Marlene – É A Maior! (1970)

Boa noite, meus caríssimos amigos cultos e ocultos! Então, finalizando nossas postagens de 2019, trago com prazer este raro lp com a cantora Marlene. Marlene é a maior! (e tenho dito!). Antes, porém, quero deixar aqui os meus votos de um feliz 2020. Desejo a todos um ano menos ruim do que foi este. Pois, sinceramente, não vejo muita luz no fim do túnel, pelo menos nesses próximos anos. Estamos vivendo hoje um momento de castigo, um país assolado pela ignorância, pela intolerância e pela falta de tudo que é básico, educação, saúde e cultura. Estamos tomados por uma onda de obscurantismo, uma regressão social de causar espanto. O brasileiro tem se mostrado um povo de uma tamanha ignorância que dá medo. Nessas horas fico pensando se vale a pena continuar levando cultura a essa gente. Aqui mesmo, entre nossos amigos cultos e ocultos há, com certeza, tipos reacionários retrógrados, pessoas toscas e mal informadas, gente que colaborou e ainda colabora para esse estado político crítico e polarizado. Na verdade, a polarização é uma consequência e essa, hoje, já não me permite sentir bem ao lado da toxidade de algumas pessoas. Acredito ter exorcizado boa parte desses diabos em minha vida e ao meu redor, mas eles continuam presentes, ocultos quase sempre. Toda essa situação é muito desanimadora e se nos últimos tempos nosso Toque Musical andou devagar, quase parando, podem ter certeza, foi mesmo por conta desses desencantos. Mas sei que não devemos parar, não é hora de entregar o jogo. O TM continua em 2020 acreditando no Brasil. Continuaremos nossas postagens, pois esse prazer que nós nos propomos não pode acabar. Ainda há sensibilidade por aqui… Feliz 2020!
Selando então 2019, vamos com este disco “É a maior! com Marlene” que é literalmente um show. Um show criado por  Fauzi Arap e Hermínio Bello de Carvalho, trazendo a extraordinária Marlene, que mesmo já longe dos tempos áureos do rádio continuava a fazer sucesso. Este disco é na verdade uma gravação ao vivo do show de sucesso, realizado em 1970. Neste, temos ainda a participação de gente importante com Arthur Verocai que foi o diretor musical e também fez parte do conjunto que acompanha a cantora formado por nomes de peso, Helvius Vilela (piano), Novelli (baixo) e Gegê (bateria). O álbum tem versões de clássicos da nossa música com composições de Caetano Veloso, Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, Marcos e Paulo Sérgio Valle, Milton Nascimento e outros… Taí, finalizando a parada com este disco já visto em outros blogs, mas é no Toque Musical que ele encontra seu porto seguro. Confiram no GTM.

inimigo do batente
para o inferno ou para o céu
se é pecado sambar
mustang cor de sangue
lata d’água
cansado de sambar
país tropical
meu pai amarrou meus olhos
tropicália
fez bobagem
recenseamento
uva de caminhão
qui nem jiló
coração vagabundo
a onda
máscara da face
mora na filosofia
vagabundo
quixa
joia falsa
eu fui a europa
trio eletrico
beco do mota
pode ser
irene




.

Telma Costa (1983)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Já na reta final, vamos aqui com mais um lp de cantoras, para fechar bem o ano. Hoje eu trago Telma Costa, em seu primeiro e único disco solo. Mineira, de Juiz de Fora, iniciou sua carreira ao lado das irmãs, as compositoras Lisieux e Sueli Costa formando o grupo vocal Trieto. No início da década de 70 mudou-se par o Rio de Janeiro e iniciou sua carreira profissionalmente integrando o grupo vocal que participou de shows de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, ao lado das cantoras Miucha, Olívia Hime e Elizabeth Jobim. Participou ao longo dos anos 70 de shows e gravações de vários artistas, se apresentando também em casas noturnas. Em 1983, finalmente lançou este que foi o seu primeiro e único disco. Infelizmente, faleceu prematuramente, aos 36 anos. Telma, além de irmã de duas excelentes compositoras, também é a mãe das cantoras Branca Lima e Fernanda Cunha.
Neste lp, lançado em 1983, Telma vem muito bem assessorada e acompanhada, a começar pela produção de Dori Caymmi, arranjos e regências de Dori, Cesar Camargo Mariano e Alberto Arantes. Participam também diversos artistas de peso, entre esses, Caetano Veloso, Danilo Caymmi, Gilson Peranzetta, Helio Delmiro. Luiz Alves, Robertinho Silva, Maurício Einhorn e muitos outros… Por aí já dá para se ter um ideia do conteúdo musical, dez belas canções de diferentes e consagrados autores. Um trabalho, sem dúvida, muito bonito que merece o nosso toque musical. Confiram no GTM.

coisa feita
lembra
ilusão
fruta boa
não vale mais chorar
certeza da beleza
adoração
espelho das águas
sem dor
chuá chuá

.

Clementina de Jesus (1966)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Mais uma vez marcando presença em nosso espaço, temos o prazer de postar mais um disco da maravilhosa Clementina de Jesus. Esta é outra que despensa apresentações, até porque neste lp que agora estou trazendo, temos um longo texto de Hermínio Bello de Carvalho que não só nos dá um apanhado geral dessa artista, como também de cada faixa do disco. Isso me facilita a vida, pois nesse corre-corre de fim de ano fica difícil me debruçar para uma resenha, tal qual faz o nosso Samuca. Confesso, sou um preguiçoso, kkkk… Mas, enfim, taí o disco de Clementina lançado originalmente em 1966, reeditado nos anos 80. Neste disco Clementina canta uma série de músicas, sambas tradicionais, coisas que ela traz em sua bagagem. Um verdadeiro mostruário das raízes do samba e da nossa música popular. Segundo o próprio Hermínio, a ideia era mostrar a diversidade e riqueza de nossa música, mesmo sendo essas, em grande parte, sem origem ou autoria. Velhos sambas e jongos remanescentes das rodas de pagode e candomblé. Confiram no GTM!

piedade
cangoma me chamou
barracão é seu
tava dormindo
orgulho hipocrisia
coleção de passarinhos
garças pardas
esta melodia
tute de madame
vinde vinde companheiros



.

Denise Assunção – A Maior Bandeira Brasileira (1990)

Bom dia, prezados amigos cultos e ocultos! Para fecharmos bem o ano, aqui vai mais um disco de cantora. Este, por acaso, já era para ter entrado em nosso toque musical, mas acabei esquecendo, porém, hoje vai se encaixar perfeitamente.
Temos aqui a paulista Denise Assunção. Esta, mais que cantora, é também compositora e atriz. Talvez a melhor definição seja ‘cantriz’, uma cantora atriz. Segundo contam, ela começou sua carreira ainda na infância, aos 12 anos já estava tocando percussão no espetáculo ‘Arena conta Zumbi, isso em 1968! Como atriz, trabalhou em dois filmes de Mazzaropi, “Jeca e seu filho preto”, de 1978 e “A banda das velhas virgens”, de 1979. Também trabalhou em novelas, na televisão. Denise é irmã de Itamar Assumpção e fez parte da banda Isca de Polícia, que acompanhou Itamar em seu primeiro disco. Sempre muito atuante, principalmente na cidade de São Paulo, ela se mantem como um artista completa, participando de espetáculos, discos e outras tantas parcerias no cenário artístico paulistano.
“A maior bandeira brasileira” foi um disco gravado por ela em 1990, produzido pelo Luiz Calanca da lendária (e ainda viva) loja de discos Baratos Afins, que foi responsável pela produção e lançamento de muitos artistas e bandas nos anos 80 e 90. O álbum, como se pode ver aqui na apresentação traz oito faixas, oito música, por certo, escolhidas a dedo, sendo em sua maioria composições de Itamar e seus parceiros. Participam do disco, além de Itamar Assumpção, o trombonista Bocato e o trompetista Luiz Cláudio Faria. Por aí já dá para se ter uma ideia do nível da coisa. Um disco muito bom. Esse, por sinal, mais um presentão do amigo Fáres, o qual já está devidamente entre os meus discos colecionáveis. Confiram a pérola no GTM.

nosso pai
pulsars e quasars
toque me
planeta x
hard feeling
baby
coração absurdo
araponga

 

Marisa Gata Mansa – Leopardo (1992)

Boa noite, caros amigos cultos e ocultos! Mais uma vez marcando presença em nosso Toque Musical temos a cantora Marisa Gata Mansa, que iniciou sua carreira nos anos 50. Como muitas cantoras, se apresentou em boates e outras casas noturnas. Se engajou com a turma da bossa nova, foi casada com Cesar Camargo Mariano. Gravou uma dezena de discos. Seu maior sucesso foi a música “Viagem”, de João de Aquino e Paulo Cesar Pinheiro, que também aparece em uma nova gravação neste disco. Em 1981 ela lançou de forma independente o álbum, “Leopardo”, o qual deu origem a um show de mesmo nome e veio a ser reeditado dez anos depois pelo selo Line Records da Rede Record de Televisão, trazendo essa nova capa. Sem dúvida, um disco de qualidade que merece o nosso toque ainda nessa reta final de 2019. Vamos conferir?

leopardo
sozinhos
estrela cine-teatro
com a cara do dono
o negócio é amar
a estrela
caçador de mim
plantando sonhos
bonecos
quem vem do alto
viagem
estrada da saudade
 
 
 
.

Maria Thereza Mecha Branca – Simplesmente Coração (1979)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje temos o prazer de apresentar aqui a cantora paulista Maria Thereza. Compositora e violonista, ela iniciou sua carreira nos anos 50, quando então gravou com Aloysio de Oliveira e seu conjunto o primeiro disco. Trabalhou na noite paulista se apresentando em boates e casas de show. Ganhou o nome de ‘Mecha Branca” por conta da mecha tão característica no cabelo. Esteve sempre ligada ao samba canção e a música romântica. Vez por outra se afastava da carreira e talvez por conta disso tenha gravado poucos discos.  “Simplesmente Coração”, ao que parece, foi seu ultimo disco. Curiosamente, não há na internet informações recentes sobre ela. Achei no Youtube um vídeo de, talvez, uns seis anos atrás onde ela aparece cantando “Barração de zinco”. Acredito que hoje ela já tenha se afastado definitivamente da música. Mas não vamos deixá-la esquecida. Por essas e outras, temos ela aqui estreando no Toque Musical. Neste álbum, gravado em apenas três dias, de maneira bem espontânea e de forma direta, teve como produtor, arranjador e músico acompanhante o maestro José Briamonte. No repertório temos uma seleção de músicas próprias e também de outros autores, músicas consagradas, bem conhecidas do público. Não deixem de conferir no GTM.

lembrete:
manias
outra vez
canção de amor
onde anda você
tarde triste
só louco
nem eu 
simplesmente coração
risque
ouça
convencido do sete sete nove
no turbilhão do encantamento
se não for amor
reencontro
jura secreta
flutuando no seu amor
foi assim
na voz de outra
falando sério
alguém me disse
desperto rainha
 

 

.

Leny Andrade – Estamos Aí (1965)

Feliz Natal, amigos cultos e ocultos! Diferente dos anos anteriores, neste eu não fiz festa e nem publiquei discos com músicas natalinas. Sinceramente, não é de hoje que eu perdi o tesão com isso aqui. E não é por culpa do cansaço ou falta de tempo… É mesmo pela atual conjuntura política e social que passamos. Confesso, estou muito desanimado, decepcionado e desiludido com muita gente. A tamanha ignorância, estupidez e burrice tomaram conta desse nosso povo. Na verdade, as flores do mal se desabrocharam, um pensamento radical direitista, xucro e ignóbil se lançaram como uma onda sobre o Brasil. Vivemos hoje momentos tristes com a polarização social, um povo que antes era unido, agora se deixa levar por um plano diabólico de autodestruição. O país está partido, dividido entre conservadores adestrados de Direita com seu ‘baixo clero’ e uma Esquerda desunida e vaidosa, que não tem força para desbancar um idiota miliciano. Sinceramente, estou enojado com tanta estupidez e burrice. E isso, claro, se reflete também aqui, no Toque Musical. Sei que há muitos ‘bolsominions’ orbitando por aqui. Gente que até pouco tempo se dizia amigo culto. Gente que fazia parte desse nosso metiê. Por certo, eu não dou corda pra esse povo (a não ser que seja para eles se enforcarem), mas sei que estão por aqui e isso me incomoda, pois não penso mais em dividir com eles o que compartilho aqui. O Toque Musical é para pessoas com sensibilidade, pessoas que prezam e respeitam a cultura e arte, a música e sua história. Tenho tentado me livrar dessa gente, assim como faço nas redes sociais. Mas isso é uma praga, toda hora aparece. Daí, vem o desânimo… ficar aqui dando de bandeja esse toque musical pra gente ruim? Eu não! Por essas e outras é que o TM perdeu o encanto, o tesão diário. Porém, ainda assim, a gente continua, pois também sei que metade da maçã ainda está boa e é por essa que eu inspiro. O Toque Musical continua até não poder mais. E mais uma vez eu desejo, a este lado bom, um feliz Natal com muito amor, paz e consciência de classe! Classe musical, social e política. Somente a Educação é capaz de salvar o Brasil!
Dito isso, segue aqui o meu presente de Natal para vocês. É claro que não é uma grande surpresa, mas é sem dúvida um grande disco, talvez o melhor de uma das nossas maiores cantoras, a excepcional Leny Andrade, que aqui dispensa maiores apresentações, pois há tempos já faz parte do nosso ‘cast’ de artistas. “Estamos aí” é uma obra fina, cujo o repertório nos apresenta um valioso leque da atmosfera do samba bossanovista, sendo também responsável por essa pérola Eumir Deodato quem cuidou dos arranjos. Não deixem de conferir no GTM.

estamos aí
a resposta
deixa o morro cantar
o morro não tem vez
opinião
enquanto a tristeza não vem
reza
clichê
olhando o mar
banzo
samba de rei
tema feliz
razão de viver
esqueça não
samba em paris
coisa nuvem



.

Maysa (1966)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aqui vamos com mais um disco de cantora e diga-se de passagem, um super disco e uma super cantora, a inesquecível Maysa. Mais uma cantora que dispensa apresentações até porque, aqui ela já tem o seu lugar garantido. Já postamos outras ‘cositas’ de Maysa. E desta vez vamos com este lp lançado pela RCA Victor, em 1966. Este foi seu décimo quarto algum de estúdio. Marcando os seus dez anos de carreira. Um disco com um toque moderno, a começar pela capa onde não consta nenhuma informação, nem o seu nome, apenas o seu retrato. Na contracapa já encontramos um texto de apresentação, de Roberto Corte Real e a lista de músicas. O repertório segundo contam, foi uma copilação de músicas gravadas em programas de televisão, temas nacionais e internacionais.

fantasia de trombones
(demais)
(meu mundo caiu)
(preciso aprender a ser só)
canto livre
just in time
canto de ossanha
as mesmas histórias
ne me quitte pas
tristeza
fantasia de cellos
(primavera)
(valsa de eurídice)
(canção do amanhecer)
canção sem título
morrer de amor



.

Márcia (1973)

Bom dia, prezados amigos cultos e ocultos! Devido a algumas atualizações feitas nas plataformas dos nossos blogs (WordPress e Blogspot), acabei também mudando o layout das edições, coisa simples, mas que alguns poderão notar. Temos que nos adaptar as mudanças. Além do mais, estamos sempre sendo invadido por idiotas que pensam em surfar em nossa onda, mas aqui o mar é bravo!
Muito bem, temos para hoje a cantora Márcia, uma das nossas grandes intérpretes, figura já apresentada aqui em outros discos, mas que merece sempre estar em nossas fileiras pela qualidade, talento e repertório. Este lp é na verdade o álbum “Rimas”, de 1973. Curiosamente lançado no mesmo ano pela Série Coronado, mas também trazendo no selo o ano 1972, isso por conta da faixas “Última forma”, “Pra não ser mais tristeza” e “Rimas”, que foram editas um ano antes, talvez em algum compacto, mas esse eu nunca vi. O certo é que se trata do mesmo disco, um excelente disco, diga-se de passagem, como se pode ver pela seleção musical. Não deixem de conferir no GTM.

última forma
e mais um samba
caminhos
pra não ser mais tristeza
minhas mãos
chorar chorei
rimas
só pode ser você
fez bobagem
tema da cidade longe
lua aberta
 
.

Selma Reis (1990)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Para fechar o ano e não dizerem que não falamos de flores, aqui as melhores, as cantoras… Trago para abrilhantar nosso blog a cantora e também atriz Selma Reis, uma artista que marcou pela presença e pela voz. Infelizmente ela se foi prematuramente, mas deixou para nós a sua arte. Participou de várias novelas da TV Globo. Uma atriz consagrada. Como cantora gravou nada menos que 11 discos da melhor qualidade, demonstrando ser também uma de nossas maiores cantoras de todos os tempos. Temos aqui seu lp de 1990, um belíssimo trabalho no qual, entre tantas pérolas, podemos destacar a faixa “O que é o amor”, de Danilo Caymmi e Dudu Falcão, música que fez sucesso, sendo parte da trilha de uma novela, Quem não conhece o trabalho dessa moça, eu recomendo e tenho certeza de que vai gostar. Confiram no GTM.

chão brasileiro
o quilombo
estrelas de outubro
emoções suburbanas
porto santo
meu veneno
oliudi fox
jaboti jatobá
ninguém vai levar você de mim
o que é o amor
bailarina do ar
 


.

Zé Ketti – Identificação (1979)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Hoje tenho o prazer de trazer até vocês (outro náufrago) o álbum “Identificação”, do grande compositor Zé Ketti, lançado em 1979 pela Continental. Disco bacana, a começar pela capa que reproduz sua carteira de identidade. Produzido por Wilson Miranda, o disco traz 10 faixas, todas autorais. Composições em sua maioria inéditas, mas também há espaço para um de seus maiores clássicos, a marchinha carnavalesca “Máscara Negra”, lançada originalmente por Dalva de Oliveira. Taí, mais um disco que merecia constar em nosso acervo. Confiram no GTM.

tamborim
você não foi legal
feijão malandrinho
companheira
último momento
máscara negra
eu vou pra bahia
você não está com nada
meus cabelos brancos
linhas cruzadas
 

Quarteto Monte Carlo – Drink Musical (1960)

Bom dia, amiguíssimos cultos e ocultos! Eu estava para passar essa bola para o amigo Samuca, pois acontece que eu não achei nenhuma referencia sobre este disco, ou mais exatamente sobre o Quarteto Monte Carlo. O Samuel, rapaz culto e conhecedor de música, por certo deve saber alguma coisa, mas achei melhor não o incomodá-lo nesse período de Natal e coisa e tal… Vamos apenas focar no que temos, as músicas e o texto da contracapa. Conforme a contracapa, este é o segundo disco do quarteto. Seguindo na mesma linha, temos um conjunto de boate com toques sofisticados, um repertório bem ao gosto de um público refinado. Acredito que por trás desse quarteto há um Durval Ferreira, pois esse era um típico conjunto que embalava as noites em suas boates, em especial a Drink. Certamente ele é o homem dos teclados. E como podemos ver, a lista musical é uma trilha européia de clássicos pops daqueles anos dourados. Músicas francesas, italianas, portuguesas e espanholas, bem ao gosto dos ‘gente-finas’, os ‘socialites’…

noites de moscou
concerto de outono
la violetera
lisboa antiga
vilia
elegie
la frasquita
j’attendrais
les feulles mortes
preludio
vieni sul mar
la vie rose

.

Scarambone E Seu Conjunto De Danças – Aquarela de Ritmos Vol 2 (1959)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje trago para vocês o lp “Aquarela de Ritmos”, do pianista e tecladista José Scarambone, lançado pela RCA Victor em 1959. Um lp bem interessante, trazendo um repertório com temas nacionais e internacionais, com destaque, obviamente, para o samba e em especial para dois deles, prenúncio da Bossa Nova, “A felicidade” e “Eu sei que vou te amar”, de Antonio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes. Na contracapa, como pode ser visto, há um texto com mais informações sobre o artista e este disco. Adoro quanto isso acontece, assim me poupa palavras e agiliza nossas postagens. Confiram no GTM!

e daí?
perfume de gardênia
revolta
petite fleur
cansei
la strada del’amore
a felicidade
a very precious love
eu sei que vou te amar
quero beijar-te as mãos
ideias erradas
because of you



.

Grupo Alquimia – Alquimia (1983)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Para não fugirmos do nosso drops misto, vamos hoje de música instrumental. Temos aqui um disco bacana, produção da gravadora Lira Paulistana no início da década de 80. Formado por um time de músicos de primeiríssima linha: André Dequech (piano), Robertinho Silva (bateria), Zeca Assumpção (contrabaixo) e Mauro Senise (sax e flauta). Em 1982 era lançado o Alquimia, um projeto de vanguarda que muito influenciou outros tantos e bons grupos de música instrumental brasileira. Gravado em apenas 3 dias, o disco seria lançado no ano seguinte. Como em tantos outros lançamentos da Lira Paulistana, Alquimia teve também uma única e pequena edição. O que quer dizer que se trata de um disco raro para colecionadores. Confiram esse belo trabalho no GTM.

ensaio n. 1
alquimia
pedra da lua
ensaio n. 2
alga
ensaio n. 3

 

Gao, Seu Piano e Orquestra (1964)

Olá amiguinhos cultos e ocultos! Hoje nós vamos com um disco do renomado pianista Gaó, Odmar Amaral Gurgel. Músico paulista, foi maestro, arranjador, compositor e instrumentista. Gaó foi inspirado em suas iniciais ao contrário. Foi diretor artístico da gravadora Columbia e da famosa Orquestra Colbaz, a qual gravou pela primeira vez a música “Tico-tico no fubá”, de Zequinha de Abreu. Não bastasse, ele foi muito além seguindo uma carreira internacional. Gaó teve um currículo extenso que merece um aprofundamento, mas por hoje ficaremos apenas nessa breve apresentação. O disco que hora apresentamos é uma seleção musical com temas nacionais e internacionais. Um disco gravado por ele, segundo consta no texto de contracapa em um momento de sua passagem pelo Brasil, quando na época morava nos Estados Unidos. Confiram aí mais esse resgatado no GTM.

diamante azul
in other words
mimoso
my beloved
roberta
minha garota sincopada
odeon
au revoir
anema e cuore
história de um amor
samba em prelúdio
greensleeves

 

George Kenny – Uma Noite No Beguin (1956)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Aqui, mais um náufrago resgatado, outro disco que merece o nosso toque musical. Hoje vamos com o organista argentino George Kenny, que segundo a contracapa nos informa ser este, na época, um dos grandes mestres dos teclados. Veio ao Brasil para se apresentar na lendária boate Beguin, do também lendário Hotel Glória, no Rio de Janeiro. Embora tenha todo esse mérito no texto de contracapa, George Kenny é hoje um ilustre desconhecido, pois nem mesmo fazendo uma busca no Google conseguimos encontrar mais informações sobre esse artista. Fica então mais essa chance, imortalizado no TM enquanto existir. Confiram no GTM!

holiday for strings
guacyra
laura
apanhei-te cavaquinho
andalucia
chuá chuá
all the things you are
liza

.

Gandé E Walfrido Silva – Joe Pernambuco – Piano Brasileiro (1958)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Mais um exemplar que cai bem aqui no Toque Musical. Depois de haver sido postado em outros extintos blogs musicais, agora ele volta resgatado como náufrago para habitar nossa coleção. Temos aqui o lp Piano Brasileiro, editado pela Masterpiece-Musidisc, para o selo Audiola. Trata-se de uma dobradinha, ou seja, de um lado temos a dupla Gadé e Walfrido Silva e do outro Joe Pernambuco. Gadé e Walfrido são dois grandes nomes do samba-choro, compositores hoje em dia pouco comentados. Suas composições fazem muito lembrar Billy Blanco, Paulo Vanzolini ou Chico Buarque, com letras que retratam com humor a realidade brasileira. Suas composições foram gravadas por diversos artistas da nossa música desde o final dos anos 30. Do outro lado do disco temos Joe Pernambuco, pistonista, irmão do pianista Fats Elpídio, que aqui aparece como pianista também. Ele além de tocar piston também tocava piano e neste disco nos apresenta uma seleção de sambas clássicos e também composição própria (Policromia brasileira).em resumo, trata-se de um lp que tem como instrumento principal o piano. Daí o nome Piano Brasileiro. Confiram no GTM.

meu consolo
perdi a aposta
o feitiço virou
vai cavar a nota
tudo agora é sonho
100 anos de perdão
vou casar no uruguai
na candência do tambor
madalena
o orvalho vem caindo
policromia brasileira
despedida de mangueira
exaltação a mangueira
juro chora cavaquinho
a voz do morro


.

Ruy Rey E Sua Orquestra – Ritmos Latino Americanos (1957)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Oportunamente, estou trazendo aqui discos que muito nos interessam e que foram postados em outros blogs que hoje já não existem mais. É o caso do Sintonia Musikal e Sanduiche Musical, do amigo Chico, que desanimado com este trabalho sem retorno, acabou abandonando o barco. Como um dos poucos que ainda sobraram nesse mar de afogados, nós do Toque Musical estamos recolhendo os sobreviventes, no caso os seus discos.
Entre tantos, temos um aqui bacana, “Ritmos Latino-Americanos, com Ruy Rey e Sua Orquestra. Este, me parece, foi seu primeiro disco em 33 rpm, lançado em 1957. Por certo, antes disso ele já havia participado de outros discos e gravações, inclusive aqui no Toque Musical temos ele na coletânea Grand Record Brazil e outras lançadas na década de 50. Neste lp de 12 polegadas temos o interprete num repertório para fazer frente a qualquer grande orquestra latino-americana. Apresentando doze temas clássicos entre boleros, sambas, mambos e cha-cha-cha. Sem dúvida, um dos grandes nomes dos anos 40 e 50 da música brasileira e porque não dizer, da latino-americana. Confiram já no GTM, pois esse náufrago, uma hora volta para o porto.

macarena
camino verde
sabiá de mangueira
negra açucarera
todo mundo quer dinheiro
no dejes para mañana
fantasia em mambo
donde quiera que tu vayas
star dust
faz quase um ano
mambo sevilhano
dansa do sabre

 

Som Brasileiro Vol. 2 (1976)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o Toque Musical apresenta mais uma coletânea de MPB da melhor qualidade. É o segundo volume de “Som brasileiro”, lançado em 1976 pela EMI-Odeon (depois EMI e hoje Universal Music), na mesma linha do primeiro, que o TM já nos ofereceu. Em suas onze faixas, iremos encontrar muita coisa boa. Para começar, temos o dueto de Mílton Nascimento com Beto Guedes em “Nada será como antes”, extraído do álbum duplo “Clube da Esquina”, lançado em março de 1972. Dele também é a faixa “Trem azul”, com Lô Borges. Edu Lobo aqui comparece com “Vento bravo”, faixa de seu LP de 1973, oficialmente sem título mas conhecido como “Missa breve”. O inesquecível Zé Rodrix vem com sua versão do clássico “Casa no campo”, que fez com Tavito, gravada em 1976 para o álbum “Soy latino-americano”. Talentosa cantora e compositora, Sueli Costa vem com “Vamos dançar”, gravação de 1975. O grupo Som Imaginário, conhecido por acompanhar Mílton Nascimento em discos e shows, apresenta aqui  uma composição de seu tecladista Wagner Tiso, “Armina”, gravação de 1973 pinçada do álbum “Matança do porco”. Dorival Caymmi, o poeta seresteiro da Bahia, interpreta aqui “Dona Chica (Francisca Santa das Flores)”, gravação de 1972. Gonzaguinha, o eterno aprendiz, mostra aqui “Mundo novo, vida nova”, música com a qual concorreu no II Festival Universitário de MPB, da TV Tupi do Rio de Janeiro, em 1969, defendida por Claudette Soares, mas que ele próprio só viria a gravar em 1972. Compositor, cantor e pianista ainda hoje em atividade, João Donato aqui comparece com “Terremoto”, parceria com Paulo César Pinheiro e faixa do álbum “Quem é quem”, de 1973. Músico completo, Egberto Gismonti aqui nos mostra “Janela de ouro (A traição das esmeraldas)”, faixa extraída do álbum “Água e vinho”, de 1972. E, para encerrar com chave de ouro, “Sinal fechado”, de e com Paulinho da Viola, música com a qual ele venceu o quinto (e último) festival de MPB da antiga TV Record de São Paulo, em 1969. Enfim, um disco primoroso e repleto de bons momentos de nossa música popular. Confiram.

nada será como antes – milton nascimento e beto guedes

vento bravo – edu lobo

casa no campo – zé rodrix

vamos dançar – sueli costa

armina – som imaginário

dona chica – dorival caymmi

trem azul – lô borges

mundo novo vida nova – gonzaguinha

terremoto – joão donato

a janela de ouro – egberto gismonti

sinal fechado – paulinho da viola



*Texto de Samuel Machado Filho

Sexteto Rex – Ritmos Favoritos De Dança N. 2 (1957)

Olá, amigos cultos e ocultos! É com muita alegria que o Toque Musical oferece a vocês o segundo LP do Sexteto Rex, grupo formado no início dos anos 1950 em Porto Novo do Cunha, interior de Minas. É o segundo volume de “Ritmos favoritos de dança”, lançado pela Rádio em 1957 seguindo a mesma linha do primeiro, já postado anteriormente pelo TM, ou seja, sucessos antigos e então recentes, em arranjos dançantes.  Entre eles, temos  “Conceição”, eterno carro-chefe de Cauby Peixoto, “In the mood”, clássico do repertório do “bandleader” norte-americano Glenn Miller, aqui em ritmo de samba, “La mer”, fox do francês Charles Trenet que mereceu mais tarde, nos EUA, uma expressiva gravação da orquestra e coral de Ray Conniff, os boleros “Nunca jamais” e “História de um amor”, e um arranjo para fox do “Noturno”, de Chopin.  Em suma, o disco apresenta, conforme diz a contracapa, “uma miscelânea bem cuidada, bem escolhida e magnificamente executada”. Portanto, merecedora de mais esta postagem do TM. É só conferir.

joá
meu benzinho
tu precio
charmaine
historia de un amor
monalisa
conceição
nunca jamais
in the wood
i love you
la mer
noturno de chopin
 


*Texto de Samuel Machado Filho 

Rildo Hora – Suave É Noite (1962)

Gaitista, violonista, cantor, compositor, arranjador, maestro e produtor musical, Rildo Alexandre Barreto da Hora completou, em 2019, 80 anos de existência (nasceu em Caruaru, PE, a 20 de abril de 1939). Seu pai, o alagoano Misael Sérgio Pereira da Hora, era dentista, e sua mãe, a pernambucana Cenira Barreto Hora, foi sua primeira professora de teoria musical e piano. Em 1945, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, indo residir no subúrbio de Madureira. Aos seis anos de idade, interessou-se por harmônica de boca (a famosa gaita ou realejo, como é conhecida no Nordeste), e tornou-se autodidata, passando a estudar o instrumento, mesmo sem mestre. Rildo Hora desenvolveu sua técnica tocando frevos e choros que ouvia no rádio. Estudou harmonia, contraponto e composição na Escola de Música Pró-Arte com o maestro Guerra Peixe, e teve aulas de violão com Meira e Oswaldo Soares, tendo ainda frequentado outros cursos no Centro de Estudos Musicais. Aos 11 anos, tocava em festas populares pelos subúrbios do Rio. Apresentou-se na Rádio Mayrink Veiga, no programa “Trem da alegria”, apresentado por Lamartine Babo, Héber de Bôscoli e Iara Sales, o “trio de osso”. Nessa época, conheceu o violonista Manoel da Conceição, o Mão de Vaca, e apresentou-se no programa “A hora do pato”, na Rádio Nacional, passando a frequentar a lendária emissora da Praça Mauá. Aos doze anos, venceu um concurso de gaitas patrocinado pela fábrica Hering, na Rádio Mauá, e foi convidado por Fred Williams a fazer parte do grupo de gaitistas da emissora. Tocou cavaquinho em shows circenses, acompanhando cantores, e neles também atuou como solista de gaita de boca. Ainda faria parte do programa “Festival de gaitas”, na Rádio Nacional. Em 1958, formou, com Sérgio Leite e Luís Guimarães, o trio Malabaristas da Gaita. Na época da bossa nova, passou a tocar violão e cantar. Rildo Hora estreou em disco gravando, em 1960, um 78 rpm na marca Pawal, interpretando as músicas “Anjo” (de sua autoria com Alcino Diniz) e “Nem uma luz brilhou”(de Gilvan Chaves). A partir de 1968, passou a trabalhar como produtor musical, a convite de Geraldo Santos, trabalhando na gravadora RCA. Entre os artistas com quem ele trabalhou como produtor, destacam-se Martinho da Vila, João Bosco, Carlos Galhardo, Vicente Celestino, Clara Nunes, Maria Creuza e Chiquinho do Acordeom. Rildo Hora já marcou presença no Toque Musical com os álbuns “Sanfona e realejo” (com Sivuca) e “O tocador de realejo”.  Agora, nossos amigos cultos e ocultos são brindados com “Suave é a noite”, que vem a ser seu primeiro LP, exclusivamente com solos de gaita, lançado em 1962 pela Som/Copacabana. São 14 faixas com acompanhamento de orquestra, incluindo sua primeira composição “Brigamos com o amor”, de parceria com Gracindo Júnior (que fez também o texto da contracapa, um acróstico com o nome do músico), e sucessos da época, tais como “Suave é a noite”, a faixa-título, “Meu querido lindo”, “E a vida continua” e “Não importa”. Enfim, é uma homenagem à altura que o TM presta a este notável músico que é Rildo Hora, pela passagem de seus oitenta anos de existência.

cravo vermelho
nós e o mar
houvesse um coração
e a vida continua
felicidade
lembrança (un recuredo)
addio addio
tender is the nigth
ten lonely weekends
meu querido lindo
brigamos com amor
no je ne regrette rien
não importa
se ela voltar



*Texto Samuel Machado Filho