Canto Livre (1982)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o TM traz a vocês mais uma raridade: o primeiro LP do grupo gaúcho Canto Livre, gravado nos estúdios da ISAEC e lançado em outubro de 1982, de forma independente (aliás houve muitos lançamentos independentes nessa época), com produção e mixagem de Ricardo Garay e Calique Ludwig, também responsável pelo arranjo de vozes na faixa “Eta negro”. O grupo era formado pelos irmãos Jair e Jairo Kobe, Fernando Cardoso, Míriam Kelm, Elaine Marques e as irmãs Selma e Vânia Martins. Um excelente septeto, como poderemos confirmar ouvindo as nove faixas deste trabalho, considerado síntese da melhor música nativista gaúcha da nova geração de então. E todas elas com a parceria de Sérgio Napp  (1939-2015), também compositor e escritor. Foi com uma das faixas deste trabalho, “Desgarrados”, feita junto com Mário Barbará, que ele venceu a décima-primeira edição da Califórnia da Canção Nativa, evento que acontece desde 1971 e considerado patrimônio cultural do Rio Grande do Sul. A faixa de encerramento, “Juventude”, é também muito apreciada até hoje. O grupo ainda faria mais um LP em 1984, “Comunicação”, e voltaria à cena em 2014, com novos integrantes em sua formação. Ainda hoje continuam na ativa, fazendo shows nos quais apresentam músicas típicas gaúchas, faixas marcantes da MPB e destaques internacionais. Enfim, este primeiro álbum do Canto Livre é um documento histórico, mais um trabalho raro e de qualidade que o TM oferece a vocês, com o orgulho e a satisfação de sempre. 

recuerdos
e quando isso acontece
eta negro
dia de graça
desgarrados
entre na roda
janeiro
gente boa
juventude



*Texto de Samuel Machado Filho

Coisas Nossa (1980)


O Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos o primeiro LP do conjunto carioca Coisas Nossas, lançado em 1980 de forma independente. Formado por Aluísio “Luíta” Didier e seu irmão Carlos, o Caola (ambos violonistas), mais Dazinho (flauta e sax), Henrique Cazes (cavaquinho), Zé Pité (piano) e Oscar Bolão (pandeiro), todos também vocalistas, o grupo apresentou-se pela primeira vez em 1975, com o espetáculo “Noel Rosa”, dedicado à obra do imortal compositor, no auditório da PUC-Rio e em algumas escolas públicas (o nome do conjunto, aliás, foi tirado de um samba de Noel). No ano seguinte, montaram o espetáculo “Novos músicos tocam velhos mestres”, com músicas de Pixinguinha, Noel Rosa e Ary Barroso, inaugurando o Museu de Arte de Campo Grande, zona norte do Rio. A partir de 1977, o grupo incorporou esquetes teatrais aos seus espetáculos, mesclando músicas cariocas dos anos 1920/30 com composições próprias e brincadeiras cênicas. Finalmente, em 1980, veio este primeiro álbum, que o TM nos apresenta hoje (depois vieram mais três). A maior parte das músicas é dos integrantes do grupo, e temos ainda duas composições de Noel Rosa: a já citada “Coisas nossas” e “Disse-me-disse”, até então inédita em disco e aqui em sua primeira gravação. Em suma, um trabalho interessante e digno da postagem de nosso Toque Musical.

deixa de ser burro
texas, etc, documentos s/a
santa luzia
barremoto
lundu
bandeira
o que é isso companheiro?
coisas nossas
disse me disse
índios
berços do samba
praia de angra III

*Texto de Samuel Machado Filho

Butuca – Lance Livre (1981)

De vez em quando aparecem algumas incógnitas. Por exemplo, este álbum que o Toque Musical oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos. Ao que parece, este foi o primeiro e único álbum de Butuca, gravado ao vivo em Salvador, no final de 1979, mas só lançado em 1981, de forma independente, somando-se, por sinal, aos muitos discos lançados fora do circuito das gravadoras nesse período. Olha, não encontrei absolutamente nada a respeito de Butuca, nem mesmo no Dicionário Cravo Albin, uma das fontes que geralmente se consulta em termos de MPB. É como se ele jamais tivesse existido. Pelo jeito, este trabalho deve ter passado despercebido quando de seu lançamento, daí a falta de informações a respeito de Butuca. Mas, ouvindo este disco, poderemos constatar que merecia sorte bem melhor. O repertório é todo autoral, e de ótima qualidade, demonstrando que a praia de Butuca era a MPB de nível. A ponto de se lamentar que ele não tenha passado desse disco. Se alguém tiver informações a respeito de Butuca (afinal não tem biografia dele em lugar nenhum) e também souber por onde ele anda, escreva aqui para o TM. Eu e o Augusto agradecemos de coração.

(PS. Augusto: Ao que tudo indica, Butuca é um artista falecido e este lp é uma obra póstuma)

mistérios do céu de abril

madrugada camponesa

desafio

madalena

paisagem tropical

segredos do mundo

morenou

chuva

esperança

lance livre



*Texto de Samuel Machado Filho

Marcelino Buru – Sessão Cabidela (1978)

Fala aê… meus amigos cultos e ocultos! Entre os muitos discos que venho recebendo do amigo Fáres, hoje eu trago um bem a cara do Toque Musical, ou seja, uma produção curiosa, interessante e geralmente obscura. Tenho aqui um disco de um artista brasileiro gravado na França. Trata-se de Marcelino Burú, um nome mais conhecido no mundo das artes cênicas. Ator, diretor, compositor e produtor cultural. Iniciou sua carreira nos anos 60, sendo o fundador do Teatro Casarão, em São Paulo. Atuou em diversas peças, trabalhando com alguns dos mais importantes nomes do teatro nacional. Trabalhou em novelas da Record, Tupi e da Globo. Foi também professor de teatro, tendo êxito como ator e diretor no Festival Mundial de Teatro, na Polônia com a peça O Rei Momo. Acabou ficando pela Europa indo morar em Paris por seis anos. Por lá, além do teatro, desenvolveu a carreira musical, tendo levado a sua arte por vários países da Europa, além de Africa e Estados Unidos. Trabalhou também no cinema. Creio que atualmente ele mora no Brasil.
Este disco foi sua estréia musical. Gravado em maio de 1978, “Sessão Cabidela” é um trabalho onde estão presentes outros ilustres artistas brasileiros, entre esses o genial Naná Vasconcelos que cuida também da direção musical. No disco há ainda a participação da dupla Les Etoiles (Luiz Antonio e Rolando), já apresentada aqui no Toque Musical. Não deixem de conferir no GTM. ok? 😉

mineiro
gosto
kinguelê
ovo há 
saco d’ alho
compadre 
sou feliz
alodó
cosi-cosa
cabidela

.

Eduardo Gudim – Fogo Calmo Das Velas (1981)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Postagens aqui, agora acontecem quando todas as luas estão estão emparelhadas, ou seja quando tudo está favorável. O momento é propício e então vamos nós…
Tenho para vocês este lp do compositor paulista, Eduardo Gudim. Taí um disquinho que estarei descobrindo juntamente com vocês. Agradeço ao amigo Fáres por mais esse presentinho 🙂 Ouvi apenas uma vez, mas já deu pra sentir e recomendar. Eduardo Gudim nos apresenta um disco, produção independente, lançado em 1981 com dez faixas, todas de sua autoria e muitas com parceiros como Paulo Cesar Pinheiro, Cacaso, Sergio Natureza e outros. Conta com a participação também da turma do MPB-4, Vera Coutinho, Maria Martha e Márcia. Como se vê, um trabalho que não tem como ser ruim. Vamos conferir? 😉

anúncio classificado
teatro de revista
lamentos no morro
é reatando que a gente se estrepa
o que tem que ser
alma
mais de um
pensamento
olhos frios
por eu ser como eu sou
 

.