Bob Fleming (1961)

Bom dia amigos cultos, ocultos e associados! Hoje eu estou trazendo um disco que eu considero nota 10. Um dos primeiros álbuns do selo Musidisc, lançado em 1961 e apresentando o saxofonista criado por Nilo Sérgio, Bob Fleming. Quem acompanha o blog sabe que aqui temos outros discos desse artista e em vários outros momentos falamos sobre a real identidade do mesmo. Muitos falam que Bob Fleming era o saxofonista Moacyr Silva, depois passou a ser o Zito Righi… São tantas histórias e lendas que eu já nem sei mais qual é a verdade. Hoje, ao iniciar essa postagem, ainda agora, li no site “Agenda do Samba Choro” (uma lista de discussão sobre MPB) um texto que me deixou ainda mais confuso. Trata-se de um e-mail enviado ao site, em junho de 2004, pelo saxofonista Moacyr Marques da Silva onde ele tenta esclarecer a verdade sobre o assunto. Segue logo a baixo uma cópia do texto, que pode também ser conferido na própria lista do Samba Choro:

Rio de Janeiro 06 de junho de 2004. 

Prezados Senhores. 

Como testemunha viva dos fatos descritos sobre “BOB FLEMING”, gostaria de
esclarecer que eu, Moacyr Marques da Silva, músico, saxofonista, citado em
seu site: 

“Caro internauta. Quero aqui informar-lhe que muito há que reparar neste seu
release sobre Bob Fleming. Não sei que fontes vc consultou, mas são muito
imprecisas. Conheci, pessoalmente, por intermédio de membros de minha
família o verdadeiro Bob Fleming, pseudônimo usado por um grande músico
brasileiro do Rio de Janeiro, cujo nome correto é Moacir Marques, que
apesaqr de não ser americano era branco, nada tendo a ver com o Moacir
Silva, outro grande músico brasileiro, este sim negro. Moacir Marques, tocou
em diversas orquestras ( inclusive da Rádio Nacional ) e formou um conjunto
que tinmha seu nome e tocava em diversos bailes do Rio de Janeiro e
adjacencias.Tive o privilégio de receber de suas mãos aquerle LP onde na
capa aparecia algém vestido numa armadura tocando sax. Procure pesquisar
mais em cima destas minhas informações e refeça ou retire do ar seu artigo,
para que evitar que com o passar do tempo essa incorreção venha a se tornar
uma verdade que nenhum dos dois Moacir merecem”.

Não fui e jamais gravei com este pseudônimo, criado por Nilo Sérgio, dono da 
gravadora Musidisc, à época, para Moacyr Silva (Negro) e posteriormente para
 
Zito Rig (branco), outro saxofonista. Como músico profissional exerci a
 
função em diversas gravadoras (Copacabana Disco e Odeon, funcionário
 
efetivo) e rádios ( Tupi, Nacional e outras). Fui integrante e fundador da
 
Orquestra da Rede Globo de Televisão, enquanto existiu (23 ANOS).Tive meu
 
próprio conjunto musical, com o qual gravei 6 LP’s, entre os anos 60 a 66.
 
Integrei a Orquestra de Ary Barroso e do Maestro Copinha. Me apresentei com
 
grandes artistas Internacionais.
 
Em meados de 1966, com a Orquestra do Maestro Copinha, me apresentei no baile
 
beneficente da Cruz Vermelha Internacional oferecidos pelo Príncipe de
 
Mônaco em seu palácio; gravei com todos os grandes cantores da música
 
popular brasileira (ver ficha técnica nos LP´s – Simone, Gilberto Gil,
 
Bethanea, Gal Costa, Elizete Cardoso, e muitos outros). E, ainda, sou
 
funcionário público estatutário, aposentado na categoria de músico –
 
clarinetista baixo – da Orquestra Sinfônica Nacional do Ministério da
 
Educação, lotada na Universidade Federal Fluminense. Apesar da semelhança
 
dos nomes, Moacyr Marques da Silva, ou melhor, Moacyr Marques, “BIJOU”, como
 
sou conhecido no meio musical, jamais poderia ser confundido com o grande e
 
respeitado amigo Moacyr Silva, cuja a carreira abrilhantou a música
 
brasileira. Para maiores esclarecimentos, entre em contato:
 
Tels: 21-2447-1446 ou 21-2447-0139 horário da manhã.
 
Aproveito pra parabenizar o autor dos artigos sobre Moacyr Silva, e solicito
 
que desconsiderem as observações do Sr. Reginaldo Gomes de Souza. Grato pela
 
atenção.
 
Moacyr Marques – BIJOU.
 

Sinceramente, eu já não estou entendendo mais nada sobre essa história. Porém, como um dos muitos divulgadores do ‘sax’ criado por Nilo Sérgio, me vejo na obrigação de apresentar todos os fatos e versões. Qual é a verdade? Taí uma questão cheia de polêmica, que vale novamente vir à tona. Vamos comentar?

nosso amor

fechei a porta

é luxo só

teleco-teco nº 2

meditação

cheiro de saudade

a noite do meu bem

fim de caso

ideias erradas

e daí?

mundo mau

ho-ba-la-la

rio de janeiro (isto é meu brasil)

cidade maravilhosa

dizem por aí

o amor e a rosa

se acaso você chegasse

agora é cinza

chora tua tristeza

ri

carinho e amor

menina moça

o nosso olhar

exemplo

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

7 comentários a “Bob Fleming (1961)

  1. Pelo texto do Moacyr Marques fica claro que quem era mesmo Bob Fleming era o Zito e o Moacyr Silva, que não tem Marques no sobre nome 🙂

  2. Olá Augusto,

    há um tempo entrei em contato com o filho do Zito Righi, Ney Righi, que me passou a discografia do seu pai, incluindo os discos em que ele atuou como Bob Fleming. Está nesta postagem dos Órfãos do Loronix: http://orfaosdoloronix.wordpress.com/2012/08/23/bob-fleming-jovens-enamorados-1965/ .
    Pela discografia, este disco de 1961, é do Zito Righi. Parece que só os dois primeiros discos do Bob Fleming (1958) seriam com o Moacyr Silva.

    Abraços.

Deixar uma resposta