Duardo Dusek – Compacto (1978)

O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados mais um compacto. Desta vez, é um single de início de carreira de um irreverente ator, cantor e compositor: Eduardo Dussek.  Batizado com o nome de Eduardo Gabor Dusek, nosso focalizado nasceu no Rio de Janeiro, no comecinho do ano de 1958, ou seja, a primeiro de janeiro. Começou sua carreira artística na adolescência, aos quinze anos, como pianista de peças teatrais, ocasião em que também estudava na Escola Nacional de Música. Mais tarde, passou a compor suas próprias músicas e montou uma banda, devidamente apadrinhada por Gilberto Gil.  Em geral, as composições musicais do então Eduardo Dusek aliam sátira e bom humor. Sua estreia em disco deu-se em 1975, ao interpretar “Ela não sabia nada (Piccadilly rock)”, parte da trilha sonora da novela “Bravo!”, da TV Globo, assinando-se a princípio como Duardo Dusek.  Já com músicas gravadas por nomes de peso da MPB (como, por exemplo, “Seu tipo”, na voz de Ney Matogrosso, e “Folia no matagal”, por Maria Alcina, mais tarde regravada por Ney e por ele mesmo), revelou-se para o grande público em 1980, no Festival de MPB da Globo, interpretando “Nostradamus”, de sua autoria, cantando e tocando piano de fraque, asas e ceroula branca! Ainda nesse ano, gravou seu primeiro álbum-solo, “Olhar brasileiro”. Mas o estouro definitivo aconteceria em fins de 1982, quando gravou o LP “Cantando no banheiro”, no qual se destacaram os hits “Barrados no baile”, “Rock da cachorra” e a faixa-título.  Entre outros sucessos, destacam-se: “Brega-chique – O vento levou black” (mais conhecida por “Doméstica”), “Cabelos negros”, “Eu velejava em você”, “Amor e bombas” (que tocava na abertura de outra novela global, “Bebê a bordo”) e “Aventura”.  Em 1989, atuou no musical “Loja de horrores”, no papel de um dentista. Seus trabalhos em televisão foram muitos, particularmente no especial infantil “Plunct plact zuuuum” (Globo, 1983), no papel de um professor de Matemática, e em novelas, como “Xica da Silva” (Manchete, 1996, na qual fez o Capitão-Mor Emanuel  Gonçalo). Na Globo, interpretou a si próprio nas novelas “As filhas da mãe” (2001), “Celebridade” (2004), “Tititi” (segunda versão, 2010) e no seriado humorístico “Sob nova direção”. Também fez personagens fictícios em outras produções da emissora. Quando este comentário estava sendo redigido, estava no ar em “I love Paraisópolis” (2015), interpretando o personagem Armandinho. No cinema, atou em “Federal” (2010) e “Os penetras” (2012). Sua discografia como intérprete abrange sete álbuns-solo, gravados entre 1980 e 2011, e o coletivo “Sassaricando – E o Rio inventou a marchinha” (2006), trilha sonora do musical teatral de mesmo nome.

 Aqui, o TM oferece um raro compacto simples deste artista notável e de talento, então assinando-se como Duardo Dusek.  Lançado em 1978 pela RCA, hoje Sony Music, foi produzido a quatro mãos por Nelsinho Motta e Eustáquio Sena, com arranjos de Don Charles, e apresenta duas composições dele mesmo em parceria com Cássio Freire. Abrindo o single, “Não tem perigo”, e, no verso, “Apelo da raça”. Um disco realmente difícil de se encontrar e bastante raro, mas revela  um talento de futuro bastante promissor. Desfrutem
*Texto de Samuel Machado Filho
não tem perigo
apelo da raça
.

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta