High Life (1986)

Bom dia! Ontem eu postei uma colaboração e hoje, inevitavelmente, farei o mesmo, pois havia me esquecido do amigo Randolfo, que também já havia me enviado algumas coisas e eu até então nunca postei. Taí, amigão, agora é pra valer!
Vamos hoje com um quinteto de jazz-fusion, o memorável High Life. Formado por quatro feras da música instrumental brasileira e um americano: Luis Avellar nos teclados, Ricardo Silveira na guitarra, Carlos Bala na bateria, o saudoso contrabaixista Nico Assumpção e o saxofonista americano Steve Slagle. O super quinteto, me parece, gravou apenas este disco, lançado através do selo Elektra Musician, em 1986. O álbum teve um relançamento posterior em versão cd, alguns anos depois, nos Estados Unidos, numa edição feita por Steve Slagle.
Eu tenho uma certa preguiça de música instrumental, ao estilo chamado ‘fusion’, que se originou a partir de grupos como o Weather Report, Return to Forever e tantos outros. Preguiça, não quer dizer que eu não goste ou não reconheça suas qualidades. Apenas me cansa um pouco o excesso de virtuosismo, a falta de ‘riff’ ou um ‘swing’ que mexe com a gente. Sei que tem gente que vai cair de pau no que eu estou falando, mas isso é apenas uma visão pessoal, a minha. No entanto, no que se refere a este disco, eu não tenho nada a ‘crititicar’, mesmo porque os instrumentistas são ótimos, o repertório fino e tem uma música que eu adoro, “Saídas e bandeiras”, de Milton Nascimento e Fernando Brant. É, sem dúvida, um disco muito bonito e se destaca também pelo talento individual dos artistas envolvidos. Um ‘fusion’ bem singular e que vale a pena conferir.

general
saídas e bandeiras
santa monica
beira do mar
high life
cor de rosa

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

5 thoughts on “High Life (1986)

  1. Augustão
    Prá começar, FELIZ ANO NOVO.
    Concordo em gênero, número e grau com a sua posição em relação ao jazz-fusion. Foi a melhor explicação que eu já vi. É legal, mas cansa um pouco é meio monótono. CONCORDO. Antes que alguém meta o pau, não esqueçam que se trata de gosto pessoal.
    Marcão.

Deixe uma resposta