Os Terríveis – Barra Limpa (1967)

Olá amigos cultos, ocultos e associados de plantão! Segue aqui a postagem de hoje. Tô numa correria brava, mesmo assim, não vou querer deixar o Toque Musical sem seu registro diário. Puxei do gavetão, e por acaso, este álbum dos áureos tempos da Jovem Guarda. Aqui vai mais um daqueles conjuntos instrumentais que habitavam o universo musical pop dos anos 60 no Brasil. Temos desta vez Os Terríveis, que em outros discos da época poderiam ter sido, Os Brasas, Os Gatões, Os Cabeludos ou coisa assim. Sinceramente, não tenho nenhuma informação sobre eles e o nosso discos aqui é prova disso. Um álbum sem compromisso, feito com o intuito puramente comercial, aproveitando a onda, mora? Em seu repertório desfilam músicas que eram o sucesso da época, temas nacionais e internacionais. De Roberto Carlos, Martinha e Carlos Imperial à Herman’s Hermits, The Monkees, Luigi Tenco e outros. Pessoalmente, acho tudo jóia, barra limpa. A cara dos discos da Paladium 🙂

georgy girl
ciao amore ciao
eu não presto mais te amo
i’m believer
sunny
ma (he’s making eyes at me)
no milk today
barra limpa
penny lane
faça alguma coisa pelo nosso amor
quando dico che ti amo
a praça

PS.: Logo após postar este álbum, um de nossos amigos nos enviou um esclarecimento sobre quem eram Os Terríveis. A fonte foi o blog “La Playa Music – Oldies”   cujo texto eu replico aqui:
Os Terríveis foi um grupo formado em Recife, Pernambuco, que foi para o Rio de Janeiro em 1965 buscar um maior espaço no cenário musical. Inicialmente tinham a denominação de “Os Lords”, mas como já existia uma banda com o mesmo nome e mais famosa foram obrigados a mudá-lo para “Os Terríveis”. O empresário do grupo era chamado Galindo. Ao chegar ao Rio de Janeiro, o grupo se apresentou nos programas de Rádio de José Messias e Célia Mara na Rádio Mauá e nos Programas de TV (Rio Hit Parade) no canal 13, chegando a acompanhar Roberto Carlos na música “É papo firme”. Também tocaram no Programa de Jair de Taumaturgo. 

Os integrantes da Banda por ocasião da gravação do primeiro disco “Long Play”, chamado de “Hit Parade” selo SBA, eram: Heronildes Alves Ferreira, apelidado de “Nido Mau” (guitarra solo), Beto (baixo), Geo (sax), Nado (guitarra base) e Nando (bateria). Por ocasião da gravação do segundo disco, “Onda Jovem”, selo SBA, saiu o guitarrista Nado e entrou o Milton, apelidado de “Zé Colmeia”, na guitarra base. 

Já por ocasião da gravação do terceiro disco “Barra Limpa”, Selo Parlophone, pela gravadora Odeon, incluído nesta postagem, saiu o saxofonista Geo, não tendo substituo. Marcos Fontenely, o “Nely”, foi o guitarra base neste disco, substituindo o guitarrista Nilton. 

O conjunto se dissolveu em 1968. O grupo gravou também um compacto duplo com músicas de natal, hoje raríssimo. (Fonte: livro “O Rock and Roll – origem, mitos e o rock instrumental no Brasil e em outros países”, de Laércio Pacheco Martins, editora própria.)

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta