Baden Powell & Vinícius De Moraes – Os Afro-Sambas (1966)

Olá amigos cultos e ocultos! Ontem recebi duras, porém importantes, críticas de um amigo sobre o que eu escrevo e como escrevo as coisas aqui no Toque Musical. Realmente, os textos das minhas postagens trazem sempre muitos erros, sejam lá de ortografia, concordâncias, ou mesmo de caráter histórico e informativo. Há, sem dúvida, muita coisa errada por aqui (e vai além, hehehe…), mas mesmo assim eu insisto, teimoso como um burro, vou tocando sozinho esse meu ‘mal hábito’. E o mais curioso de tudo isso é que mesmo sendo assim como sou, como é o Toque Musical, tem por aí muita gente que nos copia, que seguem uma ‘linha’ semelhante. Eu já disse isso, o TM faz escola! 😉
Em homenagem ao meu amigo crítico e também a todos os outros cultos e ocultos, eu hoje trago este álbum, um clássico que despensa maiores apresentaçoes. Aliás, melhor apresentação que o texto do próprio autor, ainda mais sendo ele Vinícius de Moraes, não poderia haver. “Os Afro-sambas” é um disco dos mais importantes da MPB, lançado através do selo Forma, de Roberto Quartin, em 1966. Produzido de maneira livre, sem se prender a questões e padrões comerciais, o disco traz apenas oito músicas, mas que são a continuidade de um trabalho que a dupla iniciou quatro anos antes, quando ‘se conheceram’, vamos dizer assim. Um trabalho excepcional, que mesmo nunca esquecido, não poderia deixar de ser lembrado aqui. Há ‘medalhões’ que a gente precisa sempre cultuar, não é verdade?

canto de ossanha
canto de xangô
bocochê
canto de yemanjá
tempo de amor
canto de pedra preta
tristeza e solidão
lamento de exu
.

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

2 thoughts on “Baden Powell & Vinícius De Moraes – Os Afro-Sambas (1966)

  1. Augusto,

    O que são alguns erros de ortografia ou de concordância, diante do enorme serviço que você presta à MPB, com esse grande projeto que é o Toque Musical?
    Muito obrigado por tudo o que faz pelos “cultos e ocultos”!
    Um grande abraço.
    Ernani

Deixe uma resposta