Agnaldo Rayol – A Mais Bela Voz Do Brasil (1966)

É com muita alegria e satisfação que o Toque  Musical oferece hoje, a seus amigos cultos, ocultos e associados, um dos melhores trabalhos fonográficos deste que,sem dúvida, é um dos mais expressivos cantores brasileiros:  Agnaldo Rayol. Figura marcante do rádio do disco, do cinema e da televisão, Agnaldo Coniglio Rayol veio ao mundo no dia 3 de maio de 1938, no bairro carioca de Bonsucesso, oriundo de uma família bem constituída musicalmente, com o incentivo dos pais, Agnelo e Rosita. Talento precoce, aos três anos, como ele já gostava de cantarolar os sucessos que ouvia no rádio, seu tio Edgard teve a ideia de levá-lo a um posto  dos correios e telégrafos,onde se gravavam disquinhos de papelão, em processo semelhante aos dos acetatos, e pedir-lhe que repetisse ali,à sua maneira, quatro sucessos da época:  “Pombo correio”, “Morro de Santa Tereza”, “Renúncia” e o fox “Adeus”. Os dois disquinhos depois foram dados de presente aos pais.  Aos oito anos, o pequeno Agnaldo apresenta-se no programa “Papel carbono”, comandado por Renato Murce na lendária Rádio Nacional, interpretando “Matinatta”, de Leoncavallo.  Depois, foi com a família para Natal, capital do Rio Grande do Norte, atuando na Emissora Natalense, passando-se para a Rádio Araripe, do Crato, Ceará, e desta para a Rádio Poti, de Natal, onde foi também rádio-ator. Estreou no cinema em 1949, atuando e cantando no filme “Também somos irmãos”, da Atlântida, dirigido por José Carlos Burle. Dois anos mais tarde, filmou “Maior que o ódio”, no mesmo estúdio e com o mesmo diretor, contracenando com outro menino, o futuro jornalista e escritor Ivan Lessa, um dos fundadores do tabloide “O Pasquim”.  Em 1956, retorna a Natal, agora em uma excursão artística, ao lado de Leny Eversong e, ao voltar para o Rio, assina contrato com a PRG-3, Rádio Tupi (“o cacique do ar”), como ator,sob o pseudônimo de Agnaldo Vasconcellos. No mesmo ano, o diretor da emissora, J. Antônio d’Ávila,o escala para cantar no programa “Festival de vozes”, da TV Tupi, que o contrata em 1957. Já radicado em São Paulo, estreia pela Tupi seu primeiro programa de TV, “Sonhos musicais”, que ficou quatro anos no ar. Em 1958, grava seu primeiro disco, na Copacabana, um 78 rpm com “Se todos fossem iguais a você” (Tom Jobim-Vinícius de Moraes) e “Prece” (Vadico-Marino Pinto), logo seguido do primeiro LP, sem título. Aparece também em filmes como “Garota enxuta”,’Uma certa Lucrécia”e “Zé do Periquito”, este último estrelado por Mazzaropi, no qual teve um número musical ao lado de Hebe Camargo.  Em 1961, participa do show “Skindô”, no golden room do Copacabana Palace Hotel, no Rio, produzido por Abrãao Medina.  Em 1964, Agnaldo faz suas primeiras novelas, ambas na TV Excelsior: “Mãe” e “O caminho das estrelas”. No ano seguinte, atinge o ápice de sua carreira, quando é contratado pela TV Record e se torna um dos maiores astros da emissora, então na linha dos grandes musicais. Apresentou o “Corte Rayol show”, ao lado do humorista Renato Corte Real, que passou a chamar-se “Agnaldo Rayol show” com a saída do humorista. Também participa de outros programas da casa, como “Jovem Guarda” e o de Hebe Camargo,  além de atuar em outros filmes no cinema, tais como “Tristeza do Jeca” (1961, também estrelado por Mazzaropi), “Agnaldo, perigo à vista” (1968) e “A moreninha” (1970). Teve inúmeros sucessos ao longo da carreira: “E a vida continua”, “Onde estará meu amor?”, “De joelhos”, “Acorrentados”, “Frente ao mar”, “Deixe pra mim a culpa”, “Quando o amor te chama”,”A praia”, “O princípio e o fim”, “O amor é tudo”, “Livre”, “Mente-me”, “Rumo certo”, “Canta-me um fado”, “Obrigado, meu Deus”, “O velho e o novo”, “Margarida” (que cantou na primeira versão da novela “As pupilas do senhor reitor”, produzida pela Record em 1970), “Quero te dizer cantando”, “Em nome do amor” (da novela global “Renascer”)  e muitos outros mais. Em 1996, regravou, ao lado da dupla Chyristian e Ralf,a canção “Mia Gioconda”, de Vicente Celestino (1946), para a novela “O rei do gado”, da Globo, fazendo a música voltar às paradas de sucesso.
O álbum que o TM oferece hoje nos traz Agnaldo Rayol em um trabalho como sempre impecável, da época em que era grande astro da TV Record (1966). O poema da contracapa, por sinal,foi escrito por um então colega de emissora, o inesquecível Blota Júnior. No repertório, bem escolhido e de muito bom gosto,desfilam composições de autores de quilate, como Luiz Vieira (“Resto de quem parte”), as  duplas Evaldo Gouveia-Jair Amorim (“Eu chorarei por ti”, “O telefone”) e Dênis Brean-Oswaldo Guilherme (“Receio”) , e Luiz Carlos Paraná (“Em vez de adeus”). Curiosamente, Tommy Standen (aliás, Thomas William Standen), que assina “Nosso cantinho no mundo” e então cantor da Jovem Guarda, ficaria mais tarde famoso cantando em inglês com o pseudônimo de Terry Winter, tendo também composto canções sertanejas sob a “identidade secreta” de Chico Valente! Enfim, um impecável trabalho de Agnaldo Rayol, que ainda hoje nos encanta e continua a receber o merecido aplauso do público, fazendo jus ao título deste álbum: A MAIS BELA VOZ DO BRASIL!
devo esperar
resto de quem parte
euchorarei por ti
sem um fim
você é amor
poema do amor divino
a tua voz
nosso cantinho no mundo
o telefone
receio
em vez de adeus
paz do teu sorriso
 *Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta