Rosa Baiana – Trilha Sonora Original Da Novela (1981)

No dia 13 de maio de 1967, era inaugurada em São Paulo a TV Bandeirantes, Canal 13, pertencente ao empresário João Jorge Saad, que seria convertida em rede nacional a partir de 1978, mais ou menos.  Desde o início, a emissora investiu em esportes, filmes e jornalismo, tripé que a caracterizou durante anos. Já nos primeiros dias de funcionamento, a emissora, hoje conhecida pela corruptela Band, pôs no ar sua primeira novela: “Os miseráveis”, adaptação do romance homônimo do escritor francês Victor Hugo, feita por Walther Negrão e Chico de Assis, com uma inovação: capítulos com 45 minutos de duração. Nesse período, a Bandeirantes fez outras novelas, tais como “Era preciso voltar” e “O bolha”. Em 1970, um ano após o desastroso incêndio que destruiu as instalações da Bandeirantes, encerrava-se o primeiro período de produção teledramatúrgica da emissora do Morumbi. Em 1979, já convertida em rede nacional, a Band retomou a produção de novelas, com “Cara a cara”. Seguiram-se outros títulos, tais como “Cavalo amarelo”, “Ninho da serpente”, “O meu pé de laranja-lima” (remake de uma produção da extinta Tupi, que a Band refaria novamente em 1998), “Maçã do amor”, “Sabor de mel”, “Os imigrantes” (talvez a novela de maior sucesso da emissora, e a que mais capítulos teve, 459), “Os adolescentes”, “Campeão” etc. Isso até meados da década de 1980. Por volta de 1995, inicia-se o terceiro e último período de produção novelesca da Band, com títulos como “A idade da loba”, “Serras azuis”, “Água na boca” e as infanto-juvenis “Floribela” e “Dance, dance, dance”.  Em 2008, a Band desistiu definitivamente da teledramaturgia de produção própria, e exibiu por algum tempo títulos produzidos na Turquia, tais como “Fatmagul – A força do amor”, “Mil e uma noites” e “Sila, prisioneira do amor”.  Pois hoje o TM oferece a seus amigos cultos e associados o álbum com a trilha sonora de uma novela pertencente à segunda fase teledramatúrgica da Bandeirantes. Trata-se de “Rosa baiana”, escrita por Lauro César Muniz (recém-saído da Globo, onde escrevera“Os gigantes”). Dirigida pelos experientes Waldemar de Moraes, Antonino Seabra e Sérgio Galvão, que substituíram David José, a novela estreou em 9 de fevereiro de 1981, substituindo a tumultuada “Um homem muito especial”,  e ficou em cartaz até 30 de julho do mesmo ano, com um total de 141 capítulos (90 deles totalmente gravados em locações).  A trama tinha como pano de fundo os campos de petróleo da Bahia, e teve até mesmo o patrocínio da Petrobras! Lá, vive a personagem-título,  interpretada por Nancy Wanderley, primeira esposa do comediante Chico Anysio, com os problemas de seus sete filhos: Agenor (Gianfrancesco Guarnieri), Ivan (Edgard Franco), Orestes (Walter Prado), Walter (Raimundo de Souza), Edinho (Taumaturgo Ferreira), Bráulio (Maurício do Valle) e Cláudia (Wanda Stefânia). Rosa espera que, um dia, Edmundo Lua Nova (Rafael de Carvalho), seu companheiro e pai de seus filhos, retorne novamente para casa. Ainda no elenco estavam Maria Luiza Castelli(Neide), João Signorelli  (Roberto), Jofre Soares (Frei Damião) e Ana Maria Magalhães (Natália), entre outros. Em meio às gravações da novela, no dia 3 de maio de 1981. Rafael de Carvalho, o Edmundo Lua Nova, morreu de infarto. Porém, Lauro César Muniz descartou a hipótese de matar o personagem ou substituír o ator. Assim sendo, ele fez Edmundo abandonar sua família, deixando a trama, retornando ao final em um show de circo, gravado antes do falecimento de Rafael (e com a presença dele, é lógico). Pois cá está a trilha sonora de “Rosa baiana”, devidamente editada pela Bandeirantes Discos, sob o selo Clack. Com sonoplastia do “cobra” Salatiel Coelho, e sob a coordenação de produção de Renato Viola, é um trabalho bem cuidado até mesmo graficamente, com uma capa dupla que mostra uma bela vista aérea do litoral soteropolitano. No disco, encontramos preciosidades como “Zanzibar (As cores)”, com  A Cor do Som, que até fez sucesso na época, “A vendinha da feira”, com Zé do Baião, “Hora de ser criança”, com Délcio Carvalho, “Estrela-guia”, com Joanna, “Litetratura de cordel”, com o Grupo Terra, e a faixa-título, “Rosa baiana”, interpretada por Xangai. Encerrando o álbum com chave de ouro, uma versão instrumental da imorredoura “Asa branca”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, pela Banda Bandeirantes. É mais um trabalho de qualidade a integrar, merecidamente, a retrospectiva músico-novelesca de nosso TM. É só conferir…

rosa baiana – xangai
zanzibar – a cor do som
desci ladeira – odair cabeça de poeta
literatura de cordel – grupo terra
zumbi – grupo agreste
maracanã – ponte aerea
estrela guia -joana
hora de ser criança – delcio carvalho
desencontro – barca do sol
jaíba – grupo agreste
a vendinha da feira – zé do baião
asa branca – banda bandeirantes

*Texto de Samuel Machado Filho

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Deixe uma resposta