O Melhor Do Millôr (1986)

Em sua postagem de hoje, o TM presta merecida homenagem àquele que foi um dos maiores humoristas brasileiros, de longa atividade na imprensa brasileira, tendo sido jornalista, escritor, desenhista, tradutor, escritor, poeta e dramaturgo. “Enfim, um escritor sem estilo”, como ele mesmo se apresentava. Trata-se de Millôr Viola Fernandes. Ele era do subúrbio do Méier, zona norte do Rio de Janeiro, e ali nasceu a 16 de agosto de 1923, filho do imigrante espanhol   Francisco Fernandes e da brasileira Maria Viola Fernandes. Entretanto, por descuido dos pais, só acabou registrado quase um ano depois, a 27 de maio de 1924, que passou a ser sua data oficial de vinda ao mundo, com o nome de Mílton Viola Fernandes (o nome Millôr teria se originado da letra garranchenta do escrivão!). Em 1925, ainda bebê, Millôr perdeu o pai, então com 36 anos de idade, e sua mãe passou a trabalhar como costureira, além de alugar parte do casarão em que a família morava (eram quatro filhos, incluindo Millôr). Em 1934, quando cursava o ensino básico, ele perdeu também a mãe, vítima de câncer. Os irmãos se separaram e Millôr, então com 10/11 anos de idade, foi morar com a avó num quarto no fundo do quintal da casa do tio materno, Francisco. Ainda em 34, estimulado pelo tio paterno, Antônio, enviou um desenho para “O Jornal”, matutino que pertencia aos Diários Associados. O trabalho é aceito e publicado, e ele recebeu um pagamento de dez mil-réis. Aos quinze anos, em 1938, conseguiu seu primeiro emprego fixo, como entregador de um remédio para os rins (!), mas ele durou pouco na função, logo se ocupou do trabalho que o acompanhou para o resto da vida. Ainda em 38, passou a trabalhar na revista “O Cruzeiro”, então a de maior circulação no Brasil, como paginador, contínuo e factótum. Em 1943, escreve a seção “Poste escrito”, para a revista “A Cigarra”, também dos Diários Associados e, dois anos depois, em “O Cruzeiro”, estreia a seção “O Pif-Paf”, sob o pseudônimo de Emanuel Vão Gogo, em parceria com o cartunista Péricles Maranhão, criador do Amigo da Onça. Em 1946, sai o seu primeiro livro, “Eva sem costela – Um livro em defesa do homem”, sob o pseudônimo de Adão Júnior, e depois viriam muitos outros, tais como “Tempo e contratempo” (como Emanuel Vão Gogo, 1949), “Lições de um ignorante” (1963), “Fábulas fabulosas” (1964), “Papaverum Millôr” (1967), “Trinta anos de mim mesmo” (1972, um apanhado de seus melhores trabalhos na imprensa), “Compozissõis imfãtis” (1975, aliás o título é esse mesmo), “O livro branco do humor” (idem ao anterior) e “Millôr definitivo – A Bíblia do caos” (1994). Em mais de 70 anos de carreira, Millôr ganhou fama por suas colunas de humor gráfico em publicações como “O Pasquim”, “Correio da Manhã”, “Tribuna da Impernsa” (que pertencia a seu irmão Hélio Fernandes), “Jornal do Brasil”, “Veja” e “Istoé”.  Em seus trabalhos costumava valer-se de expedientes como a ironia e a sátira para criticar o poder e as forças dominantes, sendo consequentemente  bastante confrontado com a censura. Escreveu também inúmeras peças teatrais, como “Um elefante no caos”, “Liberdade, liberdade”  (com Flávio Rangel), “É…” (talvez seu maior sucesso nessa área), “Os órfãos de Jânio” e “Computa, computador, computa”, além de ter traduzido outras 74, caso de “O prodígio do mundo ocidental” (John M. Synge), “Quem tem medo de Virgina Woolf?” (Edward Albee), “Pigmalião” (Bernard Shaw) e “Rei Lear” (Shakespeare). Outro fato marcante na vida de Millôr foi a invenção do frescobol, esporte que implementou junto com outros colegas na Praia de Ipanema, em 1958. No cinema, colaborou em três filmes dirigidos pelo argentino Carlos Hugo Christensen:  “Amor para três” (1960), “Crônica da cidade amada” (1965) e “O menino e o vento” (1967), e foi ainda corroteirista em “Modelo 19” (1950). Com a saúde fragilizada após sofrer um AVC, no começo de 2011, Millôr Fernandes  morreu no dia 27 de março de 2012, aos 88 anos de idade, deixando um vasto e expressivo legado para as futuras gerações. Dele também faz parte o álbum que hoje o TM possui a satisfação de oferecer hoje a seus amigos cultos e ocultos. É “O melhor do Millôr”, lançado em 1986 pela Continental (selo Phonodisc).  Sob a batuta do produtor Solano Ribeiro (notório pela organização de festivais de MPB para a televisão), e com a participação de Fernanda Montenegro,  Fernando Torres (marido de Fernanda), Luiz Carlos Miéli, Ruy Affonso (igualmente responsável pelo roteiro deste disco) e, claro, do próprio Millôr, o álbum é praticamente um resumo da trajetória dele como humorista e escritor. Temos aqui, por exemplo, uma de suas “Composições infantis”, “A água”, o conto “O abridor de latas” (“o primeiro escrito inteiramente em câmera lenta”, segundo definiu o próprio autor), o poeminha “Última vontade”, “Poesia matemática”, o “Decálogo do machão”, “Confúcio disse”… Enfim, uma obra-prima digna de ser desfrutada, que se constitui em diversão garantida e, ao mesmo tempo, uma merecida homenagem que o TM faz a este notório e inigualável humorista que foi Millôr Fernandes!




*Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta