Paulo Barreiros – Violão Amigo (1959)

Violonista, compositor, arranjador e professor de violão. Trata-se de Paulo Medeiros, autêntico virtuose das cordas, que o TM focaliza hoje. Paulo veio ao mundo na cidade de Botucatu, interior de São Paulo, em janeiro de 1909. Teve suas primeiras aulas práticas de violão com Silvério Paes. Angelino de Oliveira (autor, entre outras, do clássico “Tristeza do jeca”) deu-lhe os primeiros conselhos práticos no campo da composição popular, como também Guido Bisacó e Mário Cacace, este último professor de canto orfeônico. Paulo aprofundou seus estudos de violão, teoria musical e harmonia deslocando-se periodicamente para São Paulo. Foi aluno dos professores Atílio Bernardini e Isaías Sávio, e estudou também no Conservatório Paulista de Canto Orfeônico, sob a direção do maestro Batista Julião. Nessas idas e vindas, conheceu e atuou com grandes nomes que despontavam para o mundo violonístico, caso de Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto, Ângelo Apolônio, o Poly, Laurindo de Almeida e Aymoré.  No Rio de Janeiro, Paulo Barreiros foi aluno de orquestração e regência do maestro Guerra Peixe. Trabalhou como músico profissional ao lado de outros grandes nomes da MPB e foi ativo membro-fundador da Sadembra (Sociedade Arrecadadora de Direitos de Execução Musical do Brasil). Deixou um substancial número de composições próprias e transcrições para o violão e, entre suas obras, destacam-se: “Coração de poeta”, “Choro típico” (números 1 e 2), “Velha saudade”, “Canção de outono”e “Mara”. Transcreveu para o violão obras de compositores eruditos (Bach, Liszt, Beethoven, Chopin) e populares (Ary Barroso, Dorival Caymmi, Ernesto Nazareth, Lírio Panicalli, etc.), revelando-se habilidoso arranjador, talvez um dos melhores de sua geração. Como violonista, formou ainda, juntamente com o professor Aymoré ao violão-baixo, e Manoel Marques na guitarra portuguesa, um trio que se apresentou durante muito tempo em programas de rádio, televisão e teatros por todo o Brasil. Paulo Barreiros faleceu em São Paulo, em março de 2004, com a avançada idade de 95 anos,  deixando gravados dois LPs-solo, além de outros acompanhando cantores como Roberto Fioravante e Ely Camargo. E é justamente seu primeiro LP como solista de violão editado pela Chantecler, em 1959, que o TM hoje oferece a seus amigos cultos, ocultos e associados. Trata-se de “Violão amigo”, que mereceu um entusiasmado texto de contracapa assinado por Moraes Sarmento, então notório apresentador de programas musicais de cunho saudosista na Rádio Bandeirantes de São Paulo. Neste disco, teremos oportunidade de ouvir alguns de seus notáveis arranjos para violão, de peças como “Aquarela do Brasil” e “Na Baixa do Sapateiro”, do mestre Ary Barroso, os tangos “El choclo” e “La cumparsita”, o dobrado “Capitão Caçulo” (conhecido também como “Canção do Exército” ou “Canção do soldado paulista”), além de trabalhos assinados por Armandinho (“Guru”, “Doloroso” e “Sempre no meu coração”) e Santana (“Sublime esperança”). O segundo LP de Paulo Barreiros, “Um violão em duas épocas”, só sairia em 1963, e ambos os discos seriam relançados juntos em CD com o título de “Violão brasileiro”. E o TM oferece hoje uma rara oportunidade, através deste primeiro LP, de apreciarmos o talento e a versatilidade deste notável violonista, tanto como arranjador quanto como executante, que infelizmente poucos brasileiros conhecem ou sequer sabem que existiu. Confiram…

aquarela do brasil

el choclo

guru

la cumparsita

concerto d’autunno

doloroso

na baixa do sapateiro

sublime esperança

marcha dos marinheiros

sempre no meu coração

moonlight fiesta

capitão caçula

*Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta