Orquestra América Romântica – El Cha Cha Cha (1970)

Originário de Cuba, o chá-chá-chá é considerado uma variação do mambo. “La engañadora”, do violinista Enrique Jorrin, é considerada a primeira composição desse gênero, lançada em 1951. E o chá-chá-chá foi logo popularizado através de grandes bandas e orquestras, tendo no mambo seu ascendente mais direto.  Relativamente fácil de aprender, o chá-chá-chá pode muito bem ter sido a primeira dança pop de que se tem notícia, dado o seu caráter divertido, alegre e muito dinâmico, servindo de inspiração para muitos astros musicais do passado e do presente, ecoando hoje nos “tops” da música latino-americana, onde constam nomes como o guitarrista mexicano Carlos Santana e o cantor portorriquenho Ricky Martin, ex-integrante do grupo Menudo. É justamente dedicado ao chá-chá-chá o álbum que o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados. Lançado em 1970 perla gravadora Beverly com o selo AMC (iniciais do então proprietário da empresa. Adiel Macedo de Carvalho), faz parte de uma série denominada “Os maiores sucessos da música latino-americana”, que teve ainda títulos dedicados ao bolero, à rumba, ao tango  e ao beguine, todos com execução a cargo de uma certa Orquestra América Romântica, por certo criada na esteira dos Românticos de Cuba, da Musidisc, dos Namorados do Caribe, da RCA, e da Orquestra Serenata Tropical, da Plaza Music.  O disco não traz nenhuma informação sobre quem teriam sido os músicos e o regente de orquestra que participaram da gravação. Incógnitas à parte, porém, o fato é que  o álbum vai de encontro àqueles que apreciam o chá-chá-chá. Em suas doze faixas, mesclam-se clássicos do gênero  (“Cachito” e “El bodeguero”, popularizados no Brasil por Nat King Cole, e “Patrícia”, de Pérez Prado) e outras músicas tradicionais adaptadas para chá-chá-chá. Aqui se incluem “Night and day”, “Stardust”, o tema clássico “Pour Elise”, de Beethoven (que em certa época chegou a ser irritantemente tocado por alto-falantes de caminhões que distribuíam gás de cozinha!), “Arrivederci, Roma”, “Quizas, quizas, quizas”, “Nel blu dipinto di blu” (o famoso “Volare”), “Ojos negros” (tradicional canção folclórica russa) e, surpreendentemente, a brasileira “Mulher rendeira”, mundialmente popularizada graças ao filme “O cangaceiro”, de 1953. Tudo isso apresentado no “caliente” e irresistível ritmo do chá-chá-chá, pra dançarino nenhum botar defeito. E ahora… vamos a bailar!

cachito

mulher rendeira

nel blu, dipinto di blu

el bodeguero

pour elise

patricia

stardust

quizas quizas quizas

ojos negros

arrivederci roma

night and day

canção da índia

*Texto de Samueol Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta