Acordel (1980)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Seguimos aqui em nossas postagens trazendo hoje o grupo Acordel, que tinha como idealizador o músico e compositor Hilton Acioli, figura cuja carreira começa ainda nos anos 50, quando fazia parte do Trio Marayá. Hilton foi parceiro de Geraldo Vandré em várias canções, sendo as mais conhecidas, “Ventania”, “O plantador”, “João e Maria” e “Guerrilhia”. Fez arranjos para disco de Diana Pequeno e teve suas músicas gravadas por diversos artistas nacionais. Uma curiosidade, Alcioli foi o autor do famoso jingles “Lula lá”. O grupo Acordel foi mais um de seus projetos, um conjunto vocal e instrumental, que infelizmente só gravou este disco.Um belo trabalho, por sinal, sendo a faixa de abertura “Chama” uma música que fez parte de trilhas e chegou a ser executada nas rádios. Confiram mais essa joinha no GTM, ok?

chama
brasileira
estrada de ferro madeira-marmoré
ladrão de terra
amanhecerá
em nome do pai e do filho
trabalhadores do metrô
cria corvos
gado bom quem tem sou eu
clarão
era uma vez


.

Gran Orquesta De Estudio – Latin American Folk Songs (1966)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Seguindo em nossa jornada fonomusical, temos para hoje um disco muito interessante, que nunca foi postado em outros blogs. Temos aqui o maestro Peruzzi, a frente de mais um projeto, a Gran Orquesta de Estúdio. Certamente e até pelo título, “Latin American Folk Songs”, este disco foi gravado com pretensões internacionais. Acredito que tenha sido lançado também fora do Brasil, em 1966 pela Odeon, através do selo internacional London. Como podemos ver pela capa, trata-se de um disco que reúne canções tradicionais de diferentes regiões da América Latina. Um repertório clássico para quem conhece a música latino-americana. Não deixem de conferir no GTM 😉

alma llanera
asa branca
la paloma
de mim esperanza
lamento borincano
pajaro amarillo
de papo pro á
la flor de la canela
el copihue rojo
galopera
peguei um ita no norte
la colondrina
 

.

Canto Livre (1982)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o TM traz a vocês mais uma raridade: o primeiro LP do grupo gaúcho Canto Livre, gravado nos estúdios da ISAEC e lançado em outubro de 1982, de forma independente (aliás houve muitos lançamentos independentes nessa época), com produção e mixagem de Ricardo Garay e Calique Ludwig, também responsável pelo arranjo de vozes na faixa “Eta negro”. O grupo era formado pelos irmãos Jair e Jairo Kobe, Fernando Cardoso, Míriam Kelm, Elaine Marques e as irmãs Selma e Vânia Martins. Um excelente septeto, como poderemos confirmar ouvindo as nove faixas deste trabalho, considerado síntese da melhor música nativista gaúcha da nova geração de então. E todas elas com a parceria de Sérgio Napp  (1939-2015), também compositor e escritor. Foi com uma das faixas deste trabalho, “Desgarrados”, feita junto com Mário Barbará, que ele venceu a décima-primeira edição da Califórnia da Canção Nativa, evento que acontece desde 1971 e considerado patrimônio cultural do Rio Grande do Sul. A faixa de encerramento, “Juventude”, é também muito apreciada até hoje. O grupo ainda faria mais um LP em 1984, “Comunicação”, e voltaria à cena em 2014, com novos integrantes em sua formação. Ainda hoje continuam na ativa, fazendo shows nos quais apresentam músicas típicas gaúchas, faixas marcantes da MPB e destaques internacionais. Enfim, este primeiro álbum do Canto Livre é um documento histórico, mais um trabalho raro e de qualidade que o TM oferece a vocês, com o orgulho e a satisfação de sempre. 

recuerdos
e quando isso acontece
eta negro
dia de graça
desgarrados
entre na roda
janeiro
gente boa
juventude



*Texto de Samuel Machado Filho

Dominguinhos – Após Tá Certo (1979)

Olá, amiguinhos cultos e ocultos! Mais uma vez, marcando presença em nosso Toque Musical, temos o grande Dominguinhos, sanfoneiro arretado que infelizmente nos deixou em 2013. Gravou dezenas de discos e participou de outros tantos ao longo de sua carreira. Sem dúvida, um artista genial que estará sempre em nossa memória e na história da música popular brasileira.
” Após, tá certo” é um disco lançado no final dos anos 70. Um trabalho totalmente autoral, sendo algumas faixas em parcerias. Um disco de forró, de cabo a rabo. Imperdível!

de altamira a campina grande
chega morena
chorinho pro mudinho
no forró da dona zefa
após tá certo
penitente
pode morrer nessa janela
forrozinho aperreado
lamento sertanejo
homenagem a jackson do pandeiro
beijo de brejo
a costureira
.
.

Maria Bethania – As Canções Que Você Fez Pra Mim (1993)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Até agora há pouco estava eu ouvindo este disco da Maria Bethânia. Um álbum o qual eu nunca tinha parado para ouvir por inteiro e com atenção. Fiquei de queixo caído com a interpretação dela, cantando canções de Roberto e Erasmo Carlos. Aliás, num todo, o disco é excelente. São apenas 11 canções, mas que chegam na medida certa. Repertório perfeito e interpretações impecáveis. Merece o toque, merece a nossa atenção. Confiram no GTM.

as canções que você fez pra mim
olha
fera ferida
você não sabe
palavras
costumes
detalhes
eu preciso de você
seu corpo
você
emoções



.

Beto Mi (1983)

Compositor, cantor, arranjador, regente, produtor e diretor musical. Este é o perfil de Beto Mi, nome artístico de Humberto Miranda Neto, paulista de Guaratinguetá, nascido em 4 de julho de 1958. Filho de funcionários públicos, que também tocavam acordeom e piano, é primo dos músicos Sérgio, Geraldo e Marcelo, e das cantoras Tetê e Alzira Espíndola. Ainda menino, o nosso Beto dedilhava intuitivamente o acordeom de seus pais, repetindo sons ouvidos na casa de um vizinho que tocava sanfona. Na adolescência, participou de corais, bandas marciais e grupos musicais que, entre outras coisas, tocavam em missas jovens na região. Nos anos 1970, mudou-se para a capital paulista, e cursou alguns períodos da Faculdade de Música e Educação Artística do Instituto Musical de São Paulo. Frequentou bares de estudantes e a noite paulista, e atuou como diretor musical do Teatro Experimental Universitário (TEU). Em seguida, começou a participar de festivais de música, tendo sido premiado em vários deles como compositor e intérprete. Em 1982, venceu o festival de Ubá (MG) com a música “Ói u trem”, e a convite de diretores da RCA presentes ao evento, gravou um compacto simples distribuído somente no estado de Minas. Um ano depois, novo single, agora com distribuição nacional, e em seguida vem o primeiro LP, justamente o disco que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos, produzido por Durval Ferreira e dedicado ao irmão de Beto Mi, Lucas. O disco tem as participações especiais do saxofonista Hector Costita, de Ubirajara (bandoneon) e do percussionista Mílton Banana, recebeu elogios da crítica e vendeu mais de cem mil cópias. Ainda em 1983, participou do III Festival do Disco Visão, em Canela (RS). Residiu durante algum tempo no Nordeste, época em que lançou os discos “Espelhos” e “Um tempo pra sonhar”. Ao todo, tem sete álbuns gravados, entre LPs e CDs, e um DVD, em seus mais de 35 anos de carreira artística, nos quais armazenou diversas vitórias e conquistou vários amigos e parceiros (Sá & Guarabyra, Vanusa, Ronnie Von, Ivan Lins, Flávio Venturini etc.), com seu trabalho e sua simplicidade. Além de cantar e compor, Beto Mi criou e desenvolveu o projeto educativo, cultural, musical e ambientalista “Planeta caipira”, em parceria com a Fundação Abrinq e a ONG SOS Mata Atlântica, o que resultou em um CD lançado em 2003. Desde 1997, atua ainda como professor, arranjador, maestro e regente dos corais do Instituto Salesiano Nossa Senhora do Carmo e Albert Einstein/Objetivo, em sua Guaratinguetá natal.  Enfim, este primeiro álbum de Beto Mi, que o TM oferece a vocês hoje, documenta o promissor início de carreira deste notável músico da MPB. É ouvir e conferir. 

anjo da guada
oi u tem
o ano que virá
companheiro
o poeta (vandré)
apocalipse
prá não dizer que não falei de verso
o canto do curupira
luzes do extermínio
coração do mundo

* Texto de Samuel Machado Filho

Coisas Nossa (1980)


O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos o primeiro LP do conjunto carioca Coisas Nossas, lançado em 1980 de forma independente. Formado por Aluísio “Luíta” Didier e seu irmão Carlos, o Caola (ambos violonistas), mais Dazinho (flauta e sax), Henrique Cazes (cavaquinho), Zé Pité (piano) e Oscar Bolão (pandeiro), todos também vocalistas, o grupo apresentou-se pela primeira vez em 1975, com o espetáculo “Noel Rosa”, dedicado à obra do imortal compositor, no auditório da PUC-Rio e em algumas escolas públicas (o nome do conjunto, aliás, foi tirado de um samba de Noel). No ano seguinte, montaram o espetáculo “Novos músicos tocam velhos mestres”, com músicas de Pixinguinha, Noel Rosa e Ary Barroso, inaugurando o Museu de Arte de Campo Grande, zona norte do Rio. A partir de 1977, o grupo incorporou esquetes teatrais aos seus espetáculos, mesclando músicas cariocas dos anos 1920/30 com composições próprias e brincadeiras cênicas. Finalmente, em 1980, veio este primeiro álbum, que o TM nos apresenta hoje (depois vieram mais três). A maior parte das músicas é dos integrantes do grupo, e temos ainda duas composições de Noel Rosa: a já citada “Coisas nossas” e “Disse-me-disse”, até então inédita em disco e aqui em sua primeira gravação. Em suma, um trabalho interessante e digno da postagem de nosso Toque Musical.

deixa de ser burro
texas, etc, documentos s/a
santa luzia
barremoto
lundu
bandeira
o que é isso companheiro?
coisas nossas
disse me disse
índios
berços do samba
praia de angra III

*Texto de Samuel Machado Filho

Chico Anísio – Roberval Taylor (1976)

Olá, amiguíssimos cultos e ocultos. Nosso encontro hoje é com o humor, com o grande radialista Roberval Tayyyylor!, personagem inesquecível do genial Chico Anísio. Roberval Taylor é uma divertida caricatura do radialista ‘das antigas’. Fazia parte do quadro no programa de grande sucesso da televisão, Chico City, que foi ao ar de 73 a 80. Neste lp temos um autêntico programa de rádio e por ser assim, a gravação é apresentada de forma linear e única. Muito divertido, vale a pena ouvir de novo. 🙂

tango
ya no quiero
tristeza mora comigo
all by myself
saudade jovem
ah! ah! ah!
cobra criada

..

Bocato E Banda Bloco – Lixo Atômico (1985)

Um dos maiores trombonistas brasileiros, reconhecido internacionalmente,  Itacyr Bocato Júnior, ou simplesmente Bocato, bate ponto hoje no Toque Musical. Paulista de São Bernardo do Campo, nascido em 30 de novembro de 1960, começou a tocar em bandas escolares e estudou composição e regência na Universidade Estadual de São Paulo (UNESP). Destacou-se à frente da Banda Metalurgia, e atuou ao lado de alguns dos maiores nomes de nossa música popular, tais como Elis Regina, Seu Jorge, Rita Lee, Ney Matogrosso, Carlinhos Brown, Leny Andrade, João Donato e Itamar Assumpção, além de ter participado da Banda Domingão, do programa “Domingão do Faustão”, da Rede Globo. Ao longo de sua produção discográfica, Bocato já compôs e interpretou músicas que vão do funk-jazz ao samba tradicional, o que comprova sua versatilidade. O TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos “Lixo atômico”, álbum que gravou com a Banda Bloco, lançado em 1985 pelo selo independente Baratos Afins. São seis faixas, sendo a que dá título ao disco apresentada em versões vocal e instrumental. Em suma, um banho de competência musical, é o que este álbum oferece. Imperdível!

lixo atômico
estados bonitos do brasil
epaminondas
big ben
130 milhas
lixo atômico (instrumental)



*Texto de Samuel Machado Filho