George Kenny – Uma Noite No Beguin (1956)

Bom dia, amigos cultos e ocultos! Aqui, mais um náufrago resgatado, outro disco que merece o nosso toque musical. Hoje vamos com o organista argentino George Kenny, que segundo a contracapa nos informa ser este, na época, um dos grandes mestres dos teclados. Veio ao Brasil para se apresentar na lendária boate Beguin, do também lendário Hotel Glória, no Rio de Janeiro. Embora tenha todo esse mérito no texto de contracapa, George Kenny é hoje um ilustre desconhecido, pois nem mesmo fazendo uma busca no Google conseguimos encontrar mais informações sobre esse artista. Fica então mais essa chance, imortalizado no TM enquanto existir. Confiram no GTM!

holiday for strings
guacyra
laura
apanhei-te cavaquinho
andalucia
chuá chuá
all the things you are
liza

.

Sergio Ricardo – Depois Do Amor (1961)

Boa tarde, amigos cultos e ocultos! Hoje estou trazendo para vocês um disco que há muito eu queria ter postado aqui, mas como vocês sabem, eu gosto de um serviço completo, ou melhor dizendo, gosto de apresentar arquivos completos. Tenho preguiça até de ouvir quando o arquivo não traz capa, contracapa, selo e encartes. Por essa razão o “Depois do Amor”, de Sérgio Ricardo ficou na gaveta, esperando por uma capa, contracapa e selo. Mas, finalmente apareceu, o meu amigo Fares me presenteou com essa pérola e agora então posso compartilhar a alegria com vocês.
Temos aqui um Sergio Ricardo intérprete, bem ao estilo do artista que se apresentava na noite com seu piano. “Depois do Amor” é um disco onde ele seleciona 12 canções de outros autores, algumas, ou quase todas, verdadeiros clássicos da nossa canção popular. Sem dúvida, um disco bem bacana, hoje também um clássico, indispensável em qualquer discoteca de Bossa Nova. E aqui também 😉

depois do amor
errinho atoa
maria dos olhos grandes
foi a noite
serenata branca
duas contas
poema dos olhos da amada
passarinho
dorme dorme menininha
eu sonhei que tu estavas tão linda
ilusão atoa
quem quiser encontrar o amor

.

Paulo Cesar Pinheiro, Eduardo Gudin & Marcia – O Importante É Que A Nossa Emoção Sobreviva

Mais uma contribuição para o Toque Musical, aqui em dose dupla. “O importante é que a nossa emoção sobreviva” 1 e 2. Originalmente eles foram lançados em separados, um em 1975 e outro em 76. Na edição em cd, para a nossa felicidade, os dois vieram juntos (oba!). Para os que não sabem, trata-se de um registro ao vivo, uma seleção de shows realizados no Rio e em SP no início dos anos 70. PC Pinheiro é genial, além de um grande poeta, tem aquela voz do Nelson Cavaquinho. Aliás, em shows, ele se apresenta com filho do Nelson. Embora não seja, tem tudo a ver. No álbum aqui apresentado ele faz um breve comentário sobre seu suposto parentesco com Nelson Cavaquinhho. Este é mais um registro sonoro que não pode faltar em uma discoteca básica de MPB. Vamos ouvir?

Rosa de Ouro II – Hermilio Bello de Carvalho (1967)

O segundo Rosa de Ouro não foi diferente em brilho e grandeza do primeiro. Parece que um completa o outro. Viva Hermilio Bello de Carvalho! Esse cara é o bicho! O estrategista do samba. Neste número dois estão presentes além de Clementina e Aracy, Paulinho da Viola, Elton Medeiros, Anescarzinho do Salgueiro, Jair do Cavaco e Nelson Sargento. Mais um grande disco que, por honra, eu não poderia deixar de postar aqui no Toque Musical.

e a rosa voltou / rosa de ouro / quatro crioulos / cântico a natureza
isso é que é viver
flor do lôdo
a harmonia das flores
francesa no morro
palmares / psiquiatra
degraus da vida / mulher fingida / o que será de mim /
que samba bom / só pra chatear
dona maria devagar / clementina cadê você / santa barbara
mulato calado
minha vontade
quem sabe um dia? / rosa de ouro

Rosa de Ouro – Aracy Cortes e Clementina de Jesus (1965)

Esta é a trilha sonora de um espetáculo que marcou época, apresentado no Teatro Jovem do Rio de Janeiro e dirigido por Hermínio Bello de Carvalho. O musical e lp apresentaram para o grande público Clementina de Jesus e o samba de partido alto. O sucesso desse trabalho acabou gerando uma segunda edição dois anos depois, o Rosa de Ouro II. Por enquanto vamos curtir essa jóia, depois falamos do segundo (e também maravilhoso) álbum. Foi re-lançado em CD, mas claro que já está fora de catálogo.

Nelson Cavaquinho – Quando Eu Me Chamar Saudade (1996)

Já que começamos a cutucar a genialidade do samba, vamos abrir alas para um Grande: o maravilhoso Nelson Cavaquinho. Este disco é bem interessante, uma coletânea com 18 de suas mais conhecidas composições/gravações, interpretadas por ele e outros artistas como Paulinho da Viola, Clara Nunes, Elza Soares… Tem também o seu parceiro maior, Guilherme de Brito, na faixa 7 “A flor e o espinho” e “Quando eu me chamar saudade”. Discão!

Beth Carvalho – Andança (1968)

Taí o primeiro disco da Beth Carvalho. Não é exatamente um álbum de samba, mas está dentro do contexto. Lp muito legal, com aquele clima de anos 60, de festivais… “Andança”, uma composição de Paulinho Tapajós, Edmundo Souto e Danilo Caymmi foi defendida por ela e os Golden Boys no III Festival Internacional da Canção”. A música ficou em terceiro lugar, se tornando um clássico do nosso cancioneiro popular. Não há quem esqueça de cantá-la numa roda de viola. Além da canção homônimo, o álbum traz outras faixas interessantes como “Sentinela”, gravada e sucesso na voz de Milton Nascimento. Disco importante da MPB, básico!