Jorge Henrique Alan Gordon & Hugo Lander – Dançando Face A Face (1959)

O TM traz hoje para seus amigos cultos, ocultos e associados mais um álbum do selo Rádio, marca que, como vocês já sabem, lançou apenas e tão somente LPs, em toda a sua existência, sendo, por tabela, uma das pioneiras do vinil em território brasileiro. Trazemos, desta vez, “Dançando face a face”, lançado em 1959, com o pianista Alan Gordon, o baterista Hugo Lander e o organista Jorge Henrique. A ressaltar que Alan Gordon, já falecido, foi proprietário da lendária boate Stardust, em São Paulo, e é pai de Lanny Gordin, autêntico mestre da guitarra e um dos ícones da MPB.  Os três, então se apresentando com muito sucesso nas casas noturnas do eixo Rio-São Paulo,  já haviam gravado juntos, pela mesmíssima Rádio,  os dois álbuns da série “Cheek to cheek”, o último deles já oferecido a vocês pelo TM (Alan e Hugo ainda se encontrariam no álbum “Dois americanos no Rio”). Pois este “Dançando face a face” também é um trabalho de inquestionável qualidade, dentro do padrão dos álbuns dançantes que tanto faziam sucesso naquele final de anos 1950. São onze faixas marcantes, selecionadas entre standards sempre queridos e apreciados do repertório popular nacional e internacional. Na parte brasileira, há quase que apenas sambas: “Cinco letras que choram (Adeus)”, “Dois corações”, “Reconciliação”, “Cabelos brancos”, “Juramento falso” e duas composições então inéditas de Jorge Henrique, “Preto velho” e “Tédio” (esta, um bolero). Completando o programa, quatro clássicos internacionais: os boleros “Acercate más”, “Incentidumre” e “Concerto d’autumno” (originalmente fox-canção), e o fox “Because of you”.  Arranjos primorosos, aliados à competência e à técnica do trio de instrumentistas, fazem deste “Dançando face a face” um LP digno de merecer mais esta postagem de nosso TM, oferecendo o melhor em matéria de música ambiente, seja para simples audição, como “relax”, seja para se dançar bem juntinhos, de rosto colado. Aproveitem…

cinco letras que choram
dois corações
acercate mas
because of you
reconciliação
incertidure
cabelos brancos
juramento falso
concerto d’autunno
preto velho
tédio

*Texto de Samuel Machado Filho

Los 13 Soñadores – Amor… Love… L’Amour (1963)

O TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um precioso álbum do selo Plaza, de Henrique Gandelman, do qual  já postamos outros títulos anteriormente. Desta vez, trata-se de um disco essencialmente romântico, a começar pelo título: ”Amor… Love… L’amour”, lançado em 1963 pelo grupo (ou orquestra?) Los 13 Soñadores. Por certo, este foi o único LP deles. Nas doze faixas deste trabalho, encontraremos verdadeiros hits românticos, tanto de ocasião quanto mais antigos, executados em ritmo de bolero, que, como já sabemos, é um gênero sempre muito apreciado, sobretudo em países latino-americanos, como o Brasil. Trabalhos como “Maria” (do filme “West Side Story”, no Brasil, “Amor, sublime amor”), “I’ve got you under my skin”, “Tender is the night” (o famoso “Suave é a noite”, do filme de mesmo nome), “Always in my heart” (ou seja, “Sempre no meu coração”, de outro filme famoso), “L’hymne a l’amour” (de Edith Piaf), “On the street  where you live” (de “My fair lady”, musical da Broadway que curiosamente só foi para as telonas um ano mais tarde), “Non dimenticar”, “Ansiedad” e duas faixas mesclando temas eruditos, “Amor.. Love… L’amour”, que dá título ao álbum, e “Guitarras & romance”, que o encerra, são apresentadas bem na medida para aqueles que gostam de dançar “coladinho”, ou então para aqueles que só desejam ouvir, de preferência à noite, ao lado de quem a gente gosta. Tudo isso com o invejável padrão técnico e artístico que eram a marca registrada dos lançamentos da Plaza Discos, tanto que este álbum foi lançado nas versões mono e estéreo.  Afinal, como diz a contracapa, o amor sempre foi inesgotável tema de poesias e canções, como as aqui incluídas. Portanto, aproveitem o “super áudio” deste disco, amigos: afinal de contas, o amor está no ar!

maria
i’ve got you under my skin
amor amor
all the things you are
l’hymne à l’amour
amor love l’amour
non dimenticar
always in my heart
ansiedad
tender is the night
on the stree where you live
guitarras e romance

*Texto de Samuel Machado Filho

Som 3 (1966)

É indiscutível a contribuição dada à música popular brasileira por César Camargo Mariano, músico, arranjador, compositor, produtor, diretor musical e empresário de renome internacional. Nascido em São Paulo, a 19 de setembro de 1943, César começou a tocar piano por conta própria, e, aos 14 anos, passaria a ser apresentado como “menino prodígio” em espetáculos no qual acompanhava bandas de jazz. Logo em seguida, fez amizade com Johnny Alf, que o incentivou a estudar harmonia, arranjo e composição. Ao longo de sua vitoriosa carreira, César Camargo Mariano foi agraciado com vários prêmios, como o Sharp e o Grammy Awards, foi jurado de festivais de música, apresentador de TV (comandou o musical “Um toque de classe”, na extinta Rede Manchete), compôs jingles publicitários, foi o primeiro a utilizar teclado sintetizador em arranjos musicais e acompanhou inúmeros astros de nossa música popular, sobretudo Elis Regina, com quem se casou e estabeleceu marcante parceria em shows e discos. Desse enlace matrimonial, vocês sabem, resultaram dois filhos, hoje também cantores, Pedro Mariano e Maria Rita. César reside nos EUA desde 1994, mas continua em contato permanente com os maiores nomes da nossa música popular, dirigindo e produzindo discos e espetáculos.  César Camargo Mariano começou a atuar como músico profissional na orquestra de William Furneaux, e, em 1962, formou o grupo Três Américas, que tocava em festas e bailes. Um ano mais tarde, integra o Quarteto Sabá, com quem grava o primeiro LP. Em seguida, ao lado de Aírto Moreira e Humberto Claiber, forma o Sambalanço Trio, que grava um álbum com o cantor e dançarino Lennie Dale, e ganha prêmios. Contratado pela antiga TV Record de São Paulo, passa a se apresentar com um novo grupo, o Som Três, ao lado de Sabá no contrabaixo e Antoninho Pinheiro na bateria, os dois últimos egressos do Jongo Trio, com o qual grava cinco LPs, sem contar um ao vivo, em que acompanharam o grande e inesquecível Wilson Simonal. E é justamente o primeiríssimo álbum do Som Três, lançado em 1966 pela Som Maior, selo que pertencia ao grupo RGE-Fermata, que o TM oferece hoje, em grande estilo, a seus amigos cultos, ocultos e associados. Nas onze faixas deste trabalho, há trabalhos autorais dos próprios integrantes (“Samblues”, “Tema 3”, “Cristina”, “Margarida B”, de César, e “Um minuto”, de Sabá e Antoninho), sucessos da ocasião (“O morro não tem vez”, “Canto de ossanha”, “O bolo”) e composições de Lula Freire com parceiros (“Cidade vazia”, com Baden Powell, e “Deixa pra lá”, com Sérgio Augusto), além do clássico “Na Baixa do Sapateiro”, do mestre Ary Barroso.  Tudo isso criando, conforme diz a contracapa, uma personalidade musical exatamente como  exigia o gosto do público musical dessa época, com execuções primorosas. Portanto, este primeiro LP do Som Três é mais um trabalho de qualidade que o TM possui a grata satisfação de oferecer, simbolizando uma significativa parcela do melhor da música instrumental brasileira.

samblues
canto de ossanha
na baixa do sapateiro
o bolo
um minuto
cidade vazia
deixa pra lá
tema 3
cristina
o morro não tem vez
margarida b

*Texto de Samuel Machado Filho

Tania Maria, Boto & Helio – Via Brasil (1975)

Conforme o prometido, o TM coloca seus amigos cultos, ocultos e associados em contato, mais uma vez, com o talento, a competência e a versatilidade de Tânia Maria, esta notável cantora, compositora  e pianista brasileira de prestígio mais que merecido internacionalmente. Com o nome completo de Tânia Maria Corrêa Reis, essa extraordinária jazzista veio ao mundo na cidade de São Luís, capital do Maranhão, em 9 de maio de 1948. Aos sete anos de idade, ela começou a estudar piano, e, aos treze, ganhou o primeiro prêmio em um concurso de música local como líder de um conjunto que seu pai havia começado. Em 1963, aos quinze anos, fez sua estreia em disco, lançando, pelo obscuro selo Pedestal, um 78 rpm com a valsa “Papaizinho”, de Francisco de Paula, e a marcha “Serão do papai”, de Amâncio Cardoso. Aos dezesseis anos, casou-se e começou a estudar Direito, mas, em 1966, abandonou os estudos para gravar seu primeiro LP, exatamente o que o TM já ofereceu a vocês, “Apresentamos Tânia Maria”, mostrando, logo de saída, um estilo todo peculiar, combinando jazz e ritmos brasileiros, que ela iria desenvolver posteriormente. O segundo álbum viria em 1971, pela Odeon, “Olha quem chega”. Em meados da década de 70, Tânia Maria decide fixar residência no exterior, mais precisamente em Paris, capital da França, onde voltou a morar com sua família após alguns anos de permanência em Nova York, EUA. Desde então, desenvolveu uma sólida carreira internacional, com mais de 25 álbuns gravados, além de turnês e apresentações em praticamente todos os festivais de jazz do mundo. Em 1980, seu álbum “Piquant” venceu o Golden Leonard Feather Award. As principais 07influências de nossa Tânia Maria são Oscar Peterson, Bill Evans, Luiz Eça, Sarah Vaughan, Tom Jobim e Mílton Nascimento, e sua música abrange desde melodias pop às harmonias complexas do jazz, passando pelo soul, samba e funk. Usa sua voz para executar complicadas improvisações de “scat”, em uníssono com o piano, sendo uma das expoentes nessa técnica. Um estilo musical e uma voz inconfundíveis, que a tornaram, com justiça, um dos grandes talentos da cena contemporânea. A ponto de, em 2009, ser nomeada “officier” da Ordem de Artes e Letras da França. Segundo informa seu site oficial, Tânia Maria está preparando um novo álbum, a ser lançado ainda em 2017. Enquanto aguardamos este novo trabalho, o TM nos oferece um disco por ela gravado quando já havia se estabelecido na França. É “Via Brasil”, lançado naquele país pela Barclay (hoje subsidiária da Universal Music e denominada EmArcy Records) em 1974, e que chegou ao Brasil um ano depois, através da RCA, futura Sony Music. Aqui ela está acompanhada pelo baterista e percussionista Boto, e pelo contrabaixista Hélio, oferecendo um repertório, como não poderia deixar de ser, de primeiríssima qualidade, com sucessos já consagrados no Brasil (“Samba de Orly”, “Abre alas”, “Até quem sabe”, o clássico jobiniano “Águas de março”, “Fio maravilha”),  dois pot-pourris, um com hits de Jorge (então) Ben e outro com sambas da velha guarda, denominado “Via Brasil”. Nessa época, o trio se apresentava no bar musical A Batida, então recém-inaugurado, que ficava no complexo Via Brasil, no centro comercial da “Torre” Maint-Montparnasse.  Foi lá que Eddie Barclay, então proprietário da gravadora, ouviu Tânia, Boto e Hélio, e, entusiasmado, logo os contratou.  O resultado aí está, como os amigos cultos, ocultos e associados do TM terão a grata satisfação de conferir.  Um segundo volume de “Via Brasil”, ao que parece não editado por aqui, viria em seguida. E este primeiro é simplesmente espetacular!

samba de orly
pot pourri de jorge ben
até quem sabe
abre alas
fio maravilha
a cruz
aguas de março
bedeu
não tem perdão
pot pourri

* Texto de Samuel Machado Filho

Sandoval Dias – Um Saxofone Em Ritmo De Bolero Nº 2 (1959)

Ritmo de origem cubana, mesclando raízes espanholas com influências locais de vários países hispano-americanos, o bolero sempre foi muito popular, inclusive no Brasil. Influenciou o samba-canção, o mambo, o chá-chá-chá e a salsa. Existe inclusive uma variante do bolero surgida na República Dominicana, nos anos 1960, a bachata.  Entre os mais conhecidos intérpretes de boleros, podemos citar: o chileno Lucho Gatica, o espanhol Gregorio Barrios (que até radicou-se no Brasil), o argentino Roberto Yanés , o cubano Bienvenido Granda (“o bigode que canta”), o mexicano Armando Manzanero, o Trio Los Panchos (formado por mexicanos radicados nos EUA), e os brasileiros Anísio Silva, Orlando Dias e Altemar Dutra, além do Trio Irakitan. Até Maysa gravou boleros, e dizia gostar do gênero, sem se envergonhar disso (com razão, convenhamos). E Sidney Morais, ex-integrante do Conjunto Farroupilha e dos Três Morais, fez sucesso nos anos 80 com a série de álbuns “Boleros con amor”, sob o pseudônimo de Santo Morales. Mais recentemente, iriam destacar-se no gênero o portorriquenho Luís Miguel e as cantoras brasileiras Tânia Alves e Nana Caymmi. O bolero também influenciou, e muito, a música sertaneja brasileira, e até hoje é cultivado por intérpretes desse gênero. Sendo um ritmo musical bastante apreciado até hoje pelos brasileiros, o bolero também dá ibope até em blogs dedicados a raridades discográficas, como o Baú de Long Playing, o Estação Saudade  e, claro, o nosso TM. Tanto que já colocamos à disposição de nossos amigos cultos, ocultos e associados, títulos como os das orquestras Românticos de Cuba, Namorados do Caribe, e Serenata Tropical. Pois hoje apresentamos mais um grande álbum do gênero: trata-se do segundo volume de “Um saxofone em ritmo de bolero”, editado em 1959 pela Sinter, hoje Universal Music. E novamente trazendo o expressivo e talentosíssimo Sandoval Dias (1906-1993), agora pondo seu sax de ouro a serviço de alguns dos melhores e mais expressivos boleros de todos os tempos.  Como frisado na contracapa, a disposição das faixas  segue o esquema “dance o máximo com o mínimo de descanso”, distribuindo os catorze clássicos do bolero aqui incluídos (como “Santa”, ‘Amor”, “Desesperadamente”, “Palabras de mujer”, “Dize minutos mas”, “Lagrimas de sangre”) em seis faixas, com duas ou três músicas executadas seguidamente. Portanto, este disco é um prato cheio para quem aprecia boleros, seja para dançar ou apenas ouvir. É mais uma joia rara que o TM posta com a satisfação e o orgulho de sempre, e por certo fará os ouvintes recordarem momentos inesquecíveis ao som destes boleros mundialmente consagrados. E aí? Dá-me o prazer desta contradança?

amor…
desesperadamente
buenas noches mi amor
marimba
maria bonita
porque ya no me quieres
pecadora
palabras de mujer
santa
lágrimas de sangre
solamente una vez
sin motivo
condicion
diez minutos mas

*Texto de Samuel Machado Filho

Osmar Milito – E Deixa O Relógio Andar (1971)

Cantor, compositor e pianista de renome, Osmar Milito já é um nome com quem os amigos cultos, ocultos e associados de nosso TM já se familiarizaram, pois já temos dois de seus álbuns postados, “Nem paletó nem gravata” (1973) e “Lígia” (1978), além de LPs mistos que contaram com sua participação. Irmão do também músico Hélcio Milito, percussionista e baterista que integrou o Tamba Trio, Osmar nasceu em São Paulo, no dia 27 de maio de 1941. Iniciou seus estudos de piano aos sete anos de idade. Foi aluno de Armando Lacerda, professor do Conservatório de Música de São Paulo, e, no Rio de Janeiro, de Wilma Graça e Glória Maria Fonseca. Considerado um dos maiores pianistas de jazz e bossa nova de todos os tempos, tendo alcançado renome internacional, começou sua carreira artística em 1964, acompanhando inúmeros “cobras” da MPB, tais como Sylvia Telles, Nara Leão, Leny Andrade, Maria Bethânia, Elis Regina, Pery Ribeiro, Gilberto Gil, o Poetinha Vinícius de Moraes,  e Jorge (então) Ben. Em seguida, foi convidado a se apresentar nos México e nos EUA, onde residiu por dois anos e atuou com Sérgio Mendes realizando shows em Las Vegas e em diversas universidades norte-americanas. No início dos anos 1970, Osmar Milito retornou ao Brasil, participando de apresentações de Chico Buarque, Ivan Lins, Nana Caymmi  e Marcos Valle, entre outros. Acompanhou ainda inúmeros artistas de renome internacional, tipo Liza Minelli, Sarah Vaughan, Tony Bennett, Sammy Davis, Pat Metheny, Shelly Mane, Randy Brecker e Spanky Wilson. Inaugurou e atuou como pianista em diversas casas noturnas de sucesso no Rio de Janeiro, inclusive o extinto Mistura Fina, montando grupos que contaram com a participação de Márcio Montarroyos, Pascoal Meirelles, Djavan, Mauro Senise e a já citada Leny Andrade, entre outros. Seu respeitável currículo inclui ainda trilhas sonoras para novelas da TV Globo (“O primeiro amor”, “O bofe”, “Uma rosa com amor”, “Carinhoso” etc.) e filmes do cinema brasileiro. A discografia individual de Osmar Milito abrange oito LPs e quatro CDs. E o TM apresenta justamente seu primeiríssimo álbum, “E deixa o relógio andar”, lançado em 1971 pela Som Livre, gravadora do Grupo Globo até hoje em atividade, da qual Osmar foi um dos pioneiros, contando ainda com a participação do Quarteto Forma. Produzido por outro músico de renome, Nonato Buzar (que assina a faixa-título, “E deixa o relógio andar”),  o disco apresenta um repertório formado por hits nacionais e internacionais da ocasião, como “Garra”, “To Rio for love”  e “Que bandeira” (dos irmãos Valle), “Tá falado” (de Ivan Lins), “Mudei de ideia” (da então festejada dupla Antônio Carlos e Jocafi), a irreverente “Rita Jeep” (de Jorge Ben Jor, então Jorge Ben), “What are you doing the rest of your life?”, “Cantaloupe island”, “Mercy, mercy, mercy”, e a autoral “João Belo”, que encerra o álbum. Merece destaque também, é claro, “Chovendo na roseira”, uma das mais belas páginas do repertório do mestre Tom Jobim. Tudo isso formando um conjunto admirável, e documentando o promissor início da carreira discográfica de Osmar Milito, para o deleite e a apreciação de todos aqueles que apreciam música de qualidade. Como, aliás, é raro a gente encontrar nos tempos atuais…

e deixa o relógio andar

a famous mith

que bandeira

canteloupe island

garra

chovendo na roseira

rita jeep

what are you doing for the rest of your life

to rio for love

mercy mercy mercy

mudei de ideia

tá falado

joão bello

 

*Texto de Samuel Machado Filho

Tania Maria – Apresentamos (1966)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje nós trazemos para vocês um disco raro e muito especial. Por certo já foi postado em diversos outros blogs, porém é aqui que ele se perpetua. Apresentamos, Tânia Maria, cantora, compositora e pianista. Artista que ganhou prestígio na Europa e Estados Unidos, fazendo por lá uma sólida carreira internacional. Respeitadíssima no mundo do jazz, já tocou com os mais diversos e importantes músicos dos quatro continentes. Aqui temos ela fazendo sua estréia, neste lp lançado pela Continental, em 1966. Ao lado de outros grandes músicos da época, Neco na guitarra; Luiz Marinho no contrabaixo; Edson Machado na bateria e ainda Maurício Einhorn e sua gaita, em três faixas do disco, Tania Maria é um verdadeiro show de competência. Disco gravado ao vivo, um registro mais que histórico da competência desses excelentes músicos.
Ainda neste mês vamos postar aqui mais dois discos dessa artista. É só aguardar, pois as apresentações mais detalhadas vão ficar por conta do nosso super amigo resenhista, Samuel Machado Filho. Confiram este lp no GTM 😉

não tem tradução
com que roupa
três apitos
feitiço da vila
feitio de oração
viver morrer
a voz do povo
nêgo são
papão
ficou na saudade
de manhã
terra de ninguém
a paz
agora
paz de espírito
o verão vem aí