As Maiorais do Ano (1959)

Para não ficarmos apenas orbitando sobre futebol e festa junina, aqui temos uma boa coletânea do selo Continental, disco este lançado no ano de 1959. Temos nesta seleção musical um leque variado do ‘cast’ da gravadora. Algumas músicas até já foram apresentadas aqui em seus álbuns originais, todavia há outras, raros momentos que irão despertar o interesse. São amostras do que foi produzido pela gravadora naquele ano. Vejam que boa coletânea…

baiano burro nasce morto – gordurinha
ela disse-me assim – jamelão
perfume de gardênia – lauro paiva
eu sei que vou te amar – albertinho fortuna
quero beijar-te as mãos – duo guarujá
fumaça nos teus olhos (smoke gets in your eyes) – tito madi
a felicidade – chiquinho e seu conjunto
luna de miel en puerto rico – titulares do ritmo
estúpido cupido – neide fraga
a filha da lavadeira – risadinha
você – marina barbosa
manhã de carnaval – bil farr

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

14 thoughts on “As Maiorais do Ano (1959)

  1. Oi, eu ainda:
    Ao descompactar o 7-zip diz que tem erro de CRC, mas tá dando para ouvir…
    O free rar extract frog não consegue descompactar. Dá uma olhada.
    Abrs
    S

    S

  2. Puxa vida… esse disco também está nos meus guardados! Abrindo o LP, temos “Baiano burro nasce morto”, com o grande Gordurinha e a participação do recém-falecido comediante Mário Tupinambá, que eles também apresentaram no filme “Titio não é sopa”, da Cinedistri, estrelado por Procópio Ferreira, Eliana Macedo e Herval Rossano. É um revide às piadas que circulavam a respeito dos baianos, e Gordurinha voltaria ao assunto em 1962, no coco “Baiano não é palhaço”, lançado por ele mesmo na RCA Victor. Em seguida, o grande Jamelão vem com “Ela disse-me assim” (subintitulado “Vai, embora”), do mestre da dor-de-cotovelo Lupicínio Rodrigues, maior sucesso do cantor de Vila Isabel que marcou época puxando sambas-enredo na Mangueira, sua escola de coração. O bolero “Perfume de gardenia”, sucesso do cubano Bienvenido Granda (“o bigode que canta”) é aqui apresentado com o pianista Lauro Paiva. Albertinho Fortuna, português de Gaia e integrante do Trio Melodia com Nuno Roland e Paulo Tapajós, apresenta sua versão de “Eu sei que vou te amar”, clássico da parceria Tom Jobim-Vinícius de Moraes, que só em 1959 teve VINTE E SETE gravações diferentes, um recorde digno do Guinness! A guarânia “Quero beijar-te as mãos”, sucesso de Anísio Silva (também cantado por ele no filme “Titio não é sopa”) aqui está com o Duo Guarujá (Armando Castro e Nilce Ribeiro), pois Anísio era da Odeon. “Fumaça nos olhos” é versão do clássico americano “Smoke gets in your eyes”, e foi uma das últimas gravações de Tito Madi na Continental, pois ainda em 1959 ele iria para a Columbia (hoje Sony Music). O samba clássico de Jobim e Vinícius “A felicidade”, da trilha sonora do filme “Orfeu negro” (que passou no cinema como “Orfeu do carnaval”), produção francesa filmada a cores no Brasil e vencedora do Oscar de filme estrangeiro em 1959, aqui aparece com o conjunto do acordeonista Chiquinho (no filme foi interpretado por Agostinho dos Santos, que na época era contratado da RGE). Os talentosos deficientes visuais que integravam os Titulares do Ritmo interpretam aqui o merengue “Luna de miel en Puerto Rico”, do portorriquenho Bobby Capó (1922-1989) e ainda fazem coro para Neide Fraga (na época contratada da Rádio e TV Record de São Paulo) em “Estúpido Cupido” (curiosamente, os Titulares do Ritmo também fizeram coro para Celly Campello na clássica gravação que ela fez na Rádio Eldorado de São Paulo para a Odeon. De quebra, os Titulares do Ritmo fizeram seu próprio registro de “Estúpido Cupido” – com a direito até a coro feminino – em um raríssimo 78 rpm da gravadora Califórnia, de propriedade do compositor Mário Vieira, co-autor do clássico baião “Sabiá na gaiola”). Risadinha, o sambista do clássico carnavalesco “Se eu errei”, de 1953, aqui comparece com o interessante “A filha da lavadeira”, de Fonseca Filho. Tem ainda a marcha-rancho “Você”, de Mário Albanese e Heitor Carillo, com Marina Barbosa, um daqueles nomes que tiveram sua época e foram esquecidos com o implacável passar do tempo, e, para encerrar, o clássico “Manhã de carnaval”, de Luiz Bonfá e Antônio Maria, também interpretado por Agostinho dos Santos na trilha sonora do filme “Orfeu negro/Orfeu do carnaval” e aqui interpretado por Bill Farr.

  3. porque chegam com tanta sede e nem percebe os avisos e orientaçoes. se antes lêssem saberiam como tudo funciona por aqui.
    tá tudo aí, basta se orientar, ler. leia o blog!

Deixe uma resposta