Sandoval Dias – Um Saxofone Em Hi-Fi (1957)

Saxofonista, trompetista, clarinetista e arranjador, muito admirado entre os grandes nomes musicais de seu tempo. Este é o perfil de Sandoval Dias, que o TM põe novamente em foco no dia de hoje. Foi no dia 4 de maio de 1906, na capital baiana, Salvador, que ele veio ao mundo, com o nome completo de Sandoval de Oliveira Dias. Filho de músico, iniciou seus estudos de harmonia, solfejo e teoria musical ainda em Salvador, com Vivaldo Figueiredo, aos doze anos de idade.  Em 1921, Sandoval muda-se para a então capital da República, o Rio de Janeiro. Um ano depois, já participava da banda de música de Arcozelo, interior fluminense, dirigida por ele. Em 1927, troca o trompete pelo sax-tenor, instrumento que o celebrizou. Dois anos mais tarde, inicia sua carreira artística, tocando na Orquestra Pan American Jazz, no Cassino Assyrio. Pouco depois, excursionou com a companhia de revistas teatrais do ator Raul Roulien. Sandoval teve intensa atuação como músico de orquestra no Rio de Janeiro, a partir da década de 1930. É quando participa pela primeira vez de uma gravação, executando ao sax a música “Deliciosa”, junto com a orquestra de Harry Kosarin. Em 1931, passa a atuar na Orquestra Victor Brasileira, que acompanhava os cantores nas gravações da marca do cachorrinho Nipper, sob a direção do mestre Pixinguinha. Dois anos mais tarde passa-se para a orquestra de Napoleão Tavares, que atuava na Rádio Mayrink Veiga. A partir de 1938, exerce sua arte de saxofonista tocando em diversos cassinos: na Urca, com a orquestra de Romeu Silva, no de Icaraí, com a orquestra do maestro Sousa, e no Cassino Copacabana, com a orquestra do palestino Simon Bountman. Em 1941, é contratado pela lendária PRE-8, Rádio Nacional, onde permaneceria por vinte anos, tocando sob a regência de autênticos “cobras”: Léo Peracchi, Lírio Panicalli, Radamés Gnattali, Fon-Fon, Chiquinho, Aristides Zaccarias, etc., participando assim, das grandes orquestras da Era do Rádio. Em março-abril de 1952, lança seu primeiro disco, em 78 rpm, pela Continental, executando dois choros  de Radamés Gnattali: “Pé ante pé” e “Amigo Pedro”. Em 1957, organiza seu próprio conjunto, e, um ano depois, grava as “Brasilianas” números 7 e 8,  de Radamés Gnattali, que as dedicou ao próprio Sandoval e até participou da gravação do LP, ao lado dele e da pianista Aida Gnattali, esposa de Radamés. Em 1961, Sandoval transfere-se para a Rádio MEC, onde atuou como claronista (clarinete-baixo) na Orquestra Sinfônica Nacional do MEC, sob a regência de Eleazar de Carvalho. Mais tarde, na mesma emissora, atua no grupo Os Boêmios, com repertório que misturava sambas, chorinhos, valsas e sambas-canções. Sandoval Dias aposentou-se nos anos 1970, e passou a dedicar-se á regência de bandas, nas cidades fluminenses de Cordeiro e Nova Friburgo. Mais tarde, assume a função de maestro da Banda Civil do Rio de Janeiro, que exercerá até 1993, quando vem a falecer, no dia 6 de setembro, com a avançada idade de 93 anos.  Entre 1957 e 1965, Sandoval Dias gravou um total de catorze LPs, a maior parte na Sinter e em sua sucessora, a Philips/Polydor. E o TM traz hoje para a apreciação de seus amigos cultos, ocultos e associados, exatamente o primeiríssimo álbum dele. É “Um saxofone em hi-fi”, lançado em 1957 pela Sinter. Era um tempo, nunca é demais lembrar, em que os chamados discos “dançantes”, com orquestras e conjuntos, eram produtos que vendiam bastante, ideais para animar bailes e festas em residências e salões que não dispunham de música ao vivo. Para ajudar na venda do disco, foi posta na capa uma foto da atriz norte-americana Jayne Mansfield, verdadeiro “sex symbol” da época, vestindo “baby-doll” preto! Com texto de contracapa do compositor J. Cascata, que inclusive relata o entusiasmo do mestre Pixinguinha ao ouvir  o disco, ainda em fita, este álbum tem uma maravilhosa seleção musical, na qual se comprova sua preferência por canções românticas e dançantes, nas quais sentia-se muito á vontade para impor seu fraseado envolvente, suave, repleto de emoção, como aliás bem registra seu sobrinho Gilberto Gonçalves em seu blog “Na era do rádio”. Entre pérolas de sucesso dessa época (“Pensando em ti”, “No rancho fundo”, “Around the world”, “Love letters in the sand’, “Maria la ô”, etc.), o destaque fica por conta das “Czardas”, de Monti, mais apropriada para cordas e de execução difícil, mas aqui brilhantemente apresentada ao saxofone por Sandoval Dias, e em ritmo de samba, numa gravação espetacular , antológica e bastante elogiada, suficiente, por si só, para alçar o nosso Sandoval à condição de um dos maiores músicos de seu tempo. Um disco que, como também informa o Gilberto Gonçalves, nos traz saudosas recordações de uma época romântica e musical, quando tudo que se fazia era alimentado pela música que vinha de um aparelho de rádio. E era com fundos musicais como os deste álbum que o TM nos oferece, que se vivia nesse tempo. Verdes anos…

pensando em ti
love letters in the sand
maria lá o
encabulado
dejame en paz
neptuno18
nereidas
no rancho fundo
autumm leaves
czardas
aroud the world
deixa o meu coração cantar

*Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixar uma resposta