Rosa Maria – Cristal (1984)

Bom dia a todos, amigos cultos e ocultos. E não é que com essa reclusão o índice de audiência por aqui tem aumentado? Que bom! Só espero dar conta do recado, pois embora eu também esteja confinado, muito dos discos que eu gostaria de postar, no momento estão um tanto inacessíveis, pois meu Sound Forge eu tive que desinstalar e agora não estou conseguindo instalá-lo novamente. Daí, até que meu socorro chegue, vamos com os famosos ‘discos de gaveta’, aqueles que já estavam prontos aguardando ocasiões como essa.
E vamos de Rosa Maria, para o dia nascer feliz. No início do ano eu já havia postado dela um outro disco e agora ela volta neste lp de 84, lançado pelo selo Pointer. Como sempre, a moça brilha como um cristal, mas sua luz é de diamante. Grande cantora, dona de uma voz singular. Neste lp ela nos apresenta um repertório bem diversificado, com muita música boa que já conhecemos, mas que, sem dúvida ficam ainda mais bonita com sua interpretação. Não bastasse, ela ainda vem assessorada por grandes arranjadores (Eduardo Assad, Eduardo Souto Neto, Reinaldo Arias, Luiz Avellar e Antônio Adolfo) e traz também um time de músicos instrumentistas de primeiríssima linha. Conta também com a participação especial da cantora e atriz Lucinha Lins. São doze canções para se ouvir com atenção. Um disco que merece o nosso toque musical. Confiram no GTM.

bicho papão
ilusão
negritude cristal
bastante
águas
going out of my head
coisas pequenas
viagem
mascavo
tenho mais é que viver
iso é para a dor
the island



.

Rosa Maria – Uma Rosa Com Bossa (1966)

Olá amiguinhos cultos e ocultos! Tempo corrido, vamos direto ao assunto. Tenho hoje para vocês a cantora Rosa Maria. Por certo, muitos irão lembrar do sucesso “California Dreamin”, do grupo The Mamas & The Papas, que ela regravou para uma campanha publicitária nos anos 80. A gravação fez tanto sucesso que acabaram lançado em um EP (um disco de 12 polegadas com apenas duas músicas) com outro grande clássico, a música “Summertime. Um disco promocional onde participa também o fantástico Tony Osanah. Mas a história de Rosa Maria começa nos anos 60, quando sai de Minas e vai para o Rio de Janeiro tentar a carreira artística como cantora e também atriz. Cantava jazz e bossa nova no Beco das Garrafas. ‘Apadrinhada’ por Wilson Simonal, participa como convidada em seu disco “S’Imbora”. Foi logo em seguida que ela assina contrato com a Odeon para gravar este que foi o seu primeiro disco: “Uma Rosa Com Bossa”, em 1966. Um discaço, diga-se de passagem. Cheio de bossa num repertório que ainda cabe a participação do Wilson Simonal em uma das faixas. É ele também que assina o texto de apresentação da cantora na contracapa. Não deixe de conferir essa joinha no GTM.

capoeira de oxalá
vivendo só
amor de nada
minha filosofia
a resposta
fica só comigo
você e eu 
tem dó
menino de braçanã
costa brava
o grito