Ruben Blades – Ruben (1979)

Cantor, compositor, ator, músico, advogado, político. Este é o perfil de Ruben Blades, um dos maiores expoentes da música popular caribenha, conhecido como “o poeta da salsa”, que o TM põe em foco no dia de hoje. Com o nome completo de Ruben Blades Bellido de Lima, ele veio ao mundo na Cidade do Panamá, no bairro de San Felipe, em 16 de julho de 1948. Teve a sorte de nascer no seio de uma família onde a arte sempre ocupou um lugar privilegiado: o pai, colombiano, era percussionista, e a mãe, cubana, era pianista e cantora de boleros. Em 1974, aos 26 anos, graduou-se em Direito na Faculdade de Direito e Ciências Políticas da Universidade do Panamá, completando seus estudos profissionais em 1985, na Harvard Law School. Blades desenvolveu a maior parte de sua carreira musical nos EUA. Sua iniciação na música deu-se na Alegre Records e na afamada Fania Records, de Nova York, já mostrando talento como cantor. Realizou pequenas participações nas bandas de Pete Rodriguez , Richard Ray, Bobby Cruz e Ray Barreto. Participou, em 1969, da gravação do álbum “De Panamá a Nueva York”, com Pete Rodriguez, que, curiosamente, Blades não inclui em sua discografia. Mas foi sua parceria com o trombonista nova-iorquino Willie Colón que o celebrizou de vez, em 1977, com o álbum “Metiendo mano!”, que se tornou um clássico da salsa (ambos depois gravariam juntos mais sete discos). Um ano mais tarde, eles lançaram “Siembra”, outro clássico salseiro, o álbum mais vendido da história da Fania Records. Até hoje, Ruben Blades gravou mais de vinte álbuns, e participou de mais de quinze gravações  com artistas dos mais variados gêneros e tendências musicais. Em reconhecimento a seus trabalhos, já recebeu seis prêmios Grammy, e, no cinema,  participou como ator em vários filmes norte-americanos, entre eles “Situação crítica, porém jeitosa” (1987), “Rebelião em Milagro” (1988), “Homeboy – Chance de vencer” (idem ao anterior), “A chave do enigma” (1990), “Inimigo íntimo” (1997) e “Era uma vez no México” (2003).  Ruben Blades é também conhecido como um duro crítico dos regimes ditatoriais da América Latina, uma vez que sempre faz referência aos mesmos nas letras de suas canções. Criticou também o imperialismo norte-americano, na música “Tiburón”. Em 1994, candidatou-se a presidente da República de seu Panamá natal, obtendo o terceiro lugar, com 20% dos votos, dentre mais de uma dezena de candidatos. Em 2004, Blades apoiou a candidatura presidencial de Martin Torrijos (filho de Omar Torrijos) e, mais uma vez, este acabou vencendo as eleições. Blades aceitou e exerceu o posto de ministro do turismo nesse governo, e ficou no cargo até 2009. Nessa ocasião, iniciou uma fase mais interativa, apresentando um programa de rádio em formato “podcast”, no qual faz comentários sobre novas bandas, responde a perguntas de internautas e se mostra como é, sincero e claro com seus pensamentos. De Ruben Blades, o TM apresenta hoje para seus amigos cultos e ocultos o álbum “Bohemio y poeta”, também conhecido como ”Ruben”. Lançado pela Fania Records em 1979 e certamente inédito no Brasil, o disco apresenta, em sete faixas de pura salsa, para ouvir e dançar, uma pequena-grande retrospectiva dos primeiros anos da carreira discográfica de Blades. Há três faixas dele com a orquestra de Willie Colón (“Me recordaras”, “Pablo Pueblo” e ‘La mora”), uma com a orquestra de Louie Ramirez (“Paula C.”), outra com a orquestra de Ray Barretto (“Canto abacua”) e duas com a orquestra Fania All-Stars, as mais recentes do disco: “Juan Pachanga” (1977) e “Sin tu cariño” (1978). Enfim, um disco que serve muito bem de introdução à obra de Ruben Blades, cujo estilo já foi designado de “salsa intelectual”. Deliciem-se…
juan pachanga
si tu cariño
paula c
me recordaras
pablo pueblo
la mora
canto abacua
*Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta