Papete (1987)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aí vai mais um álbum do grande José de Ribamar Viana, o Papete, nascido na cidade de Bacabau, Maranhão, em 8 de novembro de 1947. Estudou no Colégio Marista Maranhense e iniciou sua carreira artística aos 13 anos de idade, atuando como cantor na Rádio Gurupi de São Luís, lá se apresentando até 1967. Ainda nesse ano, compôs sua primeira música, “O bonde”, nunca registrada em disco. Em 1969, teve sua primeira música gravada, “Eu morro se perder você”, na voz de Wanderley Cardoso. Nessa época, já atuava como percussionista e violonista. Em 1970, começou a se apresentar na casa noturna O Jogral, de São Paulo, onde trabalhou por sete anos. Foi eleito um dos três melhores percussionistas do mundo quando participou do Festival de Jazz de Montreux, Suíça, em 1982, 1984 e 1987. Trabalhou com os maiores artistas da MPB, como Toquinho (com quem fez por treze anos mais de mil apresentações por mais de vinte países), Paulinho da Viola, Miúcha, Rosinha de Valença, Paulinho da Viola, Miúcha, Diana Pequeno, Chico Buarque, Almir Sater, Rita Lee, Martinho da Vila, Renato Teixeira e a dupla Sá e Guarabyra. Papete desenvolveu projetos voltados para o registro e divulgação da música do Maranhão, entre eles o “Ouro de mina”, tendo sido o único artista maranhense a ter um show exclusivo com repertório voltado para a cultura de seu Estado. Compôs com Josias Sobrinho as canções e o libreto da ópera popular “Catirina”, marco da cultura maranhense nos anos 1990. Um dos últimos projetos que coordenou deu origem à obra “Os senhores cantadores, amos e poetas do bumba-meu-boi do Maranhão”, lançada em novembro de 2015. Papete faleceu em São Paulo, a 26 de maio de 2016, aos 68 anos de idade, mas seu trabalho está preservado em uma discografia de mais de quinze álbuns. “Papete”, lançado pela extinta 3M em 1987, é seu quinto trabalho-solo, e conserva a qualidade artística costumeira de seus discos. É mais um ótimo álbum, merecedor, portanto, de mais esta postagem do Toque Musical. 

mascavo
a criança e o mar
cancha reta
zanzibar
vira (no meu quintal)
papagaio dos cajueiros
ramadã
dança (danza)




*Texto de Samuel Machado Filho