Teo Azevedo – Grito Selvagem (1974)

Bom dia! Depois do dilúvio que caiu por aqui ontem, quase acabei perdendo a barca da salvação. Mas felizmente cheguei inteiro e ainda a tempo de preparar alguma coisa para hoje.
Me lembrei de um disco curiosamente interessante que em outras encarnações eu postei por aqui, quer dizer, por aí :). Este arquivo eu recebi de um amigo, me apresentando as primeiras proezas de Téo Azevedo, filho do lendário violeiro de um braço só – “Seu Tiófo” – cantador, aboiador e folião de reis do norte de Minas, que ficou eternizado na poesia de Carlos Drummond de Andrade. Téo é a continuação do que foi seu pai e mais ainda. Um homem com uma história de vida riquíssima. Um artista popular no melhor do termo. Cantor, compositor, violeiro, repentista, escritor, poeta, folclorista, radialista e produtor musical. Foi Téo que descobriu e lançou o primeiro disco do homem da rabeca, Zé Côco do Riachão. Estou contando isso apenas para que se possa ter uma idéia de seu valor artístico e principalmente sendo apresentado através deste que foi o seu primeiro disco.
Este lp é a síntese de um caboclo encantado com a cidade grande e com seus estilos e modismo. Dividido entre suas raízes e sua nova vida nos centros urbanos de Rio e São Paulo. Ao ouvir as músicas de “Grito Selvagem” e até mesmo pela capa do disco, fica difícil imaginar a figura que hoje é Téo Azevedo. Não que ele tenha mudado, mas as guitarras roqueiras, o flerte tardio com a então já ultrapassada Jovem Guarda e o cabelão ‘black power’, são curiosidades que só se vê neste trabalho. Téo, como produtor, o relançou em cd a tempos atrás, mas também numa tiragem muito reduzida. Confiram, pois é bem interessante.
PS.: Dedico esta postagem à amiga Jacira, lá de Milho Verde, que hoje às 4 horas da manhã veio a falecer, vítima de um câncer. Ela era uma mulher extremamente alegre. Dona da melhor pensão e da melhor comida lá daquele povoado do norte de Minas. Posso sentir daqui a tristeza que por lá deve estar infinita. Vai com Deus, minha amiga. Sua missão agora é no céu.

eu tentei
cego aderaldo
adeus ceará
assacumpero
o novo de hoje já é velho aqui
mané joão
o eco do grito
vá pentear macaco
calangueando
cantador

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta