Perinho Santana – Falsamente Suave (1982)

Olá, amigos cultos e ocultos! O Toque Musical apresenta hoje o primeiro dos dois únicos álbuns-solo gravados pelo cantor e guitarrista baiano Péricles Bastos de Santana, o Perinho Santana, “Falsamente suave”, lançado em 1982. Também compositor, arranjador e produtor musical, Perinho nasceu em Salvador, Bahia, em 1949, e tocou com artistas de peso da MPB, tais como Raul Seixas, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Marisa Monte, Gal Costa e Luiz Melodia. Foi este último, aliás, que Perinho acompanhou por mais tempo, estando presente em boa parte da carreira do cantor e compositor. Eles foram parceiros nas músicas “Só” (“Mesmo se tudo juntar por aí/ em nós, o só há de sempre existir”) e “Sonho imaginação”, esta última no presente álbum. O último trabalho de Perinho Santana foi com o grupo O Síndico, com ex-integrantes da banda de apoio de Tim Maia. Perinho faleceu em 30 de novembro de 2012, no Rio de Janeiro, aos 63 anos, de parada cardíaca. Mas estará sempre na lembrança de todos aqueles que apreciam o que é bom. Neste disco, são oito faixas com música da mais alta qualidade. Além da já mencionada “Sonho imaginação”, há ainda parcerias com Caetano Veloso (“Nem sonhar”) e Paulinho Zdanowski (“Forte ilusão”), sendo as demais composições sem parceiros. E Perinho ainda faria mais um disco além deste, o CD “Amor de verdade”. Enfim, este é mais um trabalho de primeiríssima linha, merecedor desta postagem do nosso blog. Confiram!

nem sonhar
coração
o teu olhar
l-5
falsamente suave
sonho imaginação
tema do céu
forte ilusão
 


*Texto de Samuel Machado Filho 

Paulo Autran – Poesias (198

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje, apresentamos mais um álbum com Paulo Autran (Rio de Janeiro, 7/9/1922-São Paulo, 12/10/2007), que foi sem dúvida um gigante da arte dramática brasileira. Lançado em 1981, o disco é uma seleção das melhores gravações que ele fez para o programa “Cinco minutos com Paulo Autran”, que possuía em meados da década de 1960 na Rádio Eldorado de São Paulo. São dez faixas, em que Paulo Autran interpreta textos de Rubem Braga, Fernando Sabino, Carlos Drummond de Andrade, Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes e William Shakespeare. Como se vê, é mais um toque mais do que musical, e predominantemente literário, mais uma coleção de momentos sublimes do inesquecível Paulo Autran, mostrando as razões pelas quais ele foi um mestre indiscutível nessa arte tão complexa que é a da interpretação. É mais um produto de qualidade que o TM oferece com o prazer e a satisfação de sempre

a crônica aula de inglês – ruben braga
desespero da piedade – vinicius de moraes
resíduo – carlos drummond de andrade
essa velha angústia – álvaro de campos (fernando pessoa)
poema das sete faces – carlos drummond de andrade
também já fui brasileiro – carlos drummond de andrade
receita de mulher – vinícius de moraes
o homem nu – fernando sabino
entrevista de televisão – fernando sabino
mensagem a poesia – vinicius de moraes
se eu morresse amanhã – alvares de azevedo
cruz na porta da tabacaria – fernando pessoa
ao doge de veneza – w. shakespeare




*Texto de Samuel Machado Filho

Papete (1987)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aí vai mais um álbum do grande José de Ribamar Viana, o Papete, nascido na cidade de Bacabau, Maranhão, em 8 de novembro de 1947. Estudou no Colégio Marista Maranhense e iniciou sua carreira artística aos 13 anos de idade, atuando como cantor na Rádio Gurupi de São Luís, lá se apresentando até 1967. Ainda nesse ano, compôs sua primeira música, “O bonde”, nunca registrada em disco. Em 1969, teve sua primeira música gravada, “Eu morro se perder você”, na voz de Wanderley Cardoso. Nessa época, já atuava como percussionista e violonista. Em 1970, começou a se apresentar na casa noturna O Jogral, de São Paulo, onde trabalhou por sete anos. Foi eleito um dos três melhores percussionistas do mundo quando participou do Festival de Jazz de Montreux, Suíça, em 1982, 1984 e 1987. Trabalhou com os maiores artistas da MPB, como Toquinho (com quem fez por treze anos mais de mil apresentações por mais de vinte países), Paulinho da Viola, Miúcha, Rosinha de Valença, Paulinho da Viola, Miúcha, Diana Pequeno, Chico Buarque, Almir Sater, Rita Lee, Martinho da Vila, Renato Teixeira e a dupla Sá e Guarabyra. Papete desenvolveu projetos voltados para o registro e divulgação da música do Maranhão, entre eles o “Ouro de mina”, tendo sido o único artista maranhense a ter um show exclusivo com repertório voltado para a cultura de seu Estado. Compôs com Josias Sobrinho as canções e o libreto da ópera popular “Catirina”, marco da cultura maranhense nos anos 1990. Um dos últimos projetos que coordenou deu origem à obra “Os senhores cantadores, amos e poetas do bumba-meu-boi do Maranhão”, lançada em novembro de 2015. Papete faleceu em São Paulo, a 26 de maio de 2016, aos 68 anos de idade, mas seu trabalho está preservado em uma discografia de mais de quinze álbuns. “Papete”, lançado pela extinta 3M em 1987, é seu quinto trabalho-solo, e conserva a qualidade artística costumeira de seus discos. É mais um ótimo álbum, merecedor, portanto, de mais esta postagem do Toque Musical. 

mascavo
a criança e o mar
cancha reta
zanzibar
vira (no meu quintal)
papagaio dos cajueiros
ramadã
dança (danza)




*Texto de Samuel Machado Filho

Sucessão de Sucessos (1961)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Para manter diária a nossa produção, as vezes somos obrigados a recorrer aos ‘arquivos de gaveta’, ou ainda os arquivos enviados por amigos. Para fechar nosso domingão vamos com uma coletânea da Odeon, trazendo o melhor do seu ‘cast’ em 1961 no lp “Sucessão de Sucessos”. Um disco, que como já se pode ver pela capa tem Dalva de Andrade, Elza Soares, Celly Campello, Jayme Ferreira, Trio Irakitan, Anisio Siilva, Hebe Camargo, Orlando Dias, Isaura Garcia e Carlos Augusto. Infelizmente, as letras das músicas que, num raro momento, foram impressas na contracapa estão em baixa qualidade e quase não se pode ler. Fico devendo, logo que achar o disco, refaço o link. Por hora, ficamos aqui. Valeu, meu caro Denys!

beija-me depois – anisio silva
boato- elza soares
juro – carlos augusto
palhaçada – isaura garcia
ainda te espero – orlando dias
no domingo não – hebe camargo
perdoe-me pelo bem que te quero – orlando dias
broto legal – celly campello
o matador – trio irakitan
ser só – dalva andrade
estou pensando em ti – anisio silva
esmeralda – jayme ferreira



.

Ed Carlos – Juro Que Te Amo (1975)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o Toque Musical apresenta a vocês um disco de um cantor que recebeu o título de “reizinho da Jovem Guarda” por ter sido apadrinhado por Roberto Carlos. Estamos falando de Oscar Teixeira, ou melhor, Ed Carlos, nascido em Santo André, na Grande São Paulo, em 3 de fevereiro de 1952. Seu primeiro disco, um compacto simples, saiu pela Fermata em novembro de 1967, trazendo o sucesso “Edifício de carinho”, de Roberto Carlos e Tom Gomes. Com o declínio da Jovem Guarda, a exemplo de Roberto, passou a interpretar músicas românticas. Em 1979, Ed homenageou o “rei da MPB” com a música “Roberto, meu amigão”. Posteriormente, tornou-se proprietário do restaurante Ed Carnes, no bairro paulistano do Cambuci. Casado com Vânia, teve três filhos, Edinho (falecido em acidente de carro), Rafael e Vinícius. “Juro que te amo”, o álbum que o TM nos oferece hoje, é o quarto LP de Ed Carlos, lançado pela CBS (selo OkeH) em 1975. No repertório, temos composições de Elizabeth (“Eu não vivo sem você”), Marcos Roberto (“Por quê”), Dora Lopes (“Você não merece”) e inúmeras versões. Uma delas, “Amante latino”, assinada por Rossini Pinto, é curiosa por ter sido lançada antes que Sidney Magal, em 1977, fizesse sucesso com outra versão da mesma música e com o mesmo título, só que feita por Antônio Carlos.  Em suma, é o tipo do repertório que costumava ser executado com frequência nas rádios AM de cunho popular, sobretudo em São Paulo, numa época em que o FM ainda engatinhava. Um trabalho interessante de Ed Carlos, que merece o nosso Toque Musical. É só ir para o GTM e conferir.

juro que te amor
gosto muito de você
minha amiga minha esposa minha amante
mundo agitado
amante latino
uma velha canção de amor
com um punhado de areia
eu não vivo sem você
porque
você não merece
não vale a pena lastimar


*Texto de Samuel Machado Filho 

Rosa Passos – Recriação (1978)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Aproveitando a deixa, vamos colocar mais uma rosa em nosso jardim. E eu que pensava já ter apresentado aqui esta outra grande artista, também de renome internacional e também uma estrela do jazz. Estamos falando aqui da cantora, compositora e violonista Rosa Passos. Considerada por muitos a ‘João Gilberto de saias’. Uma artista que começou cedo, ainda adolescente tocava piano, trocando depois para o violão. Influenciada pela Bossa Nova, mas em especial pelos dois ícones, Antonio Carlos Jobim e João Gilberto, passou a compor e cantar. Demorou um pouquinho para ela então lançar este disco, “Recriação”, que foi seu primeiro disco. Este álbum, inicialmente, não teve muita repercussão, mas seria por certo seu cartão de visitas. Mas ela se afastou temporariamente e só voltou a atuar na careira nos anos 80. A partir dos anos 90 ela então deslancha, passando a lançar novos discos. Suas composições começam então a atrair outros músicos e artistas. Oscar Castro Neves foi quem, de uma certa forma, abriu as portas para ela, para uma carreira internacional que desde então só veio crescendo. Tocou e gravou com grandes nomes da música internacional, em especial os artistas do jazz. Hoje, Rosa Passos é uma das grandes damas brasileiras do cenário jazzístico internacional, aclamada por todos os cantos desse mundo, tendo uma dezena de outros discos gravados. Confiram aqui este discaço que mais uma vez é destaque, agora no Toque Musical.

recriação
bolero de esperar
procura-se um samba
estrela-cine-teatro
saudade da bahia
fassamba
formicida corda e flor
caminho de santana
noturno
aí o fantástico

 

Rosa Maria – Uma Rosa Com Bossa (1966)

Olá amiguinhos cultos e ocultos! Tempo corrido, vamos direto ao assunto. Tenho hoje para vocês a cantora Rosa Maria. Por certo, muitos irão lembrar do sucesso “California Dreamin”, do grupo The Mamas & The Papas, que ela regravou para uma campanha publicitária nos anos 80. A gravação fez tanto sucesso que acabaram lançado em um EP (um disco de 12 polegadas com apenas duas músicas) com outro grande clássico, a música “Summertime. Um disco promocional onde participa também o fantástico Tony Osanah. Mas a história de Rosa Maria começa nos anos 60, quando sai de Minas e vai para o Rio de Janeiro tentar a carreira artística como cantora e também atriz. Cantava jazz e bossa nova no Beco das Garrafas. ‘Apadrinhada’ por Wilson Simonal, participa como convidada em seu disco “S’Imbora”. Foi logo em seguida que ela assina contrato com a Odeon para gravar este que foi o seu primeiro disco: “Uma Rosa Com Bossa”, em 1966. Um discaço, diga-se de passagem. Cheio de bossa num repertório que ainda cabe a participação do Wilson Simonal em uma das faixas. É ele também que assina o texto de apresentação da cantora na contracapa. Não deixe de conferir essa joinha no GTM.

capoeira de oxalá
vivendo só
amor de nada
minha filosofia
a resposta
fica só comigo
você e eu 
tem dó
menino de braçanã
costa brava
o grito

 

Ana Belen (1982)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso encontro é com a  atriz e cantora espanhola Ana Belen. Uma cantora internacional, sem dúvida, porém neste álbum cantando músicas de autores brasileiros. O disco foi gravado no Brasil e finalizado na Itália. Trata-se de um álbum duplo, onde no primeiro ela canta versões em espanhol. No segundo disco ela canta, entre outras, as mesmas músicas e com os mesmo arranjos, só que desta vez em português. Na Espanha este disco saiu com o título “Ana en Rio”. Como se pode ver pela contracapa, o repertório traz músicas de Guilherme Arantes, Gilberto Gil, Lô Borges & Fernando Brant, Geraldo Vandré, Braguinha, Zé Geraldo, Ruy Maurity, Ivan Lins, Luiz Gonzaga e Chico Buarque. Este, também participa do disco em “Noite dos Mascarados”, assim como Fagner, em “Imposible”, poema de Florbela Espanca musicado por ele. Os arranjos para o disco em português ficou por conta de Lincoln Olivetti, Octávio Burnier. Vale a pena conferir a voz e o talento desta cantriz. Confiram no GTM.

balancê
hijo de la tempestad
noche de marcaras
vuelvo
de onde viene el bayon
planeta agua
expresso 2222
caminando
imposible
teresiña
impossível
planeta água
expresso 2222
voar voar
a vida do viajante
volto
noite dos mascarados
paisagem da janela
de onde vem o baião
canção menina

 

Mário Lúcio de Freitas – Gota Mágica (1981)

Boa noite prezados amigos cultos e ocultos! No último momento, antes de soarem os gongos, aqui estamos com a postagem do dia. Temos um disco independente, “Gota Mágica”, trabalho muito bacana do músico, compositor e arranjador Mário Lúcio de Freitas. Um álbum autoral de cabo a rabo, músicas e letras, arranjos e regências e porque não, também a produção. Acredito que este tenha sido seu único disco antes de partir de vez para a publicidade, criando jingles e trilhas. Ele foi o responsável por vinhetas famosas de programas como o seriado infanto juvenil Chaves, desenhos animados como Cavaleiros do Zodíaco e Sailor Moon. Fez trilhas para novelas do SBT e também dublagem. Antes disso, porém, ele fez parte das bandas The Jet Black’s, The Beatnicks, Os Incríveis, Os Iguais e outros grupos de bailes.. Gota Mágica além de título do seu disco passou também a ser o nome de seu estúdio, onde gravou trilhas e discos para programas infantis como Bananas de Pijamas e Dragon Ball. De tudo, uma coisa eu garanto, este disco é o lado mais artístico de um profissional da publicidade. Boa letra e boa música. Não deixem de conferir no GTM.

gota mágica
confiar é fatal
novo encanto
o sistema
o amanhã não vem
cordel
ai que bom
piada
escorpião
sonhos de autista

 

IV Festival Internacional Da Canção Popular Rio (1969)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Estou trazendo para vocês um disco dos mais interessantes de festivais de música e que por curiosidade, muita gente não sabe o que está perdendo. Até mesmo no Mercado Livre, ou ainda, no Discogs, ninguém percebeu que precioso registro é essa edição. Penso que, talvez pelo fato de não trazer em sua capa ou contracapa a lista de músicos e músicas, acabou ficando meio de lado… Nem mesmo em blogs eu o cheguei a ver publicado. Este é um disco de IV Festival Internacional da Canção Popular Rio, de 1969, fase nacional, um álbum duplo com 18 das canções classificadas. Músicas até então inéditas, em gravação feita ao vivo, no Maracanãzinho. Temos aqui alguns ilustres nomes com Jorge Ben, Claudette Soares, MPB-4, Mutantes, Os Diagonais, Egberto Gismonti, Joyce e muitos outros. Quem é fã ou colecionador de alguns desses artistas tem aqui um momento inédito e imperdível. Discos de festivais são registros importantes que mereciam maior atenção por parte do público, este mais ainda por ser uma edição especial. Não deixem de conferir…

 

charles anjo 45 – jorge ben
juliana – claudette soares
anunciação – mpb-4
quem mandou – marcos sann
o tempo e o vento – malu
ando meio desligado – mutantes
beira vida – eduardo conde
beijo sideral – marcos samn
o mercador de serpentes – egberto gismonti
madrugada, carnaval e chuva – darcy da mangueira
minha marisa – os diagonais
bem te vi – dorinha tapajós
levança – milton santana
na roda do vento – ruy felipe
vesão geral – quarteto 004
canção por luciana – regininha
copacabana velha de guerra – joyce
longe do tempo – o bando

.

João De Aquino – Violão Viageiro (1974)

Bom dia, amigos cultos e ocultos. Estou me esforçando para voltar a ter aquele ritmo dos primeiros tempos. Não vou garantir nada, mas farei todo o possível para manter essa frequência de publicações.
Hoje temos um disco raro, que eu ainda não cheguei a vê-lo postado em outros blogs. Aliás, poucos ainda resistem, como o nosso Toque Musical. Vamos com “Violão Viageiro”, do violonista e compositor baiano, João de Aquino, um nome importante na música brasileira, mas muito pouco comentado. Seu talento parece vir de família, pois foi primo de outro grande violonista, o lendário Baden Powell. João de Aquino iniciou sua carreira nos anos 60. Sua música de maior sucesso foi “Viagem”, feita em 64 em parceria com Paulo César Pinheiro. Essa música faz parte deste disco que foi seu primeiro trabalho lançado no Brasil (creio que ele chegou a gravar na Europa). “Violão Viageiro” tem também arranjos do maestro Radamés Gnatalli e Hugo Bellardi, a presença de Pedro Sorongo, Fernando Leporace, coral de Joab e outros. Taí, mais um disco bacana que não pode faltar por aqui. Em breve e na sequencia postarei outros dois discos desse artista, pois vale a pena.
Agradeço ao amigo Fáres mais essa contribuição (logo lhe devolvo os discos) E vamos ao GTM, pois o link não dura muito tempo. Quem não acompanha o blog, come mosca. 🙂

coiote
beira maré
macunzozo
fica amor
galope
sapos e grilos
caatinga
ponto do caboclo desengano
corpus
veredas
cactus
viagem
tributo a turibio santos

.

Amado Maita (1972)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso encontro é com Amado Maita, músico paulista que lançou em 1972 este que foi o seu primeiro e único disco. Lançado em uma única tiragem pelo selo Copacabana, certamente não vingou por ser bom demais, acima da média. Um disco feito com esmero, música popular brasileira de qualidade. A música de Amado Maita me lembra um misto de Milton Nascimento e Gonzaguinha, também naqueles tempos. O repertório e quase todo autoral ou em parceria com José Wilson Lopes. Há ainda espaço para sua interpretação nas faixas, “Piedade”, de Miguel e Lindolfo Lage; “Sabe você”, de Vinícius de Moraes e Carlos Lyra e o antigo samba “Não me diga adeus”, de Paquito, Luiz Soberano e João Corrêa da Silva. Amado Maita conta com o apoio de um time de músicos de primeira. Figuras como Hamleto, Guilherme Vergueiro e Edson Machado são alguns dos destaques, juntamente como os arranjadores Antonio Barbosa e Mozar Terra que dão ao trabalho uma pegada mais jazzística. As regências ficaram por conta do maestro Leo Peracchi. A produção foi do italiano Cesare Benvenuti, aquele que também produziu uma onda de artistas brasileiros, com nomes gringos e cantando em inglês. Este disco esteve esquecido por muito tempo e só veio a aparecer a partir do bum dos blogs musicais e das redescobertas fonográficas, por conta de pesquisadores e colecionadores. Quem muito chamou a atenção para este disco foi o músico Ed Mota, levantando a poeira e fazendo neguinho correr sebos e também Mercado Livre em busca da bolacha. Foi aí que o preço subiu e chegou as alturas fazendo com que ele viesse a ser relançado em 2018, pela Patuá Discos. Como a segunda edição também foi limitada (1500 discos), hoje é possível que já não seja mais encontrado, ou talvez até encontre, mas com um precinho salgado. Maita faleceu em 2005. Infelizmente, não há muita informação sobre sua trajetória pessoal ou artística. Ele é pai da cantora Luísa Maita, uma das boas revelações do cenário atual da música brasileira. Confiram no GTM.

samba de amigo
mariana
os mergulhadores
cemitério dos vivos
piedade
gestos
o mostro verde do mal
sabe você
não me diga adeus
reflexão
 

.

Pablo Neruda (1968)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje o nosso toque é mais que musical, é poético. Afinal, não é de hoje que os poetas também nos visitam e muito temos de poesia gravada, discos memoráveis que nunca poderiam faltar por aqui. Temos assim o grande Pablo Neruda, poeta que dispensa maiores apresentações, até porque essa não é a primeira vez que o apresentamos no Toque Musical. Neruda não foi um poeta brasileiro. Nasceu e viveu no Chile, mas como todo grande poeta as fronteiras não existem, ainda mais sendo este um poeta latino-americano, amigo e irmão de tantos outros poetas brasileiros, contemporâneo de um mesmo momento conturbando nesse nosso continente. Neruda faz parte também do nosso mundo poético e entre muitos ele foi um dos poucos poetas estrangeiros a fazer parte da discoteca produzida pelo selo Festa, de Irineu Garcia. Aqui temos um pequeno aperitivo, um raro compacto, extraído de um disco maior, um lp, também lançado por esse selo, com gravações originais na voz do próprio poeta. Há, inclusive, um poema dedicado ao poeta brasileiro Castro Alves (Castro Alves del Brasil). Compacto, pode-se dizer, de luxo, frente aos seu pares. Com capa bem produzida trazendo também um texto de apresentação escrito por outro poeta e escritor, Rubem Braga. Não deixem de conferir mais essa raridade que vocês só encontram aqui, no GTM (e em prazo limitado).

una canción desesperada
castro alves del brasil
un hombre invisible

.

Os Seis Em Ponto (1966)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Depois de chegarmos a mais de 3 mil títulos/discos postados aqui a gente começa a não mais lembrar do que já publicou. Daí, temos antes que verificar no index para não repetirmos a postagem. Hoje, farei diferente. Temos aqui o raro e único exemplar do conjunto de bossa nova do Francis Hime, Os Seis em Ponto. Este foi o disco de estréia de seis ‘garotos’, como definiu Ronaldo Boscoli no texto de contracapa do disco. Todos estreantes no mundo do disco, mas desde cedo focados na ideia de formarem um conjunto musical. E foi em 1966 que eles conseguiram gravar e lançar este álbum pelo selo RGE. Formado por Francis Hime (piano), Alberto Hekel Taveres (flauta), Carlos Alberto Cumarão (trombone), Nelson Motta (violão), Carlos Eduardo Sadock de Sá (contrabaixo) e João Jorge Vargas (bateria), Os Seis em Ponto nos apresenta um repertório fino e moderno para sua época. Músicas de Tom Jobim, Carlos Lyra, Vinícius de Moraes, Théo, Oscar Castro Neves, Edu Lobo, Roberto Menescal e Ronaldo Boscoli e também composições de Francis Hime em parceria com João Vitorio: “Mar Azul”, “Amor A Esmo” e “Se Você Pensar”. Os arranjos são também de Francis Hime. Um disco que conta ainda com texto de Tom Jobim. Tido como uma promessa de sucesso, infelizmente Os Seis em Ponto, mesmo com um repertório de primeiríssima, não chegou a emplacar. Por outro lado, seus membros seguiram cada qual um caminho. Francis e Nelson Motta foram os que mais se destacaram seguindo carreiras de sucessos e reconhecimento de público. Mais uma vez vamos trazê-los para o nosso toque, até porque, desta vez o pacote vem completo, com capa, contracapa e selos. Não deixem de conferir no GTM.

samba carioca
inútil paisagem
mar azul
luciana
borandá
amor a esmo
a paz de um homem só
sem mais adeus
se você pensar
canção da liberdade
só tinha de ser você
o menino das laranjas
 


.

Hermínio Bello De Carvalho – Sei Lá (1974)

Bom dia, bom 2020 para todos os amigos cultos e ocultos! Para garantir a nossa presença neste novo ano, começamos logo já no primeiro dia. E para que seja um ano, musicalmente falando, da melhor qualidade, eu já começo com este disco aqui, “Sei lá”, do Hermínio Bello de Carvalho, tremendo letrista e inigualável produtor, poeta, compositor, escritor…. Seu nome está presente em boa parte dos melhores trabalhos fonográficos e musicais realizados nos anos 60, 70, 80 e 90 (isso para não falarmos dos anos dois mil). Hermínio tem uma longa ficha, um currículo invejável e na música, na área de criação se destaca pelas inúmeras parcerias. Entre os seus parceiros estão nomes como Chico Buarque, Pixinguinha, Radamés Gnattali, Paulinho da Viola, Francis Hime, Cartola, Baden Powell, Elton Medeiros, Martinho da Vila, Rildo Hora, Sueli Costa e mais um montão de outros compositores da melhor música do mundo, a brasileira. Este lp procura mostrar um pouco disso, das autorias e parcerias. Lançado no início de 1974, o álbum traz quinze faixas onde nelas ele mesmo interpreta. Conta com a participação da cantora Simone, que pela primeira vez aparecia em disco de outro artista. Acompanhando tudo vem o Luizinho Eça e seu impecável Tamba Trio (com Hélcio e Bebeto Castilho). Por aí já se pode ter uma ideia do que traz essa produção. Um disco maravilhoso que por hora passa aqui em minhas mãos (pena que tenho que devolver, hehehe…) Não deixem de conferir no GTM!

não dá pra entender
sei lá, mangueira
mudando de conversa
o coração não errou
isso não se faz
folhas no ar
a pessoa n. 3
fora de hora
malengolentemente
a pessoa n. 5
a pessoa n. 2
a pessoa n. 1
a pessoa n. 4
salamargo
pressentimento



.