessos que mais tarde também se tornariam outros clássicos. Renato de Oliveira é mesmo um mestre e demonstra isso em arranjos surpreendentes que dão a essas músicas uma nova roupagem. Muito bom!

pot pourri:
segura esse samba – ogunhé
bafo de onça
o teu cabelo não nega
cidade maravilhosa
você passa eu acho graça
helena helena helena
marcha da quarta feira de cinzas
fita amarela
canto chorado
brasileirinho
bom tempo
vem chegando a madrugada
zelão
toda colorida
eu e a brisa
modinha
tempo quente
.

Jacaré – Choro Frevado (1985)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Eis aqui um disco que eu descobri recentemente. Na verdade eu o adquiri em um lote de disco que comprei em um sebo no Recife. Há tempos esse disco está esperando uma oportunidade de ser apresentado aqui. Hoje eu resolvi postá-lo e porque não dizer, conhecê-lo melhor. Confesso que me surpreendi. Aliás, quando se trata de artistas nordestinos eu geralmente me surpreendo, pois a turma lá pra cima tem uma musicalidade ímpar.
Temos aqui o ‘Jacaré’, apelido de Antonio da Silva Torres, um genial instrumentista e compositor pernambucano. Músico nato, que veio a ser descoberto, tardiamente, pelo violonista Maurício Carrilho na década de 80. Gravou apenas este disco através de um projeto cultural patrocinado pela Prefeitura da Cidade do Recife e Funarte, o Projeto Nelson Ferreira, que buscava registrar e promover a boa música  feita na região e seus artistas. O disco de Jacaré foi o segundo volume de uma série do qual eu só conheço este lp. Com apoio e produção artística de Maurício Carrilho, o disco foi lançado em 1985. Como se trata de uma produção cultural, certamente o número de cópias (discos) foi pequena, insuficiente para apresentar o artista aos quatro cantos do país. Mesmo assim já valeu o esforço, o registro para a posteridade. Mesmo de maneira tímida, este trabalho permaneceu. A Funarte, pelo que sei, chegou até a relançá-lo em formato cd. Este é mais um daqueles álbuns que a gente precisa mesmo conhecer. Na verdade, não só o disco, mas também o artista. Para melhor apresentá-los, vou tomar aqui emprestado o texto do jornalista Marcos Toledo, publicado no Jornal do Commercio do Recife, há 12 anos atrás:

Antônio da Silva Torres é o nome que está nos seus documentos. Mas nem pelo seu famoso apelido, Jacaré, talvez você o reconheça. Quem curte o ritmo do choro, contudo, encontrará entre a pouco variada discografia disponível em CD um álbum desse cavaquinista de 72 anos, natural do bairro do Cordeiro, Recife. O talento de Jacaré, reconhecido por instrumentistas de renome nacional, não corresponde ao modo como ele vive hoje, relevado e desmotivado, levando a vida a animar rodas de chorões pelos bares da vida. Ainda assim, o músico tem um projeto de lançar mais um disco de inéditas, que já conta com o apoio do violonista e produtor Maurício Carrilho.
Ainda criança, ele tomou gosto pelo cavaquinho. O pai, Josias Olímpio Torres, era barbeiro e também violonista. “Ele levava muitos amigos para tocar lá em casa”, lembra Jacaré. Antes de se tornar um profissional da música, o cavaquinista trabalhou como auxiliar do alfaiate Arlindo Melo, que era também cantor de boleros e lhe deu o apelido pelo qual ficou conhecido até hoje. Seguiu, paralelamente, na alfaiataria e tocando o instrumento.
A vida do músico começou a ficar meio incerta com a morte dos pais. Sentindo-se sozinho, entrou para um circo e foi parar em Campina Grande, na Paraíba. “Depois, quiseram ir para o Peru mas eu não quis”, recorda.
De volta a Pernambuco, Jacaré voltou a ser alfaiate, já de maneira autônoma. Em sua mente, havia um outro objetivo: tocar no rádio, talvez, o que havia de melhor em termos de trabalho para um músico, naquela época. “Aqueles sonhos bestas que a gente tem”, define o artista, com um pouco de ressentimento.
O sonho, o cavaquinista começou a realizar quando, mais uma vez, foi para o interior. No município de Limoeiro, onde viveu por quatro anos, conseguiu uma vaga para atuar no regional da Rádio Difusora local. Lá, seu padrinho de crisma, Galba Bittencourt, sugeriu que voltasse ao Recife para tocar na Rádio Clube. Era o ideal de Jacaré participar de um conjunto em uma grande rádio da capital e ele resolveu arriscar. “Estava ansioso e não tinha compromisso com mulher”, conta.
TRABALHO PRÓPRIO – Foram seis anos. Primeiramente, integrando o regional de Martinho da Sanfona e, depois, o famoso do saxofonista Felinho. A experiência, logo se transformou na primeira oportunidade – por intermédio do radialista Aldemar Paiva – de Jacaré gravar seu primeiro disco, um compacto duplo pelo selo Mocambo, da gravadora Rozenblit.
O instrumentista explica que começou a compor porque “não gostava de tocar música dos outros”. Assim, faturou o primeiro lugar com uma de seus temas num concurso do programa Céu e Inferno, da Rádio Clube. “Dá um trabalho danado fazer música”, afirma. “Tenho que estar muito tranqüilo, com a cabeça tranqüila.”
O estilo de interpretação de Jacaré é, até hoje, elogiado por diversos músicos brasileiros especialistas em choro. O que sempre dificultou a sua afirmação como compositor é o fato dele não ler nem escrever música. O cavaquinista conta que sua avó, organista de igrejas, até que insistiu para que ele aprendesse. “Mas eu era menino”, tenta justificar. O talento de Jacaré, no entanto, era latente desde criança. “Meu irmão começou antes de mim, mas o pessoal só queria que eu tocasse. Aí, ele desistiu.”
Jacaré, então, criou suas próprias músicas como aprendera a executar a de virtuoses do seu instrumento, como Waldir Azevedo: por ouvido. Assim, idealizou as 13 composições que formam seu único álbum, Choro Frevado, lançado pela primeira em 1985, como segundo volume do Projeto Nelson Ferreira, da Fundação de Cultura da Cidade do Recife, com apoio da Funarte. A produção artística e vários arranjos são assinados pelo violonista Maurício Carrilho.
Depois que deixou de ser músico nas rádios, Jacaré ainda integrou conjuntos de bom nível que se apresentavam em hotéis nos bairros da Boa Vista (São Domingos) e Boa Viagem (Casa Grande & Senzala). “Era com carteira assinada”, lembra. “Eu ganhava mais do que na rádio.” A experiência no setor hoteleiro, no entanto, não chegou a uma década.
Após esse período, o músico começou a amargar a falta de espaço para atuar. Os bares, último reduto dos chorões, já não abre tanto espaço para esse ritmo secular. As gravadoras, muito menos. “Está tão horrível, que eu saio todo dia atrás da música. Eu, um (intérprete de) violão e um (de) pandeiro. Quando eles não vêm, eu vou só”, diz, parafraseando um samba sem querer.
Do seu único álbum, reeditado em CD, Jacaré afirma que recebeu 100 cópias para divulgação e apenas R$ 34 relativo a direitos autorais. Se já é difícil para o músico brasileiro que tem suas músicas devidamente editadas receber seus royalties, imagine para o cavaquinista pernambucano, que nunca teve suas músicas editadas, não tem conta no banco e cujo endereço é informação para poucos.
Um pouco amargurado, Jacaré vive hoje modestamente de aluguel numa pequena casa conjugada no bairro de Salgadinho (Olinda). Ele a atual esposa, Maria José, que canta em corais. Para achá-lo, somente por intermédio de amigos como o violonista Henrique Annes que, quando recebe convites para tocar em outras cidades – Rio de Janeiro, São Paulo –, tenta levar o cavaquinista.
Mesmo sem muita esperança, na última vez que esteve no Rio de Janeiro – em janeiro deste ano, durante um festival que homenageou os 100 anos do choro – gravou quatro novas composições no estúdio da gravadora Acari, de Maurício Carrilho e Luciana Rabello.
O instrumentista garante que tem mais composições e espera contar com apoio de algum órgão cultural do governo para realizar o que seria seu segundo álbum. Ele conta que, quando viaja, sente-se mais inspirado a compor. “ A gente se esquece dos problemas”, explica. Na mesma viagem ao Rio, no início do ano, fez o choroTricolor, uma homenagem ao clube Santa Cruz.
Contatado por telefone, o músico e produtor Maurício Carrilho confirmou que está com as quatro faixas gravadas por Jacaré arquivadas e que, assim que o músico pernambucano tiver as outras músicas prontas, pode avisá-lo. “A gente manda as passagens para ele vir gravar”, garantiu.
Até lá, quem quiser ouvir os choros de Jacaré, além do disco, pode conferi-lo, ao vivo, em bares do Recife Antigo, como o História e o Scotch.

Obs.: Jacaré faleceu em 2005

galho seco
saudade de limoeiro
goianinha
jacaré de saiote
silvana
vai e vem
jacaré voador
jacarezinho
chorinho caiçara
pro herminio
sem rancor
jaciara
saudoso cavaquinho