Flor De Cactus (1980)

Olá, amigos cultos e ocultos! Nosso encontro hoje é com o grupo potiguar Flor de Cactus. Para quem acompanha nosso blog há de lembrar que em 2018 eu postei aqui o álbum “Pepitas de Fogo”, disco lançado por eles em 1981. Novamente, trago eles neste lp, que veio antes, em 1980. Este, pelo que sei foi o segundo disco gravado pela trupe, lançado pela RCA, com produção de Gileno, o Leno da dupla da Jovem Guarda, Lilian & Leno. Alias, se não me engano, todos os discos lançados pelo Flor de Cactus foram produzidos por ele, que também é do Rio Grande do Norte. Este disco homônimo foi um dos que fez mais sucesso na época, com várias músicas que chegaram a ser bem executada nas rádios, principalmente no eixo Rio-SãoPaulo. Nele temos, por exemplo “Kamikaze”, de Zé Ramalho; “Ribeirão”, de Guarabyra; “Espiral do Tempo”, de Geraldo Azevedo e Carlos Fernando; “Norte ou Sul”, do próprio Leno e muitas outras, também autorais. O grupo Flor de Cactus, como disse, gravou alguns discos ao longo da primeira metade dos anos 80 e nesse período também teve mudanças em sua formação, mas sempre primaram pela qualidade de seus trabalhos. Quem sabe, em próximas oportunidades, a gente posta aqui seus dois outros lps. Enquanto isso, não deixem de conferir e relembrar. Quer baixar? Entra lá no GTM rapidinho, pois o prazo é curto e não tem reposição, ok?

in technicolor
aridez
saudade
para marley
aari (canto para o índio potiguar
choramingando
kamikaze
ribeirão
espiral do tempo
plantando bananeira
norte ou sul

.

Aurea Martins – Amor E Paz (1972)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje o dia é da carioca Áldima Pereira dos Santos, mas conhecida pelo nome artístico de Áurea Martins, nome este cunhado pelo ator Paulo Gracindo, quando então ela atuava em programas de auditório na Rádio Nacional, na década de 60. Em 69 ela foi a vencedora no concurso de calouros do programa A Grande Chance, de Flávio Cavalcanti. Premiada e com destaque na mídia, conseguiu então gravar, em 72, “Amor em paz”, que foi seu primeiro disco. E que disco! Estreou bem com um lp recheado de clássicos da bossa nova, tendo como arranjador o grande Luiz Eça e coordenação artística de  Rildo Hora. Não bastasse, ainda conta com a participação do poeta Paulo Mendes Campos em três faixas. Sem dúvida, é um disco diferente que traz para essas canções uma nova roupagem. Não é uma novidade nesse nosso universo de blogs musicais e certamente muitos aqui já a conhece bem. Mas também não poderia faltar aqui, no Toque Musical. Se ainda não ouviu, confira e baixe o disco no nosso Grupo do Toque Musical (GTM).

fim de noite
apelo
pra você
canção que nasceu do amor
o amor em paz
ternura antiga
sem mais adeus
pra dizer adeus
o que tinha de ser
preciso aprender a ser só
ilusão a toa
duas contas
insensatez
atrás da porta



.

Rolando & Luiz Antonio – Les Étoiles (1982)

Olá amigos cultos e ocultos! Hoje eu trago para vocês a dupla ‘Les Étoiles”, Rolando Faria e Luiz Antônio, figuras de grande sucesso na Europa, em especial na Espanha e França onde fizeram carreira como artistas, desde o início dos anos 70. Gravaram diversos discos, participaram de  filmes e espetáculos, dividindo shows com grandes artistas  franceses e brasileiros. Foram responsáveis pela divulgação de muita música e artistas brasileiros na França. Atuaram até 1985, depois fizeram algumas apresentações até 2001, quando então Luiz Antônio veio a falecer, pondo assim um ponto final nessa história. Este foi o único disco da dupla lançado no Brasil, em 1982 pela RCA. São dez faixas, entre essas músicas de Chico Buarque, Caetano Veloso, Joyce, Milton Nascimento,Lecy Brandão, Teca & Ricardo Vilas. Sem dúvida, um trabalho competente e cheio de alegria. Confira mais esse toque no GTM 😉

chica-chica-boom-chic
você
viola violar
côco verde
estão batendo
antes que eu volte a ser nada
sol negro
nacional kid ou brasileiro
jeanne la française
alô alô
 

.

Edu Lobo & Chico Buarque – Álbum De Teatro (1997)

Olá, amigos cultos e ocultos! Hoje temos mais uma raridade da era do CD. Trata-se do “Álbum de teatro”, lançado em 1997 pela RCA/BMG (hoje Sony Music), reunindo temas dos três balés que Edu Lobo e Chico Buarque compuseram juntos na década de 1980: “O grande circo místico”, “A dança da meia-lua” e “O corsário do rei”, alternando gravações originais e regravações, com outros intérpretes além dos autores. Edu e Chico interpretam juntos “Na carreira”, Leila Pinheiro canta “A história de Lily Braun” (originalmente gravada por Gal Costa), Edu interpreta solo “Na ilha de Lia, no barco de Rosa” e “Choro bandido”, Mílton Nascimento canta “Beatriz”, Zizi Possi interpreta “O circo místico”, e Gilberto Gil canta “Sobre todas as coisas”, seguido por um dueto de Chico Buarque e Gal Costa em “A mulher de cada porto”. Djavan interpreta “Meia-noite”, Ney Matogrosso, “A bela e a fera” (cuja gravação original é de Tim Maia), o grupo Garganta Profunda vem com “A permuta dos santos”, Ed Motta interpreta “Bancarrota blues” (originalmente gravada por Nana Caymmi), Chico canta solo “Valsa brasileira”, Ivan Lins interpreta “Acalanto”, Danilo Caymmi canta “Tororó”, Zé Renato e Cláudio Nucci interpretam “Salmo” e, encerrando o disco, temos a instrumental “Oremus”. Em suma, um belo álbum, produzido e remasterizado por Edu Lobo, que o TM nos oferece hoje, apresentando música da mais alta qualidade. Não deixem de conferir no GTM.

na carreira
a história de lily braun
na ilha de lia no barco de rosa
beatriz
circo místico
sobre todas as coisas
a mulher de cada porto
meia noite
a bela e a fera
permuta dos santos
bancarrota blues
valsa brasileira
acalanto
tororó
choro bandido
salmo
oremus




*Texto de Samuel Machado Filho 

Acordel (1980)

Boa noite, prezados amigos cultos e ocultos! Seguimos aqui em nossas postagens trazendo hoje o grupo Acordel, que tinha como idealizador o músico e compositor Hilton Acioli, figura cuja carreira começa ainda nos anos 50, quando fazia parte do Trio Marayá. Hilton foi parceiro de Geraldo Vandré em várias canções, sendo as mais conhecidas, “Ventania”, “O plantador”, “João e Maria” e “Guerrilhia”. Fez arranjos para disco de Diana Pequeno e teve suas músicas gravadas por diversos artistas nacionais. Uma curiosidade, Alcioli foi o autor do famoso jingles “Lula lá”. O grupo Acordel foi mais um de seus projetos, um conjunto vocal e instrumental, que infelizmente só gravou este disco.Um belo trabalho, por sinal, sendo a faixa de abertura “Chama” uma música que fez parte de trilhas e chegou a ser executada nas rádios. Confiram mais essa joinha no GTM, ok?

chama
brasileira
estrada de ferro madeira-marmoré
ladrão de terra
amanhecerá
em nome do pai e do filho
trabalhadores do metrô
cria corvos
gado bom quem tem sou eu
clarão
era uma vez


.

Beto Mi (1983)

Compositor, cantor, arranjador, regente, produtor e diretor musical. Este é o perfil de Beto Mi, nome artístico de Humberto Miranda Neto, paulista de Guaratinguetá, nascido em 4 de julho de 1958. Filho de funcionários públicos, que também tocavam acordeom e piano, é primo dos músicos Sérgio, Geraldo e Marcelo, e das cantoras Tetê e Alzira Espíndola. Ainda menino, o nosso Beto dedilhava intuitivamente o acordeom de seus pais, repetindo sons ouvidos na casa de um vizinho que tocava sanfona. Na adolescência, participou de corais, bandas marciais e grupos musicais que, entre outras coisas, tocavam em missas jovens na região. Nos anos 1970, mudou-se para a capital paulista, e cursou alguns períodos da Faculdade de Música e Educação Artística do Instituto Musical de São Paulo. Frequentou bares de estudantes e a noite paulista, e atuou como diretor musical do Teatro Experimental Universitário (TEU). Em seguida, começou a participar de festivais de música, tendo sido premiado em vários deles como compositor e intérprete. Em 1982, venceu o festival de Ubá (MG) com a música “Ói u trem”, e a convite de diretores da RCA presentes ao evento, gravou um compacto simples distribuído somente no estado de Minas. Um ano depois, novo single, agora com distribuição nacional, e em seguida vem o primeiro LP, justamente o disco que o TM oferece hoje a seus amigos cultos e ocultos, produzido por Durval Ferreira e dedicado ao irmão de Beto Mi, Lucas. O disco tem as participações especiais do saxofonista Hector Costita, de Ubirajara (bandoneon) e do percussionista Mílton Banana, recebeu elogios da crítica e vendeu mais de cem mil cópias. Ainda em 1983, participou do III Festival do Disco Visão, em Canela (RS). Residiu durante algum tempo no Nordeste, época em que lançou os discos “Espelhos” e “Um tempo pra sonhar”. Ao todo, tem sete álbuns gravados, entre LPs e CDs, e um DVD, em seus mais de 35 anos de carreira artística, nos quais armazenou diversas vitórias e conquistou vários amigos e parceiros (Sá & Guarabyra, Vanusa, Ronnie Von, Ivan Lins, Flávio Venturini etc.), com seu trabalho e sua simplicidade. Além de cantar e compor, Beto Mi criou e desenvolveu o projeto educativo, cultural, musical e ambientalista “Planeta caipira”, em parceria com a Fundação Abrinq e a ONG SOS Mata Atlântica, o que resultou em um CD lançado em 2003. Desde 1997, atua ainda como professor, arranjador, maestro e regente dos corais do Instituto Salesiano Nossa Senhora do Carmo e Albert Einstein/Objetivo, em sua Guaratinguetá natal.  Enfim, este primeiro álbum de Beto Mi, que o TM oferece a vocês hoje, documenta o promissor início de carreira deste notável músico da MPB. É ouvir e conferir. 

anjo da guada
oi u tem
o ano que virá
companheiro
o poeta (vandré)
apocalipse
prá não dizer que não falei de verso
o canto do curupira
luzes do extermínio
coração do mundo

* Texto de Samuel Machado Filho