Januário De Oliveira, Quinteto Instrumental Columbia, Sirlene Brandão Nery – Seleção 78 RPM Do Toque Musical – Vol. 5 (2011)

Em sua quinta edição, o Grand Record Brazil nos leva ao início das atividades da gravadora Columbia. Na verdade, a Columbia, firma de origem americana, era representada, nessa época, pela empresa Byington & Cia., e tal concessão só foi possível graças ao empenho do também americano Wallace Downey, mais tarde produtor de filmes musicais para a Cinédia. Desta fase, oGRB nos apresenta seis raríssimas gravações. A primeira é do disco 5108, matriz 380338 (repare que nessa época, o número de catálogo dos discos Columbia era seguido da letra B, em ambos os lados, e este na verdade é o lado A), lançado em outubro de 1929, apresentando a valsa “Piraporinha”, de Alberto Candelízio, executada pelo Quinteto Instrumental Columbia. Esse disco seria relançado mais tarde, em 1939, com o número 55053. No verso, matriz 380339, temos a “Valsinha sertaneja”, de autor desconhecido. Em seguida, um disco de Januário de Oliveira (Rio de Janeiro, 1902-São Paulo, 1963). Sua discografia é quase toda na Columbia, com passagens pela Victor e Arte-Fone, num total de 59 discos com 103 músicas, entre elas a marchinhacarnavalesca “Quebra, quebra, gabiroba” , o motivo folclórico “Engenho novo” e a valsa “Cauã”, esta última de Sinhô. Januário aqui comparece com o disco 5208, e dois sambas. De um lado, matriz 380659, “Falsa jura”, de Pedro de Sá Pereira, também autor da clássica modinha “Chuá,chuá”. No verso, matriz 380660, “Macumbeiro”, composição de Mílton Amaral, autor também da célebre valsa “Folhas ao vento”. No acompanhamento, a Jazz-Band Columbia, liderada pelo maestro e pianista Gaó (Odmar Amaral Gurgel, 1909-1994), paulista de Salto. Foi lançado emjunho de 1930. Para encerrar, temos um raríssimo disco gravado por Silene Brandão Nery, filha da pianista Amélia Brandão Nery, mais conhecida por Tia Amélia. Ela só gravou dois 78 rpm para o carnaval de 1932, lançados bem em cima da folia, em fevereiro: um pela Victor e este pelaColumbia, todos interpretando composições da “mãezona” Tia Amélia. Aqui ela interpreta de um lado, matriz 381155, a marchinha “Não vá”, e no verso, matriz 381156, o samba “Reticências…”. Em ambos os lados, ela é acompanhada pela orquestra do maestro palestino Simon Bountman, que gravava na Odeon como Grupo Cassino Copacabana, Orquestra Pan American e OrquestraCopacabana. Na Parlophon, subsidiária da Odeon, gravava com o nome de Orquestra Parlophon(é claro), e na Columbia como “Simão e sua Orquestra Columbia”. Quer dizer, todas eram a mesmíssima orquestra… Enfim, mais três preciosidades para colecionadores que o GRB nos apresenta. Os irmãos Byington continuaram representando a Columbia americana até 1943, quando perderam a concessão da mesma para a Odeon, e isso levou o então diretor artístico da gravadora, João “Braguinha” de Barro, a criar um novo selo: Continental. E a matriz americana voltou ao Brasil, desta vez por conta própria, em 1953, transformando-se depois na CBS e convertendo-se na atual Sony Music.


macumbeiro – januário de oliveira e jazz band columbia
falsa jura – januário de oliveira e jazz band columbia
valsinha sertaneja – quinteto instrumental columbia
piraporinha – quinteto instrumental columbia
não vá – silene brandão nery
reticências – silene brandão nery

*TEXTO DE SAMUEL MACHADO FILHO

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta