Mario Reis – Ao Meu Rio (1965)

É… a gripe me pegou mesmo. Eu ontem, por honra da firma, fiz rapidamente a postagem, tomei um banho e fui para a cama. Nem me dei conta de que faltou publicá-la. Somente hoje cedo foi que percebi o atraso. Seja como for, tardou mas não faltou 😉
Eu continuo na mesma, um pouco desanimado e com dor de garganta. Mas vamos logo cedo dando o toque musical do domingo. Nada como uma boa música para ajudar na cura de nossos males. Hoje nós iremos de Mario Reis, um dos mais singulares cantores do rádio. Um interprete revolucionário da canção brasileira, considerado um dos precursores da Bossa Nova.
“Ao meu Rio” foi seu segundo LP, também dirigido e à convite de Aloysio de Oliveira por ocasião do IV Centenário do Rio de Janeiro, só que desta vez pelo selo Elenco. No álbum, entre outras, ele regravou alguns de seus maiores sucessos. O disco é coisa fina, com arranjos e regência do maestro Gaya. Quem ainda não o ouviu, faça-me o favor…

cadê mimi
jura
o destino é deus quem dá
flor tropical
quando o samba acabou
agora é cinza
sofrer é da vida
pelo telefone
linda morena
dorinha meu amor
gavião calçudo
formosa

Comments

comments

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

10 comentários a “Mario Reis – Ao Meu Rio (1965)

  1. Este é o segundo dos 3 LPs gravados por Mário Reis, em uma das esparsas oportunidades em que retomou a carreira em disco. Seleção muito boa, com sucessos dele próprio e de outros cantores de sua época ou de antes dela, caso de “Pelo telefone”, oficialmente o primeiro samba gravado no Brasil, de 1917, lançado originalmente pelo cantor Bahiano. Mário só faria mais um LP, em 1971, pela Odeon, e deixaria de vez a carreira, vivendo recluso no Copacabana Palace Hotel até falecer, em 1981.

Deixe uma resposta