Orquestra Rádio – Sambolandia (1958)

Ritmo brasileiro por excelência, o samba é a atração deste fascinante álbum que o TM oferece hoje a seus amigos cultos, ocultos e associados. Ele foi lançado em 1958 por uma gravadora que lançou exclusivamente “long-playings”, a Rádio. A empresa originou-se da Rádio Serviços e Propaganda, e teve até sua própria fábrica, na cidade de Petrópolis, região serrana fluminense, dispondo até de uma gráfica para imprimir as capas de seus vinis. Foi lá que o pianista Waldyr Calmon lançou seu primeiro LP, o dez polegadas “Ritmos melódicos”, embrião de outras séries de álbuns que gravaria nos anos seguintes, como “Feito para dançar” e “Para ouvir amando”.  Outros cantores e instrumentistas também lançaram LPs pela Rádio, tais como Sílvio Caldas, Onéssimo Gomes, Trio Nagô, Marília Batista (que gravou o primeiro álbum da história da Rádio, “Poeta da Vila número 1”, em 1952), Edu da Gaita, Claudionor Cruz, Fats Elpídio, Raul de Barros e o Conjunto Farroupilha. A direção musical da Rádio estava a cargo do maestro e compositor Aldo Taranto, sobre quem pouca coisa se sabe. Ele nasceu no Rio de Janeiro, em 8 de novembro de 1906, e, como compositor, fez músicas em parceria com Mário Rossi, Oswaldo Santiago, Ary Barroso, Walfrido Silva e André Filho. Suas obras foram gravadas por inúmeros cantores de expressão, como Sílvio Caldas, Gastão Formenti, Cármen Miranda, Dircinha Batista, Moreira da Silva e Ângela Maria. É justamente Aldo Taranto o responsável pelas orquestrações e regências do disco que o TM hoje nos oferece, parte de uma série da Rádio denominada “Discos para dançar”. O título, “Sambolândia”, deixa bem claro o conteúdo. É um LP composto exclusivamente de sambas, e, conforme registra a contracapa, foi gravado por solicitação dos donos de lojas de discos, que então recebiam a visita de inúmeros turistas que procuravam álbuns de samba. Evidentemente, a Rádio atendeu  a tais solicitações, e o resultado, primoroso, aí está. Foram escolhidos dez clássicos sambísticos, bastante conhecidos até hoje. E o mestre de Ubá, Ary Barroso, assina a metade das faixas, quer dizer, cinco: “Eu nasci no morro”, ‘Pra machucar meu coração”,”Morena boca de ouro”, “Rio” e “Faixa de cetim”. No repertório também está “Não tenho lágrimas”, de Max Bulhões e Mílton de Oliveira, que, curiosamente, seria sucesso internacional um ano depois, ao ser gravado em português pelo norte-americano Nat King Cole durante temporada no Brasil. “Abre a janela”, “Nêga maluca”, “É Bom parar” e “Se alguém disse” completam este trabalho dedicado ao samba, com orquestrações vibrantes e expressivas. Portanto, este trabalho hoje oferecido pelo TM é uma deliciosa viagem ao alegre mundo da “Sambolândia”. Apertem os cintos e divirtam-se, ouvindo e dançando estes sambas clássicos e antológicos!

abre a janela

nêga maluca

se alguém disse

eu nasci no morro

pra machucar meu coração

morena boca de ouro

não tenho lágrimas

é bom parar

rio

faixa de cetim

*Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta