Zé Trindade – Quadrilha Na Roça (1958)

Amigos cultos e ocultos, cheguei!
Como a semana foi meio confusa para mim, além do aniversário do João Gilberto, o Dia dos Namorados… quase me esqueci de postar aqui mais um disco de festa junina. Aliás um ótimo disco para se colocar em festas, as poucas tradicionais que ainda existem pelo Brasil.
Ano passado eu cheguei a ir numa grande festa junina, mas estava tão descaracterizada que de junina só tinha mesmo o mês. Bandeirolas e balões de plástico industrializados, garotos vestidos de ‘cowboy’, barraquinhas vendendo pizza e bolinho de feijão, tudo isso eu aceitei. Mas foi o fim da picada quando percebi que a música tocada, por dois marmotas, era aquela sertanejo brega. Meu Deus! Nos intervalos, pelas caixas de som só saiu (desculpem a expressão) merda, ou coisas sem a menor sintonia com o clima. Tinha de Restart à Ivete Sangalo (oí gente!), uma verdadeira caricatura da caricatura de uma festa de São João. E não tinha fogueira… Seria tão bom se os organizadores dessas festas fossem um pouco mais tradicionais, afinal a ideia da festa é essa mesma, manter as tradições, ou pelo menos relembrá-las. No que depender de boa música, bons momentos para uma festa, aqui no Toque Musical tem para dar e compartilhar 😉
Um bom disco e que eu recomendo para a ocasião é este aqui do Zé Trindade. Lançado pela Columbia em 1958, o lp reúne faixas gravadas pelo humorista em discos de 78 rpm, durante os anos de 56 e 57, acrescentando também novas gravações que completam o álbum de 10 polegadas.
Talvez, muita gente hoje em dia não se lembre ou não sabe quem foi o Zé Trindade. Ator, humorista, poeta… um tipo realmente muito divertido. Me lembro de tê-lo visto pela última vez no cinema fazendo uma ponta no filme “Um trem para as estrelas”, de Cacá Diegues. Na contracapa há um texto de apresentação do artista feito pelo Chico Anísio. Confiram aqui, completo e na melhor qualidade 😉

quadrilha na roça
bandinha do mané
quadrilha no escuro
taca fogo
quadrilha para inglês ver
são joão na vila
festança boa
fogueira de são joão

* a Ivete Sangalo entrou na história apenas porque realmente estava tocando, não tenho nada contra a música dela, na verdade nem conheço direito. A única coisa que sei é que ela tem um vozerão e é uma gata 😉 

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

6 thoughts on “Zé Trindade – Quadrilha Na Roça (1958)

  1. augusto, meu amigo. siceramente, você é um herói. O tanto de chatos que buzina no teu ouvido. chegam ao cúmulo de corrigir o português. a sensibilidade, o bom-gosto. é isso que vale. obrigado amigo.

  2. É meu caro Augusto!até mesmo aqui no nordeste, o berço das festas juninas, não se ouve mais a boa música dos bons tempos. Nomes como Gonzagão, Jackson do Pandeiro, Ary Lobo, Elino Julião, Messias Holanda, Gordurinha, Marinês,Hermelinda e tantos outros monstros sagrados da música regional brasileira, estão no esquecimento.É uma pena!
    Parabens! Você é um herói!

  3. Obrigado, caríssimo “Toque Musical”, o seu trabalho de resgate e preservação, da verdadeira MPB, um dia, ainda, será, devidamente reconhecido e valorizado.
    Assim como, a sua generosidade, em repartir, conosco, este seus tesouros.
    Muito obrigado, e por favor, mais Zé Trindade.
    Zeca Pinheiro (RJ)

  4. Concordo plenamente. A tendência de ser vira-latas de grande parte do povo brasileiro, se manifesta nesses momentos onde se observa o desapego as raízes. Tudo a lamentar.

  5. Augusto, como a gente diz no Recife, você é rochedo, cara! Abriu o berreiro e falou tudo o que eu vivo falando por aqui.. Você conhece o meu trabalho e sabe que não estou exagerando.. O que os governos estadual e municipal estão fazendo aqui com a nossa música é de fazer chorar !.. A última (ou penúltima) má notícia é que boicotaram nada menos que o maior ícone que temos depois de luiz gonzaga: dominguinhos ! e por que? porque o coitado pra ganhar seu dinheiro na campanha política fez campanha pra jarbas vasconcelos e josé serra.. putz.. o que tem a ver o c… com as calças, meu caro? desde quando um sanfoneiro deve ter as mesmas opiniões políticas do governador e do prefeito? é soda… mas é a pura verdade.. salvo engano dominguinhos só foi chamado pra tocar um dia no interior, sertão de arcoverde.. enquanto isso, nas nossas maiores festas, carnaval e s.joão, importamos roqueiros encardidos, pra não dizer outros …didos, bandas bregas, música de péssima qualidade, se é que têm alguma, e que não tem nada a ver com carnaval, natal, s.joão, enterro ou batizado… bando de incompetentes !! parabéns pelo post, parabéns por essa MARAVILHA DE BLOG e sempre que tiver tempo passe lá nos seteinstrumentos.com sua presença me engrandece !!

Deixe uma resposta