Revista do Henfil (1978)

Em sua postagem de hoje, o TM presta uma justa homenagem a um expressivo cartunista, jornalista e escritor brasileiro: Henrique de Souza Filho, ou, como ficou para a posteridade, Henfil.  Ele nasceu em Ribeirão das Neves, Minas Gerais, no dia 5 de fevereiro de 1944. Cresceu na periferia de Belo Horizonte, onde fez seus primeiros estudos, frequentou um curso supletivo noturno e um curso superior em sociologia na Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, que abandonou após alguns meses. Foi embalador de queijos, contínuo em uma agência de publicidade e jornalista, até se especializar, no início dos anos 1960, em ilustração e produção de histórias em quadrinhos.  Nessa atividade, estreou em 1964, quando, a convite do editor e escritor Roberto Drummond, começou a trabalhar na revista belorizontina “Alterosa”, onde criou “Os Franguinhos”. Um ano depois, passou a colaborar como caricaturista político no jornal “Diário de Minas”. Em 1967, criou charges esportivas para o “Jornal dos Sports”, do Rio de Janeiro. Os trabalhos de Henfil também apareceram nas revistas “Realidade”, “Visão”, “Placar”, e “O Cruzeiro”, além do “Jornal do Brasil” e do tablóide “Pasquim”, onde seus personagens ficaram bastante populares. Já envolvido com a política do país, Henfil lançou, em 1971, a revista “Fradim”, que teve31 números publicados até 1980, cuja marca registrada era o desenho humorístico, crítico e satírico, com personagens tipicamente brasileiros, como os fradinhos Cumprido e Baixim, a Graúna, o bode Orelana, o nordestino Zeferino e, mais tarde, Ubaldo, o paranoico. Henfil passou toda a sua vida a defender o fim do regime ditatorial pelo qual o Brasil passava. Tentou seguir carreira nos EUA, onde passou dois anos em tratamento de saúde. Como não teve lugar nos principais jornais norte-americanos, sendo renegado a publicações “underground”, escreveu o livro “Diário de um cucaracha” e, de volta ao Brasil, passou a colaborar na revista “Istoé”, escrevendo a coluna “Cartas à mãe”. Pelo conjunto de obra nessa revista, Henfil recebeu, em 1981, o Prêmio Vladimir Herzog, na categoria Artes. Outras de suas obras são “Henfil na China” (1980), “Diretas já” (1984) e “Como se faz humor político” (1984). Envolveu-se também com cinema (fez o filme “Tanga: deu no New York Times?”), teatro e televisão (teve inclusive, um quadro humorístico no programa “TV Mulher”, da Globo), mas ficou marcado mesmo por sua atuação nos movimentos sociais e políticos brasileiros. Como outros dois de seus irmãos – o sociólogo Betinho e o músico Chico Mário – Henfil herdou da mãe a hemofilia, distúrbio que impede a coagulação do sangue, fazendo com que a pessoa seja mais suscetível a hemorragias. E, após uma transfusão de sangue, acabou contraindo o vírus da AIDS. Henfil acabaria falecendo em 4 de janeiro de 1988, aos 43 anos, no Rio de Janeiro, vítima de complicações dessa doença. E em pleno auge da carreira, com seus trabalhos aparecendo nas principais revistas brasileiras e no jornal “O Estado de S. Paulo”, onde publicava os quadrinhos da Graúna. Pois o TM presta justa homenagem a este notável artista apresentando hoje, a seus amigos cultos e ocultos, o álbum com as músicas do espetáculo teatral “Revista do Henfil”, que estreou em São Paulo no dia primeiro de setembro de 1978, inaugurando o (então) novo Teatro Galpão/Ruth Escobar, e depois percorreu várias das principais cidades brasileiras. O espetáculo contou com as participações de Paulo César Pereio, Rafael de Carvalho, Sônia Mamede e da própria Ruth Escobar, entre outros. O texto foi do próprio Henfil, em parceria com Oswaldo Mendes, e as músicas, de autoria de Cláudio Petraglia (que também atua ao piano na faixa “Esta vida é um mafuá”), são interpretadas pelo elenco da peça, em gravação feita ao vivo pela Bandeirantes Discos, sob a supervisão de Sérgio Lopes.  Em suma, é mais um valioso tesouro musical que o TM resgata, para alegria e satisfação de todos aqueles que apreciam o que é bom.

henfil vai bem
seu presidente nosso abra’co
uai uai uai
xaxado
as riquezas da caatinga
cancão de amor
sambao
cancao da graúna
essa vida ‘e um mafua
tem peba na ceroula
ultima carta
henfil vai bem

Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta