Wauke – Onda (1987)

Olá amiguinhos cultos e ocultos, boa noite! Nosso encontro hoje é com a música de Tom Jobim, através da interpretação de Wauke, um artista de rara sensibilidade. Cantor, compositor, produtor, escritor e também astrólogo. Wauke, na verdade é Carlos Walker, músico carioca que ganhou destaque com a música “Alfazema”, que fez parte da trilha sonora de uma novela da Rede Globo, em 1975 e consequentemente nesse mesmo ano lança seu primeiro disco, o cultuado “A Frauta de Pã” pela RCA. Este disco, inclusive, nós já postamos aqui no Toque Musical. Agora nosso artista volta assinando como Wauke e neste álbum, de 1987, lançado pelo selo 3M, ele nos presenteia com uma seleção, certamente escolhida a dedo, de dez canções de Antonio Carlos Jobim. Quando digo presenteia não é atoa. Temos aqui um repertório finíssimo de um dos maiores compositores brasileiros, um intérprete apaixonado, dono de uma voz super agradável, quase feminina, mas que em nada soa como falsete. Somado a tudo isso temos um time de músicos também de primeiríssima, oque garante ao artista a segurança na releitura de obras tão conhecidas. E Wauke o faz com competência, sem parecer o que fatalmente acontece nesses casos, mais uma versão. Bom, não deixa de ser uma versão, mas cheia de personalidade. Vale a pena conferir essa “Onda”.

wave

vivo sonhando

o nosso amor

falando de amor

espelho das águas

pois é

águas de março

chora coração

.

Papete (1987)

Olá, amigos cultos e ocultos! Aí vai mais um álbum do grande José de Ribamar Viana, o Papete, nascido na cidade de Bacabau, Maranhão, em 8 de novembro de 1947. Estudou no Colégio Marista Maranhense e iniciou sua carreira artística aos 13 anos de idade, atuando como cantor na Rádio Gurupi de São Luís, lá se apresentando até 1967. Ainda nesse ano, compôs sua primeira música, “O bonde”, nunca registrada em disco. Em 1969, teve sua primeira música gravada, “Eu morro se perder você”, na voz de Wanderley Cardoso. Nessa época, já atuava como percussionista e violonista. Em 1970, começou a se apresentar na casa noturna O Jogral, de São Paulo, onde trabalhou por sete anos. Foi eleito um dos três melhores percussionistas do mundo quando participou do Festival de Jazz de Montreux, Suíça, em 1982, 1984 e 1987. Trabalhou com os maiores artistas da MPB, como Toquinho (com quem fez por treze anos mais de mil apresentações por mais de vinte países), Paulinho da Viola, Miúcha, Rosinha de Valença, Paulinho da Viola, Miúcha, Diana Pequeno, Chico Buarque, Almir Sater, Rita Lee, Martinho da Vila, Renato Teixeira e a dupla Sá e Guarabyra. Papete desenvolveu projetos voltados para o registro e divulgação da música do Maranhão, entre eles o “Ouro de mina”, tendo sido o único artista maranhense a ter um show exclusivo com repertório voltado para a cultura de seu Estado. Compôs com Josias Sobrinho as canções e o libreto da ópera popular “Catirina”, marco da cultura maranhense nos anos 1990. Um dos últimos projetos que coordenou deu origem à obra “Os senhores cantadores, amos e poetas do bumba-meu-boi do Maranhão”, lançada em novembro de 2015. Papete faleceu em São Paulo, a 26 de maio de 2016, aos 68 anos de idade, mas seu trabalho está preservado em uma discografia de mais de quinze álbuns. “Papete”, lançado pela extinta 3M em 1987, é seu quinto trabalho-solo, e conserva a qualidade artística costumeira de seus discos. É mais um ótimo álbum, merecedor, portanto, de mais esta postagem do Toque Musical. 

mascavo
a criança e o mar
cancha reta
zanzibar
vira (no meu quintal)
papagaio dos cajueiros
ramadã
dança (danza)




*Texto de Samuel Machado Filho

Martinha (1986)

Olá amigos cultos e ocultos! Trago aqui mais um disco de cantoras oriundas do período da Jovem Guarda. Desta vez vamos com a Martinha, que mais uma vez marca presença por aqui. Já postamos dela outros discos e agora estou trazendo este de sua fase nos anos 80. Disco lançado pelo selo 3M, uma produção de Moacyr Machado, com direção artística de Mickael. O lp traz um repertório de 10 canções, entre essas algumas de autoria da própria cantora, como podemos ver já estampada na contracapa. Um disco bem produzido, envolvend até uma pequena orquestra. Vale a pena conhecer ou relembrar. Confiram no GTM.

que homem é esse
muito estranho
pouco a pouco
já sei
confissões
fala mais alto coração
por mais ninguém
sal e pimenta
pouco demais
louca


.

Bendengó – La Nave Va (1986)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje apresentamos para vocês o quinto e último álbum do grupo Bendegó, lançado em 1986 pela extinta 3M. O Bendegó, que fazia uma mistura de rock com ritmos regionais,  foi criado na Bahia pelo cantor, compositor e violonista Winston Geraldo Guimarães Barreto, o Gereba, e gravou seu primeiro LP em 1973. Além de Gereba, faziam parte do grupo o baixista Kapenga, o tecladista Vermelho, o baterista Hely Rodrigues e, curiosamente, João Santana, o Patinhas, mais tarde marqueteiro do PT e condenado pela Operação Lava Jato a oito anos e quatro meses de prisão, acusado de lavagem de dinheiro. Ele foi o principal letrista do Bendegó e teve músicas gravadas por Pepeu Gomes (“Voz do coração”) e Diana Pequeno (“Sinal de amor e de perigo”), além de ter sido parceiro de Moraes Moreira em “Forró do ABC”. Neste disco, João é parceiro de Kapenga em duas faixas: “A fonte é viver você” e “A hora H do agora”. Gereba, que também colaborou nos arranjos, assina outras dez faixas, algumas com letra de Capinam. Em suma, um disco agradável de ouvir, e que merece ser conferido.

santa menina sensual do metrô
cores do rio
arrasou, minha coisinha
a fonte é viver você
xô xô patacho
la nave va
cuba nagô
brilho do amor
dia de mar azul
a hora h do agora
big valley
pimentinha no forró



*Texto de Samuel Machado Filho