Lucio Alves – Serestas (1957)

Bom dia a todos! Iniciando a semana, vamos mais uma vez de serestas, agora na companhia do singular Lúcio Alves. Cantor e compositor que dispensa maiores apresentações. Iniciou sua carreira artística ainda menino, formando o grupo vocal Namorados da Lua. Foi também integrante do grupo Anjos do Inferno por pouco mais de um ano e com o qual viajou em turnê pelo México, Estados Unidos e Cuba. Ao voltar ao Brasil retoma em carreira solo, compondo, mas também gravando músicas de outros compositores. Seu estilo diferente e moderno acaba o levando naturalmente para o lado daqueles que também inovavam na música brasileira, como Radamés e Jobim. Lúcio é por essas e outras considerado um ‘pre-bossanovista’, movimento o qual ele também veio a participar. Para se ter uma ideia melhor deste grande artista, e hoje trago o primeiro lp gravado por ele.
“Serestas”, lançado em 1957, foi seu primeiro disco gravado em 33 rpm, um vinil raro em todos os sentidos. A começar pelo formato, oito músicas num disco de 12 polegadas. Até então, outros ‘Long Plays’ para oito faixas eram de 10 polegadas. Me parece que apenas a Mocambo trabalhava nessa linha. Outra questão rara diz respeito a forma como este disco foi feito. Lúcio Alves teve total liberdade na hora da gravação. Apenas ele e o violão, cantando de maneira muito intimista, coisa rara de se ver (e ouvir) naqueles tempos. O lado A é todo dedicado à dupla Silvio Caldas e Orestes Barbosa. Não sei se este disco está entre os 300 (mais) importantes (ups!) recém classificados no livro do Charles Gavin, mas deveria.
.
serenata
chão de estrelas
suburbana
arranha céu
mágoas de um caboclo
não voltarás
se tu soubesses
sorris da minha dor

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta