Os Tincoãs (1973)

Se tem um disco do qual eu me arrependo de ter vendido, este foi Os Tincoãs de 1973. Foi preciso quase duas décadas depois para eu novamente reencontrar o álbum, na verdade, sua versão em cd relançada pela EMI Odeon. Em outras encarnações eu já havia postado este disco e fez o maior sucesso. Dessa vez eu fiquei meio resistente, pois o disco já estava bem divulgado e haviam tantas outras coisas para postar que o disquinho acabou ficando na fila de espera. Mas como se trata de algo fora de série, eu não poderia me negar aos seus encantos.
Taí, Os Tincoãs, grupo baiano surgido no início dos anos 60. Gravaram inicialmente boleros e coisas semelhantes ao Trio Irakitan. Mas foi a partir de uma conscientização da cultura negra africana, dos terreiros de Candomblé da Bahia, que o grupo começou a tomar uma forma. Este foi o segundo disco gravado por eles e com certeza o mais importante. Não apenas pelo temática, mas principalmente pelos arranjos vocais e o trabalho de produção musical do maestro Lindolfo Gaya. Neste disco o trio era formado por Mateus, Dadinho e Heraldo que veio a falecer em 1975. O trio continuou na estrada com outras formações até o início dos anos 80. Depois, Dadinho e Mateus foram morar na África. Chegaram a gravar um disco em Angola, o qual também saiu no Brasil pela CID. Em 2000, foi a vez de Dadinho que mudou de lado e foi cantar com Heraldo no céu. Os Tincoãs, só por este disco, podem ser considerados um dos maiores grupos vocais brasileiros. Excelente! Confiram o toque…

deixa a gira girar
iansã, mãe virgem
sabiá roxa
ogundê
na beira do mar
raposa e guará
saudação aos orixás
canto de iemanjá
capela d’ajuda
obaluaê
a força da jurema
embola embola

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta