Baden Powell – Rio Das Valsas (1988)

Indiscutivelmente, Baden Powell de Aquino (Varre-Sai, RJ, 6/8/1937-Rio de Janeiro, 26/9/2000) foi um dos maiores violonistas de todos os tempos, e um dos maiores músicos brasileiros de seu tempo. Também notável compositor, teve músicas em parceria com nomes do quilate de Billy Blanco (“Samba triste”), Paulo César Pinheiro (“Lapinha”, “Violão vadio”) e principalmente Vinícius de Moraes, com quem assina hits inesquecíveis, tais como “Samba em prelúdio”, “Berimbau”, “Deixa”, “Consolação” e “Canto de Ossanha”. Baden possui uma impressionante discografia com cerca de setenta títulos, incluindo LPs, CDs e compactos. Parte de seus discos foi gravada no exterior, em países como França, Alemanha e Japão. O Toque Musical, inclusive, já ofereceu a seus amigos cultos, ocultos e associados, alguns desses títulos. Agora, tem a honra e a satisfação de apresentar mais um álbum de Baden. Trata-se de “Rio das valsas”,  uma produção independente patrocinada pelo Banerj (Banco do Estado do Rio de Janeiro, mais tarde privatizado) e gravada em 1988. Aliás, este foi o primeiro trabalho que Baden Powell  gravou no Brasil depois de longa temporada na Europa. Mais precisamente no Estúdio Transamérica, de São Paulo, então um dos melhores do Brasil.

O presente trabalho de mestre Baden, com produção do grande Franco Paulino,  apresenta um selecionado e bem cuidado repertório de valsas, mostrando, segundo a contracapa, que a beleza do Rio de Janeiro não está apenas  no carnaval, nas praias ou nas paisagens naturais, mas também nas valsas criadas por compositores nascidos na “cidade maravilhosa”.  São dez faixas, nas quais Baden demonstra toda sua técnica e virtuosismo. E apresentando clássicos imperdíveis de Pixinguinha (“Rosa”), do próprio Baden (“Valsa sem nome”, “Velho amigo”, “Canção do amor ausente”, as três em parceria com Vinícius de Moraes), da dupla Sílvio Caldas-Orestes Barbosa (“Chão de estrelas”, daquelas que não tem quem não conhece), do flautista Patápio Silva (“Primeiro amor”, aliás seu maior sucesso autoral), Freire Júnior (“Revendo o passado”). Vinícius ainda assina as outras duas faixas restantes: “O que tinha de ser”, de sua parceria com outro mestre, Tom Jobim, e, sozinho “Valsa de Eurídice”, que o próprio Baden Powell gravou inúmeras vezes, inclusive no exterior.  A contracapa também apresenta pequenas biografias dos compositores cujas obras foram aqui incluídas, inclusive o próprio Baden, é claro. Enfim, um álbum cuidadíssimo, tanto em repertório quanto em qualidade técnica e apresentação gráfica. Com tantas qualidades, que mais se pode pedir? Agora é ouvir e desfrutar
rosa
serenata do adeus
valsa sem nome
primeiro amor
velho amigo
o que tinha de ser
chão de estrelas
canção do amor ausente
revendo o passado
valsa de eurídice
Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta