Cauby Peixoto (1965)

Olá, meus amigos cultos e ocultos! Ainda no ano de 1965 e nos compactos da RCA Victor, temos desta vez a presença do grande Cauby Peixoto interpretando duas canções de sucesso da época, “Voltarei de joelhos”, versão de Ronnie Cord para a canção italiana “In ginocchio da te”  “Depois de ti”, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim. Pronto, está aí um bom disquinho para fecharmos o mês, não é mesmo? Confiram no GTM…
 
voltarei de joelhos
depois de ti
 
 
.

From Rio With Love (1965)

Olá, amigos cultos e ocultos! Ainda nos anos 60, temos aqui este compacto duplo lançado pela RCA Victor, em 1965. O disquinho se chama “From Rio with love”, ou seja, trata-se de um suvenir musical criado para turistas naquele ano em que a cidade do Rio de Janeiro completava 400 anos. Um disquinho para turista ouvir e levar para casa. Não é atoa que há na contra capa um textinho bilíngue fazendo as devidas apresentações. E o que temos nele é samba. Começa com o hino “Cidade Maravilhosa” cantada em coro, na sequencia vem Cauby Peixoto interpretando a marchinha “Rancho da Praça Onze”, de João Roberto Kelly e Chico Anísio. Do outro lado o samba corre solto nas duas faixas com o Cacique de Ramos. Disquinho interessante que vale a pena conferir no GTM.
 
cidade maravilhosa – coro misto
rancho da praça onze – cauby peixoto
sessão de ritmo – o cacique de ramos
água na boca – o cacique de ramos
 
 
.
 

Luiza – Compacto (1965)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Olha só o disquinho que temos aqui… Uma autêntica raridade que até então eu não vi compartilhada em lugar algum. Até mesmo no Youtube vocês não encontravam. Agora, com certeza, logo vai estar lá, assim como boa parte do que publicamos aqui no blog acaba indo para lá. Mas quando a ideia é, além de ouvir, ver o disco, a capa e selo, só mesmo participando do Grupo do Toque Musical, Lá se pode baixar o arquivo completo. Mas, para quem não sabe, os links são temporários e não fazemos reposição. Portanto é bom sempre ficar ligado no que publicamos por aqui para não perder nada.
Então, temos aqui a cantora Luiza, que surgiu nos anos 60 como uma revelação da Bossa Nova. Gravou em 64 seu primeiro e único lp, um disco hoje consagrado, raro e que só a alguns anos atrás recebeu uma reedição em cd. O que fez o disco dela ser especial, além de sua belíssima voz e estampa foi o fato de ter sido nele que aparece uma primeira parceria de Dori Caymmi e Edu Lobo. O disco é recheado de compositores bossanovistas e dele participam vários, entre esses, Milton Nascimento e Wagner Tiso, em início de carreira. Para dourar mais a coisa, temos também a participação, arranjos e regências do maestro Moacir Santos. Daí se vê que Luiza estava com a bola toda. Embora vivendo intensamente as transformações musicais da época, tendo seu apartamento sempre bem frequentado por outros artistas, assim como Nara Leão, em seu apartamento, Luiza acabou seguindo carreira no magistério, se tornando professora, casou e foi ser dona de casa. Porém, ainda naqueles anos de efervescência da Bossa Nova, ela foi novamente requisitada para gravar este disquinho que é mesmo, em resumo, um compacto de suas apresentações ao lado do 3D Trio, em um espetáculo que eles faziam no Rio, no Teatro Princesa Isabel. Nele encontramos as composições, “Chuva”, de Durval Ferreira e Pedro Camargo e “Lenda”, de Marcos Valle e Luiz Freire. Os arranjos são de Antonio Adolfo. Este foi assim, seu também único compacto, hoje um disquinho ainda mais raro que o lp, pois nunca chegou a ser reeditado. Só mesmo no Toque Musical… Confiram no GTM.
 
chuva
lenda
 
 

Fernando Bocca (1982)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Quando vamos chegando quase ao final de nossa mostra de discos de 7 polegadas, me surgem uma dezena de outros que no caso já não cabem nessa apresentação. Porém, nada impede de que possam a serem postados regularmente em outro momento. Aqui, nada se perde, tudo se transforma e se renova. 
Bom, aqui temos um compacto do cantor e compositor mineiro Fernando Bocca. Acredito que este disquinho tenha sido lançado como cartão de visita do artista que havia então assinado com a RCA. Porém, não há registro e eu não conheço o lp, por certo o discão não chegou a sair, uma pena… Mas aqui neste compacto simples temos dele duas canções que marcaram época, pelo menos aqui para nós, mineiros de ‘belzonte’, “Bota lenha”, composição dele em parceria com  Abner Nascimento e João Boamorte e “Um abraço eterno”, outra parceria com Abner Nascimento. Este compacto foi produzido pelo Estáquio Senna e os arranjos e regências são de Nivaldo Ornelas. Taí, um compacto que vem se tornando raro por conta de colecionadores japoneses. Hoje em dia é mais fácil achar este compacto no Japão do que aqui, nos sebos e mercados livres da vida. Confiram no GTM…
 
bota lenha
um abraço eterno
 
 

Helena De Lima – Compacto (1964)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje nosso encontro é com a cantora Helena de Lima neste compacto do disco “Uma noite no Cangaceiro”, lp lançado em 1964. Aqui, neste resumo, um compacto simples, vamos encontrar um ‘pot-pourri’ de sambas que fazem parte da faixa de abertura do lp e também “Sinfonia do Carnaval”, composição da cantora (que também era compositora) em parceria com Concessa Lacerda. Este registro foi gravado ao vivo na lendária boate Cangaceiro. E como até hoje eu não postei o lp, vamos, pelo menos, com o seu compacto. Confiram no GTM…
 
seleção de sambas:
na cadência do samba
diz que fui por aí
o sol nascerá
a fonte secou
mora na filosofia
sinfonia do carnaval
 
 
.

Toninho E Neimar (1978)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Nosso compacto do dia segue no rastro do disquinho postado ontem, do Padre Zezinho, ou seja, um disco de música cristã. Temos neste a dupla Toninho e Neimar. Um compacto duplo no qual desfilam quatro composições desta parceria. Infelizmente, não encontrei informações sobre essa dupla, mas o disco foi gravado em 1978 no estúdio das Edições Paulinas e contou com os arranjos do maestro Eduardo Assad. Confiram este disquinho no GTM…
 
pelo amor de deus
a busca
deus negro
turista da vida
 
.

Padre Zezinho E Conjunto Sidney Singers – Canção Da Amizade (1969)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Dando sequência à mostra de compactos do Toque Musical, apresentamos o Padre Zezinho, considerado um dos pioneiros da música cristã, acompanhado pelo conjunto Sidney Singers. Lançado pelas Edições Paulinas em 1969, este compacto duplo apresenta quatro músicas compostas pelo padre: “Shalom”, “A goteira”, “Você é meu irmão” e “Canção da amizade”. Aliás, esta foi a estreia do Padre Zezinho em disco, e o pontapé inicial para uma bem sucedida trajetória de evangelização através da música. Enfim, mais um título que merece o nosso Toque Musical. Confiram no GTM
 
shalom
a goteira
você é meu irmão
canção da amizade
 
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho

Os Incríveis – Trabalho Em Paz (1976)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos. De 1964 a 1985 vivemos no Brasil o período da ditadura militar. Tempos sombrios que só não chocou mais a nação porque essa, parece, sempre viveu uma relação de amor e ódio com as Forças Armadas. Infelizmente tem muita gente que acredita que militar é salvação, que a disciplina militar é o remédio e que o Brasil deve ser mesmo um quartel. O que essa parcela de gente não consegue enxergar é que não é a farda que faz um homem, não é a farda que faz uma pessoa honesta. Militar também erra e por sinal erra muito. Se você acredita que não existe corrupção nas Forças Armadas é por ser muito ingênuo. Até mesmo nas Igrejas essa praga mora, nas Evangélicas então, nem se fala… Enfim, isso é coisa de Brasil. O brasileiro é sua essência é um canalha e isso se evidencia  mais na classe média. Não é por acaso que boa parte desse povo votou num canalha e militar. E está aí, a boa merda que ele está fazendo e ainda com apoio da pior classe de brasileiros.
É dentro desse cenário, de ditadura e ufanismo que nosso lendário grupo de rock, Os Incríveis, viveu e sobreviveu até perceber que não dava mais para ficar passando pano para milicos. Esse conjunto de musiquinhas ufanistas patrocinado pelo governo militar fez mesmo muito sucesso. Aprendemos essas músicas num processo quase de osmose, quando isso era obrigatório em todas as rádios. Tocavam essas músicas para fazer o povo acreditar que estávamos crescendo, que o Brasil era um país maravilhoso… Sim, o Brasil é maravilhoso, o que fode são as pessoas que vivem nele.
Bom, enfim, o que temos aqui são quatro odiosos hinos da ditadura, pelo menos para mim. E daí, vocês me perguntam, qual a razão de eu estar postando isso então? Oras, convenhamos, se eu publicasse aqui apenas oque eu gosto este blog não seria assim. A proposta do Toque Musical é trazer a tona a produção fonomusical brasileira e nosso lema é escutar com outros olhos. Daí, cabe tudo em nosso espaço. E até porque, não desgosto dos Incríveis, não gosto é dessa ‘fase vexaminosa’, mas reconheço o talento dos rapazes 🙂 Vamos lá, vamos conferir… ditadura também é cultura (ou não?)
 
marcas do que se foi
pindorama
este é o meu brasil
este é um país que vai pra frente
 
.

Topo Gigio 2 (1969)

Olá, amiguinhos cultos e ocultos! Mais uma vez vamos de Topo Gigio… Mama mia, como esse ratinho ainda faz sucesso! Ao longo da semana recebi uma dezena de e-mails e mensagens pedindo mais coisas do Topo Gigio. Daí, me lembrei que tinha a mão também o compacto número 2. Então, porque não postá-lo de uma vez, não é mesmo? Assim, temos ele novamente, desta vez com a participação do Agildo Ribeiro. Putz, quando eu era criança adorava esse bichinho… Vamos conferir no GTM…
 
o calhambeque
nesta rua
sole mio
diálogo de boa noite com o agildo ribeiro
 
 

Estranho Triângulo – TSO (1970)

Olá amigos cultos e ocultos! Na trilha da trilha, aqui vai mais uma, desta vez de um filme. Temos aqui um compacto raro de um filme nacional também pouco lembrado, “Estranho Triangulo”, filme dirigido por Pedro Camargo em 1969, tendo no elenco Leila Santos, Carlo Mossy, José Augusto Branco, José Wilker, Lúcia Alves e Dinorah Brilhante. O disquinho traz as duas músicas do filme, o tema principal, de José Ari e “Catedral”, tema de Ed Lincoln, extraído de seu lp de 1969. O compacto saiu pelo selo Savoya Discos, de Ed Lincoln. Curiosidades que vocês só encontram por aqui. 😉
 
tema do filme estranho triangulo – josé ari
catedral – ed lincoln e seu conjunto
 
 
.

Senhora – Trilha Sonora Da Novela (1975)

Olá, amigos cultos e ocultos! Em meio aos discos compactos temos também as trilhas de novelas. Aqui, uma de 1975, da novela “Senhora”, exibida pela Rede Globo. Temos neste, um compacto duplo trazendo Francisco Petrônio e Dilermando Reis, Paulo Tapajós, Waltel Branco e a Orquestra Romanza. Disquinho bacana e músicas que só se encontram nesta edição. Confiram, no GTM…
 
quem sabe – francisco petronio e dilermando reis
ontem ao luar – paulo tapajós
aurelia – orquestra waltel branco
reocordando – orquestra romanza
 
 
.

Gazineo (1973)

Boa tarde, meus amigos cultos e ocultos! Não sou muito fã de discos de 7 polegadas sem capa, infelizmente esses disquinhos a gente quase nunca encontra com capa e quando encontra é com uma capinha genérica, aquela com o furo no meio para se ver o selo. E quase sempre, quando estão com essa capinha, está sempre trocada. Disquinhos assim, a gente só consegue avaliar colocando para tocar. E eu tenho uma porção desses discos que ainda preciso descobrir. Só mesmo promovendo esses ‘períodos temáticos’ para me fazer mexer nos arquivos físicos e explorar aqueles discos que ainda não tive tempo de ouvir. Aqui um bom exemplo… Este é um compacto do cantor baiano Carlos Gazineo, um artista que tem estado presente na cena da MPB desde o final dos anos 60. Só mesmo quem é da área, quem é baiano, talvez, conheça ou se lembre dele. Um cantor premiado em vários festivais, cantou nos mais diversos programas de televisão e casas de shows, além dos jingles para a JS Discos. Sua primeira aparição está no no lp “I Festival do Samba da Bahia, de 1967 (disco este já apresentado aqui no Toque Musical), ao lado do Inema Trio e também no compacto duplo com músicas do sambista Batatinha, onde aparece em duas faixas. Nos primeiros anos da década de 70 ele foi contratado pela Odeon como sambista e grava então este que foi seu primeiro compacto e talvez o seu disco de maior sucesso. Nele ficou registrado “Liso, leso e louco”, composição da dupla Antonio Carlos e Jocafi, que também cuidaram da sua produção. Do outro lado, o samba “Falsa cabrocha”, de Luiz Berimbau. “Liso leso e louco” tocou muito nas rádios e chegou a ser conhecida internacionalmente. Essas duas músicas seriam, na sequencia, lançadas em uma coletânea de sambas da gravadora (Só Sucessos Vol. 12). Gazineo seguiria sua carreira de sucesso gravando outros compactos. Seu primeiro e único lp ele só veio a gravar em 1984, “Cantando sorrindo”, uma produção independente na qual ele aparece como Carlos Vicente. Depois disso viriam os cds e trabalhos com produção. Hoje, parece, está aposentado, curtindo a vida dentro de uma piscina, pelo menos é o que mostra o seu perfil no Facebook. Confesso que quase desisti desta postagem quando vi no Facebook a sua postura política. Enfim, ainda bem que estamos falando do passado. Melhor beber o vinho do que falar do vinagre.
 
falsa cabrocha
liso leso e louco
 
 

Orquestra Disneyland E Aloysio De Oliveira – Perri (1959)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Prosseguindo sua mostra de compactos, o TM apresenta uma autêntica raridade. Trata-se de um 45 rpm que a Odeon lançou sob o selo Disneyland, provavelmente em 1959, reunindo quatro músicas de um filme de Walt Disney chamado “Perri”, de 1957, rebatizado no Brasil como “No coração da floresta”. Misto de documentário e ficção, e de elementos de “Bambi” com fotografia da natureza, o filme conta as aventuras de um esquilo fêmea, a Perri do título original, durante as quatro estações do ano. E a vida dela na floresta é cheia de perigos. Quando não está fugindo de seu inimigo natural, o Martes, Perri se apaixona por um esquilo macho que considera um príncipe. O filme ganhou, em 1958, o Urso de Ouro de melhor documentário no Festival Internacional de Cinema de Berlim. As orquestrações deste disco são originais americanas, com canto coral em português e narração de Aloysio de Oliveira, ex-integrante do Bando da Lua, que por certo também verteu as músicas para o nosso idioma. Em suma, um filme pouco lembrado dos estúdios Disney, do qual o TM apresenta parte de sua trilha sonora. Mais um tesouro raro que vocês poderão conferir no GTM. 
 
sonho de perri
a primavera
cai o dia
a dormir
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho

Claudette Soares (1965)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Aqui um autêntico compacto, Claudette Soares em dois momentos de seu disco de 1965 pela Rosenblit/Mocambo: “A Resposta”, de Durval Ferreira e Pedro Camargo e “Chuva”, de Marcos e Paulo Sergio Valle. A capa deste compacto é diferente do lp e acho que tem mais charme, mais condizente com o conteúdo.
 
a resposta
chuva
 
 
.

Chacrinha (1981)

Olá, prezados amigos cultos e ocultos! Dando prosseguimento à sua mostra de compactos, o TM traz, mais uma vez, o inesquecível “velho guerreiro”, Abelardo Chacrinha Barbosa, de quem já apresentamos dois LPs. Trata-se de um disquinho lançado pela Odeon em 1981, época em que Chacrinha trabalhava na TV Bandeirantes, hoje Band, com dois forrós especialmente compostos por Rossini Pinto. De um lado, “O pai de santo”, e de outro, “O cozinheiro”. Tudo com a malícia e os versos de sentido dúbio característicos do gênero (as letras estão reproduzidas na contracapa). Enfim, são músicas bastante divertidas, e o disquinho vale muito a pena. É mais um legado precioso do “velho guerreiro” para a posteridade, e outro disco raro que é eternizado pelo TM. A conferir no GTM, sem falta.
 
o pai de santo
o cozinheiro
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho 

Sérgio Ricardo – The Crazy Cats – Ritmos Esso Em Samba & Twist (1963)

Boa noite, meus prezados amigos cultos e ocultos! Olha só que disquinho interessante nós temos aqui… Este é um compacto promocional criado para a Esso, como brinde de fim de ano, no caso, o ano era  1964. Curiosamente, vamos encontrar neste 7 polegadas uma espécie de jingle interpretado de um lado por Sérgio Ricardo e do outro por um grupo de rock’n’roll, ou twist, The Crazy Cats. Ao que tudo indica, “Wadiya” é o nome original da música, um twist, conforme está no lado B. No lado A a mesma música em ritmo de bossa, samba, cantado por Sérgio Ricardo: “só Esso dá ao seu carro o máximo, veja o que Esso faz…” Imagino que essa musiquinha tenha também sido usada em alguma outra campanha publicitária da Esso. Está aí um disquinho que não poderia faltar aqui no nosso Toque Musical. Confiram essa raridade no GTM…
 
ritmos essa – sérgio ricardo
wadiya – the crazy cats
 
.

Wilson Miranda (1974)

Olá, amigos cultos e ocultos! Começando a semana e dando sequencia a nossa mostra de discos de 7 polegadas, hoje temos aqui este compacto do cantor Wilson Miranda, artista este já apresentado aqui no Toque Musical. Desta vez temos ele num compacto duplo com quatro temas de sucesso e destacando,  “O Homem de Nazareth”, música de Cláudio Fontana que ficou marcada na voz do cantor Antônio Marcos e creio que também foi gravada por outros artistas. Confiram no GTM…
 
o homem de nazareth
de que vale ter tudo na vida
te amo eternamente
o show já terminou
 
.

Topo Gigio (1969)

Olá, amigos cultos e ocultos! Prosseguindo a mostra de compactos do TM, apresentamos um personagem que marcou a infância de muita gente, inclusive a minha: Topo Gigio. O ingênuo ratinho fez o maior sucesso na TV brasileira, ao lado do comediante Agildo Ribeiro, em 1969. Ele participava do quadro final de 15 minutos do programa “Mister show”, na Globo, nas noites de sexta-feira, pedindo sempre ao Agildo “um beijinho de boa noite”. Foi criado pela italiana Maria Perego, ex-estudante de Letras em Milão e casada com um proprietário de teatro de fantoches. Como o casal não teve filhos, Maria se dedicou a aperfeiçoar os bonecos. Topo Gigio (“topo” é rato em italiano) nasceu em 1958. O segredo de sua animação foi mantido por muito tempo, mas hoje o truque chega a ser banal. Era colocado um fundo preto, arames quase invisíveis nos pés, nas mãos e nos olhos do bichinho. O aparato, manipulado por quatro pessoas também vestidas de preto, dava os movimentos. Sua voz era feita pelo italiano Peppino Mazzullo, que sempre viajou com o personagem, tratando de aprender a língua do país em que se apresentava. Depois que o tablóide “Pasquim” colocou em dúvida a masculinidade do ratinho, lançou-se no ano seguinte uma namorada para ele, chamada Rose, e a atriz Regina Duarte passou a participar do quadro também. O programa ficou no ar até 1971. Voltou, já sem a mesma força, em 1987, pela Rede Bandeirantes, hoje Band. No presente compacto duplo, Topo Gigio interpreta “Meu limão, meu limoeiro”, um pot-pourri de sucessos juninos, “A tramontana” e “Chove chuva”. É uma postagem do TM que, com certeza, vai fazer muita gente relembrar o Topo Gigio, com muita saudade. É ir ao GTM e conferir.
 
meu limão, meu limoeiro
cai cai balão
capelinha de melão
sonho de papel
a tramontana
chove chuva
 
 
*Texto de Samuel Machado Filho 

Billy Bond – Rio De Janeiro City (1985)

Olá, amigos cultos e ocultos! Temos hoje aqui um disquinho de 7 polegadas que eu gosto muito, Billy Bond – Rio de Janeiro City. Isso é quase um Joelho de Porco. Lembram do grupo paulista Joelho de Porco? Pois é, Billy Bond também fez parte dessa banda e este disquinho é um pouco do Joelho, pois nele temos dois sucessos do grupo, “Rio de Janeiro City” e “Rapé”, cantados na época também por Billy Bond. Este artista, hoje um dos mais importantes produtores de espetáculos do Brasil nasceu na Itália, viveu por muitos anos na Argentina e depois se mudou para o Brasil. Sua trajetória começa no rock, quando na Argentina formou a lendária banda Billy Bond Y La Pesada Del Rock&Roll. Por lá também produziu discos de outras super bandas argentinas. Veio parar no Brasil nos anos 70, mudou-se para o Rio de Janeiro e de lá não quis mais sair. Aqui trabalhou como cantor, produtor e empresário musical, se tornando depois produtor teatral e do ‘show business’.
 
rio de janeiro city
rapé
 
 

Almir Santos (197…)

Muito bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Entre tantos disquinhos raros, independentes e obscuros, gostei deste, logo pela capa. Me pareceu um trabalho honesto, bem produzido e arranjado. Curiosamente, por alguns momentos, me soa como música mineira. E lá vou eu buscar informações sobre o artista/disco. E não foi fácil. Só mesmo pelo Youtube consegui alguma pista, digamos assim… Consegui localizar nosso artista, por sorte pela estampa de seu perfil que é a mesma da capa deste disco. Em seus dois ou três vídeos ele já aparece mais velho, o que  me levou a concluir que este sete polegadas viesse a ser dos anos 70. Percebe-se também que Almir Santos acabou se enveredando para uma música mais simples e popular. Me fez lembrar uma antiga novela da Globo na qual o ator Osmar Prato interpreta um personagem que é um músico do interior, que vem para a cidade grande em busca do sonho de ser um artista e gravar seu disco. Mas acaba sendo pasteurizado pela indústria da música, deixa de ser um cantor regional para se tornar um caricato sucesso dos bregas. Uma história bem comum nesse mundo da música.
 
a cena
culpa
eta cabeça 
paredão da dor
 

 

.

Grupo Olho Nú (1981)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos! Os compactos e ‘singles’ são discos, geralmente de 7 polegadas. O nome compacto vem do fato do disquinho ser uma espécie de resumo de uma obra maior, no caso o ‘long play’, porém há disco de 7 polegadas que não são compactos, pois esses são originais, tendo sido criados apenas nesta versão. A indústria fonográfica antigamente usava muito do artifício do compacto para lançar músicas e artistas no mercado. De acordo com a aceitação do público e sucesso do disquinho, acabava virando lp. Porém, muita gente gravou apenas em discos compactos, seja porque não conseguiram o sucesso pretendido pela gravadora, seja por questões de recursos, ou mesmo pelo conceito do projeto. Nessa nossa mostra de disquinhos de 7 poleadas vamos encontrar um pouco de tudo isso. A única coisa que talvez a gente não encontre nos compactos/7 polegadas são informações sobre artistas e conteúdo, pois muitos desses disquinhos mal traziam as informações no próprio selo, pois as capas são genéricas. Mas há também os disquinhos com capa e esses geralmente não são resumos e sim obras originais, contudo e muitas vezes, também passamos pelo problemas de pouca informação. Aqui um bom exemplo, este disquinho do Grupo Olho Nú, lançado em 1981 pela gravadora Copacabana. Vejam vocês, neste caso temos a capinha ilustrada, com a imagem do grupo, nome das duas músicas e registros da fábrica e nada mais. Daí, você vai ao Google, pesquisa pelo nome e não encontra nada, nem no Youtube há referencias musicais. Mesmo assim, na insistência dessa postagem, o que podemos dizer é que se trata de um trabalho interessante que faz lembrar muito a música mineira. Talvez até sejam artistas mineiros, mas infelizmente não há nada onde se apoiar. Quem sabe, uma hora dessas, alguém do grupo nos envia um e-mail contando a história? Daí o Toque Musical reedita este texto. Toda via, o que podemos dizer é que vale a pena conhecer as duas músicas deste disco. Confiram no GTM…
 
estrelas lavadas
se o tempo
 
 
.

Mário Lúcio (1983)

Olá, amigos cultos e ocultos! Dando prosseguimento à sua mostra de compactos, o TM apresenta hoje um disco de Mário Lúcio de Freitas, produtor musical, cantor, compositor, apresentador, dublador, músico de conjunto e ator. Enfim, um artista bastante versátil. Nascido em São Paulo no dia 22 de dezembro de 1948, Mário Lúcio participou de várias bandas como músico (Os Iguais, Os Incríveis, Jet Blacks, The Beatnicks, etc.). Usando o pseudônimo de Robert Thames, ele emplacou a música “Tenderness” na trilha sonora da novela global “Vamp” e no seriado mexicano “Chaves”. Criou várias vinhetas de abertura conhecidas de programas de televisão, como as de “Chaves”, “Cavaleiros do Zodíaco”, “Punky, a levada da breca”, “Jem e as Hologramas”, do “TJ Brasil”, “Hebe”, “Programa livre”, das novelas “Os ricos também choram”, “Chispita” etc. Foi um dos donos do estúdio de dublagem Marshmallow , e proprietário de outra empresa dubladora, a Gota Mágica, no qual foram gravados vários sucessos, como “CDZ”, “Bananas de Pijamas”, “Dragon Ball” etc. No presente compacto simples, lançado pela RGE em 1993, Mário Lúcio interpreta duas composições de sua autoria: “Pecado de amor” (que foi tema de abertura da novela de mesmo nome, exibida pelo SBT) e “Duende”.  E também assina os arranjos e regências, prova inconteste de sua versatilidade. Não deixem de conferir no GTM.


pecado de amor

duende

*Texto de Samuel Machado Filho

Lena Rios – Sem Essa Aranha (1972)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Eis aqui um disquinho dos mais interessantes entre os compactos originais, que não são resumos de lps. Aqui temos, Lena Rios, cantora vindo do Piauí, surgiu no início dos anos 70 cantando composições de artistas como Torquato Neto, Macalé, Waly Salomão… Em 1972 ela lança este compacto, no qual temos “Garanto”, composição de Luiz Melodia e Célio José. Esta foi a primeira vez que uma cantora gravava um música de Luiz Melodia. Neste compacto duplo temos ainda do lado 1. “Eu sou eu , Nicuri é o diabo”, música de Raul Seixas. Seguindo do lado 2  vem “Verão estrelado”, de Hyldon e Mazola e fecha com “Sem essa, aranha”, de Torquato Neto e Carlos Galvão, essa última, um ‘rockão’ tropicalista, um quebradeira que por só já vale o disco. Não sei como nenhuma artista roqueiro da nova geração ainda não regravou essa música. Mas, enfim, um compacto que merece atenção. Confira no GTM…
 
garanto 
eu sou eu, nicuri é o diabo
verão estrelado
sem essa aranha

Célia, Márcia E Zéluiz – Brasil Canta Na Itália (1984)

Buongiorno, amigos cultos e ocultos! Tenho aqui este disquinho, “Brasil canta na Itália”, lançado pelo selo Pointer, em 1984, trazendo as cantoras Márcia e Célia e também o cantor Zéluiz, um trio de intérpretes que dispensa maiores apresentações. Me chamou a atenção este compacto, pois acredito eu que não se trata de um resumo de um lp e sim um registro exclusivo neste formato de vinil. Temos aqui três composições brasileiras versadas para o italiano e segundo observo na contracapa, as músicas foram temas de novelas. Como há tempos eu não não vejo novelas, confesso também não conhecer esses temas. Somente agora estou tendo um contato auditivo, nessa nossa mostra de disco de sete polegadas. Só mesmo assim para se ouvir e conhecer tantos discos que me rodeiam. Uma oportunidade boa que eu compartilho aqui com vocês. Confiram no GTM…
 
e suona suona (verso novo) – márcia
fingere di essere amici (o que arde cura) – célia
fine della festa (fim de festa) – zéluiz
 
 
.

Juca Chaves – As Duas Faces De Juca Chaves (1960)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Embora muitas vezes já tenhamos postado aqui um disco inteiro, é sempre curioso conhecer o seu compacto, saber que ele existiu. Compactos são sempre uma grande surpresa e aqui temos outro que vale a pena mostrar e por acaso de um disco do Juca Chaves que não chegamos ainda a postar. Aqui, um compacto simples, lançado pela RGE, em 1960, mesmo ano de lançamento do lp. Aqui temos dois de seus sucessos…
 
nasal sensual
por quem sonha ana maria
 
 
.
 

Quarteto Em Cy – Compacto (1966)

Boa noite, meus camaradas, amigos cultos e ocultos! Separei muitos disquinhos de sete polegadas para este mês. Alguns, na verdade, são somente compactos de álbuns os quais eu já postei por aqui. É o caso deste resumo do lp “Som Definitivo”, gravado pelo Quarteto em Cy, juntamente com o Tamba Trio, em 1966. Aqui vamos encontrar dois grandes sucessos: “Das Rosas”, de Dorival Caymmi e “Arrastão”, de Edu Lobo. Confesso que estou postando este disquinho apenas pelo capricho de ter estampado aqui uma produção do selo Forma.
 
das rosas
arrastão
 
 
.

Miltinho – Palhaçada (1962)

Boa noite, meus caros amigos cultos e ocultos! Depois do Carequinha, que tal mais uma palhaçada? E essa é da boa! Aqui um compacto também da antigas, de 45 rpm, lançado pela RGE em 1962, trazendo o anasalado Miltinho, um cantor, para mim, dos mais interessantes. Miltinho vem trazendo neste compacto duplo quatro sambas, o grande sucesso que também dá nome ao disco, “Palhaçada”, música de Haroldo Barbosa e Luis Reis. Tem ainda “Perdoa Coração”, “Poema do Adeus” e “Estrada do Amor”. Miltinho vem acompanhado da Orquestra RGE. Não deixem de conferir…
 
palhaçada
perdoa coração
poema do adeus
estrada do amor
 
 
.

Carequinha – Compacto 45 rpm (1963)

Olá, amigos cultos e ocultos! Entre os muitos disquinhos de 7″ que selecionei para nossa mostra está o inesquecível Carequinha. Digo inesquecível para aqueles como eu que foram crianças no tempo desse palhaço. Eita, que eu sabia cantar tudo isso de cor e salteado. Com certeza muitos de vocês também, não é mesmo? Então, segue aqui um compacto, que se não me falha a memória foi lançado em 1962, ou 63. Os compactos ainda nesta época eram de 45 rpm e traziam a opção furinho ou furão, o furão era adotado nos compactos importados. Aqui no Brasil, segundo contam e já contamos por aqui, os compactos passaram a ser de 33 rpm por conta do mineiro Pacífico Mascarenhas. Ao que contam, Pacífico conseguiu convencer o produtor fonográfico Harry Zuckerman a transformar o compacto de 45 rpm em 33. Assim a Companhia Industrial de Discos (CID) criou o primeiro compacto rodando em 33 rpm.
Mas, voltando ao Carequinha, temos aqui este compacto duplo (com duas músicas de cada lado), trazendo gravações lançadas originalmente em 1961, em discos de 78 rpm. Essas gravações também constaram nos lps que vieram a ser lançados ainda naquela década.
 
rock do ratinho
escolinha do carequinha
canção da criança
canção da primeira comunhão
 
 
.

Vinícius De Moraes – Compacto (197…)

oa tarde a todos os meus amigos cultos e ocultos! Aqui vamos nós oferecendo a todos um ‘deguste’ para esta a série de compactos, que teremos em março. Hoje vamos com o velho e bom Vinícius de Moraes, em um compacto duplo, lançado em Portugal e Angola, no início dos anos 70. Nele, como podemos ver, temos quatro músicas suas, em parceria com Toquinho e também o italiano Sérgio Endrigo. Nada de novo por aqui, mas essencial para nossa lista. Quem ainda não conhece, chega lá no GTM….
 
o pato pateta
valsa para uma menininha
a casa
o céu é meu chão
 
.
 

Almir Saint-Clair (1967)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Entramos em março e para tanto vamos fazer deste o mês dos compactos. Ao longo de todo o mês irei trazer um disquinho de 7 polegada diferente. Já andei separando alguns e assim começa a nossa mostra de compactos.
Começamos com este compacto lançado pela RCA Victor, em 1976. Aqui temos o ator e cantor Almir Siqueira, que neste disquinho de estreia passa a se chamar ‘Almir Saint-Clair’. Ele gravou outros compactos pela Polydor e RCA Victor, mas este talvez tenha sido o de maior sucesso, quando então interpretou as versões de dois temas do Festival de San Remo de 1967, as músicas “Non Pensare a Me” e “Ciao Amore, Ciao). Almir Saint-Clair também trabalhou como ator no teatro e no cinema mas a partir dos anos 70 se tornou produtor cultural trabalhando com shows e espetáculos diversos. Nos anos 80 foi parar na Escola de Samba Império da Tijuca com puxador de samba, voltando anos depois a trabalhar com produção. Em 2003 gravou um cd em homenagem a Noel Rosa.
 
não pense em mim
tchau amor, adeus
 
.