A Festa Do Natal (1974)

Boa noite a todos, amigos cultos e ocultos! Como já estamos bem próximos do Natal, aqui vai um disquinho para comemorar, A Festa do Natal, uma coletânea de sucessos lançada originalmente pela Copacabana em 1959. Em 1974 o disco voltou a ser relançado, através do selo Som. Aqui encontramos Angela Maria, Altamiro Carrilho, Carequinha, Agnaldo Rayol. Inezita Barroso, Jairo Aguiar, Golden Boys e Os Titulares do Ritmo, todos apresentado um tema de Natal. Na verdade esta é uma seleção com músicas natalinas extraídas de discos desses artistas. Disquinho bacana que não poderia faltar nesta data. Confiram no GTM…
 
oração – angela maria
meu bom papai noel – carequinha
o primeiro natal – agnaldo rayol
cantiga de natal – jairo aguiar
entrai pastorinhas – inezita barroso
o tannenbaum – os titulares do ritmo
sino de belém – os titulares do ritmo
missa do galo – carequinha
eterno natal – agnaldo rayol
vinde pastores – jairo aguiar
natal as crianças – the golden Boys
boas festas – altamiro carrilho e sua bandinha
 
.

Clóvis Pereira – Velhos Sucessos Em Bossa Nova (1963)

Boa noite a todos, amigos cultos e ocultos! Aqui vai mais um disco bacana para se encaixar nessa mostra de fim de ano. Tenho para vocês “Velhos Sucessos em Bossa Nova”, lp do maestro e pianista Clóvis Pereira, disco lançado em 1963 pelo selo Mocambo, da Rosenblit. 
Eu estava buscando mais informações sobre este disco quando me deparei com um texto do jornalista José Teles, achei tão completo que tomo a liberdade de reproduzi-lo aqui:
“…estreia em disco do maestro Clóvis Pereira, com um time formado por craques do instrumental pernambucano, recriando sucessos de décadas anteriores, em roupagem bossa nova. Na época, depois dos intérpretes de BN, quase tudo na cola de João Gilberto, a onda eram os combos de samba jazz. Clóvis Pereira foi além, e formou uma orquestra de bossa nova, com instrumentação inovadora, com um naipe de saxes, dois trompetes, um trombone, celo, contrabaixo, percussão, violões, e ele, o maestro no piano. Talvez o desnecessário neste disco é o “velhos sucessos”, até porque João Gilberto, no LP que modernizou a música popular brasileira, interpreta quatro Ary Barroso, Dorival Caymmi, Marino Pinto e Zé da Zilda, duas das canções, estão neste LP de Clóvis Pereira, Aos Pés da Cruz, e Morena Boca de Ouro. O repertório do LP vai de Sinhô (Gosto que me enrosco), a João de Barro, Noel Rosa, Ary Barroso, e Ataulfo Alves, o menos conhecido Waldemar Gomes e Afonso. Teixeira, do então ainda recente sucesso Nega (gravado por Jorge Veiga em 1958). Se o repertório é impecável, o que dizer dos músicos que Clóvis arregimentou? Sivuca toca um dos três violões, o trombonista é o também compositor Senô (autor de, entre outras, Duda no Frevo), os quatro saxes são de Valderedo (soprano), Ivanildo (alto), Maurício (barítono), e Duda (tenor). Assim como estes, os demais, Miro, Zezinho, Chagas, são tudo cobra criada, de talento calejado em orquestras de baile e de frevo, ou nos estúdios da Rozenblit, então no auge. Os arranjos são todos muito bons. Amélia, por exemplo, começa com um uníssono de saxes. O maestro Duda mostra seu lado Stan Getz, dialogando com o sax de Ivanildo, na abertura do álbum, com Não me diga adeus (Paquito/Soberano), mais para o jazz West Coast (o que mais influenciou os bossa novistas).
Fim de Semana em Paquetá (João de Barros/Alberto Ribeiro) tem um toque de Stan Kenton, com a cozinha de contrabaixo, bateria e ritmistas (como se chamavam então percussionistas) firmes e discretos, enquanto saxes e trompetes se revezam nos improvisos. 54 anos depois ete álbum não perdeu o frescor, é daqueles trabalhos aos quais o tempo não causa danos, pelos contrário os torna ainda melhores.”
 
não me diga adeus
fim de semana em paquetá
madalena
morena boca de ouro
no rancho fundo
helena, helena
gosto que me enrosco
fita amarela
o orvalho vem caindo
aos pés da cruz
nêga
amélia

 

 
 

 

Neco E Seu Violão – Coquetel Bossa Nova (1963)

Olá, amiguinhos cultos e ocultos! E segue a bossa e os diversos discos a ela relacionados. Discos esses já bem divulgados em diversos outros blogs que hoje já nem existem mais. E assim sendo, o Toque Musical os recebe de herança. Digo herança porque muitas vezes eu prefiro pegar o arquivo pronto original ao invés de digitalizar discos e capas. Só tenho feito isso quando os arquivos de áudio estão em baixa qualidade ou incompleto, sem contracapa ou selos. Enfim, é no Toque Musical que tudo se completa e eterniza (que seja eterno enquanto dure!)
Então, temos desta vez a presença de Daudeth Azevedo, músico carioca mais conhecido pela alcunha de Neco. Foi um instrumentista e arranjador. Participou de shows e gravações de centenas de discos da MPB. Era essencialmente um músico de estúdio, mas também foi integrante de grupos como Os Ipanemas, com Astor Silva; Banda Veneno, de Erlon Chaves; Os Catedráticos, de Eumir Deodato e Os Gatos, de Durval Ferreira. Gravou também quatro discos solos, sendo este “Coquetel Bossa Nova” seu primeiro disco, gravado em 1963 e lançado em 64. Os arranjos deste disco são Astor Silva, padrão CBS. Confiram já, no GTM…
 
jogado fora
você
está nascendo um samba
se chegou assim
ah! se eu pudesse
corcovado
nós e o mar
com amor não se brinca
tem dó
a mesma rosa amarela
tristeza e solidão
sorriu para mim
 
 
.

Orquestra Moderna de Câmara – Brasil Bossa Nova (1962)

Bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Dentro desta mostra de fim de ano, trago aqui mais uma orquestra em ritmo de Bossa Nova. Temos desta vez a Orquestra Moderna de Câmara e seu lp “Brasil Bossa Nova”, um disco lançado pelo sofisticado e diferenciado selo Nilser, do músico e empreendedor Nilo Sérgio que também era o dono da gravadora brasileira Musidisc. Os álbuns da Nilser eram geralmente produções luxuosas, em capa dupla, com recortes e outras características conceituais que os diferenciavam dos discos fabricados no Brasil. Um bom exemplo é este, que tem capa dupla, recortes e um trabalho de arte magnífico, com ilustração do artista Ademir Martins. “Brasil Bossa Nova” é um belíssimo disco com essa orquestra que provavelmente era a de estúdio da Musidic e isso se percebe pela total ausência na ficha técnica até mesmo do maestro e arranjador. Mas, independente disso, o que temos aqui é um repertório, para a época, moderno com várias músicas que se tornaram clássicos os verdadeiros clássicos da Bossa Nova. Muito bacana, não deixem de conferir…
 
solução – dizem por aí
chega de saudade – o menino desce o morro
ideias erradas – chora tua tristeza
na cadência do samba – leva meu samba
meditação – este seu olhar
samba de uma nota só – desafinado
manhã de carnaval – a felicidade
samba triste
o barquinho
menina moça – mulher de trinta
mulata assanhada – samba que eu quero ver
 
 
.
 

Orquestra Rudá – Clássicos Em Bossa Nova (1963)

Bom dia, caros amigos cultos e ocultos! Continuando nossa saga fonomusical temos para hoje a Orquestra Rudá, também conhecida como Orquestra Fantasia, de Rogério Duprat. Segundo informações, este foi o primeiro disco de Duprat, que na época ainda era professor da Universidade de Brasília, da qual acabou saindo devido ao Golpe de 64. Mudou-se para São Paulo e passou a trabalhar como diretor artístico de uma nova gravadora paulista, a VS (Som Indústria Villela Santos Ltda). Conforme um texto do cantor Alberto Pavão, que também trabalhou com Duprat, gravadora VS entrou no mercado fonográfico com muita ambição. Era dirigida pelo radialista Ataliba Santos em sociedade com o empresário Paulo Villela. Criaram dois selos, o VS comercial, no qual lançava lps e compactos do elenco da gravadora e também o selo Penthon que era destinado a produção de lps vendidos a domicílio, tal qual fazia a Odeon com seu selo Imperial, ou como o selo mineiro Paladium. O selo Penthon era para assinantes e não era vendido em lojas. Daí a razão pela qual este lp ser hoje uma raridade, pois a produção foi limitada, embora e ao que parece, também chegou a ser lançado pelo selo comercial. Na versão ‘venda a domicílio’ o disco apresentava uma outra capa, como podemos ver nas imagens menores. “Clássicos em Bossa Nova” foi um disco inovador, pois seguindo projetos semelhantes, como os discos do maestro Peruzzi na RGE e depois MGL, onde este misturava ritmos de samba para músicas clássicas, aqui, com a Orquestra Rudá ele faz algo parecido, só que através do batido da Bossa Nova. É, sem dúvida, um disco dos mais interessantes e na época chegou a chamar a atenção. Aqui no Toque Musical ele agora se eterniza, pois em outros tempos já havia sido publicado nos finados blogs Abracadabra e Loronix. Confiram no GTM…
 
abertura, do guarani – carlos gomes
valsa, opus 61 nº1 em lá bemol – chopin
andantino – quarta sinfonia de tschaikowsky
tema de concerto para piano opus 54 – schuman
noturno opus 9 nº 2 em mi bemol – chopin
preludio e brinde da traviata – verdi
dança macabra – saens
tema do 1º movimento das sinfonias 4ª de brahms e 5ª de beethoven
o cisne – saens
andante cantabile 5ª sinfonia de tschaikowsky
 
 
.

Os Bossa Três – & Seus Amigos (1962)

Olá, amigos cultos e ocultos! E por falar em jazz, que tal este Bossa Três? No início do ano postamos no Toque Musical aquele que foi o terceiro álbum de uma série de três lançada por este fantástico grupo formado por Luiz Carlos Vinhas, Edson Machado e Tião Neto, quando então estiveram em temporada pelos Estados Unidos e por lá gravaram, através do selo Audio Fidelity. Desta vez, trazemos o segundo lançamento, um disco ainda mais enfronhado no jazz, onde de suas doze faixas, dez são de compositores americanos. Somente as duas faixas de abertura dos lados A e B são dOs Bossa Três. E temperando ainda mais este prato, o trio vem acompanhado pelos não menos fenomenais saxofonistas, Clifford Jordan, Sonny Simmons e Prince Lasha. Um discaço para quem gosta de jazz e de bossa. Por essas e outras é que não poderia faltar no TM. Agora fica faltando o primeiro, Os Bossa Três e Jo Basile, que postaremos numa próxima oportunidade, ok? 
 
bottes
blue monk
love for sale
cutie
moanin’
well you needn’t
dahod
epistle to train
days wine and rose
whisper not
yesterdays
minortory
 
 
.
 
 

Moacyr Marques E Seu Conjunto – Jazz E Bossa Nova (1960)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Vai aqui mais um disco merecedor do nosso toque musical. Hoje temos Jazz & Bossa Nova, disco do saxofonista Moacyr Marques e seu conjunto, gravado no final dos anos 50 e lançado pelo selo Tiger. Este é mais um lp que frequentadores de blogs de música já conhece bem, pois como outros que tenho postado aqui, já foram antes publicados, mas como sempre digo, é no Toque Musical que esses discos se eternizam.
Segundo informações, este foi o primeiro lp de Moacyr Marques, o Bijou, como era também conhecido. Em 59 ele gravou um compacto duplo pelo pequeno selo Tiger o que lhe garantiu, na sequencia, a gravação deste lp. Jazz e Bossa Nova é um misto de samba e música americana, sem dúvida também, um disco de jazz e porque não dizer com muita bossa. Confiram este lp no GTM…
 
talking a chance on love
silk stop
my funny valentine
anniversary theme
lullaby of birdland
calypso in brazil
teleco teco nº2
a saudade não foi leal
samba feliz
real conclusão
gin-kana
ideias erradas
 
 
.

Carmélia Alves – Vamos Dancar Bossa Nova (1964)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Segue o toque musical do dia… Hoje temos a presença da ilustre cantora Carmélia Alves, também mostrando que é boa de bossa, num lp que é pura Bossa Nova. “Vamos dançar bossa nova” foi um disco lançado pelo selo Mocambo, da fábrica pernambucana Rosenblit, em 1964. O disco traz uma série musical de sucessos que permeiam o universo da chamada Bossa Nova. Carmélia é realmente uma grande cantora e desfila com desenvoltura nesse repertório impecável. Não deixem de conferir…
 
o samba brasileiro
quem quiser encontrar o amor
rede de mangueira
eu preciso de você
samba de uma nota só
você e eu
na cadência do samba
valsa de uma cidade
só danço samba
o barquinho
deixa a nega gingar
corcovado
 
 
.
 
 

Osmar Milani E Sua Orquestra – Bossa Nova Das Americas (1963)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Hoje temos para o nosso toque este lp, de 1963, lançado pelo selo Fermanta, apresentado o maestro Osmar Milani e sua orquestra em, “Bossa Nova das Américas”. Este disco segue a receita de muitos outros lançados naquela época, um seleção musical que envolve sambas e standards da música americana, mas tudo com muita bossa, ou seja, ao ritmo do samba. Arranjos muito bons e com muito balanço. Confiram no GTM….
 
balanço das notas
i surrender dear
sambossa nº1
sophisticated lady
na cadência do samba
soletude
waltzing cat
neném
i’ll buy the ring and chance your name to mine
samba na madrugada
red roses for a blue lady
minha canção
 
 
.
 

Joel De Almeida – E Sua Bossa (1957)

Olá, amigos cultos e ocultos! Como já deu para perceber, neste mês de dezembro eu estou postando aqui algumas coisas relacionadas a Bossa Nova. Andei recolhendo uma série de discos e arquivos que me foram enviados ao longo desse tempo, muitos desses são discos já postados em outros blogs e como grande parte desses já não existem mais, ou já não trazem mais ativos os seus links, então é chegada a hora do Toque Musical fazer o trabalho de novamente resgatar. Aqui é certo de que pelo menos nos próximos seis meses os links estarão ativos e caso já não estejam, há sempre uma forma dos amigos colaborarem com uma doação, em troca de um atendimento exclusivo. “O importante é que a nossa emoção sobreviva”, já dizia o mestre  Paulo Cesar Pinheiro.
Então, temos para hoje, não exatamente um disco de Bossa Nova, mas com muita bossa, quando o termo bossa era mais genérico. Apresento a vocês este lp de 10 polegadas do cantor e compositor Joel  de Almeida, da dupla Joel e Gaúcho, artistas os quais já postamos disco aqui no Toque Musical. Neste lp, originariamente lançado no Brasil em 1957 temos uma seleção de sambas, fox, maxixe e cha cha cha. Fonogramas esses, certamente, extraídos de gravações em seus discos de 78 rpm. Interessante notar, logo por esta capa, que a mesma é uma edição gringa, ou seja, um disco lançado fora do Brasil. Na verdade, segundo informações da pessoa quem digitalizou o disco, trata-se de um disco lançado em Portugal e fabricado na Inglaterra pelo selo Parlophone, da EMI Records e também no ano de 1957. Uma boa curiosidade que caí como uma luva neste nosso espaço musical. Agradeço ao Carlos por ter feito esse belo trabalho e ter compartilhado com a gente. Deixo no arquivo, inclusive, a sua ficha técnica que é um complemento que caberia a todos os discos que postamos por aqui. Infelizmente nessa altura do campeonato já não cabe mais esse padrão, mas sempre que possível eu mantenho todas as informações incluídas. Vamos conferir no GTM?
 
zazá
sarambá
salada chinesa
agora
cristo nasceu na bahia
ficha no caixa
sou feliz
pedra furada
 
 
.

Copa Combo – Bossa E Agogô (1966)

Boa tarde, meus companheiros, amigos cultos e ocultos! Ainda com muita bossa e coisa e tal, vamos dando sequência a essa mostra de dezembro e hoje temos aqui um despretensioso disquinho dos anos 60, lançado pela Codil e seu selo Ritmos. Temos o Copa Combo, um nome criado, certamente para dar identidade a este lp que tem a frente o saxofonista e arranjador, Kuntz Naegele (ou Negle) e o pianista Miguel Cidrás na produção. O time do Copa Combo, além dos dois citados tinha também os saxofonistas Moacyr Marques e Alberto Vianna, Reisinho na bateria, Chapinha no contrabaixo, Irio de Paula na guitarra, Macaxeira no trombone e Wagner Naegele (irmão de Kuntz) no trompete. Ah, e tem ainda os cantores, Alice e Myrzo Barroso. Para quem conhece um pouco da história da música popular brasileira, sabe o quão importante e geniais foram esses músicos, instrumentistas que estiveram presentes em boa parte da produção fonográfica brasileira das décadas de 50, 60 e 70. Neste disco eles nos oferecem um repertório cheio de swing, bossa e samba, com temas nacionais e internacionais, numa performance de tirar o chapéu. Músicos bons quando se encontram dá nisso.. Confiram no GTM…
 
know it all
presentimento
benvinda
can’t take my eyes of you
corrida de jangada
samba do bituca
movin’ wes
the shadow of your smile
the fool on the hill
dream a little dream of me
goin’ out of my head
moon river
spooky
 
 
.
 


 

Bossa 12 Vezes (1965)

Olá, caríssimos amigos cultos e ocultos! Entramos no sábado no embalo da Bossa Nova. Desta vez temos aqui um disco lançado pelo selo gaúcho Farroupilha, “Bossa 12 Vezes” apresentado o grupo Os Farroupilhas (Conjunto Farroupilhas), a cantora Leny Eversong, o grupo Jongo Trio e também a inusitada presença do cantor e compositor Bobby Mackay que chegou ao Brasil no início dos anos 60, vindo da República da Guiana. Mackay foi um artista que chegou a gravar outros discos e segundo contam atuava também com o pseudônimo de Napoleão, com o qual gravou compactos. Neste lp, que é o toque musical do dia, temos então quatro nomes encarregados de um repertório calcado na Bossa Nova. Mais uma interessante produção daqueles anos 60 que não podemos perder. Confiram no GTM…
 
a resposta – os farroupilhas
aleluia – leny eversong
seu chopin desculpe – jongo trio
bossa nova (i say) – bobby mackay
samba internacional – os farroupilhas
arrastão – leny eversong
ela vae ela vem – jongo trio
cool cool samba – bobby mackay
rio… rio – os farroupilhas
gangazuma – leny eversong
garota moderna – jongo trio
the girl from south zone (balanço zona sul) – bobby mackay
 
 
.

Papudinho E Carlos Piper E Sua Orquestra – Um Piston Bossa Nova (1963)

Bom dia. amigos cultos e ocultos! E segue nossa mostra de dezembro, no passo da bossa, do jazz, do samba e da canção popular. Hoje temos para vocês a presença do pernambucano José Lídio Cordeiro, mais conhecido como Papudinho, um dos grandes trompetistas brasileiros. Aqui neste lp, ele divide com o maestro Carlos Piper doze sambas com a roupagem nova da época, a Bossa Nova. Disco lançado em 1963 pelo selo Philips. Muito bom, vale uma conferida…
 
não diga adeus
enlouqueci
maior é deus
fita amarela
falsa baiana
volta por cima
obsessão
cadência do samba
fala mangueira
tem pena de mim
lá vem a baiana
a lapa
 
 
.

Gaya E Sua Orquestra – O Grande Festival (1967)

Boa tarde a todos, amigos cultos e ocultos! E segue a onda com mais um toque super musical. Desta vez temos um lp 1967 lançado a través do selo Fontana, aqui em um exemplar promocional, “O Grande Festival”. disco onde o destaque é na verdade o maestro Lindolpho Gaya, figura que faz parte da história da música brasileira. Foi um dos construtores de muitos arranjos famosos, um regente impecável não só nos estúdios mas também nos eventos musicais, como foram os festivais dos anos 60. Aqui temos ele, dono da bola, nos apresentando doze temas selecionados do I Festival Internacional da Canção Popular, de 1967, em novos arranjos para orquestra e coro. Um disco realmente surpreendente que vale a pena ouvir. Não deixem de conferir no GTM…
 
hino do festival
gina
saveiros
l’amour toujours l’amour
dias de rosas
watashi  dakeno anata
frag’ den wind
é preciso perdoar
un dia llegara
inaia
canção a medo
o cavaleiro
 
 
.

Eugenio E Seu Quarteto – O Sucesso E Outras Bossas (1966)

Olá, amigos cultos e ocultos! Dando sequencia a nossa mostra musical, hoje temos a presença de Eugênio e Seu Quarteto, disco raro, lançado pela Odeon em 1966. Eugênio Oscar Galende foi um pianista argentino que atuou no Brasil nos anos 50 e 60 como músico da noite, em São Paulo e Rio de Janeiro. Infelizmente, não existe na rede nenhuma informação sobre esse artista. Se checarem no Google, o máximo que acharão é esse mesmo disco postado em um blog gringo e no Mercado Livre, onde um maluco, aproveitando de ser o único no pedaço, está vendendo um exemplar por 1390 reais. Curioso esse preço, mas tem doido pra tudo. O lp do Eugênio e Seu Quarteto é, sem dúvida, um disco interessante, mas  só mesmo outro maluco, como o vendedor, para compra-lo por esse preço. Esses vendedores de discos, em sua maioria, não entendem nada de música, de discos ou da história dos discos, focam apenas na especulação, esperando que alguém mais idiota que eles entre nessa onda. Desde que o vinil voltou a ser procurado, o comércio desse produto se tornou uma fonte rentável. Mas o que a maioria desses doidos não sabem é que quem valoriza mesmo vinil é colecionador e esses são poucos, são expertos e só pagam caro não havendo outra alternativa. Aliás, o grande barato do colecionismo não está em si na coleção, mas na incessante busca. O prazer está no encontro, no achado…
Mas, voltando ao disco do Eugênio e Seu Quarteto, que na verdade não parece ser quarteto, pois na contracapa só estão descrito o Eugênio nos teclados, Tião Marinho no contrabaixo e Reisinho (Durval dos Reis) na bateria. Pode ser que fora do disco ele tocava em quarteto, mas aqui só se ouve piano e orgão, bateria e baixo. Mas isso pouca diferença faz. Curioso também é o repertório, totalmente de temas internacionais, inclusive com cinco músicas dos Beatles, tudo em arranjos jazzísticos e com muita bossa. Disco bacana, mas para valer mais de mil pratas, só se for banhado a ouro.
 
the shadow of your smile
all my loving
la playa
somehow it got to be tomorrow
love letters
a hard day’s night
il mondo
the more i see you
and i love her
girl
i’m happy just to dance with you
tonight
 
 
.
  

Festival De Jazz – 2º Grande Concerto (1957)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Cá estamos com mais um toque musical e como já deu para vocês perceberem, entramos em dezembro com uma seleção ‘fonomusical’ das mais interessantes. Hoje temos este lp lançado pela Sinter, “Festival de Jazz – 2º Grande Concerto”. Este é um disco bem raro e que dificilmente ainda podemos encontrar um exemplar disponível no Mercado Livre ou Discogs Um disco de jazz, brasileiro e ainda dos anos 50! Conforme o texto de contra capa (aliás, diga-se de passagem, uma ficha completa), no dia 26 de novembro de 1956 aconteceu no Golden Room do Copacabana Palace o “2º Grande Concerto Brasileiro de Jazz, organizado por Jorge Guinle e um grupo de outros amantes de jazz americano. Neste registro fonográfico aparecem as orquestras e conjuntos de Hélio Marinho, Julinho BarbosaCipó, Clélio, K-Ximbinho, Kuntz Negle e também apresentando o Conjunto Farroupilha e a cantora Julie Joy. Ao que tudo indica, este lp foi gravado ao vivo, ou seja, em pleno show, apesar de ‘forçação’ com aplausos e gritinhos mal colocados no final de cada música. No entanto, não deixa de ser um disco memorável. Confiram no GTM…
 
atonal – orquestra hélio marinho
samba que eu quero ver – conjunto de clelio
tenderly – conjunto de kaximbinho e julie joy
but not for me – conjunto de júlio barbosa
is walked bud – conjunto de kuntz
i know that you snow – conjunto de cipó
tema para dois – conjunto de cipó
kachentema – conjunto de kaximbinho
how high the moon – conjunto de kuntz
jacques diraque – conjunto de cipó e conjunto farroupilha
bop-ciponato – conjunto de cipó
 
 
 

Turma Da Bossa – Sambas De Brasília (1961)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje nosso encontro é com a Turma da Bossa e os “Sambas de Brasília”, um disco do luxuoso selo Musidisc. Há algum tempo atrás nós postamos aqui um outro disco dessa ‘suposta’ orquestra, Turma da Bossa, disco lançado em 1959. Este, acreditamos que tenha sido editado em 1961 ou 62, não há registro de datas em nossa pesquisa. Turma da Bossa é, por certo, uma orquestra de estúdio, pois em nenhum momento dos textos de contracapa há referencia aos seus artistas. Mas, enfim, isso pouco faz diferença. O importante aqui é mesmo a música, uma série de sambas cheios de bossa e suas nuances, um bom repertório e uma qualidade técnica inquestionável. Neste sentido, Sambas de Brasília é um disco perfeito. Confiram no GTM…
 
lamento
vai mas vai mesmo
chega de saudade
mocinho bonito
lá vem a baiana
que é que é
é luxo só
se acaso você chegasse
recado
barracão
com que roupa
brigas nunca mais
 
 
.

Edu Lôbo – Edu (1967)

Olá meus caros amigos cultos e ocultos! Uns dias atrás eu precisei deste disco do Edu Lobo e percebi que entre todos os seus discos, este é o único que não se encontra fácil para baixar e ouvir. Talvez em outros momentos, mas hoje compartilhamento só pelo Torrent, coisa que eu não uso. Assim sendo, só me restou digitalizar o velho álbum e já que está pronto, porque não postá-lo aqui? 
Eis então o terceiro lp gravado pelo artista, um álbum onde Edu procura um amadurecimento musical apresentando um trabalho mais moderno com composições, em sua maioria com parceiros como Ruy Guerra, Capinam, Guarnieri, Vinícius e Dori Caymmi. Dori também é um dos arranjadores, assim como Luis Eça e o maestro Gaya.. Edu Lobo conta ainda com as participações de Gracinha Leporace e o Quarteto 004. Está aí, um lp ‘classudo’, que merece o nosso toque musical. Podem conferir no GTM
 
no cordão da saideira
corrida de jangada
rosinha
jogo de roda
candeias
dois tempos
embolada
catarina e mariana
canto triste
chorinho de mágoa
meu caminho
 
 
.
 
 

Paulinho Nogueira (1967)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Um dos artistas muito querido aqui no nosso Toque Musical é, sem dúvida Paulinho Nogueira, violonista, compositor, cantor e também professor de violão, músico dono de um estilo próprio. Outro detalhe que também não me lembro se comentamos aqui, Paulinho Nogueira é também o inventor da craviola, um instrumento de doze cordas de aço cuja sonoridade se diferencia de outros instrumentos de corda na família do violão. A craviola se tornou um instrumento conhecido e tocado não apenas no Brasil. Para se ter uma ideia, dizem que até o guitarrista do Led Zeppelin, Jimmy Page usou n agravação da música “Tangerine”. Paulinho também foi o autor do “Método para violão e outros instrumentos de harmonia”, uma das mais importantes publicações para o ensino do violão. Foi um músico sempre muito atuante, gravou dezenas de discos e também participou de tantos outros, teve muitas parceiras importantes. Aqui neste lp, lançado pela RGE em 1967 temos mais o intérprete, um solista de violão para um repertório de sambas, bossas e até um momento para uma das mais populares peças de Bach, “Jesus Alegria dos Homens” e também “Bachianinha Nº 1”, música de sua autoria, hoje um clássico que todo violonista de respeito precisa saber tocar. Enfim, temos aqui um disco excepcional, imperdível, que vocês poderão conferir no nosso GTM….
 
menino das laranjas
inútil paisagem
aleluia
minha namorada
bachianinha nº 1
só tinha de ser com você
jesus a alegria dos homens
arrastão
você
opinião
samba bom
manhã de carnaval
 
 
 
.

Astrud Gilberto & Walter Wanderley – A Certain Smile A Certain Sadness (1966)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Entre os muitos discos que merecem o nosso toque musical, eis aqui o internacional “A Certain Smile A Certain Sadness”, um lp famoso, referência para gringos de Bossa Nova, trazendo a cantora Astrud Gilberto e o organista Walter Wanderley. Este disco foi gravado nos Estados Unidos e lançado em 1966 pelo prestigiado selo americano Verve, do produtor Creed Taylor. Aqui no Brasil o disco foi lançado pela Copacabana e recebeu o nome de “Um Certo Sorriso, Uma Certa Tristeza”. Astrud e Walter contam também com a presença de José Marinho no contrabaixo e Claudio Slon na bateria. No repertório temos um misto de composições de autores brasileiros e estrangeiros, tudo muito bem retocado na voz de Astrud e nos inconfundível teclado de Walter Wanderley. Não deixem de conferir no GTM…
 
a certain smile
a certain sadness
nêga do cabelo duro
so nice
você já foi a bahia
portuguese washerwoman
goodbye sadness
call me
here’s that raint day
tu meu delirio
it’s a lovely day today
 
 
.
 

 

 

Gran Orquesta De Estudio – Latin American Folk Songs Vol. 2 (1974)

Bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Estou trazendo aqui mais um disco, na verdade, o segundo volume de “Latin American Folk Songs”. Já postamos o primeiro volume, em 2018 e agora apresentamos a sequencia lançada também pelo selo London e em 1974. Temos aqui o maestro Peruzzi a frente da Gran Orquesta de Estudio. Por certo, como já foi dito, um disco lançado internacionalmente e talvez até mesmo gravado fora do Brasil. Não consegui confirmar, mas creio que este segundo volume tenha sido gravado, assim como o primeiro, ainda na década de 60. Enfim, mais uma seleção de músicas tradicionais de diferentes países latino americanos, incluindo o Brasil, claro! Disco bonito de se ouvir e que não poderia ficar fora do nosso toque musical. Confiram no GTM…
 
el condor pasa
kalu
adios pampa mia
cielito lindo
guantanamera
cuco
la piragua
la bamba
india
zamba del grillo
maria bonita
mulhe rendeira
 
 
.

Dick Farney Trio – Concerto De Jazz Ao Vivo (1973)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje, vamos de jazz. Jazz de verdade sob o comando do grande Dick Farney. Temos aqui o Concerto de Jazz ao Vivo, disco lançado pelo selo internacional London, em 1973. Dick Farney vem acompanhado por outras duas feras, Toninho (Antonio Pinheiro Filho) na bateria e Sabá (Sebastião Oliveira da Paz) no contrabaixo. Este lp foi gravado ao vivo no auditório do jornal O Globo e produzido pelo radialista, amante de jazz, Paulo Santos, que também é quem apresenta o trio logo no início do disco. Este foi o primeiro concerto/apresentação deste trio para uma plateia grande e específica, um público apreciador do jazz. E para tanto, o repertório no disco é exclusivamente de standards da música americana. Um belíssimo trabalho que não deixa nada a desejar a um trio de jazz. Vale a pena conferir…
 
perdido
thank you
when lights are low
cute
teh shadow of your smile
these foolish things (reminds me of you)
someday my prince will come
 
 
.

Djalma Ferreira E Seus Milionários Do Ritmo – Week-End In Rio (1962)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Iniciando o mês de dezembro, vamos logo trazendo para o nosso Toque Musical mais um álbum do genial Djalma Ferreira. Ao que tudo indica, este foi seu primeiro disco pelo selo Drink, que ele mesmo criou. Lançado em 1962, este lp nos traz uma seleta dúzia de boa músicas, aquelas típicas de uma casa noturna, como era a boate Drink. Temos o samba tomando a frente nesse repertório, mas também tem bolero, fox e beguin. Djalma Ferreira vem acompanhado de seu conjunto, os Milionários do Rítmo, com dois cantores, Expedito, Fausto e também o Luiz Bandeira, interpretando “Se você me deixar”, de sua autoria. Disco bacanão que vocÊs não podem perder. Confiram no GTM…
 
foi a saudade
aí aurora
não peço outra vez
devaneio
sinal dos tempos
retorno
ela não vem
se você me deixar
sempre você
a tua volta
drink na praia
route 66
 
.

Aloysio Figueiredo – Sonhando Com Você (1957)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Para fechar o mês de novembro temos aqui um disco inédito. Este é mais um que nunca vi nas bocas, nas estantes dos sebos ou mesmo anunciado no Mercado Livre. Temos aqui este lp de 1957 do maestro, acordeonista, pianista e arranjador Aloysio Figueiredo, um músico que atuou em rádios, clubes noturnos e em diversas gravações e com diferentes artistas durante os anos 40, 50 e 60. Gravou muito nos anos 50 e 60. Seu último disco “Nossas músicas, nossas letras” foi lançado em 1991, cd independente e em parceria com o filho Nelson Figueiredo. Neste lp, lançado pela Copacabana, temos uma seleção de sucessos da época, nacionais e internacionais. Não deixem de conferir no GTM…
 
sonhando com você
me lo dijo adela
without my lover
venezuela
soy un estraño
mi ultimo fracasso
only you
ave maria
fui eu 
que sera sera
evocação
uma loira
 
 
.
  
 

Canhoto E Seu Regional – Baiãomania (1956)

Olá, caríssimos amigos cultos e ocultos! Apareceu aqui em minhas mãos este lp de 10 polegadas de Canhoto do Cavaquinho (Frederico Tramontano). Confesso a vocês que nunca tinha visto ou ouvido este disco antes, foi uma bela surpresa que eu logo me pus a digitalizar para trazer aqui para o nosso Toque Musical. Segundo verifiquei, este é mesmo um disco raro e se for procurar no Mercado Livre ou Discogs, não leva por menos de 600 reais (loucura a especulação financeira do vinil hoje em dia). Mas, enfim, temos aqui Canhoto e Seu Regional, formado pelos violonistas Jayme Florence e Horondino Silva, Orlando Silveira no acordeom, Jorge Silva no pandeiro e Altamiro Carrilho na flauta. Segundo consta, o disco é de 1956. Lp de 10 polegadas trazendo o ritmo quente do momento, o Baião. São oito clássicos da música brasileira, seis autênticos baiões e dois choros em ritmo de baião. Disco gostoso demais de ouvir. Não deixem passar… 
 
maringá
juazeiro
baião
paraíba
kalú
delicado
que nem jiló
baião de dois
 
 
.
 


 

Carlos Iafelice – O Violão (1971)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Hoje nosso encontro é dedicado aos amantes do violão, um dos instrumentos mais populares na música brasileira e por aqui o que não falta são violonistas. Assim, hoje temos o violão de Carlos Iafelice neste disco lançado em 1971, pelo selo Beverly. No lp temos um repertório que contempla temas autorais e também clássicos para violão. É triste perceber como alguns artistas, em especial os instrumentistas compositores, são as vezes esquecidos e isso fica ainda mais evidente nos dias de hoje onde temos a Internet, o Google, onde supostamente todo tipo de informação podemos encontrar. Mas não é bem assim, ainda estamos construindo uma base de dados e informação, aliás, isso é uma coisa contínua que cresce a cada dia. Digo isso porque é espantoso como até então quase nada podemos encontrar facilmente sobre este músico, Carlos Iafelice. Daí, temos que recorrer a outras fontes, os livros… E foi só no “Dicionário de Compositores, Regentes e Instrumentistas”, escrito por Letícia Pagano que encontrei essas poucas informações: Carlos Iafelice era paulista, de Catanduva. Violonista e compositor, iniciou seus estudos de violão com seus irmãos. Se tornou um músico de formação clássica, realizando centenas de recitais ao longo da carreira. Também conquistou prêmios e gravou discos. Esteve a frente. como conselheiro na Ordem dos Músicos do Brasil, foi colunista dos Diários Associados e também um pesquisador da música onde escreveu uma coleção de obras para violão e também criou uma escola, a Academia Carlos Iafelice, mantida até hoje por seu filho, também músico.
Vamos então conferir “O Violão”, de Carlos Iafelice, um disco que é quase uma aula. 😉
 
uma harpa ao luar
sambatuque
chula
marcha dos marinheiros
preto velho
caterete
caixinha de música
evocação
sons de carrilhões
passion love theme
romance de amor
love story
abismo de rosas
prelúdio nº 1 de bach
melodia da ave maria de gounod
 
 
.
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho

El Gaucho E Seu Conjunto – Ao Compasso Do Baião (1956)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o Toque Musical apresenta um álbum dedicado ao baião. O LP, de dez polegadas, foi lançado em 1956 pela Musidisc de Nilo Sérgio e tem o título de “Ao compasso do baião”, contando com a participação vocal do grupo Os Quatro Amigos. No repertório executado por El Gaúcho e seu Conjunto, oito músicas conhecidas em ritmo de baião, como por exemplo “Sertaneja”, “Cantiga da rua”, “Canta Maria” e “Velho realejo”. O tal Gaúcho líder do conjunto, por certo, é o sanfoneiro. A dúvida que se tem é:  será que esse Gaúcho que gravou nosso álbum de hoje é o mesmo que deixou outros nove títulos, lançados entre 1957 e 1962, conforme registra o portal do Instituto Memória Musical Brasileira? Bem, o fato é que não encontrei nenhum dado biográfico disponível a respeito dele, verdadeira incógnita. Mas o que interessa é ouvir este disco, e recordar bons momentos ao som do baião, que na época, 1956, ainda estava na crista da onda. É ir ao GTM e conferir.
 
cantiga de rua
beliscada
velho realejo
bauru
sertão
canta maria
amor verdadeiro
sertaneja
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho
 

Elcio Alvarez E Sua Orquestra – O Máximo Para O Seu Baile (1962)

Maestro, compositor, produtor e arranjador dos mais requisitados nos anos 1950/60/70, Elcio Alvarez volta a bater ponto aqui no Toque Musical. Desta vez, apresentamos “O máximo para o seu baile”, álbum lançado pela Chantecler em 1962. Seguindo o padrão dos álbuns dançantes então vigente, o disco apresenta um repertório de sucessos nacionais e internacionais da época. Basta citar “Exodus”, “Let’s twist again”, o chá-chá-chá “Las secretarias”, “Colonel Bogey” (do filme “A ponte do Rio Kwai”), “Samba chá-chá-chá” (de Mário Albanese, aqui em sua primeira e única gravação)… Tudo com a competência e o talento do maestro, com sua orquestra e coro, aqui mostrando por que foi um dos maiores que o Brasil já teve. Em suma, mais uma produção que merece o nosso Toque Musical. A conferir no GTM, sem falta.

exodus

let’s twist again

castiguei

moonglow

las secretarias

colonel bogey

samba cha cha cha

kissin’ twist

além do horizonte azul

veja só

tea for two

 

 

 

*Texto de Samuel Machado Filho

 

Banda Chantecler – Lampião De Gás (1958)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Como uma coisa puxa a outra, eis aqui outro disco de banda, ao estilo tradicional, banda e músicas de coreto, daqueles que toda cidade do interior tem. E é mais ou menos por aqui que se pauta este disco, pelas boas recordações e isso já lá pelos idos dos anos 50! Temos aqui “Lampião de Gás”, título do lp que também é o nome da valsa que abre o disco, um grande clássico de Zica Bergami. Aliás, aqui temos vários clássicos entre valsas e rancheiras, tudo por conta da Banda Chantecler, sob regência do maestro Zico Mazagão. Confiram, no GTM…
 
lampião de gás
mariazinha
cielo lindo
viajando pela índia
raios de sol
valsa da meia noite
vida marvada
sarita
babo…zeira
afilador
boneca cobiçada
cabecinha no ombro
 
 
 
 
 

Célia Villela – …E Viva A Juventude!!! (1961)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Eis aqui uma postagem que por certo irá ao encontro dos colecionadores das raízes do rock brasileiro. Trata-se do primeiro LP da cantora Célia Villela, “…E viva a juventude!!!”, lançado pela RGE em 1961. Mineira de Belo Horizonte, nascida em 24 de novembro de 1936 (ou 1939, como dizem certas fontes), Célia iniciou sua carreira fonográfica em 1955, e gravou alguns discos de 78 rpm até fazer parte da primeira geração do rock brazuca, por volta de 1960. Nesse ano gravou para a RGE, em 78 rpm, dois grandes sucessos, “Conversa ao telefone (Pillow talk)” e “Trem do amor (One ticket to the blues)”, ambos em versões de Fred Jorge e posteriormente incluídos no presente LP, por sinal recheado de versões. Nessa época, teve programas na TV Continental do Rio de Janeiro (“Célia, música e juventude”) e na Rádio Globo, também do Rio (“Na roda do rock”), tendo depois se transferido para a Rádio Guanabara. Após este LP, em 1962, Célia gravaria um 78 rpm na RCA Victor, com dois twists: “A fã e o namorado” e “Se tu me telefonas”. Seu segundo e último LP, “F-15 Espacial”, só sairia em 1964, pela Musidisc. Casou-se com o músico Carlos Becker, ex-integrante do grupo The Angels, abandonou a carreira antes da explosão da Jovem Guarda (1965) e a partir de então se tornou reclusa, tendo se recusado veementemente a dar seu depoimento sobre a história do rock brasileiro para Albert Pavão, em 1987, apesar das diversas tentativas do músico de contatar a cantora. Célia Villela faleceu em primeiro de janeiro de 2005, em Teresópolis, estado do Rio de Janeiro, de causa desconhecida. Este seu primeiro LP, “…E viva a juventude!!!”, muito embora tenha sido relançado em CD pelo selo Discobertas, é mais uma raridade que merece, e muito, nosso Toque Musical, além de ser um precioso documento dos primórdios do rock no Brasil. Não deixem de conferir no GTM. 

valentino, valentino

trem do amor

streap tease rock

quando o amor vem

passo a passo

parabéns

perdi a chave

fish walk

diga-me

conversa no telefone

és meu amor

sempre houve amor

*Texto de Samuel Machado Filho