Erlon Chaves – Banda Veneno – Vol. 1 (1971)

Boa noite, amigos cultos e ocultos! Hoje eu passei a tarde ouvindo este disco do Erlon Chaves. E com a devida atenção pude perceber o quanto esse cara era fodão, um grande artista, músico de qualidades internacionais. Pianista, maestro, cantor e compositor. Um verdadeiro astro negro, polêmico e ousado. Vítima de um racismo, de uma sociedade que não suportava ver um homem negro talentoso, charmoso e rodeado por belas mulheres. Sua ousadia em beijar mulheres em público, em programas de televisão, geralmente loiras, custou-lhe caro. Chegou a ser preso e humilhado. Puta inveja daqueles que não podiam ter nos braços uma Vera Fischer, por exemplo, que foi sua namorada. Erlon Chaves era mesmo um talento. Ainda nos anos 50, com apenas 23 anos, era o regente da Orquestra da TV Tupi. Se tornou um dos maiores arranjadores nos anos 60. Com sua Banda Veneno influenciou a música brasileira com muito suingue. Participou ativamente da fase áurea dos festivais, fez também muitas trilhas sonoras. Infelizmente, morreu muito cedo, com apenas 41 anos de idade. Em 2018 foi lançado um filme documentário, “Erlon Chaves, O Maestro do Veneno”, que busca resgatar a trajetória desse grande personagem da nossa música popular. Vale a pena assistir e conhecer um pouco mais dessa figura.
Aqui temos uma reedição de 1978, de seu disco com a Banda Veneno, lançado originalmente em 1971. Neste lp, coisa fina, temos um repertório com muitas músicas conhecidas que nele aparece com uma roupagem marcada por muito suingue e pilantragem. Mas, para mim, há duas músicas autorais, “Drive-In” e “Fim de Baile”, essa última parceria com Arnoldo Medeiros, que já vale o disco. Tem que ouvir…

cosa nostra
shirley sexy / sexy appeal
oh happy day
fora de série
eu também quero mocotó
drive-in
pulo pulo
quem é?
madalena
jesus cristo
menina da ladeira
você abusou
fim de baile
 

Paul Mauriat – Erlon Chaves – As 10 Canções Medalha De Ouro (1982)

Muito bom dia a todos os amigos cultos e ocultos! Antes de tudo, só uma coisinha: FIQUE EM CASA! Pelo amor de Deus, sejam responsáveis. Vamos baixar a curva dessa pandemia, pois só quem pode nos ajudar somos nós mesmos. Se formos depender desse (des)Governo Federal e do ‘imbecil maior’ que colocaram de fantoche de Presidente, nós estamos é no sal! Nunca pensei que chegaríamos a esse ponto, a regredirmos tanto como nação, sendo tomados por essa onda de ignorância. Lamentável… Desculpem o desabafo, mas caberia ainda muito mais, porém, vou parar por aqui…
Vamos falar de coisas boas, de música, tão importante para a sensibilidade humana. E a isso eu me refiro ao sentido maior da música que é o de transformar, melhorar o ser humano. Infelizmente, a música hoje parece ter apenas a função de distrair e para tanto ela tem que ser fácil, pasteurizada, deficiente em todo sentido cultural, música pra burros (e eles gostam). Mas, claro, a resistência sempre existirá e quem gosta de música de verdade sabe diferenciar o joio do trigo. Aqui a gente escuta de tudo, mas sempre com outros olhos. E para manter o padrão, vamos dar valor ao que tem valor.
Tenho para hoje este lp, com “As 10 Canções Medalha de Ouro”. Um disco originalmente lançado em 1972, saudando exatamente o que de melhor havia na música brasileira, na canção brasileira daquele ano. Bom, na verdade, houve nesse ano e nesse período uma riqueza musical que é difícil superar. Penso que as décadas de 60 e 70 a música popular brasileira esteve em seu melhor momento e isso se reflete até hoje, pois quando pensamos em uma seleção de dezena de músicas é inevitável que boa parte seja dessa época. E lá por 72 os críticos e entendidos do assunto também sabiam escolher o melhor. Embora o Flávio Cavalcanti, em seus programas de tv tenha quebrado muitos discos (e também  a cara), protagonizou aqui, juntamente como outros entendidos, como os produtores Mazola e Roberto Menescal, uma seleção das dez melhores canções no ano de 1972 para serem regidas e arranjadas em forma orquestral por dois grandes mestres, Erlon Chaves e o francês Paul Mauriat. O disco foi gravado aqui no Brasil e na França e tem dez músicas que realmente merecem medalha de ouro. Um trabalho bacana, orquestral e duplamente bem arranjado. Coisa que hoje dificilmente veríamos produzido. Vale a pena conferir…

casa no campo
amada amante
presepada
naquela mesa
viagem
dona chica
águas de março
como dois e dois
construção
testamento

.

Mestre Pastinha E Sua Academia – Capoeira De Angola (1969)

O Toque Musical põe hoje em foco um dos principais mestres de capoeira da história: Vicente Ferreira Pastinha, o Mestre Pastinha, através de seu único LP, lançado pela Philips em 1969. Mestre Pastinha nasceu em 5 de abril de 1889 na Rua do Tijolo, em Salvador, Bahia, filho do comerciante espanhol José Señor Pastinha e da ex-escrava baiana Eugênia Maria de Carvalho. Foi apresentado à capoeira, segundo ele próprio, por pura sorte. Quando tinha em torno de dez anos, em consequência de uma arenga de garotos, da qual sempre saía perdendo, conheceu Benedito, preto africano que se tornaria seu mestre. Tornou-se discípulo de Benedito e passou a frequentar sua casa todos os dias. Além das técnicas de capoeira, aprendeu também a mandinga. Benedito lhe ensinou tudo que sabia. E foi no ensino da capoeira que Mestre Pastinha se distinguiu durante décadas. Foi o maior propagador da Capoeira Angola, modalidade “tradicional” do esporte no Brasil. Em 1902, Pastinha entrou para a escola de aprendizes marinheiros, onde passou oito anos de sua vida. Na Marinha, praticou esgrima e aprendeu a tocar violão. Ao mesmo tempo, ensinava capoeira a seus companheiros. Em 1910, Mestre Pastinha começou a ministrar aulas de capoeira às escondidas na sua própria casa, pois a prática havia sido proibida e quem contrariasse as regras poderia ir para a cadeia. Trabalhou ainda como pintor, pedreiro e entregador de jornais, entre muitas outras ocupações. Em 1941, fundou a segunda escola de capoeira legalizada pelo governo baiano, o Centro Esportivo de Capoeira Angola (CECA), no Largo do Pelourinho, em Salvador, onde hoje é um restaurante do Senac. Entre seus alunos estão mestres como João Grande, João Pequeno, Boca Rica, Curió e Bola Sete, entre muitos outros que ainda estão em plena atividade. Sua escola ganhou notoriedade com o tempo, frequentada por personalidades como Jorge Amado, Mário Cravo e Carybé, e cantada por Caetano Veloso em seu disco “Transa”, de 1972. Em 1966, integrou a comitiva brasileira do primeiro Festival de Arte Negra, no Senegal, onde foi um dos destaques do evento, tendo também recebido a Ordem do Mérito Cultural. Contra a violência, o Mestre Pastinha transformou a capoeira em arte. Apesar da fama, ele terminou seus dias esquecido. Expulso do Pelourinho pela prefeitura, em 1971, sofreu dois AVCs seguidos, que o deixaram cego e indefeso. Embora cego, não deixava de acompanhar seus alunos. O Mestre Pastinha faleceu em 13 de novembro de 1981, aos 92 anos, em sua Salvador natal, mas continua vivo nas cantigas, nas rodas e no jogo de capoeira. É o que comprova o disco que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos.

maior é deus
bahia, nossa bahia
ei, dona alice, não me pegue não
a manteiga derramou
a canoa virou, marinheiro
adeus… adeus
canarinho da alemanha
eu já vivo enjoado
quebra jereba
dona maria o que vem aí?
lapinha
b-a-bá do berimbau
ai, ai aidê
xô xô meu canarinho
la-lain-lai-lai
eu vou ler meu abc
vou me embora pra são paulo
valha-me deus, senhor são bento



*Texto de Samuel Machado Filho 

Dominguinhos – Após Tá Certo (1979)

Olá, amiguinhos cultos e ocultos! Mais uma vez, marcando presença em nosso Toque Musical, temos o grande Dominguinhos, sanfoneiro arretado que infelizmente nos deixou em 2013. Gravou dezenas de discos e participou de outros tantos ao longo de sua carreira. Sem dúvida, um artista genial que estará sempre em nossa memória e na história da música popular brasileira.
” Após, tá certo” é um disco lançado no final dos anos 70. Um trabalho totalmente autoral, sendo algumas faixas em parcerias. Um disco de forró, de cabo a rabo. Imperdível!

de altamira a campina grande
chega morena
chorinho pro mudinho
no forró da dona zefa
após tá certo
penitente
pode morrer nessa janela
forrozinho aperreado
lamento sertanejo
homenagem a jackson do pandeiro
beijo de brejo
a costureira
.
.