Kleber E Norma Suely – Compacto (1966)

Olá, amigos cultos e ocultos, bom dia! Temos para hoje um compacto, um disquinho promocional da cantora Norma Suely. Quando digo promocional é porque entendo que os discos compactos sempre tiveram essa função, promover um determinado artista antes do lançamento do lp. Por certo e por diversas razões muitos ficam só no compacto. Mas isso é uma outra história…
Norma Suely foi um nome consagrado, uma cantora lírica mineira que se destacou na música popular nos anos 50 e 60. Conforme texto em seu site, de 1951 a 67 reinou a cantora Norma Sueli. Desde a sua primeira aparição no programa “Pescando Estrelas”, da Radio Clube do Brasil. Contratada pela Rádio Nacional, viajou pelo Brasil em caravanas. Gravou vários discos, entre os quais, “A voz e o violão”, de Luiz Bonfá. Esteve ao lado de outros grandes astros do rádio. Nos anos 60 esteve também muito atuante. Gravou pela Odeon um disco cantando todas as músicas do Festival de San Remo 65. Arrendou a boate Samba Top, no posto 6, em Copacabana. Por lá se apresentavam grandes feras da mpb e ela também, ao lado do cantor Kleber com quem viria a gravar este compacto no qual se destaca “Juanita Banana”, um de seus maiores sucessos.

j’ai changé (por ti)
juanita banana


.

Evita – Trilha Sonora Original Nacional (1983)

Hoje, o Toque Musical oferece a seus amigos cultos e ocultos o álbum com a trilha sonora do musical “Evita”, com o elenco brasileiro do espetáculo, lançado pela Som Livre em 1983. O musical foi escrito pelos britânicos Andrew Lloyd Weber (música) e Tim Rice (texto), e foi inspirado na vida e morte de Maria Eva Duarte de Perón, a Evita (1919-1952) e sua influência na história argentina a partir da ascensão ao poder de seu marido Juan Perón, como presidente do país. “Evita” surgiu em 1976, como álbum conceitual de ópera-rock, e seu sucesso levou a produções em Londres, em 1978, ganhando o Prêmio Lawrence de melhor musical, e na Broadway, um ano mais tarde. Foi, inclusive, o primeiro musical britânico a receber o Prêmio Tony de melhor. Em 1998, “Evita” foi adaptado para o cinema, tendo a cantora norte-americana Madonna no papel-título, e a canção “You must love me” faturou o Oscar da categoria. Em 12 de janeiro de 1983, no Teatro João Caetano do Rio, estreou a primeira produção brasileira de “Evita”, sob a direção de Maurício Sherman, tendo no papel-título a cantora Cláudya, Mauro Mendonça como Perón, Carlos Augusto Strazzer como Che, Sílvia Massari como amante de Perón e Hildon Prado como Magaldi (considerado pela história como amante de Evita). O musical fez sucesso, aliás foi o grande momento da carreira de Cláudya, a ponto de ela ser considerada a melhor intérprete do mito político argentino entre todas as versões internacionais do espetáculo. Em 1986, “Evita” foi apresentado no Palace, em São Paulo. E com o mesmo elenco que fez sucesso no Rio de Janeiro, e que gravou o presente álbum com sua trilha sonora. É uma grande produção, caprichada, sob a direção musical de Edson Frederico, em que Cláudya está de fato em sua melhor forma como Evita. E seguramente é mais um produto de nível que o TM hoje nos oferece, com a satisfação e o orgulho de sempre. É ouvir e conferir.

réquiem

esta noite

buenos aires

boa noite e obrigado

ponho o mundo aos teus pés

outra maleta outro portão

nova argentina

o último amor de peron

balcão da casa rosada

já estão aos teus pés

talismã

a valsa

lamento



*Texto de Samuel Machado Filho

Eduardo Marques (1973)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje eu trago um disco, que por certo, nunca vi postado em outros blogs (no tempo em que haviam blogs). Aliás, nunca vi este disco além da capa, conhecia talvez uma ou outra música. Certamente, ao pesquisarmos no Google as informações aparecem, mas posso dizer, sem dúvidas que este disco passou batido pela mídia recente. Permaneceu no obscurantismo dos nossos holofotes, esquecido entre outras pérolas da música popular brasileira. Observo que este lp, lançado pela Odeon, no ano de 73 segue um padrão de capa ao estilo de outros discos lançados pela gravadora naquela época, como os de Edu Lobo e do Francis Hime. São capas criadas pelo fotógrafo Cafi e pelo compositor Ronaldo Bastos, que naqueles tempos cuidavam das criações visuais da Odeon.
Não fosse a colaboração do meu amigo Fáres, este disco hoje não estaria aqui e talvez continuasse na penumbra, no esquecimento musical. Confesso que me apaixonei de cara logo na primeira faixa e a coisa seguiu de cabo a rabo. Onde eu estava que até então desconhecia essa preciosidade? Tardou, mas não faltou.
Mas afinal, quem é Eduardo Marques? Compositor, instrumentista e cantor carioca. Nasceu em Vila Isabel, zona norte do Rio, no berço do samba, vindo de uma família também musical. Seu avô foi violonista e seu pai cantor, chegando inclusive a gravar um disco com Jacob do Bandolim. Dentro desse ambiente, Eduardo Marques desde a adolescência já frequentava as rodas de samba e no início dos anos 70 começou uma parceria com Hermínio Bello de Carvalho. Suas composições começaram a ser gravadas por gente de peso como Elza Soares, Roberto Ribeiro, Clementina de Jesus, Simone e muitos outros. Apadrinhado por Cartola, Clementina, Carlos Cachaça e outros bambas, gravou este que foi o seu primeiro disco. Na verdade, antes, no mesmo ano de 73, saiu um compacto promocional com duas músicas, “Não esquente a cabeça” e “Jerusalém”.
Vou deixar aqui o relato do próprio artista sobre o lançamento deste belíssimo lp que encontrei em seu blog pessoal. Vale a pena a leitura:
Era o Tempo do “milagre brasileiro”, ano de 1973, na cidade do Rio de Janeiro. Eu mal completara vinte e um anos de idade. O local era o estúdio da gravadora Odeon, que ficava na sobreloja daquela galeria, ali próximo à Praça Paris, no finalzinho da Avenida Rio Branco, no Centro. Então, acontecia a gravação de…meu primeiro disco, um long-play, vulgo “bolachão”, de composições e interpretações minhas, produzido por meu parceiro Hermínio Bello de Carvalho, com arranjos musicais do Maestro Nelsinho do Trombone, e uma única faixa, dentre as doze, intitulada “Casa de Ferreiro”, arranjada por Luizinho Eça, do “Tamba Trio”. Essa faixa já estava gravada, quando recebemos a notícia de que fora vetada, com mais algumas outras, pelo serviço de censura vigente. Por orientação de Hermínio modifiquei letras e rimas, para que não se perdesse de todo o material de base já gravado, e até adotamos recursos, como simplesmente substituir um título original de uma determinada composição, por um outro bem babaca, que não tivesse qualquer sentido. Foi assim que um samba meu e de João de Aquino, originalmente intitulado “30 Moedas”, foi renomeado para “Fica, Amor” , gravado pelo João de Aquino e por Jorginho do Império. Então assim era feito e funcionava. Submetidas novamente à censura, as mesmas letras com títulos alterados eram, por fim, liberadas. As imagens de capa e contracapa do long-play foram das lentes precisas de Cafi e do compositor Ronaldo Bastos, além do traço delicado do pintor Luiz Canabrava, em uma imagem minha para o encarte do disco. O Hermínio preparara um esquemão para a divulgação do disco. Ele convidou para serem meus padrinhos artísticos: Cartola, Paulinho da Viola, Carlos Cachaça, Clementina de Jesus, e o General da Banda de Ipanema Albino Pinheiro. Houve a distribuição de convites, feita também com discos promocionais em formato de compacto simples, também de vinil, com duas músicas em parceria com Hermínio, extraídas do long-play, “Não Esquente A Cabeça” e “Jerusalém”, sendo uma em cada lado da “bolachinha”. A capa do compacto simples era de caricaturas impressas e assinadas pelo cartunista Lan, comigo ao colo de minha madrinha Clementina de Jesus, com meus outros padrinhos, como em um “batizado”, e na contracapa um texto de Hermínio. Os compactos foram endereçados à imprensa, à artistas, críticos, empresários, enfim. Os técnicos de gravação eram Toninho e Nivaldo, com a direção geral do Maestro Gaya. Uma produção vultosa, que me apavorou de tal forma, a ponto de eu me ausentar do “meio artístico”, em longa reclusão, tal me parecia a responsabilidade. O timaço de Músicos participantes nas gravações foi de primeiríssima grandeza: Regional do Canhoto, Maestro Orlando Silveira do acordeão, Chiquito Braga na guitarra elétrica, Hugo Belardi nos teclados, Dino 7 Cordas, Damázio no violão de 6, Luizão Maia no contrabaixo de pau, Luna na bateria, Pedro Sorongo nos efeitos, Erastro, irmão do percussionista Nana Vasconcellos, de berimbau e tambores, Luizinho Eça de piano, e nos vocais o Coral do Joab e d’As Gatas.

eu não digo nada
acostumado
não esquente a cabeça
meu chorinho
roseira
o que eu chorei de amor
toc toc
o solitário
deixa comigo
cumplicidade
casa de ferreiro
jerusalém



.

Sergio Mendes – The Swinger From Rio (1966)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Sem delongas… Hoje temos um clássico que faltava, The Swinger From Rio, do Sérgio Mendes, álbum lançado nos EUA em 1966 pela Atlantic. Sem a menor dúvida, um dos melhores discos de Bossa Nova produzidos lá fora. E para não deixar por menos, tem ainda a participação do peixe grande, o genial Antonio Carlos Jobim. Falar mais sobre esse disco é chover na roseira, quer dizer, chover no molhado. Imperdível

maria moita
sambinha bossa nova
batida diferente
só danço samba
pau brazil
the girl from ipanema
useless panorama
the dreamer
primavera
consolação
favela


.

Walter Wanderley Trio – Chegança (1966)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Como vocês devem saber, um dos artistas mais queridos aqui no Toque Musical é o Walter Wanderley, figura a qual e por aqui já dispensa comentários, afinal já postamos aqui muitos discos dele. E desta vez eu trago o “Chegança”, álbum lançado originalmente nos EUA em 1966. No Brasil, creio, chegou no ano seguinte. A versão que eu tenha aqui é a original, de capa dupla e o selão que dá moral, da Verve. Neste disco Walter Wanderley vem na formação de trio, ao lado de Bobby Rosengarden e Sol Gubin, ambos na percussão. Um discaço, sem dúvida, tanto na interpretação quando na produção. Um repertório bem bossa nova, clássico, marcado pelo estilo inigualável desse grande organista. Não deixem de conferir no GTM…

chegança
amanhã
take care my heart
agua de beber
here’s that rainy day
o ganso
mar amar
você e eu
o menino desce o morro
dá-me
amor de nada
a man and a woman



.

Antonio Carlos & Jocafi – Ossos Do Ofício (1975)

Muito bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Estamos começando mais um ano e como já disse anteriormente, ando prá lá de desanimado. Já tivemos momentos ruins, mas creio que agora estamos chegando no fundo do poço. Claro, me refiro a situação do Brasil, à merda que virou isso aqui. Estou literalmente enjoado com a mentalidade de boa parte desse povo burro brasileiro. Puta que pariu, elegeram um imbecil para Presidente da República! Que retrocesso! Que falta de visão! Creio, não, tenho certeza que vamos nos ferrar por conta dessa maldita escolha. O Brasil levou um golpe. O povo caiu no golpe e ainda ajudou ao carrasco a colocar a corda em seus pescoço. Agora, vamos comer o pão que o diabo amassou, vão vendo…
Isso tudo tem me incomodado muito e meu desgosto se reflete também aqui, nesse projeto de mais de uma década, o Toque Musical. Percebo que entre os amigos cultos, ocultos e agregados há muita gente que pisou na bola, seja por ingenuidade, seja por antipatia, seja mesmo por burrice e falta de senso. Sinceramente, não estou mais disposto a compartilhar com essa gente as coisas que aqui eu publico. Começo neste ano a fazer a faxina. Estarei banindo do GTM toda e qualquer pessoa que apoiou essa besta que assume o Governo. Estarei rastreando todos os perfis, qualquer indício de ‘bostonarismo’, eu deleto na hora. Agora, só atendo a pedidos de reposição de arquivos de quem tiver perfil no Facebook. Se não tiver, não precisa nem se dar ao trabalho de me mandar e-mails, ok? Se me obrigam a engolir esse governo idiota, serão aqui também tratados como idiotas. Quero distância dessa gente tosca. Coisas boas a gente deve compartilhar com quem é do bem. ‘Cidadão de bem’ não é ‘do bem’.
Mas, mudando de assunto, vamos ao principal… Começo o ano com este disco de Antonio Carlos & Jocafi, “Ossos do Ofício”, um lp lançado em 1975, quando ainda eles estavam no auge do sucesso. Na verdade, a dupla sempre fez muito sucesso, mesmo quando nos anos 80 a onda das bandas de rock tomaram a cena pop. Aliás, é bom dizer que foi a partir dos anos 80 que a verdadeira música brasileira de qualidade entrou em declínio. Por certo, muitos artistas sobreviveram e isoladamente um ou outro fez coisas bacanas, mas os tempos mudaram e numa visão generalizada, só pioramos… Felizmente, ainda podemos buscar no passado pérolas como esse disco. Um trabalho muito bacana, produção de primeira com artistas de primeira para ouvidos de primeira. Não deixem de conferir no GTM.

que me importa
ossos do ofício
indagorinha
pra uma mulher
trinta por cento
é de nicocó
perspectiva
contra-veneno
dou a mão a palmatória
baiada
armadilha
cada um sabe onde dói

.